O que con­si­de­rar se es­tá a pen­sar ter um cão

Al­guns dos me­lho­res momentos da nos­sa vi­da in­clu­em cer­ta­men­te o dia em que co­nhe­ce­mos o nos­so cão, o dia em que o aco­lhe­mos na nos­sa fa­mí­lia e o seu pri­mei­ro dia na nos­sa ca­sa.

Caes & Companhia - - Nesta edição - João To­pe­te Trei­na­dor da It's All About Dogs (www.it­sal­la­bout­dogs.net) Fo­tos: IAAD

Um cão não gos­ta, nem po­de, viver iso­la­do, ne­ces­si­ta de dis­po­ni­bi­li­da­de e aten­ção do seu tu­tor di­a­ri­a­men­te

Esta de­ci­são é de enor­me im­por­tân­cia e nun­ca de­ve ser to­ma­da de âni­mo le­ve. Abor­da­mos as coi­sas em que de­ve pen­sar e ter em con­ta an­tes de aco­lher um no­vo cão em ca­sa. Por­que quer um cão? Um cão po­de ser uma com­pa­nhia ado­rá­vel, um ami­go es­tu­pen­do, um com­pa­nhei­ro de exer­cí­cio fí­si­co e mui­tas mais coi­sas, mas ser tu­tor de um cão não se re­su­me ape­nas a is­so. Trei­nar e cui­dar de um ca­chor­ro re­quer dis­po­ni­bi­li­da­de não só fi­nan­cei­ra, co­mo de tem­po, e por­tan­to ado­tar um cão é uma de­ci­são que de­ve ser bas­tan­te pon­de­ra­da. Vou fo­car-me mai­o­ri­ta­ri­a­men­te nos as­pe­tos me­nos po­si­ti­vos (não gos­to de di­zer ne­ga­ti­vos, por­que acho que não exis­tem as­pe­tos ne­ga­ti­vos em ter um cão), uma vez que quem pro­cu­ra um cão pa­ra ado­tar, ge­ral­men­te, dá mais aten­to aos as­pe­tos po­si­ti­vos. Con­se­gue com­pro­me­ter-se?

Vai ter dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra pas­se­ar o seu cão 3 a 4 ve­zes por dia? Mes­mo na­que­les dias em que che­ga a ca­sa com­ple­ta­men­te de ras­tos do tra­ba­lho e só lhe ape­te­ce afun­dar no so­fá e des­li­gar do mun­do? Ou na­que­les dias em que es­tá a cho­ver e só ape­te­ce es­tar de­bai­xo dos co­ber­to­res a ver o no­vo episódio da sé­rie do mo­men­to? E vai lem­brar-se de brin­car com o cão todos os dias? Se a res­pos­ta é não e não tem nin­guém que o pos­sa aju­dar a exe­cu­tar es­tas ta­re­fas es­sen­ci­ais en­tão é melhor pa­rar por aqui e adi­ar o so­nho de ter um cão pa­ra uma al­tu­ra em que as con­di­ções es­te­jam reu­ni­das. Tem dis­po­ni­bi­li­da­de? Ca­so já te­nha ani­mais em ca­sa, se­ja um cão, ga­to, fu­rão ou co­e­lho, por exem­plo, es­tá pre­pa­ra­do pa­ra lhe de­di­car al­gum tem­po in­di­vi­du­al? Cães que não re­ce­bem di­a­ri­a­men­te in­te­ra­ção têm um ris­co acres­ci­do de de­sen­vol­ver pro­ble­mas com­por­ta­men­tais, an­si­e­da­de e es­tão mais pre­dis­pos­tos a ser obe­sos. Um cão não é o ti­po de ani­mal que gos­te ou pos­sa viver iso­la­do, ne­ces­si­ta da dis­po­ni­bi­li­da­de e aten­ção do seu tu­tor. Al­te­rar as ro­ti­nas Tal co­mo uma cri­an­ça, um no­vo cão em ca­sa sig­ni­fi­ca que vai ter a res­pon­sa­bi­li­da­de de um no­vo ser vi­vo que tem ne­ces­si­da­des bá­si­cas e, por ve­zes, a gran­de mai­o­ria, têm de ser aten­di­das de for­ma pri­o­ri­tá­ria aos nos­sos de­se­jos. As nos­sas ro­ti­nas têm de ser al­te­ra­das ten­do em con­ta o no­vo mem­bro e al­gu­mas das coi­sas a que es­ta­mos ha­bi­tu­a­dos te­rão de ser dei­xa­das pa­ra trás. A tí­tu­lo de exem­plo, pla­nos de última ho­ra, co­mo um fim-de-se­ma­na fo­ra, têm de ser mais pon­de­ra­dos uma vez que te­mos de en­con­trar al­guém que pos­sa fi­car com o cão ou ca­so vá con­nos­co, en­con­trar um lo­cal que acei­te a sua es­ta­da… o que nem sem­pre é fá­cil. Pa­ra al­gu­mas pes­so­as es­te ti­po de sa­cri­fí­cio não é fá­cil. Se é o seu ca­so não de­ve ar­ran­jar já o en­xo­val pa­ra um no­vo ani­mal, pois ain­da não é tem­po de ter um cão. Ca­chor­ro ou adul­to? Uma das prin­ci­pais ra­zões por­que mui­tas pes­so­as es­co­lhem um ca­chor­ro é que qu­e­rem ter um cão com um his­to­ri­al e sem pro­ble­mas com­por­ta­men­tais, e por­que qu­e­rem ver um cão a cres­cer. Quem não ado­ra ca­chor­ros? São ado­rá­veis e es­tão pron­tos pa­ra pas­sar o res­to da sua vi­da con­si­go. Mas é im­por­tan­te re­lem­brar e ter em con­ta que es­tas pe­que­nas

