Dog Pho­to­grapher of the Ye­ar

A por­tu­gue­sa Maria Da­vi­son nun­ca pen­sou que aque­la fo­to­gra­fia de Yz­ma, ti­ra­da em ca­sa de uma ami­ga, du­ran­te uma con­ver­sa, lhe des­se o tí­tu­lo de “Me­lhor Fo­tó­gra­fa de Cães do Mun­do”, mas foi mes­mo is­so que acon­te­ceu!

Caes & Companhia - - NEWS -

Li­cen­ci­a­da em Ar­tes Plás­ti­cas e apai­xo­na­da por fo­to­gra­fia e ani­mais, Maria Da­vi­son, de 27 anos, en­con­tra-se a vi­ver o seu so­nho. A ven­ce­do­ra co­me­çou a ti­rar fo­to­gra­fi­as dos seus cães e ga­tos há 3 anos e re­cen­te­men­te ini­ci­ou o seu ne­gó­cio de fo­to­gra­fia de ani­mais: ‘bas­ti | pet pho­to­graphy. Fa­lá­mos com ela so­bre o seu per­cur­so, o que a le­vou a con­cor­rer a es­te Con­cur­so, o seu pro­je­to e os pla­nos pa­ra o fu­tu­ro.

Pa­ra co­me­çar, con­te-nos a his­tó­ria da fo­to­gra­fia ven­ce­do­ra.

Na mes­ma al­tu­ra em que ini­ci­ei o pro­jec­to

‘bas­ti | pet pho­to­graphy, a mi­nha ami­ga Mar­ga­ri­da ado­tou a Yz­ma. Nu­ma das ve­zes em que fui a ca­sa de­la, le­vei a má­qui­na pa­ra fa­zer­mos uma pe­que­na ses­são. Foi tu­do mui­to es­pon­tâ­neo! Es­tá­va­mos na co­zi­nha, com mais uma ami­ga, a con­ver­sar e fui ti­ran­do umas fo­to­gra­fi­as. Mais tar­de a Mar­ga­ri­da con­tou-me que nem se aper­ce­beu e que fi­cou mui­to sur­pre­en­di­da quan­do me fui em­bo­ra sem fa­zer­mos a ses­são co­mo tí­nha­mos com­bi­na­do. No fi­nal aca­ba­ram por ser das fo­to­gra­fi­as mais es­pe­ci­ais que já ti­rei. É por is­to que acon­se­lho sem­pre a que a ses­são se­ja fei­ta num lo­cal on­de o ani­mal es­te­ja con­for-

tá­vel e que te­nha al­gum sig­ni­fi­ca­do es­pe­ci­al na li­ga­ção do do­no com o ani­mal. As fo­to­gra­fi­as vão ser sem­pre mais es­pe­ci­ais quan­do o ani­mal es­tá num am­bi­en­te fa­mi­li­ar e em que po­de ser ele mes­mo.

O que sen­tiu quan­do lhe li­ga­ram a dar a no­tí­cia?

Pa­ra ser sin­ce­ra, fi­quei em cho­que! Ain­da por ci­ma quan­do me li­ga­ram não me de­ram lo­go a no­tí­cia. Pri­mei­ro fi­ze­ram-me umas per­gun­tas (qual a má­qui­na que eu ti­nha usa­do, qual a ra­ça da Yz­ma) e a mi­nha pri­mei­ra re­a­ção foi achar que ha­via al­go de er­ra­do com a mi­nha par­ti­ci­pa­ção. De­pois de­ram-me a no­tí­cia de que ti­nha ven­ci­do a ca­te­go­ria Man’s Best Fri­end, e foi tão ines­pe­ra­do que até dei­xei es­ca­par uma lá­gri­ma! De­pois do cho­que ini­ci­al pas­sar dis­se­ram-me: “Te­nho mais uma no­tí­cia. Se ca­lhar é me­lhor sen­ta­res-te. Fos­te tam­bém a gran­de ven­ce­do­ra des­te ano!”. Aí fi­quei sem pa­la­vras.

Além do re­co­nhe­ci­men­to do pú­bli­co, tam­bém re­ce­beu ou­tros pré­mi­os. Qual de­les a en­tu­si­as­mou mais?

