Tos­se do Ca­nil: Co­mo pre­ve­nir com Saú­de Na­tu­ral

A tos­se do ca­nil é um te­ma de saú­de ca­ni­na mui­to co­nhe­ci­do ho­je em dia. Num mo­men­to em que é mui­to re­gu­lar e fre­quen­te es­co­lher­mos a es­ta­dia em ho­téis e ca­nis co­mo for­ma de alo­ja­men­to pa­ra os nos­sos ani­mais em tempo de fé­ri­as ou au­sên­ci­as tem­po­rá­ri­as, as

Caes & Companhia - - NEWS - Di­no­ra Xa­vi­er Mé­di­ca Veterinária

Co­nhe­ci­da co­mo tos­se do ca­nil, a tra­que­o­bron­qui­te in­fe­to-con­ta­gi­o­sa ca­ni­na é uma pa­to­lo­gia que se de­fi­ne por “qual­quer do­en­ça res­pi­ra­tó­ria con­ta­gi­o­sa em cães que se ma­ni­fes­te por tos­se, sem que a sua cau­sa se­ja di­re­ta­men­te o ví­rus da es­ga­na, a qual é no­me­a­da de tra­que­o­bron­qui­te in­fe­ci­o­sa”. A tos­se do ca­nil ocor­re após uma le­são ini­ci­al do epi­té­lio da mu­co­sa res­pi­ra­tó­ria da tra­queia e dos brôn­qui­os ou por uma in­fe­ção vi­ral, que per­mi­tem de se­gui­da a en­tra­da de ou­tras bac­té­ri­as, fun­gos, pa­ra­si­tas ou mi­co­plas­mas que po­dem agra­var o qu­a­dro clí­ni­co ini­ci­al.

Fa­to­res que fa­ci­li­tam e pre­dis­põem

A tos­se do ca­nil po­de ocor­rer em cães de am­bos os se­xos e qual­quer ida­de, po­den­do ser mais de­bi­li­tan­te em ani­mais en­tre as 6 se­ma­nas e os 6 me­ses de ida­de, mo­men­to em que o sis­te­ma imu­ni­tá­rio já é, em ge­ral, so­bre­car­re­ga­do e so­bre-es­ti­mu­la­do por uma ro­ti­na va­ci­nal exi­gen­te e se en­con­tra ain­da nu­ma fa­se pre­co­ce e de­ter­mi­nan­te da for­ma­ção do seu pró­prio sis­te­ma imu­ni­tá­rio es­pe­ci­a­li­za­do e in­di­vi­du­al. Ou­tro fa­tor que im­por­ta con­si­de­rar, pa­ra além da ida­de, é a exis­tên­cia de ou­tras do­en­ças con­co­mi­tan­tes (bron­qui­te cró­ni­ca, en­fi­se­ma) ou uma his­tó­ria clí­ni­ca pré­via de do­en­ça res­pi­ra­tó­ria cró­ni­ca ou em epi­só­di­os re­cor­ren­tes ou mes­mo em ra­ças que apre­sen­tam pre­dis­po­si­ção pa­ra do­en­ças con­gé­ni­tas do fo­ro res­pi­ra­tó­rio (bron­qui­ec­ta­si­as, do­en­ça pul­mo­nar obs­tru­ti­va cró­ni­ca).

Ho­téis e cre­ches ca­ni­nas

No mo­men­to de dei­xar o seu ani­mal em ho­tel, cre­che, as­so­ci­a­ção ou ca­nil de­ve tam­bém as­se­gu­rar-se das con­di­ções hi­gi­e­no-sa­ni­tá­ri­as do mes­mo e de co­mo é fei­ta a or­ga­ni­za­ção e a dis­po­si­ção dos ani­mais, ro­ti­nas e ti­po de ali­men­ta­ção. Uma vez que um dos prin­ci­pais fa­to­res que im­pe­de a ocor­rên­cia da tos­se do ca­nil são bo­as con­di­ções hi­gi­e­no­sa­ni­tá­ri­as e a for­ma co­mo se or­ga­ni­za a dis­po­si­ção dos ani­mais em lo­cais e mo­men­tos on­de os mes­mos se con­cen­tram de for­ma re­gu­lar (ho­tel, ca­nil, cre­che, trei­no, etc.).