A va­ri­e­da­de e quan­ti­da­de de cães pa­ra ado­tar é tão gran­de que por cer­to en­con­tra um com as ca­rac­te­rís­ti­cas que pro­cu­ra

bo­las de pe­lo são, aci­ma de tu­do, ape­nas be­bés e is­so sig­ni­fi­ca que vão ne­ces­si­tar de mais trei­no e aten­ção que um cão adul­to. Sem es­que­cer que es­tes ca­chor­ros se vão tor­nar ado­les­cen­tes re­bel­des. O pen­sa­men­to de que cão ve­lho não apren­de tru­ques não po­de es­tar mais lon­ge da ver­da­de. Um cão adul­to apren­de coi­sas no­vas até ao fi­nal da vi­da e po­de ser in­te­gra­do num no­vo lar, mui­tas ve­zes com me­nos tra­ba­lho que um ca­chor­ro. Tem tam­bém a van­ta­gem de que tem uma ideia re­a­lis­ta do com­por­ta­men­to e tem­pe­ra­men­to do cão que vai le­var pa­ra ca­sa. Ain­da há a pos­si­bi­li­da­de de ado­tar um cão sé­ni­or que é, por nor­ma, um cão ain­da mais cal­mo que um cão mais jo­vem. Ado­tar ou com­prar? Uma das de­ci­sões mais di­fí­ceis que vai ter de to­mar, e das que mai­or dis­cór­dia e dis­cus­são cau­sa, é se com­pra um cão a um cri­a­dor ou se res­ga­ta um cão de um ca­nil ou as­so­ci­a­ção. Ape­sar de ser adep­to da ado­ção vou ten­tar ser o mais im­par­ci­al pos­sí­vel. Sem me alon­gar de­ma­si­a­do na dis­cus­são, por­que es­te te­ma da­ria pa­ra es­cre­ver um ar­ti­go por si só, am­bas têm im­pli­ca­ções éti­cas e prá­ti­cas, van­ta­gens e des­van­ta­gens. Em ca­so de com­pra tem a pos­si­bi­li­da­de de conhecer am­bos os pais do ca­chor­ro que vai ad­qui­rir (o que nem sem­pre é pos­sí­vel e ain­da exis­te mui­ta gen­te de­so­nes­ta qu­an­to a es­te as­sun­to), conhecer o am­bi­en­te on­de es­te cres­ceu, al­guns cri­a­do­res re­a­li­zam tes­tes a al­gu­mas pa­to­lo­gi­as he­re­di­tá­ri­as e ter uma ideia mais re­a­lis­ta de co­mo es­te vai fi­car em adul­to. Em ca­so de ado­ção es­ta­rá a sal­var uma vi­da, mui­tos dos cães ado­ta­dos em ca­nis têm a ofer­ta do mi­cro­chip, va­ci­nas e aju­da nas des­pe­sas de es­te­ri­li­za­ção, cães cru­za­dos ou SRD (sem ra­ça de­fi­ni­da) têm uma me­nor pre­dis­po­si­ção a do­en­ças ge­né­ti­cas e mui­tas as­so­ci­a­ções per­mi­tem que pas­se uns dias com o cão em sua ca­sa pa­ra ver se são re­al­men­te com­pa­tí­veis. A va­ri­e­da­de e quan­ti­da­de de cães em ca­nis é tão gran­de (in­fe­liz­men­te) que di­fi­cil­men­te não vai en­con­trar um cão com as ca­rac­te­rís­ti­cas que pro­cu­ra. A pre­mis­sa da IAAD é ado­te não com­pre. Pen­se bem nas vi­das que sal­va ao ado­tar um cão e não con­tri­buir fi­nan­cei­ra­men­te pa­ra o au­men­to do nú­me­ro de cães no mun­do. Es­co­lha um cão ajus­ta­do ao seu es­ti­lo de vi­da Es­co­lher um ca­chor­ro ou um cão ba­se­a­do na po­pu­la­ri­da­de ou no seu grau de “fo­fu­ra” é pro­va­vel­men­te a pi­or de­ci­são que po­de to­mar, são mui­to os ca­sos de ani­mais es­co­lhi­dos ten­do em con­ta es­tes cri­té­ri­os que não tar­da­ram mui­to a se­rem dei­xa­dos em abri­gos quan­do re­ve­la­ram ca­rac­te­rís­ti­cas que não agra­da­ram aos seus tu­to­res. As des­cul­pas são mui­tas: cres­ce­ram de­mais, são mui­to ener­gé­ti­cos, pou­co to­le­ran­tes, la­dram mui­to, ro­em os chi­ne­los da avó, não dei­xam que os miú­dos fa­çam de­les ca­va­li­nhos, etc. Fa­ça per­gun­tas e ten­te sa­ber o má­xi­mo sobre o ca­chor­ro, os ir­mãos e os pais. Fa­ça uma boa pes­qui­sa e de­ci­da cons­ci­en­te­men­te. Ter um cão é dis­pen­di­o­so

