Col­lie de pe­lo com­pri­do

Um aris­to­cra­ta do sé­cu­lo XIX

Caes & Companhia - - Nesta edição -

O Rough Col­lie, ou Col­lie de pe­lo com­pri­do, é um dos cães mais mag­ní­fi­cos do mun­do. For­mo­so, obe­di­en­te, edu­ca­do e gen­til, apre­cia per­ten­cer ao seio da fa­mí­lia e ado­ra agra­dar ao seu do­no. Os seus pre­di­ca­dos tor­nam-no um ani­mal fas­ci­nan­te. É um com­pa­nhei­ro le­al, per­fei­ta­men­te adap­ta­do ao meio ur­ba­no, se bem que nos seus lo­cais de ori­gem na Es­có­cia ain­da guar­de re­ba­nhos de ove­lhas.

Em­bo­ra a sua ver­da­dei­ra ori­gem se­ja um enig­ma, sa­be-se que exis­tem na Es­có­cia pe­lo me­nos des­de o sé­cu­lo XVIII e, co­mo é um cão de re­ba­nho, tam­bém é co­nhe­ci­do por “Cão de Pas­tor Es­co­cês”. Foi em Bel­fast, no ano de 1875, que a ra­ça fi­cou es­ta­be­le­ci­da com es­te no­me, mas o es­ta­lão que de­fi­ne a mor­fo­lo­gia e ca­rá­ter do Rough Col­lie só fi­cou de­fi­ni­do em 1881, ten­do pas­sa­do a de­fi­ni­ti­vo pela FCI em 1970. Ori­gi­nal­men­te, exis­ti­am nu­me­ro­sos ti­pos des­tes cães. De­pois da Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al ter um cão des­ses fi­cou na mo­da e os Col­li­es an­ti­gos fo­ram cru­za­dos com exem­pla­res da ra­ça Bor­zoi pa­ra fi­ca­rem com uma ca­be­ça mais “no­bre”, o que é ho­je em dia uma das ca­rac­te­rís­ti­cas ver­da­dei­ras do Rough Col­lie. O cru­za­men­to con­tí­nuo pa­ra pro­pó­si­tos de exi­bi­ção em Ex­po­si­ções Ca­ni­nas mu­dou dras­ti­ca­men­te a apa­rên­cia dos cães. Nos anos 60 a ra­ça era mui­to mais bai­xa do que ho­je em dia e mais for­te de cor­po.

As co­res do Col­lie

Re­za a his­tó­ria que a Rai­nha Vi­tó­ria de In­gla­ter­ra, em vi­si­ta à Es­có­cia, fi­cou ren­di­da di­an­te da gran­de be­le­za des­ta ra­ça, le­van­do al­guns exem­pla­res pa­ra a sua ma­jes­to­sa re­si­dên­cia em Bal­mo­ral. A sua cor fa­vo­ri­ta era o ful­vo, daí esta ter me­re­ci­do mai­or des­ta­que pa­ra com­pa­nhia. Os exem­pla­res tri­co­lo­res, me­nos vis­to­sos, eram usa­dos co­mo cães de tra­ba­lho. A par­tir de me­a­dos do séc. XIX o Col­lie co­me­çou a apa­re­cer em Ex­po­si­ções, tan­to na va­ri­e­da­de de ful­vo co­mo tri­co­lor, sen­do cer­to que só mais tar­de sur­giu, e se es­ta­bi­li­zou, a va­ri­e­da­de de­no­mi­na­da de azul mer­le. A pri­mei­ra Ex­po­si­ção Ca­ni­na co­nhe­ci­da on­de se ad­mi­te que te­nham fi­gu­ra­do Col­li­es re­a­li­zou-se em ju­nho de 1859, em New­cas­tle, In­gla­ter­ra. Pela pri­mei­ra vez foi or­ga­ni­za­da a apre­sen­ta­ção de uma clas­se se­pa­ra­da de cães de pas­tor. Ou­tro fa­tor adi­ci­o­nal pa­ra a po­pu­la­ri­da­de do Rough Col­lie ful­vo foi sem dú­vi­da a sé­rie de fil­mes “Las­sie” que, a par­tir dos anos 40, tor­nou esta ra­ça fa­mo­sa no mun­do in­tei­ro.

