Ve­te­ri­ná­ria: A vi­da so­ci­al dos ga­tos

So­li­tá­ri­os ou com uma vi­da par­ti­lha­da com ou­tros ga­tos, a dis­po­ni­bi­li­da­de de re­cur­sos e a co­mu­ni­ca­ção são fa­to­res de­ter­mi­nan­tes pa­ra os ga­tos.

Caes & Companhia - - NEWS -

Os ga­tos con­se­guem so­bre­vi­ver so­zi­nhos e le­var uma exis­tên­cia so­li­tá­ria, mas tam­bém têm van­ta­gens em vi­ver em gru­pos

Os ga­tos são se­res com­ple­xos, no que diz res­pei­to a qua­se tu­do, e a sua vi­da so­ci­al não é ex­ce­ção, po­den­do ter pas­sa­gens dig­nas de uma qual­quer re­de so­ci­al, das que usa­mos di­a­ri­a­men­te.

Co­mu­ni­ca­ção

Con­se­guem so­bre­vi­ver so­zi­nhos e po­dem le­var uma exis­tên­cia so­li­tá­ria, mas tam­bém têm van­ta­gens em vi­ve­rem em gru­pos com mui­tos in­di­ví­du­os. Pa­ra te­rem uma vi­da so­ci­al, pre­ci­sam de co­mu­ni­car uns com os ou­tros. A fim de es­ta­be­le­ce­rem con­tac­to e uma re­la­ção de pro­xi­mi­da­de, usam os bi­go­des, as ore­lhas, os olhos e os mo­vi­men­tos da cau­da, acom­pa­nha­dos, mui­tas ve­zes, por di­fe­ren­tes sons, de for­ma a trans­mi­ti­rem o seu es­ta­do de es­pí­ri­to a ou­tros ga­tos. No ge­ral, as men­sa­gens que os ga­tos pro­du­zem são per­ce­tí­veis pe­los ou­tros, mas en­con­tram-se em cla­ra des­van­ta­gem co­mu­ni­ca­ci­o­nal, quan­do exis­te a pos­si­bi­li­da­de de ocor­rên­cia de uma si­tu­a­ção de con­fli­to.

Si­nais de cal­ma

Po­de­mos di­zer que, em vir­tu­de de po­de­rem ser so­li­tá­ri­os e ter­ri­to­ri­ais, não pos­su­em mui­tas ap­ti­dões pa­ra trans­mi­ti­rem si­nais di­tos de acal­mia ou de apa­zi­gua­men­to, pa­ra mi­ni­mi­za­rem um qual­quer con­fli­to. Um fac­to que se po­de ob­ser­var em ou­tras es­pé­ci­es, com com­por­ta­men­tos so­ci­ais, co­mo o cão.

Mar­ca­ções ter­ri­to­ri­ais

Os ga­tos po­dem co­mu­ni­car entre si, mes­mo sem se ve­rem, ao dei­xa­rem men­sa­gens que per­du­ram no tem­po e no es­pa­ço. Aliás, usam es­te mo­do de co­mu­ni­ca­ção, tam­bém pa­ra evi­ta­rem en­con­tros não de­se­ja­dos, que po­di­am ori­gi­nar con­fli­tos, da­do se­rem ani­mais ter­ri­to­ri­ais. As mar­ca­ções com uri­na são umas das es­tra­té­gi­as usa­das e quan­do ar­ra­nham ár­vo­res es­tão a dei­xar uma mar­ca­ção ol­fa­ti­va e vi­su­al. As fe­ro­mo­nas, pro­du­zi­das em di­fe­ren­tes re­giões do cor­po dos ga­tos, no­me­a­da­men­te na fa­ce, são uma ou­tra for­ma de co­mu­ni­ca­ção e quan­do os ga­tos se es­fre­gam, dei­xam es­ta im­por­tan­te in­for­ma­ção, que po­de ser cap­ta­da pe­los ou­tros ga­tos. Em ter­mos da sua bi­o­lo­gia, os ga­tos são pre­da­do­res e es­tão equi­pa­dos pa­ra so­bre­vi­ve­rem so­zi­nhos, mas ao con­trá­rio de ou­tros fe­li­nos, co­mo os leões, os ga­tos ca­çam so­zi­nhos e não em gru­po.

A vi­da em gru­po: co­ló­ni­as

É con­si­de­ra­do co­mo pro­vá­vel que as pri­mei­ras co­ló­ni­as de ga­tos ti­ves­sem es­ta­do as­so­ci­a­das a po­vo­a­dos hu­ma­nos, da­do que as pes­so­as ar­ma­ze­na­vam se­men­tes e ou­tros ali­men­tos que atrai­am ra­tos, que, por sua vez, re­pre­sen­ta­vam pa­ra os ga­tos pre­sas fá­ceis e ali­men­to ga­ran­ti­do. A pre­sen­ça dos ga­tos era van­ta­jo­sa pa­ra as co­mu­ni­da­des agrí­co­las, so­bre­tu­do em ter­mos de as­se­gu­rar as re­ser­vas ce­re­a­lí­fe­ras. Es­te fac­to de­ve ter le­va­do a uma cres­cen­te apro­xi­ma­ção entre ho­mens e ga­tos. Apro­xi­ma­ção que po­de­ria ser re­for­ça­da pe­la ofer­ta de co­mi­da e a ten­ta­ti­va de se­du­ção dos mais dó­ceis e de­pen­den­tes. Os ga­tos tor­na­ram-se im­pres­cin­dí­veis pa­ra as­se­gu­ra­rem a ma­nu­ten­ção dos re­cur­sos ar­ma­ze­na­dos e evi­ta­rem a sua de­pre­da­ção pe­los ra­tos.

