Fí­ga­do gor­do O meu ga­to es­tá em ris­co?

A do­en­ça do fí­ga­do gor­do é uma afe­ção que sur­ge quan­do o ga­to so­fre um pe­río­do de ano­re­xia com ori­gem nu­ma do­en­ça ou em con­sequên­cia de um even­to que cau­se stress no seu me­lhor ami­go.

Caes & Companhia - - VETERINARIA - Ana Cas­sa­po Di­as Mé­di­ca Ve­te­ri­ná­ria, De­par­ta­men­to de Me­di­ci­na In­ter­na

Ofí­ga­do é um ór­gão mul­ti­fun­ci­o­nal, lo­ca­li­za­do no ab­dó­men e de im­por­tân­cia vi­tal, res­pon­sá­vel, en­tre ou­tras fun­ções, por: Au­xi­li­ar na di­ges­tão (so­bre­tu­do de gor­du­ras); Sin­te­ti­zar pro­teí­nas e hor­mo­nas; Re­gu­lar o me­ta­bo­lis­mo ener­gé­ti­co e pro­tei­co; Re­gu­lar o sis­te­ma imu­ni­tá­rio.

In­su­fi­ci­ên­cia he­pá­ti­ca

Dis­põe igual­men­te de uma gran­de ca­pa­ci­da­de de re­ge­ne­ra­ção, sen­do pos­sí­vel exis­tir uma re­cu­pe­ra­ção clí­ni­ca mes­mo após um epi­só­dio de do­en­ça gra­ve. Pa­ra que se de­sen­vol­va uma in­su­fi­ci­ên­cia he­pá­ti­ca, pe­lo me­nos 2/3 do ór­gão têm que se en­con­trar se­ve­ra­men­te afe­ta­dos.

Quais os si­nais que um do­en­te he­pá­ti­co apre­sen­ta?

Os si­nais de do­en­ça he­pá­ti­ca são, na mai­o­ria das ve­zes, bas­tan­te ines­pe­cí­fi­cos. De­pen­den­do da se­ve­ri­da­de, po­dem in­cluir: Fal­ta de ape­ti­te; Le­tar­gia; Per­da de pe­so; Fe­bre; Vó­mi­tos; Ic­te­rí­cia; Acu­mu­la­ção de lí­qui­do ab­do­mi­nal (as­ci­te). O de­sen­vol­vi­men­to de ic­te­rí­cia, co­lo­ra­ção ama­re­la­da a ní­vel das mem­bra­nas mu­co­sas, olhos e pe­le, es­tá fre­quen­te­men­te as­so­ci­a­do a do­en­ça he­pá­ti­ca se­ve­ra.

na pre­sen­ça de qua­dros clí­ni­cos mui­to se­ve­ros, po­dem sur­gir si­nais neu­ro­ló­gi­cos co­mo de­so­ri­en­ta­ção, al­te­ra­ções com­por­ta­men­tais, ex­ces­so de sa­li­va­ção, ce­guei­ra ou con­vul­sões.

Co­mo é di­ag­nos­ti­ca­da a do­en­ça he­pá­ti­ca?

A pre­sen­ça de do­en­ça he­pá­ti­ca po­de ser con­fir­ma­da atra­vés da quan­ti­fi­ca­ção de de­ter­mi­na­dos pa­râ­me­tros san­guí­ne­os e uri­ná­ri­os e, even­tu­al­men­te, com­ple­men­ta­da pe­la re­a­li­za­ção de exa­mes ima­gi­o­ló­gi­cos, co­mo ra­di­o­gra­fi­as e eco­gra­fia, sus­ce­tí­veis de for­ne­cer in­for­ma­ções im­por­tan­tes acer­ca da cau­sa da do­en­ça em ques­tão. Na mai­o­ria das ve­zes, o ti­po de do­en­ça he­pá­ti­ca em cur­so só po­de ser iden­ti­fi­ca­do me­di­an­te a re­co­lha e aná­li­se de amos­tras do pró­prio ór­gão (bióp­sia). Em­bo­ra a ob­ten­ção de uma bióp­sia he­pá­ti­ca cons­ti­tua um pro­ce­di­men­to re­la­ti­va­men­te sim­ples, é ne­ces­sá­ria uma ava­li­a­ção pré­via da ca­pa­ci­da­de de co­a­gu­la­ção do seu ga­to de for­ma a mi­ni­mi­zar o ris­co de com­pli­ca­ções se­cun­dá­ri­as, vis­to que o fí­ga­do é tam­bém res­pon­sá­vel pe­la pro­du­ção dos fa­to­res de co­a­gu­la­ção san­guí­nea.

