Ati­vi­da­des aquá­ti­cas com cães

Na­dar é al­go de mui­to sau­dá­vel pa­ra um cão. Em­bo­ra o ve­rão se­ja a al­tu­ra do ano mais ape­te­cí­vel pa­ra de­sen­vol­ver ati­vi­da­des aquá­ti­cas com o nos­so ami­go de 4 pa­tas, exis­tem ou­tros pe­río­dos do ano em que tal é igual­men­te viá­vel.

Caes & Companhia - - NEWS -

Na­dar é uma ex­ce­len­te al­ter­na­ti­va aos exer­cí­ci­os mais co­muns, co­mo por exem­plo, a ca­mi­nha­da. Não me­nos im­por­tan­te, na­dar, for­ta­le­ce a mas­sa mus­cu­lar sem gran­de im­pac­to na es­tru­tu­ra ós­sea, me­lho­ra a res­pi­ra­ção e po­ten­cia a con­cen­tra­ção do cão. Na­dar, me­di­an­te con­se­lho mé­di­co-ve­te­ri­ná­rio, po­de ser fun­da­men­tal pa­ra a re­cu­pe­ra­ção de cer­tas le­sões ou si­tu­a­ções de pó­so­pe­ra­tó­rio.

To­dos os cães sa­bem na­dar?

Se é ver­da­de que, na sua mai­o­ria, os cães, na­tu­ral­men­te, tem a ca­pa­ci­da­de de na­dar, tam­bém é ver­da­de que nem to­dos os cães apre­ci­am a água ou o con­se­guem fa­zer sem aju­da. Ra­ças pe­que­nas, de­vi­do ao re­du­zi­do ta­ma­nho das su­as per­nas, po­dem ter mais di­fi­cul­da­de pa­ra se man­te­rem à su­per­fí­cie. E to­da e qual­quer ra­ça es­tá su­jei­ta a ser ví­ti­ma de afo­ga­men­to.

In­tro­du­ção à água

A in­tro­du­ção à água de­ve ser fei­ta de for­ma cui­da­da e gra­du­al. De­ve ser da­do tem­po ao cão pa­ra se adap­tar à sen­sa­ção de es­tar mo­lha­do e sen­tir o seu cor­po a fi­car sub­mer­so. Nun­ca de­ve­mos for­çar um cão a en­trar na água ou man­dar pa­ra “fo­ra de pé” um ob­je­to ape­te­cí­vel pa­ra o cão. O sus­to de não sen­tir o fun­do po­de ser trau­má­ti­co pa­ra o cão e ir­re­ver­sí­vel. Con­for­me re­fe­ri­do, na­dar po­de ser di­ver­ti­do pa­ra o cão, mas a adap­ta­ção à água e o con­for­to em na­dar, po­de le­var o seu tem­po.

Adap­ta­ção em pis­ci­na

Os ca­chor­ros, ou mes­mo os cães adul- tos, que não te­nham um con­tac­to re­gu­lar com a água, de­vem ser co­lo­ca­dos em pis­ci­nas de pro­fun­di­da­de re­du­zi­da pa­ra que pos­sam ca­mi­nhar na água e des­fru­tar da sen­sa­ção. Lo­go que se­ja per­ce­tí­vel a con­fi­an­ça do cão, po­de­mos en­cher mais a pis­ci­na, não dei­xan­do de man­ter o cão em con­tac­to com o fun­do. Nu­ma fa­se mais avan­ça­da po­de­mos le­var o cão pa­ra uma pis­ci­na mai­or, mo­ni­to­ri­zan­do sem­pre o aces­so à mes­ma e apoi­an­do a en­tra­da do cão na água.

