Quan­do o be­bé che­ga a ca­sa

Caes & Companhia - - VETERINARIA -

Te­nha as unhas do seu ga­to cor­ta­das (ca­so não es­te­ja ha­bi­tu­a­do a es­te pro­ce­di­men­to, é im­por­tan­te ha­bi­tuá-lo ao mes­mo que irá ago­ra ser uma ro­ti­na). Se pos­sí­vel, nu­ma pri­mei­ra fa­se, le­ve do hos­pi­tal pa­ra ca­sa um têx­til (co­mo to­a­lha ou man­ta) com o chei­ro do be­bé. Tam­bém o po­de­rá fa­zer já em ca­sa ten­do o be­bé, le­ve, por exem­plo, uma man­ta com o chei­ro do be­bé e dei­xe-a ao dis­por do seu ga­to. As­sim que en­trar em ca­sa cum­pri­men­te o seu ga­to co­mo fa­ria na­tu­ral­men­te as­sim que che­ga a ca­sa. Se pos­sí­vel só vo­cê, sem a pre­sen­ça do be­bé, que po­de­rá es­tar no co­lo de um fa­mi­li­ar, por exem­plo. Pro­cu­re evi­tar um am­bi­en­te com mui­tas pes­so­as no mo­men­to em que os apre­sen­tar, prin­ci­pal­men­te se o seu ga­to não é nor­mal­men­te so­ci­al. Dei­xe o ga­to apro­xi­mar-se do be­bé e sem­pre que ocor­ra uma in­te­ra­ção po­si­ti­va ou que o ga­to de­mons­tre es­tar re­la­xa­do, dê ao seu ga­to al­go que gos­te co­mo ali­men­to e/ou mi­mos. Ca­so o ga­to fu­ja é dei­xá-lo ir, nun­ca o obri­gue/for­ce a in­te­ra­gir com o be­bé, por for­ma a pre­ve­nir me­dos e an­si­e­da­des. É im­por­tan­te dar ao ga­to opor­tu­ni­da­de de se es­con­der e ter aces­so a lo­cais al­tos e/ou to­cas. Per­ma­ne­cer sem­pre em vi­gi­lân­cia quan­do ga­to e o be­bé es­ti­ve­rem no mes­mo es­pa­ço. Quan­do não po­de es­tar a su­per­vi­si­o­nar, man­te­nha a por­ta do quar­to do be­bé fe­cha­da, ou co­lo­que uma gra­de pro­vi­só­ria, que per­mi­te que o ga­to ve­ja o be­bé sem que pas­se pa­ra o seu es­pa­ço.

Di­ca: Se qui­ser usar es­te ti­po de por­tas em gra­de, ga­ran­ta pri­mei­ro que o ga­to não pas­sa atra­vés da mes­ma. Uma for­ma de aju­dar o seu ga­to a re­la­xar na pre­sen­ça do be­bé é brin­car com ele, por for­ma a des­vi­ar a aten­ção do no­vo ele­men­to, re­la­xan­do. Tu­do irá cor­rer bem! Pro­cu­re man­ter as ro­ti­nas que ti­nha com o seu ga­to e de­di­que-lhe tem­po, por mais di­fí­cil que se­ja nes­ta no­va fa­se da sua vi­da. Com cui­da­dos ade­qua­dos, pa­ci­ên­cia e per­sis­tên­cia as­sim co­mo su­per­vi­são, tu­do irá cor­rer bem. Pa­ra qual­quer ques­tão fa­le com o mé­di­co ve­te­ri­ná­rio. n

Du­ran­te a gra­vi­dez o ga­to de­ve ter con­tac­to com os ob­je­tos que vão sur­gir em ca­sa com a che­ga­da do be­bé.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.