Ve­te­ri­ná­ria: A obe­si­da­de e a di­a­be­tes

Atu­al­men­te, a obe­si­da­de afe­ta 40% dos cães em Por­tu­gal e é con­si­de­ra­da só por si uma do­en­ça, pa­ra além de pro­mo­ver o apa­re­ci­men­to de ou­tras, no­me­a­da­men­te, a Di­a­be­tes Mel­li­tus.

Caes & Companhia - - Nesta edição -

Quan­do um ani­mal apre­sen­ta mais de 20% de pe­so cor­po­ral em re­la­ção ao seu pe­so ide­al clas­si­fi­ca-se co­mo obe­so. Is­to sig­ni­fi­ca que es­tá a in­ge­rir mai­or quan­ti­da­de de ca­lo­ri­as do que as su­as ne­ces­si­da­des fi­si­o­ló­gi­cas, à se­me­lhan­ça do que acon­te­ce com a po­pu­la­ção por­tu­gue­sa. A fal­ta de exer­cí­cio fí­si­co ade­qua­do à ida­de e ta­ma­nho cor­po­ral do cão é ou­tro fa­tor que le­va à obe­si­da­de.

Co­mo ava­li­ar o ani­mal?

Exis­tem mé­to­dos e es­ca­las de pe­so cor­po­ral pa­ra as vá­ri­as ra­ças, mas, ten­do em con­ta a va­ri­a­bi­li­da­de in­di­vi­du­al e os cães sem ra­ça de­fi­ni­da, po­de as­su­mir-se que: quan­do as apó­fi­ses es­pi­nho­sas das vér­te­bras dor­sais (par­te su­pe­ri­or da co­lu­na) não são pal­pá­veis, quan­do não é pos­sí­vel sen­tir as cos­te­las, e quan­do o flan­co es­tá na mes­ma li­nha do tó­rax, es­ta­mos pe­ran­te um ani­mal obe­so.

Pro­ble­mas de saú­de

Em ge­ral, um cão nes­tas con­di­ções apre­sen­ta por si di­mi­nui­ção da ati­vi­da­de fí­si­ca e in­to­le­rân­cia ao ca­lor e, por ve­zes, de­pres­são. Os pro­ble­mas de saú­de que po­dem ad­vir do ex­ces­so de pe­so são vá­ri­os, no­me­a­da­men­te: Di­a­be­tes Mel­li­tus, pro­ble­mas ar­ti­cu­la­res, so­bre­car­ga car­día­ca, di­fi­cul­da­de de ven­ti­la­ção a ní­vel pul­mo­nar, ris­co de pan­cre­a­ti­te (in­fla­ma­ção do pân­cre­as), pro­ble­mas he­pá­ti­cos e re­pro­du­ti­vos, mai­or ris­co anes­té­si­co, en­tre ou­tros.

Pro­gra­ma de per­da de pe­so

As­sim, tor­na-se fun­da­men­tal, a par-

do di­ag­nós­ti­co, ini­ci­ar um pro­gra­ma de per­da de pe­so. De for­ma ge­ne­ra­lis­ta po­de­mos di­zer que os ob­je­ti­vos são con­su­mir me­nos ca­lo­ri­as e au­men­tar

o gas­to das mes­mas. Quan­do o cão al­can­ça de no­vo o pe­so ide­al tem de se igua­lar o con­su­mo ao gas­to das ca­lo­ri­as, de mo­do a per­ma­ne­cer na con­di­ção cor­po­ral de­se­ja­da. A per­da de pe­so não de­ve ser re­a­li­za­da de for­ma abrup­ta, mas sim con­ti­nu­a­da no tem­po (mí­ni­mo 10 se­ma­nas) e de for­ma li­ne­ar, ou se­ja, um cão de­ve per­der no má­xi­mo 2% do seu pe­so cor­po­ral por se­ma­na. To­das as gu­lo­sei­mas de ali­men­ta­ção hu­ma­na de­vem ser su­pri­mi­das e subs­ti­tuí­das por bis­coi­tos apro­pri­a­dos aos ani­mais obe­sos.

