Saú­de Ani­mal Na­tu­ral: Sín­dro­me de Wob­bler

Ir mais lon­ge com saú­de na­tu­ral

Caes & Companhia - - Nesta edição -

A sín­dro­me de Wob­bler é uma de­sig­na­ção co­nhe­ci­da quan­do nos re­fe­ri­mos a do­en­ça da co­lu­na cer­vi­cal cau­dal. Os si­nais pre­co­ces des­ta do­en­ça são fa­cil­men­te con­fun­di­dos com os de ou­tras do­en­ças or­to­pé­di­cas ou neu­ro­ló­gi­cas da co­lu­na lom­bar e to­rá­ci­ca e de­vem de ser di­fe­ren­ci­a­dos atem­pa­da­men­te pa­ra evi­tar que a do­en­ça pro­gri­da até à in­ca­pa­ci­da­de to­tal.

A sín­dro­me de Wob­bler é uma de­sig­na­ção co­nhe­ci­da quan­do nos re­fe­ri­mos a do­en­ça da co­lu­na cer­vi­cal cau­dal

Asín­dro­me de Wob­bler é uma do­en­ça da co­lu­na cer­vi­cal cau­dal, ou se­ja, sur­ge na re­gião do pes­co­ço mais pró­xi­ma do tó­rax do ani­mal, e afe­ta as úl­ti­mas vér­te­bras des­ta re­gião da co­lu­na. Em ge­ral en­vol­ve os dis­cos in­ter­ver­te­brais, de­sig­nan­do-se por es­pon­di­lo­pa­tia, e/ou tam­bém a pró­pria es­pi­nal me­du­la, pro­vo­can­do uma mi­e­lo­pa­tia, daí que a sua de­sig­na­ção em pa­to­lo­gia pos­sa ser “Es­pon­di­lo­pa­tia Cer­vi­cal Cau­dal” ou “Es­pon­di­lo­mi­e­lo­pa­tia Cer­vi­cal Cau­dal”.

Em que con­sis­te?

Nes­ta sín­dro­me ocor­re com­pres­são da me­du­la es­pi­nal na re­gião cer­vi­cal (pes­co­ço) e daí ad­vém con­sequên­ci­as neu­ro­ló­gi­cas pa­ra o ani­mal. As si­tu­a­ções que lhe dão ori­gem são es­sen­ci­al­men­te du­as:

•Con­gé­ni­tas, co­mo a exis­tên­cia de mal­for­ma­ções ós­se­as e mal­for­ma­ções dos li­ga­men­tos in­ter­ver­te­brais, que ocor­rem pre­do­mi­nan­te­men­te em ani­mais jo­vens;

• De­ge­ne­ra­ti­vas cró­ni­cas ou as­so­ci­a­das à so­bre­po­si­ção dor­sal de vér­te­bras, par­ti­cu­lar­men­te em ani­mais adul­tos.

Po­de­rá ocor­rer no meu ani­mal?

Esta pa­to­lo­gia ocor­re com mai­or in­ci­dên­cia em al­gu­mas ra­ças es­pe­cí­fi­cas co­mo o Do­gue Ale­mão e o Do­ber­mann, mas é mui­to fre­quen­te che­ga­rem-nos ca­sos em ra­ças co­mo o Dál­ma­ta, Husky Si­be­ri­a­no ou Ca­ni­che e em mui­tos ani­mais sem ra­ça de­fi­ni­da. De qual­quer for­ma, ra­ças de gran­de por­te são, em ge­ral, ra­ças de ris­co, mas a do­en­ça po­de ser di­ag­nos­ti­ca­da em qual­quer ani­mal, e o seu de­sen­vol­vi­men­to po­de es­tar de­pen­den­te de cau­sas tão va­ri­a­das co­mo nu­tri­ci­o­nais, trau­má­ti­cas, he­re­di­tá­ri­as ou ad­qui­ri­das.

