Ga­tos: Dar me­di­ca­men­tos… sem ar­ra­nha­de­las

Quan­do o seu ga­to es­tá do­en­te e de­pois de con­sul­tar um mé­di­co ve­te­ri­ná­rio, a ad­mi­nis­tra­ção da me­di­ca­ção se­rá fei­ta por si em ca­sa. Os ga­tos são ani­mais ex­tra­or­di­na­ri­a­men­te de­sa­fi­an­tes no que res­pei­ta à to­ma de me­di­ca­ção ou à re­a­li­za­ção de pe­que­nos tra­ta­me

Caes & Companhia - - Nesta edição -

Co­mo tal, é im­por­tan­te que es­te­ja pre­ve­ni­do pa­ra po­ten­ci­ais obs­tá­cu­los pa­ra dar a me­di­ca­ção ou fa­zer um tra­ta­men­to mé­di­co sim­ples. Pa­ra is­so des­cre­ve­mos al­gu­mas téc­ni­cas pa­ra que a ta­re­fa se­ja mais fá­cil pa­ra si e a ex­pe­ri­ên­cia se­ja mais agra­dá­vel pa­ra o seu ga­to.

Me­di­ca­ção oral

A pres­cri­ção de me­di­ca­ção oral po­de ser fei­ta sob a for­ma de com­pri­mi­dos, cáp­su­las, xa­ro­pes ou soluções orais. A sim­ples ad­mi­nis­tra­ção de um com­pri­mi­do a um ga­to po­de ser um ver­da­dei­ro pe­sa­de­lo! Quan­do for dar a me­di­ca­ção ao seu ga­to cer­ti­fi­que-se de que a me­di­ca­ção de­ve ser ad­mi­nis­tra­da com co­mi­da ou em je­jum, e se os com­pri­mi­dos po­dem ser par­ti­dos ou tri­tu­ra­dos. Al­guns com­pri­mi­dos são fa­bri­ca­dos já com um sa­bor ape­la­ti­vo pa­ra os ani­mais (com­pri­mi­dos pa­la­tá­veis), e nes­te ca­so po­de­rá ten­tar dá-los di­re­ta­men­te ao seu ga­to. To­do pro­ces­so de dar me­di­ca­ção oral de­ve ser fei­to ra­pi­da­men­te, mas com cal­ma, de mo­do a que o ga­to não fi­que abor­re­ci­do. No fi­nal ve­ri­fi­que sem­pre se a me­di­ca­ção foi to­ma­da, pois al­guns ga­tos são mui­to ha­bi­li­do­sos e con­se­guem dei­tar fo­ra o com­pri­mi­do sem dar nas vis­tas.

Com a co­mi­da

Se o com­pri­mi­do for pequeno, o seu ga­to po­de re­ce­bê-lo es­con­di­do nu­ma pe­que­na quan­ti­da­de do seu ali­men­to fa­vo­ri­to ou de quei­jo, car­ne, etc. Con­tu­do, esta téc­ni­ca ape­nas de­ve­rá ser uti­li­za­da na ad­mi­nis­tra­ção pon­tu­al de com­pri­mi-

dos. Quan­do fa­la­mos em tra­ta­men­tos cró­ni­cos, os ga­tos aca­bam por con­se­guir se­pa­rar o me­di­ca­men­to da co­mi­da e po­dem de­sen­vol­ver aver­são a es­ses ali­men­tos. A me­nos que o seu ve­te­ri­ná­rio di­ga que a me­di­ca­ção de­ve ser ad­mi­nis­tra­da com ali­men­tos, não uti­li­ze a co­mi­da pa­ra dar me­di­ca­ções, pois esta prá­ti­ca po­de­rá cau­sar aver­são a al­guns ali­men­tos, re­du­zin­do a in­ges­tão de co­mi­da e atra­san­do a re­cu­pe­ra­ção do seu ga­to.

Dar o com­pri­mi­do di­re­ta­men­te

Al­ter­na­ti­va­men­te, os com­pri­mi­dos po­dem ser ad­mi­nis­tra­dos di­re­ta­men­te na bo­ca. Pa­ra o fa­zer de­ve ser cau­te­lo­so, pa­ra evi­tar uma mor­de­du­ra ou ar­ra­nha­de­la aci­den­tal. Esta ta­re­fa se­rá mui­to mais fá­cil com du­as pes­so­as, uma a se­gu­rar o ga­to e ou­tra a dar o com­pri­mi­do. O pri­mei­ro pas­so se­rá fa­zer uma boa con­ten­ção do seu ga­to: Ve­ri­fi­que se o seu ga­to es­tá nu­ma su­per­fí­cie es­tá­vel, não-der­ra­pan­te, e as­se­gu­re-se de que es­tá tu­do pron­to pa­ra dar o com­pri­mi­do an­tes de o con­ter; Sen­te o seu ga­to; Se ele es­ti­ver mui­to agi­ta­do, po­de en­vol­vê-lo cui­da­do­sa­men­te nu­ma to­a­lha, de for­ma a que ape­nas a ca­be­ça fi­que de fo­ra.

