Um cão de uti­li­da­de e de fa­mí­lia.

Mor­fo­lo­gia, tem­pe­ra­men­to e ca­rá­ter

Caes & Companhia - - CONTENTS -

Olhar se­re­no, sem­pre aten­to ao mun­do que o ro­deia, per­so­na­li­da­de for­te, fi­si­ca­men­te ro­bus­to, se­gu­ro, au­to­con­fi­an­te, in­te­li­gen­te, le­al, in­cor­rup­tí­vel, de­di­ca­do e mei­go são tu­do ca­rac­te­rís­ti­cas que qua­li­fi­cam o Rottwei­ler. Mas há mui­tas mais nes­ta ra­ça fan­tás­ti­ca!

Ara­ça Rottwei­ler acom­pa­nha o Ho­mem des­de há sé­cu­los, ten­do a sua po­li­va­lên­cia per­mi­ti­do que o Ho­mem o te­nha usa­do nas mais di­ver­sas ta­re­fas. No pas­to­reio, trans­por­te de bens ou man­ti­men­tos, te­ra­pia com pes­so­as com ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais, bus­ca e sal­va­men­to ou ma­nu­ten­ção de or­dem pú­bli­ca, o Rottwei­ler re­ve­la a sua enor­me ape­tên­cia pe­lo tra­ba­lho. É as­sim, jus­ta­men­te, con­si­de­ra­da uma ra­ça de uti­li­da­de, o que não lhe re­ti­ra o re­co­nhe­ci­men­to da sua ap­ti­dão ina­ta de cão de com­pa­nhia.

His­tó­ria da ra­ça

As ori­gens do Rottwei­ler re­mon­tam ao tem­po dos Ro­ma­nos, sen­do con­si­de­ra­da uma das ra­ças mais an­ti­gas do mun­do. Es­tá do­cu­men­ta­do que a ori­gem da ra­ça co­mo ho­je a co­nhe­ce­mos te­ve ori­gem em cães Mo­los­soi­des que acom­pa­nha­vam as le­giões Ro­ma­nas e que ti­nham co­mo fun­ção prin­ci­pal a pro­te­ção do ga­do que acom­pa­nha­va a mo­vi­men­ta­ção das le­giões Ro­ma­nas. Após a in­va­são do sul da Ale­ma­nha, o exér­ci­to Ro­ma­no ins­ta­lou-se jun­to de uma re­gião co­nhe­ci­da co­mo um im­por­tan­te cen­tro ad­mi­nis­tra­ti­vo e so­ci­al. As ca­sas co­ber­tas de te­lhas ar­te­sa­nais ver­me­lhas aca­ba­ram por in­flu­en­ci­ar o no­me da ci­da­de, sen­do es­te Rottwil (Vi­la Ver­me­lha). Mais tar­de, a ci­da­de viu o seu no­me ser al­te­ra­do pa­ra Rottweil, co­mo ho­je ain­da é co­nhe­ci­da. Os ne­go­ci­an­tes de ga­do, que vi­a­ja­vam até Rottweil de lu­ga­res tão dis­tan­tes quan­to Fran­ça ou Ho­lan­da, ce­do fi­ca­ram im­pres­si­o­na­dos com as ca­rac­te­rís­ti­cas de con­du­ção de ga­do e de de­fe­sa dos cães lo­cais, os quais eram re­sul­ta­do de cru­za­men­tos com os cães tra­zi­dos pe­las le­giões Ro­ma­nas. Não tar­dou a que es­tes cães fos­sem ado­ta­dos por ne­go­ci­an­tes de ou­tras pa­ra­gens, dis­se­mi­nan­do a sua pre­sen­ça por to­da a Eu­ro­pa. Os cães des­ta re­gião do sul da Ale­ma­nha eram co­nhe­ci­dos com os cães dos car­ni­cei­ros (metz­gerhund) de Rottweil. Com o tem­po, e com uma evo­lu­ção se­le­ti­va des­tes cães, aca­bou por se de­fi­nir um pa­drão e com ele a ra­ça Rottwei­ler. O pri­mei­ro clu­be da ra­ça, o Deut­cher Rottwei­ler Klub, fi­li­a­do na as­so­ci­a­ção ale­mã de cães-po­lí­cia, sur­giu em 1907. Es­te ti­nha co­mo ob­je­ti­vo de­fen­der e man­ter as ca­pa­ci­da­des de tra­ba­lho da ra­ça. No mes­mo ano, no sul da Ale­ma­nha sur­giu um no­vo clu­be, o In­ter­na­ti­o­nal Rottwei­ler Klub, mais di­re­ci­o­na­do pa­ra a be­le­za da ra­ça co­mo cão de Ex­po­si­ção. No iní­cio da dé­ca­da de 1920 foi cons­ti­tuí­do o All­ge­mei­ner Deuts­cher Rottwei­ler Klub ou ADRK. Des­de en­tão é es­te o Clu­be res­pon­sá­vel pe­la de­fi­ni­ção do es­ta­lão da

