Cães no Go­o­gle: As 10 ques­tões mais pro­cu­ra­das

As 10 ques­tões mais pro­cu­ra­das

Caes & Companhia - - Nesta edição -

O Go­o­gle re­ve­lou as 10 ques­tões re­la­ci­o­na­das com cães que mais são pro­cu­ra­das no seu mo­tor de bus­ca. Co­nhe­ça as de­vi­das res­pos­tas!

Ain­for­ma­ção que nou­tros tem­pos pro­cu­rá­va­mos em pe­sa­das en­ci­clo­pé­di­as, é ho­je ra­pi­da­men­te en­con­tra­da na in­ter­net com a aju­da do Go­o­gle. A bus­ca de cu­ri­o­si­da­des e de co­nhe­ci­men­to sobre ani­mais do­més­ti­cos não é ex­ce­ção. Re­cen­te­men­te, o Go­o­gle re­ve­lou as ques­tões do fo­ro ca­ni­no que mais são pro­cu­ra­das a ní­vel glo­bal. E a AVSAB – So­ci­e­da­de Ve­te­ri­ná­ria Ame­ri­ca­na pa­ra o Com­por­ta­men­to Ani­mal, em de­fe­sa das fon­tes fi­de­dig­nas de co­nhe­ci­men­to, con­vi­dou con­cei­tu­a­dos mé­di­cos ve­te­ri­ná­ri­os pa­ra lhes dar res­pos­ta e pu­bli­cou os re­sul­ta­dos. An­tes de trans­cre­ver­mos as dú­vi­das mais fre­quen­tes e as res­pe­ti­vas res­pos­tas ava­li­za­das pela AVSAB, dei­xa­mos co­mo re­co­men­da­ção o re­cur­so ao mé­di­co ve­te­ri­ná­rio ha­bi­tu­al ou a um téc­ni­co es­pe­ci­a­li­za­do em com­por­ta­men­to ani­mal em ca­so de qual­quer dú­vi­da re­la­ci­o­na­da com es­tes te­mas.

Por­que é que os cães co­mem er­va?

Mui­tos ve­te­ri­ná­ri­os acre­di­tam que é um mo­do de pro­cu­rar alí­vio pa­ra o des­con­for­to fí­si­co de ori­gem gas­troin­tes­ti­nal, in­fec­ci­o­sa ou re­la­ci­o­na­do com pa­ra­si­tas. Ou­tra te­o­ria diz que pro­cu­ram sa­tis­fa­zer a ne­ces­si­da­de or­gâ­ni­ca de cer­tos mi­cro­nu­tri­en­tes que se en­con­tram na er­va. Tam­bém há quem de­fen­da a ideia de que co­mem er­va, sim­ples­men­te, por­que gos­tam.

Os cães so­nham?

São re­co­nhe­ci­das vá­ri­as se­me­lhan­ças en­tre o so­no dos cães e o dos hu­ma­nos. Pro­va­vel­men­te tam­bém há pa­re­cen­ças nos so­nhos. Sa­be­mos que a mai­o­ria dos cães so­nha nos pri­mei­ros 20 mi­nu­tos do so­no, fa­se em que é no­tó­ria al­gu­ma agi­ta­ção – res­pi­ra­ção ir­re­gu­lar, es­pas­mos mus­cu­la­res e mo­vi­men­tos ocu­la­res sob as pál­pe­bras. Con­tu­do, di­fi­cil­men­te al­gum dia sa­be­re­mos aqui­lo com que so­nham os cães.

Por­que ui­vam?

Um cão po­de ui­var por­que es­tá an­gus­ti­a­do, pa­ra mar­car ter­ri­tó­rio, por se sen­tir stres­sa­do nu­ma si­tu­a­ção da qual não con­se­gue sair, ou co­mo res­pos­ta a um ruí­do per­sis­ten­te, co­mo uma si­re­ne, por exem­plo. Mas tam­bém po­de ser um com­por­ta­men­to sim­ples­men­te con­si­de­ra­do di­ver­ti­do pe­los cães. Os lo­bos ui­vam, so­bre­tu­do, pa­ra avi­sar o ini­mi­go de que es­tão pron­tos pa­ra o con­fron­to ou pa­ra gui­ar até ca­sa um mem­bro da fa­mí­lia que se en­con­tre per­di­do. Quan­do o cão ui­va no mo­men­to em que o do­no sai de ca­sa, po­de es­tar a cha­má-lo de volta. Já quan­do ui­va pa­ra ou­tros cães, po­de sig­ni­fi­car “Es­tou per­di­do!” ou “Hei, es­tou aqui!”.