Ob­ser­va­ções re­le­van­tes e ana­to­mia

Os cães são ani­mais qua­drú­pe­des, ou se­ja, mo­vi­men­tam-se em qua­tro pa­tas, as­su­min­do o tron­co uma pos­tu­ra mai­o­ri­ta­ri­a­men­te ho­ri­zon­tal. De to­da a co­lu­na ver­te­bral, a re­gião cer­vi­cal dis­tin­gue-se por as su­as vér­te­bras es­ta­rem sus­ten­ta­das pela or­ga­ni­za­ção mus­cu­lar e de li­ga­men­tos, des­de o tó­rax ao crâ­nio, ao con­trá­rio das res­tan­tes vér­te­bras do cor­po que en­con­tram sus­ten­ta­ção tam­bém pe­las cos­te­las e res­tan­te es­tru­tu­ra to­rá­ci­co ab­do­mi­nal. Des­ta for­ma, a re­gião cer­vi­cal po­si­ci­o­na-se com al­gu­ma ho­ri­zon­ta­li­da­de (va­riá­vel com as ra­ças) em re­la­ção à for­ça gra­ví­ti­ca, sus­ten­ta­da ape­nas por mús­cu­los e li­ga­men­tos, e mui­tas ve­zes com um pe­so ex­tra sobre ela, que são as co­lei­ras. Mes­mo que le­ve, uma co­lei­ra exer­ce um pe­so per­ma­nen­te sobre a re­gião do pes­dos co­ço e mui­tas ve­zes são uti­li­za­das co­mo es­tran­gu­la­do­ras, pa­ra pu­xar ou con­tro­lar os ani­mais du­ran­te o pas­seio, re­a­li­zan­do os ani­mais al­gu­ma for­ça sobre as mes­mas.

Sal­tos e im­pac­tos

Ou­tra si­tu­a­ção que en­con­tra­mos de for­ma re­le­van­te­men­te es­ta­tís­ti­ca as­so­ci­a­da a es­te di­ag­nós­ti­co são os im­pac­tos re­pe­ti­dos. É fre­quen­te que a his­tó­ria clí­ni­ca se re­fi­ra a ani­mais ágeis, que sal­tam fre­quen­te­men­te de al­tu­ras ele­va­das com fa­ci­li­da­de, ani­mais de desporto e mui­to ati­vos nas fa­ses jo­vens da vi­da. Qu­e­das e im­pac­tos tam­bém po­dem ser en­con­tra- co­mo cau­sas trau­má­ti­cas. Na sequên­cia des­tes even­tos, pe­que­nas su­blu­xa­ções e des­lo­ca­ções ver­te­brais ocor­rem, mui­tas ve­zes as­sin­to­má­ti­cas, ou se sin­to­má­ti­cas são abor­da­das ape­nas com an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os, sem um ver­da­dei­ro di­ag­nós­ti­co.

O qua­dro com­ple­ta-se

Com uma abor­da­gem de saú­de na­tu­ral po­de­mos ten­tar per­ce­ber o qua­dro com­ple­to de ca­da ani­mal e abor­dar ca­da ca­so da for­ma mais ade­qua­da. Se con­si­de­rar­mos pre­ci­o­sos ele­men­tos di­ag­nós­ti­cos que a me­di­ci­na tra­di­ci­o­nal chi­ne­sa (MTC) nos for­ne­ce, po­de­mos sa­ber de an­te­mão

que, em ani­mais enér­gi­cos po­de pre­do­mi­nar uma ti­po­lo­gia he­pá­ti­ca. O fí­ga­do re­ge os li­ga­men­tos do cor­po. Ani­mais des­ta ti­po­lo­gia são, ge­ral­men­te, ágeis, in­te­li­gen­tes e pers­pi­ca­zes, ele­gan­tes, de mus­cu­la­tu­ra fi­na, gos­tam de sal­tar e cor­rer e têm mui­ta re­sis­tên­cia ao exer­cí­cio. Nes­tes ani­mais, o de­se­qui­lí­brio ener­gé­ti­co do ór­gão que mais de­ve ser pre­ser­va­do, o fí­ga­do, co­me­ça pre­co­ce­men­te, lo­go nas pri­mei­ras se­ma­nas de vi­da, quan­do é fei­ta a in­tro­du­ção ali­men­tar com ali­men­tos pro­ces­sa­dos de qual­quer ti­po. Pa­ra além dis­so, se sub­me­ti­dos a pro­to­co­los pre­co­ces e de­sa­de­qua­dos de va­ci­na­ção e de des­pa­ra­si­ta­ção, po­de­mos es­tar a de­ter­mi­nar a pri­mei­ra sen­si­bi­li­za­ção pa­ra que o pro­ble­ma se ve­nha a ins­ta­lar anos mais tar­de.

