Cães den­tro do car­ro: Par­tir o vi­dro ou não par­tir?

Há al­gum tem­po que cir­cu­la uma no­tí­cia nas re­des so­ci­ais, a in­for­mar que ca­so ve­ja­mos um cão – ani­mal – den­tro de um car­ro, fe­cha­do e ex­pos­to ao ca­lor, po­de­re­mos le­gi­ti­ma­men­te que­brar o vi­dro ado­tan­do o pro­ce­di­men­to de ti­rar uma fo­to­gra­fia an­tes, na qual

Caes & Companhia - - NEWS -

Ano­tí­cia pro­pa­gou-se vi­ral­men­te e até po­de­rá fa­zer sen­ti­do tal ex­pli­ca­ção, no en­tan­to não o de­ve­rá fa­zer.

Porquê? Di­rei­tos em con­fli­to?

Po­de­re­mos di­zer que no ca­so exis­tem dois di­rei­tos em con­fli­to, o Di­rei­to à pro­pri­e­da­de e o Di­rei­to do ani­mal? Se sim, que pos­tu­ra ado­tar? Pro­va­vel­men­te os mais acér­ri­mos de­fen­so­res do Di­rei­tos dos Ani­mais di­rão que no ca­so de ver­mos um ani­mal den­tro de um au­to­mó­vel com as ja­ne­las fe­cha­das, não de­ve­mos pen­sar du­as ve­zes e que­brar o vi­dro se­rá a úni­ca hi­pó­te­se que nos de­ve­rá pas­sar pe­la ca­be­ça. No en­tan­to, tal ato tão no­bre po­de­rá cau­sar uma car­ga de tra­ba­lhos e a cons­ti­tui­ção en­quan­to ar­gui­do não es­ta­rá lon­ge de acon­te­cer.

Is­to porquê?

Nos ter­mos do Có­di­go Pe­nal, na sua par­te dos Cri­mes con­tra a Pro­pri­e­da­de, mais es­pe­ci­fi­ca­men­te no seu ar­ti­go 212º: “Quem des­truir, no to­do ou em par­te, da­ni­fi­car, des­fi­gu­rar ou tor­nar não uti­li­zá­vel coi­sa ou ani­mal alhei­os, é pu­ni­do com pe­na de pri­são até três anos ou com pe­na de mul­ta.”

Se­rá as­sim en­qua­drá­vel es­ta si­tu­a­ção nes­ta ti­pi­fi­ca­ção?

Se per­cor­re­mos to­dos os pon­tos des­te ar­ti­go, po­de­re­mos com­pre­en­der que

ca­so da­ni­fi­que­mos uma ja­ne­la de um veí­cu­lo – par­tin­do-a – tor­nan­do-a, aliás não uti­li­zá­vel, se­ja to­tal­men­te ou uma me­ra par­te, po­de­rá vir a ser pu­ni­do com pe­na de pri­são ou de mul­ta. Sen­do ain­da a ten­ta­ti­va pu­ní­vel, ou se­ja, ima­gi­ne­mos que não con­se­gue efe­ti­var a de­man­da de da­ni­fi­car/par­tir a ja­ne­la pa­ra “sal­var” o ani­mal, es­te pro­ce­di­men­to tam­bém se­rá pu­ní­vel, pois o ato foi pra­ti­ca­do, ape­nas não foi efe­ti­va­do. Is­to já pa­ra não fa­lar da even­tu­al in­dem­ni­za­ção que po­de­rá ad­vir do da­no pro­vo­ca­do no au­to­mó­vel ou mes­mo no ani­mal.

Es­ta­do de Ne­ces­si­da­de

A ques­tão que se co­lo­ca é: En­tão e se o ani­mal es­ti­ver vi­si­vel­men­te em so­fri­men­to e já se ti­ver efe­tu­a­do to­das as di­li­gên­ci­as, não es­ta­rá as­sim abran­gi­do pe­lo tão fa­la­do Es­ta­do de Ne­ces­si­da­de? Na no­tí­cia que se en­con­tra­va a cir­cu­lar era re­fe­ri­do o art.º 34 do Có­di­go Pe­nal, pa­ra jus­ti­fi­car a prá­ti­ca su­ge­ri­da.

O que diz en­tão es­te ar­ti­go?

“Não é ilí­ci­to o fac­to pra­ti­ca­do co­mo meio ade­qua­do pa­ra afas­tar um pe­ri­go atu­al que ame­a­ce in­te­res­ses ju­ri­di­ca­men­te pro­te­gi­dos do agen­te ou de ter­cei­ro, quan­do se ve­ri­fi­ca­rem os se­guin­tes re­qui­si­tos: ”a) Não ter si­do vo­lun­ta­ri­a­men­te cri­a­da pe­lo agen­te a si­tu­a­ção de pe­ri­go, sal­vo tra­tan­do-se de pro­te­ger o in­te­res­se de ter­cei­ro; b) Ha­ver sen­sí­vel su­pe­ri­o­ri­da­de do in­te­res­se a sal­va­guar­dar re­la­ti­va­men­te ao in­te­res­se sa­cri­fi­ca­do; e c) Ser ra­zoá­vel im­por ao le­sa­do o sa­cri­fí­cio do seu in­te­res­se em aten­ção à na­tu­re­za ou ao va­lor do in­te­res­se ame­a­ça­do.”