A se­le­ção é es­sen­ci­al pa­ra que o Rottwei­ler atu­al se man­te­nha fi­el às su­as ori­gens ao ní­vel de tem­pe­ra­men­to, ca­rá­ter e mor­fo­lo­gia

ra­ça, sen­do o ga­ran­te que o Rottwei­ler se man­tém fi­el às su­as ori­gens ao ní­vel do tem­pe­ra­men­to, ca­rá­ter e mor­fo­lo­gia.

O Rottwei­ler em Por­tu­gal

Foi no iní­cio dos anos 80 que a ra­ça Rottwei­ler co­me­çou a gran­je­ar gran­de po­pu­la­ri­da­de em Por­tu­gal. Co­mo re­fle­xo des­sa po­pu­la­ri­da­de, as­sis­tiu-se ao au­men­to da cri­a­ção e do nú­me­ro de exem­pla­res que se apre­sen­ta­vam em Ex­po­si­ções Ca­ni­nas. Aque­les que mais di­re­ta­men­te se en­con­tra­vam en­vol­vi­dos nes­ta no­va re­a­li­da­de de­ci­di­ram cri­ar, em 1993, um Clu­be da Ra­ça de­di­ca­do à sua ra­ça de elei­ção. Nas­cia as­sim o Rottwei­ler Clu­be de Por­tu­gal. Atu­al­men­te, de­vi­do à Le­gis­la­ção das ra­ças con­si­de­ra­das pe­lo es­ta­do por­tu­guês co­mo “Po­ten­ci­al­men­te Pe­ri­go­sas”, o re­gis­to de Rottwei­lers com LOP caiu de for­ma ex­tre­ma­men­te acen­tu­a­da. Em­bo­ra a cri­a­ção mar­gi­nal (sem re­gis­tos) e não au­to­ri­za­da (cri­a­do­res sem li­cen­ci­a­men­to emi­ti­do pe­la DGAV), te­nha igual­men­te caí­do, a que­da foi me­nos acen­tu­a­da. Es­ta re­a­li­da­de, veio pre­ju­di­car a qua­li­da­de de exem­pla­res da ra­ça Rottwei­ler em Por­tu­gal. Pa­ra­le­la­men­te, a le­gis­la­ção em cau­sa,

con­tri­buiu e con­ti­nua a con­tri­buir pa­ra um aban­do­no e aba­te ele­va­do de Rottwei­lers on­de a ado­ção, pe­las mes­mas ra­zões, é re­du­zi­da.

Tra­ba­lho vs Be­le­za

Ca­rac­te­rís­ti­cas co­mo a le­al­da­de, tem­pe­ra­men­to equi­li­bra­do, for­te ca­rá­ter, ca­pa­ci­da­de de apren­di­za­gem, bra­vu­ra, ro­bus­tez fí­si­ca, ali­a­das a um pas­sa­do e pre­sen­te co­mo cão de uti­li­da­de, con­fir­mam o Rottwei­ler co­mo uma ra­ça de tra­ba­lho. É in­con­tor­ná­vel. No en­tan­to, a re­a­li­da­de atrás men­ci­o­na­da, não de­ve de­tur­par a de­fi­ni­ção des­cri­ta no es­ta­lão da ra­ça. Ape­sar de o “cão per­fei­to” não exis­tir não se de­ve ali­men­tar a di­vi­são do Rottwei­ler em du­as ca­te­go­ri­as: ”Rottwei­ler de Be­le­za” e “Rottwei­ler de Tra­ba­lho”. Se um exem­plar da ra­ça Rottwei­ler, de­ve es­tar em con­for­mi­da­de mor­fo­ló­gi­ca com o es­ta­lão da ra­ça, o mes­mo de­ve acon­te­cer com aque­le que é o seu tem­pe­ra­men­to e ca­rá­ter. Afi­nal, es­tes dois úl­ti­mos as­pe­tos fa­zem igual­men­te par­te da de­fi­ni­ção do es­ta­lão.

