Cão Ju­ris: A ques­tão dos di­rei­tos de ima­gem

A ques­tão dos di­rei­tos de ima­gem

Caes & Companhia - - NEWS - Ní­dia An­dra­de BQ Ad­vo­ga­das Law­part­nership (www.bqad­vo­ga­das.com) Fo­tos: Shut­ters­tock

É cer­to e sa­bi­do que, pa­ra par­te dos lei­to­res, os ani­mais são se­res do­ta­dos de uma be­le­za ex­tre­ma, pa­ra ou­tros, são ape­nas in­di­fe­ren­tes. Con­tu­do, no ge­ral, nin­guém re­sis­te a uma fo­to­gra­fia cap­ta­da no mo­men­to cer­to.

As re­a­ções di­ver­gem nes­te as­pe­to, mais uma vez, mas a ques­tão que vamos apre­sen­tar es­te mês pren­de-se exa­ta­men­te com is­so: fo­to­gra­fi­as de ani­mais nos mais va­ri­a­dos ce­ná­ri­os. Se­rão es­tas ad­mis­sí­veis? Es­ta­re­mos nós au­to­ri­za­dos a ti­rar fo­to­gra­fi­as de ani­mais en­quan­to ape­nas pas­sei­am na rua com ou sem o seu do­no? Se­rá que po­de­mos uti­li­zar fo­tos de ani­mais de ter­cei­ros pa­ra pro­mo­ver ser­vi­ços e/ou ven­das dos mes­mos no ci­be­res­pa­ço, ou se­ja, on­li­ne? Há aqui al­guns di­rei­tos em con­fli­to e o que pre­ten­de­mos, nes­ta ex­po­si­ção, é cla­ri­fi­car e, no fun­do, de­mons­trar uma das pers­pe­ti­vas pos­sí­veis pa­ra uma apro­xi­ma­ção à re­so­lu­ção de con­fli­tos.

Di­rei­to à ima­gem

Se­rá, en­tão, ad­mis­sí­vel a pu­bli­ca­ção de fo­to­gra­fi­as de cães, em qual­quer for­ma­to, com ou sem do­nos? A res­pos­ta pas­sa pe­la alu­são ao di­rei­to à ima­gem. Es­te é um di­rei­to fun­da­men­tal, con­sa­gra­do no ar­ti­go 26.º da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca Por­tu­gue­sa, e ca­da in­di­ví­duo tem o di­rei­to a não ver a sua ima­gem ex­pos­ta em pú­bli­co, sem o seu con­sen­ti­men­to. Mas a ex­pres­são in­di­ví­duo, em prin­cí­pio, não se re­por­ta a um ani­mal. A ob­ser­va­ção não dei­xa de ser per­ti­nen­te mas, pa­ra mui­tos do­nos, os ani­mais são con­si­de­ra­dos um ele­men­to adi­ci­o­nal do agre­ga­do fa­mi­li­ar, lo­go es­te não me­re­ce­rá tam­bém pro­te­ção ao ní­vel da sua ima­gem? Quan­do se as­su­me co­mo pro­pri­e­tá­rio, co­mo re­fe­re o Có­di­go Ci­vil (art. 1305.º-a) após a al­te­ra­ção in­tro­du­zi­da pe­lo Es­ta­tu­to Ju­rí­di­co do Ani­mal, o pro­pri­e­tá­rio de­ve ze­lar pe­lo bem-es­tar, sus­ten­to e saú­de do ani­mal. As­sim sen­do, não te­rá o pro­pri­e­tá­rio o di­rei­to de o pro­te­ger con­tra es­te ti­po de in­tro­mis­sões ou vi­o­la­ções ao seu di­rei­to à ima­gem?

Ani­mais “fa­mo­sos”

No ca­so de os ani­mais em ques­tão se­rem con­si­de­ra­dos fi­gu­ras pú­bli­cas, é ad­mis­sí­vel a ex­plo­ra­ção eco­nó­mi­ca da sua ima­gem den­tro do âm­bi­to pro­fis­si­o­nal, de acor­do com o dis­pos­to no nº 2, do ar­ti­go 79.º do Có­di­go Ci­vil. Exem­plos dis­so são a Las­sie ou até mes­mo o Max, o cão po­lí­cia, ra­ças que se tor­na­ram co­nhe­ci­das pe­la sua vi­si­bi­li­da­de e se­rão sem­pre as­so­ci­a­das à sua per­so­na­gem. Con­tu­do, em mo­men­tos da sua vi­da pri­va­da (en­quan­to são pas­se­a­dos no par­que ou es­tão ape­nas em fa­mí­lia), pa­re­ce-nos que, sem con­sen­ti­men­to, a sua ima­gem não po­de­rá ser apro­vei­ta­da pa­ra co­mer­ci­a­li­zar.

