“Não, não que­ro brin­car!”

No mês pas­sa­do vi­mos co­mo a fal­ta de so­ci­a­li­za­ção le­va a que mui­tos cães não per­ce­bam que em adul­tos não se po­dem com­por­tar co­mo ca­chor­ros, e co­mo is­so afe­ta ne­ga­ti­va­men­te a sua ca­pa­ci­da­de em co­mu­ni­car com ou­tros cães. Ve­ja­mos ago­ra o que acon­te­ce sob o p

Caes & Companhia - - TREINO - Car­la Cruz Mes­tre em Pro­du­ção Ani­mal Fo­tos: Shut­ters­tock

Há for­mas cor­re­tas e for­mas er­ra­das de dois cães se cum­pri­men­ta­rem, e é fun­da­men­tal co­nhe­cer as di­fe­ren­ças

Há umas se­ma­nas es­ta­va com um cli­en­te a trei­nar a sua ca­de­la de mé­dio/gran­de por­te, su­pos­ta­men­te re­a­ti­va a ou­tros cães, nu­ma zo­na tran­qui­la de um jar­dim bas­tan­te co­nhe­ci­do em Lis­boa. Es­co­lhe­mos um lo­cal iso­la­do, sem pes­so­as ou ou­tros cães, tí­nha­mos a nos­sa ca­de­la à tre­la e es­tá­va­mos, sem in­co­mo­dar nin­guém, a trei­nar cha­ma­das e mei­as-vol­tas de emer­gên­cia (um dos bá­si­cos pa­ra cães re­a­ti­vos). Às tan­tas, um cão­zar­rão jo­vem (ti­po La­bra­dor com pou­co me­nos de um ano de ida­de) aper­ce­be-se de nós a uns 100 m de dis­tân­cia e de­sa­ta a cor­rer lan­ça­do, di­rei­to a nós. Quan­do ele es­ta­va a uns 20 m, a nos­sa ca­de­la os­ten­si­va­men­te vi­ra-lhe as cos­tas e põe-se a chei­rar o chão. Quan­do o cão es­ta­va a me­nos de 5 m, o do­no do cão, que es­ta­va tran­qui­la­men­te a ob­ser­var tu­do sem re­a­gir, li­mi­ta-se a di­zer “Bo­bi, de­va­gar que ela não te viu”. Ape­nas a nos­sa in­ter­ven­ção im­pe­diu que o cão se che­gas­se pa­ra ci­ma da ca­de­la. Ape­nas após is­to é que o do­no veio bus­car o seu cão “Ah, ele só que­ria brin­car, ele gos­ta de brin­car com ou­tros cães!”. Não! O cão es­ta­va a ser mal-edu­ca­do! Apre­sen­tou di­ver­sos com­por­ta­men­tos so­ci­al­men­te ina­pro­pri­a­dos sob o pon­to de vis­ta ca­ni­no, fru­to de não sa­ber que já não é um ca­chor­ro e de os seus do­nos nun­ca lhe te­rem en­si­na­do que um cão cres­ci­do não po­de abor­dar os cães da mes­ma for­ma que um be­bé com se­ma­nas de ida­de.

Ele só quer brin­car?

Ir a cor­rer pa­ra ci­ma de ou­tro in­di­ví­duo, so­bre­tu­do um es­tra­nho, é ex­tre­ma­men­te ru­de, se­ja em lin­gua­gem ca­ni­na ou hu­ma­na. O que pen­sa­ria se um qual­quer es­tra­nho na rua de re­pen­te vi­es­se a cor­rer pa­ra ci­ma de si e o abra­ças­se his­té­ri­co, mes­mo que lhe per­gun­tas­se “que­res ser meu ami­go”? Não gos­ta­ria, pois não? Se­gu­ra­men­te sen­tir-se-ia ex­tre­ma­men­te in­co­mo­da­do com a abor­da­gem e ten­ta­ria afas­tar-se ou, por qual­quer for­ma, im­pe­dir que ele se che­gas­se pa­ra ci­ma de si e o to­cas­se. Nos cães acon­te­ce exa­ta­men­te a mes­ma coi­sa, afi­nal nin­guém gos­ta de es­tra­nhos que vêm pa­ra ci­ma de nós – nem mes­mo de ami­gos quan­do não se es­tá na dis­po­si­ção pa­ra brin­car. Ape­nas os ca­chor­ros mui­to no­vos (me­nos de 4 me­ses) têm “au­to­ri­za­ção” dos adul­tos pa­ra fa­zer is­so; a par­tir des­sa ida­de co­me­çam a apren­der as for­mas cor­re­tas de abor­da­rem ou­tros cães.