Es­tou mui­to en­tu­si­as­ma­da com to­dos os pré­mi­os, mas tal­vez o dia de for­ma­ção VIP com o Andy Big­gar, cu­jo tra­ba­lho já si­go há al­gum tem­po!

Com que ani­mais par­ti­lha o seu dia-a-dia?

Par­ti­lho o meu dia-a-dia com um ‘gan­gue’ de 2 ga­tos e 3 cães. A Pan­do­ra é a ga­ta mais ve­lha. Tem 16 anos e pa­ra além de es­tar um bo­ca­di­nho sur­da, es­tá óti­ma pa­ra a ida­de que tem! Gos­ta mui­to de es­tar acom­pa­nha­da, en­tão vem pa­ra perto de nós e fi­ca sen­ta­da du­ran­te ho­ras a ver-nos fa­zer as nos­sas coi­sas. O ou­tro ga­to é o Baby ou Be­bé, que tem 3 anos. O seu no­me ofi­ci­al é Oreo, mas co­mo na al­tu­ra em que veio cá pa­ra ca­sa era o úni­co be­bé, a al­cu­nha pe­gou. Tem ar de ma­lu­co e con­se­gui­mos per­ce­ber pe­la ca­ra de­le quan­do es­tá a apron­tar al­gu­ma! Ao mes­mo tem­po, tem um la­do mui­to mei­gui­nho e dor­me nas po­si­ções mais es­tra­nhas! A Sha­ki­ra, com 9 anos, foi a pri­mei­ra ca­de­la que ti­ve. É a mi­nha miú­da! En­con­trei-a na praia quan­do tra­ba­lha­va no ve­rão. Pas­sou o dia co­mi­go e os meus co­le­gas e quan­do foi ho­ra de vir em­bo­ra não con­se­gui dei­xá-la na praia. Atei-lhe o ata­ca­dor do meu té­nis ao pes­co­ço e fui a pé pa­ra ca­sa com ela. De­pois de pro­cu­rar­mos pe­los seus do­nos e de não apa­re­cer nin­guém, eu, a mi­nha ir­mã e a mi­nha mãe uni­mos for­ças pa­ra con­ven­cer o meu pai a fi­car­mos com ela. Foi uma ba­ta­lha di­fí­cil, mas que con­se­gui­mos ga­nhar! O Ze­ca é o mi­ma­do cá de ca­sa e o ter­cei­ro fi­lho da mi­nha mãe. Ela viu uma fo­to­gra­fia de­le no Fa­ce­bo­ok e fo­mos bus­cá-lo a uma As­so­ci­a­ção no dia se­guin­te! Fi­ca­ram in­se­pa­rá­veis des­de es­se dia. Por fim, te­mos o Ós­car que tem qua­se 1 ano e meio. É um ma­lan­dro com mui­ta ener­gia e que faz mui­tos dis­pa­ra­tes, mas com­pen­sa sen­do mui­to bei­jo­quei­ro! É o nos­so ro­di­nhas bai­xas. Pu­bli­co fo­to­gra­fi­as des­ta mal­ta to­da com frequên­cia no Fa­ce­bo­ok e Ins­ta­gram!

Mas sa­be­mos que an­tes des­tes hou­ve um cão “es­pe­ci­al”…

É ver­da­de! Fo­mos bus­car o Se­bas­tião (ou ‘bas­ti) a uma As­so­ci­a­ção pa­ra fa­zer com­pa­nhia à Sha­ki­ra que pas­sa­va al­gu­mas ho­ras so­zi­nha du­ran­te o dia. Des­de pe­que­no que se mos­trou um cão mui­to ner­vo­so e as­sus­ta­di­ço. Era mui­to gran­de e com ar de mau, mas não fa­zia mal a uma mos­ca. Era um pa­cho­las. Ti­nha me­do de

es­tra­nhos e de­mo­ra­va mui­to até con­fi­ar em al­guém o su­fi­ci­en­te pa­ra que se pu­des­sem apro­xi­mar e to­car-lhe. Du­ran­te os anos foi-se tor­nan­do mais so­ci­al e não me es­que­ço do dia em que du­ran­te um pas­seio na praia, um miú­do pas­sou por ele, deu-lhe uma fes­ta e dis­se que era o cão mais bo­ni­to do mun­do! In­fe­liz­men­te, o Se­bas­tião mor­reu re­pen­ti­na­men­te umas se­ma­nas an­tes de co­me­çar ofi­ci­al­men­te o pro­jec­to ‘bas­ti | pet

