Top 15 do que nun­ca de­ve­rá fa­zer ao seu Gro­o­mer

Nin­guém é perfeito, nós não so­mos per­fei­tos e os do­nos tam­bém não. Mas exis­tem al­gu­mas coi­sas que a gran­de mai­o­ria dos do­nos faz que são ex­tre­ma­men­te ir­ri­tan­tes no nos­so dia-a-dia e que se es­tes o en­ten­de­rem fa­rá com que a nos­sa vi­da se tor­ne mais fá­cil e

Caes & Companhia - - NEWS - Isa­bel No­bre Gro­o­mer Pro­fis­si­o­nal | IN Gro­o­ming & SPA Fo­tos: Shut­ters­tock

Mui­tos do­nos não fa­zem por mal, e se ca­lhar nun­ca nin­guém os cha­mou à atenção, mas ga­ran­to-vos que to­dos os Gro­o­mers pas­sam por elas e ne­nhum gos­ta.

In­sis­tir pa­ra as­sis­tir

Já fa­lei nes­te as­sun­to em di­ver­sos ar­ti­gos. A mai­o­ria dos cães por­ta-se mui­to pi­or se es­ti­ver a ver, ouvir ou até a chei­rar os do­nos. Ne­nhum cão gos­ta de Gro­o­ming, ape­nas o to­le­ra. Uns me­lhor, ou­tros pi­or, mas ne­nhum gos­ta. Até po­dem gos­tar imen­so da

que os tra­ta. Mas gos­tar de es­tar em ci­ma de uma me­sa, em pé, por lon­gos pe­río­dos de tempo a ser ma­ne­ja­dos e a ouvir um se­ca­dor ba­ru­lhen­to, não é pro­pri­a­men­te uma si­tu­a­ção agra­dá­vel pa­ra ne­nhum ani­mal. O Gro­o­mer tem de es­ta­be­le­cer uma li­ga­ção com o cão pa­ra que pos­sa in­te­ra­gir com ele e até man­ter al­gu­ma dis­ci­pli­na. A re­a­li­da­de é que se o do­no es­ti­ver pre­sen­te o cão irá ig­no­rar-nos com­ple­ta­men­te. Por is­so pre­ci­sa­mos de es­tar so­zi­nhos com os vos­sos cães. Exis­tem al­gu­mas ra­ras ex­ce­ções em que, de fac­to, o do­no aju­da e o cão se com­por­ta me­lhor, mas quan­do é es­se o ca­so, so­mos nós mes­mos que pe­di­mos que fi­que. Ca­so con­trá­rio, se lhe pe­di­rem pa­ra sair, por fa­vor fa­ça-o sem in­sis­tên­ci­as. Al­guns Gro­o­mers tra­ba­lham em mon­tras. Pes­so­al­men­te, acho mal, pe­las ra­zões des­cri­tas, mas com­pre­en­do que al­guns do­nos gos­tem de ver. Se es­ti­ver num sí­tio as­sim, por fa­vor não ba­ta no vi­dro ou cha­me a atenção do ani­mal, em ne­nhu­ma cir­cuns­tân­cia. In­de­pen­den­te­men­te do ani­mal ser seu ou não.

Tra­zer a fa­mí­lia pa­ra as­sis­tir

Si­tu­a­ções mui­to ca­ri­ca­tas e al­go sur­re­ais, pe­lo me­nos pa­ra o Gro­o­mer, é pe­dir pa­ra a fa­mí­lia in­tei­ra as­sis­tir. Já me acon­te­ceu e foi das si­tu­a­ções mais stres­san­tes por­que pas­sei. Prin­ci­pal­men­te quan­do há cri­an­ças ir­re­qui­e­tas. O ani­mal es­tá in­qui­e­to e nós não nos con­se­gui­mos con­cen­trar. Se jun­tar­mos a es­te cock­tail o fac­to de tra­ba­lhar­mos com te­sou­ras afi­a­das, con­se­guem en­ten­der por­que pre­ci­sa­mos de con­cen­tra­ção e por­que ra­zão a si­tu­a­ção se tor­na mui­to stres­san­te. Com­pre­en­do que se­ja di­fí­cil con­fi­ar em um es­tra­nho, mas nós so­mos pro­fis­si­o­nais trei­na­dos.