Co­le­te sal­va-vi­das

O uso de um co­le­te sal­va-vi­das, é uma ex­ce­len­te op­ção. Cães mais re­lu­tan­tes a en­trar na água po­dem ser con­du­zi­dos ao co­lo so­bre a su­per­fí­cie da água. Gra­du­al­men­te, com re­cur­so a um co­le­te sal­va-vi­das, o cão vai sen­do in­tro­du­zi­do

mo­de­ra­da­men­te na água. Ca­so o cão de­se­je vol­tar pa­ra trás, não de­ve­mos con­tra­ri­ar.

Quan­do há pis­ci­na em ca­sa

Os pro­pri­e­tá­ri­os de cães que te­nham pis­ci­nas nas su­as ca­sas de­vem ga­ran­tir um aces­so con­tro­la­do às mes­mas por par­te dos seus ani­mais de es­ti­ma­ção. En­si­nar o cão a en­trar e a sair da pis­ci­na é fun­da­men­tal. Es­ta pre­o­cu­pa­ção de­ve exis­tir mes­mo pe­ran­te cães que na­tu­ral­men­te sal­tam pa­ra a água. In­fe­liz­men­te, anu­al­men­te, mor­rem mi­lha­res de cães afo­ga­dos em pis­ci­nas. Na sua mai­o­ria, o afo­ga­men­to acon­te­ce por can­sa­ço de­vi­do ao cão não con­se­guir sair de cer­to ti­po de pis­ci­nas.

Adap­ta­ção na na­tu­re­za

Ati­vi­da­des aquá­ti­cas re­a­li­za­das na na­tu­re­za de­vem ser es­co­lhi­das de for­ma cui­da­da evi­tan­do lo­cais com cor­ren­tes, on­du­la­ção for­te ou fun­dos ir­re­gu­la­res. Não me­nos im­por­tan­te, o cão de­ve es­tar do­ta­do de um co­le­te sal­va-vi­das. Es­te dar-lhe à se­gu­ran­ça e au­men­ta­rá a sua re­sis­tên­cia. Ca­chor­ros ou cães adul­tos em fa­se de adap­ta­ção de­vem pas­se­ar nas mar­gens da água e não ser in­du­zi­dos a en­trar pa­ra zo­nas mais pro­fun­das. Es­ta úl­ti­ma si­tu­a­ção ape­nas de­ve acon­te­cer de for­ma gra­du­al e mo­ni­to­ri­za­da co­mo an­te­ri­or­men­te ex­pli­ca­do. Tam­bém aqui, sem­pre que o cão de­se­je vol­tar pa­ra ter­ra, não de­ve ser con­tra­ri­a­do.

Dock Di­ving

De for­ma sim­plis­ta, po­de­mos di­zer que o Dock Di­ving se tra­ta de uma mo­da­li­da­de des­por­ti­va que con­sis­te no sal­to de cães pa­ra a água, re­a­li­za­dos a par­tir de uma pla­ta­for­ma, di­re- ci­o­na­dos pa­ra uma pis­ci­na ou ou­tro cor­po de água. Nes­ta mo­da­li­da­de a com­pe­ti­ção po­de ser fei­ta pa­ra a ob­ten­ção do sal­to mais dis­tan­te, mais al­to ou mes­mo me­dir a ve­lo­ci­da­de (cor­ri­da entre cães). Não me­nos im­por­tan­te, o Dock Di­ving po­de ser ape­nas e só, pu­ra di­ver­são!

Re­su­min­do

De­vi­da­men­te con­tro­la­do, na­dar é di­ver­ti­do e sau­dá­vel pa­ra o cão. Não me­nos im­por­tan­te, se fei­to em con­jun­to com o do­no, po­de tor­nar mais pró­xi­mo o re­la­ci­o­na­men­to entre am­bos.

Dock Di­ving ou sal­to em com­pri­men­to pa­ra a água.

Mo­men­to de adap­ta­ção na­tu­ral do cão à água, sem for­çar a en­tra­da.

É es­sen­ci­al apoi­ar e dar con­fi­an­ça ao cão nos mo­men­tos de ini­ci­a­ção.

Cão a na­dar à von­ta­de na pis­ci­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.