Cão Lo­bo Che­cos­lo­va­co

En­tre o pro­fa­no e o sa­gra­do

Caes & Companhia - - RACA -

Ale­gre, mui­to ati­vo, aler­ta, ver­sá­til, ex­tre­ma­men­te dó­cil com os do­nos, re­fle­xos sil­ves­tres e mui­to gre­gá­rio. O Cão Lo­bo Che­cos­lo­va­co ten­ta reu­nir a ca­pa­ci­da­de de tra­ba­lho do Pas­tor Ale­mão com a adap­ta­bi­li­da­de, ca­pa­ci­da­de de fun­ci­o­nar de for­ma or­ga­ni­za­da num gru­po e res­pei­to pe­la hi­e­rar­quia do lo­bo (am­bos seus an­te­pas­sa­dos). A mís­ti­ca do seu com­por­ta­men­to igua­la a do seu as­pec­to.

Em 1955, na an­ti­ga Che­cos­lo­vá­quia te­ve iní­cio uma ex­pe­ri­ên­cia no cam­po da Bi­o­lo­gia. O cru­za­men­to de um cão da ra­ça Cão de Pas­tor Ale­mão com um lo­bo dos Cár­pa­tos. Es­ta ex­pe­ri­ên­cia de­mons­trou que o cru­za­men­to de um cão com uma lo­ba e vi­ce-ver­sa é viá­vel e os exem­pla­res re­sul­tan­tes são fér­teis. Em 1965, de­pois do fi­nal da ex­pe­ri­ên­cia, de­sen­vol­veu-se o pro­je­to pa­ra cri­ar uma no­va ra­ça par­tin­do dos exem­pla­res re­sul­tan­tes. O ob­jec­ti­vo era re­cu­pe­rar ca­rac­te­rís­ti­cas úteis que o lo­bo ain­da pos­suís­se e já es­ti­ves­sem de­ma­si­a­do di­luí­das no cão com as fa­vo­rá­veis que a do­mes­ti­ca­ção des­te já lhe ti­nha atri­buí­do.

Nos ca­nis de Li­be­jo­vi­ce

Re­gres­san­do a 1955, foi nes­ta da­ta que o Eng. Ka­rel Har­tl co­me­çou a tra­ba­lhar no pro­je­to nos ca­nis da Guar­da Fron­tei­ri­ça de Li­be­jo­vi­ce. Nes­se ano, as ten­ta­ti­vas de cru­zar a lo­ba de no­me “Bri­ta” com o Pas­tor Ale­mão se­le­ci­o­na­do não ti­ve­ram su­ces­so. Foi ne­ces­sá­rio pro­cu­rar ou­tro ma­cho. Fi­nal­men­te, a 26 de maio de 1958, nas­ceu a 1ª ni­nha­da de hí­bri­dos a par­tir da cru­za do Pas­tor Ale­mão “Ce­zar z Bre­zo­veho” e a lo­ba “Bri­ta”. Des­ta ni­nha­da, fo­ram se­le­ci­o­na­dos al­guns exem­pla­res pa­ra no­vos cru­za­men­tos com Pas­to­res Ale­mães não apa­ren­ta­dos. Já foi pos­sí­vel trei­nar exem­pla­res da 2ª ge­ra­ção nos ca­sos dos exem­pla­res que fo­ram re­ti­ra­dos do ca­nil ain­da jo­vens e cri­a­dos in­di­vi­du­al­men­te na com­pa­nhia de hu­ma­nos. In­di­ví­du­os da ge­ra­ção F3 e F4 já fo­ram uti­li­za­dos de for­ma ro­ti­nei­ra co­mo cães de tra­ba­lho pe­lo exér­ci­to. A lo­ba “Bri­ta” foi cru­za­da no­va­men­te. Des­ta vez com o Pas­tor Ale­mão “Kurt z Va­clavky” tor­nan­do-se as­sim a ori­gem das du­as pri­mei­ras li­nhas de hí­bri­dos. Uma 3ª li­nha nas­ceu do lo­bo “Ar­go” e da Pas­to­ra Ale­mã “As­tra z SNB” nos ca­nis da po­lí­cia de By­chory em 1968. Nes­ta al­tu­ra, sur­giu pe­la pri­mei­ra vez a de­sig­na­ção “Cão Lo­bo Che­co” pa­ra os hí­bri­dos das vá­ri­as li­nhas.

