Ter um cão com pe­di­gree

Sno­bis­mo ou uma fer­ra­men­ta va­li­o­sa?

Caes & Companhia - - CONVIVENCIA -

Con­si­de­ra­do por uns co­mo um uten­sí­lio im­pres­cin­dí­vel que de­ve acom­pa­nhar ca­da ani­mal, e por ou­tros co­mo um pe­da­ço de pa­pel per­fei­ta­men­te inú­til, qu­al o va­lor re­al de co­nhe­cer o pe­di­gree do seu cão?

To­dos ou­vi­mos já, a brin­car ou mais a sé­rio, que os cães de ra­ça têm san­gue azul, por­que têm um pe­di­gree, a sua ár­vo­re ge­ne­a­ló­gi­ca é co­nhe­ci­da du­ran­te mui­tas ge­ra­ções, tal co­mo acon­te­cia com a re­a­le­za hu­ma­na.

O que é, afi­nal, um pe­di­gree?

O pe­di­gree é a ár­vo­re ge­ne­a­ló­gi­ca de um in­di­ví­duo, é a in­for­ma­ção re­la­ti­va aos seus as­cen­den­tes. Nos cães, o no­me é tam­bém po­pu­lar­men­te usa­do pa­ra de­sig­nar o do­cu­men­to emi­ti­do pe­la en­ti­da­de que re­ge a ca­ni­cul­tu­ra nes­se país, mais tec­ni­ca­men­te de­no­mi­na­do de cer­ti­fi­ca­do de re­gis­to num li­vro ge­ne­a­ló­gi­co – em Por­tu­gal é o re­gis­to no Li­vro de Ori­gens Por­tu­guês (LOP) ou no Re­gis­to Ini­ci­al (RI), nou­tros paí­ses é no li­vro ge­ne­a­ló­gi­co em vi­gor nes­se país.

O que in­clui es­te do­cu­men­to

Es­te do­cu­men­to in­clui du­as par­tes dis­tin­tas. Nu­ma par­te es­tá a iden­ti­fi­ca­ção do ani­mal – com o seu nú­me­ro de ins­cri­ção no li­vro de ori­gens, no­me de re­gis­to, tí­tu­los que te­nha ob­ti­do, ra­ça e va­ri­e­da­de, se apli­cá­vel, cor, da­ta de nas­ci­men­to, se­xo, nú­me­ro de mi­cro­chip, no­me do cri­a­dor, no­me e mo­ra­da do pro­pri­e­tá­rio e da­ta de ins­cri­ção no li­vro de ori­gens. Po­dem ain­da ocor­rer ou­tros aver­ba­men­tos que a en­ti­da­de emis­so­ra per­mi­ta in­cluir, co­mo re­sul­ta­dos de tes­tes de des­pis­tes de saú­de. Na ou­tra par­te es­tá a iden­ti­fi­ca­ção dos as­cen­den­tes do ani­mal – os seus pais, avós e bi­sa­vós (em al­guns paí­ses o cer­ti­fi­ca­do po­de in­cluir mais ge­ra­ções). Pa­ra ca­da um des­tes ani­mais é pos­sí­vel co­nhe­cer o seu no­me, nú­me­ro de ins­cri­ção no li­vro de ori­gens, tí­tu­los ob­ti­dos e cor re­gis­ta­da. O pe­di­gree fun­ci­o­na as­sim co­mo um Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de de­ta­lha­do, que in­clui a ár­vo­re ge­ne­a­ló­gi­ca do cão.

Re­gis­to pro­vi­só­rio

No ca­so de se tra­tar de um re­gis­to pro­vi­só­rio, por o cão não es­tar ain­da iden­ti­fi­ca­do ele­tro­ni­ca­men­te, ape­nas es­tá dis­po­ní­vel a iden­ti­fi­ca­ção pos­sí­vel do ani­mal e o no­me e nú­me­ro de re­gis­to do pai e da mãe. Ao con­ver­ter-se es­te re­gis­to num re­gis­to de­fi­ni­ti­vo, a res­tan­te in­for­ma­ção se­rá dis­po­ni­bi­li­za­da.

Qu­al o in­te­res­se?