Ser tu­tor de um cão é tam­bém si­nó­ni­mo de um com­pro­mis­so fi­nan­cei­ro con­si­de­rá­vel, des­de os cui­da­dos de saú­de pro­fi­lá­ti­cos bá­si­cos (co­mo va­ci­nas, des­pa­ra­si­ta­ções e iden­ti­fi­ca­ção ele­tró­ni­ca), até aos cui­da­dos ne­ces­sá­ri­os em ca­sos de do­en­ça ou ou­tras si­tu­a­ções que nos fo­gem de con­tro­lo. In­for­me-se jun­to do mé­di­co ve­te­ri­ná­rio sobre os cus­tos as­so­ci­a­dos ao ti­po de cão que gos­ta­ria de ter, ten­do em con­ta a ida­de (ca­chor­ro, adul­to ou sé­ni­or), o gé­ne­ro (ma­cho ou fê­mea), o por­te (pequeno, mé­dio, gran­de, gi­gan­te) e até o ti­po de pe­lo. É la­men­tá­vel quan­do ve­mos ca­sos de tu­to­res que ti­ve­ram de de­sis­tir dos seus ani­mais sim­ples­men­te por­que não con­se­guem su­por­tar os cus­tos as­so­ci­a­dos. E, pi­or ain­da, quan­do os ani­mais são aban­do­na­dos em ca­nis ou eu­ta­na­si­a­dos, por­que o tu­tor não con­se­guiu um no­vo lar. Não quei­ra fi­car nu­ma po­si­ção de in­ca­pa­ci­da­de de su­por­tar es­tas mes­mas des­pe­sas re­gu­la­res e até mes­mo as ines­pe­ra­das. Pa­ra além das des­pe­sas ve­te­ri­ná­ri­as é im­por­tan­te ter em con­ta que al­guns cães ne­ces­si­tam de ba­nho, gro­o­ming ou tos­quia com mais frequên­cia do que ou­tros, sen­do mais um gas­to a so­mar. Es­te­ri­li­za­ção Um pon­to mui­to im­por­tan­te a ní­vel das des­pe­sas ve­te­ri­ná­ri­as es­tá re­la­ci­o­na­do com a es­te­ri­li­za­ção do seu cão ou ca­de­la. Che­ga de pen­sar que a es­te­ri­li­za­ção de­ve ser fei­ta ape­nas às fê­me­as pa­ra evi­tar ni­nha­das e evi­tar o cio, em que ela pas­sa o tem­po a pin­gar pela ca­sa. A es­te­ri­li­za­ção é be­né­fi­ca em vá­ri­os as­pe­tos, quer es­te­ja­mos a fa­lar de saú­de ou de com­por­ta­men­to, in­de­pen­den­te­men­te de ser um ma­cho ou uma fê­mea.

