Com­pra e ven­da de ani­mais

A no­va pers­pe­ti­va

Caes & Companhia - - NOTICIAS -

No pas­sa­do mês de agos­to, no­vo pas­so na cons­ci­en­ci­a­li­za­ção de que os ani­mais não são me­ras coi­sas sus­ce­tí­veis de pro­pri­e­da­de, em re­for­ço do gi­gan­tes­co pas­so que já ha­via si­do da­do no nos­so Có­di­go Ci­vil: a Lei 95/2017, de 23/08, que re­gu­la a com­pra e ven­da de ani­mais de com­pa­nhia em es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais e atra­vés da In­ter­net.

Tal Lei sur­ge na sequên­cia do que se tem ve­ri­fi­ca­do se­rem não só bur­las nos ne­gó­ci­os en­vol­ven­do ani­mais, mas tam­bém pa­ra pre­ve­nir si­tu­a­ções de aban­do­no, uma vez que se­rão tran­sa­ções mui­to mais do­cu­men­ta­das e, cla­ro es­tá, in­ge­nui­da­des à par­te, uma no­va for­ma de “con­tri­buir” pa­ra o erá­rio pú­bli­co. Van­ta­gens e des­van­ta­gens? A ver va­mos. Re­qui­si­tos e obri­ga­ções? Mais que mui­tos! Mas va­mos por par­tes.

A Lei não proí­be a com­pra e ven­da de ani­mais de com­pa­nhia

Ao con­trá­rio do que tem si­do vei­cu­la­do nas re­des so­ci­ais, e co­mo o pró­prio no­me in­di­ca, a Lei 95/2017, de 23/08, que ini­ci­ou a sua vi­gên­cia no dia se­guin­te, ou se­ja, 24/08, não proí­be a com­pra e ven­da de ani­mais de com­pa­nhia (tal­vez, um dia...) se­ja em lo­jas fí­si­cas ou pe­la In­ter­net. An­tes sim, re­gu­lou um ni­cho de mer­ca­do que se en­con­tra­va es­que­ci­do, bem co­mo ade­quou es­ta prá­ti­ca ao Es­ta­tu­to Ju­rí­di­co dos Ani­mais ago­ra em vi­gor. Na re­a­li­da­de, a úni­ca prá­ti­ca que o di­plo­ma proi­biu, no seu art. 55º, foi a ven­da na In­ter­net de ani­mais sel­va­gens.

O que é um ani­mal de com­pa­nhia?

An­tes de ana­li­sar a Lei em si, cre­mos ser im­por­tan­te per­ce­ber de on­de par­ti­mos, ou se­ja, o Pro­je­to Lei nº 359/XIII/2ª. Es­te pro­je­to co­me­ça­va nu­ma pri­mei­ra fa­se, por de­fi­nir, o que é um ani­mal de com­pa­nhia, sen­do es­te des­cri­to co­mo “qual­quer ani­mal de­ti­do ou des­ti­na­do a ser de­ti­do por se­res hu­ma­nos pa­ra seu en­tre­te­ni­men­to e com­pa­nhia.” Po­rém, em mo­men­to al­gum de­fi­nia o que se po­de­ria en­ten­der co­mo a ven­da des­ses mes­mos ani­mais.

O que é “ven­da” e “ven­de­dor”?

Tal la­cu­na foi col­ma­ta­da pe­la Lei apro­va­da e há qua­se um mês em vi­gor, a qual pro­ce­deu a al­te­ra­ções ao D.L. 276/2001, de 17 de Ou­tu­bro, e, en­tre ou­tros as­pe­tos, es­ti­pu­lou o que, em ter­mos le­gais, se po­de en­ten­der co­mo ven­da de ani­mal

de com­pa­nhia, sen­do es­ta a “ces­são a tí­tu­lo one­ro­so de um ani­mal de com­pa­nhia.” e o que po­de­rá ser con­si­de­ra­do co­mo ven­de­dor de ani­mal de com­pa­nhia – “é aque­le que não sen­do de­ten­tor de fê­mea re­pro­du­to­ra, exer­ce a ati­vi­da­de de ven­da de ani­mais de com­pa­nhia”, não ten­do vis­to ne­ces­si­da­de de de­fi­nir o que se­ria con­si­de­ra­do um ani­mal de com­pa­nhia.