Mas pa­ra que é que o do­no de um cão de com­pa­nhia quer o pe­di­gree do seu cão? Se não ten­ci­o­na par­ti­ci­par em Ex­po­si­ções, nem em qu­al­quer ou­tro ti­po de pro­vas! O pe­di­gree dá-nos in­for­ma­ção so­bre os an­ces­trais do nos­so cão, e per­mi­te-nos ti­rar al­gu­mas con­clu­sões e in­fe­rên­ci­as so­bre o po­ten­ci­al do nos­so cão. Bas­ta sa­ber co­mo o con­sul­tar. Ho­je em dia, gra­ças à in­ter­net e a um pou­co de tra­ba­lho de de- o res­to da in­for­ma­ção fi­ca à dis­tân­cia de al­guns cli­ques e/ou te­le­fo­ne­mas.

Co­nhe­cer os as­cen­den­tes

Olhe pa­ra a lis­ta de an­ces­trais do cão. Irá ver vá­ri­os no­mes que, con­so­an­te co­nhe­ça me­lhor ou pi­or a ra­ça, lhe di­rão mui­to ou na­da. Ve­ja se têm afi­xo, aque­le “ape­li­do” ou no­me an­tes do no­me pro­pri­a­men­te di­to do ani­mal que iden­ti­fi­ca o cri­a­dor. A es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos cri­a­do­res sé­ri­os (mas tam­bém mui­tos cri­a­dei­ros e pro­du­to­res) cria com afi­xo, pois as­sim fa­cil­men­te se re­co­nhe­ce o cão co­mo sen­do da sua cri­a­ção. Es­se de­ta­lhe ten­de as­sim a dar-nos mui­ta in­for­ma­ção so­bre o ti­po, fun­ci­o­na­li­da­de e ca­rá­ter ge­rais des­ses cães. Uma bre­ve pes­qui­sa na in­ter­net ou con­tac­to di­re­to com o cri­a­dor per­mi­te pre­en­cher as la­cu­nas. Is­to é im­por­tan­te por­que ape­sar de os ani­mais per­ten­ce­rem to­dos à mes­ma ra­ça, ine­vi­ta­vel­men­te há al­gu­mas pe­que­nas (ou mai­o­res) di­fe­ren­ças a ní­vel de mor­fo­lo­gia e ca­rá­ter de cri­a­dor pa­ra cri­a­dor. Por exem­plo, al­gu­mas li­nhas de cri­a­ção po­dem ten­der pa­ra ani­mais mai­o­res ou mais pe­que­nos, mais ma­ci­ços ou mais li­te­ti­ve,

O pe­di­gree fun­ci­o­na co­mo um Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de de­ta­lha­do, que in­clui a ár­vo­re ge­ne­a­ló­gi­ca do cão

gei­ros, mais agres­si­vos ou mais pa­cí­fi­cos, etc. Es­te co­nhe­ci­men­to po­de dar-lhe uma ideia ge­ral do que es­pe­rar do seu ani­mal, so­bre­tu­do se se tra­tar de um ca­chor­ro. Quan­do o pe­di­gree ape­nas apre­sen­ta no­mes co­mo “Fi­fi” ou “Bo­bi”, sem afi­xo, tor­na-se con­si­de­ra­vel­men­te mais di­fí­cil de­ter­mi­nar de for­ma ex­pe­di­ta qu­em os cri­ou, e quais os cri­té­ri­os sub­ja­cen­tes à cri­a­ção (se é que es­tes se­quer exis­tem).

