Ja­ne Go­o­dall traz a Lis­boa a voz dos ani­mais

Uma voz que ecoa há mais de 55 anos pe­los ani­mais

Caes & Companhia - - CONTENTS -

A Na­ti­o­nal Ge­o­graphic Sum­mit de­cor­reu pe­la pri­mei­ra vez em Lis­boa, a 25 de maio, com o Te­a­tro Ti­vo­li co­mo pa­no de fun­do. Apre­sen­ta­do por Ca­ta­ri­na Fur­ta­do, o even­to trou­xe a Por­tu­gal ora­do­res de re­no­me mun­di­al, co­mo Ja­ne Go­o­dall, Jo­di Cobb e Tris­tram Stu­art.

Se não se im­por­tam, da­rei voz àque­les que não po­dem es­tar pre­sen­tes.” É as­sim que Ja­ne Go­o­dall ini­cia to­das as su­as pa­les­tras, fa­zen­do o som ca­rac­te­rís­ti­co de um chim­pan­zé quan­do es­te se apre­sen­ta a al­guém. “Is­to sig­ni­fi­ca: “Bom dia. Sou a Ja­ne.” na lin­gua­gem dos chim­pan­zés do Par­que Na­ci­o­nal de Gom­be, na Tan­zâ­nia”, ex­pli­cou.

A ora­do­ra mais aguar­da­da

Ja­ne Go­o­dall foi a ora­do­ra mais aguar­da­da da Na­ti­o­nal Ge­o­graphic Sum­mit, on­de veio fa­lar do tra­ba­lho que re­a­li­za des­de 1960 na in­ves­ti­ga­ção do com­por­ta­men­to dos chim­pan­zés do Par­que Na­ci­o­nal de Gom­be, na Tan­zâ­nia (na al­tu­ra, Re­ser­va Na­tu­ral de Gom­be, an­ti­ga Tan­ga­ni­ca) e de co­mo há mais de 30 anos se viu for­ça­da a sair da sua “ama­da flo­res­ta” pa­ra vi­a­jar pe­lo mun­do em de­fe­sa dos ani­mais ao cons­ta­tar que, en­tre 1960 e 1986, a de­vas­ta­ção da flo­res­ta e a ca­ça fur­ti­va co­lo­ca­ram os chim­pan­zés em ris­co de ex­tin­ção.

Uma ins­pi­ra­ção pa­ra os jo­vens

Fa­lou ain­da de co­mo deu iní­cio à Fun­da­ção “The Ja­ne Go­o­dall Ins­ti­tu­te” e de co­mo não per­deu a es­pe­ran­ça nos jo­vens, cri­an­do pa­ra tal a “Ro­ots and Sho­ots” em 1991, des­ti­na­da a to­dos os jo­vens que quei­ram dei­xar a sua mar­ca no mun­do, quer aju­dan­do ou­tros se­res hu­ma­nos, quer pro­te­gen­do e cui­dan­do dos ani­mais, ou quer pre­ser­van­do a Na­tu­re­za. “Não her­dá­mos a Ter­ra dos nos­sos pais, mas sim dos nos­sos fi­lhos”. É com ba­se nes­te di­ta­do in­glês que Ja­ne, mes­mo aos 83 anos, ain­da se man­tém lon­ge da flo­res­ta “mais de 300 di­as por ano” e vi­a­ja pe­lo mun­do (“Nun­ca fi­co uma se­ma­na no mes­mo sí­tio”, men­ci­o­nou) pa­ra trans­mi­tir a sua men­sa­gem e “plan­tar a se­men­te” nas men­tes e co­ra­ções de to­dos aque­les que a ou­vem, prin­ci­pal­men­te dos jo­vens.

Es­ta não é uma ci­en­tis­ta “tí­pi­ca”

Ja­ne Go­o­dall não é uma ci­en­tis­ta “tí­pi­ca”, cha­me­mos-lhe as­sim. Mes­mo com to­da a crí­ti­ca que tem re­ce­bi­do des­de que co­me­çou os seus es­tu­dos com­por­ta­men­tais, ain­da ho­je se re­cu­sa a atri­buir nú­me­ros aos chim­pan­zés e op­ta por lhes dar no­mes, ou não usa ter­mos ci­en­tí­fi­cos pa­ra des­cre­ver a re­a­ção dos ani­mais, co­mo ex­pli­cou na con­fe­rên­cia de im­pren­sa, on­de con­tou que ao des­cre­ver que “os chim­pan­zés fi­cam de pe­lo eri­ça­do quan­do se en­fu­re­cem”, a co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca a cor­ri­giu pa­ra “pi­lo­e­re­ção dos ani­mais”. E por que ra­zão o faz? “Pa­ra que os ani­mais se­jam vis­tos por to­dos com o co­ra­ção e co­mo se­res vi­vos, e não co­mo me­ras coi­sas. In­de­pen­den­te­men­te de po­der

cri­ar la­ços afe­ti­vos com os chim­pan­zés ao dar-lhes no­mes, não só não con­si­go cha­má-los por um nú­me­ro, co­mo os ter­mos ci­en­tí­fi­cos não são en­ten­di­dos pe­la gran­de mai­o­ria das pes­so­as. Mui­tos de nós po­de­mos co­nhe­cer o con­cei­to de bi­o­di­ver­si­da­de, mas há mui­ta gen­te no mun­do que per­gun­ta “O que quer di­zer bi­o­di­ver­si­da­de?”, e é por is­so que ten­to sim­pli­fi­car to­da es­ta com­ple­xi­da­de nas mi­nhas pa­les­tras.”