Co­mo iden­ti­fi­car

O sin­to­ma mais ca­rac­te­rís­ti­co e co­nhe­ci­do da tos­se do ca­nil é a tos­se per­sis­ten­te, que agra­va com a pres­são so­bre a tra­queia, as di­fe­ren­ças de tem­pe­ra­tu­ra do ar e a pas­sa­gem de água ou ali­men­to ao de­glu­tir, en­tre ou­tras. Em mui­tos ca­sos a tos­se po­de ser tão li­gei­ra que não é va­lo­ri­zá­vel e pa­ra mui­tos ani­mais o tra­ta­men­to é as­se­gu­ra­do pe­lo seu pró­prio sis­te­ma imu­ni­tá­rio. Em ou­tros ca­sos, a tos­se po­de ser bas­tan­te au­dí­vel e pro­fun­da e is­so é, em ge­ral, mo­ti­vo de pre­o­cu­pa­ção dos cui­da­do­res mas, uma tos­se for­te não im­pli­ca di­re­ta­men­te uma gra­vi­da­de as­so­ci­a­da, uma vez que a tos­se é um me­ca­nis­mo re­fle­xo e de pro­te­ção do cor­po que ten­ta im­pe­dir o agra­va­men­to da con­di­ção ini­ci­al. Ou­tros sin­to­mas co­mo fal­ta de ape­ti­te (ano­re­xia), au­men­to de tem­pe­ra­tu­ra (fe­bre), au­men­to da in­ges­tão de água e ati­vi­da­de re­du­zi­da po­dem in­di­car a ne­ces­si­da­de de uma abor­da­gem di­ag­nós­ti­ca mais de­ta­lha­da pa­ra iden­ti­fi­car se a in­fe­ção ini­ci­al po­de es­tar a ten­tar pro­gre­dir pa­ra uma pa­to­lo­gia brôn­qui- ca e pul­mo­nar mais com­ple­xa e, nes­tes ca­sos, uma in­ter­ven­ção cor­re­ta e ade­qua­da, sen­do a nos­sa sugestão ba­se­a­da na me­di­ci­na na­tu­ral, po­de evi­tar a evo­lu­ção do qu­a­dro clí­ni­co e ga­ran­tir uma cu­ra efi­caz e efe­ti­va.

Agen­tes mi­cro­bi­o­ló­gi­cos en­vol­vi­dos

A tos­se do ca­nil não é uma pa­to­lo­gia que se pos­sa in­di­car co­mo de­pen­den­te de um agen­te in­fec­ci­o­so, uma vez que é uma iden­ti­fi­ca­ção de uma in­fe­ção ge­ne­ra­lis­ta da tra­queia e dos brôn­qui­os, na qual po­dem es­tar en­vol­vi­dos inú­me­ros agen­tes, des­de que de­vi­da­men­te ex­cluí­da a in­fe­ção pe­lo ví­rus da es­ga­na.

Co­mo o no­me in­di­ca, o sin­to­ma mais ca­rac­te­rís­ti­co e co­nhe­ci­do da tos­se do ca­nil é a tos­se per­sis­ten­te

Pa­ra que tenha uma ideia, po­de­mos no­me­ar co­mo al­guns dos agen­tes en­vol­vi­dos o ade­no­ví­rus ca­ni­no do ti­po 2 (CAV-2), o ví­rus da pa­rain­flu­en­za ca­ni­na (CPI), o ade­no­ví­rus ca­ni­no do ti­po 1 (CAV-1), o re­o­vi­rus ca­ni­no do ti­po 1,2 e 3 e o her­pes­vi­rus ca­ni­no. Os ví­rus CAV2 e CPI são os que in­du­zem mai­or le­são no epi­té­lio da mu­co­sa e per­mi­tem mais fa­cil­men­te a co­lo­ni­za­ção da mes­ma por ou­tros agen­tes, tam­bém pe­la ação imu­nos­su­pres­so­ra que exer­cem.

A que se de­vem os si­nais clí­ni­cos?