Mor­fo­lo­gia

Ter um cão ro­bus­to, mui­tas ve­zes com ex­ces­so de pe­so, ca­be­ças for­tes, chan­fros cur­tos e “stop” acen­tu­a­do, não de­ve ser, por si só, apa­ná­gio de um exem­plar de Ex­po­si­ção. O mes­mo se apli­ca a exem­pla­res mor­fo­lo­gi­ca­men­te me­nos cor­re­tos e ins­tá­veis no seu tem­pe­ra­men­to os quais não de­vem ser ape­li­da­dos de Rottwei­lers de tra­ba­lho. Em am­bos os ca­sos, on­de hou­ver ex­ces­sos ao in­vés de ha­ver equi­lí­brio, es­tão a ser pro­du­zi­dos Rottwei­lers que não dig­ni­fi­cam o es­ta­lão da ra­ça.

Uma ra­ça de tra­ba­lho

To­dos aque­les que ad­mi­ram as cha­ma­das ra­ças de tra­ba­lho de­vem es­co­lhê-las em fun­ção das su­as ca­rac­te­rís­ti­cas vs os ob­je­ti­vos pre­ten­di­dos. Aque­les que di­zem apre­ci­ar a ra­ça Rottwei­ler en­quan­to ra­ça de tra­ba­lho de­vem es­tar cons­ci­en­tes que um o Rottwei­ler exe­cu­ta­rá as su­as fun­ções co­mo cão de tra­ba­lho… mas co­mo um Rottwei­ler. Bom sen­so, res­pei­to, pai­xão, mo­de­ra­ção e co­nhe­ci­men­to são fun­da­men­tais pa­ra cri­ar e re­pre­sen­tar uma ra­ça. O Rottwei­ler não é ex­ce­ção.

Mor­fo­lo­gia e tem­pe­ra­men­to

Um Rottwei­ler dig­no de uma clas­si­fi­ca­ção de ex­ce­len­te, quan­do apre­sen­ta­do nu­ma Ex­po­si­ção de Be­le­za que evi­den­cie ti­mi­dez, ner­vo­sis­mo em ex­ces­so ou mes­mo si­nais de agres­si­vi­da­de, ja­mais de­ve­rá re­ce­ber um ex­ce­len­te. No li­mi­te, em fun­ção do com­por­ta­men­to apre­sen­ta­do, o

Ro­bus­to, le­al, equi­li­bra­do, de for­te ca­rá­ter e fá­cil apren­di­za­gem, pos­sui um pas­sa­do e pre­sen­te co­mo cão de uti­li­da­de

exem­plar não de­ve ser qua­li­fi­ca­do. A exi­gên­cia da con­for­mi­da­de mor­fo­ló­gi­ca não de­ve com­pro­me­ter o tem­pe­ra­men­to e o ca­rá­ter de uma ra­ça. O in­ver­so tam­bém é ver­da­de.

Ca­rá­ter no tra­ba­lho

As­sim, tam­bém na ver­ten­te de tra­ba­lho, a re­a­li­da­de não de­ve ser ca­mu­fla­da. Exem­pla­res que no de­sem­pe­nho de fun­ções evi­den­ci­em si­nais de in­se­gu­ran­ça, ti­mi­dez, agres­si­vi­da­de, au­sên­cia de “dri­ves”, não de­vem ob­ter um tí­tu­lo de tra­ba­lho. Prin­ci­pal­men­te, com a jus­ti­fi­ca­ção que o exem­plar em cau­sa se­rá ape­nas pa­ra re­pre­sen­tar a ra­ça em Ex­po­si­ções de Be­le­za, no­me­a­da­men­te, na Clas­se de Tra­ba­lho. Es­ta re­a­li­da­de e es­ta in­ter­pre­ta­ção er­ró­nea da­qui­lo que é um cão de tra­ba­lho, co­lo­ca na Clas­se de Tra­ba­lho de Ex­po­si­ções de Be­le­za, os cha­ma­dos “cães de se­gun­da” ou aque­les que em ou­tras clas­ses não são com­pe­ti­ti­vos. Na­da po­de­ria es­tar mais er­ra­do, prin­ci­pal­men­te, nu­ma ra­ça de tra­ba­lho co­mo o Rottwei­ler. Qu­em pac­tu­ar com es­tas re­a­li­da­des não só es­tá a en­ga­nar-se a si pró­prio co­mo es­tá a pres­tar um mau ser­vi­ço à ra­ça que diz re­pre­sen­tar e à ca­ni­cul­tu­ra no ge­ral.

