Cão Ju­ris: Bol­sa de De­fe­sa Ani­mal

O nos­so lei­tor ain­da não co­nhe­ce a Bol­sa de De­fe­sa Ani­mal? Ve­nha con­nos­co des­co­brir.

Caes & Companhia - - CONTENTS -

ABol­sa de De­fe­sa Ani­mal é um pro­je­to cri­a­do por três mu­lhe­res li­ga­das pro­fis­si­o­nal­men­te à área do Di­rei­to, e nas­ce fru­to da von­ta­de em apoi­ar quem, com o seu tra­ba­lho in­can­sá­vel, pro­te­ge quem é mais frá­gil… os nos­sos que­ri­dos ami­gos de qua­tro pa­tas que são ne­gli­gen­ci­a­dos. Pois es­te mês es­te pro­je­to com­ple­ta um ano de vi­da, e por es­se mo­ti­vo, nes­ta edi­ção da Cão Ju­ris ire­mos de­di­car umas li­nhas a es­ta ini­ci­a­ti­va, dan­do a co­nhe­cer o que tem si­do fei­to e o ca­mi­nho que que­re­mos con­ti­nu­ar a tri­lhar.

Bol­sa de De­fe­sa Ani­mal Porquê e pa­ra quem?

Uma das áre­as de in­te­res­se da equi­pa que com­põe a Bol­sa de De­fe­sa Ani­mal é exa­ta­men­te o Di­rei­to dos Ani­mais, e nes­se sen­ti­do, na­da mais gra­ti­fi­can­te pa­ra quem se apai­xo­nou por es­ta área do que aju­dar quem to­dos os di­as tem a seu car­go cen­te­nas de vi­das de ami­gos de qua­tro pa­tas. Mui­tas ve­zes, es­tas As­so­ci­a­ções são con­fron­ta­das com si­tu­a­ções ver­da­dei­ra­men­te tris­tes, co­lo­can­do se­ri­a­men­te em des­cré­di­to a tal Hu­ma­ni­da­de que nos é ca­rac­te­rís­ti­ca. E pe­ran­te is­so, fa­zem o que po­dem, e tan­tas ve­zes o que não po­dem… E a ver­da­de, é que se nós tam­bém po­de­mos fa­zer uma par­te, foi is­so que de­ci­di­mos fa­zer. As As­so­ci­a­ções, co­mo en­ti­da­des de di­rei­to pri­va­do, tam­bém têm di­rei­tos e obri­ga­ções e há uma sé­rie de si­tu­a­ções

on­de po­de­mos aju­dar, dei­xan­do as su­as mãos li­vres e as su­as al­mas um pou­co mais tran­qui­las. Ora a Bol­sa de De­fe­sa Ani­mal foi as­sim cri­a­da, dis­po­ni­bi­li­zan­do apoio ju­rí­di­co, atra­vés de um ban­co de ho­ras, des­ti­na­do a apoi­ar As­so­ci­a­ções Zoó­fi­las, em re­gi­me pro bo­no. E o nos­so prin­ci­pal mo­te é sa­ber que po­de­mos dar a mão aos mais frá­geis e sen­sí­veis, que tan­tas ve­zes me­re­cem uma tu­te­la re­for­ça­da. E des­te mo­do, tam­bém eles, po­dem con­tar com um Ad­vo­ga­do!

Um ano de vi­da!

