Saú­de Ani­mal Na­tu­ral: As con­ver­sas são co­mo as ce­re­jas!

É sem­pre um pra­zer po­der fa­lar de ali­men­ta­ção na­tu­ral pa­ra cães e ga­tos. Ape­sar de ser al­go que fa­ze­mos di­a­ri­a­men­te já há 15 anos, po­de­mos sem­pre fa­zê-lo em con­tex­tos mui­to di­ver­sos e com di­fe­ren­tes mo­tes. Nes­te ca­so po­de­mos mes­mo di­zer que tem ou­tro sa­bo

Caes & Companhia - - NEWS - Di­no­ra Xa­vi­er Mé­di­ca Ve­te­ri­ná­ria

Eco­mo as con­ver­sas são co­mo as ce­re­jas, na­da me­lhor que o pas­seio do “Com­boio das Ce­re­jas” que de­cor­reu no pas­sa­do mês de ju­nho em Al­con­gos­ta, no Fun­dão. Fo­mos con­vi­da­dos de hon­ra do pas­seio pa­ra fa­lar so­bre ali­men­ta­ção na­tu­ral, cães e ce­re­jas, e co­mo mui­to fi­cou por di­zer, es­te ar­ti­go com­ple­men­ta o te­ma e o lin­do pas­seio, que re­co­men­do, de com­boio, por entre os ce­re­jais.

On­de en­con­trá­mos as ce­re­jas

Al­con­gos­ta é uma das fre­gue­si­as do con­ce­lho do Fun­dão, no dis­tri­to de Cas­te­lo Bran­co e dis­ta da se­de con­ce­lhia cer­ca de 4 km. Si­tu­a­da em ple­na Ser­ra da Gar­du­nha, to­da a en­cos­ta da fre­gue­sia foi, em tem­pos, po­vo­a­da de cas­ta­nhei­ros. Ago­ra, por entre as ru­as de ma-

As pro­pri­e­da­des an­ti­can­ce­rí­ge­nas e an­ti-in­fla­ma­tó­ri­as das ce­re­jas po­dem ser úteis no ca­so do seu ani­mal

ca­da­me e cal­ça­da an­ti­ga, cer­ca­dos de quin­tas e quin­tais, ce­re­jei­ras po­vo­am em cer­ca de 98% a pai­sa­gem ar­bó­rea da al­deia, in­ter­va­la­da por qual pes­se­guei­ro ou ma­ci­ei­ra ti­mi­da­men­te im­plan­ta­dos. As ce­re­jas co­ram de ver­me­lho in­ten­so a pai­sa­gem, em con­jun­tos de pés den­sa­men­te po­vo­an­do as ár­vo­res, cu­jos ra­mos e ga­lhos tom­bam, pe­sa­dos, em di­re­ção ao so­lo.

Um com­boio aber­to a to­dos

Ha­via lu­gar pa­ra to­dos e to­dos ti­nham o seu lu­gar. Jun­to aos seus cui­da­do­res hu­ma­nos, os cães, con­vi­da­dos de hon­ra do pas­seio, se­gui­am de­vi­da­men­te mu­ni­dos de tre­la e pei­to­ral, ti­ge­la e gar­ra­fa de água, pois o ca­lor fa­zia-se sen­tir e mui­to bem! A ca­da um o seu lu­gar na car­ru­a­gem do com­boio de tu­ris­mo que se­gui­ria de­pois tre­pi­dan­do pe­lo tra­je­to já mui­to ro­da­do e es­tu­da­do, de um lon­go mês de pas­sei­os por entre os ce­re­jais. Mas es­te era um pas­seio di­fe­ren­te! Entre hu­ma­nos po­vo­a­vam Ser­ras da Es­tre­la, Po­den­gos, La­bra­do­res e os ca­rac­te­rís­ti­cos “In­de­fi­ni­dos”, de ri­ca e di­ver­sa ge­né­ti­ca.

Ce­re­jas, pa­ra que vos qu­e­ro?!

Mas uma ques­tão im­pe­ra­va por res­pon­der, por entre ce­re­jas e ce­re­jais que bei­ra­vam as es­tra­das e o com­boio, que se to­ca­vam com os de­dos por entre a bri­sa ao pas­sar da car­ru­a­gem. Se­rá que o meu cão tam­bém po­de co­mer uma ce­re­ja? E aqui po­de­mos fa­lar da con­ver­sa que fi­cou por con­tar!