Uma abor­da­gem (mais) cor­re­ta

to nas pes­so­as o ir a di­rei­to pa­ra ou­tra pes­soa, e mes­mo fa­zê-lo fi­tan­do-a nos olhos, é um com­por­ta­men­to nor­mal e acei­tá­vel, nos cães não o é. Nos cães, uma abor­da­gem cor­re­ta é: •Avan­çar cal­ma­men­te; •Nun­ca ir a di­rei­to pa­ra a fren­te do ou­tro in­di­ví­duo, fa­zer uma abor­da­gem em ar­co ou, no má­xi­mo, di­ri­gin­do-se à la­te­ral do ou­tro; •Nun­ca olhar o ou­tro nos olhos, avan­çar

com uma pos­tu­ra re­la­xa­da; •Cal­ma­men­te chei­rar o ou­tro na zo­na

anal e per­mi­tir ser chei­ra­do; •Pou­cos se­gun­dos de­pois, con­ti­nu­ar com o seu ca­mi­nho, a me­nos que al­gum dos dois fa­ça um con­vi­te a jo­go e es­te se­ja acei­te pe­lo ou­tro.

“Não me ape­te­ce”

Es­ta abor­da­gem per­mi­te que o vi­sa­do te­nha tem­po pa­ra re­a­gir à apro­xi­ma­ção e de­ci­dir o que quer fa­zer. Uma res­pos­ta per­fei­ta­men­te pos­sí­vel Uma di­fe­ren­ça adi­ci­o­nal é que en­quan-

e acei­tá­vel é o cão di­zer “não me ape­te­ce”. Con­fes­se, a quem não acon­te­ceu já ir na rua, aper­ce­ber-se de um co­nhe­ci­do, mas co­mo não lhe ape­te­cia fa­lar com ele, fin­giu es­tar ocu­pa­do com al­gu­ma coi­sa, pa­ra evi­tar que ele se apro­xi­mas­se e me­tes­se con­ver­sa? Por­que é que os cães não po­dem fa­zer a mes­ma coi­sa? Os cães têm um ol­fa­to ex­tra­or­di­ná­rio; eles con­se­guem sen­tir uma ca­de­la em cio a 5 km de dis­tân­cia. Lo­go, se um cão não es­tá a re­a­gir a ou­tro que vem aos pu­los pa­ra ci­ma de­le, não é por­que não se aper­ce­beu de­le (a me­nos que, por qual­quer ra­zão, te­nha per­di­do o fa­ro). É por­que ele es­tá ati­va­men­te a di­zer ao ou­tro “não me ape­te­ce”. Quan­do um cão vi­ra as cos­tas a ou­tro que se apro­xi­ma e se põe a chei­rar o chão, não o faz por­que de re­pen­te des­co­briu que ali há o chei­ro mais in­te­res­san­te à fa­ce da ter­ra. Fá-lo por­que is­to é uma for­ma de co­mu­ni­ca­ção en­tre cães. Ele es­tá a in­di­car mui­to cla­ra­men­te, “não que­ro in­te­ra­gir con­ti­go, não es­tou con­for­tá­vel com a si­tu­a­ção ou com a abor­da­gem, não me ape­te­ce, dei­xa-me em paz”. É im­por­tan­te que tan­to o do­no do cão que se apro­xi­ma, co­mo o do cão que ig­no­ra, te­nham a no­ção des­te com­por­ta­men­to, e to­mem as me­di­das ade­qua­das.

O que de­vem fa­zer os do­nos?

As pes­so­as ten­dem a só re­pa­rar quan­do os cães fa­zem al­go de­cla­ra­da­men­te no­tó­rio, mas a co­mu­ni­ca­ção en­tre cães é nor­mal­men­te mui­to dis­cre­ta. Ape­nas quan­do os si­nais sub­tis são ig­no­ra­dos é que eles se vêm obri­ga­dos a es­ca­lar pa­ra co­mu­ni­ca­ção mais fla­gran­te e po­ten­ci­al­men­te agres­si­va. Nes­ta si­tu­a­ção, o do­no do cão que vem aos pu­los de­ve cha­mar de ime­di­a­to o cão pa­ra per­to de si, e o do­no do cão que vi­ra as cos­tas de­ve-se es­for­çar por re­mo­ver cal­ma­men­te o seu cão da si­tu­a­ção, pe­lo me­nos até uma dis­tân­cia em que o cão re­la­xe e con­ti­nue com o seu com­por­ta­men­to ha­bi­tu­al.

