Ne­o­pla­si­as e Can­cro

Co­mo evi­tar com Saú­de Na­tu­ral

Caes & Companhia - - SAUDE ANIMAL NATURAL -

O di­ag­nós­ti­co de ne­o­pla­si­as, mais co­nhe­ci­das co­mo tu­mo­res ou can­cro, é uma ro­ti­na fre­quen­te em me­di­ci­na ve­te­ri­ná­ria na atu­a­li­da­de. Con­si­de­ra­da por mui­tos uma epi­de­mia nos tem­pos que cor­rem, o can­cro é uma do­en­ça que se ins­ta­la de for­ma pro­gres­si­va, e o seu apa­re­ci­men­to é um in­di­ca­dor de que al­go na vi­da do ani­mal não foi bem ge­ri­do pa­ra pro­mo­ver a sua saú­de. Sai­ba quais os prin­ci­pais mo­ti­vos pa­ra is­so e co­mo os evi­tar.

O can­cro não é uma do­en­ça mo­der­na nem uma aber­ra­ção que co­me­çou ago­ra a apa­re­cer no DNA das es­pé­ci­es

D a ori­gem eti­mo­ló­gi­ca da pa­la­vra “Ne­o­pla­sia” ve­ri­fi­ca­mos que neo = no­vo e que pla­sia = te­ci­do. Des­ta for­ma per­ce­be­mos que, num con­tex­to bi­o­ló­gi­co, tan­to ana­tó­mi­co co­mo fun­ci­o­nal, quan­do um ani­mal de­sen­vol­ve uma ne­o­pla­sia (vul­go can­cro ou tu­mor) sig­ni­fi­ca que o seu cor­po de­sen­vol­veu, a par­tir de cé­lu­las nor­mais, um con­jun­to de cé­lu­las “no­vas” que se di­fe­ren­ci­am e ini­ci­am um pro­ces­so de cres­ci­men­to in­de­pen­den­te da­que­las que lhe de­ram ori­gem. Porquê a di­fe­ren­ça Os fa­to­res e os es­tí­mu­los que le­vam à di­fe­ren­ci­a­ção de cé­lu­las nor­mais em cé­lu­las ne­o­plá­si­cas são ge­ral­men­te de­sig­na­dos por “agen­tes car­ci­no­gé­ni­cos” ou “agen­tes po­ten­ci­a­do­res de di­fe­ren­ci­a­ção ce­lu­lar” e po­dem ser os mais va­ri­a­dos. Em ge­ral, o po­ten­ci­al car­ci­no­gé­ni­co de uma subs­tân­cia re­fe­re-se à pro­ba­bi­li­da­de que o con­tac­to com a mes­ma po­de ter na in­du­ção de al­te­ra­ções ge­né­ti­cas, as quais po­dem le­var ao apa­re­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to de ne­o­pla­si­as. Qual o re­sul­ta­do Na re­a­li­da­de, to­dos es­tes fa­to­res po­dem ter a ca­pa­ci­da­de de in­du­zir al­te­ra­ções es­pe­cí­fi­cas so­bre de­ter­mi­na­dos ge­nes, que de­ter­mi­nam di­fe­ren­ças ana­tó­mi­cas e fun­ci­o­nais e que le­vam a que es­tas no­vas cé­lu­las fun­ci­o­nem de for­ma “qua­se” in­de­pen­den­te no cor­po, com um rit­mo de cres­ci­men­to e um me­ta­bo­lis­mo pró­pri­os e ca­rac­te­rís­ti­cos. Sis­te­mas de con­tro­lo e re­gu­la­ção Os ge­nes são os ele­men­tos cha­ve do ADN e de­ter­mi­nam as ca­rac­te­rís­ti­cas de ca­da cé­lu­la do nos­so cor­po. Es­tes ge­nes en­con­tram-se nos cro­mos­so­mas. Os cro­mos­so­mas exis­tem no in­te­ri­or de ca­da cé­lu­la e, du­ran­te o pro­ces­so de di­vi­são ce­lu­lar que dá ori­gem a no­vas cé­lu­las, eles di­vi­dem-se tam­bém. Es­te pro­ces­so de di­vi­são dos cro­mos­so­mas é mui­to de­li­ca­do e ne­le in­ter­vêm mui­tas mo­lé­cu­las re­gu­la­do­ras com a fun­ção de “ze­lar” pa­ra que o pro­ces­so de di­vi­são de­cor­ra com o mí­ni­mo de er­ros pos­sí­vel, re­pa­ran­do a ca­da mo­men­to os er­ros de­te­ta­dos, in­du­zi­dos pe­los mais va­ri­a­dos agen­tes des­cri­tos na cai­xa. Quan­do o pro­ces­so fa­lha Quan­do a ex­po­si­ção aos agen­tes car­ci­no­gé­ni­cos se tor­na mui­to ele­va­da, a ca­pa­ci­da­de dos sis­te­mas de con­tro­lo e re­gu­la­ção po­de fi­car “so­bre­car­re­ga­da” e ser com­pro­me­ti­da. Des­ta for­ma po­dem mais fa­cil­men­te ocor­rer er­ros du­ran­te o pro­ces­so de di­vi­são, que o cor­po não con­se­gue de­te­tar de for­ma efi­caz.

