Dis­pla­sia da an­ca: O que é im­por­tan­te sa­ber

O que é im­por­tan­te sa­ber A dis­pla­sia da an­ca é es­tu­da­da há mais de 50 anos, mas con­ti­nua a ser al­vo de mui­ta in­ves­ti­ga­ção e dis­cus­são. A ra­zão é sim­ples, ape­sar de vá­ri­os es­for­ços pa­ra evi­tar re­pro­du­zir cães dis­plá­si­cos, no­me­a­da­men­te atra­vés de pro­gra­mas

Caes & Companhia - - NEWS - Luís Chambel Mé­di­co Ve­te­ri­ná­rio (Ve­to­ei­ras) Jo­sé Di­o­go San­tos Mé­di­co Ve­te­ri­ná­rio (Ve­to­ei­ras)

Onú­me­ro de cães que so­frem de dis­pla­sia da an­ca (DA) e con­se­quen­te os­te­o­ar­tri­te é des­co­nhe­ci­do. Uma son­da­gem re­a­li­za­da nos EUA (Pfi­zer 1996) es­ti­mou 10 mi­lhões de cães afe­ta­dos, ou se­ja, 20% dos ani­mais com mais de um ano de ida­de. Se­gun­do os da­dos dis­po­ni­bi­li­za­dos pe­la Fun­da­ção Or­to­pé­di­ca pa­ra os Ani­mais (OFA) ain­da há ra­ças com 60% dos ani­mais ras­tre­a­dos afe­ta­dos.

Por que te­mos que nos pre­o­cu­par?

A dis­pla­sia da an­ca afe­ta com mai­or pre­va­lên­cia as ra­ças gran­des e gi­gan­tes, em­bo­ra pos­sa ocor­rer em qual­quer ra­ça ou em cães de ra­ça in­de­fi­ni­da. Co­mo exem­plos das ra­ças mais afe­ta­das te­mos o Cão da Ser­ra da Es­tre­la, o Bull­dog In­glês, o Pug, o Re­tri­e­ver do La­bra­dor, o Gol­den Re­tri­e­ver, os Mas­tins, o Cão de Pas­tor Ale­mão, o Ra­fei­ro do Alen­te­jo, o Cão de Pas­tor de Ber­na, etc. É uma do­en­ça com gran­de im­pac­to eco­nó­mi­co e emo­ci­o­nal pa­ra os tu­to­res e pa­ra os cri­a­do­res e que con­di­ci­o­na a qua­li­da­de de vi­da dos ani­mais afe­ta­dos. Em Por­tu­gal o cen­tro de cer­ti­fi­ca­ção de ra­di­o­gra­fi­as é a As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Mé­di­cos Ve­te­ri­ná­ri­os Es­pe­ci­a­lis­tas em Ani­mais de Com­pa­nhia (APMVEAC) que co­la­bo­ra com o Clu­be Por­tu­guês de Ca­ni­cul­tu­ra (CPC) pa­ra a cer­ti­fi­ca­ção do grau de dis­pla­sia e con­se­quen­te ane­xa­ção no pe­di­gree de ca­da re­pro­du­tor.

O que é a dis­pla­sia da an­ca?

