Ci­da­da­nia: Aban­do­no de ani­mais

Um pro­ble­ma de to­dos?

Caes & Companhia - - NEWS - Cláu­dia Es­ta­nis­lau Trei­na­do­ra da It's All About Dogs (www.it­sal­la­bout­dogs.net) Fotos: IAAD

Em Por­tu­gal é cri­me aban­do­nar um cão, no en­tan­to, e ape­sar de ter­mos avan­ça­do sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te no que to­ca à lei, pou­co ou na­da avan­ça­mos quan­to ao seu cum­pri­men­to, e nos pe­río­dos de fé­ri­as con­ti­nu­a­mos a ver um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo dos aban­do­nos.

Des­de maio de 2017 que a Lei es­ti­pu­la no Ar­ti­go 388.º que: “Quem, ten­do o de­ver de guar­dar, vi­gi­ar ou as­sis­tir ani­mal de com­pa­nhia, o aban­do­nar, pon­do des­se mo­do em pe­ri­go a sua ali­men­ta­ção e a pres­ta­ção de cui­da­dos

que lhe são de­vi­dos, é pu­ni­do com pe­na de pri­são até seis me­ses ou com pe­na de mul­ta até 60 di­as.” Em Por­tu­gal é, por­tan­to, cri­me aban­do­nar um cão, no en­tan­to, e ape­sar de ter­mos avan­ça­do sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te no que to­ca à Lei, pou­co ou na­da avan­ça­mos quan­to ao seu cum­pri­men­to. Co­mo tal, no ve­rão, Pás­coa, Na­tal e em ou­tras al­tu­ras de fé­ri­as, con­ti­nu­a­mos a ver um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo dos aban­do­nos, e um au­men­to do nú­me­ro de ani­mais que apa­re­cem sem tu­tor, em Ca­nis Mu­ni­ci­pais ou As­so­ci­a­ções de res­ga­te de ani­mais. Ain­da exis­te mui­to a fa­zer pa­ra fa­zer cum­prir uma Lei des­tas, no­me­a­da­men­te, a fis­ca­li­za­ção e a pe­na­li­za­ção quan­do são apa­nha­das em fla­gran­te pes­so­as que co­me­tem es­te cri­me, ou ou­tros de maus-tra­tos e ne­gli­gên­cia, que le­vam mui­tas ve­zes ao aban­do­no.

Aban­do­no sa­zo­nal porquê?

A al­tu­ra em que as­sis­ti­mos a um au­men­to mai­or no nú­me­ro de ani­mais aban­do­na­dos coin­ci­de com o ve­rão e as fé­ri­as de ve­rão. Aban­do­nos, in­fe­liz­men­te, exis­tem du­ran­te to­do o ano, mas du­ran­te o ve­rão o nú­me­ro de cães aban­do­na­dos é ex­po­nen­ci­al­men­te igual ao nú­me­ro de pes­so­as que têm tem­po li­vre pa­ra ti­rar fé­ri­as. É es­tra­nho es­te fe­nó­me­no e, mui­tas ve­zes, le­va-nos a re­fle­tir no fac­to de que quem aban­do­na um cão nes­ta al­tu­ra, cla­ra­men­te não pen­sou no pro­ces­so de ado­ção ou com­pra do mes­mo, pois ale­gar que não tem on­de dei­xar o cão, ou não pos­sui ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra pa­ra pa­gar a um lo­cal on­de dei­xar o cão é inad­mis­sí­vel. Ne­nhum cão pe­de pa­ra ir pa­ra ca­sa de nin­guém. É sem­pre a pes­soa que to­ma es­sa de­ci­são, a de cons­ci­en­te­men­te le­var um cão pa­ra sua ca­sa, se­ja ele com­pra­do, ado­ta­do ou res­ga­ta­do da rua. Co­mo tal, es­sa de­ci­são im­pli­ca ou­tras tan­tas, no­me­a­da­men­te, a de es­tar ci­en­te dos en­car­gos fi­nan­cei­ros, de tem­po, es­for­ço e de­di­ca­ção que im­pli­ca es­sa de­ci­são. O fac­to de o aban­do­no ser mui­to mais fre­quen­te du­ran­te as fé­ri­as de ve­rão diz-nos que exis­tem ain­da mui­tas pes­so­as a ado­ta­rem ou com­pra­rem ani­mais im­pul­si­va­men­te, e que o fa­tor fi­nan­cei­ro co­mo par­te in­te­gran­te des­sa de­ci­são ain­da não é pon­de­ra­do con­ve­ni­en­te­men­te e atem­pa­da­men­te. A cri­mi­na­li­za­ção vai cer­ta­men­te de­ter mui­tos aban­do­nos, mas ou­tros irão con­ti­nu­ar, sob pe­na de se­rem fei­tos à re­ve­lia de uma Lei mal ou di­fi­cil­men­te fis­ca­li­za­da.