Se não pre­ten­de fa­zer cri­a­ção de uma for­ma in­for­ma­da, res­pon­sá­vel e pri­vi­le­gi­an­do o bem-es­tar da ca­de­la e dos ca­chor­ros, es­te­ri­li­ze! Não va­le a pe­na ter uma ni­nha­da ape­nas por­que os seus fi­lhos qu­e­rem ver ca­chor­ri­nhos ou por­que o seu gru­po de ami­gos lhe im­plo­ra pa­ra que lhes dê uma bo­li­nha de pe­lo. Uma ali­men­ta­ção de qua­li­da­de

Op­tar por um ali­men­to de boa qua­li­da­de, nu­tri­ci­o­nal­men­te bem ba­lan­ce­a­do e adap­ta­do às ca­rac­te­rís­ti­cas do cão é um in­ves­ti­men­to a lon­go pra­zo, fun­ci­o­na­do co­mo uma for­ma de pre­ve­nir o apa­re­ci­men­to de al­gu­mas pa­to­lo­gi­as. Dê-lhe a melhor ra­ção pos­sí­vel. Pes­qui­se, in­for­me-se e não se aca­nhe de per­gun­tar ao mé­di­co ve­te­ri­ná­rio quais as op­ções mais ade­qua­das às ne­ces­si­da­des o cão e às da sua car­tei­ra. Ou­tros gas­tos Irá pre­ci­sar de um lo­cal pa­ra dei­xar o seu cão quan­do for de fé­ri­as ou de­ci­dir que pre­ci­sa de um fim-de-se­ma­na pa­ra re­la­xar e es­que­cer a vi­da quo­ti­di­a­na. Ha­ven­do uma des­pe­sa as­so­ci­a­da ao ser­vi­ço de ho­tel ou pet sit­ting. Com­prar brin­que­dos de es­ti­mu­la­ção men­tal. Es­tá no mo­men­to de dei­xar­mos de la­do a ve­lha ta­ci­nha on­de da­mos de co­mer ao nos­so cão, a es­ti­mu­la­ção men­tal só traz van­ta­gens. Pa­ra além de que o cão pre­ci­sa de ser es­ti­mu­la­do e de­sa­fi­a­do di­a­ri­a­men­te e es­te ti­po de brin­que­dos são ex­ce­len­tes ali­a­dos. Es­co­lher um trei­na­dor po­si­ti­vo qua­li­fi­ca­do pa­ra lhe en­si­nar a li­dar e a per­ce­ber o seu cão e o en­ca­mi­nhar no mun­do da obe­di­ên­cia bá­si­ca. Trei­no e obe­di­ên­cia não é ape­nas pa­ra cães en­di­a­bra­dos ou agres­si­vos. Ter uma ca­sa pet fri­en­dly

Crie uma ca­sa se­gu­ra pa­ra o cão, por­que os aci­den­tes acon­te­cem e, mui­tas ve­zes, quan­do me­nos es­pe­ra­mos. É es­sen­ci­al que per­cor­ra a sua ca­sa an­tes da che­ga­da do cão e que co­lo­que fo­ra do al­can­ce tu­do o que pos­sa ser pe­ri­go­so,

Nas au­las de so­ci­a­bi­li­za­ção di­ri­gi­das pa­ra ca­chor­ros são en­si­na­das bo­as ma­nei­ras e com­pe­tên­ci­as so­ci­ais im­por­tan­tes

tó­xi­co ou ve­ne­no­so. Ve­ri­fi­que es­tan­tes, bal­cões de co­zi­nha, to­ma­das elé­tri­cas, lem­bre-se que mui­tos cães apren­dem so­zi­nhos a abrir ga­ve­tas e por­tas, e te­nha aten­ção às cai­xas e gar­ra­fas. Ve­ri­fi­que se tem plan­tas com po­ten­ci­al tó­xi­co. Mu­de pa­ra um lo­cal ina­ces­sí­vel a sua far­má­cia do­més­ti­ca, os do­ces (es­pe­ci­al­men­te cho­co­la­te) e os fru­tos se­cos. O que o cão pre­ci­sa De­ve es­co­lher de an­te­mão um sí­tio ade­qua­do pa­ra o cão. De­ve ser aco­lhe­dor e fres­co no verão. De­ve tam­bém ad­qui­rir brin­que­dos pa­ra ro­er, uma