Di­rei­to à in­for­ma­ção

Ou­tros di­rei­tos que cos­tu­mam co­li­dir com os di­rei­tos de per­so­na­li­da­de (co­mo o di­rei­to à ima­gem) são o di­rei­to à in­for­ma­ção ou di­rei­to de li­ber­da­de de im­pren­sa e os di­rei­tos de au­tor. O di­rei­to à in­for­ma­ção tra­duz a li­ber­da­de de ex­pres­são e di­vul­ga­ção do pen­sa­men­to, tal co­mo con­sa­gra­do no ar­ti­go 37.º CRP, não sen­do es­te ab­so­lu­to, por mais que se­ja, tal co­mo o di­rei­to à ima­gem, um di­rei­to cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te pro­te­gi­do. Quan­do a im­pren­sa atua em do­mí­ni­os de en­tre­te­ni­men­to, me­ra cu­ri­o­si­da­de do lei­tor ou de no­tí­cia sen­sa­ção, in­cluin­do, por ve­zes, a vi­da pri­va­da e fa­mi­li­ar de pes­so­as par­ti­cu­la­res (ou se­ja, não pú­bli­cas, pois es­tas con­vi­vem com as­pe­tos li­gei­ra­men­te di­fe­ren­tes quan­to à di­vul­ga­ção da sua ima­gem), es­ta não de­ve re­que­rer a pro­te­ção cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te ga­ran­ti­da que é con­ce­di­da a ma­té­ri­as do fo­ro so­ci­al, po­lí­ti­co, cul­tu­ral e eco­nó­mi­co.

Ca­da in­di­ví­duo tem o di­rei­to a não ver a sua ima­gem ex­pos­ta em pú­bli­co, sem o seu con­sen­ti­men­to

As­sim, quan­do em con­fli­to com ou­tros di­rei­tos fun­da­men­tais, co­mo o di­rei­to a re­cu­sar a exi­bi­ção da sua ima­gem ou a uti­li­za­ção da pa­la­vra, por exem­plo, e sen­do es­tes re­fle­xos da iden­ti­da­de pes­so­al, no ca­so de não ha­ver con­sen­ti­men­to, es­tes não po­dem ser des­con­tex­tu­a­li­za­dos nem al­te­ra­dos.

Um exem­plo na­ci­o­nal

Re­le­van­te, nes­te as­pe­to, é um exem­plo re­cen­te de uti­li­za­ção de uma fo­to­gra­fia de um exem­plar Cão de Fi­la de São Miguel pa­ra ilus­trar um ar­ti­go num jor­nal de ata­que de um exem­plar des­sa ra­ça. Pa­re­ce-nos que o di­rei­to à ima­gem do ani­mal em cau­sa foi per­tur­ba­do vis­to que, se a ima­gem é con­si­de­ra­da um re­fle­xo da iden­ti­da­de pes­so­al, es­ta não po­de ser usa­da nem des­con­tex­tu­a­li­za­da. E quan­to à ima­gem dos ani­mais? Tal co­mo o ca­ro lei­tor não ad­mi­ti­ria que ti­ras­sem fo­to­gra­fi­as à sua ca­sa e as­so­ci­as­sem a um cri­me de ho­mi­cí­dio, por exem­plo, tam­bém não gos­ta­ria que ao as­so­ci­a­rem a fo­to­gra­fia do seu ani­mal a um cri­me, es­te so­fres­se ou se tor­nas­se sus­ce­tí­vel de so­frer ame­a­ças e ofen­sas que pos­sam ad­vir de no­tí­ci­as/ar­ti­gos des­con­tex­tu­a­li­za­dos. Es­te uso in­de­vi­do da ima­gem em cau­sa po­de le­var a si­tu­a­ções em que, ao di­fun­dir a ima­gem do cão co­mo vi­o­len­to, po­dem im­pe­dir o mes­mo, e o pró­prio do­no, de fre­quen­ta­rem am­bi­en­tes que an­tes não apre­sen­ta­vam re­cu­sa à sua pre­sen­ça. Po­de tam­bém ge­rar on­das de vi­o­lên­cia e a sus­ce­ti­bi­li­da­de de agre­di­rem o ani­mal em ques­tão an­tes que, por me­do, es­te ata­que al­guém.