O aban­do­no é um cri­me mui­to gra­ve

Quan­do de­ci­di­mos ter um cão, de­ci­di­mos tor­nar­mo-nos res­pon­sá­veis por uma vi­da. Um cão é um ani­mal sen­ci­en­te, com ne­ces­si­da­des mui­to idên­ti­cas às do ser hu­ma­no no que to­ca a ne­ces­si­da­des bi­o­ló­gi­cas, tan­to bá­si­cas, co­mo com­ple­xas, a ní­vel emo­ti­vo e sen­ti­men­tal. Os cães for­mam la­ços so­ci­ais mui­to for­tes com a fa­mí­lia hu­ma­na e o aban­do­no é gra­vís­si­mo des­sa pers­pe­ti­va dei­xan­do cães com­ple­ta­men­te trau­ma­ti­za­dos e mui­tas ve­zes di­tan­do a sua mor­te. In­do pa­rar a um Ca­nil ou As­so­ci­a­ção on­de exis­tem cen­te­nas de ou­tros can­di­da­tos a um no­vo lar. In­fe­liz­men­te, ain­da exis­tem mui­tos com­ple­xos acer­ca da ado­ção de cães que es­tão em Ca­nis ou As­so­ci­a­ções, e mais ain­da se es­tes fo­rem adul­tos ou ido­sos, e, por is­so, mui­tas pes­so­as con­ti­nu­am a con­tri­buir pa­ra o au­men­to de nú­me­ro de cães

A al­tu­ra em que as­sis­ti­mos a um au­men­to mai­or no nú­me­ro de ani­mais aban­do­na­dos coin­ci­de com o ve­rão e as fé­ri­as

no mun­do, com­pran­do ca­chor­ros e nun­ca pon­de­ran­do dar uma no­va opor­tu­ni­da­de a um que es­tá nes­sas cir­cuns­tân­ci­as e que foi aban­do­na­do.

Aban­do­nar é um cri­me le­gal, mo­ral e éti­co

O cri­me de­ve­ria ser se­ve­ra­men­te pe­na­li­za­do, e as pes­so­as que al­gu­ma vez o co­me­tes­sem im­pe­di­das de te­rem ou­tros ani­mais de es­ti­ma­ção, pe­la dis­pli­cên­cia e ne­gli­gên­cia que o ato de aban­do­no acar­re­ta. Aban­do­nar um cão é dei­xar à sua sor­te um ani­mal com­ple­ta­men­te de­pen­den­te de nós que pre­ci­sa da sua fa­mí­lia pa­ra so­bre­vi­ver, pa­ra co­mer, be­ber, ter abri­go, ter aces­so a cui­da­dos mé­di­cos e tam­bém, e aci­ma de tu­do, pa­ra ser ama­do e aca­ri­nha­do no seio da fa­mí­lia que ele sem­pre, e unicamente, co­nhe­ceu e on­de cres­ceu. Exis­tem cães que so­frem tan­to com o aban­do­no pe­la sua fa­mí­lia hu­ma­na que en­tram em de­pres­são dei­xan­do de co­mer e be­ber, mui­tos re­cu­san­do-se a aban­do­nar o lo­cal on­de fo­ram dei­xa­dos, ou sim­ples­men­te de­sis­tin­do de vi­ver. Es­tes ca­sos não são in­co­muns, são pre­sen­ci­a­dos di­a­ri­a­men­te por pes­so­as que res­ga­tam es­tes ani­mais em Ca­nis e As­so­ci­a­ções. Aban­do­nar é um cri­me le­gal, mo­ral e éti­co.