O que é a li­pi­do­se he­pá­ti­ca?

A li­pi­do­se he­pá­ti­ca ou sín­dro­me do “fí­ga­do gor­do” é uma do­en­ça fre­quen­te­men­te di­ag­nos­ti­ca­da em ga­tos e que con­sis­te na acu­mu­la­ção ex­ces­si­va de tri­gli­cé­ri­dos (gor­du­ra) a ní­vel dos he­pa­tó­ci­tos ou cé­lu­las he­pá­ti­cas. Se não for atem­pa­da­men­te re­ver­ti­da, es­ta do­en­ça afe­ta­rá se­ri­a­men­te a qua­li­da­de de vi­da do ga­to, uma vez que com­pro­me­te as im­por­tan­tes fun­ções que o fí­ga­do de­sem­pe­nha, po­den­do mes­mo re­ve­lar-se fa­tal.

Por­que acon­te­ce no ga­to?

O ga­to é um car­ní­vo­ro es­tri­to e, por na­tu­re­za, de­ve­rá fa­zer pe­que­nas re­fei­ções de ele­va­do con­teú­do pro­tei­co mui­tas ve­zes ao dia. En­quan­to pre­da­dor é um ani­mal ati- vo, com uma re­du­zi­da per­cen­ta­gem de mas­sa gor­da, que o seu or­ga­nis­mo não se en­con­tra adap­ta­do a ar­ma­ze­nar em gran­de quan­ti­da­de. Em ca­so de ano­re­xia, quan­do o ga­to não in­ge­re a quan­ti­da­de de ca­lo­ri­as ne­ces­sá­ri­as ao su­pri­men­to dos seus gas­tos ener­gé­ti­cos, o or­ga­nis­mo ten­ta com­pen­sar es­se dé­fi­ce mo­bi­li­zan­do gor­du­ra pa­ra o fí­ga­do, com a fi­na­li­da­de de a con­ver­ter em ener­gia. Uma vez que o ga­to não con­se­gue me­ta­bo­li­zar a gor­du­ra de for­ma efi­caz, não con­se­gue li­dar com es­ta mo­bi­li­za­ção de gor­du­ra, que ocor­re em res­pos­ta à fal­ta de ali­men­to. Gran­des quan­ti­da­des de gor­du­ra são en­tão acu­mu­la­das a ní­vel das cé­lu­las he­pá­ti­cas, pro­vo­can­do um au­men­to do ta­ma­nho do fí­ga­do, que se tor­na dis­fun­ci­o­nal. A li­pi­do­se he­pá­ti­ca é um dis­túr­bio par­ti­cu­lar­men­te co­mum em ga­tos com exo­ca­si­o­nal­men­te, ces­so de pe­so que dei­xam su­bi­ta­men­te de co­mer, mui­tas ve­zes por mo­ti­vo de do­en­ça (li­pi­do­se he­pá­ti­ca se­cun­dá­ria a ou­tro pro­ces­so pa­to­ló­gi­co) ou ou­tros. A al­te­ra­ção brus­ca do me­ta­bo­lis­mo des­tes ani­mais des­po­le­ta a acu­mu­la­ção de gor­du­ra, atra­vés de um me­ca­nis­mo mo­le­cu­lar ain­da não to­tal­men­te es­cla­re­ci­do.