cra­te ou par­que pa­ra brin­car, ta­ças pa­ra a água, brin­que­dos dis­pen­sa­do­res de co­mi­da, tre­la e pei­to­ral ou co­lei­ra ade­qua­dos (nem pen­se em co­lei­ras es­tran­gu­la­do­ras). Te­nha al­guns brin­que­dos, co­mo bo­las, cor­das e pe­lu­ches, pa­ra brin­car com o seu cão, pois es­se vai ser um dos momentos altos do seu dia. Trei­ne o seu cão Ou­tro pon­to em que de­ve ser re­al­men­te ho­nes­to é per­ce­ber se tem a ha­bi­li­da­de e a dis­po­ni­bi­li­da­de ne­ces­sá­ri­as pa­ra trei­nar o seu cão. Os cães re­que­rem uma mai­or quan­ti­da­de de trei­no, o que mui­tas ve­zes es­tá re­la­ci­o­na­do com a quan­ti­da­de de tem­po e ati­vi­da­des que par­ti­lham con­nos­co. Qu­an­tos e qu­an­tos cães já fo­ram aban­do­na­dos de­vi­do a tu­to­res ig­no­ran­tes, bem-in­ten­ci­o­na­dos, mas ig­no­ran­tes (não es­tou a ser in­sul­tu­o­so, mas ten­tar fa­zer o melhor que sa­be­mos nem sem­pre é a melhor op­ção) que fa­lha­ram no trei­no cor­re­to dos seus cães. De­fen­do que não exis­tem maus cães. Exis­tem maus tu­to­res que não pro­por­ci­o­nam um trei­no ade­qua­do aos seus cães. Pro­cu­re de for­ma in­for­ma­da e cons­ci­en­te o melhor trei­na­dor, a melhor es­co­la e a melhor au­la pa­ra que o aju­dem a en­si­nar o seu cão e que o in­for­mem da melhor ma­nei­ra pos­sí­vel. O trei­no de obe­di­ên­cia bá­si­ca ou de con­vi­vên­cia com hu­ma­nos vai fa­ci­li­tar a con­vi­vên­cia e a co­mu­ni­ca­ção, pro­mo­ven­do dias, me­ses e anos de ale­gria. Au­las de so­ci­a­bi­li­za­ção

Se op­tar por um ca­chor­ro de­ve pen­sar des­de lo­go em ins­cre­vê-lo em Au­las de So­ci­a­bi­li­za­ção. Es­tas au­las têm um pa­pel de­ter­mi­nan­te no mo­do co­mo o cão vai cres­cer e re­la­ci­o­nar-se com tu­do o que o en­vol­ve em adul­to. O ca­chor­ro apren­de qual a melhor ma­nei­ra de se re­la­ci­o­nar com ou­tros cães, pes­so­as es­tra­nhas e tam­bém co­mo li­dar com uma gran­de va­ri­e­da­de de si­tu­a­ções. São en­si­na­das bo­as ma­nei­ras e com­pe­tên­ci­as so­ci­ais im­por­tan­tes, com­por­ta­men­tos bá­si­cos e pre­ven­ção de maus há­bi­tos e com­por­ta­men­tos pro­ble­má­ti­cos. Após es­te im­por­tan­te pe­río­do, te­rá de con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar e a “per­der” tem­po a en­si­nar o seu cão (in­de­pen­den­te­men­te da ida­de) a fa­zer as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to. Te­nha um lo­cal de­fi­ni­do de an­te­mão pa­ra não an­dar à pro­cu­ra ou a de­fi­ni­lo à última da ho­ra. Se­ja qual for o cão, pre­ci­sa de dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra o trei­nar, pa­ra lhe en­si­nar a melhor for­ma de in­te­ra­gir e co­mu­ni­car con­si­go, de­ven­do es­te en­si­na­men­to ser fei­to atra­vés de au­las de obe­di­ên­cia bá­si­ca in­di­vi­du­ais ou de gru­po e de au­las de ca­chor­ros. Mo­men­to de de­ci­dir! Creio que a par­tir des­te mo­men­to es­tá pre­pa­ra­do pa­ra to­mar uma de­ci­são cor­re­ta e cons­ci­en­ci­o­sa pa­ra si e pa­ra a sua fa­mí­lia ten­do em con­ta todos os as­pe­tos fo­ca­dos. Re­al­ço que a de­ci­são de ado­tar um ani­mal é um com­pro­mis­so não pa­ra ago­ra, mas um com­pro­mis­so pa­ra 10, 12, 15 ou até 20 anos, não de­ven­do de for­ma al­gu­ma ser to­ma­da le­vi­a­na­men­te.

Todos os pas­sei­os são im­por­tan­tes no trei­no e ro­ti­na de um cão.

Du­ran­te uma au­la de Obe­di­ên­cia bá­si­ca.

O Oli­ver co­me a sua re­fei­ção num brin­que­do de es­ti­mu­la­ção men­tal.

O To­mé a dor­mir na sua cra­te, o seu lu­gar pre­fe­ri­do em ca­sa.

O Max a conhecer ga­tos pela pri­mei­ra vez.

Os exer­cí­ci­os de ma­nu­se­a­men­to diá­ri­os nun­ca de­vem ser des­cu­ra­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.