O ter­mo dis­pla­sia da an­ca sig­ni­fi­ca con­for­ma­ção anor­mal da ar­ti­cu­la­ção co­xo­fe­mo­ral. Es­ta é for­ma­da pe­la ca­be­ça do fé­mur e pe­la ca­vi­da­de ace­ta­bu­lar. Nos ani­mais afe­ta­dos há uma ten­dên­cia pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to pre­co­ce de la­xi­dão ar­ti­cu­lar. Ao con­trá­rio do que acon­te­ce no ser hu­ma­no, no cão não é uma do­en­ça con­gé­ni­ta, é uma do­en­ça de de­sen­vol­vi­men­to, sig­ni­fi­ca que os cães nas­cem com an­cas mor­fo­lo­gi­ca­men­te nor­mais, mas os li­ga­men­tos, mús­cu­los e a cápsula, que en­vol­vem es­ta ar­ti­cu­la­ção, de­sen­vol­vem uma la­xi­dão ex­ces­si­va anor­mal. Es­tas al­te­ra­ções nor­mal­men­te sur­gem ce­do na vi­da do ca­chor­ro, por vol­ta dos 4 a 5 me­ses de ida­de. A con­sequên­cia des­ta la­xi­dão é o de­sen­vol­vi­men­to de uma ar­ti­cu­la­ção in­con­gru­en­te na qual se ins­ta­lam pro­ces­sos in­fla­ma­tó­ri­os e de re­mo­de­la­ção ós­sea, que pro­vo­cam dor e li­mi­ta­ção fí­si­ca. To­dos os cães com dis­pla­sia da an­ca so­frem de os­te­o­ar­tri­te se­cun­dá­ria nas ar­ti­cu­la­ções afe­ta­das. Nor­mal­men­te é uma do­en­ça bi­la­te­ral, ou se­ja, afe­ta as du­as ar­ti­cu­la­ções co­xo­fe­mo­rais, no en­tan­to, cer­ca de 3 a 30% dos ani­mais ape­nas se en­con­tra afe­ta­da uma ar­ti­cu­la­ção. Até ho­je não se de­te­tou pre­dis­po­si­ção se­xu­al.

Qual é a cau­sa da dis­pla­sia da an­ca?

A dis­pla­sia da an­ca é uma do­en­ça he­re­di­tá­ria, mas a sua ex­pres­são clí­ni­ca tam­bém de­pen­de de al­guns fa­to­res am­bi­en­tais, no­me­a­da­men­te, a nu­tri­ção,

A dis­pla­sia da an­ca afe­ta com mai­or pre­va­lên­cia as ra­ças gran­des e gi­gan­tes, em­bo­ra pos­sa ocor­rer em qual­quer cão

o me­ta­bo­lis­mo e pos­si­vel­men­te in­fluên­ci­as hor­mo­nais. São mui­tos os ge­nes que co­di­fi­cam a dis­pla­sia, es­ti­ma­dos mais de 100, e têm de es­tar pre­sen­tes em mai­or ou me­nor grau pa­ra que ha­ja ex­pres­são clí­ni­ca da do­en­ça. Não pa­re­ce ha­ver evi­dên­cia que o exer­cí­cio físico du­ran­te a fa­se de cres­ci­men­to, por si só, con­tri­bua pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de DA, mas é acon­se­lha­do evi­tar o exer­cí­cio in­ten­so em pi­sos es­cor­re­ga­di­os. O ex­ces­so de pe­so, uma cur­va de cres­ci­men­to mui­to rá­pi­da, o pi­so es­cor­re­ga­dio, a ad­mi­nis­tra­ção de rações hi­per­ca­ló­ri­cas e a ad­mi­nis­tra­ção de su­ple­men­tos, no­me­a­da­men­te cál­cio, são tam­bém apon­ta­dos co­mo fa­ci­li­ta­do­res des­sa ex­pres­são ge­né­ti­ca.

Co­mo pos­so sa­ber se o meu cão tem DA?

A DA é a do­en­ça or­to­pé­di­ca mais comum no cão. Afe­ta mais fre­quen­te­men­te os cães de ra­ça gran­de e gi­gan­te, mas cães pe­que­nos e ga­tos tam­bém po­dem ma­ni­fes­tar es­ta do­en­ça. Os si­nais clí­ni­cos são va­riá­veis e, por ve­zes, pou­co es­pe­cí­fi­cos. Os pri­mei­ros sin­to­mas nor­mal­men­te sur­gem en­tre os 5 e os 8 me­ses de ida­de. É mui­to fre­quen­te ouvir tu­to­res de ca­chor­ros dis­plá­si­cos afir­ma­rem que os seus ani­mais são pre­gui­ço­sos. Que se dei­tam cons­tan­te­men­te. Mas es­te com­por­ta­men­to é ape­nas a res­pos­ta dos nos­sos ani­mais à dor que es­tão a sen­tir no mo­men­to.