“Las­sie”, o Col­lie mais po­pu­lar do Mun­do

A ra­ça fi­cou co­nhe­ci­da mun­di­al­men­te pela pu­bli­ca­ção do li­vro de Eric Knight “O Re­gres­so de Las­sie”, em 1940, e pela re­a­li­za­ção do fil­me com o mes­mo no­me, em 1943, se­gui­do pela sé­rie de te­le­vi­são. Na re­a­li­da­de, a pri­mei­ra “Las­sie” cha­ma­va-se “Pal” e era um ma­cho. Efe­ti­va­men­te, ao lon­go das di­ver­sas dé­ca­das, as no­ve “Las­si­es” do ci­ne­ma e da te­le­vi­são fo­ram to­das do se­xo mas­cu­li­no e pro­pri­e­da­de do seu trei­na­dor, Rudd We­atherwax. Sem­pre que uma “Las­sie” en­ve­lhe­cia, era ne­ces­sá­rio subs­ti­tuí-la. O seu su­ces­sor era sem­pre um ma­cho, fru­to de cru­za­men­tos do Col­lie an­te­ri­or com uma ca­de­la bran­ca, pa­ra que nas­ces­sem ca­chor­ros com a fa­mo­sa lis­ta bran­ca no chan­fro (es­pe­lho).

O Col­lie em Por­tu­gal

Os da­dos dis­po­ní­veis sobre os pri­mei­ros re­gis­tos de exem­pla­res des­ta ra­ça re­mon­tam aos anos 30, al­tu­ra em que foi re­gis­ta­do o pri­mei­ro Col­lie. Es­te exem­plar, de no­me “Ivan”, nas­ceu a 18 de mar­ço de 1932, fi­lho de “Jack de Brad­ga­te” e de “Brad­ga­te Pri­mu­la”, e foi cri­a­do por W. G. Ar­char. A Ca­ni­cul­tu­ra em Por­tu­gal ti­nha da­do os pri­mei­ros pas­sos e, co­mo tal, an­tes dos re­gis­tos no Li­vro de Ori­gens Por­tu­guês (LOP), na­da mais se sa­be da cri­a­ção de Col­li­es. O Col­lie Clu­be de Por­tu­gal foi fun­da­do a 16 de ju­nho de 1982, por ini­ci­a­ti­va de Evy Pi­ni (do afi­xo “Hel­go­lafs”), uma gran­de apai­xo­na­da pela ra­ça. Após a fun­da­ção do Col­lie Clu­be de Por­tu­gal, a ra­ça es­ta­va pou­co di­fun­di­da no nos­so país. Ha­via re­la­ti­va­men­te pou­cos cri­a­do­res e al­gu­mas li­nhas eram

Um fa­tor adi­ci­o­nal pa­ra a sua po­pu­la­ri­da­de foi a sé­rie de fil­mes “Las­sie” que, a par­tir dos anos 40, tor­nou a ra­ça fa­mo­sa em to­do o Mun­do

O que dis­tin­gue a ra­ça das de­mais é a exu­be­rân­cia da pe­la­gem, com um sub­pe­lo ma­cio e den­so, e pe­lo ás­pe­ro e lon­go

bas­tan­te an­ti­gas, o que le­vou Evy Pi­ni a im­por­tar cães de li­nhas de In­gla­ter­ra e Itália. Anos mais tar­de, fo­ram in­tro­du­zi­dos exem­pla­res de as­cen­dên­cia ita­li­a­na e su­e­ca.

Um aris­to­cra­ta ex­tem­po­râ­neo

O Col­lie é le­al, dó­cil e afe­tu­o­so. No dia-a-dia é ati­vo no ex­te­ri­or, mas cal­mo den­tro de ca­sa e re­quer pou­co es­pa­ço. To­le­ra cri­an­ças e ou­tros ani­mais de es­ti­ma­ção. Po­rém, mos­tra-se re­ser­va­do pa­ra com os es­tra­nhos. Exis­te al­gu­ma ten­dên­cia pa­ra a ti­mi­dez, es­pe­ci­al­men­te em exem­pla­res mal so­ci­a­bi­li­za­dos. O pa­pel do cri­a­dor na so­ci­a­bi­li­za­ção dos ca­chor­ros é pre­pon­de­ran­te nes­te as­pe­to. Os ca­chor­ros de­vem ser ex­pos­tos a es­tí­mu­los vi­su­ais, au­di­ti­vos e ol­fa­ti­vos des­de ce­do. Os ma­chos ten­dem a ama­du­re­cer psi­co­lo­gi­ca­men­te mais tar­de do que as fê­me­as, que ten­dem a ser mais tran­qui­las e me­nos ati­vas que es­tes.