Per­ce­ber os si­nais

O que acon­te­ce quan­do o cão que vem ter com ou­tro ig­no­ra os si­nais que o des­ti­na­tá­rio da sua “afe­ção” lhe dá? A ví­ti­ma do ex­ces­so de “afe­ção” vai dan­do si­nais ca­da vez mais cla­ros de não que­rer in­te­ra­ção. Num ní­vel ain­da re­la­ti­va­men­te bai­xo de des­con­for­to com a si­tu­a­ção, o mais nor­mal é pa­rar a ver o que o ou­tro es­tá a fa­zer, mo­ven­do-se com mo­vi­men­tos len­tos, lam­ben­do de vez em quan­do o na­riz, re­pu­xar os lá­bi­os pa­ra trás, pis­car mui­to os olhos, bai­xar um pou­co as ore­lhas ou (nos cães de ore­lhas caí­das) acha­tá-las con­tra a ca­be­ça.

“Não fa­les co­mi­go”

Con­ti­nu­an­do a pres­são do ou­tro cão, nor­mal­men­te vai vi­rar a ca­be­ça, um si­nal de “não fa­les co­mi­go”, ar­re­don­dan­do um pou­co os olhos e olhan­do pa­ra o in­di­ví­duo de es­gue­lha, o que vai le­var a que se ve­ja o bran­co dos olhos. As ore­lhas vão re­pu­xar mais con­tra a ca­be­ça e vão sur­gir pre­gas de pe­le na tes­ta, em ten­são. A cau­da vai bai­xar mais, po­den­do es­tar a aba­nar na pon­ta. É mui­to im­por­tan­te ter a no­ção que aba­nar a cau­da não sig­ni­fi­ca que um cão é ami­gá­vel. O me­ro aba­nar a cau­da ape­nas sig­ni­fi­ca que es­tá a ha­ver uma in­te­ra­ção so­ci­al, o re­al sig­ni­fi­ca­do ape­nas po­de ser de­ter­mi­na­do em con­jun­to com o res­to da pos­tu­ra cor­po­ral.

“Não que­ro in­te­ra­gir!”

Se is­to con­ti­nu­ar a não ser o su­fi­ci­en­te pa­ra con­ven­cer o Bo­bi a pa­rar e afas­tar-se ou vir mais cal­ma e edu­ca­da­men­te, po­de vi­rar-se de la­do pa­ra ele, a lín­gua fi­ca mais ten­sa e com for­ma de es­pá­tu­la, po­de op­tar por se sen­tar ou afas­tar. No ca­so dos ma­chos, nor­mal­men­te por es­ta al­tu­ra po­de co­me­çar a ver-se a pon­ta do pé­nis

Um cão tem to­do o di­rei­to de po­der di­zer “não me ape­te­ce brin­car”, e a sua von­ta­de ou ne­ces­si­da­de de­ve ser res­pei­ta­da

de fo­ra. Tu­do is­to são si­nais mui­to evi­den­tes de que o cão não de­se­ja in­te­ra­ção com o que se apro­xi­ma. In­fe­liz­men­te, a mai­o­ria dos do­nos não os re­co­nhe­ce, por­que o cão não pa­re­ce es­tar a fa­zer na­da – ou se­ja, não es­tá a ter uma ati­tu­de agres­si­va com o ou­tro cão, que “coi­ta­di­nho só quer brin­car, an­da, vai brin­car tam­bém”. No en­tan­to, o cão es­tá a “ber­rar” que não de­se­ja a in­te­ra­ção. Não tem es­se di­rei­to?

“Vou ter de ser mais cla­ro!”