Di­a­be­tes Mel­li­tus

Uma das do­en­ças a que os ani­mais es­tão mais pro­pen­sos é a Di­a­be­tes Mel­li­tus, uma do­en­ça do pân­cre­as en­dó­cri­no, ou se­ja, da par­te des­te ór­gão que se­gre­ga hor­mo­nas, e que afe­ta tan­to cães co­mo ga­tos. Esta do­en­ça ca­rac­te­ri­za-se pela fal­ta de in­su­li­na, hor­mo­na que é res­pon­sá­vel pela en­tra­da de glu­co­se (açú­car que é usa­do co­mo fon­te de ener­gia) nas cé­lu­las a par­tir do san­gue. Ao con­trá­rio dos se­res hu­ma­nos e ga­tos, os cães ape­nas têm a di­a­be­tes in­su­li­no­re­sis­ten­te, ou se­ja, não há ca­pa­ci­da­de de re­mis­são da do­en­ça, pois o pân­cre­as per­deu por com­ple­to a ca­pa­ci­da­de de pro­du­zir esta hor­mo­na. Es­te ti­po de Di­a­be­tes é si­mi­lar à Di­a­be­tes ti­po 1 em hu­ma­nos.

Fa­to­res de ris­co

As cau­sas des­ta do­en­ça são mul­ti­fa­to­ri­ais, sen­do os prin­ci­pais fa­to­res de ris­co: a obe­si­da­de, co­mo já vi­mos, fa­to­res ge­né­ti­cos, do­en­ças do sis­te­ma imu­ni­tá­rio, pan­cre­a­ti­te, in­fe­ções (es­pe­ci­al­men­te das gen­gi­vas) e fár­ma­cos, co­mo glu­co­cor­ti­cói­des.

Si­nais clí­ni­cos

A Di­a­be­tes ge­ral­men­te tem co­mo si­nais clí­ni­cos aqui­lo que se po­de de­sig­nar pe­los qua­tro “P”:

•Po­liú­ria (uri­na em gran­de quan­ti­da­de) – Com o ex­ces­so de glu­co­se no san­gue os rins não con­se­guem re­ab­sor­ver a glu­co­se, ex­cre­tan­do-a na uri­na. Esta si­tu­a­ção le­va a uma cha­ma­da de água (diu­re­se os­mó­ti­ca) com o con­se­quen­te au­men­to da pro­du­ção uri­ná­ria;

•Po­li­dip­sia (be­ber mui­ta água) – De­vi­do à mai­or per­da de água pela uri­na o ani­mal be­be mais água pa­ra com­pen­sar; •Po­li­fa­gia (co­mer ex­ces­si­va­men­te) – Gra­ças à fal­ta de in­su­li­na as cé­lu­las não re­ce­bem a quan­ti­da­de de glu­co­se ne­ces­sá­ria ao seu nor­mal fun­ci­o­na­men­to, e o cen­tro ce­re­bral da sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de, que con­tro­la a quan­ti­da­de de ali­men­to in­ge­ri­do, obri­ga ao au­men­to de con­su­mo de ali­men­tos, pe­lo que es­tes do­en­tes têm au­men­to de ape­ti­te; •Per­da de pe­so – Uma vez que a glu­co­se pra­ti­ca­men­te não en­tra nas cé­lu­las di­mi­nuin­do o me­ta­bo­lis­mo ge­ral do or­ga­nis­mo há per­da de pe­so.

Cães mais afe­ta­dos

Os cães mais afe­ta­dos têm uma ida­de com­pre­en­di­da en­tre os 4 e os 14 anos, sen­do o pi­co de pre­va­lên­cia dos 7 aos 10 anos. Sen­do du­as ve­zes mais pre­do­mi­nan­te em fê­me­as do que em ma­chos. Exis­tem al­gu­mas ra­ças com mai­or pre­dis­po­si­ção ge­né­ti­ca, tais co­mo: Ca­ni­che, Spitz, Sch­nau­zer, Sa­moi­e­do, Bi­chon Fri­sé, Be­a­gle, Tec­kel e Fox Ter­ri­er. Por ou­tro la­do, pe­se em­bo­ra não isen­tos de ris­co, as ra­ças com me­nor pre­va­lên­cia de Di­a­be­tes Mel­li­tus são, por exem­plo: Cão de Pas­tor Ale­mão, Col­lie, Gol­den Re­tri­e­ver, Re­tri­e­ver do La­bra­dor, Coc­ker Spa­ni­el, Cão de Pas­tor Aus­tra­li­a­no e Do­ber­mann.

