An­tes do be­bé nas­cer

Caes & Companhia - - VETERINARIA -

à saú­de Re­a­li­zar­do ga­to, um check up efe­tu­ar des­pa­ra­si­ta­ção in­ter­na e ex­ter­na, e pla­no de des­pa­ra­si­ta­ção daí pa­ra a fren­te ajus­ta­do à no­va re­a­li­da­de. Ca­so o seu ga­to te­nha pro­ble­ma de me­dos/agres­si­vi­da­de ou ou­tros, é cru­ci­al tra­ba­lhar no sen­ti­do de os so­lu­ci­o­nar, atra­vés de aju­da mé­di­co ve­te­ri­ná­ria, se­não po­de­mos es­tar a cau­sar um agra­va­men­to da si­tu­a­ção já exis­ten­te. Ex­por o ga­to a to­dos os no­vos fa­to­res que vão en­vol­ver a pre­sen­ça de um be­bé, co­mo cre­mes, to­a­lhi­tas, sons, quar­to no­vo e tu­do o que es­te vai in­cluir. Co­lo­car o cre­me que vai ser usa­do no be­bé nas mãos e usá-lo co­mo se fos­se o seu cre­me do dia-a-dia, o mes­mo com as to­a­lhi­tas, é uma for­ma sim­ples de ex­por o ga­to a no­vos chei­ros. Dei­xar co­mo ga­too es­pa­ço­en­trar em que con­ta­to se des­ti­na ao be­bé, sem per­mi­tir que se ha­bi­tue a dor­mir no fu­tu­ro ber­ço do mes­mo; Por for­ma a de­sen­co­ra­jar o seu ga­to a ir pa­ra o ber­ço do be­bé po­de­rá co­lo­car ob­je­tos de­sin­te­res­san­tes no seu in­te­ri­or, co­mo gar­ra­fas de água.

Co­lo­car­be­bés, por ví­de­os exem­plo com um sons be­bé de a cho­rar, co­lo­car o vo­lu­me bai­xo, e quan­do o ga­to re­la­xar na pre­sen­ça do som dar co­mi­da que o mes­mo gos­te. Pro­gres­si­va­men­te po­de­rá au­men­tar o vo­lu­me Cui­da­dos:do som.

Ca­so a pri­mei­ra re­a­ção do ga­to ao som se­ja for­te, de me­do ou fu­ga, bai­xar o som, e em ses­sões di­fe­ren­tes ir

Pro­cu­re man­ter as ro­ti­nas que ti­nha com o seu ga­to e de­di­que-lhe tem­po, por mais di­fí­cil que se­ja nes­ta no­va fa­se da sua vi­da

au­men­tan­do pro­gres­si­va­men­te o som, à me­di­da que se­ja ob­ser­va­do que o ga­to es­tá re­la­xa­do pe­ran­te o som do be­bé, re­for­çá-lo po­si­ti­va­men­te, por exem­plo, dan­do ali­men­to hú­mi­do na pre­sen­ça do som. Lem­bre-se que mui­tos dos brin­que­dos que o be­bé irá

ter irão pro­du­zir sons, te­nha es­pe­ci­al aten­ção aos mes­mos, se o seu ga­to for sen­sí­vel a sons, o que po­de fa­zer é dar ao ga­to o brin­que­do pa­ra que o chei­re e co­nhe­ça; re­for­ce-o com ali­men­to ou brin­ca­dei­ra, quan­do ele se apro­xi­me do brin­que­do e es­te­ja con­for­tá­vel na pre­sen­ça do mes­mo. Man­te­nha a sua ro­ti­na, den­tro do pos­sí­vel, lem­bre-se de brin­car com o seu ga­to e use itens de en­ri­que­ci­men­to am­bi­en­tal pa­ra o man­ter en­tre­ti­do, se­rá im­por­tan­te pos­te­ri­or­men­te quan­do ti­ver que de­di­car par­te do seu tem­po ao be­bé. Ca­so te­nha um bo­ne­co com for­ma de be­bé, use-o, po­de mes­mo tê-lo ao co­lo co­mo irá fa­zer no fu­tu­ro pró­xi­mo; po­de­rá ves­ti-lo e co­lo­car cre­me co­mo irá fa­zer com o be­bé, as­sim dá a co­nhe­cer os es­tí­mu­los vi­su­ais que em bre­ve se­rão par­te do quo­ti­di­a­no.

Com cui­da­dos ade­qua­dos, pa­ci­ên­cia e per­sis­tên­cia as­sim co­mo su­per­vi­são, tu­do irá cor­rer bem na che­ga­da e cres­ci­men­to do be­bé

Dei­xe o ga­to apro­xi­mar-se do be­bé e sem­pre que ocor­ra uma in­te­ra­ção po­si­ti­va ou que o ga­to de­mons­tre es­tar re­la­xa­do, dê ao seu ga­to al­go que gos­te co­mo ali­men­to e/ou mi­mos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.