Quan­do o cão que se apro­xi­ma não res­pei­ta os si­nais que o ou­tro dá, e con­ti­nua a apro­xi­mar-se e se­gui-lo mes­mo quan­do es­te se afas­ta, ine­vi­ta­vel­men­te te­rá de ser in­for­ma­do de for­ma mais cla­ra e drás­ti­ca. É nor­mal­men­te nes­ta al­tu­ra que as ví­ti­mas do Bo­bi co­me­çam a fi­car com o cor­po mais ten­so, a fi­tá-lo com olhos mais re­don­dos e olhar mais du­ro, com ore­lhas mais vi­ra­das pa­ra a fren­te (ou pe­lo con­trá­rio, se se sen­tir in­se­gu­ro, ore­lhas re­pu­xa­das mais pa­ra trás), a ros­nar, a mos­trar ca­da vez mais den­tes, a dar den­ta­das no ar (o que não é um “ten­tou mor­der, mas fa­lhou”, mas sim um avi­so in­ten­ci­o­nal) e, se con­ti­nu­ar a ser ig­no­ra­do, a mor­der mes­mo quem se apro­xi­ma.

O er­ro da mai­o­ria dos do­nos!

In­fe­liz­men­te, é nor­mal­men­te ape­nas nes­ta fa­se que os do­nos se aper­ce­bem de que o seu cão tem es­ta­do a co­mu­ni­car, por­que es­tá a fa­zer al­go de­cla­ra­da­men­te ób­vio. Mas a mai­o­ria não com­pre­en­de que o seu cão es­tá sim­ples­men­te a gri­tar por aju­da, e cas­ti­ga o seu cão por ter re­a­gi­do de for­ma “agres­si­va” com o ou­tro “sim­pá­ti­co que ape­nas quer brin­car” – quan­do o ver­da­dei­ro cul­pa­do é o ou­tro cão, mal-edu­ca­do e que não cum­priu as nor­mas de eti­que­ta e co­mu­ni­ca­ção ca­ni­na, ig­no­ran­do os avi­sos que vi­nha a re­ce­ber. In­fe­liz­men­te, um cão que se ha­bi­tue a en­con­trar de­ma­si­a­dos cães que ig­no­ram os seus si­nais de “não que­ro con­ver­sa”, e so­bre­tu­do se co­me­ça a ser cas­ti­ga­do por di­zer que não de­se­ja in­te­ra­gir, po­de apren­der que não adi­an­ta ser edu­ca­do e dis­cre­to na sua co­mu­ni­ca­ção, e co­me-

A tre­la li­mi­ta a ca­pa­ci­da­de co­mu­ni­ca­ti­va dos cães, e mui­tos do­nos sem se aper­ce­be­rem usam-na pa­ra stres­sar mais os seus cães.

çar a re­a­gir de ime­di­a­to à vis­ta de um cão, pro­cu­ran­do que se afas­te. Afi­nal, a me­lhor de­fe­sa não é um bom ata­que? E de re­pen­te te­mos um pro­ble­ma cri­a­do quan­do a cul­pa nem se­quer foi do po­bre cão.

O pro­ble­ma da tre­la

A pro­gres­são de avi­sos atrás in­di­ca­da par­te do pres­su­pos­to que os cães têm a pos­si­bi­li­da­de de ex­pres­sar o seu com­por­ta­men­to na­tu­ral, ou se­ja, que es­tão am­bos à sol­ta (ou no mí­ni­mo nu­ma tre­la lon­ga sem qual­quer ti­po de ten­são) e que o cão que se apro­xi­ma o faz su­fi­ci­en­te­men­te de­va­gar pa­ra que pos­sa ha­ver co­mu­ni­ca­ção atem­pa­da en­tre am­bos. Mas um pro­ble­ma co­mum é que nor­mal­men­te, am­bos es­tão à tre­la. Ou, pi­or e ain­da mais co­mum, o “cão ami­go” es­tá à sol­ta e a ví­ti­ma do seu in­te­res­se es­tá à tre­la. Por­que é que a tre­la com­pli­ca a si­tu­a­ção? Quan­do os ani­mais (e as pes­so­as) es­tão em si­tu­a­ção de con­fli­to, as su­as res­pos­tas tí­pi­cas são afas­ta­rem-se, fi­ca­rem imó­veis ou lu­ta­rem. Mas a tre­la de ime­di­a­to eli­mi­na as op­ções de es­co­lha. Ca­so não de­se­je a in­te­ra­ção, a pos­si­bi­li­da­de do cão em se afas­tar da si­tu­a­ção es­tá ime­di­a­ta­men­te pos­ta de par­te. In­fe­liz­men­te, o fi­car imó­vel e dar os si­nais aci­ma des­cri­tos de que não de­se­ja in­te­ra­ção nor­mal­men­te tam­bém não re­sul­ta, e mui­tas ve­zes o cão é até for­ça­do pe­lo seu do­no a ir “di­zer olá”. Que pos­si­bi­li­da­de res­ta en­tão ao ani­mal? Pois, in­for­mar de for­ma mais agres­si­va, e mais ra­pi­da­men­te, que quer ser dei­xa­do em paz.