O que são ce­re­jas?

As ce­re­jas são fru­tos pe­que­nos e ar­re­don­da­dos que po­dem apre­sen­tar vá­ri­as co­res, sen­do o ver­me­lho a mais co­mum entre as va­ri­e­da­des co­mes­tí­veis. A ce­re­ja-do­ce, Pru­nus avium L., de pol­pa ma­cia e su­cu­len­ta, é ser­vi­da ao na­tu­ral, co­mo sobremesa. A ce­re­ja-áci­da ou gin­ja, Pru­nus ce­ra­sus L., de pol­pa bem mais fir­me, é usa­da na fa­bri­ca­ção de con­ser­vas, com­po­tas e be­bi­das li­co­ro­sas, co­mo a gin­ji­nha.a ár­vo­re que lhes dá ori­gem é a ce­re­jei­ra e das vá­ri­as es­pé­ci­es, umas dão fru­ta e ou­tras dão ma­dei­ra no­bre. Es­tas ár­vo­res per­ten­cem ao gé­ne­ro Pru­nus (Ro­sa­ce­ae) e ao sub-gé­ne­ro Ce­ra­sus e são cul­ti­va­das em re­giões fri­as on­de um mí­ni­mo de ho­ras de frio é es­sen­ci­al pa­ra uma pro­du­ção de qua­li­da­de.

A quí­mi­ca da ce­re­ja!

As ce­re­jas são re­co­nhe­ci­das co­mo um ali­men­to fun­ci­o­nal. Al­go que po­de­ría­mos con­si­de­rar na fron­tei­ra entre “ali­men­to” e “me­di­ca­men­to” de­vi­do à sua com­po­si­ção fi­toquí­mi­ca. O fru­to da ce­re­ja é ri­co em ele­men­tos nu­tri­ti­vos co­mo pro­teí­nas, gor­du­ras ve­ge­tais, hi­dra­tos de car­bo­no e fi­bras. Pa­ra além dis­so con­tém mi­ne­rais co­mo cál­cio, fer­ro, po­tás­sio, fós­fo­ro, só­dio, en­xo­fre, si­lí­cio, mag­né­sio e clo­ro e vi­ta­mi­nas im­por­tan­tes co­mo A, B1, B2, B5, C e be­ta­ca­ro­te­nos.

A me­di­ci­na da ce­re­ja

O fru­to da ce­re­ja con­tém im­por­tan­tes com­pos­tos an­ti-oxi­dan­tes e é re­co­nhe­ci­do pe­la sua ati­vi­da­de an­ti-in­fla­ma­tó­ria e diu­ré­ti­ca. O be­ta-si­tos­te­rol, um es­te­rol ve­ge­tal que con­tri­bui pa­ra a re­du­ção do co­les­te­rol san­guí­neo, e as an­to­ci­a­ni­nas que dão à ce­re­ja a sua cor ver­me­lha, tam­bém po­dem ter uma ação an­ti-in­fla­ma­tó­ria e se­rem be­né­fi­cos no con­tro­lo da dor. As ce­re­jas tam­bém são uma ri­ca fon­te de bi­o­fla­vo­noi­des co­mo a quer­ce­ti­na, um po­de­ro­so an­ti­o­xi­dan­te car­día­co e de com­pos­tos co­mo o áci­do pe­rí­li­co e a amig­da­li­na que po­de re­du­zir o cres­ci­men­to e o ta­ma­nho dos tu­mo­res. O áci­do elá­gi­co que con­tém aju­da no com­ba­te a in­fe­ções e ini­be a re­pro­du­ção de cé­lu­las can­ce­rí­ge­nas.

Mas não fi­ca­mos por aqui!

As ce­re­jas são im­por­tan­tes no con­tro­lo de do­en­ças co­mo ar­tri­te e go­ta, e to­das as pa­to­lo­gi­as que pro­mo­vem a acu­mu­la­ção de áci­do úri­co, uma vez que são ex­ce­len­tes neu­tra­li­zan­tes da sua pre­sen­ça no san­gue. De­vi­do à quan­ti­da­de de me­la­to­ni­na que con­têm, po­dem ser im­por­tan­tes pa­ra aju­dar na re­gu­la­ri­za­ção dos ci­clos do so­no.

