Cão da Ter­ra No­va

Caes & Companhia - - RACA -

De­vi­do às su­as ori­gens, o Cão da Ter­ra No­va ou New­foun­dland é um exí­mio na­da­dor! Ori­gi­ná­rio da ilha de Ter­ra No­va, no Ca­na­dá, des­cen­de dos cães in­dí­ge­nas e do gran­de cão pre­to de ca­ça ao ur­so le­va­do pe­los Vi­kings, e era uti­li­za­do pe­los pes­ca­do­res co­mo cão de au­xí­lio. Uma das su­as fun­ções nes­sa épo­ca con­sis­tia em mer­gu­lhar na água, pu­xan­do as pe­sa­das re­des de pes­ca. Foi en­tão que ga­nhou a fa­ma de cão de sal­va­men­to, de­vi­do ao seu ins­tin­to na­tu­ral de ir bus­car coi­sas e pes­so­as à água. Ado­ra to­das as ati­vi­da­des na água, es­tan­do com­ple­ta­men­te à von­ta­de no meio aquá­ti­co, o que em con­jun­to com a sua in­te­li­gên­cia e uma for­ça sur­pre­en­den­te, o con­ver­te num ex­ce­len­te cão de sal­va­men­to. Po­de na­dar du­ran­te lon­gos tra­je­tos, pois o seu man­to du­plo im­per­meá­vel atua co­mo uma es­pé­cie de bar­rei­ra iso­tér­mi­ca for­man­do um “fa­to de mer­gu­lho” na­tu­ral, que per­mi­te que re­sis­ta às bai­xas tem­pe­ra­tu­ras da água. A ní­vel de ca­rá­ter é um cão bem-hu­mo­ra­do, so­ciá­vel, de­li­ca­do, cal­mo, aten­to, al­truís­ta, se­gu­ro de si e com ini­ci­a­ti­va pró­pria. Da­da a sua na­tu­ral res­pon­sa­bi­li­da­de e bom sen­so, ca­rac­te­rís­ti­cos do seu com­por­ta­men­to, sa­be agir com na­tu­ra­li­da­de quan­do se de­pa­ra pe­ran­te uma si­tu­a­ção de emer­gên­cia, tal co­mo ter de ir res­ga­tar uma ou mais pes­so­as. Apai­xo­na­do por cri­an­ças, é mui­to ca­ri­nho­so e efi­ci­en­te, en­quan­to seu guar­dião e de­fen­sor, as­sim co­mo da res­tan­te fa­mí­lia. Pos­sui um cor­po po­de­ro­so, ma­ci­ço e mus­cu­la­do, com mo­vi­men­tos bem co­or­de­na­dos. É um cão de por­te gi­gan­te, com uma al­tu­ra ao gar­ro­te entre 66 a 71 cm e um pe­so mé­dio de 68 kg nos ma­chos e 54 kg nas fê­me­as. Du­ran­te o seu cres­ci­men­to de­ve evi­tar es­for­ços ex­ces­si­vos, sen­do que na­dar é ide­al pa­ra lhe pro­por­ci­o­nar exer­cí­cio. Po­de­mos sem­pre fa­zer do Ter­ra No­va o nos­so com­pa­nhei­ro de na­ta­ção, ou se­ja, en­quan­to usu­fruí­mos de um bom mer­gu­lho es­te po­de na­dar ao nos­so la­do, po­de­mos in­clu­si­ve “agar­rar” o seu ra­bo e dei­xar que ele nos con­du­za, ati­rar uma bo­la pa­ra ele ir bus­car, ou ou­tro ob­je­to que des­per­te a sua aten­ção. Além dis­so, se exis­ti­rem cri­an­ças na água, na­da me­lhor pa­ra um Ter­ra No­va pa­ra po­der par­ti­ci­par nas ati­vi­da­des que as mes­mas fa­zem quan­do es­tão jun­to da água. Ex­tre­ma­men­te brin­ca­lhão, ado­ra par­ti­ci­par em tu­do!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.