Pois ao fim des­te pri­mei­ro ano de vi­da, te­mos al­guns sen­ti­men­tos, que po­de­mos até afir­mar, con­tra­di­tó­ri­os. Por um la­do, é um sen­ti­men­to fan­tás­ti­co po­der co­la­bo­rar com tan­tas pes­so­as que de­di­cam, de for­ma al­truís­ta, a sua vi­da a tra­zer con­for­to, um pra­to de ra­ção, um te­to e amor aos pe­que­nos se­res que fa­zem des­sas as su­as ca­sas. Por ou­tro la­do, não há co­ra­ção que não fi­que aper­ta­do com as his­tó­ri­as que es­tes pe­que­nos po­de­ri­am con­tar, se pu­des­sem fa­lar. Te­mos apoi­a­do al­gu­mas As­so­ci­a­ções Zoó­fi­las em ques­tões ad­mi­nis­tra­ti­vas, em ma­té­ri­as re­la­ci­o­na­das com o seu es­ta­tu­to as­so­ci­a­ti­vo, a tí­tu­lo con­tra­tu­al, e em pro­ces­sos cri­mi­nais re­la­ci­o­na­dos com maus tra­tos ani­mais. Ten­ta­mos ade­mais, for­mar e in­for­mar. Não bas­ta ape­nas atu­ar, col­ma­tan­do si­tu­a­ções, mui­tas de­las, de dor e so­fri­men­to. Es­ta ca­mi­so­la que ves­ti­mos, com uns bi­go­des e uma cau­da ne­la pin­ta­da, é uma de­man­da tam­bém de (in)for­ma­ção. É uma de­man­da que exi­ge tam­bém ter um pa­pel ati­vo na mu­dan­ça de men­ta­li­da­des, com­ba­ten­do ve­e­men­te­men­te o des­co­nhe­ci­men­to. Nes­se as­pe­to, con­ta­mos lo­go des­de iní­cio com a re­vis­ta “Cães & Com­pa­nhia”, que se jun­tou à Bol­sa de De­fe­sa Ani­mal, lan­çan­do-nos o rep­to de es­cre­ver um ar­ti­go nes­ta pu­bli­ca­ção, on­de fos­sem abor­da­dos as­pe­tos ju­rí­di­cos. O de­sa­fio não po­de­ria ter si­do re­ce­bi­do com mai­or ale­gria, e acre­di­te, ca­ro lei­tor, mui­to há ain­da pa­ra es­cre­ver. Mais re­cen­te­men­te, as­so­ci­a­mos o nos­so no­me e von­ta­de ao Ob­ser­va­tó­rio Ani­mal, dis­po­ni­bi­li­zan­do tam­bém os nos­sos ser­vi­ços, a tí­tu­lo de apoio ju­di­ciá­rio pro bo­no. Es­ta ini­ci­a­ti­va ho­no­rá­vel do Ob­ser­va­tó­rio te­ve co­mo in­tui­to jun­tar um con­jun­to de Ad­vo­ga­dos em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal que es­te­ja dis­po­ní­vel pa­ra re­pre­sen­tar aque­les cu­ja voz po­de­mos não en­ten­der, mas não dei­xam de so­frer.

É es­te o nos­so mo­te!

O re­co­nhe­ci­men­to por par­te do Ho­mem que to­das as es­pé­ci­es de ani­mais (in­fun­do cluin­do-se a si pró­prio) me­re­cem a vi­da sem qual­quer con­di­ci­o­nan­te, cons­ti­tui o prin­cí­pio mais ele­men­tar de con­vi­vên­cia en­tre es­pé­ci­es. Quem con­si­de­ra que o Di­rei­to dos Ani­mais é um ra­mo se­cun­dá­rio, es­tá re­don­da­men­te en­ga­na­do. Acre­di­ta­mos que es­tá em cla­ra as­cen­são, na me­di­da em que é uma luz ace­sa no do tú­nel da al­te­ra­ção de men­ta­li­da­des, co­mo de­se­ja­mos que acon­te­ça. Con­vi­ver em so­ci­e­da­de é ter cons­ci­ên­cia que o Di­rei­to não se po­de es­cu­dar ape­nas nas pes­so­as e nas coi­sas. O Di­rei­to tem de acom­pa­nhar as vi­vên­ci­as so­ci­ais, eco­nó­mi­cas e cul­tu­rais dos seus su­jei­tos. Ho­je em dia, os ani­mais de com­pa­nhia são par­te da nos­sa iden­ti­da­de en­quan­to pes­so­as, são par­te da nos­sa fa­mí­lia e, por is­so, são par­te da so­ci­e­da­de ci­vil (em­bo­ra só ago­ra e mui­to tar­di­a­men­te te­nha o le­gis­la­dor for­ma­li­za­do es­sa ques­tão). Es­tes nos­sos ami­gos me­re­cem tu­te­la. Me­re­cem um tra­ta­men­to não es­pe­cis­ta. E quan­do são al­vo de in­jus­ti­ças, de tra­ta­men­tos me­nos pró­pri­os, me­re­cem que ha­ja quem lhes dê a mão, e quem ad­vo­gue pe­la sua cau­sa. Que é es­ta, e é nos­sa. O res­pei­to pe­la vi­da e bem-es­tar não é ex­clu­si­va do Ho­mem! A vi­da é um va­lor uni­ver­sal que de­ve ser res­pei­ta­do in­de­pen­den­te­men­te da es­pé­cie em que se ma­ni­fes­ta.

Fi­ca­mos dis­po­ní­veis!

Por fim, dei­xa­mos o nos­so en­de­re­ço de email, atra­vés do qual nos po­de­rá con­tac­tar: bda.bqad­vo­ga­das@gmail.com Pa­ra­béns Bol­sa de De­fe­sa Ani­mal e… Mui­tos anos de Vi­da!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.