Di­cas pa­ra as vi­a­gens de car­ro

O ve­rão é, nor­mal­men­te, a al­tu­ra do ano em que os ani­mais de com­pa­nhia mais vi­a­jam. Nes­te ar­ti­go da­mos-lhe al­gu­mas di­cas pa­ra que vi­a­je com o seu cão ou ga­to de car­ro sem so­bres­sal­tos.

Caes & Companhia - - NEWS -

Se­ja um fim de se­ma­na, umas mi­ni­fé­ri­as ou as fé­ri­as em fa­mí­lia, é al­tu­ra de des­fru­tar da com­pa­nhia do nos­so ani­mal de com­pa­nhia, em ca­sa e fo­ra de ca­sa. Pa­ra os le­var­mos con­nos­co te­mos de reu­nir as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra o seu bem-es­tar e se­gu­ran­ça. De­ve­mos es­co­lher uma ho­ra do dia mais fres­ca, por exem­plo, de ma­nhã ou ao fi­nal da tar­de. Além dis­so, du­ran­te a vi­a­gem é im­por­tan­te que o ani­mal es­te­ja o mais cal­mo pos­sí­vel.

Vi­a­gens de car­ro em se­gu­ran­ça

Nas vi­a­gens de car­ro é proi­bi­do os ani­mais vi­a­ja­rem sol­tos ou com a ca­be­ça fo­ra da ja­ne­la, pois con­di­ci­o­nam a aten­ção dos do­nos e di­mi­nui a vi­si­bi­li­da­de do con­du­tor. São com­por­ta­men­tos de ris­co que co­lo­cam em cau­sa a se­gu­ran­ça de to­dos os ocu­pan­tes do car­ro e cons­ti­tui uma in­fra­ção ao Có­di­go da Es­tra­da, com mul­tas que po­dem ir dos 60€ aos 600€. Os ani­mais de es­ti­ma­ção têm de vi­a­jar den­tro de uma trans­por­ta­do­ra, pre­sos com cin­to de se­gu­ran­ça/con­ten­ção ou se­pa­ra­dos do con­du­tor atra­vés de al­gum dis­po­si­ti­vo.

Ha­bi­tuá-los ao car­ro

Se sa­be­mos que va­mos an­dar vá­ri­as ve­zes com o nos­so ani­mal no car­ro, o cão ou ga­to de­ve ser ha­bi­tu­a­do a an­dar de car­ro des­te pe­que­no. Se o ani­mal não es­tá acos­tu­ma­do a vi­a­jar de car­ro, de­ve­mos fa­zer pe­que­nos pas­sei­os an­tes da vi­a­gem. Du­ran­te a vi­a­gem de­ve­mos ten­tar que o cão ou ga­to es­te­ja o mais re­la­xa­do pos­sí­vel, sem se ex­ci­tar com brin­ca­dei­ras. Quan­do es­tão ha­bi­tu­a­dos a an­dar de car­ro é nor­mal que ador­me­çam. Não de­ve­mos per­mi­tir que o cão vi­a­je com a ca­be­ça fo­ra da ja­ne­la, pois além de ser uma in­fra­ção, po­de ser pe­ri­go­so, e pro­vo­car oti­tes, ri­ni­tes e con­jun­ti­vi­tes.

Co­mo o trans­por­tar no car­ro?