Es­sa so­bre­car­ga de agen­tes car­ci­no­gé­ni­cos po­de ocor­rer de di­fe­ren­tes for­mas: ex­po­si­ção agu­da (gran­de con­cen­tra­ção de ra­di­a­ção emi­ti­da por isó­to­pos ra­di­o­a­ti­vos após aci­den­te em cen­tral nu­cle­ar) ex­po­si­ção cró­ni­ca e con­ti­nu­a­da (in­ges­tão re­gu­lar de ali­men­tos pro­ces­sa­dos com adi­ti­vos e con­ser­van­tes, ex­po­si­ção so­lar ex­ces­si­va), di­mi­nui­ção da ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta do sis­te­ma imu­ni­tá­rio em ge­ral (por do­en­ça cró­ni­ca, can­sa­ço, con­gé­ni­to). Os sis­te­mas ge­né­ti­cos co­mo ga­ti­lho Ho­je em dia faz par­te do dis­cur­so cor­ren­te do can­cro afir­mar que exis­tia uma pre­dis­po­si­ção ge­né­ti­ca ou fa­mi­li­ar pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de de­ter­mi­na­do ti­po de can­cro, que é qua­se que fa­ti­di­ca­men­te he­re­di­tá­rio. Na re­a­li­da­de, to­dos pos­suí­mos no nos­so DNA ge­nes on­co­ló­gi­cos, al­guns já ma­pe­a­dos. A sua pre­sen­ça não é uma aber­ra­ção bi­o­ló­gi­ca, pe­lo con­trá­rio, ge­nes on­co­ló­gi­cos re­pre­sen­tam avan­ça­dos sis­te­mas de au­tor­re­gu­la­ção e só são ati­va­dos em ca­so de ne­ces­si­da­de que po­de sur­gir do cur­so de agres­sões cons­tan­tes a um es­ti­lo de vi­da na­tu­ral ou fa­ze­rem par­te de uma ati­va­ção pré-pro­gra­ma­da ge­ne­ti­ca­men­te du­ran­te o ci­clo de vi­da do or­ga­nis­mo, pa­ra ser ati­va­do a par­tir de uma de­ter­mi­na­da ida­de. Mas o can­cro não é mais do que in­fla­ma­ção! O can­cro não é uma do­en­ça mo­der­na nem uma aber­ra­ção que co­me­çou ago­ra a apa­re­cer no DNA das es­pé­ci­es. À se­me­lhan­ça de mui­tos dos me­ca­nis­mos bi­o­ló­gi­cos do nos­so cor­po, o can­cro faz par­te de uma cas­ca­ta de re­a­ções que pro­gri­dem por eta­pas. Da­mos um exem­plo Se o seu cão fi­zer um pe­que­no cor­te na pe­le, ao lon­go dos mi­nu­tos que se se­guem, de­ve­rá as­sis­tir ao de­cor­rer de um pro­ces­so fi­si­o­ló­gi­co e na­tu­ral que da­rá ori­gem à for­ma­ção de um coá­gu­lo, com o ob­je­ti­vo de es­tan­car a per­da de san­gue, pre­ve­nir a in­fe­ção e pro­mo­ver a re­ge­ne­ra­ção da es­tru­tu­ra da­ni­fi­ca­da de mo­do a que ra­pi­da­men­te vol­te a ser pe­le nor­mal.