Di­a­be­tes as­so­ci­a­da à ges­ta­ção

Ou­tro con­cei­to im­por­tan­te é a Di­a­be­tes Mel­li­tus que po­de ocor­rer du­ran­te a ges­tir

Em cães di­a­bé­ti­cos, a cor­re­ção da obe­si­da­de e o au­men­to da fi­bra na di­e­ta são os dois pon­tos-cha­ve na ali­men­ta­ção

ta­ção e no pe­río­do após o cio, cha­ma­do de di­es­tro. Es­te ti­po de Di­a­be­tes ad­vém de uma in­su­fi­ci­ên­cia par­ci­al em in­su­li­na de­cor­ren­te de re­sis­tên­cia à in­su­li­na, sen­do com­pa­rá­vel à di­a­be­tes hu­ma­na du­ran­te a gra­vi­dez. Des­te mo­do, o di­es­tro con­tri­bui pa­ra um ris­co au­men­ta­do de Di­a­be­tes Mel­li­tus em fê­me­as não es­te­ri­li­za­das. Is­to de­ve-se ao fac­to da pro­ges­te­ro­na (hor­mo­na es­te­roi­de) es­ti­mu­lar a glân­du­la ma­má­ria a pro­du­zir hor­mo­na de cres­ci­men­to, sen­do que am­bas in­du­zem re­sis­tên­cia à in­su­li­na. As­sim, a es­te­ri­li­za­ção pre­co­ce em ca­de­las pa­ra além de pre­ve­nir can­cro de ma­ma e in­fe­ções ute­ri­nas gra­ves, aju­da na pre­ven­ção da Di­a­be­tes Mel­li­tus, pe­lo que esta ci­rur­gia de­ve ser ti­da em con­ta.

Obe­si­da­de e di­a­be­tes

A obe­si­da­de di­mi­nui a to­le­rân­cia à glu­co­se nos cães e al­te­ra a res­pos­ta

à in­su­li­na. A re­du­ção do pe­so em cães obe­sos me­lho­ra a to­le­rân­cia à glu­co­se, por­que cor­ri­ge a re­sis­tên­cia à in­su­li­na cau­sa­da pela obe­si­da­de. Por de­fi­ni­ção, a re­sis­tên­cia à in­su­li­na é a al­te­ra­ção em que uma quan­ti­da­de nor­mal da res­pe­ti­va hor­mo­na pro­duz uma res­pos­ta bi­o­ló­gi­ca in­fe­ri­or ao nor­mal, vis­to não se pro­mo­ver cor­re­ta­men­te a li­ga­ção des­ta ao seu re­ce­tor. Em cães, a di­mi­nui­ção da afi­ni­da­de dos re­ce­to­res à in­su­li­na são ge­ral­men­te atri­buí­das à obe­si­da­de ou a trans­tor­nos de hor­mo­nas di­a­be­to­gé­ni­cas (as que au­men­tam a con­cen­tra­ção de glu­co­se no san­gue), tais co­mo: cor­ti­sol, glu­ca­gon, adre­na­li­na, hor­mo­na de cres­ci­men­to, pro­ges­te­ro­na e hor­mo­nas ti­roi­dei­as.