pho­to­graphy. An­da­va há me­ses a ten­tar ar­ran­jar o no­me cer­to pa­ra o pro­je­to, mas co­mo sou mui­to es­qui­si­ta nes­sas coi­sas não ar­ran­ja­va na­da que sen­tis­se ser cer­to. De­pois do cho­que ini­ci­al pas­sar, pa­re­ceu­me uma for­ma bo­ni­ta de ho­me­na­ge­ar o meu cão mais es­pe­ci­al, dan­do o seu no­me ao meu pro­je­to mais es­pe­ci­al. Foi tam­bém uma for­ma de o in­cluir nes­ta aven­tu­ra!

Quan­do de­ci­diu lan­çar o pro­je­to

‘bas­ti | pet pho­to­graphy quais as ex­pec­ta­ti­vas que ti­nha?

Uma par­te de mim sem­pre acre­di­tou mui­to nes­te pro­je­to, mas ao mes­mo tem­po as ex­pec­ta­ti­vas não eram mui­to al­tas. Co­mo fo­tó­gra­fa que ado­ra ani­mais, es­te é o tra­ba­lho per­fei­to pa­ra mim. E is­so é uma coi­sa pe­la qual va­le a pe­na lu­tar. Nun­ca achei que ia ser fá­cil. Não foi fá­cil até aqui e vai con­ti­nu­ar a ser uma lu­ta. Mas de­va­ga­ri­nho as coi­sas co­me­çam a an­dar e os re­sul­ta­dos a apa­re­cer. E is­so é mui­to gra­ti­fi­can­te e dá mui­ta ener­gia pa­ra con­ti­nu­ar a lu­tar por es­te pro­je­to.

O que é pos­sí­vel fa­zer nu­ma ses­são fo­to­grá­fi­ca?

Em­bo­ra a ses­são se­ja fo­ca­da no ani­mal, os do­nos tam­bém po­dem apa­re­cer em al­gu­mas fo­to­gra­fi­as! Con­for­me a von­ta­de de ca­da um, pos­so cap­tar mo­men­tos es­pon­tâ­ne­os entre o do­no e o ani­mal, ten­tar dar vi­da a al­gu­ma fo­to­gra­fia que o do­no te­nha em men­te e até, pa­ra os mais tí­mi­dos e que não se sen­tem à von­ta­de em fren­te à câ­ma­ra, mas que mes­mo as­sim qu­e­rem apa­re­cer, fo­car-me ape­nas no ani­mal apa­re­cen­do ape­nas al­guns por­me­no­res do do­no ou até fo­to­gra­far uma si­lhu­e­ta do do­no com o ani­mal! Há so­lu­ções pa­ra to­dos os gos­tos! As ses­sões são re­a­li­za­das em lo­cais à es­co­lha do cli­en­te. Acon­se­lho sem­pre a que a ses­são se­ja fei­ta num lo­cal on­de o ani­mal se sin­ta con­for­tá­vel e que se­ja im­por­tan­te na re­la­ção dos dois. Is­so tan­to po­de ser em ca­sa, co­mo nu­ma praia ou num jar­dim on­de cos­tu­mam pas­se­ar jun­tos. O im­por­tan­te é que to­dos se sin­tam bem e que se­ja um mo­men­to bem pas­sa­do e di­ver­ti­do! Só es­tou lá pa­ra cap­tu­rar os mo­men­tos! Apro­vei­to pa­ra cha­mar à aten­ção que os ani­mais não têm de sa­ber an­dar sem tre­la pa­ra fa­zer uma ses­são fo­ra de ca­sa! A se­gu­ran­ça es­tá sem­pre aci­ma de tu­do, e co­mo tal as tre­las são re­mo­vi­das em pós-pro­du­ção! Só têm mes­mo de vir bem-dis­pos­tos e apro­vei­tar! Fo­to­gra­fo to­dos os ani­mais, sem ex­ce­ção! Por en­quan­to só ti­ve o pra­zer de fo­to­gra­far cães e ga­tos (e um bur­ro uma vez!), mas acei­to to­dos os de­sa­fi­os que me apa­re­çam!

No seu per­cur­so qual o epi­só­dio mais ca­ri­ca­to que já te­ve?