Fo­to­gra­fi­as on­li­ne

Em ter­mos de di­rei­tos de au­tor, co­mo é

Quan­do per­mi­ti­mos que nos se­ja ti­ra­da uma fo­to­gra­fia, não es­ta­mos a per­mi­tir nem a au­to­ri­zar au­to­ma­ti­ca­men­te a sua uti­li­za­ção

que são sal­va­guar­da­dos os di­rei­tos do au­tor da fo­to­gra­fia nos ca­sos em que as fo­to­gra­fi­as em cau­sa são uti­li­za­das pa­ra pro­mo­ver ser­vi­ços e/ou ven­da de ani­mais nas re­des so­ci­ais? De acor­do com a Lei do Di­rei­to de Au­tor e Di­rei­tos Co­ne­xos, no­me­a­da­men­te a alí­nea b), nº 2 do ar­ti­go 75.º, mes­mo sem o con­sen­ti­men­to do au­tor, é lí­ci­ta a “reprodução e a co­lo­ca­ção à dis­po­si­ção do pú­bli­co, pe­los mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, pa­ra fins de in­for­ma­ção, de dis­cur­sos, alo­cu­ções e con­fe­rên­ci­as pro­nun­ci­a­das em pú­bli­co que não en­trem nas ca­te­go­ri­as pre­vis­tas no art. 7.º, por ex­tra­to ou em for­ma de re­su­mo”. Is­to não sig­ni­fi­ca que os di­rei­tos de au­tor dei­xam de es­tar pro­te­gi­dos. Sig­ni­fi­ca que se cria, na es­fe­ra ju­rí­di­ca do uti­li­za­dor, um di­rei­to de pro­pri­e­da­de so­bre um bem mó­vel, nes­te ca­so o exem­plar, que é um di­rei­to de frui­ção ce­di­do ao uti­li­za­dor. Des­te modo, a di­vul­ga­ção de fo­to­gra­fi­as em web­si­tes da re­de on­li­ne, não li­mi­ta qual­quer di­rei­to do seu au­tor so­bre a sua obra. Já nos ca­sos de web­si­tes co­mo o OLX, sen­do um ser­vi­ço on­li­ne que pro­por­ci­o­na a fa­ci­li­ta­ção na di­vul­ga­ção de in­ten­ções de ven­da de pro­du­tos e ser­vi­ços atra­vés de um sis­te­ma de clas­si­fi­ca­dos, es­te não se com­pro­me­te a ve­ri­fi­car nem tem con­tro­lo so­bre os ar­ti­gos que os uti­li­za­do­res dis­po­ni­bi­li­zam, sen­do a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la uti­li­za­ção de fo­tos alhei­as dos pró­pri­os uti­li­za­do­res das mes­mas.

Par­ti­lha de fo­tos

Fi­nal­men­te, jul­ga­mos im­por­tan­te sa­li­en­tar o se­guin­te: quan­do per­mi­ti­mos que nos se­ja ti­ra­da uma fo­to­gra­fia, não es­ta­mos a per­mi­tir nem a au­to­ri­zar au­to­ma­ti­ca­men­te a sua uti­li­za­ção. A par­ti­lha de fo­tos alhei­as, sem o con­sen­ti­men­to do ti­tu­lar, nu­ma re­de so­ci­al ou nou­tro meio de di­vul­ga­ção de con­teú­dos, é con­si­de­ra­da um ato ilí­ci­to e es­tá su­jei­ta a for­te pro­te­ção le­gal pre­vis­ta na Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca Por­tu­gue­sa e no nos­so Có­di­go Ci­vil.

Um de­ver do do­no

As­sim, tal co­mo nu­ma fo­to­gra­fia com ami­gos, es­tes têm o di­rei­to a que a sua ima­gem não se­ja ex­pos­ta, pa­re­ce-me que os ani­mais tam­bém de­vem be­ne­fi­ci­ar des­ta pro­te­ção. Sen­do que, ao con­trá­rio das pes­so­as, os ani­mais não são ca­pa­zes de ma­ni­fes­tar a sua von­ta­de de for­ma tão es­cla­re­ci­da, es­ta, a nos­so ver, de­ve ser in­cluí­da nas res­pon­sa­bi­li­da­des do do­no/pro­pri­e­tá­rio ou de­ten­tor. Is­to porquê? Tal co­mo quan­do o do­no ou de­ten­tor de um ani­mal tem o de­ver de o vi­gi­ar pa­ra que es­te não cau­se da­no, qu­er em pes­so­as qu­er em bens, e é res­pon­sá­vel pe­los pre­juí­zos que daí pos­sam ad­vir (pre­vis­to no art.493.º do Có­di­go Ci­vil), es­te de­ve­rá ter tam­bém a possibilidade de con­sen­tir ou não na pu­bli­ca­ção de fo­to­gra­fi­as do ani­mal, vis­to que a res­pon­sa­bi­li­da­de não de­ve­rá va­ler ape­nas pa­ra os epi­só­di­os me­nos fe­li­zes.

No ca­so de web­si­tes de clas­si­fi­ca­dos a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la uti­li­za­ção de fo­tos alhei­as é do uti­li­za­dor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.