Com­pli­ca­ções clí­ni­cas

Com o pas­sar do tem­po, ca­so não ha­ja im­ple­men­ta­ção de tra­ta­men­to ade­qua­do, sur­gem com­pli­ca­ções clí­ni­cas, sen­do as mais co­muns o apa­re­ci­men­to de ca­ta­ra­tas, que le­va a ce­guei­ra, cri­ses de hi­per­gli­ce­mia e con­se­quen­te co­ma e mor­te, in­fe­ções uri­ná­ri­as e ce­to­a­ci­do­se di­a­bé­ti­ca. As ca­ta­ra­tas re­sul­tam de al­te­ra­ções os­mó­ti­cas na len­te do olho por acu­mu­la­ção de sor­bi­tol e fru­to­se. Esta do­en­ça é ir­re­ver­sí­vel e o seu pro­ces­so po­de ser bas­tan­te rá­pi­do. A glu­co­se na uri­na é uma fon­te de ener­gia pa­ra as bac­té­ri­as, de on­de elas po­dem vir a pro­li­fe­rar no tra­to uri­ná­rio de­sen­vol­ven­do-se as­sim as in­fe­ções uri­ná­ri­as. A fal­ta de in­su­li­na le­va ao ca­ta­bo­lis­mo das pro­teí­nas, is­to é, a de­gra­da­ção das mes­mas com vis­ta à ob­ten­ção de ener­gia, o que con­tri­bui pa­ra a per­da de mas­sa mus­cu­lar do pa­ci­en­te e con­se­quen­te per­da de pe­so.

Di­a­be­tes ce­to­a­ci­dó­ti­ca

Os me­ca­nis­mos he­pá­ti­cos de pro­du­ção de tri­gli­cé­ri­dos, que vão pos­te­ri­or­men­te for­mar a gor­du­ra, fi­cam tam­bém al­te­ra­dos pe­ran­te a au­sên­cia de in­su­li­na, pro­du­zin­do-se os cor­pos ce­tó­ni­cos e áci­do lác­ti­co que le­va a per­da de elec­tró­li­tos, fun­da­men­tais na re­gu­la­ção do or­ga­nis­mo. Quan­do esta si­tu­a­ção sur­ge cha­ma-se di­a­be­tes ce­to­a­ci­dó­ti­ca e o pa­ci­en­te es­tá nu­ma si­tu­a­ção po­ten­ci­al­men­te fa­tal com de­si­dra­ta­ção ex­tre­ma, per­da de vo­lu­me san­guí­neo e pos­sí­vel cho­que.

A Di­a­be­tes Mel­li­tus ca­rac­te­ri­za-se pela fal­ta de in­su­li­na, hor­mo­na que é res­pon­sá­vel pela en­tra­da de glu­co­se nas cé­lu­las

Tra­ta­men­to da di­a­be­tes

O tra­ta­men­to da Di­a­be­tes Mel­li­tus no cão pas­sa sem­pre pela ad­mi­nis­tra­ção de in­su­li­na (exis­tem vá­ri­os ti­pos) ge­ral­men­te bi­diá­ria. O mé­di­co ve­te­ri­ná­rio de­ve re­a­li­zar as cur­vas de gli­ce­mia, que não são mais do que me­dir a glu­co­se san­guí­nea vá­ri­as ve­zes ao lon­go do dia e, pe­ran­te os re­sul­ta­dos, de­ter­mi­nar a do­se ide­al de in­su­li­na a ad­mi­nis­trar.

Ad­mi­nis­tra­ção de in­su­li­na

Por tu­do aqui­lo que foi des­cri­to an­te­ri­or­men­te esta é uma do­en­ça com­ple­xa, sen­do usu­al­men­te ne­ces­sá­ri­os re­a­jus­tes da do­se nu­ma fa­se ini­ci­al até se con­se­guir es­ta­bi­li­zar o pa­ci­en­te. A ad­mi­nis­tra­ção de in­su­li­na é fei­ta por via sub­cu­tâ­nea, ou se­ja, de­bai­xo da pe­le e é fei­ta em ca­sa pe­los do­nos, após de­vi­da ex­pli­ca­ção e exem­pli­fi­ca­ção pe­lo mé­di­co ve­te­ri­ná­rio (tal co­mo as pes­so­as di­a­bé­ti­cas ad­mi­nis­tram a si pró­pri­as). Em cir­cuns­tân­cia al­gu­ma o do­no de­ve al­te­rar por sua con­ta a do­se de in­su­li­na, pois po­de­rá ser fa­tal.