Se­rin­gas pa­ra dar com­pri­mi­dos

Exis­tem se­rin­gas es­pe­ci­al­men­te for­mu­la­das pa­ra ad­mi­nis­trar com­pri­mi­dos a ani­mais de com­pa­nhia. Esta se­rin­ga fun­ci­o­na com um êm­bo­lo à se­me­lhan­ça de uma se­rin­ga tra­di­ci­o­nal, con­tu­do na pon­ta pos­sui uma pin­ça fle­xí­vel on­de se co­lo­ca o com­pri­mi­do. De­pois bas­ta co­lo­car a se­rin­ga no in­te­ri­or da bo­ca do ga­to e pres­si­o­nar ra­pi­da­men­te o êm­bo­lo pa­ra sol­tar o com­pri­mi­do na ba­se da lín­gua. Es­te ins­tru­men­to po­de­rá pou­par al­guns ar­ra­nhões ou mor­de­du­ras e per­mi­tir dar os com­pri­mi­dos de for­ma mais efi­caz e se­gu­ra.

Xa­ro­pes ou soluções orais

Pa­ra ad­mi­nis­trar xa­ro­pes ou soluções orais, o ide­al é fa­zê-lo com a aju­da de uma se­rin­ga, que de­ve ser co­lo­ca­da en­tre os den­tes mo­la­res e di­re­ci­o­na­da pa­ra a gar­gan­ta do ga­to.

Apli­ca­ção de go­tas ocu­la­res

A apli­ca­ção de go­tas nos olhos do seu ga­to po­de ser uma ta­re­fa di­fí­cil. Em al­guns ca­sos se­rão ne­ces­sá­ri­as du­as pes­so­as, uma pa­ra se­gu­rar a ca­be­ça e ou­tra pa­ra apli­car a me­di­ca­ção. Tal co­mo pa­ra a ad­mi­nis­tra­ção de me­di­ca­ção oral,

Al­guns ga­tos de­sen­vol­vem aver­são à co­mi­da, por­que as­so­ci­am es­te ali­men­to a um es­ta­do de do­en­ça ou à ad­mi­nis­tra­ção de me­di­ca­ção

esta ta­re­fa se­rá fa­ci­li­ta­da pela con­ten­ção do ga­to, em­bru­lha­do nu­ma to­a­lha. Cer­ti­fi­que-se de que os olhos do seu ga­to es­tão lim­pos an­tes de apli­car o co­lí­rio ou a po­ma­da, ca­so con­trá­rio lim­pe as se­cre­ções pre­vi­a­men­te com uma com­pres­sa e so­ro fi­si­o­ló­gi­co. Abra a pál­pe­bra de­li­ca­da­men­te en­tre o po­le­gar e o in­di­ca­dor da mão es­quer­da e man­te­nha a ca­be­ça li­gei­ra­men­te in­cli­na­da pa­ra ci­ma. Com a mão di­rei­ta, que po­de es­tar apoi­a­da sobre a ca­be­ça pa­ra con­fe­rir es­ta­bi­li­da­de, apli­que as go­tas sobre a su­per­fí­cie ocu­lar. Ca­so es­te­ja a apli­car uma po­ma­da ocu­lar o pro­ce­di­men­to é idên­ti­co, con­tu­do de­ve fa­zer uma mas­sa­gem no fi­nal pa­ra as­se­gu­rar uma dis­tri­bui­ção uni­for­me do pro­du­to pela su­per­fí­cie do olho.

Apli­ca­ção de go­tas pa­ra os ou­vi­dos

A apli­ca­ção de go­tas ou po­ma­das nos ou­vi­dos des­ti­na-se à lim­pe­za dos ou­vi­dos ou ao tra­ta­men­to de oti­tes. An­tes de apli­car a me­di­ca­ção de­ve cer­ti­fi­car-se de que o ou­vi­do es­tá lim­po. Os me­di­ca­men­tos a apli­car de­pen­dem do ti­po de oti­te e da pre­sen­ça de bac­té­ri­as, fun­gos ou pa­ra­si­tas. Uma das mãos pu­xa a ore­lha pa­ra ci­ma, pa­ra ex­por a en­tra­da do ca­nal au­di­ti­vo. In­si­ra a pon­ta do fras­co no ca­nal au­di­ti­vo e pres­si­o­ne de­li­ca­da­men­te a em­ba­la­gem pa­ra apli­car o nú­me­ro de go­tas ne­ces­sá­ri­as. Mas­sa­je bem a ba­se da ore­lha do seu ga­to pa­ra que o pro­du­to se­ja dis­tri­buí­do em pro­fun­di­da­de no ca­nal au­di­ti­vo. No fi­nal da apli­ca­ção de­ve re­mo­ver o ex­ces­so de pro­du­to com uma com­pres­sa.