A mai­o­ria dos si­nais clí­ni­cos que vê, co­mo a tos­se, de­ve-se à le­são do epi­té­lio da mu­co­sa da pa­re­de da tra­queia e dos brôn­qui­os. Nes­ta mu­co­sa exis­tem cé­lu­las es­pe­ci­a­li­za­das em in­ter­pre­tar a pres­são e a le­são pre­sen­tes na mu­co­sa e as­sim que al­go não es­tá bem es­ti­mu­lam o me­ca­nis­mo re­fle­xo da tos­se. Ou­tro ti­po de sin­to­mas co­mo fe­bre, ina­pe­tên­cia ou ano­re­xia já po­dem es­tar de­pen­den­tes de um agra­va­men­to pe­la co­lo­ni­za­ção dos lo­cais afe­ta­dos e des­pro­te­gi­dos por ou­tras bac­té­ri­as, ví­rus e agen­tes opor­tu­nis­tas. Es­tes in­clu­em bac­té­ri­as, co­mo a mais co­nhe­ci­da Bor­de­tel­la bron­chi­sep­ti­ca, mas os si­nais clí­ni­cos que ela pro­duz não são pos­sí­veis de dis­tin­guir dos pro­du­zi­dos por ou­tras bac­té­ri­as que po­dem igual­men­te es­tar pre­sen­tes, co­mo: Pseu­do­mo­nas, Eche­ri­chia co­li, Kleb­si­el­la, Pas­teu­rel­la, Step­to­coc­cus e My­co­plas­ma.

O que é que is­to im­pli­ca no tra­ta­men­to?

Num tra­ta­men­to con­ven­ci­o­nal pa­ra a tos­se do ca­nil irão se­gu­ra­men­te pres­cre­ver ou ad­mi­nis­trar ao seu ani­mal al­gum ti­po de an­ti­in­fla­ma­tó­rio não es­te­roi­de, co­nhe­ci­dos co­mo AINES, e pe­lo me­nos um an­ti­bió­ti­co. Pro­du­tos com cor­ti­so­na ou aná­lo­gos são por ve­zes acon­se­lha­dos, mas de­sa­con­se­lha­mos pe­lo fac­to de to­da a com­po­nen­te mi­cro­bi­o­ló­gi­ca en­vol­vi­da e pe­lo ris­co da dis­se­mi­na­ção e agra­va­men­to da do­en­ça ini­ci­al. Com es­ta abor­da­gem é es­pec­tá­vel que abor­de os sin­to­mas e ve­ja me­lho­rar o des­con­for­to as­so­ci­a­do à tos­se e mes­mo à pre­sen­ça da fe­bre, mas se­rá que es­tá a tra­tar de­vi­da­men­te a do­en­ça e o ani­mal? O an­ti-in­fla­ma­tó­rio AINES vai atu­ar far­ma­co­lo­gi­ca­men­te so­bre um gru­po de cé­lu­las e mo­lé­cu­las es­pe­cí­fi­cas, que são co­muns a qual­quer ti­po de pro­ces­so in­fla­ma­tó­rio no cor­po, e não es­pe­cí­fi­co do apa­re­lho res­pi­ra­tó­rio. A da­da al­tu­ra do pro­ces­so, a ini­bi­ção far­ma­co­ló­gi­ca exer­ci­da vai re­du­zir na cir­cu­la­ção e nos te­ci­dos mo­lé­cu­las que ge­ram in­fla­ma­ção e dor, con­tro­lan­do os sin­to­mas des­con­for­tá­veis, mas a dor e a in­fla­ma­ção não são os úni­cos pro­ces­sos ini­bi­dos! Por ter ini­bi­do a dor e a in­fla­ma­ção,

Na mai­o­ria dos ca­sos o cor­po re­a­ge de for­ma efi­caz e o do­no nem se aper­ce­be que o seu ani­mal con­traiu tos­se do ca­nil

ini­biu tam­bém tu­do o que se se­gue no pro­ces­so de cu­ra, e nes­te ca­so es­ta­mos a falar da re­ge­ne­ra­ção fi­nal da mu­co­sa res­pi­ra­tó­ria. Com o uso de AINES ini­be a for­ma­ção de te­ci­do nor­mal na re­pa­ra­ção da le­são ini­ci­al, mas pro­mo­ve a re­pa­ra­ção com um te­ci­do bi­o­ló­gi­co al­ter­na­ti­vo, a ci­ca­triz. Uma ci­ca­triz per­mi­te re­pa­rar ra­pi­da­men­te uma le­são que não po­de per­ma­ne­cer no cor­po, mas já não per­mi­te de­vol­ver às cé­lu­las as su­as fun­ções ori­gi­nais que fi­cam, daí pa­ra a fren­te, com­pro­me­ti­das. Os an­ti­bió­ti­cos são pra­ti­ca­men­te um ti­ro no es­cu­ro se ti­ver­mos em con­ta a di­ver­si­da­de e ti­pos de bac­té­ri­as que po­dem es­tar en­vol­vi­dos no pro­ces­so. É cla­ro que exis­tem an­ti­bió­ti­cos de lar­go es­pe­tro, mas, ao uti­li­zar agen­tes an­ti­bió­ti­cos quí­mi­cos sem uma co­lhei­ta de amos­tra pa­ra iden­ti­fi­ca­ção bac­te­ri­a­na es­pe­cí­fi­ca, po­de es­tar per­der o tempo e a opor­tu­ni­da­de de agir so­bre a do­en­ça no mo­men­to ade­qua­do.