Em que con­sis­te o tra­ta­men­to? Qu­al o prog­nós­ti­co?

De for­ma a ma­xi­mi­zar as hi­pó­te­ses de su­ces­so do tra­ta­men­to, de­ve-se pro­cu­rar di­ag­nos­ti­car a do­en­ça sub­ja­cen­te que pos­si­vel­men­te te­nha cau­sa­do ou con­tri­buí­do pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da li­pi­do­se he­pá­ti­ca, ins­ti­tuin­do-se o tra­ta­men­to ade­qua­do. O tra­ta­men­to da li­pi­do­se he­pá­ti­ca em si con­sis­te em pro­vi­den­ci­ar um su­por­te

nu­tri­ci­o­nal in­ten­si­vo. Os ga­tos afe­ta­dos ne­ces­si­tam de ser hos­pi­ta­li­za­dos e ali­men­ta­dos com di­e­tas es­pe­ci­al­men­te for­mu­la­das atra­vés de son­das ali­men­ta­res, mui­tas ve­zes a lon­go pra­zo, até re­cu­pe­ra­rem o ape­ti­te e co­me­ça­rem a co­mer vo­lun­ta­ri­a­men­te. Os pro­pri­e­tá­ri­os dos ga­tos afe­ta­dos por es­ta do­en­ça de­vem es­tar ci­en­tes de que, ape­sar de pos­sí­vel, a re­cu­pe­ra­ção po­de ser di­fí­cil e de­mo­ra­da, pe­lo que se de­ve apos­tar so­bre­tu­do na pre­ven­ção do pro­ble­ma.

A obe­si­da­de é um fa­tor de ris­co im­por­tan­te

A do­mes­ti­ca­ção do ga­to veio al­te­rar o seu com­por­ta­men­to na­tu­ral. Sen­do mui­tas ve­zes se­den­tá­rio, uma vez que não ne­ces­si­ta de ca­çar e tem co­mi­da (mui­tas ve­zes ina­de­qua­da) à dis­po­si­ção em quan­ti­da­des ex­ces­si­vas, o fe­li­no dos nos­sos di­as fa­cil­men­te ga­nha pe­so em ex­ces­so. Os ga­tos com ex­ces­so de pe­so são mais pro­pen­sos ao de­sen­vol­vi­men­to de li­pi­do­se he­pá­ti­ca de­vi­do à mai­or quan­ti­da­de de gor­du­ra à dis­po­si­ção pa­ra mo­bi­li­za­ção em ca­so de je­jum.

Pre­ve­nir é me­lhor que tra­tar

Há mui­tas ra­zões pa­ra o ga­to per­der o in­te­res­se na co­mi­da, co­mo por exem­plo, do­en­ças que pro­vo­cam dor, no­me­a­da­men­te, do­en­ça pe­ri­o­don­tal, ou que de­se­qui­li­bram o me­ta­bo­lis­mo do ga­to, co­mo a di­a­be­tes mel­li­tus ou o hi­per­ti­roi­dis­mo. Se o seu ga­to se re­cu­sa a co­mer le­ve-o de ime­di­a­to ao mé­di­co ve­te­ri­ná­rio. Po­de­rá ter uma do­en­ça que ne­ces­si­ta de tra­ta­men­to es­pe­cí­fi­co. As­sim, ao re­cu­pe­rar o ape­ti­te, já não es­ta­rá em ris­co de so­frer li­pi­do­se he­pá­ti­ca. Já que a obe­si­da­de é o mai­or fa­tor de ris­co da li­pi­do­se he­pá­ti­ca, es­tão re­co­men­da­dos es­for­ços no sen­ti­do de con­se­guir con­tro­lar o pe­so do ga­to. To­dos os even­tos que pos­sam cau­sar stress no seu me­lhor ami­go, po­dem ser acom­pa­nha­dos por um pe­río­do de ano­re­xia e, con­se­quen­te­men­te, li­pi­do­se he­pá­ti­ca. Se não con­se­guir evi­tar es­tes even­tos, pe­lo me­nos ten­te mi­ni­mi­zá-los.