Trei­no

Aci­ma de tu­do, esta é uma ra­ça in­te­li­gen­te que ama o tra­ba­lho, mas nos tem­pos con­tem­po­râ­ne­os tem pou­co ins­tin­to de Pas­to­reio; a sua li­nha­gem de san­gue con­sis­te em 50% de cão per­di­guei­ro e 25% de cão de caça a lo­bos, o que di­lui a in­fluên­cia de 25% de cão pas­tor. De acordo com o li­vro “A In­te­li­gên­cia dos Cães”, de Stan­ley Co­ren, a ra­ça en­con­tra-se na 16ª po­si­ção en­tre as 79 pes­qui­sa­das em “In­te­li­gên­cia a Ades­tra­men­to e Obe­di­ên­cia a Co­man­dos”. Não su­por­ta bem os maus-tra­tos nem re­pri­men­das vi­o­len­tas, a pon­to de amu­ar ou per­der o res­pei­to pe­lo do­no. Não su­por­ta pes­so­as au­to­ri­tá­ri­as nem cri­an­ças ba­ru­lhen­tas, re­a­gin­do com to­tal des­pre­zo ou fu­gin­do. O Col­lie apren­de mui­to de­pres­sa des­de que en­ten­da o que se pre­ten­de de­le, pois é uma ra­ça mui­to in­te­li­gen­te. De­ve ser ins­truí­do pela re­com­pen­sa e não pe­lo cas­ti­go. Apre­cia gu­lo­sei­mas co­mo re­for­ço po­si­ti­vo na apren­di­za­gem. O trei­no po­de ini­ci­ar-se a par­tir dos 3 me­ses e apren­de fa­cil­men­te o seu no­me, a sen­tar, a dei­tar e, in­clu­si­ve, o no­me de ob­je­tos. A cha­ve pa­ra o su­ces­so no trei­no de um Rough Col­lie é: su­a­vi­da­de, pa­ci­ên­cia e com­pre­en­são. Es­tes três pres­su­pos­tos são fun­da­men­tais pa­ra se ter um Col­lie pa­ca­to, tran­qui­lo, obe­di­en­te e fe­liz.

Con­vi­vên­cia em ca­sa

É um cão de fa­mí­lia que gos­ta de agra­dar e es­tar per­to do do­no. Apre­cia mais a com­pa­nhia e o afe­to hu­ma­no que o es­pa­ço. Quer es­tar per­to das pes­so­as e as­sis­tir a tu­do o que os do­nos fa­zem.

Todos de­vem ter o co­lar bran­co no pes­co­ço, com­ple­to ou in­com­ple­to, e as mar­cas Col­lie tra­di­ci­o­nais: pon­ta da cau­da e pa­tas bran­cas

Su­por­ta mal a vi­da em ca­nil e adap­ta-se bem a viver num apar­ta­men­to com va­ran­da. Dir-se-ia que é um cão ati­vo na rua e que ado­ra o so­fá em ca­sa! Tran­qui­lo, em ca­sa vi­ve dei­ta­do, por is­so tem ten­dên­cia pa­ra a obe­si­da­de se não hou­ver um pro­gra­ma de exer­cí­cio re­gu­lar. O do­no de­ve per­mi­tir que cor­ra pe­lo me­nos du­as ve­zes por dia a fim de ex­tra­va­sar a sua ener­gia.

Apa­rên­cia ge­ral

De acordo com a Fe­de­ra­ção Ci­no­ló­gi­ca In­ter­na­ci­o­nal, o Col­lie de pe­lo com­pri­do (Rough Col­lie) per­ten­ce ao Gru­po 1 – Cães de Pas­tor e Boi­ei­ros (ex­ce­to Boi­ei­ros suí­ços). A ní­vel de apa­rên­cia ge­ral é um cão de gran­de be­le­za, com um por­te mui­to dig­no e pro­por­ci­o­nal. A sua es­tru­tu­ra fí­si­ca tem uma li­nha for­te e atlé­ti­ca. A sua ex­pres­são é mui­to im­por­tan­te, ob­ti­da pe­lo equi­lí­brio e com­bi­na­ção per­fei­tos do crâ­nio e fo­ci­nho, ta­ma­nho, for­ma­to, cor e po­si­ci­o­na­men­to dos olhos, as­sim co­mo pe­lo por­te e in­ser­ção cor­re­tos das ore­lhas. A al­tu­ra dos exem­pla­res ma­chos va­ria en­tre 56 a 61 cm, e as fê­me­as de 51 a 56 cm. Am­bos pos­su­em um pe­so com­pre­en­di­do en­tre 15 a 26 kg. Os exem­pla­res ame­ri­ca­nos ten­dem a ser mais cor­pu­len­tos, de chan­fro mais com­pri­do e lar­go, ao pas­so que os exem­pla­res eu­ro­peus ten­dem a ser mais pe­que­nos, de chan­fro mais cur­to, stop mais mar­ca­do e pe­la­gem mais exu­be­ran­te.