Há ou­tra for­ma de fa­zer as coi­sas?

Sim, cla­ro! O cor­po efe­ti­va­men­te faz as coi­sas de ou­tra for­ma e, em ge­ral, é mui­to efi­caz no que faz, por­que na mai­o­ria dos ca­sos o do­no nem se aper­ce­be que o seu ani­mal con­traiu tos­se do ca­nil. Na mai­o­ria dos ani­mais com um sis­te­ma imu­ni­tá­rio ade­qua­do e sem cau­sa an­te­ri­or a pre­dis­por a con­di­ção clí­ni­ca, a do­en­ça não se­rá per­ce­tí­vel pa­ra si e se­rá ra­pi­da­men­te de­be­la­da pe­lo sis­te­ma imu­ni­tá­rio do pró­prio ani­mal. Na mai­o­ria dos ca­sos em que is­so não acon­te­ce e se de­sen­vol­vem si­nais clí­ni­cos associados, ou se­ja, em que con­si­de­ra que o seu ani­mal fi­cou do­en­te, a sua re­so­lu­ção po­de ser mui­to rá­pi­da e efi­caz com so­lu­ções sim­ples, que re­for­çam a con­di­ção ge­ral e o sis­te­ma imu­ni­tá­rio do ani­mal. A vi­ta­mi­na C, o mel e plan­tas co­mo a echi­na­cea pur­pú­rea ou a an­gus­ti­fó­lia, en­tre ou­tras, sob for­mas de fi­to­te­ra­pia ou em

pre­pa­ra­ções ho­me­o­pá­ti­cas, re­sol­vem mui­tas ve­zes, e com su­ces­so acres­ci­do, a mai­o­ria dos ca­sos clí­ni­cos de tra­que­o­bron­qui­te in­fec­ci­o­sa. Nos ca­sos em que cons­truí­mos to­da uma abor­da­gem de saú­de mais na­tu­ral pa­ra o ani­mal, a su­ces­so des­tas su­ges­tões te­ra­pêu­ti­cas au­men­ta ex­po­nen­ci­al­men­te qu­er no tempo, qu­er na “qua­li­da­de” e “du­ra­bi­li­da­de” da cu­ra al­can­ça­da, pe­lo re­for­ço nu­tri­ci­o­nal e do sis­te­ma imu­ni­tá­rio que são evi­den­tes e ne­ces­sá­ri­os pa­ra o su­ces­so.

E nos ca­sos mais “graves”?

Aqui vai com cer­te­za precisar de uma abor­da­gem mui­to bem pen­sa­da e mul­ti­dis­ci­pli­nar em ter­mos de saú­de na­tu­ral, mas os re­sul­ta­dos con­ti­nu­am a ser de ex­ce­lên­cia des­de que os pro­to­co­los te­ra­pêu­ti­cos se­jam com­ple­tos e bem or­ga­ni­za­dos. Pa­ra to­dos os efei­tos far­ma­co­ló­gi­cos que pos­sa pro­cu­rar (an­ti-pi­ré­ti­co pa­ra con­tro­lar a fe­bre, an­ti-in­fec­ci­o­so pa­ra con­tro­lar bac­té­ri­as e ví­rus pa­to­gé­ni­cos, an­ti-in­fla­ma­tó­rio e an­ti-al­gi­co pa­ra o des­con­for­to da dor) en­con­tra op­ções vá­li­das e mui­to efi­ca­zes na saú­de na­tu­ral. Além dis­so, es­ta abor­da­gem não vai obri­gar o cor­po do seu ani­mal a ini­bir ou con­tra­ri­ar me­ca­nis­mos que o mes­mo de­sen­ca­deia na­tu­ral­men­te pa­ra con­se­guir ga­ran­tir, no fi­nal, a cu­ra mais du­ra­dou­ra e efi­caz. O re­for­ço do es­ta­do nu­tri­ci­o­nal mi­ne­ral e vi­ta­mí­ni­co, o re­for­ço do sis­te­ma imu­ni­tá­rio e do sis­te­ma an­ti­o­xi­dan­te e oxi­re­dox, a re­du­ção de efei­tos tó­xi­cos e da pres­são an­ti­nu­tri­ci­o­nal que en­con­tra nu­ma abor­da­gem com­ple­ta de saú­de na­tu­ral são uma mais-va­lia na cu­ra e ga­ran­tem os bons re­sul­ta­dos.