“Cui­da­do com quem vem aí”

Adi­ci­o­nal­men­te, mui­tas ve­zes sem se aper­ce­be­rem, os do­nos in­cen­ti­vam as re­a­ções mais agres­si­vas dos seus cães. Quan­do vêm um cão apro­xi­mar-se do seu, um com­por­ta­men­to per­fei­ta­men­te na­tu­ral da mai­or par­te dos do­nos é agar­rar ain­da mais na tre­la, se­gu­ran­do-a com ten­são e bem es­ti­ca­da. Is­to por­que não têm a cer­te­za co­mo o seu cão vai re­a­gir e têm me­do que ele avan­ce pa­ra o ou­tro cão, so­bre­tu­do no ca­so de cães gran­des e for­tes – por­que nun­ca trei­na­ram o que fa­zer nes­sas si­tu­a­ções. Mas ao es­ti­car a tre­la, es­sa ten­são é pas­sa­da ao cão, atra­vés da tre­la e co­lei­ra/pei­to­ral. Ape­sar de a in­ten­ção ser boa – ter mais

“con­tro­lo” so­bre o cão –, o que se es­tá as­sim efe­ti­va­men­te a di­zer ao cão é “olha, vem aí um cão, cui­da­do, pe­ri­go, pres­ta aten­ção”, mas re­ti­ra ao cão a op­ção de se po­der afas­tar, pois com a tre­la ten­sa não tem co­mo o fa­zer. Ou se­ja, o cão até po­dia es­tar tran­qui­lo a cui­dar da sua vi­da, mas o do­no in­for­mou-o que tem de es­tar de so­bre­a­vi­so e pre­pa­rar-se pa­ra um con­fron­to. Com a re­pe­ti­ção des­te com­por­ta­men­to, qua­se in­va­ri­a­vel­men­te o cão irá co­me­çar a re­a­gir aos cães que se apro­xi­mam, pa­ra o dei­xa­rem em paz, o que irá re­for­çar ain­da mais o com­por­ta­men­to do do­no, cri­an­do-se um ci­clo vi­ci­o­so.

Co­mo o evi­tar?

Ha­bi­tue-se a dei­xar a tre­la mais sol­ta. Se ne­ces­si­tar, se se sen­tir mais tran­qui­lo, po­de se­gu­rar mais a tre­la, mas dei­xe a pon­ta, a zo­na do mos­que­tão e um pou­co da tre­la, sol­ta, for­man­do um “J” en­tre a co­lei­ra e o res­to da tre­la. Es­ta­mos a fa­lar de me­nos de 5 cm, que a si não lhe te­rá gran­de im­pac­to, e que pa­ra o cão se­rão a di­fe­ren­ça en­tre o “aten­ção, pe­ri­go” da tre­la ten­sa ou o “tran­qui­lo” de se sen­tir me­nos pre­so. Se ti­ver me­do de não con­se­guir se­gu­rar o seu cão, mu­de pa­ra equi­pa­men­to não aver­si­vo que o aju­de, co­mo os pei­to­rais

no-pull, em que a tre­la pren­de à fren­te e os cães não con­se­guem as­sim pu­xar. E, ob­vi­a­men­te, trei­ne uma boa cha­ma­da ao cão e o que fa­zer nes­sas si­tu­a­ções. Pra­ti­quem, por exem­plo, que um cão es­tra­nho a apro­xi­mar-se sig­ni­fi­ca que vão fa­zer meia-vol­ta no vos­so per­cur­so e vão acon­te­cer coi­sas ma­ra­vi­lho­sas ao pé do do­no.