Nos ca­nis de Ma­lacky

Em 1970 a mai­or par­te dos exem­pla­res foi en­vi­a­da pa­ra no­vos ca­nis nas ime­di­a­ções de Ma­lacky, per­ten­cen­tes à sec­ção de Bra­tis­la­va da guar­da fron­tei­ri­ça. Os me­lho­res exem­pla­res pa­ra re­pro­du­ção ul­tra­pas­sa­ram a Cor­ti­na de Fer­ro e os cri­a­do­res es­lo­va­cos não fo­ram tão pres­si­o­na­dos a cri­ar ape­nas pa­ra a ob­ten­ção de hí­bri­dos es­pe­cí­fi­cos pa­ra as for­ças ar­ma­das e pu­de­ram tra­ba­lhar na uni­for­mi­za­ção das ca­rac­te­rís­ti­cas ex­ter­nas da ra­ça. Um no­me se sa­li­en­ta no tra­ba­lho de de­sen­vol­vi­men­to da ra­ça na Es­lo­vá­quia du­ran­te es­ta fa­se. O vi­ce-co­man­dan­te de Ma­lacky, o Ma­jor Fran­ti­sek Ro­sik. Foi nes­tes ca­nis que sur­giu a 4ª li­nha. O lo­bo “Sa­rik” en­ri­que­ceu a po­pu­la­ção de Ma­lacky ao cru­zar com “Xe­la z Poh­ra­nic­ni stra­ze”, uma fê­mea de ge­ra­ção F3 e com uma ou­tra fê­mea da ra­ça: “Ur­ta z Poh­ra­nic­ni stra­ze” em 1972. Nes­ta fa­se, a de­sig­na­ção “Cão Lo­bo Che­co” co­me­çou a ser subs­ti­tuí­da pe­la de­sig­na­ção atu­al de “Cão Lo­bo Che­cos­lo­va­co”. A úl­ti­ma in­ser­ção ofi­ci­al de ge­nes fo­ra da ra­ça pro­veio do cru­za­men­to en­tre o Pas­tor Ale­mão “Bo­jar von Schot­terhof” com a lo­ba “Lady”. A ni­nha­da nas­ceu a 26 de abril de 1983. Des­ta, o ma­cho F1 “Ka­ran z Poh­ra­nic­ni stra­ze” foi uti­li­za­do di­re­ta­men­te no de­sen­vol­vi­men­to da ra­ça.

Re­co­nhe­ci­men­to da ra­ça

O Eng. Ka­rel Har­tl so­li­ci­tou a pos­si­bi­li­da­de de re­gis­to dos hí­bri­dos no li­vro de ori­gens da União de Cri­a­do­res da Re­pú­bli­ca Che­ca no ano de 1966. La­men­ta­vel­men­te, o pe­di­do não foi sa­tis­fei­to. Pa­ra pi­o­rar a si­tu­a­ção, fo­ram pu­bli­ca­dos ar­ti­gos de es­pe­ci­a­lis­tas afir­man­do que uma cri­a­ção bem-su­ce­di­da des­ta ra­ça era ina­tin­gí­vel. Em 1970, o pe­di­do foi de no­vo ne­ga­do. A si­tu­a­ção re­pe­tiu-se em 1976, no li­vro de ori­gens de Svazrm (Or­ga­ni­za­ção de Co­o­pe­ra­ção com o Exér­ci­to). O Prof. Ge­ne­ral J. Hru­ovský, na­que­la épo­ca Pre­si­den­te do Con­se­lho Cen­tral Ci­no­ló­gi­co, in­ter­veio. Fi­nal­men­te, em 1981, o Co­mi­té Cen­tral

