Ae­lu­ros­tron­gi los efe li na: Uma do­en­ça de ti­rar o fô­le­go

Nos úl­ti­mos anos, as pa­ra­si­to­ses res­pi­ra­tó­ri­as nos ani­mais de com­pa­nhia têm vin­do a al­can­çar re­le­vân­cia clí­ni­ca. As al­te­ra­ções cli­má­ti­cas e as mo­vi­men­ta­ções de ani­mais pe­los vá­ri­os paí­ses con­tri­bu­em pa­ra o au­men­to da sua pre­va­lên­cia na Eu­ro­pa. Um dos pa­ra

Caes & Companhia - - NEWS - Ana Cas­sa­po Di­as Mé­di­ca Veterinária, De­par­ta­men­to de Me­di­ci­na In­ter­na

Aa­e­lu­ros­tron­gi­lo­se fe­li­na, tam­bém co­nhe­ci­da por es­tron­gi­lo­se car­di­o­pul­mo­nar, é uma do­en­ça pa­ra­si­tá­ria cau­sa­da por Ae­lu­ros­trongy­lus abs­tru­sus, um pa­ra­si­ta que vi­ve nos pul­mões do ga­to.

Qual a sua im­por­tân­cia na prá­ti­ca clí­ni­ca?

Ape­sar de pou­co fre­quen­te, ul­ti­ma­men­te tem-se ve­ri­fi­ca­do um au­men­to do nú­me­ro de ca­sos des­cri­tos e têm si­do fei­tos pro­gres­sos tan­to no di­ag­nós­ti­co co­mo no tra­ta­men­to des­ta do­en­ça. De­vi­do à sua lo­ca­li­za­ção no pul­mão, es­ta do­en­ça ori­gi­na tos­se e ou­tros si­nais res­pi­ra­tó­ri­os. As­sim, pa­ra além da pre­sen­ça de bo­las de pe­lo e da as­ma fe­li­na, du­as si­tu­a­ções mui­to co­muns na prá­ti­ca clí­ni­ca, o di­ag­nós­ti­co di­fe­ren­ci­al de ae­lu­ros­tron­gi­lo­se de­ve tam­bém ser in­cluí­do na lis­ta de di­ag­nós­ti­cos di­fe­ren­ci­ais do mé­di­co ve­te­ri­ná­rio quan­do sur­ge o si­nal clí­ni­co “tos­se”.

Quais as ca­rac­te­rís­ti­cas do pa­ra­si­ta?

O pa­ra­si­ta A. abs­tru­sus per­ten­ce ao gru­po dos pa­ra­si­tas de­sig­na­do por ne­má­to­dos e pos­sui 5 a 10 mm de com­pri­men­to. Por ser tão pe­que­no não é fá­cil a sua vi­su­a­li­za­ção. O ci­clo de vi­da des­te pa­ra­si­ta ne­ces­si­ta de um hos­pe­dei­ro in­ter­mé­dio, o mo­lus­co pa­ra se com­ple­tar.

A ae­lu­ros­tron­gi­lo­se fe­li­na é uma do­en­ça pa­ra­si­tá­ria cau­sa­da por um pa­ra­si­ta que vi­ve nos pul­mões do ga­to

Co­mo fun­ci­o­na o ci­clo de vi­da do pa­ra­si­ta?

No pul­mão do ga­to, as fê­me­as adul­tas do pa­ra­si­ta de­po­si­tam ovos dos quais eclo­dem as lar­vas. Es­tas so­bem o tra­to res­pi­ra­tó­rio e são de­glu­ti­das, sen­do de­pois eli­mi­na­das nas fe­zes. No so­lo, es­tas lar­vas pe­ne­tram nas les­mas e ca­ra­cóis (hos­pe­dei­ros in­ter­me­diá­ri­os) on­de evo­lu­em. O ga­to ad­qui­re a in­fe­ção por in­ges­tão do hos­pe­dei­ro in­ter­mé­dio ou de aves, an­fí­bi­os, rép­teis ou pe­que­nos ro­e­do­res que es­te­jam in­fe­ta­dos. No ga­to as lar­vas pe­ne­tram o tra­to gas­troin­tes­ti­nal e mi­gram pe­la cor­ren­te san­guí­nea/lin­fá­ti­ca

até aos pul­mões, on­de so­frem evo­lu­em e atin­gem o es­tá­dio adul­to. Ao fim de qua­tro se­ma­nas, as fê­me­as co­me­çam a de­po­si­tar ovos.

Co­mo o ga­to ad­qui­re a do­en­ça?

A in­ges­tão de lar­vas in­fe­tan­tes con­ti­das nos hos­pe­dei­ros (mo­lus­cos, aves, an­fí­bi­os, rép­teis ou pe­que­nos ro­e­do­res) é a for­ma mais comum de trans­mis­são dos pa­ra­si­tas pul­mo­na­res. Os ga­tos be­bés po­dem ser in­fe­ta­dos atra­vés do lei­te ou via trans­pla­cen­tá­ria a par­tir de mães in­fe­ta­das.

Quais os ga­tos com mai­or ris­co de so­frer des­ta pa­ra­si­to­se?

Os ga­tos com me­nos de 1 ano de ida­de têm mai­or pro­ba­bi­li­da­de de se in­fe­ta­rem, as­sim co­mo os ga­tos com his­to­ri­al de aces­so à rua, so­bre­tu­do a zo­nas ru­rais, pois têm mais aces­so aos hos­pe­dei­ros en­vol­vi­dos na in­fe­ção. Os ga­tos be­bés, fi­lhos de ga­tas com aces­so à rua apre­sen­tam tam­bém elevado ris­co de de­sen­vol­vi­men­to da do­en­ça.