Cri­a­ção co­mer­ci­al de ani­mais de com­pa­nhia

Es­ta Lei de­fi­ne igual­men­te o que se­rá con­si­de­ra­do co­mo cri­a­ção co­mer­ci­al de ani­mais de com­pa­nhia, sen­do “a ati­vi­da­de que con­sis­te em pos­suir uma ou mais fê­me­as re­pro­du­to­ras cu­jas cri­as se­jam des­ti­na­das ao co­mér­cio.” Em­bo­ra es­ta de­fi­ni­ção se­ja se­me­lhan­te ao pro­pos­to não fi­cou ex­pres­sa­men­te igual, pois que na pro­pos­ta con­tem­pla­va que: “(…) pe­lo me­nos uma das cri­as é ce­di­da a tí­tu­lo one­ro­so.” Aqui, pa­re­ce-nos que a Lei fi­cou a per­der pa­ra a Pro­pos­ta, pois que, ca­so se ti­ves­se ado­ta­do a op­ção mais res­tri­ta, bas­ta­va que uma das cri­as fos­se ven­di­da pa­ra ter­mos uma cri­a­ção co­mer­ci­al de ani­mais de com­pa­nhia e, fa­ce à re­da­ção em vi­gor, ain­da te­re­mos fu­gas nes­te as­pe­to, pois que a mai­o­ria dos ven­de­do­res re­fu­gi­ar-se-á nes­ta vál­vu­la de es­ca­pe, bas­tan­do pa­ra não ser con­si­de­ra­da cri­a­ção de ani­mais o fac­to de uma ou al­gu­mas das cri­as se­rem ven­di­das, mas ou­tras não.

A pro­li­fe­ra­ção de ven­das na In­ter­net

De qual­quer for­ma, jus­ti­fi­ca-se es­ta sal­va­guar­da le­gal, aten­den­do à pro­li­fe­ra­ção de ven­das na In­ter­net, de ani­mais, ten­do-se vis­to o Par­la­men­to “obri­ga­do” a se­guir a pro­pos­ta do PAN, ten­do as­sim cul­mi­na­do na Lei 95/2017, já em vi­gor.

A Lei 95/2017, de 23/08, não proí­be a com­pra e ven­da de ani­mais de com­pa­nhia se­ja em lo­jas fí­si­cas ou pe­la In­ter­net

Is­to por inú­me­ras ra­zões, no­me­a­da­men­te, o fac­to de nes­te ti­po de ven­da, não se con­se­guir iden­ti­fi­car a pro­ve­ni­ên­cia do ani­mal, nem tão pou­co quem se en­con­tra a pra­ti­car o ato de ven­da e em que con­di­ções é fei­ta es­sa ven­da ou até se es­tão res­pei­ta­das to­das as ques­tões de hi­gi­e­ne e saú­de pú­bli­ca, tan­to pa­ra o ani­mal co­mo pa­ra quem o ad­qui­re. Pa­ra além de to­do o trans­tor­no exem­pli­fi­ca­ti­va­men­te in­di­ca­do, hou­ve ain­da a ne­ces­si­da­de de le­van­tar ques­tões re­cor­ren­tes de bur­la na aqui­si­ção dos ani­mais, bem co­mo a eter­na ques­tão de fu­ga ao fis­co, uma vez que quem ven­de por in­ter­mé­dio da In­ter­net ou de ou­tro meio não de­cla­ra­do, atua en­quan­to co­mer­ci­an­te, mas mui­tas das ve­zes não cum­pre os re­qui­si­tos de emis­são de fa­tu­ras ou se­quer de re­gis­to da pró­pria ati­vi­da­de. Ao me­nos ago­ra, com a aten­ção da Au­to­ri­da­de Tri­bu­tá­ria mais pa­ten­te, os ca­sos de aban­do­no tam­bém po­de­rão ve­ri­fi­car um de­crés­ci­mo (ou as­sim es­pe­ra­mos), na me­di­da em que ha­ven­do re­gis­tos, po­de­re­mos mais fa­cil­men­te de­te­tar tan­to os tu­to­res do ani­mal, co­mo a sua pro­ve­ni­ên­cia ou ori­gem o que tam­bém cre­mos que in­cu­ta um mai­or sen­ti­do de res­pon­sa­bi­li­da­de tan­to em quem ven­de, co­mo em quem com­pra.

