Ve­te­ri­ná­ria: Sín­dro­me bra­qui­ce­fá­li­ca

Uma sín­dro­me é um con­jun­to de si­nais e sin­to­mas que de­fi­nem uma con­di­ção clí­ni­ca. O ter­mo “bra­qui­ce­fá­li­co” de­fi­ne in­di­ví­du­os da es­pé­cie ca­ni­na em que a por­ção do crâ­nio que in­clui o na­riz, ros­to e ma­xi­lar su­pe­ri­or é ex­tre­ma­men­te en­cur­ta­da em re­la­ção à esp

Caes & Companhia - - NEWS -

Quan­do um mé­di­co ve­te­ri­ná­rio fa­la em Sín­dro­me Bra­qui­ce­fá­li­ca es­tá a re­fe­rir-se aos pro­ble­mas res­pi­ra­tó­ri­os su­pe­ri­o­res (tra­queia, la­rin­ge, fa­rin­ge, na­riz e bo­ca) que al­guns des­tes cães po­dem exi­bir. Nes­ta sín­dro­me po­dem es­tar pre­sen­tes, iso­la­da­men­te ou em com­bi­na­ção, vá­ri­as ano­ma­li­as ana­tó­mi­cas, das quais as mais fre­quen­tes são o ex­ces­so de pa­la­to mo­le e a es­te­no­se das na­ri­nas (na­ri­nas es­trei­tas). Tam­bém po­dem ocor­rer ou­tras ano­ma­li­as co­mo a ever­são dos ven­trí­cu­los da la­rin­ge, a hi­po­pla­sia da tra­queia e o co­lap­so da la­rin­ge e da tra­queia. Es­ta sín­dro­me po­de afe­tar mais de 20% dos in­di­ví­du­os de ra­ças bra­qui­ce­fá­li­cas con­for­me in­di­ca­do em al­guns es­tu­dos. A sua im­por­tân­cia e pre­va­lên­cia é de tal for­ma re­co­nhe­ci­da pe­la so­ci­e­da­de que vá­ri­as com­pa­nhi­as aé­re­as re­cu­sam-se a trans­por­tar ani­mais de al­gu­mas des­tas ra­ças nos po­rões dos aviões. A es­ta­tís­ti­ca das mor­tes ocor­ri­das du­ran­te o trans­por­te aé­reo as­si­na­lou um ris­co su­pe­ri­or nos bra­qui­ce­fá­li­cos, le­van­do as com­pa­nhi­as a ado­tar es­ta po­lí­ti­ca.

Quais os sin­to­mas mais fre­quen­te­men­te ob­ser­va­dos?

O si­nal que mais cha­ma a aten­ção dos do­nos é o ruí­do res­pi­ra­tó­rio cons­tan­te. O ruí­do acen­tua-se quan­do o ani­mal es­tá ex­ci­ta­do, quan­do faz es­for­ços fí­si­cos e/ou quan­do dor­me. A mai­o­ria dos ani­mais res­so­na ao dor­mir e po­de ter

ap­neia do so­no (pe­río­dos mais pro­lon­ga­dos que o nor­mal sem res­pi­rar). Al­guns ani­mais po­dem ter di­fi­cul­da­des res­pi­ra­tó­ri­as quan­do se ali­men­tam e tam­bém re­gur­gi­ta­ção de co­mi­da. As cri­ses po­dem cau­sar en­gas­go, re­gur­gi­ta­ção e tos­se. É fre­quen­te a re­gur­gi­ta­ção de sa­li­va du­ran­te os epi­só­di­os de tos­se.

Cri­ses e des­mai­os

Mui­tas ve­zes o do­no pe­de as­sis­tên­cia mé­di­co-ve­te­ri­ná­ria só de­pois de as­sis­tir a uma cri­se mais pre­o­cu­pan­te, co­mo um des­maio na sequên­cia de exer­cí­cio fí­si­co. O ca­lor, o stress e o exer­cí­cio po­dem pre­ci­pi­tar es­tes co­lap­sos, du­ran­te os quais a en­tra­da de oxi­gé­nio e a saí­da de dió­xi­do de car­bo­no se tor­nam in­su­fi­ci­en­tes. Co­mo con­sequên­cia, o ani­mal cai dei­ta­do no chão em gran­de di­fi­cul­da­de res­pi­ra­tó­ria.