Ca­da vez mais pes­so­as ga­nham en­tu­si­as­mo em ter por com­pa­nhia um “lo­bo”, pe­lo seu com­pa­nhei­ris­mo e cum­pli­ci­da­de

de Pe­ri­tos da União de Cri­a­do­res Che­cos apro­vou a apli­ca­ção pa­ra que se re­gis­tas­sem os cães no li­vro de ori­gens. Em si­mul­tâ­neo, per­mi­ti­ram a fun­da­ção do Clu­be de Cri­a­do­res da ra­ça em 1982. Da­do que a cri­a­ção des­ta ra­ça se de­sen­vol­via de for­ma bem-su­ce­di­da, o Clu­be de Cri­a­do­res do Cão Lo­bo Che­cos­lo­va­co pe­diu a ho­mo­lo­ga­ção da ra­ça à FCI. Foi ne­ces­sá­rio en­tão mo­di­fi­car o es­ta­lão de acor­do com os re­que­ri­men­tos in­ter­na­ci­o­nais. A ra­ça foi re­co­nhe­ci­da pe­la FCI a 13 de ju­nho de 1989.

Fi­xa­ção da ra­ça

Du­ran­te vá­ri­os anos, o ob­jec­ti­vo na cri­a­ção des­tes cães ba­se­a­va-se em in­ves­ti­ga­ção no cam­po da bi­o­lo­gia. Lo­go, não ha­via a in­ten­ção de de­sen­vol­ver uma mor­fo­lo­gia ori­en­ta­da pa­ra um stan­dard. Ape­nas após a en­tra­da da equi­pa de Ma­lacky, a uni­for­mi­za­ção e apro­xi­ma­ção do as­pec­to da ra­ça ao lo­bo se ini­ci­ou. Du­ran­te vá­ri­as ge­ra­ções, os exem­pla­res ti­nham se­me­lhan­ças com Pas­to­res Ale­mães lo­bei­ros, mas já se no­ta­va al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas do lo­bo, tal co­mo, as ore­lhas mais cur­tas e o pei­to me­nos pro­fun­do. A cau­da per­dia já a ele­va­ção em sa­bre e o ab­dó­men já era mais re­traí­do. De­mons­tra­ram já nes­ta fa­se, uma de­pen­dên­cia enor­me do gru­po. Era fun­da­men­tal sen­ti­rem-se in­te­gra­dos nu­ma ma­ti­lha or­ga­ni­za­da hi­e­rar­qui­ca­men­te. Ain­da as­sim é ho­je em dia.

Se­le­ção do tem­pe­ra­men­to

O tem­pe­ra­men­to foi mui­to tra­ba­lha­do des­de o iní­cio. Ten­ta­va-se se­le­ci­o­nar exem­pla­res equi­li­bra­dos, que pu­des­sem di­vi­dir ta­re­fas en­tre a ma­ti­lha a par­tir da ori­en­ta­ção do trei­na­dor. A pa­tru­lha da fron­tei­ra era a sua ta­re­fa prin­ci­pal. De­ve­mos en­qua­drar-nos no con­tex­to da épo­ca, com a Gu­er­ra Fria e as ten­ta­ti­vas de fu­ga por par­te de dis­si­den­tes. A par­tir da aber­tu­ra ide­o­ló­gi­ca do les­te, a ra­ça to­mou ou­tro im­pul­so. A sua agi­li­da­de era mui­to apre­ci­a­da quan­do era ne­ces­sá­rio ace­der a es­com­bros. Ini­ci­ou-se a se­le­ção de um tem­pe­ra­men­to mais amis­to­so com o ser hu­ma­no e a in­te­gra­ção em equi­pas de bus­ca e sal­va­men­to. A sua cu­ri­o­si­da­de na­tu­ral au­xi­lia-o nes­ta ta­re­fa. So­man­do es­ta ca­rac­te­rís­ti­ca à sua afi­ni­da­de com pes­so­as res­ta ape­nas um trei­no po­si­ti­vo com ob­jec­ti­vos pa­ra ser bem-su­ce­di­do nes­ta ta­re­fa.