E pa­ra agir na pre­ven­ção?

Aqui di­ria que a op­ção que lhe vai apa­re­cer de ime­di­a­to na ca­be­ça se­rá a va­ci­na­ção con­tra a tos­se do ca­nil, mas, na re­a­li­da­de, a nos­sa ex­pe­ri­ên­cia de vá­ri­os anos diz-nos o con­trá­rio. Em prá­ti­ca clí­ni­ca é mui­to comum en­con­trar re­a­ções ad­ver­sas à va­ci­na­ção fa­ce à tos­se do ca­nil, em­bo­ra a maio-

ria não se­ja va­li­da­da em ge­ral na prá­ti­ca clí­ni­ca con­ven­ci­o­nal e a sua pre­sen­ça se­ja até des­va­lo­ri­za­da. Uma prá­ti­ca mui­to cor­ren­te ho­je em dia, pa­ra a qual gos­ta­ría­mos de o/a in­for­mar so­bre a ne­ces­si­da­de de a evi­tar por com­ple­to no seu ani­mal, é a ad­mi­nis­tra­ção pré­via às va­ci­nas de qual­quer me­di­ca­men­to in­je­tá­vel an­ti-his­ta­mí­ni­co. Os an­ti-his­ta­mí­ni­cos são mo­lé­cu­las que, far­ma­co­lo­gi­ca­men­te, são uti­li­za­das pa­ra ini­bir, re­du­zir ou con­tra­ri­ar qual­quer re­a­ção alér­gi­ca/in­fla­ma­tó­ria do or­ga­nis­mo fa­ce a qual­quer coi­sa que o sis­te­ma imu­ni­tá­rio não to­le­ra, mas is­so não sig­ni­fi­ca que se­ja uma boa prá­ti­ca mé­di­ca, nem que se­ja in­di­ca­do pa­ra a saú­de do seu ani­mal. Es­ta prá­ti­ca tem vin­do a ca­mu­flar o nú­me­ro cres­cen­te de re­a­ções ad­ver­sas que efe­ti­va­men­te ocor­rem à va­ci­na­ção e des­ta for­ma não são do­cu­men­ta­das nem de­vi­da­men­te re­por­ta­das. Ca­da vez que é apli­ca­da uma va­ci­na ao seu ani­mal, de­ve ter em con­ta que es­ta é um me­di­ca­men­to. A par­tir des­se mo­men­to o seu ani­mal en­tra em con­tac­to di­re­to com os ví­rus co­nhe­ci­dos por in­du­zi­rem do­en­ças graves e que vão, ine­vi­ta­vel­men­te, in­du­zir al­gum grau des­sa do­en­ça no seu ani­mal, a ca­da ino­cu­la­ção. Nes­se mo­men­to, o sis­te­ma imu­ni­tá­rio do seu ani­mal tem que es­tar no seu me­lhor pa­ra li­dar com os ví­rus ou bac­té­ri­as ino­cu­la­dos e ter os re­cur­sos ne­ces­sá­ri­os pa­ra pro­du­zir o ní­vel ade­qua­do de Ac (mo­ti­vo pe­lo qual o va­ci­na). Se nes­se mo­men­to ou pou­cos di­as an­tes (ou de­pois) re­ce­be uma ad­mi­nis­tra­ção de an­ti-his­ta­mí­ni­co, is­so po­de com­pro­me­ter a efi­cá­cia de todo o pro­ces­so e tor­nar em vão a sua ad­mi­nis­tra­ção.