Não ro­tu­lar a ra­ça!

A ra­ça Rottwei­ler é uma ra­ça na qu­al se de­ve pre­ser­var um tem­pe­ra­men­to equi­li­bra­do e um ca­rá­ter for­te. Nun­ca des­cu­ran­do o seu equi­lí­brio ge­ral quer no que diz res­pei­to à sua mor­fo­lo­gia quer à sua saú­de fí­si­ca Qu­em cria exem­pla­res da ra­ça Rottwei­ler, as­sim co­mo os seus fu­tu­ros de­ten­to­res, de­ve es­tar cons­ci­en­te das su­as res­pon­sa­bi­li­da­des. Os pri­mei­ros não se de­vem des­vi­ar da­qui­lo que na ge­ne­ra­li­da­de é o es­ta­lão da ra­ça, en­quan­to os se­gun­dos não de­vem ca­ta­lo­gar um exem­plar da ra­ça Rottwei­ler co­mo um “pet”, cão de Ex­po­si­ção ou cão de Tra­ba­lho, mas sim co­mo um Rottwei­ler, es­tan­do sem­pre cons­ci­en­tes do que es­tá ine­ren­te a es­ta ra­ça em par­ti­cu­lar. A res­pon­sa­bi­li­da­de e o co­nhe­ci­men­to re­al da ra­ça Rottwei­ler de­vem sem­pre so­bre­por-se a ró­tu­los pre­con­cei­tu­o­sos, co­mer­ci­ais e ig­no­ran­tes.

Cre­di­bi­li­za­ção da ra­ça

A se­le­ção sé­ria e cui­da­da da ra­ça Rottwei­ler a par de uma se­le­ção não me­nos cui­da­da dos seus fu­tu­ros de­ten­to­res é o ca­mi­nho prin­ci­pal pa­ra a cre­di­bi­li­za­ção da ra­ça.

Cons­ci­en­te des­ta re­a­li­da­de o Rottwei­ler Clu­be de Por­tu­gal pro­mo­ve ini­ci­a­ti­vas que vi­sem dis­po­ni­bi­li­zar aos cri­a­do­res da ra­ça me­di­das se­le­ti­vas (não res­tri­ti­vas) na cri­a­ção que va­lo­ri­zem ain­da mais os

A se­le­ção sé­ria e cui­da­da do Rottwei­ler, as­sim co­mo dos seus fu­tu­ros de­ten­to­res é o ca­mi­nho pa­ra a cre­di­bi­li­za­ção da ra­ça

Os fu­tu­ros do­nos de­vem dar con­ti­nui­da­de ao tra­ba­lho de so­ci­a­bi­li­za­ção do ca­chor­ro e ini­ci­ar o trei­no em uma es­co­la re­co­nhe­ci­da

exem­pla­res cri­a­dos em Por­tu­gal, as­sim co­mo a ra­ça no seu ge­ral. Não me­nos im­por­tan­te, fa­cul­ta to­da a in­for­ma­ção ne­ces­sá­ria pa­ra que fu­tu­ros de­ten­to­res de ca­chor­ros pos­sam es­tar in­for­ma­dos so­bre os seus de­ve­res, obri­ga­ções e re­cur­sos dis­po­ní­veis pa­ra o trei­no dos seus cães. Ca­da fu­tu­ro e atu­al de­ten­tor de um Rottwei­ler de­ve con­si­de­rar-se um “em­bai­xa­dor” da ra­ça pe­lo que a ado­ção de bo­as prá­ti­cas na vi­vên­cia com o cão, de­ve ser uma cons­tan­te pre­o­cu­pa­ção.