Dis­tin­ção de du­as li­nhas

Nas du­as úl­ti­mas dé­ca­das a ra­ça es­pa­lhou-se des­de os seus paí­ses ori­gi­nais, as atu­ais Es­lo­vá­quia e Re­pú­bli­ca Che­ca, por qua­se to­da a Eu­rá­sia e Amé­ri­cas. Ape­sar de ser uma ra­ça mui­to re­cen­te, já se dis­tin­gue pe­lo me­nos du­as li­nhas. Os

Tem a ca­pa­ci­da­de de pas­sar da mais pro­fun­da so­no­lên­cia a um es­ta­do lú­di­co ex­plo­si­vo num pis­car de olhos

che­cos pre­fe­rem cães mais ro­bus­tos e pos­san­tes. Os es­lo­va­cos dão pri­o­ri­da­de a uma si­lhu­e­ta mais es­bel­ta e ágil. Ho­je em dia, al­guns cri­a­do­res es­tão a ten­tar as­so­ci­ar o me­lhor das du­as li­nhas, ten­tan­do ob­ter um cão ro­bus­to, mas não mui­to pe­sa­do com uma agi­li­da­de in­ter­mé­dia. Es­sen­ci­al é a se­le­ção do tem­pe­ra­men­to. Nes­tes paí­ses, os cães cu­jos do­nos os quei­ram cru­zar são su­jei­tos a um con­jun­to de pro­vas que ava­lia as su­as ca­rac­te­rís­ti­cas mor­fo­ló­gi­cas e de tem­pe­ra­men­to, e re­ce­bem um có­di­go ava­li­a­ti­vo. Ape­nas as ni­nha­das dos exem­pla­res bem pon­tu­a­dos po­dem ser re­gis­ta­das.

A ra­ça ac­tu­al

A ra­ça es­tá a ga­nhar po­pu­la­ri­da­de co­mo cão de com­pa­nhia, con­tri­buin­do pa­ra is­so a sua ne­ces­si­da­de gre­gá­ria. Ca­da vez mais pes­so­as ga­nham en­tu­si­as­mo em ter por com­pa­nhia um “lo­bo” que o con­si­de­ra co­mo pre­sen­ça fun­da­men­tal no seu raio de vi­são. O com­pa­nhei­ris­mo e cum­pli­ci­da­de que de­mons­tram ao lon­go da vi­da tor­na-os a “som­bra” dos do­nos. A pre­sen­ça em Ex­po­si­ções já é re­gu­lar pe­la Eu­ro­pa fo­ra. A sua par­ti­ci­pa­ção em pro­vas de tra­ba­lho no Oci­den­te ain­da é mui­to dis­cre­ta, em­bo­ra já se­ja vul­gar ver exem­pla­res a tra­ba­lhar na in­dús­tria pu­bli­ci­tá­ria e ci­ne­ma­to­grá­fi­ca a de­sem­pe­nha­rem o pa­pel de lo­bos.