Is­to acon­te­ce sem­pre da mes­ma for­ma e com a mes­ma efi­cá­cia de­vi­do à ati­va­ção con­se­cu­ti­va de cé­lu­las es­pe­ci­a­li­za­das e mo­lé­cu­las que in­for­mam o cor­po ao se­gun­do de tu­do o que es­tá a acon­te­cer. O coá­gu­lo fi­nal só se for­ma se, en­tre o mo­men­to do cor­te e a for­ma­ção do coá­gu­lo, se for de­sen­ca­de­an­do a li­ber­ta­ção de mo­lé­cu­las em cas­ca­ta, umas con­sequên­cia da pre­sen­ça de ou­tras, e ca­so al­gum dos ele­men­tos fa­lhe, a cas­ca­ta da co­a­gu­la­ção é in­ter­rom­pi­da e o coá­gu­lo não se for­ma. Es­te é o ca­so da co­nhe­ci­da do­en­ça de von Wil­le­brand em in­di­ví­du­os com de­fi­ci­ên­cia ge­né­ti­ca na pro­du­ção do fa­tor VIII da cas­ca­ta de co­a­gu­la­ção. E se o can­cro não for mais do que uma “cas­ca­ta des­re­gu­la­da” Na ver­da­de, é is­so que acon­te­ce por trás de uma ma­ni­fes­ta­ção tu­mo­ral, can­ce­rí­ge­na e ne­o­plá­si­ca de acor­do com os ca­sos que ve­mos e a in­ter­pre­ta­ção que re­a­li­za­mos em Saú­de Ani­mal Na­tu­ral. Can­cros, tu­mo­res e ne­o­pla­si­as re­pre­sen­tam ape­nas a fa­se fi­nal de uma cas­ca­ta in­fla­ma­tó­ria na sua ver­ten­te dis­fun­ci­o­nal e a com­ple­ta dis­fun­ção do sis­te­ma de ho­me­os­ta­se e re­gu­la­ção áci­do-bá­si­co e in­fla­ma­tó­rio-re­ge­ne­ra­dor de qual­quer or­ga­nis­mo vi­vo. O can­cro é um re­cur­so mui­to es­pe­ci­a­li­za­do do cor­po, e ape­nas é ati­va­do quan­do mais ne­nhu­ma fer­ra­men­ta bi­o­ló­gi­ca fun­ci­o­nou de for­ma efi­caz na ges­tão da do­en­ça e da in­fla­ma­ção. “De­ve ser só uma en­tor­se, dê lhe es­te com­pri­mi­do!” Mui­tas ve­zes a his­tó­ria do can­cro co­me­çou mui­tos anos an­tes, quan­do ele ain­da não es­ta­va lá. Des­de que nas­ce­mos o cor­po faz a ges­tão da saú­de li­gan­do e des­li­gan­do in­ter­rup­to­res que ge­ram cas­ca­tas de re­a­ções com cé­lu­las e mo­lé­cu­las pa­ra com­ba­ter do­en­ças e me­di­ar even­tos que po­dem co­lo­car em ris­co a vi­da. Dor e in­fla­ma­ção agu­da, ho­je vis­tas co­mo um mal a com­ba­ter, fun­ci­o­nam na re­a­li­da­de co­mo os in­ter­rup­to­res mais im­por­tan­tes pa­ra o cor­po aci­o­nar os pri­mei­ros even­tos de re­pa­ra­ção e re­ge­ne­ra­ção de­pois de um trau­ma, le­são ou do­en­ça. In­fla­ma­ção e in­fe­ção são mui­tas ve­zes con­fun­di­das e o uso mas­si­vo e cons­tan­te de an­ti­bió­ti­cos e an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os nas pri­mei­ras 72h da si­na­li­za­ção de um trau­ma ou do­en­ça in­ter­fe­rem com o me­ca­nis­mo de re­ge­ne­ra­ção e cu­ra do cor­po. Se pen­sar que a ca­da even­to sim­ples o seu ani­mal é in­je­ta­do com um an­ti­bió­ti­co ou um an­ti-in­fla­ma­tó­rio, e so­man­do to­das as ve­zes que o faz ao lon­go da vi­da, e pro­va­vel­men­te até no es­pa­ço de um ano, es­tá a cons­truir as ba­ses pa­ra a gé­ne­se de um po­ten­ci­al fe­nó­me­no can­ce­rí­ge­no fu­tu­ro. O que mais in­ter­fe­re? A ges­tão con­ti­nu­a­da de fe­nó­me­nos in­fla­ma­tó­ri­os sim­ples e be­né­fi­cos com te­ra­pêu­ti­ca an­ti­bió­ti­ca e an­ti-in­fla­ma­tó­ria mui­tas ve­zes des­ne­ces­sá­ria é ape­nas um dos fa­to­res e até po­dia ser re­la­ti­va­men­te in­sig­ni­fi­can­te ca­so os sis­te­mas an­ti­o­xi­dan­tes, des­to­xi­fi­can­tes e re­ge­ne­ra­ti­vos dos cor­pos dos nos­sos ani­mais es­ti­ves­sem fun­ci­o­nais mas, in­fe­liz­men­te, ho­je em dia, is­so não acon­te­ce to­man­do ape­nas uma boa do­se de su­ple­men­tos vi­ta­mí­ni­cos. Se con­si­de­rar que ne­nhum dos ali­men­tos pro­ces­sa­dos pa­ra ani­mais atu­al­men­te no mer­ca­do po­de ga­ran­tir um ní­vel an­ti­o­xi­dan­te ade­qua­do de­vi­do, em par­te, aos pro­ces­sos de trans­for­ma­ção a que são su­jei­tas as ma­té­ri­as-pri­mas, e que, pa­ra além dis­so, o con­tac­to anu­al com pro­du­tos an­ti­pa­ra­si­tá­ri­os con­ven­ci­o­nais, des­de xa­ro­pes, pi­pe­tas, com­pri­mi­dos ou co­lei­ras re­pre­sen­ta a ex­po­si­ção pa­ra o seu ani­mal e pa­ra si, a uma do­se de subs­tân­ci­as tó­xi­cas com­pro­va­da­men­te car­ci­no­gé­ni­cas, pes­ti­ci­das e com for­te ação de dis­rup­ção hor­mo­nal. Se ain­da qui­ser acres­cer aqui ou­tra ro­ti­na anu­al, a va­ci­na­ção de ani­mais, que ho­je