Si­nais de alerta

São mui­tos os si­nais que po­de­mos re­co­nhe­cer e que nos po­dem aler­tar pa­ra o des­con­for­to que um ani­mal afe­ta­do apre­sen­ta, no­me­a­da­men­te: •Ri­gi­dez; •In­to­le­rân­cia ao exer­cí­cio; •Dificuldade pa­ra se le­van­tar, sen­tar ou

pa­ra se dei­tar; •Dificuldade pa­ra su­bir es­ca­das ou pa­ra

en­trar ou sair do car­ro; •An­da­men­to anor­mal. Nor­mal­men­te “bam­bo­lei­am” a an­ca e é até des­cri­to co­mo o an­dar de Mary­lin Mon­roe; •Clau­di­ca­ção de uma ou das du­as pa­tas

tra­sei­ras; •Dor; •Es­ta­ção anor­mal (Fi­gu­ra 1 e Fi­gu­ra 2); •Cor­ri­da em sal­tos de co­e­lho (bunny hop­ping). Ga­lo­par com os dois mem­bros pos­te­ri­o­res em si­mul­tâ­neo.

O que se pas­sa den­tro de uma ar­ti­cu­la­ção dis­plá­si­ca?

A la­xi­dão e a in­con­gruên­cia ar­ti­cu­lar pro­vo­cam uma cons­tan­te mo­vi­men­ta­ção da ca­be­ça do fé­mur pa­ra fo­ra do ace­tá­bu­lo. Nes­te mo­vi­men­to anor­mal, que é efe­ti­vo em ca­da pas­sa­da, há des­gas­te su­ces­si­vo e pro­gres­si­vo das du­as su­per­fí­ci­es ar­ti­cu­la­res, mi­cro­fra­tu­ras da car­ti­la­gem e do os­so, e con­se­quen­te in­fla­ma­ção. Por ser uma do­en­ça de de­sen­vol­vi­men­to é por is­so mes­mo pro­gres­si­va. O que co­me­ça por ser um pro­ces­so agu­do in­fla­ma­tó­rio trans­for­ma-se num pro­ces­so de­ge­ne­ra­ti­vo ar­ti­cu­lar, tam­bém cha­ma­do de os­te­o­ar­tri­te. A con­sequên­cia des­te pro­ces­so é uma de­for­ma­ção pro­gres­si­va e ir­re­ver­sí­vel da ana­to­mia da ca­be­ça e co­lo fe­mo­rais, on­de a su­blu­xa­ção da ca­be­ça fe­mo­ral vai pi­o­ran­do e on­de sur­gem pro­ces­sos de de­for­ma­ção e re­mo­de­la­ção ós­sea, com o apa­re­ci­men­to de os­teó­fi­tos. Co­mo con­sequên­cia a ar­ti­cu­la­ção per­de fun­ci­o­na­li­da­de e fi­ca do­lo­ro­sa.

Co­mo te­nho a cer­te­za que o meu cão tem DA?