Apa­rên­cia ge­ral

Es­te é um cão de cons­ti­tui­ção fir­me, per­fil rec­tan­gu­lar, se­me­lhan­te ao lo­bo na tex­tu­ra e cor do pe­lo. É uni­for­me no ti­po. Os seus sen­ti­dos es­tão for­te­men­te de­sen­vol­vi­dos. É ati­vo, com re­a­ções ati­vo-de­fen­si­vas, mas re­ser­va­do. A ca­be­ça é em for­ma

Já é vul­gar ver exem­pla­res a tra­ba­lhar na in­dús­tria pu­bli­ci­tá­ria e ci­ne­ma­to­grá­fi­ca a de­sem­pe­nha­rem o pa­pel de lo­bos

de cu­nha, mas com a tes­ta li­gei­ra­men­te ar­que­a­da. A ex­pres­são de­ve de­mons­trar o se­xo. Os olhos tí­pi­cos de­vem ser âm­bar e li­gei­ra­men­te amen­do­a­dos. As ore­lhas são cur­tas e le­van­ta­das. O pes­co­ço é bem mus­cu­la­do, sem pre­gas e bem pro­vi­do de pe­lo. O dor­so é rec­to e fir­me, li­gei­ra­men­te in­cli­na­do. O lom­bo é cur­to. O ven­tre é fir­me e ar­re­ga­ça­do. A cau­da é de in­ser­ção al­ta, rec­ta e pen­den­te. O pei­to é es­pa­ço­so, em for­ma de pe­ra, al­go es­trei­ta­do sem ter o es­ter­no mar­ca­do. As mãos en­con­tram-se li­gei­ra­men­te vi­ra­das pa­ra fo­ra, ou­tro si­nal ca­rac­te­rís­ti­co. Quan­do os es­po­rões ra­ra­men­te sur­gem, são re­mo­vi­dos. Pos­sui um tro­te har­mo­ni­o­so e le­ve com a ca­be­ça qua­se no ali­nha­men­to do dor­so. A al­tu­ra mí­ni­ma pa­ra os ma­chos é 65 cm com um pe­so mí­ni­mo de 26 kg e 60 cm pa­ra as fê­me­as, ten­do es­tas, um pe­so mí­ni­mo de 20 kg. Os li­mi­tes su­pe­ri­o­res não es­tão de­fi­ni­dos. A ní­vel fi­si­co o en­ve­lhe­ci­men­to é dis­cre­to. A tí­pi­ca más­ca­ra bran­ca do cão ido­so não é per­cep­tí­vel na ra­ça e a sua agi­li­da­de man­tém-se até tar­de. Es­ta des­cri­ção é traí­da ape­nas pe­lo des­gas­te da den­ti­ção e pe­la cor dos olhos. O cin­zen­to da íris do ca­chor­ro tor­na-se âm­bar na ado­les­cên­cia e vai gra­du­al­men­te es­cu­re­cen­do até um cas­ta­nho for­te no cão sé­ni­or.

A sua pe­la­gem

A pe­la­gem é rec­ta e fe­cha­da, de­ven­do co­brir to­do o cor­po den­sa­men­te, in­cluin­do o ab­dó­men e o es­cro­to no ca­so dos ma­chos. Du­ran­te o in­ver­no o sub-pe­lo co­bre to­da a su­per­fí­cie do cor­po. As co­res ad­mi­ti­das são do cin­za-ama­re­lo ao cin­za­pra­te­a­do com uma más­ca­ra pá­li­da ca­rac­te­rís­ti­ca. Os pe­los cla­ros tam­bém sur­gem na zo­na in­fe­ri­or do pes­co­ço e no pei­to. A pe­la­gem de ve­rão, sem sub-pe­lo que cai abun­dan­te­men­te em flo­cos quan­do a du­ra­ção dos di­as au­men­ta, é com­ple­ta­men­te dis­tin­ta da in­ver­nal. A sua si­lhu­e­ta al­te­ra ra­di­cal­men­te, mos­tran­do a sua mus­cu­la­tu­ra se­ca. Uma es­co­va­gem se­ma­nal é su­fi­ci­en­te pa­ra man­ter a pe­la­gem e a ca­sa, ex­cep­to na fa­se da mu­da on­de de­ve ser mui­to mais fre­quen­te. Pa­ra re­ti­rar o pe­lo mor­to é re­co­men­dá­vel usar um pen­te de den­tes re­don­dos gi­ra­tó­ri­os ou um pen­te de lâ­mi­nas se­gui­do de uma car­da­dei­ra. Após um pas­seio por zo­nas en­la­me­a­das bas­ta es­pe­rar que a la­ma se­que e pas­sar a car­da­dei­ra. O mais pro­vá­vel é já não ter mui­to pa­ra lim­par quan­do se de­ci­dir a fa­zê-lo, pois o pró­prio cão irá tra­tar da lim­pe­za.