Bem-es­tar ani­mal

Foi ain­da de­ter­mi­nan­te a pon­de­ra­ção da cri­a­ção des­ta Lei pa­ra sal­va­guar­da dos ani­mais da atu­a­ção de al­guns cri­a­do­res, que de for­ma le­vi­a­na não cum­prem os re­qui­si­tos bá­si­cos de sal­va­guar­da do bem-es­tar ani­mal e in fi­ne de quem o ad­qui­re. Uma vez que, na mai­o­ria dos ca­sos, in­fe­liz­men­te, não cum­prem os re­qui­si­tos mí­ni­mos de des­pis­te de do­en­ças, nem tão pou­co as­se­gu­ram a va­ci­na­ção ou se­quer a iden­ti­fi­ca­ção ele­tró­ni­ca. Já pa­ra não fa­lar do im­pe­ri­o­so bem-es­tar, fí­si­co e emo­ci­o­nal, do ani­mal que ob­vi­a­men­te não po­de­rá ser tra­ta­do co­mo uma me­ra mer­ca­do­ria, nes­ta tran­sa­ção co­mer­ci­al. De fac­to, fa­zia fal­ta tal le­gis­la­ção, prin­ci­pal­men­te após o gi­gan­te pas­so, tar­dio de­ve­ras, mas enor­me, do nos­so Có­di­go Ci­vil na con­si­de­ra­ção do ani­mal co­mo ser do­ta­do de sen­si­bi­li­da­de.

Nú­me­ro de iden­ti­fi­ca­ção de cri­a­dor

Pa­re­ce-nos que pas­sa­rá a ha­ver um con­tro­lo mais efe­ti­vo de quem pra­ti­ca a ati­vi­da­de de cri­a­ção co­mer­ci­al de ani­mais de com­pa­nhia, atra­vés da im­po­si­ção de atri­bui­ção de um nú­me­ro de iden­ti­fi­ca­ção de cri­a­dor. Com as sim­pli­ci­da­des ele­tró­ni­cas ago­ra dis­po­ní­veis, se­rá mais fá­cil e efi­caz efe­tu­ar um cru­za­men­to de to­dos os da­dos pes­so­ais, pro­fis­si­o­nais e fis­cais de quem se dis­pões a tran­sa­ci­o­nar um ani­mal de com­pa­nhia, o que aper­ta­rá o cer­co a even­tu­ais frau­des ou in­cum­pri­men­tos le­gais.

As lo­jas fí­si­cas em que são co­mer­ci­a­li­za­dos ani­mais pas­sam a es­tar im­pe­di­das de ex­por os ani­mais em mon­tras ou vi­tri­nas

Anún­ci­os de ven­da de ani­mais na In­ter­net

Qu­an­to à Lei pro­pri­a­men­te di­ta, em ter­mos prá­ti­cos, os as­pe­tos a ter em con­ta e a que ca­da um de nós de­ve­rá es­tar aten­to, ca­da vez que vi­su­a­li­zar­mos um anún­cio de ven­da de ani­mais na In­ter­net, é se es­se anún­cio cum­pre com to­dos os re­qui­si­tos le­gais do art. 53º, a sa­ber: • A ida­de dos ani­mais; • Tra­tan­do- se de cão ou ga­to, a in­di­ca­ção se é ani­mal de ra­ça pu­ra ou in­de­ter­mi­na­da, sen­do que, tra­tan­do-se de ani­mal de ra­ça pu­ra de­ve obri­ga­to­ri­a­men­te ser re­fe­ri­do o nú­me­ro de re­gis­to no Li­vro de Ori­gens Por­tu­guês (LOP); • Nú­me­ro de iden­ti­fi­ca­ção ele­tró­ni­ca da cria e da fê­mea re­pro­du­to­ra; • Nú­me­ro de ins­cri­ção de cri­a­dor; • Nú­me­ro de ani­mais da ni­nha­da.

Coi­mas apli­cá­veis

Apro­vei­ta­mos aqui pa­ra re­for­çar a men­ção de que es­tes são os re­qui­si­tos pa­ra que um anún­cio de ven­da de ani­mal se­ja vá­li­do e con­for­me, não são os re­qui­si­tos pa­ra o ne­gó­cio de com­pra e ven­da que po­de­rá ad­vir des­te anún­cio, que é uma si­tu­a­ção com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te. A fal­ta de cum­pri­men­to de qual­quer um dos re­qui­si­tos é san­ci­o­na­da com uma con­tra­or­de­na­ção, cu­ja coi­ma é ba­li­za­da en­tre os 200€ e os 3.740€.

Anún­ci­os de do­a­ção ou ce­dên­cia de ani­mais

Ce­ná­rio dis­tin­to é o dos anún­ci­os em que se do­am ou ce­dem ani­mais, sem qual­quer con­tra­par­ti­da mo­ne­tá­ria. Nes­ses ca­sos, sen­do a trans­mis­são gra­tui­ta, tem de cons­tar ex­pres­sa­men­te do anún­cio es­sa gra­tui­ti­da­de. Se não exis­tir es­sa re­fe­rên­cia, en­tão as san­ções são as mes­mas aci­ma re­fe­ri­das.