Ore­lhas do­bra­das

As ore­lhas do Col­lie de­vem ser 1/3 do­bra­das pa­ra a fren­te, ou se­ja, de­vem ser por-

ta­das em des­can­so pa­ra trás e quan­do aler­ta com dois ter­ços da ore­lha ere­ta e o ter­ço ter­mi­nal caí­do pa­ra fren­te na­tu­ral­men­te. Nal­guns exem­pla­res tal não acon­te­ce. De fac­to, é uma ca­rac­te­rís­ti­ca es­té­ti­ca, mas que os no­vos do­nos po­de­rão aju­dar a man­ter, co­lo­can­do uma pas­ta es­pe­cí­fi­ca na pon­ta das ore­lhas, cu­jo pe­so irá le­var à sua des­lo­ca­ção pa­ra a fren­te. O uso des­sa pas­ta mol­dá­vel po­de­rá ter de ser per­ma­nen­te, sob pe­na do Col­lie fi­car com as ore­lhas to­tal­men­te em pé. Es­sa pas­ta po­de ser ob­ti­da jun­to do cri­a­dor ou mé­di­co ve­te­ri­ná­rio.

Tan­tas com­bi­na­ções de co­res

O que dis­tin­gue a ra­ça das de­mais, tor­nan­do-a es­pe­ci­al, é a exu­be­rân­cia da pe­la­gem. Um Rough Col­lie de­ve ter um sub­pe­lo ma­cio e den­so, e pe­lo ás­pe­ro e lon­go. Todos os exem­pla­res de­vem ter o co­lar bran­co no pes­co­ço, com­ple­to ou in­com­ple­to, e as mar­cas Col­lie tra­di­ci­o­nais: pon­ta da cau­da e pa­tas bran­cas.

Exis­tem 5 va­ri­a­ções de co­lo­ra­ção do pe­lo:

•Cas­ta­nho bi­co­lor: Do cas­ta­nho cla­ro ao mog­no. Olhos cas­ta­nhos.

•Azul mer­le: Tom acin­zen­ta­do com mar­ca­ções azuis pra­te­a­das e mar­mo­ri­za­das em pre­to. Es­te exem­plar po­de ter olhos azuis. Pre­ten­de-se um azul mui­to cla­ro com mar­cas fo­go vi­vas. O mí­ni­mo de ma­lhas pre­tas ou, pe­lo me­nos, de pequeno ta­ma­nho.

•Tri­co­lor: Pre­to, cas­ta­nho vi­vo e bran­co. Pre­to na mai­or par­te do cor­po com mar­ca­ções em cas­ta­nho vi­vo no fo­ci­nho, e nos mem­bros fron­tais e tra­sei­ros.

•Bran­co: Cor­po bran­co e crâ­nio co­lo­ri­do. Es­tes exem­pla­res não são re­co­nhe­ci­dos em al­guns paí­ses, no­me­a­da­men­te, na Eu­ro­pa.

•Cas­ta­nho mer­le: Cas­ta­nho e bran­co. Os olhos po­dem ser azuis. Não é re­co­nhe­ci­do pe­lo CPC pa­ra Ex­po­si­ção. Cos­tu­ma ser fru­to de cru­za­men­tos de cas­ta­nhos com azuis, ha­ven­do co­do­mi­nân­cia de am­bas as co­res. As ma­lhas már­mo­re cas­ta­nhas mais es­cu­ras cos­tu­mam ser im­per­ce­tí­veis em adul­tos.

Man­ter a pe­la­gem

O Rough Col­lie não exa­la odor ca­rac­te­rís­ti­co, nem pre­ci­sa de mui­tos ba­nhos pa­ra se man­ter lim­po, bas­ta uma es­co­va­gem re­gu­lar. Lar­ga pou­co pe­lo e so­men­te quan­do es­tá na mu­da. O pe­lo não cai du­ran­te o pe­río­do de cres­ci­men­to da pe­la­gem, que po­de de­mo­rar 6 a 8 me­ses até atin­gir o seu es­plen­dor. Ao con­trá­rio do que se pos­sa pen­sar, o pe­lo do Rough Col­lie ra­ra­men­te se em­ba­ra­ça, cai pou­co e não re­quer mui­tos ba­nhos anu­ais. O pe­lo só cai uma vez por ano (du­as ve­zes no ca­so das fê­me-