Me­xer no ma­te­ri­al do Gro­o­mer

Es­te é o mai­or pe­ca­do que al­gu­ma vez po­de­rá co­me­ter a um Gro­o­mer. Em mo­men­to ne­nhum, mas mes­mo ne­nhum, to­que no nos­so ma­te­ri­al e mui­to me­nos nas nos­sas te­sou­ras. Pi­or que is­so é pe­gar no ma­te­ri­al e usá-lo! Se qu­er ver um Gro­o­mer a dei­tar fu­mo pe­las ore­lhas é a for­ma mais efi­caz. O nos­so ma­te­ri­al é sa­gra­do, por is­so man­te­nha-se afas­ta­do de­le! Por nor­ma, nem a co­le­gas o em­pres­ta­mos, quan­to mais a pes­so­as que po­dem dei­xar cair ou da­ni­fi­car o ma­te­ri­al por uso in­de­vi­do.

Apres­sar o tra­ba­lho do Gro­o­mer

Ca­da Gro­o­mer tem o seu rit­mo, or­ga­ni­za­ção e rapidez na exe­cu­ção de um tra­ba­lho. A mai­o­ria dos cães de pe­que­no por­te são agen­da­dos de ho­ra a ho­ra, mas exis­tem si­tu­a­ções em que o tra­ba­lho po­de demorar mais. Se es­ti­ver­mos a tra­ba­lhar com um cão com pe­lo den­so de gran­de por­te, o tra­ba­lho po­de demorar uma tar­de ou um dia in­tei­ro. Quan­do mar­ca o Gro­o­ming do seu cão tenha is­so em con­si­de­ra­ção. Se fi­car à es­pe­ra, sai­ba que fi­ca­rá pe­lo me­nos uma ho­ra à es­pe­ra, mas po­de fi­car mais tempo. Não con­vém que tenha com­pro­mis­sos importantes lo­go de se­gui­da, pois mui­to pro­va­vel­men­te irá atra­sar-se. Co­mo ca­da Gro­o­mer tem o seu rit­mo não va­le a pe­na ten­tar apres­sar o tra­ba­lho, por­que o mais pro­vá­vel é de­mo­rar­mos mais tempo, por­que es­ta­pes­soa mos com pres­sa e stres­sa­dos. O stress fun­ci­o­na co­mo uma bo­la de neve! Se es­ta­mos stres­sa­dos o vos­so cão vai fi­car stres­sa­do. Ou­tra ra­zão, que men­ci­o­no mui­tas ve­zes, é que um Gro­o­mer tra­ba­lha com ani­mais que se me­xem e ob­je­tos afi­a­dos, e o stress e a pres­sa em con­jun­to

Um sa­lão de Gro­o­ming não é lo­cal pa­ra le­var cri­an­ças e o tra­ba­lho do Gro­o­mer não de­ve ser in­ter­rom­pi­do

com ob­je­tos cor­tan­tes nun­ca dão bom re­sul­ta­do. Ou, tu­do até po­de cor­rer bem, mas ao tra­ba­lha­mos à pres­sa o tra­ba­lho nun­ca fi­ca­rá perfeito.

In­ter­rom­per o tra­ba­lho do Gro­o­mer

As in­ter­rup­ções, tais co­mo es­tar cons­tan­te­men­te a te­le­fo­nar a per­gun­tar se o seu cão já es­tá pron­to ou, pi­or, en­trar pe­lo es­pa­ço a den­tro, são o pi­or que po­de fa­zer. Pes­so­al­men­te, man­te­nho o meu te­le­fo­ne no si­lên­cio e é mui­to raro aten­der o te­le­fo­ne en­quan­to es­tou a tra­ba­lhar. As ra­zões são mui­tas, mas a prin­ci­pal é por­que mui­ta coi­sa po­de acon­te­cer quan­do não es­ta­mos a to­mar con­ta do vos­so cão ou quan­do o cão é so­bres­sal­ta­do por in­ter­rup­ções ou ba­ru­lhos sem ne­nhum de nós es­tar à es­pe­ra. Ima­gi­ne que nes­se mo­men­to exa­to es­ta­mos a fa­zer um tra­ba­lho de­li­ca­do e a te­sou­ra fo­ge pa­ra o la­do er­ra­do? Aci­den­tes acon­te­cem, mas acon­te­cem mui­tos mais quan­do nos des­con­cen­tra­mos. O ide­al é o do­no dei­xar o cão, ir à sua vi­da e o Gro­o­mer te­le­fo­nar quan­do o tra­ba­lho es­tá ter­mi­na­do. As­sim é tran­qui­lo e cor­re tu­do bem.