Cau­sas con­gé­ni­tas, de­ge­ne­ra­ti­vas ou trau­má­ti­cas

Por mui­to que não pa­re­çam ter qual­quer ti­po de re­la­ção en­tre elas, to­das es­tas cau­sas se en­con­tram nos mes­mos pon­tos co­muns. O fac­to de nas­cer com uma pre­dis­po­si­ção con­gé­ni­ta não in­di­ca que al­gu­ma vez ve­nha a de­sen­vol­ver a do­en­ça, ou a es­tar sin­to­má­ti­co, ou a agra­var a con­di­ção ini­ci­al. Tal qual co­mo se o di­ag­nós­ti­co for o de um pro­ces­so de­ge­ne­ra­ti­vo em cur­so, ele po­de ser tra­va­do ou re­cu­pe­ra­do mes­mo a 100% se as su­as op­ções fo­rem as mais in­di­ca­das. Mes­mo quan­do o qua­dro de­cor­re de um trau­ma­tis­mo, mui­to pro­va­vel­men­te es­ta­va na sua ba­se uma pre­dis­po­si­ção que de­ter­mi­na­va no lo­cal uma fra­gi­li­da­de e, de no­vo, a re­cu­pe­ra­ção com­ple­ta po­de de­pen­der das op­ções te­ra­pêu­ti­cas dis­po­ní­veis.

Con­sequên­ci­as…

Se não for di­ag­nos­ti­ca­da pre­co­ce­men­te, exis­te uma for­te pos­si­bi­li­da­de de o ani­mal de­sen­vol­ver su­bi­ta­men­te te­tra­plé­gia/te­tra­pa­ré­sia ou apre­sen­tar pro­gres­si­va­men­te si­nais de pa­ra­plé­gia/pa­ra­pa­ré­sia. Is­to sig­ni­fi­ca que cor­re o ris­co de fi­car to­tal ou par­ci­al­men­te imo­bi­li­za­do dos mem­bros an­te­ri­o­res e pos­te­ri­o­res, e de­sen­vol­ver in­con­ti­nên­cia uri­ná­ria e fe­cal (não con­tro­lar as de­je­ções e a uri­na), uma vez que se tra­ta de uma sín­dro­me neu­ro­ló­gi­ca, que afe­ta o sis­te­ma ner­vo­so cen­tral (es­pi­nal me­du­la). É tam­bém fre­quen­te que de­sen­vol­va for­tes do­res cer­vi­cais que o im­pos­si­bi­li­ta de mo­vi­men­tar qua­se to­tal­men­te o pes­co­ço.

Um pou­co de fi­si­o­lo­gia

Em ca­da seg­men­to do sis­te­ma ner­vo­so ao ní­vel da co­lu­na cer­vi­cal (es­pi­nal me­du­la) sa­em raí­zes ner­vo­sas mo­to­ras e sen­si­ti­vas, que se di­ri­gem pa­ra as di­fe­ren­tes zo­nas do cor­po, de mo­do a re­a­li­za­rem a lei­tu­ra dos es­tí­mu­los pe­ri­fé­ri­cos e per­mi­tir a sua co­mu­ni­ca­ção com os ór­gãos de in­ter­pre­ta­ção e co­man­do ao ní­vel do sis­te­ma ner­vo­so cen­tral (cé­re­bro, ce­re­be­lo,…), que pro­ce­dem de­pois à in­te­gra­ção e ges­tão des­sa in­for­ma­ção. O re­sul­ta­do é a ca­pa­ci­da­de de os ani­mais “sen­ti­rem” o meio que os ro­deia e de re­a­li­za­rem mo­vi­men­tos co­or­de­na­dos e cons­ci­en­tes que per­mi­tem a mar­cha, a corrida, o dei­tar, o le­van­tar, o co­mer, etc.