A pro­cu­ra de um ca­chor­ro

Igual­men­te, o po­ten­ci­al de­ten­tor de um Rottwei­ler, sem­pre que equa­ci­o­nar a com­pra de um exem­plar da ra­ça, de­ve con­sul­tar em pri­mei­ra ins­tân­cia a lis­ta de cri­a­do­res do Rottwei­ler Clu­be de Por­tu­gal. Os cri­a­do­res em cau­sa são de­ten­to­res do li­cen­ci­a­men­to emi­ti­do pe­la DGAV, obri­ga­tó­rio por lei e ne­ces­sá­rio pa­ra o re­gis­to de ni­nha­das no Li­vro de Ori­gens Por­tu­guês (co­mum­men­te cha­ma­do de LOP ou Pe­di­gree) no Clu­be Por­tu­guês de Ca­ni­cul­tu­ra (CPC). De sa­li­en­tar que, in­de­pen­den­te­men­te de não se pre­ten­der um cão pa­ra Ex­po­si­ções ou Tra­ba­lho, a exi­gên­cia na se­le­ção do cri­a­dor e ca­chor­ro não de­ve ser me­nor. Quan­do as­sim não acon­te­ce, aca­bam por sur­gir pro­ble­mas de saú­de, des­vi­os com­por­ta­men­tais e exem­pla­res com­ple­ta­men­te fo­ra do pa­drão da ra­ça.

Cer­ti­fi­ca­do de Ap­ti­dão a Re­pro­du­ção

O CAR é uma ava­li­a­ção mor­fo­ló­gi­ca de um exem­plar on­de o de­ten­tor do cão (cri­a­dor ou não) ob­tém um pa­re­cer téc­ni­co de um Juiz quan­to à con­for­mi­da­de do exem­plar com o es­ta­lão da ra­ça. Pa­ra além de um pa­re­cer des­cri­ti­vo nos mais di­ver­sos as­pe­tos, o exem­plar ava­li­a­do é ri­go­ro­sa­men­te me­di­do. Es­ta ava­li­a­ção e es­te pa­re­cer, ga­ran­ti­da­men­te da­rá ao cri­a­dor e/ou de­ten­tor do cão uma ideia apro­xi­ma­da e re­a­lis­ta do seu “va­lor” en­quan­to exem­plar da ra­ça. Não me­nos im­por­tan­te, pa­ra os cri­a­do­res, é uma for­ma de cre­di­bi­li­za­rem de for­ma sus­ten­ta­da o seu tra­ba­lho e os seus cri­té­ri­os de cri­a­ção.

Tes­te de So­ci­a­bi­li­da­de

A re­a­li­za­ção do Tes­te de So­ci­a­bi­li­da­de do CPC é uma das pro­vas com­ple­men­ta­res pa­ra ava­li­ar o tem­pe­ra­men­to do exem­plar que se can­di­da­ta à ob­ten­ção do CAR. Exem­pla­res com pro­vas de cão de com­pa­nhia (BH), Cer­ti­fi­ca­do de Obe­di­ên­cia Bá­si­ca (COB) ou IPO, não ne­ces­si­tam (por op­ção) de re­a­li­zar o Tes­te de so­ci­a­bi­li­da­de do CPC. De re­fe­rir que o Tes­te de So­ci­a­bi­li­da­de do CPC é com­pos­to por uma bre­ve sequên­cia de “exer­cí­ci­os” os quais per­mi­tem dar in­di­ca­do­res em re­la­ção ao tem­pe­ra­men­to de um cão. Não sen­do dos tes­tes mais exi­gen­tes, se re­a­li­za­do e ava­li­a­do com ri­gor, tra­ta-se de um tes­te in­te­res­san­te e um bom prin­ci­pio na ava­li­a­ção do tem­pe­ra­men­to e so­ci­a­bi­li­da­de de um cão. Apre­sen­ta­ção do con­du­tor e cão ao Juiz, cir­cu­lar com o cão no meio de pes­so­as es­tra­nhas, ser en­tre­gue a um es­tra­nho, re­a­ção ao dis­pa­ro, en­tre ou­tros, são al­guns dos exer­cí­ci­os que po­dem ser vis­tos nes­te Tes­te.