Ape­sar do seu as­pe­to aris­to­crá­ti­co, de man­to be­lo e ás­pe­ro, es­te é um cão rús­ti­co e sau­dá­vel, se­le­ci­o­na­do pa­ra tra­ba­lhar

as, ge­ral­men­te 2 me­ses an­tes do cio). É ne­ces­sá­rio es­co­var uma vez por se­ma­na. Usan­do um bom con­di­ci­o­na­dor di­luí­do em água, pul­ve­ri­za-se o pe­lo e em se­gui­da apli­ca-se pó-de-tal­co ou fé­cu­la de ba­ta­ta, e es­co­va-se com uma es­co­va de pins con­tra o cor­rer do pe­lo. Cui­da­do em de­sem­ba­ra­çar bem o pe­lo atrás das ore­lhas, que ga­nha nós com mui­ta fa­ci­li­da­de. Use um cor­ta-nós e um pen­te. A car­da­dei­ra po­de ser usa­da pa­ra es­co­var o pe­lo das pa­tas e mem­bros.

Ali­men­ta­ção

Uma boa ali­men­ta­ção é fun­da­men­tal pa­ra um óti­mo cres­ci­men­to e bom es­ta­do da pe­la­gem. Es­co­lha sem­pre uma ra­ção com ele­va­do te­or de car­ne, áci­dos gor­dos Óme­ga 3 e Óme­ga 6. Po­de in­clu­si­ve mis­tu­rar 2/3 de ra­ção com 1/3 de co­mi­da fres­ca pre­pa­ra­da em ca­sa: ar­roz e car­ne de pe­ru, fran­go ou bor­re­go. Um pon­to fra­co des­ta ra­ça é o mau há­li­to e a for­ma­ção de tár­ta­ro. Exis­tem soluções efi­ca­zes. Pó à ba­se de al­gas ou lac­to­ba­cil­lus adi­ci­o­na­do na co­mi­da al­te­ra o ph da sa­li­va, evi­tan­do o tár­ta­ro e a ha­li­to­se. É acon­se­lhá­vel a par­tir de cer­ta ida­de ter de fa­zer uma des­tar­ta­ri­za­ção no mé­di­co ve­te­ri­ná­rio.

Gos­ta do ar li­vre

Na pri­ma­ve­ra e verão, o do­no tem de ter cui­da­do com as es­pi­gas de er­vas (pra-

ga­nas) que se alo­jam fa­cil­men­te no sub­pe­lo, ore­lhas e en­tre os de­dos. Pre­fi­ra pas­seá-lo em zo­nas de rel­va bem apa­ra­da ou mes­mo em ter­ra ba­ti­da, evi­tan­do zo­nas com pra­ga­nas. Um dos pas­sa­tem­pos fa­vo­ri­tos dos Col­lie é o co­bro, ou se­ja, ir bus­car ob­je­tos ati­ra­dos pe­lo do­no. Tra­ta-se de um ex­ce­len­te exer­cí­cio que con­tri­bui pa­ra a ma­nu­ten­ção da mas­sa mus­cu­lar e en­ri­que­ce o re­la­ci­o­na­men­to ín­ti­mo en­tre o do­no e o cão. Os Col­li­es apre­ci­am a água, não tan­to pa­ra na­dar, mas mais pa­ra cha­pi­nhar e se re­fres­car. É fun­da­men­tal te­rem mui­ta água à dis­po­si­ção no verão.

Saú­de

Ape­sar do seu as­pe­to aris­to­crá­ti­co, de man­to be­lo e ás­pe­ro, es­te é um cão rús­ti­co e sau­dá­vel, se­le­ci­o­na­do pa­ra tra­ba­lhar. O exer­cí­cio diá­rio mo­de­ra­do é im­por­tan­te pa­ra man­ter a mus­cu­la­tu­ra e evi­tar a obe­si­da­de. No mo­men­to da de­ci­são de ter um Col­lie, o po­ten­ci­al do­no de­ve pro­cu­rar um cri­a­dor com boa re­pu­ta­ção. Atu­al­men­te há li­nhas isen­tas de ta­ras ocu­la­res, ge­ne MDR1 (sen­si­bi­li­da­de a me­di­ca­men­tos), dis­pla­sia da an­ca, CEA, Mi­e­lo­pa­tia de­ge­ne­ra­ti­va, ato­pia, der­ma­to­mi­o­si­te, en­tre ou­tros pro­ble­mas ge­né­ti­cos.

