Aman­da & Bo­ris: Os ros­tos do Le Ter­ri­er Stu­dio

Os ros­tos do Le Ter­ri­er Stu­dio

Caes & Companhia - - Nesta edição -

O Le Ter­ri­er Stu­dio é um es­tú­dio de fo­to­gra­fia, mui­to per­to de Lis­boa, on­de é pos­sí­vel agen­dar uma ses­são fo­to­grá­fi­ca com o seu cão num es­pa­ço to­tal­men­te Dog Fri­en­dly, com vá­ri­os ce­ná­ri­os e aces­só­ri­os, on­de o seu cão até po­de des­con­trair um pou­co no so­fá en­quan­to vê a DOGTV.

Aman­da Tei­xei­ra, de 24 anos, é li­cen­ci­a­da em Au­di­o­vi­su­al e Mul­ti­mé­dia, pela Es­co­la Su­pe­ri­or de Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al. No fi­nal do cur­so de­ci­diu ali­ar a sua pai­xão pela fo­to­gra­fia e amor pe­los cães, e lan­çar o pro­je­to Le Ter­ri­er Stu­dio. O pri­mei­ro mo­de­lo foi o Bo­ris, o seu Bos­ton Ter­ri­er, ago­ra com 4 anos, que é a mas­co­te, no­me e ima­gem do es­tú­dio. Co­nhe­ce­mos a Aman­da du­ran­te uma ses­são com cães da ra­ça Bull Ter­ri­er pa­ra fa­zer­mos a ca­pa da nos­sa edi­ção de no­vem­bro de 2015. À che­ga­da ao es­tú­dio tí­nha­mos um qua­dro que nos da­va as “Bo­as Vin­das” a giz. A ex­pe­ri­ên­cia cor­reu mui­to bem, as fo­to­gra­fi­as su­pe­ra­ram as nos­sas ex­pe­ta­ti­vas e des­de en­tão ou­tras ses­sões se se­gui­ram – Bou­le­do­gue Fran­cês, Cão de Água Por­tu­guês, Jack Rus­sell Ter­ri­er, Sch­nau­zer Mi­ni­a­tu­ra, Cão de Pas­tor Bel­ga, Yorkshi­re Ter­ri­er e Rottwei­ler. Atu­al­men­te, po­de­mos di­zer que a Aman­da, e o Le Ter­ri­er Stu­dio, tam­bém já fa­zem um pou­co par­te da fa­mí­lia da revista “Cães & Com­pa­nhia”. E es­ta­va mais do que na ho­ra de dar a conhecer o tra­ba­lho des­ta fo­tó­gra­fa apai­xo­na­da por ani­mais, que de­ci­diu em­bar­car na aven­tu­ra de ter um es­tú­dio fo­to­grá­fi­co só pa­ra cães!

Po­de­mos di­zer que esta aven­tu­ra co­me­ça com a che­ga­da do Bo­ris?

Sim. A ver­da­de é que sem­pre fui apai­xo­na­da por fo­to­gra­fia. Des­de ce­do sa­bia que se­ria par­te do meu fu­tu­ro pro­fis­si­o­nal. Tam­bém sem­pre fui apai­xo­na­da por ani­mais, es­pe­ci­al­men­te cães, mas nun­ca pen­sei que pu­des­se jun­tar as du­as coi­sas que mais ado­ro e tor­nar esta com­bi­na­ção em um tra­ba­lho. O Bo­ris foi o meu pri­mei­ro cão e sem­pre foi um ex­ce­len­te mo­de­lo. Foi com ele que co­me­çou o so­nho.

Co­mo de­ci­diu dar “o sal­to” e abrir o es­tú­dio?

Tu­do co­me­çou em ca­sa – com um kit de ilu­mi­na­ção “ba­ra­tu­cho” que com­prei. Co­me­cei a ti­rar fo­to­gra­fi­as ao Bo­ris que cri­a­ram fu­ror nas re­des so­ci­ais. Re­ce­bia men­sa­gens qua­se todos os dias a per­gun­tar on­de po­de­ri­am ti­rar fo­to­gra­fi­as se­me­lhan­tes aos seus ca­ni­tos. Pa­re­ceu-me uma opor­tu­ni­da­de pa­ra cri­ar um es­tú­dio pa­ra cães, e pa­ra os seus do­nos, cla­ro.

Quais as ex­pec­ta­ti­vas que ti­nha pa­ra es­te pro­je­to?