Co­mo cão de com­pa­nhia e fa­mí­lia

Quan­do se to­ma de de­ci­são de se in­te­grar um Rottwei­ler no seio da nos­sa fa­mí­lia, es­ta de­ci­são de­ve ter o co­ro­lá­rio de três pre­mis­sas pré­vi­as: a) A de­ci­são de se par­ti­lhar a ca­sa e a vi­da com um cão de­ve ser não ape­nas uma de­ci­são cons­ci­en­te e pon­de­ra­da, de­vi­da­men­te ama­du­re­ci­da, co­mo de­ve­rá ser con­sen­su­al en­tre to­dos os ele­men­tos da fa­mí­lia; b) O exem­plar a in­te­grar na fa­mí­lia de­ve ser de ori­gens cre­dí­veis e, quan­do se tra­tar de uma ca­so de ado­ção, não de­ve­rá ser um exem­plar com um his­to­ri­al de in­ci­den­tes com­ple­xos. Es­tes só de­ve­rão ser ado­ta­dos por pes­so­as ex­pe­ri­en­tes e com pro­vas da­das na rein­te­gra­ção e re­a­bi­li­ta­ção de cães; c) De­ve­rá ha­ver ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra que ga­ran­ta ao cão uma vi­da de qua­li­da­de. Es­ta ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra não se cin­ge à ali­men­ta­ção, se­gu­ro e ao pro­gra­ma anu­al de va­ci­na­ções e des­pa­ra­si­ta­ções. De­ve ser con­tem­pla­do o trei­no de so­ci­a­bi­li­za­ção e obe­di­ên­cia em uma Es­co­la de Trei­no re­co­nhe­ci­da, e a ocor­rên­cia de uma si­tu­a­ção im­pre­vis­ta que obri­gue ao re­cu­so

a cui­da­dos mé­di­co-ve­te­ri­ná­ri­os. Quan­do es­tas pre­mis­sas são res­pei­ta­das, não há ra­zão pa­ra que a con­vi­vên­cia com um Rottwei­ler não se­ja uma ex­pe­ri­ên­cia úni­ca e me­mo­rá­vel, ple­na de ale­gria e di­ver­ti­men­to em que as su­as ex­ce­len­tes ca­pa­ci­da­des de cão de com­pa­nhia não dei­xa­rão de nos sur­pre­en­der.

Exer­cí­cio Fí­si­co

Ao de­ci­dir o ti­po de exer­cí­cio fí­si­co a que se vai sub­me­ter o Rottwei­ler, de­ve­mos le­var em con­ta a sua ida­de, con­di­ção fí­si­ca e con­di­ções cli­ma­té­ri­cas. Na sua fa­se de cres­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to, que du­ra até cer­ca dos 12 me­ses de ida­de do ca­chor­ro, es­te não de­ve ser ex­pos­to a gran­des es­for­ços fí­si­cos co­mo se­jam sal­tos, cor­ri­das na praia, pas­sei­os mui­to lon­gos, su­bi­das ín­gre­mes, etc. To­das as al­te­ra­ções ao pro­gra­ma de trei­no de­vem ser fei­tas de for­ma mo­de­ra­da e gra­du­al, evi­tan­do-se sem­pre a ex­po­si­ção do cão a tem­pe­ra­tu­ras mui­to ele­va­das ou a gran­des pe­río­dos de ex­po­si­ção ao sol. Um pro­gra­ma re­gu­lar de ca­mi­nha­das e/ ou ses­sões de na­ta­ção são um ex­ce­len­te com­ple­men­to pa­ra as ne­ces­si­da­des fí­si- cas do Rottwei­ler, que têm a van­ta­gem de aju­dar a re­for­çar a cum­pli­ci­da­de en­tre o do­no e o cão. A gran­de mais-va­lia da na­ta­ção de­ve-se à pro­mo­ção de um bom de­sen­vol­vi­men­to fí­si­co do cão ao mes­mo tem­po que mi­ni­mi­za o es­for­ço so­bre as su­as ar­ti­cu­la­ções. Sa­ben­do-se que os Rottwei­ler têm uma ape­tên­cia es­pe­ci­al por água, um pro­gra­ma que in­clua água é um pro­gra­ma de su­ces­so ga­ran­ti­do, que per­mi­te um óti­mo de­sen­vol­vi­men­to quer do cão quer do re­la­ci­o­na­men­to e cum­pli­ci­da­de en­tre do­no e cão.