Do­en­ças tí­pi­cas da ra­ça

Des­de que um exem­plar pro­ve­nha de uma ni­nha­da se­le­ci­o­na­da, em que na sua li­nha­gem exis­ta, há vá­ri­as ge­ra­ções, a pre­o­cu­pa­ção da se­le­ção de exem­pla­res ap­tos pa­ra cri­a­ção, sem do­en­ças ge­né­ti­cas, nem ti­mi­dez, nor­mal­men­te é uma ra­ça sau­dá­vel. Os Col­li­es têm uma lon­ga es­pe­ran­ça mé­dia de vi­da, po­den­do viver de 12 a 17 anos. Exis­tem mui­tos exem­pla­res tí­mi­dos e esta ca­rac­te­rís­ti­ca po­de não ser ge­né­ti­ca e ser fru­to de uma má so­ci­a­bi­li­za­ção em ca­chor­ro, o que mais tar­de di­fi­cul­ta a con­vi­vên­cia com o ani­mal e o seu trei­no. O Col­lie não cos­tu­ma pa­de­cer de do­en­ças car­día­cas, mas é pro­pen­so ao can­cro em ida­de mais avan­ça­da. Al­gu­mas ca­de­las não es­te­ri­li­za­das de­sen­vol­vem pro­ble­mas ute­ri­nos (pió­me­tra), uma si­tu­a­ção gra­ve que re­quer ová­rio-his­te­rec­to­mia ime­di­a­ta. Fre­quen­te­men­te, os ma­chos so­frem de pro­ble­mas de prós­ta­ta ou can­cro tes­ti­cu­lar. Por is­so, re­co­men­da-se a es­te­ri­li­za­ção de todos os exem­pla­res que não se­jam usa­dos na re­pro­du­ção, a fim de lhes pro­por­ci­o­nar uma vi­da mais lon­ga e fe­liz. Al­guns Col­li­es pro­vêm de li­nhas com epi­lep­sia.

Re­pro­du­ção

Os Col­li­es atin­gem a sua ma­tu­ri­da­de se­xu­al, em mé­dia, a par­tir dos 12 me­ses. Esta não é uma ra­ça fá­cil de cri­ar. Gran­de par­te dos ci­os pas­sam des­per­ce­bi­dos e vá­ri­os ma­chos são in­fér­teis. Há mui­ta di­fi­cul­da­de no cru­za­men­to por­que mui­tas ca­de­las têm a vul­va es­trei­ta e é usu­al re­cor­rer-se à in­se­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al, mas ra-

ra­men­te nas­cem de ce­sa­ri­a­na. As ni­nha­das têm ge­ral­men­te de 4 a 8 ca­chor­ros e as mães apren­dem a ma­ter­ni­da­de. Na pri­mei­ra ni­nha­da é fre­quen­te a fê­mea ter de ser aju­da­da pe­lo cri­a­dor, por exem­plo, evi­tan­do que a mãe os pi­se, apoi­an­do as cri­as quan­do es­tão a ma­mar e ga­ran­tir que es­tas não per­dem re­fei­ções. O ín­di­ce de mor­ta­li­da­de pe­ri­na­tal é ele­va­do em al­gu­mas li­nhas de Col­li­es. O ca­chor­ro Rough Col­lie As cri­as nas­cem em mé­dia com 300 a 400 g de pe­so. O pe­so ge­ral­men­te du­pli­ca ao fim de 15 dias. Os olhos abrem en­tre os 10 e os 15 dias e co­me­çam a ou­vir por volta das 3 se­ma­nas. Co­mem co­mi­da só­li­da a par­tir das 3-4 se­ma­nas, em­bo­ra só se­jam des­ma­ma­dos de­pois das 6 se­ma­nas, ida­de com que são va­ci­na­dos. São ca­chor­ros ca­la­di­nhos, des­de que bem nu­tri­dos e quen­ti­nhos. Cri­am la­ços ín­ti­mos com o cri­a­dor lo­go às 2-3 se­ma­nas, co­nhe­cen­do-o pe­lo ol­fa­to, es­pe­ci­al­men­te se fo­rem ali­men­ta­dos a bi­be­rão co­mo ad­ju­van­te ao lei­te da mãe, so­bre­tu­do em ni­nha­das nu­me­ro­sas. Os la­ços cri­a­dos as­sim são for­tes e eles pro­cu­ra­rão o con­tac­to hu­ma­no com mui­ta afei­ção. Os Col­li­es apren­dem pe­lo re­for­ço po­si­ti­vo a se­rem as­se­a­dos a par­tir dos 6 me­ses, em­bo­ra as fê­me­as ge­ral­men­te co­me­cem a ser as­se­a­das após o cio (cer­ca dos 9 me­ses). Nes­ta fa­se de­ve­mos evi­tar os cas­ti­gos e re­com­pen­sar o bom com­por­ta­men­to. Cru­za­men­tos per­mi­ti­dos Pa­ra man­ter o es­ta­lão, eis os cru­za­men­tos per­mi­ti­dos: •Tri­co­lor x Tri­co­lor – Des­cen­dên­cia 100%

