Cão Ju­ris: Um guia pa­ra os cães-guia

Tu­do na vi­da é re­gu­la­do por Lei, se­ja ela per­mis­si­va ou proi­bi­ti­va, a Lei, co­mo or­de­na­do­ra de con­du­tas, tem sem­pre uma pa­la­vra a di­zer e sobre os nos­sos ami­gos que mais do que as­sis­ten­tes, são nos­sos ver­da­dei­ros com­pa­nhei­ros de jor­na­da, não po­de­ria ser ex

Caes & Companhia - - Nesta edição -

Ale­gis­la­ção ati­nen­te aos cães­guia foi con­sa­gra­da, pela pri­mei­ra vez, no De­cre­to-lei nº 118/99, de 14/04, po­rém ape­nas con­tem­plan­do o direito de aces­so das pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia vi­su­al a se­rem acom­pa­nha­das por es­tes nos­sos ami­gos em lo­cais, trans­por­tes e es­ta­be­le­ci­men­tos de aces­so pú­bli­co. Tal le­gis­la­ção pa­re­ce-nos mui­to res­tri­ti­va, pois, co­mo aci­ma foi di­to, ape­nas es­ta­be­le­cia esta prer­ro­ga­ti­va a pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia vi­su­al, dei­xan­do de fo­ram to­das as res­tan­tes li­mi­ta­ções, se­jam fí­si­cas ou psí­qui­cas, on­de um ami­go es­pe­ci­a­li­za­do de qua­tro pa­tas faz to­da a di­fe­ren­ça (a tí­tu­lo de exem­plo, o ca­so do au­tis­mo, on­de es­tá am­pla­men­te com­pro­va­do que fa­zer-se acom­pa­nhar por um cão­pa­nhei­ro re­duz os ní­veis de stress e an­si­e­da­de).

Uma le­gis­la­ção mais abran­gen­te

Mui­to pe­lo avan­ço das téc­ni­cas de trei­no des­tes ver­da­dei­ros com­pa­nhei­ros de vi­da, alar­gou-se o âm­bi­to de uti­li­za­ção dos cães-guia, pas­san­do a ser vá­li­dos tam­bém co­mo meio au­xi­li­ar de pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia men­tal, or­gâ­ni­ca e mo­to­ra, o que mo­ti­vou que, em 2007, hou­ves­se ne­ces­si­da­de de uma al­te­ra­ção le­gis­la­ti­va, no sen­ti­do de am­pli­ar e ga­ran­tir o direito das pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia que qui­ses­sem uti­li­zar cães co­mo au­xí­lio na sua mo­bi­li­da­de, au­to­no­mia, se­gu­ran­ça e mes­mo, por­que não, saú­de men­tal.

Exis­tem di­fe­ren­tes ca­te­go­ri­as de cães de au­xí­lio: cães-guia, cães pa­ra sur­dos e cães de ser­vi­ço

Apa­re­ce, en­tão, o De­cre­to-lei nº 74/2007, de 27/03, que ain­da ho­je se man­tém em vi­gor. Es­te di­plo­ma ga­ran­tiu que pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia sen­so­ri­al, men­tal, or­gâ­ni­ca e mo­to­ra po­de­ri­am ace­der a lo­cais, trans­por­tes e es­ta­be­le­ci­men­tos pú­bli­cos acom­pa­nha­dos de cães-guia, cu­ja de­no­mi­na­ção foi, tam­bém por es­te di­plo­ma, al­te­ra­da pa­ra cães de

as­sis­tên­cia, não só pa­ra har­mo­ni­zar a no­men­cla­tu­ra a ní­vel na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, mas tam­bém de for­ma a abran­ger as di­fe­ren­tes ca­te­go­ri­as de cães de au­xí­lio exis­ten­tes: cães-guia, cães pa­ra sur­dos e os de ser­vi­ço.

Apli­ca­ção de coi­mas

Ho­je em dia, de­pois de re­co­nhe­ci­do o cru­ci­al pa­pel des­tes nos­sos ami­gos, no que à au­to­no­mia e in­de­pen­dên­cia das pes­so­as com li­mi­ta­ções con­cer­ne, ape­nas mui­to ex­ce­ci­o­nal­men­te se po­de­rá res­trin­gir o aces­so des­tes ani­mais, no­me­a­da­men­te, por mo­ti­vos de saú­de pú­bli­ca ou de se­gu­ran­ça. Ou­tra no­vi­da­de que o De­cre­to-lei trou­xe foi a res­pon­sa­bi­li­za­ção con­tra­or­de­na­ci­o­nal de pes­so­as ou en­ti­da­des co­le­ti­vas que, por qual­quer mo­ti­vo que não os aci­ma in­di­ca­dos, res­trin­ja os di­rei­tos con­sa­gra­dos às pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, li­mi­tan­do-lhes a mo­bi­li­da­de, au­to­no­mia e in­de­pen­dên­cia que se vi­sou al­can­çar com es­te di­plo­ma, atra­vés da apli­ca­ção de coi­mas aos in­fra­to­res. Des­ta for­ma, foi da­do mais um pas­so pa­ra a me­lho­ria e pro­mo­ção da qua­li­da­de de vi­da das pes­so­as com li­mi­ta­ções, pois que, se um cão já é o nos­so melhor ami­go em qual­quer oca­sião, o que di­zer quan­do se tor­na no nos­so mai­or am­pa­ro pa­ra os momentos mais di­fí­ceis, aju­dan­do, li­te­ral­men­te, a ul­tra­pas­sar os obs­tá­cu­los que a vi­da pro­por­ci­o­na.