Si­nais de aler­ta a ter em con­ta

Em ge­ral, a evo­lu­ção des­tes qua­dros em ani­mais adul­tos com do­en­ça de­ge­ne­ra­ti­va é qua­se sem­pre pro­gres­si­va e po­de

As ra­ças de gran­de por­te são, em ge­ral, ra­ças de ris­co, mas a do­en­ça po­de ser di­ag­nos­ti­ca­da em qual­quer ani­mal

man­ter-se por vá­ri­os me­ses até que sur­ja su­bi­ta­men­te a in­ca­pa­ci­da­de to­tal. Os pri­mei­ros si­nais po­dem ser mui­to dis­cre­tos, con­fun­din­do-se fa­cil­men­te com ou­tros qua­dros de do­en­ça neu­ro­ló­gi­ca ou or­to­pé­di­ca, por is­so te­nha em aten­ção se o seu ani­mal apre­sen­tar si­nais com­pa­tí­veis ou in­di­ca­do­res e não se li­mi­te a dar re­pe­ti­da­men­te fár­ma­cos se não ti­ver um di­ag­nós­ti­co con­cre­to ou de­fi­ni­ti­vo. Um dos sin­to­mas mais fre­quen­tes é o seu ani­mal clau­di­car (co­xe­ar) de um mem­bro pos­te­ri­or com re­gu­la­ri­da­de, mas in­ter­mi­ten­te; ou su­bi­ta­men­te pa­re­cer que não tem for­ça nos mem­bros pos­te­ri­o­res e dei­xa-se ir sen­tan­do de­va­gar ou pa­re­ce in­cli­nar-se pa­ra um dos la­dos, quan­do tem que fi­car al­gum tem­po de pé. Mui­tas ve­zes apre­sen­tam um an­dar bam­bo­le­an­te (do in­glês wob­bling). Tam­bém po­de ver al­guns si­nais que in­di­cam in­con­ti­nên­cia ou enu­re­se no­tur­na (emi­tir um pou­co de uri­na ao dor­mir) ou ar­ras­tar no chão as unhas de al­gum dos mem­bros ao an­dar. É mui­to fre­quen­te des­cu­rar es­tes sin­to­mas ini­ci­ais ou mui­tas ve­zes re­a­li­zam-se ape­nas exa­mes di­ag­nós­ti­cos par­ci­ais, o que não au­xi­lia o di­ag­nós­ti­co cor­re­to. Co­mo exem­plo, é fre­quen­te ver­mos es­tes ani­mais não di­ag­nos­ti­ca­dos por­que foi re­a­li­za­do ape­nas um exa­me ra­di­o­ló­gi­co sobre o lo­cal on­de es­ta­vam os sin­to­mas, em ge­ral mem­bros pos­te­ri­o­res e co­lu­na lom­bar, fi­can­do por ava­li­ar a co­lu­na cer­vi­cal on­de o pro­ble­ma se en­con­tra.

Uma abor­da­gem na­tu­ral

A abor­da­gem de saú­de na­tu­ral a es­tes ani­mais co­me­ça lo­go, se pos­sí­vel, na pri­mei­ra con­sul­ta do ca­chor­ro, on­de po­dem ser si­na­li­za­dos pela ra­ça, pela ti­po­lo­gia ener­gé­ti­ca se­gun­do a MTC e pela ti­po­lo­gia me­ta­bó­li­ca e fun­ci­o­nal de acordo com ou­tras abor­da­gens di­ag­nós­ti­cas da me­di­ci­na na­tu­ral e bi­o­ló­gi­ca. De uma for­ma ge­ral, a va­ci­na­ção pre­co­ce an­tes dos 4 me­ses de ida­de não é be­né­fi­ca pa­ra ne­nhum ani­mal, mas po­de ser par­ti­cu­lar­men­te sen­sí­vel nos pre­dis­pos­tos à do­en­ça. Re­co­men­da­ções sobre exer­cí­cio e es­ti­lo de vi­da, o uso de pei­to­ral em subs­ti­tui­ção das co­lei­ras po­de ser igual­men­te mui­to im­por­tan­te.