Ou­tros fa­to­res a con­si­de­rar

Vá­ri­as ou­tras si­tu­a­ções po­dem le­var ao agra­va­men­to da sín­dro­me. As­sim, a per­ma­nên­cia em am­bi­en­tes quentes e com pou­ca cir­cu­la­ção de ar, as in­fe­ções das amíg­da­las, as la­rin­gi­tes, as fa­rin­gi­tes, as do­en­ças car­día­cas, pro­ble­mas do esó­fa­go e to­das as do­en­ças que afe­tem as vi­as res­pi­ra­tó­ri­as su­pe­ri­o­res, po­dem tor­nar in­sus­ten­tá­vel uma si­tu­a­ção que se ia equi­li­bran­do a cus­to.

Im­pli­ca­ções na qua­li­da­de de vi­da do ani­mal

Não nos de­ve­mos dei­xar le­var pe­las idei­as que es­tão na ba­se de uma fra­se mui­to ou­vi­da em re­la­ção aos cães: “Is­to é nor­mal pa­ra es­ta ra­ça!”. Es­ta for­ma de pen­sar não nos in­cen­ti­va a ava­li­ar ca­da ani­mal por si só, nem a pro­cu­rar me­lho­rar o seu bem-es­tar quan­do sus­pei­ta­mos que a sua qua­li­da­de de vi­da não es­tá ga­ran­ti­da. Um in­di­ví­duo com sín­dro­me bra­qui­ce­fá­li­ca po­de le­var uma vi­da que é nor­mal aos nos­sos olhos, mas à cus­ta de um mai­or es­for­ço res­pi­ra­tó­rio. É di­fí­cil ob­ter pro­vas de­fi­ni­ti­vas do ti­po e in­ten­si­da­de dos im­pac­tos des­ta con­di­ção na qua­li­da­de de vi­da de ca­da in­di­ví­duo, ex­ce­to quan­do es­tes im­pac­tos são gra­ves e ób­vi­os, co­mo é o ca­so dos des­mai­os ou co­lap­sos. O cão é uma es­pé­cie mui­to adap­ta­ti­va e, por con­sequên­cia, é di­fí­cil in­ter­pre­tar se um de­ter­mi­na­do com­por­ta­men­to se en­qua­dra na per­so­na­li­da­de in­di­vi­du­al ou se re­pre­sen­ta uma for­ma de de­fe­sa pe­ran­te uma li­mi­ta­ção fí­si­ca. As­sim, quan­do um bra­qui­ce­fá­li­co não cor­re e não brin­ca com tan­ta ener­gia e re­sis­tên­cia co­mo um in­di­vi­duo não bra- qui­ce­fá­li­co da mes­ma ida­de, po­de­mos atri­buir es­se fac­to à sua per­so­na­li­da­de in­di­vi­du­al. Mas de­ve­mos ter em men­te que a ex­pli­ca­ção po­de­rá es­tar na sua adap­ta­ção, por meio do com­por­ta­men­to, às li­mi­ta­ções res­pi­ra­tó­ri­as que sen­te.

To­le­rân­cia ao exer­cí­cio e pro­ble­mas de com­por­ta­men­to

Vá­ri­os au­to­res apon­tam co­mo con­sequên­ci­as da Sín­dro­me Bra­qui­ce­fá­li­ca (pa­ra além das mais gra­ves já fa­la­das) a di­mi­nui­ção da to­le­rân­cia ao exer­cí­cio, um mai­or tem­po de re­cu­pe­ra­ção após o mes­mo e pro­ble­mas do so­no. Po­de­re­mos ain­da es­pe­cu­lar se em al­guns in­di­ví­du­os es­ta sín­dro­me e as di­fi­cul­da­des as­so­ci­a­das não con­tri­bui­rão pa­ra pro­ble­mas do com­por­ta­men­to. A mai­o­ria dos se­res hu­ma­nos fi­ca “com me­nos pa­ci­ên­cia” e to­le­rân­cia às ou­tras pes­so­as quan­do não se sen­te bem. Por­ven­tu­ra com os cães a si­tu­a­ção é si­mi­lar.

Qu­es­ti­o­ne-se!

De­ve fa­zer a si mes­mo uma sé­rie de

Es­ta sín­dro­me po­de afe­tar mais de 20% dos in­di­ví­du­os de ra­ças bra­qui­ce­fá­li­cas con­for­me in­di­ca­do em al­guns es­tu­dos

per­gun­tas que po­de­rão ser per­ti­nen­tes na ava­li­a­ção da qua­li­da­de de vi­da do seu cão, co­mo por exem­plo:

•O meu cão dor­me bem com o ruí­do res­pi­ra­tó­rio cons­tan­te?