A im­por­tân­cia dos tí­tu­los

Ide­al­men­te, vá­ri­os ou to­dos os as­cen­den­tes do ani­mal de­ve­ri­am ter tí­tu­los de mor­fo­lo­gia e/ou tra­ba­lho. Porquê, se só quer um cão de com­pa­nhia? Por­que, se não se man­ti­ver uma se­le­ção cui­da­da ao lon­go das ge­ra­ções, as ca­rac­te­rís­ti­cas que fa­zem com que uma ra­ça te­nha um as­pe­to e um com­por­ta­men­to pró­pri­os ten­dem a de­sa­pa­re­cer. Os cães são a es­pé­cie mais plás­ti­ca exis­ten­te, e mui­to fa­cil­men­te, com um pou­co de se­le­ção e al­gu­mas ge­ra­ções, se con­se­gue mu­dar dras­ti­ca­men­te o as­pe­to de um cão. Pen­se na di­fe­ren­ça en­tre um gi­gan­tes­co Do­gue Ale­mão e um Chihu­ahua, por exem­plo – até cus­ta pen­sar que am­bos par­ti­lham o mes­mo an­ces­tral. A exis­tên­cia de tí­tu­los de mor­fo­lo­gia nos an­ces­trais do cão aju­da a con­fir­mar que es­ses ani­mais cor­res­pon­di­am ao es­ta­lão da ra­ça, ti­nham efe­ti­va­men­te o as­pe­to que a ra­ça é su­pos­to ter. O mes­mo se pas­sa com a ocor­rên­cia de tí­tu­los de tra­ba­lho. Mes­mo que ape­nas quei­ra um cão de com­pa­nhia, uma coi­sa é ter um cão com ca­rac­te­rís­ti­cas e ca­rá­ter pre­vi­sí­veis, ou­tra é ter um cão “ti­po” a ra­ça ale­ga­da, em que o re­sul­ta­do fi­nal é um ti­ro no es­cu­ro se­me­lhan­te à aqui­si­ção de um cão sem ra­ça de­fi­ni­da.

As­pe­tos ge­né­ti­cos

Co­nhe­cer a as­cen­dên­cia do nos­so cão tem ain­da im­pli­ca­ções a ní­vel da sua saú­de e bem-es­tar. Com ba­se na in­for­ma­ção ge­ne­a­ló­gi­ca é pos­sí­vel cal­cu­lar o co­e­fi­ci­en­te de con­san­gui­ni­da­de de­le. De uma for­ma mui­to sim­ples, con­san­gui­ni­da­de con­sis­te no cru­za­men­to de in­di­ví­du­os que têm al­gum grau de pa­ren­tes­co en­tre si – se­ja pais com fi­lhos, pri­mos, avós e ne­tos ou re­la­ções ain­da mais afas­ta­das. A ní­vel ge­né­ti­co, a con­sequên­cia da con­san­gui­ni­da­de é o au­men­to da ho­mo­zi­go­tia, ou se­ja, o au­men­to da pro­ba­bi­li-

Um cão su­pos­ta­men­te de de­ter­mi­na­da ra­ça sem pe­di­gree é um ti­ro no es­cu­ro igual à aqui­si­ção de um cão sem ra­ça de­fi­ni­da

da­de de, em ca­da ge­ne, os dois ale­los que o in­di­ví­duo pos­sui se­rem iguais e trans­mi­ti­dos pe­lo mes­mo an­ces­tral que exis­te em co­mum en­tre o pai e a mãe. Is­to vai au­men­tar a ocor­rên­cia de in­di­ví­du­os exi­bin­do ca­rac­te­rís­ti­cas que ape­nas se ma­ni­fes­tam quan­do os dois ale­los são iguais – as bo­as e as más. A se­le­ção dos ani­mais re­pro­du­to­res as­so­ci­a­da à prá­ti­ca da con­san­gui­ni­da­de le­va à di­mi­nui­ção da va­ri­a­bi­li­da­de ge­né­ti­ca da li­nha on­de es­tá a ser pra­ti­ca­da. Se is­to tem a van­ta­gem de per­mi­tir fi­xar mais ra­pi­da­men­te mui­tas das ca­rac­te­rís­ti­cas que o cri­a­dor es­tá a ten­tar apu­rar na sua cri­a­ção, tem a des­van­ta­gem de afe­tar ne­ga­ti­va­men­te vá­ri­os as­pe­tos re­pro­du­ti­vos e o sis­te­ma imu­ni­tá­rio dos in­di­ví­du­os, di­fi­cul­tan­do a sua res­pos­ta a ame­a­ças am­bi­en­tais. Lo­go, sa­ber o ní­vel de con­san­gui­ni­da­de do ani­mal po­de dar-nos al­gu­mas lu­zes so­bre o po­ten­ci­al imu­ni­tá­rio do in­di­ví­duo.