Do­cu­men­ta­ção da tran­sa­ção

Qu­an­to ao ne­gó­cio de com­pra e ven­da pro­pri­a­men­te di­to, na­tu­ral­men­te, de­ve­rá obe­de­cer a re­qui­si­tos pró­pri­os, no­me­a­da­men­te a ní­vel da do­cu­men­ta­ção que de­ve­rá acom­pa­nhar a tran­sa­ção: • De­cla­ra­ção de ce­dên­cia ou con­tra­to de com­pra e ven­da do ani­mal e res­pe­ti­va fa­tu­ra, ou do­cu­men­to com­pro­va­ti­vo de do­a­ção; • Com­pro­va­ti­vo de iden­ti­fi­ca­ção ele­tró­ni­ca do ani­mal, des­de que se tra­te de cão ou ga­to; • De­cla­ra­ção mé­di­co-ve­te­ri­ná­ria, com um pra­zo de pe­lo me­nos 15 di­as, que ates­te que o ani­mal se en­con­tra de boa saú­de e ap­to pa­ra ser ven­di­do; • In­for­ma­ção de va­ci­nas e his­to­ri­al clí­ni­co do ani­mal. Re­le­va­mos aqui que es­tes mes­mos do­cu­men­tos de­ve­rão acom­pa­nhar o ani­mal, nos ca­sos de trans­mis­são gra­tui­ta.

Ter­mi­na a au­sên­cia de re­gu­la­men­ta­ção!

A nos­so ver, o con­jun­to de re­gras e re­qui­si­tos plas­ma­dos e ora ne­ces­sá­ri­os pa­ra

A com­pra e ven­da obe­de­ce a re­qui­si­tos, no­me­a­da­men­te a ní­vel da do­cu­men­ta­ção que de­ve acom­pa­nhar a tran­sa­ção

tran­sa­ci­o­nar um ani­mal são bas­tan­te exi­gen­tes, com­pa­ra­ti­va­men­te ao que ha­via até aqui, ou se­ja, uma au­sên­cia to­tal de re­gu­la­men­ta­ção, o que po­de­rá de­sin­cen­ti­var bas­tan­te a ati­vi­da­de co­mer­ci­al de ani­mais, o que, pa­ra nós, é um as­pe­to bas­tan­te po­si­ti­vo. Con­tu­do, o re­ver­so da me­da­lha tam­bém se apli­ca, quan­do pen­sa­mos na ado­ção e que mui­tas pes­so­as po­de­rão não se sen­tir tão en­tu­si­as­ma­das em ado­tar um com­pa­nhei­ro, ten­do em con­ta a bu­ro­cra­cia que ago­ra se ins­ta­la. No en­tan­to pen­sa­mos que se­rá, even­tu­al­men­te, um pro­ble­ma que ocor­re­rá nu­ma fa­se ini­ci­al, mas es­pe­ra­mos que a pre­ven­ção, di­vul­ga­ção e in­for­ma­ção col­ma­tem os in­cum­pri­men­tos que po­de­rão exis­tir aten­den­do à exi­gên­cia e es­pe­ci­fi­ci­da­de le­gal, pe­lo bem dos ani­mais.

Ga­ran­tia aces­só­ria

Fi­gu­ra da qual, pe­la sua sin­gu­la­ri­da­de, não po­de­mos pas­sar sem dei­xar no­ta, é a ga­ran­tia aces­só­ria, que era con­tem­pla­da na Pro­pos­ta e que não pas­sou na re­da­ção fi­nal da Lei, em ca­sos no ca­so de mor­te pre­ma­tu­ra do ani­mal, se cau­sa­da por do­en­ça in­fec­to­con­ta­gi­o­sa ou no ca­so de al­gu­mas do­en­ças he­re­di­tá­ri­as num pe­río­do a ser de­ter­mi­na­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra. Es­te ti­po de ca­sos ori­gi­na­ria a de­vo­lu­ção das quan­ti­as lí­qui­das acres­ci­das das des­pe­sas mé­di­co-ve­te­ri­ná­ri­as su­por­ta­das. Com a pu­bli­ca­ção da Lei 95/2017, não se­guiu tal fi­gu­ra, a qual fos­se avan­te e pe­la nos­sa ex­pe­ri­ên­cia ori­gi­na­ria o au­men­to da li­ti­gân­cia nos nos­sos Tri­bu­nais so­bre es­te ti­po de ca­sos.