•O meu cão fi­ca mais im­pa­ci­en­te e/ou ina­ti­vo com o ca­lor do que ou­tros ani­mais que co­nhe­ço?

•Os en­gas­gos que ob­ser­vo du­ran­te a ali­men­ta­ção são ex­ces­si­vos e per­tur­ba­do­res pa­ra ele?

•O meu cão pa­re­ce, por ve­zes, ter fal­ta de ar?

Qual é o tra­ta­men­to des­ta sín­dro­me?

O tra­ta­men­to ci­rúr­gi­co é o úni­co que até ho­je de­mons­trou con­sis­tên­cia na ob­ten­ção de bons re­sul­ta­dos. A cor­re­ção mais fre­quen­te é a re­mo­ção ci­rúr­gi­ca do ex­ces­so de pa­la­to mo­le as­so­ci­a­da, ou não, ao au­men­to ci­rúr­gi­co da en­tra­da das na­ri­nas. Ou­tras in­ter­ven­ções adi­ci­o­nais po­dem ser ne­ces­sá­ri­as con­so­an­te o ca­so con­cre­to. Po­de­mos di­zer que pra­ti­ca­men­te to­dos os pa­ci­en­tes in­ter­ven­ci­o­na­dos ob­têm be­ne­fí­cio com o tra­ta­men­to ci­rúr­gi­co e, na mai­o­ria dos ca­sos, es­te be­ne­fí­cio é mui­to ele­va­do.

Qual é o ris­co as­so­ci­a­do à ci­rur­gia?

Do pon­to de vis­ta ci­rúr­gi­co o ris­co de com­pli­ca­ções gra­ves é mui­to re­du­zi­do. Do pon­to de vis­ta da anes­te­sia, e há vá­ri­as dé­ca­das, o pa­ci­en­te bra­qui­ce­fá­li­co é vis­to por to­dos os mé­di­cos ve­te­ri­ná­ri­os co­mo ten­do “a pri­o­ri” um ris­co su­pe­ri­or de com­pli­ca­ções, se com­pa­ra­do com um não-bra­qui­ce­fá­li­co, e in­de­pen- den­te­men­te da ci­rur­gia con­si­de­ra­da. Con­se­quen­te­men­te, re­quer um mai­or acom­pa­nha­men­to e vi­gi­lân­cia. De fac­to, a cor­re­ção ci­rúr­gi­ca da sín­dro­me res­pi­ra­tó­ria as­so­ci­a­da ao bra­qui­ce­fa­lis­mo irá di­mi­nuir o ris­co anes­té­si­co fu­tu­ro se ou­tras in­ter­ven­ções fo­rem ne­ces­sá­ri­as ao lon­go da vi­da do pa­ci­en­te.

Quan­do é ade­qua­do ava­li­ar es­ta con­di­ção?

Idealmente, to­dos os in­di­ví­du­os des­tas ra­ças são ava­li­a­dos e se­gui­dos des­de as pri­mei­ras con­sul­tas, que ocor­rem nos pri­mei­ros 2 me­ses de vi­da, e até ao fi­nal do cres­ci­men­to. A dis­cus­são entre mé­di­cos ve­te­ri­ná­ri­os atu­al­men­te ro­da em tor­no da pre­co­ci­da­de da in­ter­ven­ção ci­rúr­gi­ca e da sua jus­ti­fi­ca­ção clí­ni­ca, quan­do es­ta­mos a con­si­de­rar a ci­rur­gia pro­fi­lá­ti­ca. É pro­vá­vel que ao in­ter­ven­ci­o­nar­mos um pa­ci­en­te em que ape­nas con­se­gui­mos de­te­tar ruí­do res­pi­ra­tó­rio, sem

Qua­se to­dos os pa­ci­en­tes in­ter­ven­ci­o­na­dos ob­têm be­ne­fí­cio com o tra­ta­men­to ci­rúr­gi­co e es­te be­ne­fí­cio é mui­to ele­va­do

ou­tros sin­to­mas mais pre­o­cu­pan­tes, es­te­ja­mos a evi­tar al­te­ra­ções se­cun­dá­ri­as fu­tu­ras, co­mo a de­for­ma­ção da la­rin­ge, que é bas­tan­te fre­quen­te nos bra­qui­ce­fá­li­cos.