A im­por­tân­cia da ali­men­ta­ção

Quer em ani­mais si­na­li­za­dos de ris­co co­mo em ani­mais já di­ag­nos­ti­ca­dos em qual­quer grau da do­en­ça, a ali­men­ta­ção de­sem­pe­nha um pa­pel prin­ci­pal na re­cu­pe­ra­ção e os me­lho­res re­sul­ta­dos só vai po­der ob­ter com di­e­tas de ali­men­ta­ção na­tu­ral. Ape­sar de mais co­nhe­ci­das atu­al­men­te, nem to­do o ti­po de di­e­tas na­tu­rais se ade­quam a qual­quer ani­mal, sen­do im­por­tan­te que a mes­ma se­ja ela­bo­ra­da ten­do em con­ta vá­ri­os fa­to­res, sen­do os prin­ci­pais a ti­po­lo­gia do ani­mal e a pa­to­lo­gia em cau­sa. Lem­bre-se que a Sín­dro­me de Wob­bler co­me­ça sem­pre por ser uma sín­dro­me de li­ga­men­tos, e po­de es­tar mais ou me­nos agra­va­da e in­cluir os sis­te­mas os­te­o­ar­ti­cu­lar e neu­ro­ló­gi­co, no mo­men­to em que iden­ti­fi­ca os sin­to­mas e re­a­li­za o di­ag­nós­ti­co. Em saú­de na­tu­ral, os li­ga­men­tos es­tão in­ti­ma­men­te li­ga­dos aos ór­gãos do me­ta­bo­lis­mo, co­mo é o fí­ga­do, e é fre­quen­te que es­tes ani­mais te­nham apre­sen­ta­do ao lon­go da vi­da, e an­te­ri­or ao di­ag­nós­ti­co, pa­to­lo­gi­as di­ges­ti­vas re­cor­ren­tes co­mo náu­se­as e vó­mi­tos, fe­zes mo­les ou mui­to du­ras, gas­tri­tes, di­fi­cul­da­des com o ape­ti­te, en­tre ou­tras, em es­pe­ci­al se o seu pla­no ali­men­tar in­cluía qual­quer ti­po de ali­men­tos pro­ces­sa­dos se­cos ou hú­mi­dos. Des­ta for­ma, pa­ra ini­ci­ar um tra­ta­men­to com su­ces­so e de­fi­ni­ti­vo, a pri­mei­ra abor­da­gem te­ra­pêu­ti­ca é a ali­men­tar.

Ob­je­ti­vos te­ra­pêu­ti­cos

O ob­je­ti­vos te­ra­pêu­ti­cos pa­ra ca­da ca­so va­ri­am, prin­ci­pal­men­te, com o es­ta­do em que a do­en­ça se apre­sen­ta e com as prin­ci­pais va­lên­ci­as de ca­da uma das te­ra­pi­as que po­de uti­li­zar na saú­de na­tu­ral. Em ca­sos on­de os ani­mais fo­ram ape­nas si­na­li­za­dos co­mo po­ten­ci­ais pa­ci­en­tes, mas não ma­ni­fes­tam a do­en­ça nem a

mes­ma é iden­ti­fi­ca­da cli­ni­ca­men­te, re­co­men­da­mos uma abor­da­gem ali­men­tar na­tu­ral di­ri­gi­da à saú­de in­di­vi­du­al e um com­ple­men­to ade­qua­do com su­ple­men­ta­ção na­tu­ral, ho­me­o­pa­tia ou fi­to­te­ra­pia. A mais-va­lia de o pro­te­ger an­te­ci­pa­da­men­te, mes­mo an­tes dos pri­mei­ros sin­to­mas, é que, mui­to pro­va­vel­men­te, nun­ca te­rá que o vir a tra­tar. Es­te é o ob­je­ti­vo em saú­de na­tu­ral. Em ani­mais sin­to­má­ti­cos, vá­ri­as abor­da­gens po­dem ser ne­ces­sá­ri­as até à sua com­ple­ta re­cu­pe­ra­ção in­cluin­do acu­pun­tu­ra, que po­de aju­dar o seu ani­mal ca­so o di­ag­nós­ti­co im­pli­que ape­nas sin­to­mas li­gei­ros, mas tam­bém ca­so o com­pro­mis­so neu­ro­ló­gi­co se­ja avan­ça­do, com pa­ra­li­sia ins­ta­la­da, vi­san­do a sua re­cu­pe­ra­ção com­ple­ta. Nos ca­sos mais gra­ves, com­bi­nar téc­ni­cas de me­di­ci­na na­tu­ral co­mo acu­pun­tu­ra e ozo­no­te­ra­pia ou ele­tro­a­cu­pun­tu­ra e la­ser­te­ra­pia po­dem tra­zer re­sul­ta­dos sur­pre­en­den­tes. Em ca­so de sin­to­ma­to­lo­gia do­lo­ro­sa que não en­vol­va ins­ta­bi­li­da­de avan­ça­da po­de re­cor­rer ape­nas a um tra­ta­men­to ho­me­o­pá­ti­co. Se for bem ori­en­ta­do, po­de­rá en­con­trar a so­lu­ção de­fi­ni­ti­va que po­de re­sol­ver não só a sin­to­ma­to­lo­gia, mas tam­bém ir mais lon­ge e pro­mo­ver o re­e­qui­lí­brio ge­ral pa­ra que a re­so­lu­ção se­ja de­fi­ni­ti­va e não re­ci­di­van­te. Ou­tras te­ra­pi­as co­mo fi­to­te­ra­pia, te­ra­pia flo­ral, bi­o­pun­tu­ra po­dem ser com­ple­men­tos pa­ra atin­gir os me­lho­res ob­je­ti­vos te­ra­pêu­ti­cos.