Um dos fa­to­res de di­ag­nós­ti­co mais im­por­tan­te é a ob­ser­va­ção por par­te dos tu­to­res da exis­tên­cia, ou não, dos si­nais clí­ni­cos já des­cri­tos. Es­se é o pri­mei­ro pas­so pa­ra sus­pei­ta da exis­tên­cia de dis­pla­sia da an­ca. À mí­ni­ma sus­pei­ta de­ve pro­cu­rar um mé­di­co ve­te­ri­ná­rio pa­ra re­a­li­za­ção de uma con­sul­ta de or­to­pe­dia on­de se­rão re­a­li­za­das pro­vas de ma­ni­pu­la­ção es­pe­cí­fi­cas e ava­li­a­ção de la­xi­dão ar­ti­cu­lar. O di­ag­nós­ti­co de­fi­ni­ti­vo de DA só po­de ser fei­to atra­vés de Ra­di­o­gra­fia ou de To­mo­gra­fia Com­pu­to­ri­za­da (TAC). A ra­di­o­gra­fia uti­li­za­da pa­ra di­ag­nós­ti­co im­pli­ca a se­da­ção dos ani­mais, por for­ma a ha­ver um re­la­xa­men­to mus­cu­lar e pa­ra que se­ja pos­sí­vel al­can­çar o po­si­ci­o­na­men­to ade­qua­do. Os cães têm que fi­car dei­ta­dos de bar­ri­ga pa­ra ci­ma e com os bra­ços e as per­nas es­ten­di­dos. Num cão sem DA a ar­ti­cu­la­ção co­xo­fe­mo­ral é con­gru­en­te, is­to é, a ca­be­ça do fé­mur es­tá per­fei­ta­men­te en­cai­xa­da no ace­tá­bu­lo. Nos cães com DA po­de­mos ter di­fe­ren­tes al­te­ra­ções, con­so­an­te a fa­se de de­sen­vol­vi­men­to da do­en­ça. Na Fi­gu­ra 4 te­mos um exem­plo de raio-x de uma an­ca nor­mal e na Fi­gu­ra 5 uma an­ca com dis­pla­sia gra­ve.

Clas­si­fi­ca­ção da dis­pla­sia

Pa­ra po­der­mos per­ce­ber a gra­vi­da­de da dis­pla­sia fo­ram de­sen­vol­vi­dos di­ver­sos sis­te­mas de clas­si­fi­ca­ção, sen­do que a mai­o­ria dos paí­ses Eu­ro­peus ado­tou a clas­si­fi­ca­ção de­sen­vol­vi­da pe­la Fe­de­ra­ção Ci­no­ló­gi­ca In­ter­na­ci­o­nal (FCI). Es­ta clas­si­fi­ca­ção iden­ti­fi­ca os ani­mais li­vres de dis­pla­sia, que são clas­si­fi­ca­dos co­mo ten­do Grau A (Nor­mal) ou Grau B (Qua­se Nor­mal). Os ani­mais com dis­pla­sia são clas­si­fi­ca­dos em Grau C (Dis­pla­sia Li­gei­ra), Grau D (Dis­pla­sia Mo­de­ra­da) ou Grau E (Dis­pla­sia Gra­ve). No fun­do, a an­ca per­fei­ta é clas­si­fi­ca­da

com Grau Ae a an­ca mais su­blu­xa­da e com mai­or de­for­ma­ção da ana­to­mia do os­so é clas­si­fi­ca­da com Grau E.

Quan­do po­de­mos fa­zer es­te di­ag­nós­ti­co?

Pa­ra ob­ter­mos um di­ag­nós­ti­co ofi­ci­al e con­se­quen­te­men­te uma clas­si­fi­ca­ção que cons­te no pe­di­gree, o exa­me só de­ve ser re­a­li­za­do na ida­de adul­ta. O que em ter­mos ofi­ci­ais sig­ni­fi­ca que pa­ra todas as ra­ças gran­des o exa­me só po­de ser re­a­li­za­do a par­tir dos 12 me­ses de ida­de e as ra­ças gi­gan­tes a par­tir dos 18 me­ses de ida­de (ida­des es­ta­be­le­ci­das pe­la FCI).