Não ser pon­tu­al

Quem tra­ba­lha por mar­ca­ções sa­be bem o va­lor da pon­tu­a­li­da­de e o trans­tor­no que cau­sa quan­do o cli­en­te se atra­sa. Sa­be­mos que, por nor­ma, pre­ci­sa­mos de pe­lo me­nos uma ho­ra pa­ra ca­da cli­en­te. Po­de­mos demorar mais ou me­nos 10 mi­nu­tos, de­pen­den­do do tem­pe­ra­men­to do ani­mal, do es­ta­do do pe­lo, etc. No en­tan­to, quan­do um cli­en­te se atra­sa, is­so sig­ni­fi­ca que es­ta­mos atra­sa­dos em re­la­ção a to­dos os se­guin­tes. Não é jus­to pa­ra os res­tan­tes cli­en­tes, prin­ci­pal­men­te se es­tes fo­rem pon­tu­ais. Pa­ra além de que ire­mos tra­ba­lhar no vos­so cão à pres­sa pa­ra com­pen­sar o tempo per­di­do. Evi­den­te­men­te, agra­de­ce­mos que nos avi­sem se es­tá atra­sa­do e até so­mos com­pre­en­si­vos se mo­rar lon­ge. Mas quan­do is­so acon­te­ce por sis­te­ma e se a de­mo­ra for aci­ma dos 15/20 mi­nu­tos, ga­ran­to que um dia vos se­rá co­bra­do ou te­rá de re­mar­car pa­ra ou­tro dia. No en­tan­to, che­gar adi­an­ta­do tam­bém pre­ju­di­ca. Se che­ga an­tes da ho­ra agen­da­da vai in­ter­rom­per o tra­ba­lho do cão an­te­ri­or. Se che­ga an­tes da ho­ra com­bi­na­da pa­ra ir bus­car o seu cão, vai dei­xá-lo mui­to in­qui­e­to. Che­gar a ho­ras e es­pe­rar pe­lo nos­so con­tac­to pa­ra ir bus­car o seu cão é o ide­al.

Não com­pa­re­cer à mar­ca­ção

Fal­tar à mar­ca­ção é mais gra­ve do que a mai­o­ria das pes­so­as ima­gi­na. Qua­se to­dos os sa­lões de Gro­o­ming fo­ra de Por­tu­gal co­bram uma ta­xa de não com­pa­rên­cia, que é cer­ca de 50% do va­lor to­tal do ser­vi­ço. Mui­tos de vós pen­sa­rão que não é jus­to, por­que o Gro­o­mer não per­de nada, mas en­ga­nam-se. Per­de­mos! Per­de­mos, pe­lo me­nos, uma ho­ra do nos­so dia de tra­ba­lho, e es­sa va­ga po­de­ria ter si­do pre­en­chi­da se o cli­en­te nos ti­ves­se no­ti­fi­ca­do com a an­te­ce­dên­cia de­vi­da, que é cer­ca de 24 ho­ras pa­ra a mai­o­ria das pes­so­as. E quan­to mai­or for o ani­mal ou o nú­me­ro de cães que o cli­en­te agen­dou (que equi­va­le a mais ho­ras), mais gra­ve é a não com­pa­rên­cia. Ex­pli­can­do de ou­tra for­ma. É co­mo se o seu pa­trão lhe dis­ses­se que po­de ir pa­ra ca­sa, por­que afi­nal não é pre­ci­so, e co­mo não es­tá a tra­ba­lhar não re­ce­be. Se is­to lhe acon­te­cer com frequên­cia vai ter um cor­te subs­tan­ci­al no seu or­de­na­do, or­de­na­do es­se de que precisa pa­ra pa­gar as su­as con­tas. Por is­so, quan­do um cli­en­te fal­ta, além de ser uma gran­de fal­ta de res­pei­to, cus­ta di­nhei­ro no fi­nal do mês.