tri­co­lor; •Tri­co­lor x Cas­ta­nho – Des­cen­dên­cia

50% a 100% cas­ta­nho ou tri­co­lor; •Cas­ta­nho x Cas­ta­nho – Des­cen­dên­cia

50% a 100% cas­ta­nho ou tri­co­lor; •Azul mer­le x Tri­co­lor – Des­cen­dên­cia

50% azul e 50% tri­co­lor. A ter em aten­ção! •Os cru­za­men­tos de azul mer­le com cas­ta­nho po­dem ori­gi­nar exem­pla­res cas­ta­nho mer­le (não re­co­nhe­ci­dos pe­lo CPC). •O cru­za­men­to de azul mer­le com azul

mer­le po­de ori­gi­nar azuis mer­le, tri­co­lo­res e du­plos mer­le. •Os du­plos mer­le são cães com de­ma­si­a­das man­chas bran­cas no cor­po, não são re­co­nhe­ci­dos pe­lo CPC e po­dem ser ce­gos ou sur­dos to­tal ou par­ci­al­men­te, de­pen­den­do on­de as man­chas sur­gem. •To­da­via, se um du­plo mer­le aca­sa­lar com um exem­plar tri­co­lor, a des­cen­dên­cia se­rá 100% azul mer­le e 100% sau­dá­vel (sem ano­ma­li­as nos ou­vi­dos ou nos olhos).

Ori­gi­ná­ria dos cam­pos da Es­có­cia, a ra­ça es­tá per­fei­ta­men­te adap­ta­da ao meio ur­ba­no, co­mo cão de com­pa­nhia e de fa­mí­lia

•Não con­fun­dir com a cor bran­ca. Os Col­li­es bran­cos são nor­mais, ape­nas têm cor bran­ca a mais em re­la­ção a ou­tros exem­pla­res. Os Col­li­es bran­cos po­dem ter a ca­be­ça tri­co­lor, azul ou cas­ta­nha. Es­tes exem­pla­res são fre­quen­tes nos EUA, on­de to­das as co­res são per­mi­ti­das pe­lo Ame­ri­can Ken­nel Club (AKC). Os du­plos mer­le cos­tu­mam ter a ca­be­ça bran­ca na sua qua­se to­ta­li­da­de e al­guns exem­pla­res nas­cem sem glo­bo ocu­lar. À pro­cu­ra de um Col­lie… O pri­mei­ro pas­so se­rá so­li­ci­tar uma lis­ta de cri­a­do­res ao Clu­be Por­tu­guês de Ca­ni­cul­tu­ra ou ao Col­lie Clu­be de Por­tu­gal. Mes­mo que não quei­ra um exem­plar pa­ra Ex­po­si­ção, de­cer­to de­se­ja um be­lo ani­mal sau­dá­vel. Fa­ça per­gun­tas sobre a saú­de dos pais, cer­ti­fi­ca­dos de saú­de, tes­tes ge­né­ti­cos efe­tu­a­dos e in­ves­ti­gue a sua ge­ne­a­lo­gia (pe­di­gree). Mui­tos cães atu­al­men­te têm a in­for­ma­ção sobre o seu ADN dis­po­ní­vel em ba­ses de da­dos na In­ter­net. No mo­men­to da es­co­lha, vi­si­te o cri­a­dor pa­ra ver as con­di­ções em que vi­vem os pro­ge­ni­to­res e a ni­nha­da. Nes­sa vi­si­ta, pe­ça o con­tac­to de pro­pri­e­tá­ri­os que te­nham exem­pla­res da sua cri­a­ção pa­ra re­fe­rên­cia. So­li­ci­te ain­da os do­cu­men­tos re­la­ti­vos aos tes­tes efe­tu­a­dos aos pro­ge­ni­to­res.