Em ca­chor­ros

Mas o meu cão es­tá a clau­di­car e só tem 6 me­ses de ida­de. Te­nho que es­pe­rar pe­los 12 me­ses pa­ra fa­zer um di­ag­nós­ti­co? Não. De ma­nei­ra ne­nhu­ma. É pos­sí­vel fa­zer um di­ag­nós­ti­co de dis­pla­sia da an­ca em ani­mais jo­vens. Tão jo­vens co­mo os 4 me­ses de ida­de! Por ser uma do­en­ça de de­sen­vol­vi­men­to não é pos­sí­vel emi­tir uma clas­si­fi­ca­ção ofi­ci­al nes­tas ida­des, só po­den­do es­ta ser es­ta­be­le­ci­da quan­do ter­mi­nar o cres­ci­men­to. Na Fi­gu­ra 6 é pos­sí­vel ver uma ra­di­o­gra­fia de um ca­chor­ro com ape­nas 5 me­ses de ida­de e com um grau de su­blu­xa­ção ar­ti­cu­lar bas­tan­te gra­ve. Os ca­chor­ros com es­te grau de dis­pla­sia so­frem mui­ta dor e têm de ser aju­da­dos o mais ra­pi­da­men­te pos­sí­vel.

De­te­ção pre­co­ce

Se é uma do­en­ça de de­sen­vol­vi­men­to e que ten­de a pi­o­rar com o tempo, não se­ria im­por­tan­te de­te­tá-la o mais ce­do pos­sí­vel? É mui­to im­por­tan­te a de­te­ção pre­co­ce de um ca­so de dis­pla­sia. Por ser uma do­en­ça pro­gres­si­va e que, por­tan­to, pi­o­ra com o tempo, quan­to mais ce­do for di­ag­nos­ti­ca­da mai­o­res são as pos­si­bi­li­da­des de in­ter­ven­ção e de cor­re­ção da mes­ma. No nos­so hos­pi­tal é ro­ti­na, há mais de dez anos, a re­co­men­da­ção pa­ra se fa­zer o cha­ma­do des­pis­te pre­co­ce de dis­pla­si­as. Es­te des­pis­te é re­a­li­za­do nos ca­chor­ros de ra­ças gran­des e gi­gan­tes en­tre os 4 e os 6 me­ses de ida­de. Mas tam­bém é pos­sí­vel fa­zê-lo nas ra­ças mais pe­que­nas. Faz par­te do nos­so pla­no de me­di­ci­na pre­ven­ti­va e é re­a­li­za­do tan­to em cães que apre­sen­tem clau­di­ca­ção co­mo na­que­les que não apre­sen­tam ne­nhum ti­po de sin­to­ma­to­lo­gia. Es­te des­pis­te con­sis­te no exa­me or­to­pé­di­co da an­ca, na re­a­li­za­ção de pro­vas di­nâ­mi­cas e no exa­me ra­di­o­grá­fi­co exaus­ti­vo atra­vés de qua­tro ex­po­si­ções ra­di­o­grá­fi­cas di­fe­ren­tes. Com es­te es­tu­do di­nâ­mi­co e ra­di­o­grá­fi­co da an­ca é pos­sí­vel es­ta­be­le­cer um prog­nós­ti­co do grau de dis­pla­sia que ca­da ca­chor­ro irá ter na ida­de adul­ta. Em ra­ças gran­des tam­bém é re­co­men­da­do o exa­me ra­di­o­grá­fi­co dos co­to­ve­los e nas ra­ças gi­gan­tes tam­bém do om­bro.

O que po­de­mos fa­zer com es­se des­pis­te pre­co­ce?

O prin­ci­pal ob­je­ti­vo do des­pis­te pre­co­ce de dis­pla­si­as é de­te­tar, o mais ce­do pos­sí­vel, os ca­chor­ros com an­cas dis­plá­si­cas. Nes­tes ca­sos po­dem ser fei­tas re­co­men­da­ções mé­di­cas ou ci­rúr­gi­cas por for­ma a tra­var ou di­mi­nuir a pro­gres­são do pro­ces­so de­ge­ne­ra­ti­vo ar­ti­cu­lar. E aqui é ca­so pa­ra di­zer que “tempo é ar­tro­se”. Quan­to mais tar­de for di­ag­nos­ti­ca­da, me­nos op­ções te­mos pa­ra li­dar com a dis­pla­sia. Me­nos op­ções te­mos pa­ra dar qua­li­da­de de vi­da aos ca­chor­ros. O ob­je­ti­vo des­te di­ag­nós­ti­co pre­co­ce é po­der ter a op­ção de pa­rar o de­sen­vol­vi­men­to da dis­pla­sia nos ca­sos em que ain­da é pos­sí­vel e com is­so de­vol­ver uma vi­da com­ple­ta li­vre de os­te­o­ar­tro­se e de dor ar­ti­cu­lar. Se os pro­ces­sos de­ge­ne­ra­ti­vos já es­ti­ve­rem ins­ta­la­dos não é pos­sí­vel tra­var a sua evo­lu­ção, e es­tes po­dem ins­ta­lar-se mui­to ce­do na vi­da dos ca­chor­ros dis­plá­si­cos. No ca­so de cri­a­do­res, es­te des­pis­te ser­ve pa­ra iden­ti­fi­car mui­to ce­do fu­tu­ros re­pro­du­to­res.