Ini­ci­al­men­te sa­bia que não iria ser fá­cil, por ser uma ideia no­va. A ver­da­de é que os cães es­tão a ter mais es­pa­ço na fa­mí­lia e es­tão, fi­nal­men­te, a ser tra­ta­dos co­mo se­res que me­re­cem to­do amor, ca­ri­nho e pro­te­ção. Por que não cri­ar um es­tú­dio pa­ra eles e pa­ra as su­as fa­mí­li­as? O pro­je­to tem cor­ri­do mui­to bem e te­mos ti­do, ao lon­go dos anos, um fe­ed­back po­si­ti­vo mui­to gran­de. O vo­lu­me de tra­ba­lho con­ti­nua a au­men­tar e exis­te a pos­si­bi­li­da­de de ex­pan­são. Es­ta­mos mui­to con­fi­an­tes!

O que é pos­sí­vel fa­zer em uma ses­são fo­to­grá­fi­ca?

As ses­sões são to­das mui­to per­so­na­li­za­das. Te­mos cli­en­tes que op­tam por fo- to­gra­far o cão so­zi­nho. Ou­tros tra­zem a fa­mí­lia to­da. Fo­to­gra­fa­mos be­bés, cri­an­ças, grá­vi­das e fa­mí­li­as in­tei­ras. Já fi­ze­mos con­vi­tes de ca­sa­men­to, anún­ci­os de gra­vi­dez, che­ga­da do be­bé, pos­tais de Na­tal, Hal­lowe­en, Pás­coa, de tu­do um pou­co. Tu­do is­to com a fa­mí­lia to­da, cão in­cluí­do, cla­ro! Tam­bém gos­ta­mos de fo­to­gra­far os do­nos in­di­vi­du­al­men­te. Eles tam­bém me­re­cem uma fo­to­gra­fia gi­ra. Te­mos vá­ri­os ce­ná­ri­os, co­res e aces­só­ri­os

pa­ra todos os gos­tos. Além de bo­as fo­to­gra­fi­as, tam­bém que­re­mos que os nos­sos cli­en­tes se di­vir­tam e te­nham uma boa ex­pe­ri­ên­cia no Le Ter­ri­er Stu­dio. É obri­ga­tó­rio di­ver­ti­rem-se.

E po­de­mos le­var um ga­to…

In­fe­liz­men­te te­nho uma (in­jus­ta) aler­gia aos ami­gos fe­li­nos. Ape­sar dis­so, já fo­to­gra­fá­mos co­e­lhos, por­qui­nhos-da-ín­dia e até mes­mo uma tar­ta­ru­ga. Se a fa­mí­lia ti­ver qual­quer ou­tro ani­mal, tam­bém se­rá bem-vin­do.

Du­ran­te uma ses­são o que é mais “com­pli­ca­do”, os cães ou os do­nos?

Não há du­as ses­sões iguais. Tu­do mu­da. Co­mo as pes­so­as, ca­da cão tem a sua personalidade. Às ve­zes é com­pli­ca­do, ou­tras ve­zes são ses­sões fa­cí­li­mas. Pos­so di­zer que os do­nos tam­bém po­dem com­pli­car a ses­são – po­dem fi­car stres­sa­dos, ou an­si­o­sos pe­lo cão não es­tar a obe­de­cer e po­dem com­pro­me­ter o re­sul­ta­do fi­nal. Os cães sen­tem tu­do: o ner­vo­sis­mo do do­no pas­sa di­re­ta­men­te pa­ra o cão. Nes­sas oca­siões, pe­di­mos cor­di­al­men­te ao tu­tor pa­ra dar um pas­seio no jar­dim em fren­te ao es­tú­dio e os pa­tu­dos trans­for­mam-se. É pre­ci­so ter cal­ma e pa­ci­ên­cia a li­dar com os bi­chi­nhos.

Até ago­ra qual foi o episódio mais ca­ri­ca­to que já te­ve?

Já ti­ve­mos inú­me­ros – des­de cães a sal­ta­rem pela ja­ne­la (mo­ti­vo pe­lo qual im­ple­men­tá­mos gra­des), a fa­ze­rem xi­xi em ci­ma de nós e até mes­mo a man­da­rem o equi­pa­men­to ao chão. Mas o fac­to é que nas fo­to­gra­fi­as pa­re­cem uns an­ji­nhos. De­pois há aque­les mui­to en­gra­ça­dos

“Além de bo­as fo­to­gra­fi­as, tam­bém que­re­mos que os cli­en­tes se di­vir­tam e te­nham uma boa ex­pe­ri­ên­cia no Le Ter­ri­er Stu­dio”

que pa­re­cem que per­ce­bem que têm de fa­zer po­ses e são ver­da­dei­ros Top Mo­del. É de rir!

E quais as fo­to­gra­fi­as que são mais es­pe­ci­ais pa­ra si?

Pa­ra mim, as mais es­pe­ci­ais são aque­las que de­mons­tram a personalidade do cão. Tam­bém aque­las que o amor do cão com o do­no trans­pa­re­ce na ima­gem. Às ve­zes até fi­co emo­ci­o­na­da.

Mas sa­be­mos que, além do Bo­ris, há uma me­ni­na na sua vi­da.