Es­ta­do de Ne­ces­si­da­de Des­cul­pan­te

En­tão e ca­so não se es­te­ja abran­gi­do pe­lo ar­ti­go su­pra, se­rá que nos po­de­re­mos en­qua­drar no tam­bém tão fa­la­do Es­ta­do de Ne­ces­si­da­de Des­cul­pan­te, pre­vis­to no ar­ti­go se­guin­te – art. 35º do Có­di­go Pe­nal: “1 - Age sem cul­pa quem pra­ti­car um fac­to ilí­ci­to ade­qua­do a afas­tar um pe­ri­go atu­al, e não re­mo­ví­vel de ou­tro mo­do, que ame­a­ce a vi­da, a in­te­gri­da­de fí­si­ca, a hon­ra ou a li­ber­da­de do agen­te ou de ter­cei­ro, quan­do não for ra­zoá­vel exi­gir-lhe, se­gun­do as cir­cuns­tân­ci­as do ca­so, com­por­ta­men­to di­fe­ren­te. 2 - Se o pe­ri­go ame­a­çar in­te­res­ses ju­rí­di­cos di­fe­ren­tes dos re­fe­ri­dos no nú­me­ro an­te­ri­or, e se ve­ri­fi­ca­rem os res­tan­tes pres­su­pos­tos ali men­ci­o­na­dos, po­de a pe­na ser es­pe­ci­al­men­te ate­nu­a­da ou, ex­ce­ci­o­nal­men­te, o agen­te ser dis­pen­sa­do de pe­na.”

Ca­be­rá es­te ato de sal­va­men­to nes­tes ar­ti­gos, sem mais?

Pa­re­ce-nos for­ço­so, prin­ci­pal­men­te e ten­do em con­ta o elen­co de re­qui­si­tos aí des­cri­tos, se­rá as­sim di­fí­cil, pe­nal­men­te fa­lan­do, in­te­grar to­das es­tas alí­ne­as na atu­a­ção que se pre­ten­de re­a­li­zar. Pois, pen­se­mos, e não é de to­do dis­pa­ra­ta­do, que al­guém com in­ten­ção ape­nas de da­no, ve­nha a sa­ber que é cos­tu­me um in­di­ví­duo dei­xar o seu ani­mal por bre­ves mo­men­tos den­tro do car­ro, e par­te o vi­dro so­men­te com o in­tui­to de da­ni­fi­car o au­to­mó­vel e não de sal­var o ani­mal, que até vi­si­vel­men­te es­ta­rá bem. A ati­tu­de é po­lé­mi­ca, mas co­mo sa­be­mos a men­te do ser hu­ma­no tam­bém

O que de­ve­mos fa­zer?

Por­tan­to num ca­so des­tes, não se de­ve­rá dei­xar le­var por tu­do o que as no­ti­ci­as afir­mam, sem afe­rir a sua le­ga­li­da­de. É as­sim su­ge­ri­do que, ob­vi­a­men­te to­me as de­vi­das pro­vi­dên­ci­as, pas­san­do em pri­mei­ra li­nha por cha­mar as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes. Ca­so efe­ti­va­men­te se con­si­ga en­qua­drar a atu­a­ção re­a­li­za­da nes­tes ti­pos de ex­clu­são de ili­ci­tu­de, en­tão o seu pro­ce­di­men­to te­rá si­do bem re­a­li­za­do, no en­tan­to e co­mo em tu­do o que é ju­rí­di­co, é tu­do uma ques­tão de pro­va. E es­sa não é sin­ge­la nem tão pou­co, fá­cil.

En­tão e a ati­tu­de de quem pra­ti­ca tal ato pa­ra com o seu ani­mal?

Co­mo te­mos vin­do a acom­pa­nhar, as pro­fun­das al­te­ra­ções le­gis­la­ti­vas vão exa­ta­men­te no ca­mi­nho de ca­da vez mais pre­ve­nir es­te ti­po de si­tu­a­ção, prin­ci­pal­men­te com o re­cen­tís­si­mo Es­ta­tu­to Ju­rí­di­co dos Ani­mais e a pró­pria de­sig­na­ção ju­rí­di­ca do Ani­mal, que fi­nal­men­te, co­mo não nos can­sa­re­mos de re­pe­tir, dei­xou de ser coi­sa pa­ra o nos­so Có­di­go Ci­vil. Com es­te des­bra­var de ca­mi­nho e com a sen­si­bi­li­za­ção pa­ra es­te ti­po de ati­tu­de, da­que­le que de­ve ao ani­mal o mai­or dos res­pei­tos, pen­sa­mos que o con­fli­to de di­rei­tos se­rá ate­nu­an­do pre­va­le­cen­do o bem mai­or – ani­mal – so­bre o bem me­nor – pro­pri­e­da­de. No en­tan­to ain­da ago­ra co­me­çá­mos.

Se­ja pon­de­ra­do

Não se­ja as­sim ví­ti­ma da sua sen­si­bi­li­da­de, pro­te­tor sim, mas que is­so não o tor­ne ar­gui­do num ca­so em que o mal fei­tor não é de­cer­to aque­le que ten­ta pro­te­ger quem vi­si­vel­men­te é o elo mais fra­co.

Não se­ja ví­ti­ma da sua sen­si­bi­li­da­de, pro­te­tor sim, mas que is­so não o tor­ne ar­gui­do, co­mo se fos­se o mal fei­tor da his­tó­ria

Se cons­tar que um ani­mal es­tá den­tro de um car­ro em so­fri­men­to de­ve, em pri­mei­ra li­nha, cha­mar as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.