Ali­men­ta­ção ade­qua­da

Ou­tra par­te fun­da­men­tal do tra­ta­men- to é a ali­men­ta­ção ade­qua­da. Esta de­ve pre­ve­nir a obe­si­da­de e ser for­mu­la­da de mo­do a evi­tar o ex­ces­so de glu­co­se no san­gue após a sua in­ges­tão. A cor­re­ção da obe­si­da­de e o au­men­to da fi­bra na di­e­ta são os dois pon­tos-cha­ve na ali­men­ta­ção. As di­e­tas co­mer­ci­ais pa­ra pa­ci­en­tes di­a­bé­ti­cos têm na sua com­po­si­ção gran­de quan­ti­da­de de fi­bra, hi­dra­tos de car­bo­no al­ta­men­te di­ges­tí­veis, bai­xo con­teú­do em gor­du­ras e pro­teí­nas mui­to di­ge­rí­veis.

Exer­cí­cio fí­si­co

Co­ad­ju­van­te a es­tas te­ra­pi­as é o exer­cí­cio fí­si­co, pois man­tém o con­tro­lo da glu­co­se san­guí­nea (tam­bém cha­ma­da de gli­cé­mia) e aju­da à per­da de pe­so, o que le­va co­mo já se dis­se à di­mi­nui­ção da re­sis­tên­cia à in­su­li­na. Além dis­so, ao au­men­tar o flu­xo san­guí­neo por au­men­to dos ba­ti­men­tos car­día­cos, o exer­cí­cio fí­si­co tam­bém me­lho­ra a ab­sor­ção e dis­tri­bui­ção da in­su­li­na ad­mi­nis­tra­da.

Im­ple­men­tar ro­ti­nas

Es­tes pa­ci­en­tes de­vem ter ro­ti­nas diá­ri­as bem de­ter­mi­na­das quer no ho­rá­rio das re­fei­ções e sua quan­ti­da­de, quer no ho­rá­rio do exer­cí­cio fí­si­co. De­ve-se, no en­tan­to, ter aten­ção ao exer­cí­cio fí­si­co mui­to in­ten­so e pro­lon­ga­do que po­de le­var a uma si­tu­a­ção de hi­po­gli­ce­mia.

Prog­nós­ti­co

O prog­nós­ti­co da Di­a­be­tes Mel­li­tus de­pen­de mui­to do en­vol­vi­men­to do do­no no tra­ta­men­to ati­vo des­ta do­en­ça, bem co­mo um di­ag­nós­ti­co pre­co­ce da mes­ma pa­ra evi­tar as com­pli­ca­ções des­cri­tas. Com um cui­da­do ade­qua­do por par­tes dos do­nos e a com­pa­nha­men­to clí­ni­co re­gu­lar a mai­o­ria dos cães afe­ta­dos con­se­gue ter uma vi­da lon­ga e nor­mal.n

Num pro­gra­ma de per­da de pe­so um cão de­ve per­der no má­xi­mo 2% do seu pe­so cor­po­ral por se­ma­na

As di­e­tas co­mer­ci­ais pa­ra pa­ci­en­tes di­a­bé­ti­cos têm na sua com­po­si­ção gran­de quan­ti­da­de de fi­bra, hi­dra­tos de car­bo­no al­ta­men­te di­ges­tí­veis, bai­xo con­teú­do em gor­du­ras e pro­teí­nas mui­to di­ge­rí­veis.

A ad­mi­nis­tra­ção de in­su­li­na é fei­ta por via sub­cu­tâ­nea, em ca­sa, pe­los do­nos, após de­vi­da ex­pli­ca­ção e exem­pli­fi­ca­ção pe­lo mé­di­co ve­te­ri­ná­rio.

As ca­ta­ra­tas re­sul­tam de al­te­ra­ções os­mó­ti­cas na len­te do olho, sen­do uma do­en­ça ir­re­ver­sí­vel, cu­jo pro­ces­so po­de ser bas­tan­te rá­pi­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.