Ca­da ses­são tem os seus mo­men­tos en­gra­ça­dos, mas não te­nho ne­nhum que so­bres­saia par­ti­cu­lar­men­te! Co­mo as pes­so­as, há ani­mais que são me­nos fo­to­gé­ni­cos que ou­tros, e que fa­zem ca­re­tas mui­to en­gra­ça­das que va­lem sem­pre umas gar­ga­lha­das quan­do es­tou a edi­tar as fo­to­gra­fi­as!

E quais as fo­to­gra­fi­as que são mais es­pe­ci­ais pa­ra si?

Pa­ra mim, as fo­to­gra­fi­as mais es­pe­ci­ais são as que mos­tram um mo­men­to ge­nuí­no e es­pon­tâ­neo, ou que cap­tam a es­sên­cia ou uma ma­nia, um há­bi­to ou aque­la ca­rac­te­rís­ti­ca tão es­pe­ci­al de um ani­mal. Mui­tas ve­zes até são fo­to­gra­fi­as que não es­tão per­fei­tas a ní­vel téc­ni­co, mas que nos trans­mi­tem al­go, que nos fa­zem sen­tir qual­quer coi­sa. O meu ob­je­ti­vo não é, e pen­so que nun­ca se­rá, obri­gar um ani­mal a fi­car sen­ta­do a pou­sar pa­ra a fo­to­gra­fia. Qu­e­ro é apa­nhá-lo a brin­car com o far­ra­po ve­lho que tan­to gos­ta, sen­ta­do na­que­le sí­tio es­pe­ci­fi­co a apa­nhar sol co­mo faz to­dos os di­as ou a brin­car com o do­no no jar­dim on­de vai des­de sem­pre. No fi­nal de con­tas, quan­do um dia es­se ani­mal já não es­ti­ver con­nos­co, es­sas são as me­mó­ri­as que fi­cam. E qu­e­ro cap­tar es­sas me­mó­ri­as e tor­ná-las em al­go fí­si­co que pos­sam guar­dar pa­ra sem­pre.

No seu tem­po li­vre é vo­lun­tá­ria nu­ma As­so­ci­a­ção, on­de fo­to­gra­fa os cães que es­tão pa­ra ado­ção. Co­mo tem si­do es­sa ex­pe­ri­ên­cia?

Fa­ço vo­lun­ta­ri­a­do na As­so­ci­a­ção Pa­tas Er­ran­tes, em Sin­tra, e a ex­pe­ri­ên­cia tem si­do mais que boa! Quan­do co­me­cei a fo­to­gra­far os cães da As­so­ci­a­ção, ain­da es­ta­va nu­ma fa­se ini­ci­al do pro­je­to, a ten­tar ga­nhar ex­pe­ri­ên­cia e a cri­ar port­fó­lio. A Pa­tas Er­ran­tes abriu-me as por­tas e co­me­çá­mos es­ta par­ce­ria que be­ne­fi­ci­ou as du­as par­tes: a As­so­ci­a­ção ga­nhou fo­to­gra­fi­as dos seus ani­mais e eu ga­nhei a ex­pe­ri­ên­cia e a con­fi­an­ça ne­ces­sá­ria pa­ra po­der fa­zer is­to pro­fis­si­o­nal­men­te. Apren­di mui­to e deu-me as fer­ra­men­tas ne­ces­sá­ri­as pa­ra sa­ber li­dar com as di­fe­ren­tes per­so­na­li­da­des e ma­ni­as de ca­da ani­mal. Em­bo­ra já te­nha dei­xa­do a ne­ces­si­da­de de fa­zer port­fó­lio pa­ra trás, con­ti­nuo a pas­sar lá a tar­de de sá­ba­do sem­pre que pos­so. Gos­to mui­to de to­das as pes­so­as en­vol­vi­das com a As­so­ci­a­ção e já não con­si­go fi­car mui­to tem­po sem ir vi­si­tar os meus me­ni­nos. Vão es­prei­tar o web­si­te e se es­tão à pro­cu­ra de um me­lhor ami­go, en­trem em con­tac­to com a Pa­tas Er­ran­tes e vão vi- si­tar os ani­mais! Pro­me­to que não se vão ar­re­pen­der! www.er­ran­tes.org

Co­mo é que os nos­sos lei­to­res po­dem acom­pa­nhar o seu tra­ba­lho pro­fis­si­o­nal e so­li­dá­rio?