O ani­mal po­de vi­a­jar no as­sen­to pos­te­ri­or ou no por­ta-ba­ga­gem, se es­te ti­ver di­men­sões su­fi­ci­en­tes. No ca­so do cão, es­te de­ve vi­a­jar no ban­co de trás, sen­do a me­lhor op­ção o uso de um ar­nês de con­ten­ção que se adap­ta ao cin­to de se­gu­ran­ça do veí­cu­lo, ten­do a mes­ma fun­ção que es­te: evi­tar que o cão de des­lo­que e pro­te­ge-lo em ca­so de aci­den­te. É um sis­te­ma se­gu­ro, efi­caz e fá­cil de co­lo­car. Tam­bém es­tão dis­po­ní­veis trans­por­ta­do­ras es­pe­ci­al­men­te de­se­nha­das pa­ra vi­a­jar. Exis­tem ta­ma­nhos apro­pri­a­dos pa­ra to­dos os ani­mais, des­de ga­tos e cães mi­ni­a­tu­ra a cães de ta­ma­nho gran­de. No ca­so de ani­mais pe­que­nos es­ta é sem dú­vi­da a me­lhor op­ção, pois vi­a­jam mais re­la­xa­dos, en­jo­am me­nos e não dis­tra­em o con­du­tor. Os ga­tos vi­a­jam me­lhor e mais tran­qui­los den­tro de uma trans­por­ta­do­ra e tam­bém evi­ta que es­tes se es­con­dam em lo­cais ino­por­tu­nos en­quan­to con­du­zi­mos, por exem­plo, de­bai­xo dos nos­sos pés. Se for um ga­to mui­to stres­sa­do ou tí­mi­do o do­no po­de até co­brir a trans­por­ta­do­ra com uma to­a­lha, pa­ra fi­car mais tran­qui­lo.

Cães de ta­ma­nho XXL

No ca­so de cães de ra­ças mui­to gran­des, co­mo um Do­gue Ale­mão ou um Cão de São Bernardo, es­tes são mais fá­ceis de trans­por­tar no por­ta-ba­ga­gem do car­ro, se­ja uma car­ri­nha fa­mi­li­ar, mo­no­vo­lu­me ou ji­pe. O cão nun­ca po­de ser co­lo­ca­do num por­ta-ba­ga­gem fe­cha­do, ou se­ja, no ca­so de car­ros de 2 ou 4 por­tas com ba­ga­gei­ra. Quan­do o cão é trans­por­ta­do atrás, e se o por­ta-ba­ga­gem ti­ver uma di­men­são su­fi­ci­en­te­men­te gran­de, a me­lhor op­ção é co­lo­car uma trans­por­ta­do­ra gran­de ou uma cai­xa de gra­des (jau­la) des­mon­tá­vel. Se tal não for pos­sí­vel, e o cão ti­ver de vi­a­jar sol­to, tem de exis­tir sem­pre uma se­pa­ra­ção fí­si­ca entre o con­du­tor e o cão, co­mo uma es­tru­tu­ra em bar­ras ou re­de. Du­ran­te pa­ra­gens de cur­ta du­ra­ção, exis­te no mer­ca­do um dis­po­si­ti­vo que se co­lo­ca no fe­cho da por­ta do por­ta-ba­ga­gem e que per­mi­te que es­te fi­que aber­to, mas tran­ca­do, dei­xan­do uma aber­tu­ra de ven­ti­la­ção de al­guns cen­tí­me­tros.

Vi­a­jar no re­bo­que

Exis­tem ou­tras op­ções mais po­pu­la­res entre pro­fis­si­o­nais da Ca­ni­cul­tu­ra, mas que mui­tos par­ti­cu­la­res tam­bém uti­li­zam, co­mo o re­bo­que de trans­por­te, que ga­ran­te a se­gu­ran­ça e o bem-es­tar do ani­mal. O re­bo­que de­ve pos­suir pi­so an­ti­der­ra­pan­te, ser bem ven­ti­la­do e iso­la­do ter­mi­ca­men­te, pois de­ve ser quen­te no in­ver­no e fres­co no ve­rão. Có­mo­do, fá­cil de man­ter e de lim­par.

Evi­tar o en­joo

O en­joo nas vi­a­gens de car­ro é fre­quen­te nos ani­mais de com­pa­nhia. A me­lhor for­ma de o evi­tar é ha­bi­tu­ar o nos­so ani­mal ao car­ro des­de pe­que­no. An­dar de car­ro