Mo­ti­vos pa­ra o aban­do­no

Exis­tem mui­tos mo­ti­vos pa­ra o aban­do­no de ani­mais, sen­do que as pes­qui­sas fei­tas em di­ver­sos paí­ses apre­sen­tam a pre­sen­ça de com­por­ta­men­tos pro­ble­má- ti­cos co­mo uma das cau­sas prin­ci­pais. Mui­tas pes­so­as aban­do­nam os seus cães por­que não os trei­nam nem edu­cam cor­re­ta­men­te por fal­ta de co­nhe­ci­men­to ou por se­gui­rem in­di­ca­ções e ou con­se­lhos er­ra­dos que le­vam ao apa­re­ci­men­to de com­por­ta­men­tos pro­ble­má­ti­cos que po­dem ir des­de com­por­ta­men­tos tão “sim­ples” co­mo uri­nar fo­ra do lo­cal apro­pri­a­do co­mo o sur­gi­men­to de com­por­ta­men­tos agres­si­vos. O mo­ti­vo pe­lo qual a mai­o­ria dos ani­mais de es­ti­ma­ção são eu­ta­na­si­a­dos re­cai tam­bém no apa­re­ci­men­to de com­por­ta­men­tos pro­ble­má­ti­cos, co­lo­can­do a fal­ta de trei­no, edu­ca­ção e in­ves­ti­men­to na mo­di­fi­ca­ção com­por­ta­men­tal co­mo uma das mai­o­res e prin­ci­pais cau­sas de mor­te nos cães.

Aban­do­no nas fé­ri­as

Em al­tu­ras co­mo o ve­rão e fé­ri­as, por exem­plo, te­mos a in­ca­pa­ci­da­de ou von­ta­de de des­pen­der di­nhei­ro em lo­cais on­de dei­xar o cão co­mo ou­tra das cau­sas prin­ci­pais. As pes­so­as mar­cam as su­as fé­ri­as e não po­dem le­var os seus cães con­si­go, não que­ren­do des­pen­der di­nhei­ro em pet sit­ting, ho­téis e não ten­do op­ções gra­tui­tas

Aban­do­nar um cão é dei­xar à sua sor­te um ani­mal com­ple­ta­men­te de­pen­den­te de nós, que fi­ca sem abri­go, cui­da­dos e aten­ção

que so­lu­ci­o­nem on­de dei­xar seu cão, o aban­do­no tor­na-se uma “op­ção”. Aban­do­na-se o cão e des­car­ta-se o mes­mo co­mo al­go “gas­to” ou dei­ta­do fo­ra, por­que pas­sa a ser um em­pe­ci­lho ou al­go que atra­pa­lha os pla­nos ego­cên­tri­cos da pes­soa que vai de fé­ri­as. Nin­guém de­ve­ria po­der ir de fé­ri­as sem po­der ga­ran­tir fi­nan­cei­ra­men­te e lo­gis­ti­ca­men­te a se­gu­ran­ça e cui­da­dos do

seu cão du­ran­te as mes­mas. Se tem di­nhei­ro pa­ra fé­ri­as tem di­nhei­ro pa­ra cui­dar do seu cão, al­guém de quem a sua vi­da de­pen­de. Es­ta­mos a fa­lar de vi­das, não de ob­je­tos ou lu­xos, mas sim de tra­tar e cui­dar da vi­da de um ani­mal que sem is­so mui­to cer­ta­men­te mor­re.