Re­ga­te­ar ou com­pa­rar pre­ços

Ca­da Gro­o­mer tem um pre­ço, que até po­de ser se­me­lhan­te. Es­se é o va­lor que en­ten­de­mos jus­to ten­do em con­ta os gas­tos que te­mos (ren­da, pro­du­tos, água, luz, etc.) e a qua­li­da­de do nos­so tra­ba­lho.

De­ve che­gar ape­nas na ho­ra da sua mar­ca­ção, dei­xar o seu cão e vol­tar quan­do o Gro­o­mer diz que es­tá pron­to

Se o Gro­o­mer de­ci­de fa­zer um des­con­to, se­ja por­que ra­zão for, é por­que o qu­er ofe­re­cer. Há Gro­o­mers que pos­su­em car­tões de fi­de­li­da­de que ofe­re­cem um des­con­to ou ser­vi­ço no fi­nal do car­tão. No en­tan­to, quan­do so­mos con­tac­ta­dos por um no­vo cli­en­te que nos per­gun­ta o pre­ço, é mui­to feio pe­dir um des­con­to ou di­zer que é ca­ro. Mais feio ain­da é di­zer que era mais ba­ra­to no sí­tio on­de ia an­tes, por­que se o an­te­ri­or era bom e ba­ra­to, não há ra­zão pa­ra pro­cu­rar ou­tro Gro­o­mer. A não ser que não es­te­ja sa­tis­fei­to. E se não es­tá sa­tis­fei­to e pro­cu­ra qua­li­da­de, o mais pro­vá­vel é que tenha de pa­gar mais por is­so. Es­ta­mos na era dos low costs, mas a re­a­li­da­de é que os nos­sos pre­ços são os mes­mos des­de a dé­ca­da de 90 e os nos­sos gas­tos são mui­to su­pe­ri­o­res aos que eram na épo­ca. Co­mo tal, é com­pli­ca­do so­bre­vi­ver e man­ter a qua­li­da­de

sem au­men­tar os pre­ços. É in­de­li­ca­do su­ge­rir um des­con­to, por­que em mui­tos ca­sos a mar­gem de lu­cro do Gro­o­mer es­tá no li­mi­te.

Di­ga o que pre­ten­de quan­do agen­dar

Já ex­pli­quei que o Gro­o­mer re­ser­va um de­ter­mi­na­do tempo pa­ra ca­da tra­ba­lho. Por is­so mes­mo agra­de­ce­mos que quan­do o do­no apa­re­ce na ho­ra mar­ca­da sai­ba à par­ti­da o que pre­ten­de. Por exem­plo, quan­do um do­no agen­da um ba­nho, mas à che­ga­da pe­de tam­bém um cor­te, a mai­o­ria dos Gro­o­mers não diz nada, por­que o cor­te é mais di­nhei­ro em cai­xa, mas na re­a­li­da­de is­so irá atra­sar as mar­ca­ções se­guin­tes, por­que o cor­te de­mo­ra mais tempo do que aque­le que es­ta­va re­ser­va­do pa­ra o seu cão. Ou­tra si­tu­a­ção é agen­dar um cor­te, mas es­tar com­ple­ta­men­te in­de­ci­so so­bre a es­co­lha do mes­mo. Pi­or, é te­le­fo­nar pa­ra o ma­ri­do ou pa­ra a mu­lher pa­ra de­ci­dir no mo­men­to, em con­jun­to, qual o cor­te a exe­cu­tar. Se vos dis­ser que po­de­mos per­der, à von­ta­de, meia ho­ra com es­te ti­po de in­de­ci­sões não es­tou a exa­ge­rar. Quan­do is­to acon­te­ce fi­ca­mos com me­nos tempo pa­ra tra­ba­lhar no cão e irá atra­sar o res­to do nos­so dia. Por fa­vor de­ci­da na al­tu­ra da mar­ca­ção exa­ta­men­te o que pre­ten­de fa­zer pa­ra agen­dar­mos o tempo que pre­ci­sa­mos pa­ra exe­cu­tar o tra­ba­lho.

O Gro­o­mer tem for­ma­ção pa­ra apren­der a cuidar e cor­tar o pe­lo do seu cão, por is­so dei­xe os cor­tes pa­ra os pro­fis­si­o­nais!