Can­cro é um ti­po de in­fla­ma­ção mui­to es­pe­ci­a­li­za­da que ocor­re quan­do to­dos os me­ca­nis­mos an­te­ri­o­res fa­lha­ram

Pre­ve­nir o can­cro tem mais a ver com o que de­ve evi­tar na vi­da do seu ani­mal do que com o que po­de fa­zer pa­ra o tra­tar

em dia já não se en­con­tra re­co­men­da­da se­quer nas li­nhas ori­en­ta­do­ras mun­di­ais pa­ra a saú­de de ani­mais de com­pa­nhia, e quan­ti­fi­car a pre­sen­ça de mer­cú­rio e alu­mí­nio pre­sen­te no cor­po do seu ani­mal ao lon­go de to­dos os anos de ino­cu­la­ções, e o fac­to de se tra­ta­rem de me­tais pe­sa­dos que são cu­mu­la­ti­va­men­te ar­ma­ze­na­dos no cor­po sem pos­si­bi­li­da­de de ex­cre­ção e des­to­xi­fi­ca­ção li­mi­ta­da, po­de co­me­çar a per­ce­ber que a epi­de­mia do can­cro tan­to po­de ser cons­truí­da co­mo evi­ta­da, pro­va­vel­men­te com ori­en­ta­ções re­for­mu­la­das pa­ra um es­ti­lo de vi­da efe­ti­va­men­te sau­dá­vel. A pre­ven­ção é es­sen­ci­al Uma vez que ho­je em dia é qua­se im­pos­sí­vel evi­tar por com­ple­to a ex­po­si­ção a al­gum ti­po de agen­te car­ci­no­gé­ni­co, a me­lhor for­ma de pro­te­ger o or­ga­nis­mo do seu ani­mal é, pa­ra além de re­du­zir a ex­po­si­ção aos agen­tes car­ci­no­gé­ni­cos que pos­sa iden­ti­fi­car, man­ter o seu or­ga­nis­mo sau­dá­vel. Ter em con­si­de­ra­ção al­gu­mas prá­ti­cas po­de ser im­por­tan­te pa­ra evi­tar o de­sen­vol­vi­men­to de ne­o­pla­si­as ou re­du­zir a pro­ba­bi­li­da­de da sua in­ci­dên­cia em ani­mais de ris­co. Ali­men­ta­ção A ali­men­ta­ção é mais uma vez um ele­men­to cha­ve. Op­tar por uma ali­men­ta­ção de ba­se na­tu­ral ou con­ten­do uma par­te sig­ni­fi­ca­ti­va de ali­men­tos na­tu­rais em re­la­ção à quan­ti­da­de de ali­men­tos pro­ces­sa­dos é im­por­tan­te. Des­ta for­ma re­duz a quan­ti­da­de de in­ges­tão de adi­ti­vos e con­ser­van­tes ge­ral­men­te pre­sen­tes nos ali­men­tos pro­ces­sa­dos pa­ra ani­mais, e tam­bém in­clui uma boa fon­te de an­ti­o­xi­dan­tes “ver­da­dei­ra­men­te” na­tu­rais na sua ali­men­ta­ção. Te­nha tam­bém em aten­ção a qua­li­da­de da água da re­de pú­bli­ca da sua re­gião. Stress oxi­da­ti­vo Ho­je em dia é bas­tan­te re­co­nhe­ci­do que a pre­sen­ça re­gu­lar e ex­ces­si­va de cer­tas mo­lé­cu­las no or­ga­nis­mo po­de pro­vo­car