“Eu sou gran­de e mau”

A tre­la tem ain­da um pro­ble­ma adi­ci­o­nal. Quan­do o cão que se apro­xi­ma en­tu­si­as­ti­ca­men­te es­tá à tre­la, com a sua ex­ci­ta­ção vai es­tar nor­mal­men­te pen­du­ra­do na pon­ta da tre­la. Is­to sig­ni­fi­ca que a sua pos­tu­ra vai es­tar mais ele­va­da do que na­tu­ral­men­te es­ta­ria se es­ti­ves­se a an­dar sem pu­xar. Ora, em lin­gua­gem ca­ni­na, um in­di­ví­duo a com­por­tar-se de for­ma agres­si­va vai fa­zer-se pa­re­cer mai­or do que é. Lo­go, um cão pen­du­ra­do na tre­la po­de le­var a di­fi­cul­da­des de in­ter­pre­ta­ção do seu com­por­ta­men­to por par­te de quem o vê. Ao vê-lo mai­or, o ou­tro po­de pen­sar que as su­as in­ten­ções são me­nos que hon­rá­veis, e re­a­gir em con­for­mi­da­de.

Tre­la sim, mas sai­ba usá-la

Com tu­do is­to não es­tou a di­zer que não se use a tre­la, co­mo é ób­vio. A tre­la é um ins­tru­men­to fun­da­men­tal pa­ra a se­gu­ran­ça dos nos­sos cães. Mas não é a tre­la que con­tro­la o cão, é a sua edu­ca­ção e trei­no! É pre­ci­so sa­ber usar a tre­la, nas in­te­ra­ções en­tre cães po­de cau­sar mui­tos mal-en­ten­di­dos. Mes­mo à tre­la, as abor­da­gens a ou­tros cães de­vem ser cal­mas e res­pei­tan­do os de­se­jos de quem não qui­ser in­te­ra­gir, é pre­ci­so es­tar aten­to aos si­nais sub­tis. Se qual­quer um de­les apa­re­cer, res­pei­tem o que os cães es­tão a co­mu­ni­car e afas­tem-se am­bos os do­nos e res­pe­ti­vos cães. Ca­so os cães de­se­jem am­bos apro­xi­mar­se, te­nha sem­pre o cui­da­do de am­bos te­rem as tre­las su­fi­ci­en­te­men­te las­sas pa­ra os cães se po­de­rem mo­vi­men­tar sem ten­são, mas su­fi­ci­en­te­men­te se­gu­ras, e com os cães su­fi­ci­en­te­men­te edu­ca­dos, pa­ra po­de­rem am­bos cha­mar os vos­sos cães de vol­ta pa­ra ao pé dos res­pe­ti­vos do­nos em qual­quer mo­men­to.

O nor­mal nos cães não é o que as pes­so­as cre­em

Ao con­trá­rio do que mui­tas pes­so­as pen­sam, os cães não são eter­nos ca­chor­ros que ado­ram pas­sar o dia a brin­car com to­dos os que vêm. Tal co­mo as pes­so­as adul­tas não pas­sam o tem­po a – nem têm von­ta­de de – brin­car com as pes­so­as des­co­nhe­ci­das que vêm, ao con­trá­rio do que fa­zi­am em cri­an­ças. E mes­mo com ami­gos, de­pen­de das al­tu­ras.o com­por­ta­men­to nor­mal de cães adul­tos que não se co­nhe­cem é aper­ce­be­rem-se um do ou­tro à dis­tân­cia e ig­no­ra­rem-se, ou apro­xi­ma­rem-se cal­ma­men­te e, se­gun­do a eti­que­ta apro­pri­a­da, chei­ra­rem­se du­ran­te al­guns pou­cos se­gun­dos e se­gui­rem ca­da um o seu ca­mi­nho in­de­pen­den­te. Mes­mo cães que se co­nhe­cem bem não pas­sam o tem­po to­do a brin­car, na mai­o­ria das ve­zes pre­fe­rem ape­nas ca­mi­nhar ou des­can­sar jun­tos.

Se­ja o ad­vo­ga­do do seu cão

In­fe­liz­men­te, a con­jun­ção de cães pou­co so­ci­a­li­za­dos com ou­tros com­pa­nhei­ros ca­ni­nos (nun­ca apren­den­do a com­por­tar-se co­mo adul­tos), de do­nos que não per­ce­bem a co­mu­ni­ca­ção ca­ni­na e de do­nos que acham que o seu cão “sim­pá­ti­co” tem o di­rei­to de ir di­zer olá a to­dos os cães que vê, in­de­pen­den­te­men­te do que os ou­tros do­nos e cães que­rem, tem le­va­do a um au­men­to dos pro­ble­mas de re­a­ti­vi­da­de em nu­me­ro­sos cães, que ape­nas que­rem ser dei­xa­dos em paz. En­quan­to do­no, lem­bre-se que o seu pa­pel é ze­lar pel eia vol­ta e op­te por ou­tro ca­mi­nho. E lem­bre-se tam­bém que tem to­do o di­rei­to de di­zer “o meu cão não quer brin­car, cha­me o seu de vol­ta” e de não ser im­por­tu­na­do!