O pa­pel do seu com­pa­nhei­ro Mr. H.

Nes­sas mes­mas pa­les­tras, Ja­ne Go­o­dall tem sem­pre um ali­a­do que a acom­pa­nha on­de quer que vá e que, nas su­as pa­la­vras, “trans­mi­te ins­pi­ra­ção a to­dos os que lhe to­cam”. Es­se com­pa­nhei­ro é o Mr. H., um chim­pan­zé de pe­lu­che que lhe foi da­do há 25 anos e que é sem­pre po­si­ci­o­na­do em des­ta­que no púl­pi­to on­de fa­la ou le­va­do ao seu co­lo em to­das as vi­si­tas que faz. Em Lis­boa, Mr. H. te­ve a com­pa­nhia de mais dois pe­lu­ches: uma va­ca, em re­pre­sen­ta­ção dos ani­mais que são cri­a­dos in­ten­si­va­men­te pa­ra con­su­mo hu­ma­no, e um ra­to gi­gan­te asiá­ti­co, pa­ra de­mons­trar a in­te­li­gên­cia, sen­si­bi­li­da­de e ca­pa­ci­da­de de apren­di­za­gem dos ani­mais, co­mo é o ca­so des­te ro­e­dor que atu­al­men­te é trei­na­do pa­ra de­te­tar ex­plo­si­vos.

O fas­cí­nio pe­los ani­mais e por Áfri­ca

Du­ran­te a sua par­ti­ci­pa­ção na Na­ti­o­nal Ge­o­graphic Sum­mit, Ja­ne con­tou co­mo sur­giu o seu fas­cí­nio pe­los ani­mais e por Áfri­ca. Ten­do na sua mãe a sua mai­or ins­pi­ra­ção e apoi­an­te, des­de ce­do Ja­ne te­ve cu­ri­o­si­da­de so­bre o com­por­ta­men­to ani­mal e li­ber­da­de pa­ra sa­tis­fa­zer as su­as dú­vi­das. O pri­mei­ro li­vro que com­prou ain­da em cri­an­ça, na ci­da­de de Lon­dres du­ran­te a II Gu­er­ra Mun­di­al e nu­ma lo­ja de li­vros em se­gun­da mão, foi o “Tar­zan, O Ho­mem Ma­ca­co”. “De­pois de ler o li­vro, só fi­quei com pe­na de ele ter es­co­lhi­do a Ja­ne er­ra­da”, dis­se com um sor­ri­so ma­ro­to.

“O meu ani­mal fa­vo­ri­to é o cão”

Uma ver­da­dei­ra cai­xa de sur­pre­sas, du­ran­te a con­fe­rên­cia de im­pren­sa Ja­ne es­pan­tou os jor­na­lis­tas ao re­ve­lar que, quan­do há uns anos foi ques­ti­o­na­da so­bre se o chim­pan­zé é o seu ani­mal fa­vo­ri­to, res­pon­deu que não. “É de­ma­si­a­do pa­re­ci­do com o Ho­mem. O meu ani­mal fa­vo­ri­to é o cão.”

A con­di­ção hu­ma­na e o des­per­dí­cio ali­men­tar

Es­ti­ve­ram tam­bém pre­sen­tes Jo­di Cobb, uma das gran­des fo­to­jor­na­lis­tas da atu­a­li­da­de, que fa­lou do seu tra­ba­lho jun­to de co­mu­ni­da­des pra­ti­ca­men­te im­pe­ne­trá­veis e so­bre fla­ge­los co­mo a es­cra­vi­dão hu­ma­na, atu­al­men­te mais pro­e­mi­nen­te do que em sé­cu­los pas­sa­dos e fo­to­gra­fa­da pe­la sua câ­ma­ra. De se­gui­da te­ve a pa­la­vra Tris­tram Stu­art, au­tor pre­mi­a­do a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal e es­pe­ci­a­lis­ta em im­pac­tos am­bi­en­tais e so­ci­ais de­cor­ren­tes do des­per­dí­cio ali­men­tar. O ati­vis­ta mos­trou co­mo 40% dos ali­men­tos cul­ti­va­dos em to­do o mun­do é, sim­ples­men­te, des­truí­do, quer por ques­tões es­té­ti­cas (no ca­so de fru­ta que não cor­res­pon­de aos stan­dards dos su­per­mer­ca­dos), quer por ques­tões “lo­gís­ti­cas”. Deu co­mo exem­plo o ca­so de um su­per­mer­ca­do bri­tâ­ni­co que obri­ga­va os agri­cul­to­res a cor­tar os fei­jões ver­des em mais de me­ta­de ape­nas pa­ra ca­be­rem nas su­as cai­xas de plás­ti­co com uma de­ter­mi­na­da me­di­da. Se­gun­do Tris­tram, es­ses 40% des­per­di­ça­dos se­ri­am su­fi­ci­en­tes pa­ra ali­men­tar os paí­ses com pro­ble­mas pro­fun­dos de fo­me em até três ve­zes.

Aos 83 anos, Ja­ne Go­o­dall ain­da mo­ve mul­ti­dões, prin­ci­pal­men­te de jo­vens, e man­tém um dis­cur­so bas­tan­te ape­la­ti­vo, sen­do es­te ago­ra mais atu­al que nun­ca. Com a des­flo­res­ta­ção ma­ci­ça, co­mér­cio ile­gal de es­pé­ci­es exó­ti­cas e com a ex­tin­ção de al­gu­mas des­tas, a opi­nião pú­bli­ca tem si­do sen­sí­vel às su­as pa­la­vras e en­ca­ram-na co­mo uma por­ta-voz dos ani­mais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.