Em ca­sa

Mes­mo não sen­do a so­lu­ção mais in­di­ca­da, é per­fei­ta­men­te pos­sí­vel ter um Rot-

A edu­ca­ção, so­ci­a­bi­li­za­ção e trei­no de obe­di­ên­cia são fun­da­men­tais pa­ra a cor­re­ta in­te­gra­ção de um Rottwei­ler em so­ci­e­da­de

twei­ler em um apar­ta­men­to – ape­nas irá exi­gir um pou­co mais de aten­ção e en­tre­ga por par­te da sua fa­mí­lia hu­ma­na. À se­me­lhan­ça do que acon­te­ce com qu­al­quer ou­tro cão, o seu es­pa­ço e a sua li­ber­da­de de­vem ser ge­ri­das pa­ra que não se de­sen­vol­vam com­por­ta­men­tos des­trui­do­res e/ou de de­fe­sa ter­ri­to­ri­al. Pa­ra tal, o cão não de­ve ter li­vre cir­cu­la­ção pe­la ca­sa, so­bre­tu­do na fa­se de edu­ca­ção. As brin­ca­dei­ras com o cão de­vem ser fei­tas mai­o­ri­ta­ri­a­men­te na rua, ao in­vés de em ca­sa. Se as­sim não for, o cão ve­rá a ca­sa co­mo o seu lo­cal de di­ver­são e re­creio, de­sen­vol­ven­do com­por­ta­men­tos con­di­cen­tes com es­ta re­a­li­da­de quan­do dei­xa­do so­zi­nho em ca­sa. No ca­so de um Rottwei­ler a vi­ver em apar­ta­men­to, es­te de­ve ser pas­se­a­do no mí­ni­mo uma ho­ra por dia, re­par­ti­do em du­as saí­das, uma de ma­nhã ce­do e ou­tra ao fim do dia. Pe­lo me­nos um dos pas­sei­os de­ve­rá ser de du­ra­ção pro­lon­ga­da, não de­ven­do o mais cur­to ter du­ra­ção in­fe­ri­or a 15 mi­nu­tos. Ca­so ha­ja dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra pas­sei­os adi­ci­o­nais es­tes se­rão mui­to bem-vin­dos. A exis­tên­cia de um quin­tal ou es­pa­ço ex­te­ri­or si­mi­lar on­de o cão pos­sa ter o seu ca­nil e a sua área de “la­zer” é a si­tu­a­ção mais de­se­já­vel. Mes­mo as­sim, de­ve­mos ob­ser­var to­dos os as­pe­tos re­la­ti­vos à sua edu­ca­ção, so­ci­a­bi­li­za­ção, trei­no e exer­cí­cio fí­si­co.

A in­te­gra­ção de um cão em so­ci­e­da­de

A Edu­ca­ção, So­ci­a­bi­li­za­ção e Trei­no de obe­di­ên­cia são as­pe­tos fun­da­men­tais pa­ra uma cor­re­ta in­te­gra­ção de um Rottwei­ler em so­ci­e­da­de. De re­fe­rir que uma das fa­ses mais im­por­tan­tes pa­ra uma cor­re­ta in­te­gra­ção de um Rottwei­ler em so­ci­e­da­de, é a sua so­ci­a­bi­li­za­ção. Es­te fac­to obri­ga a que to­dos os ca­chor­ros en­tre os 2 e 5 me­ses de ida­de se­jam al­vo de um cor­re­to e cui­da­do pro­ces­so de so­ci­a­bi­li­za­ção. Ten­do em con­si­de­ra­ção que o Rottwei­ler no seu pa­pel de cão de com­pa­nhia ne­ces­si­ta de ser um cão in­te­gra­do em so­ci­e­da­de, a re­a­li­za­ção de pro­vas co­mo o Tes­te de So­ci­a­bi­li­da­de do CPC, COB e BH, de­ve­ri­am ser “obri­ga­to­ri­a­men­te” con­si­de­ra­das pe­los de­ten­to­res de exem­pla­res des­ta ra­ça. Nu­ma ra­ça co­mo o Rottwei­ler, se­ria de­se­já­vel que ca­da vez mais se su­bis­se a fas­quia quan­to à ava­li­a­ção do tem­pe­ra­men­to e ca­rá­ter da mes­ma. Fa­zen­do-o de uma for­ma trans­pa­ren­te e com­pe­ten­te.

No­ta de agra­de­ci­men­to: Agra­de­ce­mos a Hu­go An­dra­de do afi­xo “Águas do Mon­de­go”, a João Flo­ren­ti­no do afi­xo “Black Brucky”, a Jo­sé Pe­rei­ra do afi­xo “Ca­sa Cham­per”, a João Fer­rei­ra do afi­xo “De Xey­ver”, a Nu­no Cruz do afi­xo “Vil­la Za­do­nes” e a Cláu­dio No­guei­ra por nos te­rem ce­di­do fo­to­gra­fi­as de exem­pla­res da sua pro­pri­e­da­de pa­ra ilus­trar es­te ar­ti­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.