No dia-a-dia, é ati­vo no ex­te­ri­or, mas cal­mo den­tro de ca­sa e re­quer pou­co es­pa­ço

Sem­pre que ad­qui­rir um ca­chor­ro com LOP, pe­ça pa­ra ver a có­pia do re­gis­to da ni­nha­da, pa­ra evi­tar sur­pre­sas de­sa­gra­dá­veis, co­mo des­co­brir que afi­nal não há re­gis­to. Pe­ran­te qual­quer dú­vi­da que lhe sur­ja du­ran­te to­do o pro­ces­so, con­tac­te o CPC. Esta é a en­ti­da­de má­xi­ma que re­ge a cri­a­ção de cães em Por­tu­gal. A es­co­lha do seu ca­chor­ro Um Col­lie be­bé não de­ve ser tí­mi­do, de­ve co­mer so­zi­nho, es­tar com­ple­ta­men­te des­ma­ma­do e in­te­ra­gir bem com seus ir­mãos, sem se co­lo­car a um can­to. De­ve ser afá­vel, lam­ber as mãos de quem lhe pe­ga ao co­lo e apre­ci­ar ser to­ca­do e aca­ri­nha­do. Aos 2 me­ses já tem uma boa ca­ma­da de pe­lo. Se não ti­ver, po­de­rá ter pou­co pe­lo em adul­to. Pe­ça pa­ra ver os pais, pois o com­pri­men­to do pe­lo é um fa­tor ad­qui­ri­do des­tes. Re­jei­te um ca­chor­ro que apre­sen­te fa­lhas de pe­lo si­mé­tri­cas na fa­ce ou nas pa­tas. Exem­pla­res cri­a­dos ao ar li­vre, com pou­co con­tac­to hu­ma­no e ad­qui­ri­dos com mais de 4 me­ses po­de­rão ser di­fí­ceis de so­ci­a­bi­li­zar, ser tí­mi­dos ou mais di­fí­ceis de se adap­tar. Se cres­ce­ram em con­tac­to com se­res hu­ma­nos ou ou­tros ani­mais, a ida­de com que se ad­qui­re es­te com­pa­nhei­ro já não é tão re­le­van­te. Col­lie Clu­be de Por­tu­gal Fun­da­do em 1982, es­te ano tem lu­gar a 22ª Ex­po­si­ção Ca­ni­na Mo­no­grá­fi­ca do Col­lie Clu­be de Por­tu­gal, a 2 de de­zem­bro, no Cen­tro Na­ci­o­nal de Ex­po­si­ções (CNEMA) em San­ta­rém. Pa­ra mais in­for­ma­ções: col­li­e­clu­be­de­por­tu­gal@hot­mail.com ou 934 175 155. www.col­li­e­clu­be­de­por­tu­gal.pt n

Eli­za­beth Tay­lor e “Pal”, o pri­mei­ro exem­plar da ra­ça Rough Col­lie a en­car­nar a “Las­sie” no gran­de ecrã. Foi o pri­mei­ro de uma sé­rie de ma­chos a in­ter­pre­tar o pa­pel do Col­lie mais fa­mo­so do Mun­do.

“Mr. R. A. Taits Ch. Wishaw Le­a­der By Orms­kirk Olym­pi­an Hartwo­od Lady”, exem­plo de co­mo era um Col­lie há 100 anos (fo­to­gra­fia de C. Reid, Wishaw, 1911).

As ore­lhas do Col­lie de­vem ser 1/3 do­bra­das pa­ra a fren­te, ou se­ja, de­vem ser por­ta­das em des­can­so pa­ra trás e quan­do aler­ta com dois ter­ços da ore­lha ere­ta e o ter­ço ter­mi­nal caí­do pa­ra fren­te na­tu­ral­men­te.

Exem­plar bran­co mer­le nas­ci­do em Por­tu­gal, com vi­são e au­di­ção cor­re­tas. Al­guns exem­pla­res des­ta cor, fru­to de cru­za­men­tos en­tre in­di­ví­du­os com o ge­ne mer­le, ou­vem e ve­em mal. Por is­so es­te ti­po de cru­za­men­to é de­sa­con­se­lha­do.

No­ta de agra­de­ci­men­to: Agra­de­ce­mos a Cân­di­da Ve­lho do afi­xo “Mar­gens do Cá­va­do”, a So­fia Marques do afi­xo “Wi­sewyn”, a Gi­se­le Fernandes do afi­xo “Won­der­full Temp­ta­ti­on”, a Ali­ce e Al­ba­no Mo­rei­ra, e a Mar­ga­ri­da Eva­ris­to que ce­de­ram fo­to­gra­fi­as de exem­pla­res da sua pro­pri­e­da­de pa­ra ilus­trar es­te ar­ti­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.