Quan­do dois cães es­co­lhem brin­car um com o ou­tro, am­bos co­mu­ni­cam de for­ma mui­to cla­ra e re­la­xa­da a sua in­ten­ção, co­mo nes­ta si­tu­a­ção. Se um de­les não o de­se­jar, o ou­tro cão e am­bos os do­nos de­vem res­pei­tá-lo.

Ao irem ter com ou­tra pes­soa, os hu­ma­nos di­ri­gem-se a ela a di­rei­to e olhan­do nos seus olhos. Um cão não de­ve fa­zer o mes­mo, é um co­mor­ta­men­to ru­de em lin­gua­gem ca­ni­na. Mui­tas ve­zes os do­nos não se aper­ce­bem dis­so, uma vez que es­se com­por­ta­men­to é mui­to se­me­lhan­te ao nos­so.

Quan­do um cão se põe a fa­re­jar al­go co­mo se fos­se a coi­sa mais in­te­res­san­te à fa­ce da ter­ra, quan­do ou­tro cão se apro­xi­ma, ele es­tá a di­zer mui­to cla­ra­men­te “Não que­ro na­da con­ti­go”.

O Tec­kel es­tá a di­zer que não es­tá sa­tis­fei­to com a in­te­ra­ção – ore­lhas acha­ta­das con­tra a ca­be­ça, fa­ce des­vi­a­da em re­la­ção ao ou­tro cão, e cor­po ar­que­a­do com o pe­so des­vi­a­do pa­ra trás, ten­tan­do afas­tar-se do ou­tro cão.

Nes­ta fo­to, am­bos os cães “ber­ram” que não es­tão con­for­tá­veis com o te­rem si­do co­lo­ca­dos jun­tos – mes­mo sen­ta­dos, o seu pe­so es­tá des­vi­a­do pa­ra o la­do mais afas­ta­do do ou­tro cão, a fa­ce es­tá com­ple­ta­men­te vi­ra­da de for­ma a não en­ca­ra­rem o par­cei­ro, as ore­lhas con­tra a ca­be­ça (um tem-nas re­pu­xa­das, no ou­tro não é tão cla­ro de­vi­do ao cor­te, mas es­tão vi­ra­das de la­do), no cão da es­quer­da (o mais in­co­mo­da­do) che­ga-se mes­mo a ver um pou­co do bran­co dos olhos.

En­tre cães que não se co­nhe­cem, o nor­mal é chei­ra­rem-se al­guns (pou­cos) se­gun­dos, e de­pois se­guir ca­da um o seu ca­mi­nho.

Nu­ma abor­da­gem cor­re­ta en­tre dois cães, a apro­xi­ma­ção é sem­pre la­te­ral, nun­ca de fren­te um pa­ra o ou­tro.

Um cão pen­du­ra­do na pon­ta da tre­la vai pa­re­cer mai­or do que é, uma pos­tu­ra que po­de in­ti­mi­dar os ou­tros cães, co­mo es­te Tec­kel – co­mo se po­de ver pe­lo cor­po li­gei­ra­men­te ar­que­a­do e com o pe­so um pou­co des­vi­a­do pa­ra trás, ten­são na ca­be­ça, pre­gas de pe­le na tes­ta, bran­co dos olhos vi­sí­vel, ore­lhas acha­ta­das con­tra a ca­be­ça, e lá­bi­os um pou­co re­pu­xa­dos pa­ra trás for­man­do pre­gas atrás da co­mis­su­ra la­bi­al.

Os “to­ques” na tre­la que mui­tas pes­so­as dão não têm o mes­mo sig­ni­fi­ca­do pa­ra o do­no e pa­ra o cão. O do­no nor­mal­men­te pen­sa que es­tá a con­tro­lar me­lhor o cão, en­quan­to o cão en­ten­de “cui­da­do, vem aí al­go pe­ri­go­so”.

A mai­o­ria dos cães adul­tos bem com­por­ta­dos pre­fe­re fi­car cal­ma­men­te na com­pa­nhia de ami­gos que ter gran­des pe­río­dos de jo­gos e exu­be­rân­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.