An­dar de car­ro de­ve ser si­nó­ni­mo de al­go po­si­ti­vo, co­mo pas­se­ar ou ir à praia, por exem­plo, e não um mo­ti­vo de stress

de­ve ser si­nó­ni­mo de al­go po­si­ti­vo, co­mo pas­se­ar ou ir à praia, por exem­plo, e não um mo­ti­vo de stress. Pa­ra di­mi­nuir a ocor­rên­cia de en­joo, o ani­mal de­ve vi­a­jar em je­jum. De­ve­mos dar­lhe uma boa re­fei­ção no fi­nal do dia an­te­ri­or e uma pe­que­na re­fei­ção e água fres­ca ao che­gar ao des­ti­no. Tam­bém a es­co­lha de uma trans­por­ta­do­ra ade­qua­da e um bom pas­seio an­tes da vi­a­gem aju­da o ani­mal a vi­a­jar mais re­la­xa­do e a dor­mir du­ran­te a vi­a­gem. Em ca­sos mais ex­tre­mos, o Mé­di­co Ve­te­ri­ná­rio po­de pres­cre­ver me­di­ca­ção ade­qua­da, pa­ra o ani­mal não en­jo­ar e fi­car mais des­con­traí­do. De­ve­mos ter em aten­ção que o re­cur­so à me­di­ca­ção não é in­di­ca­do pa­ra vi­a­gens cur­tas ou de ida e vol­ta no mes­mo dia, pois os seus efei­tos du­ram entre 6 a 8 ho­ras. Se o ani­mal es­tá in­qui­e­to e não pa­ra de en­go­lir sa­li­va é por­que es­tá en­jo­a­do. De­ve­mos pa­rar e dei­xá-lo sair do car­ro.

Pa­ra­gens du­ran­te a vi­a­gem

De acor­do com a du­ra­ção da vi­a­gem, de­ve­mos pro­gra­mar uma pa­ra­gem a ca­da 2 ou 3 ho­ras, pa­ra o cão be­ber água, fa­zer um pas­seio e as su­as ne­ces­si­da­des. A gar­ra­fa de água, o be­be­dou­ro e a tre­la de­vem es­tar sem­pre à mão!

Não se dis­traia nas pa­ra­gens!

Nas pa­ra­gens, de­ve­mos evi­tar dei­xar o cão ou ga­to den­tro do car­ro, por­que nor­mal­men­te de­mo­ra­mos sem­pre mais do que es­tá­va­mos à es­pe­ra! Ca­so não ha­ja ou­tra al­ter­na­ti­va, te­mos de pro­cu­rar uma boa som­bra, não sus­ce­tí­vel à mu­dan­ça de po­si­ção do sol. O car­ro de­ve fi­car tran­ca­do, com as ja­ne­las aber­tas o su­fi­ci­en­te pa­ra per­mi­tir a cir­cu­la­ção de ar, sem que o ani­mal pos­sa sal­tar pa­ra fo­ra ou fi­car com a ca­be­ça pre­sa. De­ve­mos ain­da co­lo­car um pa­ra-sol no vi­dro da fren­te e dei­xar um be­be­dou­ro com água fres­ca. O sol mu­da de po­si­ção mui­to de­pres­sa e em pou­co tem­po o car­ro po­de fi­car com­ple­ta­men­te ex­pos­to, com a tem­pe­ra­tu­ra interior a al­can­çar va­lo­res pe­ri­go­sos, su­pe­ri­or a 60ºc. Num dia quen­te pou­cos mi­nu­tos po­dem ser su­fi­ci­en­tes!

Aten­ção às tem­pe­ra­tu­ras

Se pos­sí­vel, de­ve­mos apro­vei­tar o fres­co da ma­nhã ou do fim de tar­de pa­ra fa­zer a vi­a­gem. O ar con­di­ci­o­na­do é uma gran­de aju­da em di­as mui­to quentes, per­mi­tin­do man­ter uma tem­pe­ra­tu­ra mais agra­dá­vel no interior do car­ro. Se op­tar por abrir os vi­dros tra­sei­ros, não os abra com­ple­ta­men­te, pois o ani­mal po­de pôr a ca­be­ça de fo­ra ou até mes­mo sal­tar – em par­ti­cu­lar no ca­so dos ga­tos

Se pos­sí­vel, de­ve­mos pro­gra­mar a vi­a­gem de car­ro pa­ra apro­vei­tar o fres­co da ma­nhã ou do fi­nal da tar­de

que se as­sus­tam com os ba­ru­lhos da es­tra­da. Os cães to­le­ram mal o ca­lor, so­bre­tu­do os ca­chor­ros, os se­ni­o­res e as ra­ças bra­qui­cé­fa­las (de fo­ci­nho acha­ta­do). A sua ter­mor­re­gu­la­ção re­a­li­za-se por eva­po­ra­ção quan­do o cão ar­fa, eli­mi­nan­do ca­lor. Um sis­te­ma pou­co efi­caz em com­pa­ra­ção com a trans­pi­ra­ção e a per­da de ca­lor atra­vés da pe­le co­mo acon­te­ce nas pes­so­as. Co­mo tal, po­dem so­frer um gol­pe de ca­lor.