A le­gis­la­ção vis­ta à lu­pa

Co­mo prin­ci­pal apa­ná­gio, o di­plo­ma em cau­sa con­sa­gra o direito de aces­so, das pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, a fa­zer-se acom­pa­nhar de cães de as­sis­tên­cia em lo­cais, trans­por­tes e es­ta­be­le­ci­men­tos pú­bli­cos, de­fi­nin­do tam­bém as di­fe­ren­tes ca­te­go­ri­as de cães de as­sis­tên­cia (ar­ti­go 1º). O direito de aces­so pre­va­le­ce sobre quais­quer li­mi­ta­ções ou proi­bi­ções con­trá­ri­as às pre­vis­tas no di­plo­ma, mes­mo que es­te­jam de­vi­da­men­te re­gu­la­men­ta­das e as­si­na­la­das por pla­cas ou ou­tro si­nal si­mi­lar (ve­ja-se, a tí­tu­lo de exem­plo, o ca­so das prai­as) e os ani­mais são dis­pen­sa­dos do uso de açai­mo na cir­cu­la­ção (ar­ti­go 3º).

O que é um cão de as­sis­tên­cia?

Só é con­si­de­ra­do cão de as­sis­tên­cia aque­le que é trei­na­do em es­ta­be­le­ci­men­to idó­neo e li­cen­ci­a­do, com trei­na­do­res es­pe­ci­fi­ca­men­te qua­li­fi­ca­dos, sen­do que, pa­ra sa­ber quais são es­ses es­ta­be­le­ci­men­tos, de­ve­rá con­sul­tar o re­gis­to dos mes­mos, di­vul­ga­do pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal pa­ra a Re­a­bi­li­ta­ção, I.P. (ar­ti­go 5º, nºs 1 e 2). A cer­ti­fi­ca­ção de um cão de as­sis­tên­cia é vi­sí­vel atra­vés da emis­são de um car­tão pró­prio e de um dis­tin­ti­vo, atri­buí­do pe­lo es­ta­be­le­ci­men­to de trei­no de­vi­da­men­te cre­den­ci­a­do (nº 3 do mes­mo ar­ti­go). Pa­ra cir­cu­lar com o seu cão­pa­nhei­ro li­vre­men­te, es­se dis­tin­ti­vo te­rá de ser trans­por­ta­do pe­lo ani­mal, pa­ra sua ofi­ci­al iden­ti­fi­ca­ção co­mo cão de as­sis­tên­cia (ar­ti­go 6º). Tam­bém é im­por­tan­te sa­li­en­tar que a pes­soa com de­fi­ci­ên­cia é to­tal­men­te res­pon­sá­vel pe­lo com­por­ta­men­to do ani­mal nos lo­cais de aces­so in­di­ca­dos e pe­los da­nos que o mes­mo ve­nha a pro­vo­car, nos ter­mos le­gais ge­rais (ar­ti­go 7º).

Um com­pa­nhei­ro pa­ra a vi­da

Por­tan­to já sa­be: com gran­de li­ber­da­de, vem gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de. Mas uma coi­sa é cer­ta: não ga­nha ape­nas um au­xi­li­ar de pe­so na con­quis­ta da sua in­de­pen­dên­cia e au­to­no­mia, ga­nha, so­bre­tu­do, um com­pa­nhei­ro de aven­tu­ras, que es­ta­rá sem­pre pre­sen­te e à al­tu­ra de qual­quer de­sa­fio.

O De­cre­to-lei nº 74/2007, de 27/03, con­sa­gra o direito de aces­so, das pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, a fa­zer-se acom­pa­nhar de cães de as­sis­tên­cia em lo­cais, trans­por­tes e es­ta­be­le­ci­men­tos pú­bli­cos.

Pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia sen­so­ri­al, men­tal, or­gâ­ni­ca e mo­to­ra po­dem ace­der a lo­cais, trans­por­tes e es­ta­be­le­ci­men­tos pú­bli­cos acom­pa­nha­dos de cães de as­sis­tên­cia.

A cer­ti­fi­ca­ção de um cão de as­sis­tên­cia é vi­sí­vel atra­vés da emis­são de um car­tão pró­prio e de um dis­tin­ti­vo, que tem de ser trans­por­ta­do pe­lo ani­mal, pa­ra sua ofi­ci­al iden­ti­fi­ca­ção co­mo cão de as­sis­tên­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.