Ven­da de ani­mais em lo­jas

Qu­an­to às lo­jas fí­si­cas em que são co­mer­ci­a­li­za­dos ani­mais, pa­ra além de to­das as no­vi­da­des já des­cri­tas, a que te­rá mais vi­si­bi­li­da­de, a nos­so ver, se­rá o fac­to des­ses es­ta­be­le­ci­men­tos pas­sa­rem a es­tar im­pe­di­dos de ex­por os ani­mais em mon­tras ou vi­tri­nas.

Efe­ti­va­ção da com­pra e ven­da

E em­bo­ra as no­tí­ci­as avan­ça­das, os ani­mais de com­pa­nhia po­de­rão ser pu­bli­ci­ta­dos na In­ter­net, no en­tan­to a

efe­ti­va­ção da com­pra e ven­da ape­nas se­rá adm iti­da no lo­cal de cri­a­ção ou em es­ta­be­le­ci­men­tos de­vi­da­men­te li­cen­ci­a­dos pa­ra o efei­to. Fi­can­do de­ter­mi­na­do, ex­pres­sa­men­te, a proi­bi­ção da ven­da de ani­mais por trans­por­ta­do­ra. De fac­to com a en­tra­da em vi­gor des­ta pro­pos­ta an­te­ve­mos po­de­rão ser le­van­ta­dos al­guns pro­ble­mas prá­ti­cos de adap­ta­ção, prin­ci­pal­men­te da­que­les que já fa­zi­am des­ta a sua ati­vi­da­de. A fis­ca­li­za­ção des­tas prá­ti­cas tam­bém se an­te­vê di­fí­cil, pois que, ain­da que to­dos nós se­ja­mos “po­lí­ci­as de oca­sião”, po­den­do e de­ven­do re­la­tar si­tu­a­ções de in­cum­pri­men­to com que nos cru­ze­mos, à Di­re­ção Ge­ral de Ali­men­ta­ção e Ve­te­ri­ná­ria, en­ti­da­de com­pe­ten­te pa­ra a apli­ca­ção de coi­mas, ain­da não es­tá ple­na­men­te cla­ro co­mo irão de­cor­rer os pro­ce­di­men­tos de fis­ca­li­za­ção.

De­nún­ci­as de ile­ga­li­da­des

Des­te mo­do, na ver­ten­te cí­vi­ca da ques­tão, cre­mos que to­da e qual­quer de­nún­cia pa­ra as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes de­ve­rá de­cor­rer de uma aná­li­se cons­ci­en­te da si­tu­a­ção: de­pa­ran­do-nos com um anún­cio de co­mer­ci­a­li­za­ção de um ani­mal de com­pa­nhia, de­ve­mos, pri­mei­ro que tu­do, ana­li­sar cui­da­do­sa­men­te se to­dos os re­qui­si­tos es­tão ou não cum­pri­dos, pois que si­tu­a­ções de de­nún­ci­as im­pul­si­vas, po­de­rão, em úl­ti­ma aná­li­se, “en­tu­pir” o sis­te­ma, o que po­de­rá pre­ju­di­car ca­sos de ver­da­dei­ra ile­ga­li­da­de, pe­la de­mo­ra de in­ves­ti­ga­ções, por fal­ta de mei­os.

Mais um pas­so em fren­te…

Ain­da as­sim, com to­das es­tas con­di­ci­o­nan­tes e pro­ble­má­ti­cas que po­de­rão (ou não) sur­gir, cre­mos que es­ta é uma boa me­di­da, ou, pe­lo me­nos, bem-in­ten­ci­o­na­da e mais um pas­so no re­co­nhe­ci­men­to dos ani­mais co­mo se­res e não tan­to co­mo mer­ca­do­ri­as.

A efe­ti­va­ção da com­pra e ven­da ape­nas se­rá ad­mi­ti­da no lo­cal de cri­a­ção ou em es­ta­be­le­ci­men­tos de­vi­da­men­te li­cen­ci­a­dos

Os ani­mais de com­pa­nhia po­dem ser pu­bli­ci­ta­dos na In­ter­net, no en­tan­to a efe­ti­va­ção da com­pra e ven­da ape­nas se­rá ad­mi­ti­da no lo­cal de cri­a­ção ou em es­ta­be­le­ci­men­tos de­vi­da­men­te li­cen­ci­a­dos pa­ra o efei­to.

A úni­ca prá­ti­ca que o di­plo­ma proi­biu, no seu art. 55º, foi a ven­da na In­ter­net de ani­mais sel­va­gens.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.