Gol­pe de ca­lor O gol­pe de ca­lor acon­te­ce quan­do o ani­mal per­de a ca­pa­ci­da­de de re­gu­lar a sua tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral.

Os pri­mei­ros si­nais de hi­per­ter­mia são: res­pi­ra­ção ofe­gan­te ou de­ma­si­a­do rui­do­sa e di­fí­cil, rit­mo car­día­co ace­le­ra­do, tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral al­ta, bo­ca e fo­ci­nho se­cos, fa­di­ga e fra­que­za mus­cu­lar (cam­ba­le­ar), fal­ta de re­a­ção, sa­li­va­ção exu­be­ran­te, pe­le se­ca e mui­to quen­te. Exis­te a pos­si­bi­li­da­de de ocor­rer con­vul­sões.

Qual­quer si­nal de gol­pe de ca­lor de­ve ser tra­ta­do co­mo uma emer­gên­cia mé­di­ca!

Se o cão es­ti­ver ao sol le­ve-o ime­di­a­ta­men­te pa­ra a som­bra. Ten­te re­du­zir-lhe a tem­pe­ra­tu­ra le­van­do-o pa­ra um lo­cal tran­qui­lo e fres­co, e en­vol­va-o em pa­nos mo­lha­dos. Se pos­sí­vel, sub­mer­ja-o gra­du­al­men­te em água fria ou co­lo­que sa­cos de ge­lo na ca­be­ça e no pes­co­ço. Le­ve-o ime­di­a­ta­men­te ao mé­di­co ve­te­ri­ná­rio.

Do­cu­men­tos a le­var

Du­ran­te a vi­a­gem é im­pres­cin­dí­vel le­var to­da a do­cu­men­ta­ção do ani­mal. Es­te de­ve es­tar cor­re­ta­men­te iden­ti­fi­ca­do (mi­cro­chip), ter as va­ci­nas em dia e os tra­ta­men­tos pre­ven­ti­vos atu­a­li­za­dos. Se ti­ver um se­gu­ro de res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil do cão, al­go mui­to re­co­men­dá­vel, não se es­que­ça de o le­var tam­bém nas vi­a­gens.

Vi­a­jar pa­ra o es­tran­gei­ro

Po­de con­sul­tar to­da a in­for­ma­ção so­bre vi­a­jar com ani­mais de es­ti­ma­ção pa­ra paí­ses da União Eu­ro­peia e fo­ra da União Eu­ro­peia no web­si­te da Di­re­ção-ge­ral de Ali­men­ta­ção e Ve­te­ri­ná­ria, no tó­pi­co “Ani­mais de com­pa­nhia – cir­cu­la­ção sem ca­rá­ter co­mer­ci­al”. Os cães e ga­tos de­vem pos­suir o Pas­sa­por­te de ani­mal de com­pa­nhia da União Eu­ro­peia. Con­tac­to: 213 239 500 www.dgv.min-agri­cul­tu­ra.pt n

Nas vi­a­gens de car­ro é proi­bi­do os ani­mais vi­a­ja­rem sol­tos ou com a ca­be­ça fo­ra da ja­ne­la.

A es­co­lha de uma trans­por­ta­do­ra ade­qua­da e um bom pas­s­seio an­tes da vi­a­gem aju­da o ani­mal a vi­a­jar mais re­la­xa­do e a dor­mir du­ran­te a vi­a­gem.

Nas des­lo­ca­ções de car­ro uma op­ção é pren­der o cão com um cin­to de se­gu­ran­ça ou de con­ten­ção.

Os ga­tos e cães de por­te pe­que­no vi­a­jam mais se­gu­ros e con­for­tá­veis em trans­por­ta­do­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.