Po­de­mos uti­li­zar co­mo pre­ven­ção pro­du­tos de fi­to­te­ra­pia, ho­me­o­pa­tia, su­ple­men­tos minerais e vi­ta­mí­ni­cos

Pre­ve­nir com cons­ci­ên­cia

A me­lhor for­ma de pre­ve­nir com cons­ci­ên­cia co­me­ça por ter a no­ção de que as va­ci­nas pa­ra a tos­se do ca­nil já não es­tão in­cluí­das nas re­co­men­da­ções da WSAVA (World Small Ani­mal Ve­te­ri­nary As­so­ci­a­ti­on) co­mo va­ci­na es­sen­ci­al pe­lo me­nos des­de 2015, quan­do a or­ga­ni­za­ção fez uma re­vi­são pro­fun­da das re­co­men­da­ções pa­ra a va­ci­na­ção de ani­mais de com­pa­nhia. Nes­tas di­re­tri­zes são da­das re­co­men­da­ções pa­ra as va­ci­nas es­sen­ci­ais (re­co­men­da­das) e não es­sen­ci­ais (op­ci­o­nais). As va­ci­nas não es­sen­ci­ais, on­de as va­ci­nas es­pe­cí­fi­cas pa­ra a tos­se do ca­nil fo­ram in­cluí­das, são de­fi­ni­das pe­la or­ga­ni­za­ção co­mo aque­las cu­jo uso é de­ter­mi­na­do com ba­se nos ris­cos da ex­po­si­ção ge­o­grá­fi­ca ou do es­ti­lo de vi­da do in­di­ví­duo e em uma ava­li­a­ção da re­la­ção ris­co-be­ne­fí­cio. Is­to é, o ris­co de não ser va­ci­na­do e ser sus­ce­tí­vel ou o ris­co de ser va­ci­na­do e apre­sen­tar uma re­a­ção ad­ver­sa com­pa­ra­do ao be­ne­fí­cio de ser pro­te­gi­do con­tra a in­fe­ção em ques­tão. Des­ta for­ma, con­si­de­ra­mos que a “obri­ga­to­ri­e­da­de” que al­guns ca­nis e ho­téis im­põem a va­ci­na­ção anu­al con­tra a tos­se do ca­nil, e em par­ti­cu­lar exi­gem que a mes­ma se­ja efe­tu­a­da com mar­cas e por la­bo­ra­tó­ri­os es­pe­cí­fi­cos, não é le­gi­ti­ma­da por Lei nem de acor­do com as li­nhas ori­en­ta­do­ras mais atu­ais. Por ou­tro la­do, con­di­ções hi­gi­e­no-sa­ni­tá­ri­as ade­qua­das dos es­pa­ços e lo­cais, e uma or­ga­ni­za­ção e ges­tão dos ani­mais de acor­do com a sua con­di­ção clí­ni­ca e sen­si­bi­li­da­de são ne­ces­sá­ri­as, e mui­tas ve­zes su­fi­ci­en­tes, pa­ra uma boa ges­tão da saú­de de gru­po no que se re­fe­re a es­ta do­en­ça. De for­ma cons­ci­en­te, po­de­mos tam­bém uti­li­zar co­mo for­mas de pre­ven­ção pro­du­tos ade­qua­dos de fi­to­te­ra­pia, ho­me­o­pa­tia, su­ple­men­tos minerais e vi­ta­mí­ni­cos e, an­tes de tu­do o res­to, uma ali­men­ta­ção ver­da­dei­ra­men­te sau­dá­vel e na­tu­ral!n

A tos­se do ca­nil po­de ocor­rer em cães de am­bos os se­xos e qual­quer ida­des, po­den­do ser mais de­bi­li­tan­te em ani­mais en­tre as 6 se­ma­nas e os 6 me­ses de ida­de.

Num tra­ta­men­to con­ven­ci­o­nal pa­ra a tos­se do ca­nil irão se­gu­ra­men­te pres­cre­ver ou ad­mi­nis­trar ao seu ani­mal al­gum ti­po de an­ti-in­fla­ma­tó­rio não es­te­roi­de, co­nhe­ci­dos co­mo AINES, e pe­lo me­nos um an­ti­bió­ti­co.

As va­ci­nas pa­ra a tos­se do ca­nil já não es­tão in­cluí­das nas re­co­men­da­ções da WSAVA (World Small Ani­mal Ve­te­ri­nary As­so­ci­a­ti­on) co­mo va­ci­na es­sen­ci­al pe­lo me­nos des­de 2015.

A “obri­ga­to­ri­e­da­de” que al­guns ca­nis e ho­téis im­põem da va­ci­na­ção anu­al con­tra a tos­se do ca­nil não é le­gi­ti­ma­da por Lei.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.