Fa­zer a di­fe­ren­ça com saú­de na­tu­ral

Nes­tes ca­sos é mui­to gra­ti­fi­can­te quan­do fa­ze­mos efe­ti­va­men­te a di­fe­ren­ça ao uti­li­zar­mos uma abor­da­gem ba­se­a­da ex­clu­si­va­men­te em téc­ni­cas e te­ra­pi­as da saú­de na­tu­ral e ho­lís­ti­ca. Ape­sar de a lin­gua­gem te­ra­pêu­ti­ca ser se­me­lhan­te, a abor­da­gem con­ven­ci­o­nal pro­põe co­mo te­ra­pêu­ti­ca prin­ci­pal subs­tân­ci­as ini­bi­do­ras da dor e da in­fla­ma­ção (an­ti­in­fla­ma­tó­ri­os e cor­ti­so­na), mas tam­bém, si­mul­ta­ne­a­men­te, ini­bi­do­ras da ca­pa­ci­da­de re­ge­ne­ra­ti­va e re­es­tru­tu­ran­te do cor­po no lo­cal das le­sões. Ao uti­li­zar um an­ti-in­fla­ma­tó­rio eli­mi­na a dor as­so­ci­a­da ao pro­ces­so in­fla­ma­tó­rio blo­que­an­do si­nais quí­mi­cos que o cor­po ne­ces­si­ta de man­ter ati­vos se que­re­mos uma re­ge­ne­ra­ção com­ple­ta das es­tru­tu­ras afe­ta­das. Re­ti­ra a dor e a in­fla­ma­ção, mas im­pe­de o cor­po de se re­pa­rar. Is­to é mais im­por­tan­te nas pri­mei­ras 72 ho­ras após o iní­cio dos sin­to­mas.

Oti­mi­za­ção de re­sul­ta­dos

A abor­da­gem da me­di­ci­na na­tu­ral vê a in­fla­ma­ção co­mo um me­ca­nis­mo es­sen­ci­al do cor­po pa­ra a sua pró­pria re­ge­ne­ra­ção, pa­ra além da co­no­ta­ção ne­ga­ti­va que tem co­mo fe­nó­me­no de dor. Na re­a­li­da­de, con­se­gui­mos, com sim­ples subs­tân­ci­as ho­me­o­pá­ti­cas e fi­to­te­rá­pi­cas, re­sul­ta­dos mui­to su­pe­ri­o­res ao uso dos an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os con­ven­ci­o­nais no con­tro­lo da dor e re­so­lu­ção da in­fla­ma­ção as­so­ci­a­da à Sín­dro­me de Wob­bler. O fe­nó­me­no in­fla­ma­tó­rio é re­gu­la­ri­za­do, a dor de­sa­pa­re­ce, e a ca­pa­ci­da­de re­ge­ne­ra­ti­va e re­es­tru­tu­ran­te des­tes pro­du­tos per­mi­te uma re­a­bi­li­ta­ção dos lo­cais afe­ta­dos de for­ma con­sis­ten­te e du­ra­dou­ra, de acordo com a sua ma­triz ge­né­ti­ca e ba­se fi­si­o­ló­gi­ca. Ex­pli­ca­mos de se­gui­da a di­fe­ren­ça en­tre as du­as abor­da­gens.