Es­tru­tu­ra de uma co­ló­nia

Ou­tro­ra ou nos nos­sos di­as, as co­ló­ni­as ocor­rem quan­do exis­te dis­po­ni­bi­li­da­de de re­cur­sos pa­ra os ga­tos que ha­bi­tam num de­ter­mi­na­do ter­ri­tó­rio, se­ja ali­men­to ou abri­go, entre ou­tros. As co­ló­ni­as po­dem ser for­ma­das por ape­nas 3 ga­tos ou por de­ze­nas de in­di­ví­du­os, nor­mal­men­te, pre­do­mi­nam as fê­me­as, já os ma­chos, quan­do in­tei­ros (não cas­tra­dos), vão pas­san­do por vá­ri­as co­ló­ni­as. Os ga­tos in­tru­sos são ex­pul­sos das co­ló­ni­as. Pa­ra se iden­ti­fi­ca­rem cri­am um chei­ro co­mum aos ele­men­tos da co­ló­nia, quan­do se lam­bem uns aos ou­tros. Ga­tos que não par­ti­lhem es­te odor pos­su­em gran­des pro­ba­bi­li­da­des de não se­rem acei­tes. Entre os ga­tos não há uma hi­e­rar­quia li­ne­ar, em que uns são do­mi­nan­tes e ou­tros do­mi­na­dos. Exis­te, mui­tas ve­zes, uma or­ga­ni­za­ção so­ci­al em sub­gru­pos. Ve­ri­fi­ca-se, ain­da, que há quem te­nha aces­so pre­fe­ren­ci­al a cer­tos re­cur­sos e não a ou­tros.

Van­ta­gens e des­van­ta­gens

Na co­ló­nia, quan­do uma fê­mea tem cri­as, po­de par­ti­lhar com ou­tras fê­me­as os cui­da­dos ma­ter­nais, no­me­a­da­men­te a ama­men­ta­ção. Es­ta é uma das van­ta­gens de se vi­ver em gru­po, entre ou­tras, co­mo a mai­or pro­te­ção, a mai­or pos­si­bi­li­da­de de con­tro­lo do ter­ri­tó­rio e, por­tan­to, o aces­so aos re­cur­sos fun­da­men­tais. To­da­via, tam­bém se ve­ri­fi­cam des­van­ta­gens, co­mo o aces­so aos re­cur­sos não ser igual pa­ra to­dos, a pos­si­bi­li­da­de de con­fli­tos e a trans­mis­são de do­en­ças entre os ele­men­tos do gru­po.

Pro­je­tos CED

Ho­je em dia, tem-se re­a­li­za­do vá­ri­os pro­je­tos de Cap­tu­ra, Es­te­ri­li­za­ção e De­vo­lu­ção (CED) de ga­tos. Es­tes pro­je­tos pro­cu­ram ge­rir as co­ló­ni­as de ga­tos de vi­da li­vre, con­tro­lar a sua re­pro­du­ção e as­se­gu­rar a qua­li­da­de de vi­da dos ga­tos da co­ló­nia. Es­tes pro­je­tos de­vem ser aca­ri­nha­dos e apoi­a­dos por to­dos nós, pois, per­mi­tem pro­te­ger os ga­tos de vi­da li­vre.

Uma “co­ló­nia” den­tro de ca­sa

As co­ló­ni­as que te­mos vin­do a re­fe­rir, até ago­ra, fo­ram for­ma­das, es­pon­ta­ne­a­men­te, por in­di­ví­du­os que se as­so­ci­a­ram. Nos nos­sos di­as, quem tem vá­ri­os ga­tos em ca­sa, tam­bém tem uma co­ló­nia de ga­tos. As­sim, im­por­ta au­men­tar os re­cur­sos co­lo­ca­dos à sua dis­po­si­ção, no­me­a­da­men­te, em ter­mos de cai­xas de areia, de ta­ças de co­mi­da, de água e de brin­que­dos, de ma­nei­ra a mi­ni­mi­zar o even­tu­al stress re­sul­tan­te do aces­so aos re­cur­sos e po­ten­ci­ar o bom re­la­ci­o­na­men­to entre os ga­tos.

Ter mais de um ga­to!

Con­cluin­do, se es­tá a pen­sar ado­tar mais um ga­to pro­cu­re a aju­da do seu mé­di­co ve­te­ri­ná­rio as­sis­ten­te e fa­ça sem­pre uma in­tro­du­ção fa­se­a­da, com tem­po, lem­bre-se que os ga­tos são ani­mais ter­ri­to­ri­ais e que po­dem vi­ver uma vi­da so­zi­nhos e, mes­mo as­sim, es­ta­rem bem.

Nos nos­sos di­as, quem tem vá­ri­os ga­tos em ca­sa, tam­bém tem uma co­ló­nia de ga­tos e tem de au­men­tar os re­cur­sos dis­po­ní­veis

Inês Guer­ra Mé­di­ca Ve­te­ri­ná­ria, De­par­ta­men­to de Com­por­ta­men­to Fe­li­no

Os ga­tos usam mar­ca­ções ter­ri­to­ri­ais, ol­fa­ti­vas e vi­su­ais, pa­ra co­mu­ni­car entre si, se­ja com uri­na ou ar­ra­nhan­do ár­vo­res, por exem­plo.

Pa­ra se iden­ti­fi­ca­rem, os ga­tos cri­am um chei­ro co­mum aos ele­men­tos da co­ló­nia, quan­do se lam­bem uns aos ou­tros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.