É ver­da­de. A Ma­lu che­gou nas nos­sas vi­das pou­co de­pois de abrir­mos o es­tú­dio. Foi ado­ta­da na APA Tor­res Ve­dras e é, des­de en­tão, mui­to es­pe­ci­al pa­ra mim. Ofi­ci­al­men­te é da mi­nha mãe, Fernanda, mas brin­co e di­go que te­nho uma ca­de­la “em part ti­me”. Foi trei­na­da pa­ra ser mo­de­lo, co­mo o Bo­ris, e ti­ra fo­to­gra­fi­as co­mo uma ver­da­dei­ra pro­fis­si­o­nal.

Foi a Ma­lu que a in­cen­ti­vou a abra­çar uma ver­ten­te de tra­ba­lho fo­to­grá­fi­co so­li­dá­rio?

Sem dú­vi­da. Já tí­nha­mos uma gran­de com­pai­xão pe­los cães que não têm a mes­ma sor­te que o Bo­ris, por exem­plo, mas ado­tar a Ma­lu foi um mo­men­to “abre-olhos”. In­fe­liz­men­te, os ca­nis e as­so­ci­a­ções es­tão lo­ta­dos. Nós ten­ta­mos de tu­do pa­ra in­cen­ti­var a ado­ção de ani­mais, aju­dar na re­co­lha de do­na­ti­vos e di­vul­gar os ami­gos que pre­ci­sam de uma boa ca­sa.

Co­mo é que os nos­sos lei­to­res po­dem acom­pa­nhar o seu tra­ba­lho?

Po­dem acom­pa­nhar as nos­sas aven­tu­ras pela página de Fa­ce­bo­ok e Ins­ta­gram, que atu­a­li­za­mos com fo­to­gra­fi­as dos nos­sos pa­tu­dos e tam­bém com ima­gens de co­mo as fo­to­gra­fi­as fo­ram fei­tas, os behind the sce­nes.

E co­mo po­dem agen­dar uma ses­são con­si­go?

Pa­ra mar­car uma ses­são no Le Ter­ri­er

Stu­dio po­de en­trar em con­tac­to con­nos­co por email e agen­dar um dia e ho­ra, con­ve­ni­en­te pa­ra os dois la­dos. As ses­sões du­ram en­tre 1 a 3 três ho­ras. Te­mos pa­co­tes de 10, 15, 20 e 30 fo­to­gra­fi­as, que va­ri­am en­tre os 89€ e os 159€. O nú­me­ro de tu­to­res não in­flu­en­cia o va­lor da ses­são, por­tan­to, po­de vir a fa­mí­lia to­da! Te­mos al­gu­mas con­di­ções co­mo: os cães não po­dem ser agres­si­vos e têm de es­tar va­ci­na­dos, en­tre ou­tros ter­mos bá­si­cos. Os cães não têm ne­ces­sa­ri­a­men­te de es­tar trei­na­dos. Li­da­mos com todos os ti­pos de ani­mais.

Quais os pla­nos pa­ra o fu­tu­ro?

O nos­so mai­or pla­no é con­ti­nu­ar a cres­cer e ex­pan­dir a nos­sa mar­ca pa­ra to­do o país e até mes­mo pa­ra o es­tran­gei­ro. Con­ti­nu­ar a fa­zer as fa­mí­li­as fe­li­zes com uma lin­da re­cor­da­ção do seu melhor ami­go pa­ra to­da a vi­da.

“O Bo­ris foi o meu pri­mei­ro cão e sem­pre foi um ex­ce­len­te mo­de­lo. Foi com ele que co­me­çou o so­nho.”

“O Billy, Bo­ris Jr e Benny são da ra­ça Bos­ton Ter­ri­er co­mo o nos­so Bo­ris. Mui­to fo­fi­nhos, que­ri­dos, su­per di­ver­ti­dos e bem-edu­ca­dos. Foi uma ses­são com mui­to amor.”

“A Ri­ta e a Sa­fi­ra. Uma ses­são com umas cli­en­tes que vi­ra­ram ami­gas. São mui­to uni­das e o amor de­las é lin­do. Es­tão sem­pre jun­tas!”

“Jo­ker e Pep­per são dois dos qua­tro ti­pos de Pas­tor Bel­ga. Obe­di­en­tes, que­ri­dos e brin­ca­lhões! Por­ta­ram-se mui­to bem na ses­são.”

“A Chi­ca é uma Do­gue de Bor­déus lin­dís­si­ma. Su­per edu­ca­da e mi­ma­da pela do­na, que tam­bém era in­crí­vel. Ado­rá­mos as du­as! São da­que­las que nos mar­ca­ram.”

“O be­bé Cláu­dio com a Ams­taff Baby­doll são os me­lho­res ami­gos. Brin­cam jun­tos, com mui­to cui­da­do um com o ou­tro. É lin­da de ver esta re­la­ção.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.