Os ga­tos com aces­so à rua, so­bre­tu­do em zo­nas ru­rais, têm mais aces­so aos hos­pe­dei­ros en­vol­vi­dos na in­fe­ção por es­te pa­ra­si­ta

Que si­nais clí­ni­cos po­de apre­sen­tar o ga­to in­fe­ta­do?

A in­fe­ção po­de pas­sar des­per­ce­bi­da, ou se­ja, não exis­ti­rem sin­to­mas, ou ori­gi­nar si­nais res­pi­ra­tó­ri­os cu­jo grau de gra­vi­da­de de­pen­de da lo­ca­li­za­ção e car­ga pa­ra­si­tá­ria. Os si­nais clí­ni­cos mais co­mum­men­te ob­ser­va­dos são: fe­bre, tos­se cró­ni­ca, des­car­ga na­sal pu­ru­len­ta, dificuldade res­pi­ra­tó­ria (disp­neia), ta­quip­neia (res­pi­ra­ção ace­le­ra­da) e in­to­le­rân­cia ao exer­cí­cio. No ca­so da car­ga pa­ra­si­tá­ria ser mui­to ele­va­da o ga­to apre­sen­ta tam­bém uma fra­ca con­di­ção cor­po­ral. As in­fe­ções se­ve­ras po­dem le­var a so­pro car­día­co, hi­per­ten­são pul­mo­nar e ra­ra­men­te as­ci­te (acu­mu­la­ção de li­qui­do no ab­dó­men). Os ga­ti­nhos de­sen­vol­vem uma do­en­ça mais se­ve­ra que po­de ser ex­pli­ca­da pe­lo ta­ma­nho mais re­du­zi­do do vo­lu­me pul­mo­nar e di­â­me­tro pe­que­no das vi­as res­pi­ra­tó­ri­as que fa­cil­men­te fi­cam obs­truí­das. Ou­tra jus­ti­fi­ca­ção re­la­ci­o­na-se com o sis­te­ma imu­ni­tá­rio mais ima­tu­ro.

Co­mo é fei­to o di­ag­nós­ti­co?

O di­ag­nós­ti­co é com­ple­xo e po­de cons­ti­tuir um ver­da­dei­ro de­sa­fio. Pe­ran­te os si­nais res­pi­ra­tó­ri­os apre­sen­ta­dos, o mé­di­co ve­te­ri­ná­rio fa­rá um exa­me físico de­ta­lha­do, aná­li­ses san­guí­ne­as e ra­di­o­gra­fi­as to­rá­ci­cas. Os acha­dos ra­di­o­grá­fi­cos são fre­quen­te­men­te ines­pe­cí­fi­cos. Pa­ra al­can­çar o di­ag­nós­ti­co são ne­ces­sá­ri­os mé­to­dos pró­pri­os, ou se­ja, téc­ni­cas que per­mi­tam a de­te­ção di­re­ta do pa­ra­si­ta. Já que o pa­ra­si­ta é eli­mi­na­do nas fe­zes do ga­to, a de­te­ção de A. abs­tru­sus po­de ser fei­ta por mé­to­dos de aná­li­ses de fe­zes.

Qual o tra­ta­men­to? E o prog­nós­ti­co?

A te­ra­pêu­ti­ca des­ta pa­ra­si­to­se é fei­ta à ba­se de des­pa­ra­si­tan­tes. Em in­fe­ções mais graves po­de ser ne­ces­sá­ria hos­pi­ta­li­za­ção e uma vi­gi­lân­cia mais ri­go­ro­sa da do­en­ça com re­cur­so a oxi­gé­nio e tra­ta­men­to de su­por­te. O prog­nós­ti­co é va­riá­vel, um rá­pi­do di­ag­nós­ti­co e tra­ta­men­to cul­mi­nam num prog­nós­ti­co mui­to fa­vo­rá­vel.

Exis­te ris­co de in­fe­ção ao ho­mem?

Es­te pa­ra­si­ta não tem efei­to zo­o­nó­ti­co, o que sig­ni­fi­ca que não se trans­mi­te ao ho­mem.

Pre­ven­ção, a me­lhor op­ção!

Ao evi­tar a in­ges­tão de hos­pe­dei­ros por par­te do seu me­lhor ami­go im­pe­de que ele con­traia a in­fe­ção e, con­se­quen­te­men­te, a do­en­ça. Exis­tem vá­ri­os des­pa­ra­si­tan­tes an­ti-hel­mín­ti­cos dis­po­ní­veis no mer­ca­do com ação pro­fi­lá­ti­ca fren­te a es­te pa­ra­si­ta. In­for­me-se com o seu mé­di­co ve­te­ri­ná­rio.

Além da pre­sen­ça de bo­las de pe­lo e da as­ma fe­li­na, du­as si­tu­a­ções mui­to co­muns, o di­ag­nós­ti­co di­fe­ren­ci­al de ae­lu­ros­tron­gi­lo­se de­ve ser fei­to quan­do o ga­to apre­sen­ta “tos­se”.

Es­te pa­ra­si­ta não tem efei­to zo­o­nó­ti­co, o que sig­ni­fi­ca que não se trans­mi­te ao ho­mem.

A in­ges­tão de lar­vas in­fe­tan­tes con­ti­das nos hos­pe­dei­ros (mo­lus­cos, aves, an­fí­bi­os, rép­teis ou pe­que­nos ro­e­do­res) é a for­ma mais comum de trans­mis­são dos pa­ra­si­tas pul­mo­na­res.

Os ga­tos com me­nos de 1 ano de ida­de têm mai­or pro­ba­bi­li­da­de de se in­fe­ta­rem, as­sim co­mo os ga­tos com his­to­ri­al de aces­so à rua.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.