Pa­ra que ser­vem os bi­go­des dos cães?

Os bi­go­des, ou vi­bris­sas (ter­mo téc­ni­co), têm uma fun­ção sen­so­ri­al, que é es­ti­mu­la­da pe­lo to­que, pe­las cor­ren­tes de ar e por vi­bra­ções. Es­tes pe­los es­pe­ta­dos jun­to ao na­riz fun­ci­o­nam co­mo an­te­nas que in­for­mam o cão sobre a pro­xi­mi­da­de de ob­je­tos e de­ter­mi­na­das mo­vi­men­ta­ções. Um cão com os bi­go­des hir­tos e vi­ra­dos pa­ra a fren­te es­tá ner­vo­so e/ou as­sus­ta­do. Es­tes pe­los não de­vem ser ar­ran­ca­dos nem apa­ra­dos, sob pe­na de se es­tra­gar uma im­por­tan­te fon­te ca­ni­na de in­for­ma­ção.

Por­que per­se­guem a cau­da?

Se não for por mo­ti­vos de hi­gi­e­ne, nem pela exis­tên­cia de uma fe­ri­da na cau­da, e se for per­sis­ten­te, o com­por­ta­men­to de­ve ser con­si­de­ra­do anor­mal. Se o com­por­ta­men­to es­ca­lar, tor­nan­do-se com­pul­si­vo, po­de tor­nar-se mui­to per­tur­ba­dor. O com­por­ta­men­to com­pul­si­vo num cão é se­me­lhan­te à per­tur­ba­ção ob­ses­si­vo-com­pul­si­va nas pes­so­as. Acre­di­ta-se que es­te mo­vi­men­to es­ti­mu­la a pro­du­ção de en­dor­fi­na no cé­re­bro, a hor­mo­na res­pon­sá­vel pe­lo pra­zer, o qual, só por si, in­cen­ti­va a re­pe­ti­ção.

Co­mo de­ve­mos lim­par os ou­vi­dos de um cão?

A hi­gi­e­ne au­di­ti­va aju­da a pre­ve­nir in­fe­ções. Os co­to­ne­tes são proi­bi­dos. De­ve usar-se uma so­lu­ção de lim­pe­za pró­pria, in­di­ca­da por um mé­di­co ve­te­ri­ná­rio. De­pois de in­tro­du­zir al­gu­mas go­tas des­ta so­lu­ção den­tro do ou­vi­do, de­ve mas­sa­jar-se a ba­se da ore­lha. Po­de-se dei­xar o cão sa­cu­dir a ca­be­ça pa­ra ex­pul­sar o lí­qui­do e de­pois re­ti­ra-se o ex­ces­so com aju­da de uma com­pres­sa ou de uma to­a­lhi­ta. A lim­pe­za de ro­ti­na, sem ser em ca­so de aler­gi­as ou in­fe­ções, de­ve ser fei­ta uma a du­as ve­zes por se­ma­na.

Por­que têm o na­riz hú­mi­do?

O na­riz dos cães aju­da a re­gu­lar a tem­pe­ra­tu­ra do cor­po. Fun­ci­o­na co­mo glân­du­las su­do­rí­pa­ras (as que pro­du­zem o su­or) e a hu­mi­da­de po­de ser ex­pli­ca­da pela li­ber­ta­ção do ca­lor que se acu­mu­la no cor­po. Os cães trans­pi­ram ex­clu­si­va­men­te atra­vés do na­riz e das al­mo­fa­das das pa­tas. O na­riz hú­mi­do tam­bém au­men­ta a ca­pa­ci­da­de de o cão fa­re­jar. Os ci­en­tis­tas acre­di­tam que a fi­na ca­ma­da de mu­co­sa num na­riz mo­lha­do aju­da o cão a re­ter mo­lé­cu­las de odor que de­pois lam­be e pro­ces­sa atra­vés das glân­du­las ol­fa­ti­vas lo­ca­li­za­das no céu-da-bo­ca. Quan­do o mu­co que é se­gre­ga­do pela ca­vi­da­de na­sal é cla­ro e aquo­so, si­na­li­za uma mu­dan­ça de tem­pe­ra­tu­ra ou aler­gi­as. Quan­do é abun­dan­te e es­bran­qui­ça­do, ama­re­la­do, ver­de, ou com mau chei­ro, é si­nal de que al­go não es­tá bem. Ge­ral­men­te in­di­cia in­fe­ções, ne­o­pla­sia, exis­tên­cia de um cor­po es­tra­nho ou trans­tor­no he­mor­rá­gi­co na ca­vi­da­de na­sal, pe­lo que, quan­do ocor­rer, o cão de­ve ser ob­ser­va­do pe­lo mé­di­co ve­te­ri­ná­rio lo­go que pos­sí­vel.