Abor­da­gem con­ven­ci­o­nal

Uti­li­zan­do um an­ti-in­fla­ma­tó­rio con­ven­ci­o­nal pro­mo­vo a eli­mi­na­ção ra­di­cal da dor e da in­fla­ma­ção, im­pe­din­do o cor­po de se re­ge­ne­rar de acordo com a sua ma­triz ori­gi­nal, ge­ran­do em sua subs­ti­tui­ção te­ci­do fi­bro­so co­nhe­ci­do co­mo ci­ca­triz. A ci­ca­triz re­pa­ra a le­são, mas não é fun­ci­o­nal. A par­tir daí o cor­po in­ter­pre­ta es­se lo­cal co­mo per­ma­nen­te­men­te da­ni­fi­ca­do e, sem­pre que opor­tu­no, re­a­ti­va a in­fla­ma­ção, agra­van­do a le­são exis­ten­te, e ge­ran­do um no­vo episódio agu­do de dor e in­fla­ma­ção.

Abor­da­gem da me­di­ci­na na­tu­ral

Uti­li­zan­do subs­tân­ci­as na­tu­rais ho­me­o­pa­ti­za­das ou fi­to­te­rá­pi­cas (ou uma com­bi­na­ção de am­bas) pro­mo­vo o con­tro­lo ime­di­a­to e efi­caz da dor a par­tir da re­gu­la­ção do fe­nó­me­no in­fla­ma­tó­rio, re­e­du­can­do o cor­po na ges­tão da in­fla­ma­ção sem im­pe­dir que esta de­cor­ra, man­ten­do a ma­triz de in­for­ma­ção ge­né­ti­ca ori­gi­nal. Nas pri­mei­ras 72 ho­ras o cor­po con­se­gue uma re­pa­ra­ção fí­si­ca da le­são idên­ti­ca ao te­ci­do ori­gi­nal da­ni­fi­ca­do e me­mó­ria da le­são de­sa­pa­re­ce. De­cor­ri­do o res­tan­te tem­po ne­ces­sá­rio, e es­tan­do com­ple­ta a re­pa­ra­ção do lo­cal, o cor­po per­ma­ne­ce fun­ci­o­nal, e a cu­ra tor­na-se de­fi­ni­ti­va, sem ne­ces­si­da­de de re­a­ti­va­ção in­fla­ma­tó­ria. Des­ta for­ma, é pos­sí­vel com uma me­di­ci­na 100% na­tu­ral, ob­ter re­sul­ta­dos oti­mi­za­dos até mes­mo em pa­to­lo­gi­as gra­ves co­mo pa­ra­li­si­as com­ple­tas de­cor­ren­tes de sín­dro­mes co­mo Wob­bler.

Di­no­ra Xa­vi­er Mé­di­ca Ve­te­ri­ná­ria

A sín­dro­me de Wob­bler é uma do­en­ça da co­lu­na cer­vi­cal cau­dal, ou se­ja, sur­ge na re­gião do pes­co­ço mais pró­xi­ma do tó­rax do ani­mal, e afe­ta as úl­ti­mas vér­te­bras des­ta re­gião da co­lu­na.

O cão cor­re o ris­co de fi­car to­tal ou par­ci­al­men­te imo­bi­li­za­do dos mem­bros an­te­ri­o­res e pos­te­ri­o­res, e de­sen­vol­ver in­con­ti­nên­cia uri­ná­ria e fe­cal, pois esta sín­dro­me afe­ta o sis­te­ma ner­vo­so cen­tral.

Um dos sin­to­mas mais fre­quen­tes é o seu ani­mal clau­di­car (co­xe­ar) de um mem­bro pos­te­ri­or com re­gu­la­ri­da­de, mas in­ter­mi­ten­te.

Em saú­de na­tu­ral, os li­ga­men­tos es­tão in­ti­ma­men­te li­ga­dos aos ór­gãos do me­ta­bo­lis­mo, co­mo é o fí­ga­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.