O que sig­ni­fi­ca aban­do­nar?

Aban­do­nar sig­ni­fi­ca dei­xar o ani­mal aban­do­na­do à sua sor­te. O mes­mo fi­ca­rá su­jei­to às in­tem­pé­ri­es de es­tar na rua, sem sa­ber co­mo, nem porquê. Fi­ca su­jei­to à fo­me, se­de, aos pe­ri­gos das ru­as co­mo os car­ros, pes­so­as que não gos­tam ou en­xo­tam ani­mais, ao ca­lor e/ou frio, aos maus-tra­tos, a bri­gas e en­con­tros me­nos fe­li­zes com ou­tros ani­mais de rua, a uma sé­rie de fa­to­res que co­lo­cam a sua vi­da em ris­co to­dos os di­as, to­das as ho­ras. Pa­ra além de to­das es­tas ques­tões, aban­do­nar sig­ni­fi­ca dei­xar de dar amor, abri­go e aten­ção, o cão não en­ten­de o que se pas­sa, não com­pre­en­de o que acon­te­ceu e irá sem­pre pro­cu­rar a sua fa­mí­lia hu­ma­na no­va­men­te. O cão sen­te a per­da, a fal­ta das pes­so­as que sem­pre es­ti­ve­ram com ele, e fi­ca ex­pos­to tam­bém a es­ta fal­ta so­ci­al, e emo­ti­va. Aban­do­nar é al­go im­pen­sá­vel pa­ra quem ama um cão, ga­to ou ou­tro ani­mal de es­ti­ma­ção e o com­pro­mis­so e amor da­do ao ani­mal é re­tri­buí­do e, por is­so, nun­ca pas­sí­vel de aban­do­no ou ne­gli­gên­cia. É um cri­me he­di­on­do e dig­no de quem fal­ta em­pa­tia, bom sen­so e amor pe­los ani­mais ou pe­los ou­tros.

Quem são as ví­ti­mas de aban­do­no?

To­dos e quais­quer cães que es­te­jam nas “mãos” er­ra­das são pas­sí­veis de se­rem ví­ti­mas de aban­do­no, no en­tan­to, as mai­o­res ví­ti­mas são cer­ta­men­te cães sem ra­ça de­fi­ni­da (SRD), ado­ta­dos ou da­dos, on­de não exis­tiu um com­pro­mis­so fi­nan­cei­ro na sua aqui­si­ção, ou uma de­ci­são bem pen­sa­da e pla­ne­a­da. Ado­ções ou mes­mo com­pras ou aqui­si­ções (ani­mais da­dos) por im­pul­so, são mais pas­sí­veis de so­frer de aban­do­no do que cães que cus­ta­ram mui­to di­nhei­ro e que ti­ve­ram que in­cor­rer num pla­ne­a­men­to e es­pe­ra, por exem­plo. Ape­sar dis­so, ho­je em dia ob­ser­va­mos um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo de cães de ra­ça de­fi­ni­da aban­do­na­dos e em paí­ses mais de­sen­vol­vi­dos co­mo In­gla­ter­ra, por exem­plo, exis­tem As­so­ci­a­ções de­di­ca­das a ra­ças es­pe­cí­fi­cas.