Apli­ca­ção de pi­pe­tas (spot-on)

Mui­tos dos pro­du­tos uti­li­za­dos atu­al­men­te pa­ra con­tro­lo de pul­gas, car­ra­ças e até mes­mo pa­ra­si­tas in­ter­nos apre­sen­tam-se sobre a for­ma de spot-on ou pi­pe­tas, o que fa­ci­li­ta mui­to a sua apli­ca­ção em ga­tos. Na uti­li­za­ção da mai­o­ria dos pro­du­tos não se re­co­men­da o ba­nho ou imer­são em água nos 2 dias an­tes e após apli­ca­ção da pi­pe­ta, pois po­de­ria afe­tar a efi­cá­cia do pro­du­to. Nun­ca use no seu ga­to pi­pe­tas des­pa­ra­si­tan­tes des­ti­na­das a cães, pois ge­ral­men­te con­têm per­me­tri­nas, tó­xi­cas e po­ten­ci­al­men­te fa­tais pa­ra os ga­tos. Con­fir­me sem­pre an­tes da apli­ca­ção se o pro­du­to po­de ser uti­li­za­do em ga­tos.

Pa­ra uma cor­re­ta apli­ca­ção

Afas­te o pe­lo, até que a pe­le fi­que vi­sí­vel; Co­lo­que a pi­pe­ta em po­si­ção ver­ti­cal, em con­tac­to com a pe­le, e aper­te de­li­ca­da­men­te até es­va­zi­ar o seu con­teú­do. A zo­na pre­fe­ren­ci­al pa­ra co­lo­ca­ção do pro­du­to é a ba­se do pes­co­ço, já que é uma zo­na com a qual o ani­mal não con­se­gue con­tac­tar; La­ve mui­to bem as mãos no fi­nal da apli­ca­ção.

A ali­men­ta­ção é cru­ci­al

A ali­men­ta­ção é um pon­to cru­ci­al na re­cu­pe­ra­ção de ga­tos do­en­tes e, na mai­o­ria dos ca­sos, o pa­pel dos do­nos é fun­da­men­tal. Se o seu ga­to foi ope­ra­do ou es­ti­ver do­en­te po­de per­der o ape­ti­te e até mes­mo dei­xar de co­mer. A ques­tão é que a per­pe­tu­a­ção da ano­re­xia faz com que a si­tu­a­ção se tor­ne um ci­clo vi­ci­o­so: qu­an­to me­nos co­me, mais fra­co fi­ca e me­nos ape­ti­te tem. Os

pa­ci­en­tes fe­li­nos que não se ali­men­tem bem po­dem apre­sen­tar que­bras imu­ni­tá­ri­as e atra­sos de ci­ca­tri­za­ção. Ao con­trá­rio dos pa­ci­en­tes ca­ni­nos, que po­dem pas­sar al­gum tem­po sem co­mer sem con­sequên­ci­as gra­ves, os ga­tos po­dem de­sen­vol­ver ra­pi­da­men­te uma al­te­ra­ção he­pá­ti­ca que se de­sig­na de li­pi­do­se he­pá­ti­ca. Al­guns ga­tos de­sen­vol­vem aver­são à co­mi­da, por­que as­so­ci­am de­ter­mi­na­do ali­men­to a uma con­di­ção de do­en­ça ou à ad­mi­nis­tra­ção de me­di­ca­ção.

Di­cas pa­ra en­co­ra­jar o seu ga­to a co­mer

Cer­ti­fi­que-se de que o seu ga­to se sen­te con­for­tá­vel e se­gu­ro. Dê-lhe al­gum es­pa­ço lon­ge dos ou­tros ani­mais da ca­sa; Dê-lhe aten­ção e ca­ri­nho e in­cen­ti­ve-o a co­mer, ofe­re­cen­do pe­que­nos pe­da­ços de co­mi­da na pon­ta dos seus de­dos; Uti­li­ze co­mi­das com sa­bo­res for­tes e ape­la­ti­vos; Ten­te sem­pre ofe­re­cer ali­men­tos com tex­tu­ras di­ver­si­fi­ca­das (pa­tê, sa­que­tas e ra­ção se­ca); No ca­so das ra­ções hú­mi­das, aquecer li­gei­ra­men­te a co­mi­da à tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral aju­da a li­ber­tar o aro­ma do ali­men­to, o que po­de­rá tor­nar o ali­men­to mais ape­la­ti­vo pa­ra o ga­to; Se o seu ga­to não co­mer, re­mo­va a ali­men­ta­ção e ten­te no­va­men­te um pou­co mais tar­de.