Tem­pe­ra­men­to

De­sen­vol­ve uma re­la­ção so­ci­al mui­to for­te não ape­nas com o seu do­no, mas com to­da a fa­mí­lia. In­clu­si­va­men­te ad­mi­tem a po­si­ção pri­vi­le­gi­a­da das cri­an­ças e dei­xam-nas, tal co­mo aos ca­chor­ros, fa­zer

A ra­ça es­tá a ga­nhar po­pu­la­ri­da­de co­mo cão de com­pa­nhia e de fa­mí­lia, con­tri­buin­do pa­ra is­so a sua ne­ces­si­da­de gre­gá­ria

de­ter­mi­na­das ações que não per­mi­ti­ri­am a adul­tos ou ou­tros cães. É mui­to brin­ca­lhão e emo­ti­vo. Tem a ca­pa­ci­da­de de pas­sar da mais pro­fun­da so­no­lên­cia a um es­ta­do lú­di­co ex­plo­si­vo num pis­car de olhos. Por ou­tro la­do, tam­bém apre­cia mo­men­tos de des­can­so ao la­do da fa­mí­lia, mes­mo nas noi­tes de in­ver­no, quan­do o ca­lor da la­rei­ra os in­co­mo­da. É mui­to de­pen­den­te da com­pa­nhia e co­man­dos do do­nos. Sem um lí­der fi­ca per­di­do e con­fu­so. Ne­ces­si­ta de li­de­ran­ça e com­pa­nhei­ris­mo. É fun­da­men­tal co­nhe­cer a sua lin­gua­gem, ter uma ati­tu­de as­ser­ti­va e al­gu­ma ex­pe­ri­ên­cia com cães. Pa­ra eles a so­li­dão é o pi­or cas­ti­go. Nas fa­mí­li­as on­de to­das as pes­so­as sa­em de ca­sa em si­mul­tâ­neo é fun­da­men­tal exis­tir ou­tro cão com o qual pos­sa in­te­ra­gir.

Com ou­tros ani­mais

Apren­dem a co­a­bi­tar com ou­tros ani­mais do­més­ti­cos que já per­ten­çam à fa­mí­lia, con­tu­do, se en­con­tra­rem ani­mais des­co­nhe­ci­dos po­dem ocor­rer pro­ble­mas. Tal co­mo nos lo­bos, um con­gé­ne­re des­co­nhe­ci­do é um com­pe­ti­dor, lo­go uma ame­a­ça aos seus re­cur­sos e ter­ri­tó­rio. Ou­tras es­pé­ci­es po­dem ser con­si­de­ra­das pre­sas ca­so não te­nha si­do ha­bi­tu­a­do à sua pre­sen­ça des­de ca­chor­ro. Ain­da tem uma ten­dên­cia mui­to for­te pa­ra a ca­ça. To­da a ma­ti­lha se jun­ta em per­se­gui­ção da pre­sa e à me­di­da que re­pe­tem es­tas

A sua ca­pa­ci­da­de de tra­ba­lho em ma­ti­lha or­ga­ni­za­da foi uma das ra­zões pa­ra a sua uti­li­za­ção pe­lo exér­ci­to che­cos­lo­va­co.

O cru­za­men­to do Pas­tor Ale­mão com o lo­bo trou­xe não só ro­bus­tez, co­mo te­na­ci­da­de e sen­ti­dos apu­ra­dos e re­fres­cou al­guns ve­lhos ins­tin­tos na­tu­rais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.