um “stress oxi­da­ti­vo” no in­te­ri­or das cé­lu­las pe­la acu­mu­la­ção de subs­tân­ci­as “tó­xi­cas” pa­ra as mes­mas. Es­tas mo­lé­cu­las tó­xi­cas têm ca­rac­te­rís­ti­cas oxi­da­ti­vas e de­gra­dam o am­bi­en­te den­tro da cé­lu­la pe­lo que, o uso de subs­tân­ci­as an­ti­o­xi­dan­tes tem uma im­por­tân­cia cres­cen­te no com­ba­te e na pre­ven­ção das ne­o­pla­si­as. A Vi­ta­mi­na C, a Vi­ta­mi­na E, a Co­en­zi­ma Q10, en­tre ou­tras, po­dem ser re­co­men­da­das co­mo par­te de uma su­ple­men­ta­ção in­cluí­da nu­ma ali­men­ta­ção na­tu­ral, uma vez que pa­ra se­rem de­vi­da­men­te ab­sor­vi­das pe­lo or­ga­nis­mo pre­ci­sam de co-ele­men­tos que não se en­con­tram nos ali­men­tos pro­ces­sa­dos, mas es­tão pre­sen­tes em abun­dân­cia nos ali­men­tos na­tu­rais. Tam­bém a quan­ti­da­de de an­ti­o­xi­dan­tes de­ve de ser ade­qua­da a ca­da ca­so, uma vez que, em ge­ral, as do­ses adi­ci­o­na­das e pre­sen­tes em ali­men­tos co­mer­ci­ais po­dem não ser as mais ade­qua­das a ní­vel in­di­vi­du­al. Um es­ti­lo de vi­da sau­dá­vel Pro­mo­ver uma vi­da ati­va re­gu­lar pa­ra o seu ani­mal é bom pa­ra am­bos e po­de evi­tar a acu­mu­la­ção de to­xi­nas des­ne­ces­sá­ri­as. A ati­vi­da­de fí­si­ca re­duz o stress e a ten­são san­guí­nea, ati­va o me­ta­bo­lis­mo bá­si­co e li­ber­ta o pul­mão, o mes­tre da ener­gia na me­di­ci­na tra­di­ci­o­nal chi­ne­sa, pro­mo­ven­do a dre­na­gem de lí­qui­dos e es­ti­mu­lan­do os sis­te­mas na­tu­rais de ex­cre­ção de to­xi­nas pe­lo cor­po. Al­ter­na­ti­vas te­ra­pêu­ti­cas A in­fla­ma­ção e a dor são im­por­tan­tes, de­vem ser ge­ri­das, mas não in­ter­rom­pi­das. Pro­cu­rar co­mo pri­mei­ra for­ma de tra­ta­men­to al­ter­na­ti­vas mais na­tu­rais pa­ra o tra­ta­men­to de ocor­rên­ci­as sim­ples na vi­da do seu ani­mal (co­mo oti­tes, en­te­ri­tes, gas­tri­tes, pe­que­nos trau­mas, cis­ti­tes, con­jun­ti­vi­tes, es­to­ma­ti­tes e os mais va­ri­a­dos pro­ces­sos in­fla­ma­tó­ri­os), isen­tas da con­ju­ga­ção com mo­lé­cu­las an­ti-in­fla­ma­tó­ri­as, an­ti-in­fe­ci­o­sas, an­ti­bió­ti­cas, an­ti-his­ta­mí­ni­cas ou cor­ti­coi­des, po­de ser uma de­ci­são mui­to im­por­tan­te na ges­tão da saú­de fu­tu­ra do seu ani­mal e um bom con­tri­bu­to na pre­ven­ção do apa­re­ci­men­to do can­cro. A mai­o­ria