A me­lhor for­ma de acom­pa­nha­rem o meu tra­ba­lho é se­gui­rem a pá­gi­na do Fa­ce­bo­ok e do Ins­ta­gram! Tam­bém po­dem ir es­prei­tar o web­si­te on­de po­dem ver o que con­si­de­ro se­rem as mi­nhas me­lho­res fo­to­gra­fi­as.

E co­mo po­dem agen­dar uma ses­são con­si­go?

Pa­ra mar­car uma ses­são bas­ta man­dar um e-mail ou uma men­sa­gem pa­ra a nos­sa pá­gi­na do fa­ce­bo­ok ou do ins­ta­gram. Há vá­ri­os pa­co­tes por on­de es­co­lher con­so­an­te o que ca­da cli­en­te pre­ten­de e os pre­ços va­ri­am entre os 50€ e os 100€. Ca­so a sua ideia não se en­cai­xe em ne­nhum dos pa­co­tes, te­nho to­do o gos­to em fa­zer um or­ça­men­to à par­te!

Quais os seus pla­nos pa­ra o fu­tu­ro pró­xi­mo?

O pla­no pa­ra o fu­tu­ro é con­se­guir con­ti­nu­ar a fo­to­gra­far ani­mais du­ran­te mui­to tem­po e po­der tra­ba­lhar no que gos­to. Es­tou aber­ta a no­vos de­sa­fi­os, no­vas idei­as e pro­pos­tas! Qu­e­ro tam­bém que es­te pro­je­to con­ti­nue sem­pre a ter um la­do so­li­dá­rio, e es­pe­ro con­se­guir con­ti­nu­ar a fo­to­gra­far ani­mais que es­tão pa­ra ado­ção e aju­dá-los a ar­ran­jar uma fa­mí­lia.

“Pa­ra mim, as fo­to­gra­fi­as mais es­pe­ci­ais são as que mos­tram um mo­men­to ge­nuí­no e es­pon­tâ­neo, ou cap­tam a es­sên­cia”

A Maria nu­ma das tar­des a fo­to­gra­far na As­so­ci­a­ção Pa­tas Er­ran­tes, com a Bran­qui­nha, que en­tre­tan­to já foi ado­ta­da.

A fo­to­gra­fia ven­ce­do­ra da ca­te­go­ria “Man’s Best Fri­end” e que deu o tí­tu­lo de “Me­lhor Fo­tó­gra­fa de Cães do Mun­do” a Maria Da­vi­son.

“A Pan­do­ra. Es­ta fo­to foi ti­ra­da há 6 me­ses! Na­da mal pa­ra uma ga­ta com 16 anos, cer­to?”

“Shi­ro, o cão da mi­nha ami­ga Filipa. Foi uma das pri­mei­ras fotos que me fez ter con­fi­an­ça pa­ra fa­zer es­te tra­ba­lho e ar­ris­car nes­te pro­je­to. Con­ti­nua a ser uma das mi­nhas fo­to­gra­fi­as pre­fe­ri­das.”

O Fi­xe, que es­tá pa­ra ado­ção na As­so­ci­a­ção Pa­tas Er­ran­tes. “Foi o pri­mei­ro cão ‘des­co­nhe­ci­do’ que fo­to­gra­fei, uma vez que até aqui só ti­nha fo­to­gra­fa­do os meus ani­mais ou os de ami­gos.”

“Uma das pri­mei­ras fotos que ti­rei quan­do co­me­cei a in­te­res­sar-me por fo­to­gra­far ani­mais. Con­ti­nuo a gos­tar mui­to de­la. Foi ti­ra­da com a mi­nha pri­mei­ra má­qui­na (mui­to ve­lho­ta) e lem­bra-me que não pre­ci­sa­mos do me­lhor equi­pa­men­to pa­ra fa­zer um bom tra­ba­lho.”

“Um dos meus re­tra­tos fa­vo­ri­tos da Sha­ki­ra, num dos pas­sei­os no sí­tio ha­bi­tu­al.”

Maria Da­vi­son e o seu ‘bas­ti.

O Ze­ca dei­ta­do com o Ós­car lá atrás.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.