Cor­tes ca­sei­ros

Há pou­ca coi­sa que ir­ri­te tan­to um Gro­o­mer co­mo os do­nos fa­ze­rem cor­tes nas fran­jas ou cor­ta­rem nós no cor­po do cão. Pi­or que is­so é de­pois pe­di­rem-nos ar­ran­jar o “es­tra­go” de uma qual­quer for­ma má­gi­ca. Sem es­que­cer que há sé­ri­os ris­cos de cor­tar o cão, es­pe­ci­al­men­te se o pe­lo es­ti­ver em mau es­ta­do. Do­nos, o Gro­o­mer tem for­ma­ção pa­ra apren­der a cor­tar o pe­lo dos vos­sos pa­tu­dos, por is­so dei­xem os cor­tes de pe­lo pa­ra os pro­fis­si­o­nais!

Pe­dir pa­ra ra­par tu­do, sem ter em con­ta a pe­la­gem

Em ar­ti­gos an­te­ri­o­res já ex­pli­quei vá­ri­as ve­zes o pe­ri­go de ra­par o pe­lo a cães com dupla pe­la­gem e de que for­ma o pe­lo ser­ve de pro­te­ção. Não qu­er di­zer que não pos­sa­mos cor­tar cur­to o pe­lo a um Ca­ni­che ou a um Yorkshi­re Ter­ri­er, mas não con­vém cor­tar a ver-se a pe­le, es­pe­ci­al­men­te no ve­rão, por cau­sa do sol. Exis­te quem fa­ça es­se ti­po de tra­ba­lho e quem ju­re a pés jun­tos que nun­ca te­ve um ca­so de alo­pé­cia por tos­qui­ar um Re­tri­e­ver do La­bra­dor. Mas já vi ca­sos des­ses e re­cu­so-me a fa­zer es­se ti­po de ser­vi­ço. Há quem não pos­sa re­cu­sar, por­que tra­ba­lha por con­ta de ou­trem, mas po­de sem­pre acon­se­lhar o do­no.

Omis­são de fac­tos importantes

O seu cão po­de não falar, mas le­mos o seu cão co­mo nin­guém. Du­ran­te o Gro­o­ming, o pe­lo, as unhas e a mus­cu­la­tu­ra do seu cão con­ta-nos uma his­tó­ria. Não va­le a pe­na di­zer que o pe­lo fi­cou as­sim do dia pa­ra a noi­te, por­que sa­be­mos mui­to bem quan­to tempo de­mo­ra uma pe­la­gem a fi­car em mau es­ta­do ou em pés­si­mo es­ta­do. É pre­fe­rí­vel di­zer que não sa­be pen­te­ar ou que tem pre­gui­ça, pois as­sim é pos­sí­vel aju­dar. Se o do­no men­tir, é raro o Gro­o­mer con­fron­tá-lo so­bre is­so. Mas acre­di­te que um Gro­o­mer sa­be se o cão pas­seia (pe­lo mús­cu­lo), em que ti­po de pi­so (pe­lo des­gas­te das unhas), se tem exer­cí­cio su­fi­ci­en­te (pe­lo tem­pe­ra­men­to) e se es­tá ha­bi­tu­a­do a ser es­co­va­do ou não.

Tem­pe­ra­men­to do cão

Ou­tro pon­to de ex­tre­ma im­por­tân­cia é o re­al tem­pe­ra­men­to do ani­mal. Um do­no sa­be se o seu cão é agres­si­vo ou não, e em que cir­cuns­tân­ci­as. Se per­gun­ta­mos se o cão mor­de, é pa­ra nos­sa se­gu­ran­ça e pa­ra po­der­mos ter a es­co­lha de re­cu­sar ou acei­tar a mar­ca­ção. Não sei quan­tas ve­zes um do­no já me omi­tiu o fac­to do seu cão ser agres­si­vo. Porquê? Não sei bem! Se ca­lhar pa­ra não ser re­cu­sa­do ou por­que acham que faz par­te do nos­so tra­ba­lho. Quan­do ve­ri­fi­co que o ani­mal é agres­si­vo e con­fron­to o do­no, mui­tos as­su­mem que sim, mas só o di­zem no fi­nal do tra­ba­lho. Há cães que pre­ci­sam de ser se­da­dos, pa­ra se­gu­ran­ça de­les e nos­sa. Não é ver­go­nha, nem é pre­gui­ça nos­sa. Um

cão po­de dei­xar-nos in­ca­pa­ci­ta­dos pa­ra tra­ba­lhar per­ma­nen­te­men­te. Um Gro­o­mer tem o di­rei­to de re­cu­sar um ser­vi­ço que pos­sa co­lo­car em cau­sa a sua pro­fis­são.