Com­pro­mis­so fi­nan­cei­ro

Ain­da as­sim, con­ti­nu­am a ser os cães sem ra­ça de­fi­ni­da ou aque­les ad­qui­ri­dos gra­tui­ta­men­te as prin­ci­pais ví­ti­mas des­te

cri­me, uma for­ma de di­mi­nuir es­te fe­nó­me­no é dei­xar de dar ani­mais gra­tui­ta­men­te, co­mo se de ofer­tas se tra­tas­sem. O com­pro­mis­so fi­nan­cei­ro na aqui­si­ção de um ani­mal vai le­var não só a que sai­ba­mos que a fa­mí­lia es­tá preparada fi­nan­cei­ra­men­te pa­ra es­se com­pro­mis­so, co­mo fez uma de­ci­são pen­sa­da an­tes de a to­mar. As­so­ci­a­ções e Ca­nis po­dem pe­dir va­lo­res que cu­bram as va­ci­nas, es­te­ri­li­za­ção e cui­da­dos bá­si­cos pri­má­ri­os dos cães que es­tão pa­ra ado­ção. Des­sa for­ma tam­bém ga­ran­tem os cui­da­dos do cão que vem a se­guir pa­ra o lu­gar do ado­ta­do.

Co­mo re­por­tar um aban­do­no?

In­for­me-se acer­ca da Lei, e sai­ba a quem de­ve re­por­tar o cri­me – GNR ou Po­lí­cia de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca da sua zo­na de re­si­dên­cia. Re­ti­re os da­dos da pes­soa, co­mo ma­trí­cu­la do car­ro ou no­me com­ple­to da pes­soa. Re­gis­te o de­li­to em câ­ma­ra ca­so não con­si­ga ob­ter ne­nhuns da­dos, pois ser­vi­rá pa­ra que a po­lí­cia con­si­ga en­con­trar o de­la­tor. Não entre em con­fli­to ou ten­te pa­rar a

pes­soa. Na ver­da­de se o fi­zer a pes­soa irá sim­ples­men­te en­con­trar ou­tro lo­cal ou ou­tra al­tu­ra pa­ra co­me­ter o cri­me, e lem­bre-se que não é no in­te­res­se do cão ser obri­ga­do a per­ma­ne­cer com al­guém que con­si­de­ra o aban­do­no do mes­mo. Se­rá no me­lhor in­te­res­se des­se cão, ser ado­ta­do por ou­tra pes­soa; e me­lhor que es­sa pes­soa se­ja cri­mi­na­li­za­da e as­si­na­la­da pe­lo cri­me, pa­ra que exis­ta a hi­pó­te­se do mes­mo não se vol­tar a re­pe­tir.

Co­mo po­de aju­dar?

Aju­de fa­mi­li­a­res e ami­gos di­fun­din­do lo­cais que to­mem con­ta de cães, ho­téis,

pet sit­ting, cre­ches ca­ni­nas (day ca­res) e que po­dem aju­dar al­guém quan­do es­ta mar­ca fé­ri­as ou se au­sen­ta de ca­sa. Di­fun­din­do es­tes lo­cais es­ta­rá a dar so­lu­ções pa­ra um pos­sí­vel pro­ble­ma. Ca­so exis­ta uma emer­gên­cia e a pes­soa ti­ver que es­tar fo­ra de ca­sa por al­guns di­as, se pu­der, aju­de cui­dan­do do ani­mal ou su­ge­rin­do um lo­cal co­mo di­to an­tes. Em ca­so de ur­gên­ci­as não pla­ne­a­das (co­mo idas ao hos­pi­tal, etc.) cui­de do cão do seu ami­go ou fa­mi­li­ar pa­ra que não se tor­ne num pro­ble­ma.

Pla­neie com an­te­ce­dên­cia

In­for­me-se acer­ca dos lo­cais mais in­di­ca­dos on­de dei­xar o seu ani­mal de com­pa­nhia de acor­do com a per­so­na­li­da­de do mes­mo, e pla­neie com tem­po, pre­pa­ran­do-se a ní­vel fi­nan­cei­ro e lo­gís­ti­co. Não li­gue pa­ra os lo­cais 2 di­as ou uma se­ma­na an­tes das fé­ri­as a pe­dir dis­po­ni­bi­li­da­de, sai­ba que mui­tos des­ses lo­cais fi­cam com­ple­ta­men­te es­go­ta­dos nas al­tu­ras de fé­ri­as de ve­rão, por exem­plo, por­tan­to quan­to mais ce­do mar­car me­lhor. Ex­pli­que co­mo fun­ci­o­na o ser­vi­ço que usa a pes­so­as ami­gas e fa­mi­li­a­res que têm cães, e co­mo de­vem pro­ce­der mar­can­do o mais ce­do pos­sí­vel pa­ra evi­tar pro­ble­mas.