Be­ber água

O au­men­to do con­su­mo de água po­de sur­gir co­mo re­co­men­da­ção te­ra­pêu­ti­ca em al­gu­mas do­en­ças. Por exem­plo, ga­tos com do­en­ças do tra­to uri­ná­rio in­fe­ri­or de­vem ser en­co­ra­ja­dos a be­ber mais água com o ob­je­ti­vo de di­luir a uri­na, as­sim co­mo ga­tos com in­su­fi­ci­ên­cia re­nal cró­ni­ca de­vem be­ber mui­ta água pa­ra pre­ve­nir a de­si­dra­ta­ção. In­de­pen­den­te­men­te do mo­ti­vo, exis­tem al­gu­mas es­tra­té­gi­as que po­de­mos ado­tar pa­ra o con­se­guir.

Di­cas pa­ra en­co­ra­jar o seu ga­to a be­ber mais água

Ofe­re­ça uma ra­ção hú­mi­da; Acres­cen­te um pou­co de água à co­mi­da; Al­guns ga­tos têm pre­fe­rên­cia pe­lo ti­po de água (água da chu­va, água en­gar­ra­fa­da ou da tor­nei­ra, etc.). Ten­te ofe­re­cer di­fe­ren­tes ti­pos de água, pa­ra per­ce­ber qual a que o seu ga­to mais gos­ta; Co­lo­que di­fe­ren­tes re­ci­pi­en­tes de água pela ca­sa, pre­fe­ren­ci­al­men­te afas­ta­dos da co­mi­da e da cai­xa de areia; Mui­tos ga­tos pre­fe­rem be­ber água cor­ren­te – se for es­se o ca­so po­de­rá co­lo­car à sua dis­po­si­ção uma fon­te de água, pa­ra in­cen­ti­var o con­su­mo; Ofe­re­ça água aro­ma­ti­za­da, por exem­plo, água da co­ze­du­ra de car­ne ou pei­xe; Fa­ça cu­bos de ge­lo de água aro­ma­ti­za­da. Co­lo­que um cu­bo de ge­lo na ta­ça de água do seu ga­to pa­ra re­fres­car e si­mul­ta­ne­a­men­te con­fe­rir al­gum sa­bor à água de be­bi­da; Te­nha sem­pre o cui­da­do de re­no­var a água com frequên­cia, pa­ra evi­tar o ris­co de de­te­ri­o­ra­ção.

Pa­ra ad­mi­nis­trar xa­ro­pes ou soluções orais, o ide­al é fa­zê-lo com a aju­da de uma se­rin­ga.

Na apli­ca­ção de go­tas nos olhos po­dem ser ne­ces­sá­ri­as du­as pes­so­as, uma pa­ra se­gu­rar a ca­be­ça e ou­tra pa­ra apli­car a me­di­ca­ção.

Pos­te­ri­or­men­te fe­che a bo­ca do ga­to. Se mas­sa­jar a zo­na do pes­co­ço ou so­prar sobre o na­riz do ga­to vai in­cen­ti­vá-lo a de­glu­tir. Po­de tam­bém dar um pou­co de água ou co­mi­da com uma se­rin­ga, pa­ra se cer­ti­fi­car de que ele o to­ma.

A mão di­rei­ta de­ve se­gu­rar o com­pri­mi­do ou cáp­su­la e o de­do mé­dio em­pur­ra a man­dí­bu­la pa­ra bai­xo, pa­ra que a bo­ca per­ma­ne­ça bem aber­ta.

Se­gu­re a ca­be­ça do ga­to en­tre o po­le­gar e o in­di­ca­dor da mão es­quer­da e de­li­ca­da­men­te in­cli­ne a ca­be­ça pa­ra ci­ma.

O com­pri­mi­do de­ve ser co­lo­ca­do no fun­do da bo­ca, na ba­se da lín­gua, de for­ma a fa­ci­li­tar a sua de­glu­ti­ção.

A apli­ca­ção de go­tas ou po­ma­das nos ou­vi­dos des­ti­na-se à lim­pe­za dos ou­vi­dos ou ao tra­ta­men­to de oti­tes.

Nun­ca use no seu ga­to pi­pe­tas des­pa­ra­si­tan­tes des­ti­na­das a cães.

Mui­tos ga­tos pre­fe­rem be­ber água cor­ren­te, se for es­se o ca­so po­de­rá co­lo­car à sua dis­po­si­ção uma fon­te de água, pa­ra in­cen­ti­var o con­su­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.