Ques­ti­o­nar os mé­to­dos ou téc­ni­cas

Ho­je em dia, na era da in­for­ma­ção, lê-se mui­ta coi­sa e pen­sa-se que se sa­be mais ain­da. No en­tan­to, na re­a­li­da­de, is­so po­de ori­gi­nar gran­des con­fu­sões, pois a não ser que te­nha­mos ex­pe­ri­ên­cia na área é di­fí­cil se­pa­rar o cer­to do er­ra­do. Além dis­so, ca­da Gro­o­mer tra­ba­lha de uma for­ma di­fe­ren­te. Não qu­er di­zer que pes­soa A es­te­ja cer­ta ou se­ja me­lhor que a pes­soa B. Ape­nas são di­fe­ren­tes. Atu­al­men­te, é mui­to comum ou­vir­mos do­nos a fa­zer com­pa­ra­ções ou a ques­ti­o­nar por­que es­ta­mos a fa­zer cer­tas e de­ter­mi­na­das coi­sas. Já ti­ve cli­en­tes a ques­ti­o­nar quais as téc­ni­cas que ia uti­li­zar. Exis­tem, li­te­ral­men­te, de­ze­nas de téc­ni­cas que uti­li­za­mos no de­cur­so de um úni­co tra­ba­lho e ca­da cão é úni­co. Só sei o que vou fa­zer no de­cur­so do tra­ba­lho, an­tes dis­so o mais que pos­so ter é um

Se­ja sin­ce­ro, o seu cão po­de não falar, mas du­ran­te o gro­o­ming o seu pe­lo, unhas e mus­cu­la­tu­ra diz mui­to so­bre a sua vi­da

pla­no e mui­to pro­va­vel­men­te ou­tro co­le­ga fa­rá de ou­tra for­ma. Lá es­tá, to­dos so­mos di­fe­ren­tes e é mui­to es­tra­nho ser qu­es­ti­o­na­do por uma pes­soa que não sa­be do que es­tá a falar.

Falar mal de ou­tros Gro­o­mers

Acre­di­to pi­a­men­te no di­ta­do “Nas cos­tas dos ou­tros ve­jo as mi­nhas” e não gos­to que cli­en­tes fa­lem mal de ou­tros co­le­gas. Sou ca­paz de ouvir, sor­rir e ca­lar, por­que são cli­en­tes e te­nho de ser edu­ca­da. No en­tan­to, já ou­vi mui­ta coi­sa, aliás, to­dos os Gro­o­mers já ou­vi­ram e a opi­nião é unâ­ni­me, ne­nhum de nós apre­cia que se fa­le mal de um co­le­ga, por­que são es­sas mes­mas pes­so­as que irão, even­tu­al­men­te, falar mal de nós à pri­mei­ra opor­tu­ni­da­de. Além dis­so, há sem­pre du­as ver­sões da mes­ma his­tó­ria e não sa­be­mos em que cir­cuns­tân­ci­as é que as coi­sas acon­te­ce­ram.

Bom gro­o­ming!

To­dos os pon­tos que co­lo­quei são mui­tos de­les sen­so comum, mas são de fac­to coi­sas que nos abor­re­cem ou que per­tur­bam o nos­so tra­ba­lho. No fi­nal do dia o bom fun­ci­o­na­men­to do nos­so tra­ba­lho é es­sen­ci­al pa­ra os vos­sos pa­tu­dos. Se o am­bi­en­te for tran­qui­lo, os vos­sos cães irão es­tar mais tran­qui­los e tu­do cor­re pe­lo me­lhor. Bom Gro­o­ming!

Se o Gro­o­mer lhe pe­dir pa­ra sair, que é o mais comum, não in­sis­ta pa­ra fi­car e não me­xa no seu ma­te­ri­al.

A mai­o­ria dos cães não gos­ta do Gro­o­ming e por­ta-se mui­to pi­or se es­ti­ver a ver, ouvir ou até chei­rar os do­nos.

Há pou­ca coi­sa que ir­ri­te tan­to um Gro­o­mer co­mo os do­nos fa­ze­rem cor­tes nas fran­jas ou cor­ta­rem “nós” no cor­po do cão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.