Mo­ni­to­ri­ze a in­ges­tão de ali­men­tos do seu ga­to!

A in­ges­tão de ali­men­tos de­ve sem­pre ser mo­ni­to­ri­za­da após po­ten­ci­ais si­tu­a­ções de stress pa­ra o seu ga­to, co­mo a mu­dan­ça pa­ra uma no­va ca­sa, a che­ga­da de ou­tro ani­mal de es­ti­ma­ção ou de uma pes­soa no­va a sua ca­sa, mu­dan­ça de di­e­ta ou quan­do a fa­mí­lia se au­sen­ta pa­ra fé­ri­as. A mo­ni­to­ri­za­ção de in­ges­tão de co­mi­da em ca­sas com mais do que um ga­to po­de ser um ver­da­dei­ro de­sa­fio!

Cui­da­do com as al­te­ra­ções de di­e­ta!

Se o seu ga­to tem ex­ces­so de pe­so e pla­neia ini­ci­ar uma di­e­ta es­pe­cí­fi­ca pa­ra con­tro­lo do pe­so, fa­le an­te­ci­pa­da­men­te com o seu mé­di­co ve­te­ri­ná­rio. A di­e­ta de con­tro­lo de pe­so po­de ser me­nos pa­la­tá­vel, e con­se­quen­te­men­te, me­nos agra­dá­vel pa­ra o ga­to. A res­tri­ção ali­men­tar po­de re­sul­tar em com­pli­ca­ções gra­ves. Cer­ti­fi­que-se, di­a­ri­a­men­te, se o seu ani­mal es­tá a co­mer ade­qua­da­men­te. Mui­tas pes­so­as acre­di­tam er­ra­da­men­te que um ga­to com fal­ta de ape­ti­te irá aca­bar por co­mer quan­do sen­tir fo­me. Is­so po­de não ser ver­da­de e é uma su­po­si­ção pe­ri­go­sa.

Aver­são ali­men­tar: O que sig­ni­fi­ca?

O ga­to po­de evi­tar de­ter­mi­na­dos ali­men­tos se os as­so­ci­ar a sen­sa­ções de­sa­gra­dá­veis, co­mo náu­se­as, que te­nha ex­pe­ri­en­ci­a­do an­te­ri­or­men­te. Es­te fe­nó­me­no de­sig­na-se por aver­são ali­men­tar e ocor­re so­bre­tu­do quan­do o ga­to se sen­te do­en­te e lhe é ofe­re­ci­do ou mes­mo for­ça­do, re­pe­ti­da­men­te, o mes­mo ali­men­to. O ga­to as­so­cia a sen­sa­ção de­sa­gra­dá­vel de do­en­ça ao ali­men­to em ques­tão e con­se­quen­te­men­te tentará evi­tá-lo. Se o seu ga­to apa­ren­ta es­tar com fal­ta de ape­ti­te, não ten­te for­çar ali­men­to e con­sul­te de ime­di­a­to o seu mé­di­co ve­te­ri­ná­rio de for­ma a de­te­tar a raiz do pro­ble­ma.

Em ca­so de ano­re­xia, o or­ga­nis­mo do ga­to ten­ta com­pen­sar es­se dé­fi­ce mo­bi­li­zan­do gor­du­ra pa­ra o fí­ga­do

O de­sen­vol­vi­men­to de ic­te­rí­cia, co­lo­ra­ção ama­re­la­da a ní­vel das mem­bra­nas mu­co­sas, olhos e pe­le, es­tá fre­quen­te­men­te as­so­ci­a­do a do­en­ça he­pá­ti­ca se­ve­ra.

Os ga­tos com ex­ces­so de pe­so são mais pro­pen­sos ao de­sen­vol­vi­men­to de li­pi­do­se he­pá­ti­ca de­vi­do à mai­or quan­ti­da­de de gor­du­ra à dis­po­si­ção pa­ra mo­bi­li­za­ção em ca­so de je­jum.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.