Iden­ti­fi­car do­en­ças

A ní­vel de saú­de, o pe­di­gree tem ain­da uma enor­me e in­subs­ti­tuí­vel van­ta­gem. Ca­so se de­te­te uma do­en­ça de ba­se ge­né­ti­ca num in­di­ví­duo, ou na ra­ça em ge­ral, sa­ber quais os in­di­ví­du­os afe­ta­dos ao lon­go de vá­ri­as ge­ra­ções per­mi­te uma abor­da­gem pre­li­mi­nar pa­ra ten­tar afe­rir a sua for­ma de trans­mis­são. Es­ta é a ba­se pa­ra se po­de­rem im­ple­men­tar pro­gra­mas de des­pis­te ge­né­ti­co pa­ra ten­tar iden­ti­fi­car o(s) ge­ne(s) res­pon­sá­vel(eis). Um bom co­nhe­ci­men­to da ge­ne­a­lo­gia dos ani­mais é um pas­so cru­ci­al pa­ra to­da a ra­ça.

Quan­to cus­ta um pe­di­gree?

Não é ra­ro en­con­trar anún­ci­os de ca­chor­ros, em po­pu­la­res web­si­tes de anún­ci­os, pu­bli­ci­tan­do ca­chor­ros com ou sem re­gis­to. Lem­bro-me de um anún­cio que di­zia ex­pli­ci­ta­men­te al­go co­mo “os ca­chor­ros cus­tam X eu­ros, sem re­gis­to, por­que se ti­ves­sem re­gis­to te­ri­am de cus­tar Y eu­ros” (2-3 ve­zes o va­lor pe­di­do pe­lo pro­du­tor). Na re­a­li­da­de, o cus­to de um Cer­ti­fi­ca­do de Re­gis­to no Li­vro de Ori­gens Por­tu­guês é uma go­ta de água nos cus­tos de uma cri­a­ção ade­qua­da.

Co­mo se re­gis­ta uma ni­nha­da?

Po­de con­sul­tar es­ta in­for­ma­ção no web­si­te

do Clu­be Por­tu­guês de Ca­ni­cul­tu­ra:

1º pas­so – Até 20 di­as após o nas­ci­men­to, en­tre­ga-se no CPC a De­cla­ra­ção de Be­ne­fi­ci­a­men­to e Nas­ci­men­to de

Ni­nha­da, 1ª fa­se do re­gis­to da ni­nha­da, que iden­ti­fi­ca os pro­ge­ni­to­res e cri­a­dor, e o nú­me­ro e se­xo dos ca­chor­ros nas­ci­dos. Es­ta de­cla­ra­ção tem um cus­to de 20,50€ (com 10% de des­con­to aos só­ci­os do CPC); as ra­ças por­tu­gue­sas es­tão isen­tas do pa­ga­men­to;

2º pas­so – Até 50 di­as após o nas­ci­men­to da ni­nha­da, ou 30 di­as após a en­tre­ga da 1ª fa­se, po­de ocor­rer ins­pe­ção da ni­nha­da por par­te do CPC. Ca­so ocor­ra ins­pe­ção, ape­nas os ca­chor­ros ins­pe­ci­o­na­dos po­de­rão ser re­gis­ta­dos, ca­so al­gum não es­te­ja pre­sen­te, não o po­de­rá ser, mes­mo que es­te­ja de­cla­ra­do na 1ª fa­se;

3º pas­so – Até 60 di­as após o pe­río­do de even­tu­al ve­ri­fi­ca­ção, en­tre­ga-se a 2ª fa­se, o Bo­le­tim de Re­gis­to de Ni­nha­da e Re­gis­to In­di­vi­du­al dos Ca­chor­ros da Ni­nha­da, em que se dá no­me e ca­rac­te­ri­za in­di­vi­du­al­men­te ca­da ca­chor­ro, e se de­cla­ra o nú­me­ro de mi­cro­chip que lhe cor­res­pon­de, se já es­ti­ver chi­pa­do. É após a en­tre­ga des­te bo­le­tim que os ca­chor­ros ob­têm o seu Cer­ti­fi­ca­do de Re­gis­to no

LOP (ou no RI, ca­so não te­nham 3 ge­ra­ções co­nhe­ci­das com­ple­tas). Es­ta 2ª fa­se tem um cus­to de 18,50€ por ca­da ca­chor­ro re­gis­ta­do (com 10% de des­con­to aos só­ci­os do CPC); as ra­ças por­tu­gue­sas es­tão isen­tas do pa­ga­men­to.