Ca­sos de ne­gli­gên­cia

Se sou­ber de al­guém que ne­gli­gen­cia o seu cão ou o dei­xa sem cui­da­dos du­ran­te al­gum pe­río­do (co­mo fe­cha­do em pá­ti­os e va­ran­das sem cui­da­dos) re­por­te às au­to­ri­da­des, in­de­pen­den­te­men­te de “adi­an­tar ou não”, a quei­xa de­ve sem­pre ser fei­ta. Fa­ça-a quan­tas ve­zes se­ja ne­ces­sá­rio, pe­ça aju­da a pes­so­as que mo­ram na mes­ma zo­na e que se­jam sen­sí­veis à si­tu­a­ção pa­ra fa­ze­rem o mes­mo e fa­ça com que a Lei se­ja cum­pri­da.

Aju­de na di­vul­ga­ção

Cam­pa­nhas con­tra o aban­do­no na te­le­vi­são, jor­nais e re­vis­tas de­vem ser par­ti­lha­das pa­ra aju­dar as pes­so­as a en­ten­de­rem não só o cri­me que é, mas as con­sequên­ci­as de tal ato. Quan­to mais cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção, me­nor se­rá a pro­pen­são pa­ra o aban­do­no, e pa­ra a ado­ção ou aqui­si­ção im­pon­de­ra­da de um ani­mal.

Se­ja a voz dos ani­mais

O aban­do­no é, e sem­pre se­rá, um te­ma mui­to tris­te de se pen­sar. Pon­de­rar por um se­gun­do que al­guém po­de fa­zer al­go tão ig­nó­bil e mal­do­so co­mo aban­do­nar um ser sen­ci­en­te que de­pen­de de­les e que os ama in­con­di­ci­o­nal­men­te sem aten­tar às con­sequên­ci­as é al­go que ul­tra­pas­sa a com­pre­en­são da mai­o­ria das pes­so­as. Fe­liz­men­te, te­mos uma gran­de co­mu­ni­da­de de aman­tes de ani­mais que os de­fen­dem e ten­tam evi­tar es­tas si­tu­a­ções. Jun­tos po­de­mos sem­pre ser a voz dos que não a têm e de­fen­dê-los con­tra es­tes cri­mes he­di­on­dos.

To­dos os cães po­dem se­rem ví­ti­mas de aban­do­no, mas é mais fre­quen­te em cães sem ra­ça de­fi­ni­da, ado­ta­dos ou da­dos

A Sa­fi­ra foi en­con­tra­da nas ru­as de Lis­boa e ado­ta­da pe­la IAAD.

O Jus­ti­no é um ca­chor­ro ti­ra­do da rua. De­pois de vi­ver pre­sa a uma cor­ren­te e ser aban­do­na­da no lo­cal, a Za­ra foi ado­ta­da e vi­ve fe­liz ho­je em dia.

A Ali­ce foi ti­ra­da de um Ca­nil Mu­ni­ci­pal.

O Rex foi en­con­tra­do e ti­nha al­guns pro­ble­mas de com­por­ta­men­to. Foi trei­na­do e ado­ta­do por uma fa­mí­lia que es­tá com ele até ho­je.

A Mi­ga en­con­tra­da na bei­ra da es­tra­da.

O As­sis foi re­ti­ra­do do Ca­nil Mu­ni­ci­pal e ado­ta­do por uma fa­mí­lia que o ado­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.