dos sis­te­mas acei­tes e já com en­qua­dra­men­to le­gal de­fi­ni­do co­mo a me­di­ci­na tra­di­ci­o­nal chi­ne­sa (acu­pun­tu­ra e fi­to­te­ra­pia), a fi­to­te­ra­pia oci­den­tal ou ayur­ve­da, a ho­me­o­pa­tia, a os­te­o­pa­tia e a na­tu­ro­pa­tia pos­su­em op­ções te­ra­pêu­ti­cas com­ple­tas, efi­ca­zes e se­gu­ras que per­mi­tem uma ges­tão da saú­de e uma abor­da­gem efi­caz a to­do o ti­po de pro­ces­sos in­fla­ma­tó­ri­os e ál­gi­cos, in­cluin­do às su­as cau­sas sub­ja­cen­tes, que per­mi­tem tra­tar os pro­ces­sos sem pre­ju­di­car os sis­te­mas me­ta­bó­li­cos e an­ti­o­xi­da­ti­vos na­tu­rais do cor­po, pre­ve­nin­do à pos­te­ri­o­ri o apa­re­ci­men­to de do­en­ças cró­ni­cas, de­ge­ne­ra­ti­vas e can­cro. E quan­do o can­cro já exis­te! Nes­se ca­so po­de­mos co­me­çar por com­pre­en­der qual a cau­sa me­ta­bó­li­ca e ge­né­ti­ca que o ori­gi­nou e on­de é que per­tur­ba­mos a ges­tão na­tu­ral da saú­de do cor­po pa­ra que a pos­sa­mos re­por. As mes­mas te­ra­pi­as que usa­mos na pre­ven­ção po­dem ser usa­das pa­ra cons­truir a cu­ra, mas aqui te­re­mos que as uti­li­zar na sua for­ma de pro­to­co­los avan­ça­dos e mui­to es­pe­cí­fi­cos, com­bi­nan­do mui­tas ve­zes vá­ri­as abor­da­gens pa­ra os me­lho­res re­sul­ta­dos. Te­ra­pi­as de eli­mi­na­ção e des­to­xi­fi­ca­ção são es­sen­ci­ais pa­ra re­pa­rar vi­as me­ta­bó­li­cas de oxir­re­du­ção da­ni­fi­ca­das. Lem­bre-se que o me­lhor tra­ta­men­to pa­ra o can­cro é a pre­ven­ção e a úni­ca for­ma de pre­ve­nir é agir de for­ma cons­ci­en­te nas su­as op­ções de vi­da e de saú­de, nas coi­sas mais sim­ples do dia-a-dia, pa­ra os seus ani­mais.

Pro­cu­rar co­mo pri­mei­ra for­ma de tra­ta­men­to al­ter­na­ti­vas mais na­tu­rais po­de fa­zer to­da a di­fe­ren­ça nos re­sul­ta­dos

Mé­di­ca Ve­te­ri­ná­ria Di­no­ra Xa­vi­er

Um dos can­cros pa­ra que os do­nos, nor­mal­men­te, es­tão mais sen­si­bi­li­za­dos é o ma­má­rio.

O me­lhor tra­ta­men­to pa­ra o can­cro é a pre­ven­ção e a úni­ca for­ma de pre­ve­nir é agir de for­ma cons­ci­en­te nas su­as op­ções de vi­da e de saú­de.

Pro­mo­ver uma vi­da ati­va re­gu­lar pa­ra o seu ani­mal é bom pa­ra am­bos e po­de evi­tar a acu­mu­la­ção de to­xi­nas des­ne­ces­sá­ri­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.