No má­xi­mo fa­la­mos de 40€

Uma vez que o cus­to da 1ª fa­se se “di­lui” no cus­to da 2ª fa­se (quan­to mais ca­chor­ros a ni­nha­da ti­ver, mais ba­ra­ta fi­ca, por ca­chor­ro, a de­cla­ra­ção de nas­ci­men­to de ni­nha­da), é fá­cil cons­ta­tar que o cus­to má­xi­mo de um pe­di­gree ocor­re no ca­so de uma ni­nha­da com ca­chor­ro úni­co. Se se tra­tar de uma ra­ça es­tran­gei­ra em que o cri­a­dor não é só­cio do CPC, e os bo­le­tins ti­ve­rem si­do en­tre­gues den­tro dos pra­zos re­gu­la­men­ta­res, o re­gis­to des­te ca­chor­ro cus­ta 39€ (po­de acres­cer 2€ se o cri­a­dor so­li­ci­tar o en­vio dos do­cu­men­tos por cor­reio). Ou se­ja, não é o cus­to do re­gis­to do pe­di­gree que vai jus­ti­fi­car uma di­fe­ren­ça de 100€ a 300€ no pre­ço de um ca­chor­ro!

Exi­ja o pe­di­gree

Ne­nhum cri­a­dor sé­rio pon­de­ra se­quer a pos­si­bi­li­da­de de en­tre­gar um cão que

não es­te­ja de­vi­da­men­te re­gis­ta­do. Não sen­do de to­do uma fer­ra­men­ta que, por si só, per­mi­ta as­se­gu­rar a qua­li­da­de do exem­plar, as­se­gu­ra a ras­tre­a­bi­li­da­de do in­di­ví­duo. Pos­si­bi­li­ta não só ter uma ideia da pre­vi­si­bi­li­da­de das su­as ca­ra­te­rís­ti­cas co­mo, se o pi­or su­ce­der, vai aju­dar a de­te­tar a ori­gem de al­gum pro­ble­ma de ba­se ge­né­ti­ca que ve­nha a ter. E, ca­so um dia de­ci­da cri­ar com o seu exem­plar (na­tu­ral­men­te, após pon­de­rar mui­to bem nas ques­tões que fo­mos abor­dan­do nes­ta re­vis­ta ao lon­go do úl­ti­mo ano), o co­nhe­ci­men­to da sua ge­ne­a­lo­gia per­mi­te-lhe to­mar de­ci­sões mais in­for­ma­das so­bre que par­cei­ro es­co­lher. Na aqui­si­ção do seu com­pa­nhei­ro, exi­ja a in­for­ma­ção a que tem di­rei­to – so­li­ci­te o pe­di­gree ao cri­a­dor, e sus­pei­te se es­te o re­cu­sar ou lhe pe­dir um va­lor adi­ci­o­nal pe­lo re­gis­to, so­bre­tu­do quan­do for su­pe­ri­or ao seu cus­to re­al!

Fo­tos: Au­to­ra e Shut­ters­tock

Car­la Cruz Mes­tre em Pro­du­ção Ani­mal e Dou­to­ran­da em Ci­ên­cia Ani­mal

Mes­mo que quei­ra um cão de ra­ça pa­ra com­pa­nhia, uma coi­sa é ter um cão com ca­rac­te­rís­ti­cas e ca­rá­ter pre­vi­sí­veis, ou­tra é ter um cão “ti­po” a ale­ga­da ra­ça.

So­li­ci­te o pe­di­gree ao cri­a­dor, e sus­pei­te se es­te o re­cu­sar ou lhe pe­dir um va­lor adi­ci­o­nal pe­lo re­gis­to, so­bre­tu­do quan­do for su­pe­ri­or ao seu cus­to re­al!

Se não exis­tir uma se­le­ção cui­da­da ao lon­go das ge­ra­ções, as ca­rac­te­rís­ti­cas que fa­zem com que uma ra­ça te­nha um as­pe­to e um com­por­ta­men­to pró­pri­os ten­dem a de­sa­pa­re­cer.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.