Co­mo fa­zê-lo pa­rar de ca­var?

Os cães es­ca­vam por brin­ca­dei­ra ou co­mo ato ex­plo­ra­tó­rio. Tra­ta-se de um com­por­ta­men­to nor­mal, mas se não for con­tro­la­do po­de es­ca­lar até ní­veis in­to­le­rá­veis. Pa­ra eli­mi­nar o com­por­ta­men­to, não se de­ve dei­xar o cão so­zi­nho num lo­cal on­de já es­ca­vou. As áre­as de­li­ca­das, co­mo can­tei­ros e jar­dins, de­vem ser pro­te­gi­das. E é im­por­tan­te man­ter o cão ocu­pa­do com ou­tras ati­vi­da­des. Po­de-se co­lo­car à dis­po­si­ção do cão uma cai­xa com areia e in­cen­ti­vá-lo a ca­var ape­nas ali, en­ter­ran­do o brin­que­do de que ele mais gos­ta, por exem­plo.

Co­mo apre­sen­tar um cão a um be­bé ou a um ga­to?

A pri­mei­ra re­gra que as apre­sen­ta­ções de­vem res­pei­tar é a su­per­vi­são de um adul­to. A se­gun­da re­gra é con­du­zir o pro­ces­so de apre­sen­ta­ção len­ta­men­te. Os su­jei­tos de­vem ser man­ti­dos se­pa­ra­dos, mas de mo­do a con­se­gui­rem ver, ou­vir e chei­rar o ou­tro. Ao mí­ni­mo si­nal de an­si­e­da­de ou me­do, de­ve-se in­ter­rom­per es­te con­tac­to. Quan­do es­ti­ve­rem acos­tu­ma­dos uns aos ou­tros, de­ve-se pro­por­ci­o­nar o con­tac­to di­re­to com mui­to cui­da­do. En­tre apro­xi­ma­ções de cur­ta du­ra­ção, de­ve-se fa­zer in­ter­va­los de dis­tan­ci­a­men­to de 5 a 15 mi­nu­tos. Du­ran­te as apre­sen­ta­ções, não de­ve ha­ver co­mi­da ou brin­que­dos por per­to. No ca­so de um be­bé, quan­do es­te ain­da es­ti­ver na ma­ter­ni­da­de, de­ve-se dei­xar o cão chei­rar uma man­ta im­preg­na­da do seu chei­ro. In­de­pen­den­te­men­te da an­ti­gui­da­de do ani­mal, e do tem­pe­ra­men­to dó­cil que pos­sa ter, nun­ca de­vem ser per­mi­ti­das in­te­ra­ções com um be­bé sem a su­per­vi­são de um adul­to.

Por­que é que en­ter­ram os os­sos?

É na­tu­ral os cães cri­a­rem de­pó­si­tos on­de es­con­dem co­mi­da du­ran­te al­gu­ma si­tu­a­ção ame­a­ça­do­ra ou até que ter­mi­ne um pe­río­do de es­cas­sez de ali­men­tos. Ape­sar de o nos­so cão po­der es­tar per­fei­ta­men­te ali­men­ta­do, é di­fí­cil eli­mi­nar um com­por­ta­men­to na­tu­ral e ins­tin­ti­vo co­mo es­te.

Os do­nos de­vem con­sul­tar o mé­di­co ve­te­ri­ná­rio ha­bi­tu­al ou um téc­ni­co es­pe­ci­a­li­za­do em com­por­ta­men­to ani­mal em ca­so de qual­quer dú­vi­da re­la­ci­o­na­da com es­tes te­mas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.