Mui­to mais que uma fru­ta

Pa­ra além do fru­to, acon­se­lha­mos que nun­ca dei­te fo­ra os pe­dún­cu­los nem os caroços. De­vi­do à ele­va­da quan­ti­da­de de ta­ni­nos, os pe­dún­cu­los se­cos são úteis em in­fu­são co­mo diu­ré­ti­cos. Os caroços, de­pois de se­cos e tra­ta­dos, po­de­rão dar ori­gem a ex­ce­len­tes al­mo­fa­das de caroço de ce­re­ja, as quais po­de aque­cer e co­lo­car con­for­ta­vel­men­te so­bre o cor­po pa­ra ali­vi­ar do­res ou re­la­xar ao fi­nal do dia.

O meu cão po­de co­mer ce­re­jas?

Cla­ro que sim. To­das as pro­pri­e­da­des do fru­to ex­pli­ca­das aci­ma tam­bém se ve­ri­fi­cam ca­so se­ja o seu ani­mal a con­su­mir as ce­re­jas. Pro­pri­e­da­des an­ti­can­ce­rí­ge­nas (an­ti-oxi­dan­tes na­tu­rais) e an­ti-in­fla­ma­tó­ri­as das ce­re­jas po­dem ser úteis no ca­so do seu ani­mal, bem co­mo os ele­va­dos ní­veis de me­la­to­ni­na, não es­que­cen­do ain­da to­da a com­po­nen­te nu­tri­ci­o­nal, mi­ne­ral e vi­ta­mí­ni­ca que apor­tam.

Exis­te al­gum li­mi­te acon­se­lha­do?

Su­ge­ri­mos que uti­li­ze as ce­re­jas, na ali­men­ta­ção do seu ani­mal, co­mo snack ou recompensa. Po­de uti­li­zá-las fres­cas, de pre­fe­rên­cia sem caroço, ou se­cas e de­si­dra­ta­das. Não “obri­gue” o seu ani­mal a co­mer ce­re­jas só por­que leu que têm pro­pri­e­da­des in­te­res­san­tes. Em úl­ti­ma aná­li­se, quem sa­be is­so é o seu ani­mal, o qual es­tá do­ta­do fi­si­ca­men­te, atra­vés do pa­la­dar e do odor, pa­ra re­co­nhe­cer as subs­tân­ci­as quí­mi­cas ne­ces­sá­ri­as pa­ra a sua saú­de ou ali­men­ta­ção. Se o seu ani­mal re­cu­sar não in­sis­ta, se apre­ci­ar ofe­re­ça em quan­ti­da­de mo­de­ra­da. Tan­to em hu­ma­nos co­mo em ani­mais, uma quan­ti­da­de ex­ces­si­va po­de pro­vo­car efei­tos gas­troin­tes­ti­nais, em par­ti­cu­lar gás­tri­cos, des­con­for­tá­veis e in­de­se­já­veis, de­vi­do à quan­ti­da­de de ta­ni­nos que po­de con­su­mir se exa­ge­rar.

As ce­re­jas po­dem ser de­sa­con­se­lha­das?

Em ge­ral não, ape­nas o se­rão ca­so o cão se­ja alér­gi­co a da­mas­co e a ou­tros mem­bros da fa­mí­lia das amei­xas, pois, pro­va­vel­men­te, tam­bém se­rá sen­sí­vel à ce­re­ja. As reações mais fre­quen­tes são a ur­ti­cá­ria e a sen­sa­ção de co­cei­ra den­tro ou na re­gião da bo­ca e não re­pre­sen­tam, na ge­ne­ra­li­da­de, ris­co de vi­da pa­ra o ani­mal.

No “Com­boio das Ce­re­jas” há lu­gar pa­ra to­dos: pa­ra os do­nos e os seus cães.

As ce­re­jas são im­por­tan­tes no con­tro­lo de do­en­ças co­mo ar­tri­te e go­ta, e to­das as pa­to­lo­gi­as que pro­mo­vem a acu­mu­la­ção de áci­do úri­co.

Pa­ra o seu cão, uti­li­ze as ce­re­jas co­mo snack ou recompensa, fres­cas (de pre­fe­rên­cia sem caroço) ou se­cas e de­si­dra­ta­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.