O que fa­zer pa­ra pre­ve­nir es­ta con­di­ção clí­ni­ca?

O ris­co de pro­ble­mas res­pi­ra­tó­ri­os as­so­ci­a­dos ao bra­qui­ce­fa­lis­mo au­men­ta em sin­to­nia com o grau de en­cur­ta­men­to do na­riz, ma­xi­la e ros­to dos exem­pla­res. Os cri­a­do­res po­de­rão de­ci­dir cri­ar exem­pla­res des­tas ra­ças em que es­tas ca­rac­te­rís­ti­cas são me­nos acen­tu­a­das. Os con­su­mi­do­res po­de­rão de­ci­dir igual­men­te não com­prar exem­pla­res com a “ca­ra mui­to acha­ta­da” e as­sim con­tri­buir pa­ra uma al­te­ra­ção dos con­cei­tos de es­té­ti­ca li­ga­dos aos cães bra­qui­ce­fá­li­cos. A “mo­da” é aqui­lo que nós qui­ser­mos e ela não de­ve in­ter­fe­rir com o bem-es­tar ani­mal. Po­de­mos ain­da de­ci­dir não ter des­cen­den­tes de in­di­ví­du­os que têm ou ti­ve­ram pro­ble­mas res­pi­ra­tó­ri­os su­pe­ri­o­res cau­sa­dos por sín­dro­me bra­qui­ce­fá­li­ca.

O pa­pel do mé­di­co ve­te­ri­ná­rio

Es­ta en­ti­da­de clí­ni­ca es­tá em cons­tan­te dis­cus­são e co­mo mé­di­cos ve­te­ri­ná­ri­os as ques­tões que mais nos pre­o­cu­pam são:

•Co­mo ava­li­ar e quan­ti­fi­car o im­pac­to des­ta sín­dro­me na qua­li­da­de de vi­da dos pa­ci­en­tes?

•Em que in­di­ví­du­os re­co­men­da­mos o tra­ta­men­to ci­rúr­gi­co?

•Qual é o pa­pel da ci­rur­gia pro­fi­lá­ti­ca?

•Co­mo re­du­zir o nú­me­ro de in­di­ví­du­os afe­ta­dos em uma po­pu­la­ção?

Per­ce­ba o seu cão!

Se ex­cluir­mos os in­di­ví­du­os bra­qui­ce­fá­li­cos, a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos cães não emi­te um ruí­do res­pi­ra­tó­rio cons­tan­te cu­ja in­ten­si­da­de nos per­mi­ta sa­ber, a ca­da mo­men­to, em que di­vi­são da nos­sa ca­sa ele se en­con­tra, quer es­te­ja acor­da­do ou a dor­mir. Ter­mi­nan­do as­sim, com uma de­fi­ni­ção da nor­ma­li­da­de, tal­vez pos­sa­mos aju­dar al­guns do­nos a ten­tar com­pre­en­der as “men­sa­gens” do seu com­pa­nhei­ro fi­el.

Os cães apre­sen­tam di­mi­nui­ção da to­le­rân­cia ao exer­cí­cio, um mai­or tem­po de re­cu­pe­ra­ção após o mes­mo e pro­ble­mas do so­no

O ter­mo “bra­qui­ce­fá­li­co” de­fi­ne in­di­ví­du­os da es­pé­cie ca­ni­na em que a por­ção do crâ­nio que in­clui o na­riz, ros­to e ma­xi­lar su­pe­ri­or é ex­tre­ma­men­te en­cur­ta­da.

O si­nal que mais cha­ma a aten­ção dos do­nos é o ruí­do res­pi­ra­tó­rio cons­tan­te, que se acen­tua quan­do o ani­mal es­tá ex­ci­ta­do, faz es­for­ços fí­si­cos e/ou quan­do dor­me.

O tra­ta­men­to ci­rúr­gi­co é o úni­co que até ho­je de­mons­trou con­sis­tên­cia na ob­ten­ção de bons re­sul­ta­dos. A cor­re­ção mais fre­quen­te é a re­mo­ção ci­rúr­gi­ca do ex­ces­so de pa­la­to mo­le as­so­ci­a­da, ou não, ao au­men­to ci­rúr­gi­co da en­tra­da das na­ri­nas.

O Bou­le­do­gue Fran­cês e o Pug são exem­plos de du­as ra­ças bra­qui­ce­fá­li­cas mui­to po­pu­la­res em Por­tu­gal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.