Co­mo tra­ta­mos a DA?

Exis­tem mui­tas op­ções de tra­ta­men­to pa­ra a DA. Têm que ser sem­pre es­co­lhi­das com ba­se na fa­se de de­sen­vol­vi­men­to da do­en­ça e na gra­vi­da­de dos sin­to­mas associados. São di­vi­di­das em dois gru­pos, o ma­neio mé­di­co e o ma­neio ci­rúr­gi­co.

Ma­neio mé­di­co

É re­co­men­da­do em to­dos os ca­sos em que o qu­a­dro clí­ni­co não se­ja mui­to gra­ve e em si­tu­a­ções que o tra­ta­men­to ci­rúr­gi­co não se­ja uma op­ção. Os pi­la­res do ma­neio mé­di­co são o con­tro­lo de pe­so, a fi­si­o­te­ra­pia, a mo­di­fi­ca­ção do exer­cí­cio, a ad­mi­nis­tra­ção de an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os e anal­gé­si­cos e a ad­mi­nis­tra­ção de su­ple­men­tos ali­men­ta­res à ba­se de Glu­co­sa­mi­na e de Con­droi­ti­na (nu­tra­cêu­ti­cos). Nos cães ma­gros o pro­ces­so de­ge­ne­ra­ti­vo ar­ti­cu­lar sur­ge mui­to mais tar­de na vi­da e é por is­so uma con­di­ção es­sen­ci­al no ma­neio de dor pro­vo­ca­da por qual­quer pro­ces­so de­ge­ne­ra­ti­vo ar­ti­cu­lar. A hi­dro­te­ra­pia pa­ra re­for­ço mus­cu­lar, a acu­punc­tu­ra pa­ra ma­neio de dor e todas as ou­tras modalidades da fi­si­o­te­ra­pia aju­dam a uma me­lho­ria de sin­to­mas e à re­du­ção do pro­ces­so do­lo­ro­so. Os cães dis­plá­si­cos de­vem evi­tar exer­cí­ci­os vi­o­len­tos e de mui­ta du­ra­ção. É sem­pre acon­se­lhá­vel fa­zer vá­ri­os pas­sei­os ao lon­go do dia, com du­ra­ção re­du­zi­da e com in­ten­si­da­de bai­xa. Não há uma fór­mu­la igual pa­ra to­dos e es­te de­ve ser sem­pre adap­ta­do ca­so a ca­so. A ad­mi­nis­tra­ção de an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os de­ve ser li­mi­ta­da aos pe­río­dos de mai­or dor en­quan­to a su­ple­men­ta­ção com nu­tra­cêu­ti­cos de­ve ser fei­ta por pe­río­dos de 2 a 3 me­ses sem in­ter­rup­ção. A mai­or li­mi­ta­ção do ma­neio mé­di­co, na mai­o­ria dos ca­sos, é que tem um efei­to pou­co du­ra­dou­ro. Ou se­ja, ape­sar de me­lho­ra­rem com a abor­da­gem mé­di­ca, os cães so­frem re­caí­das fre­quen­tes. Cer­ca de 9 em ca­da 10 cães com dis­pla­sia têm an­cas do­lo­ro­sas quan­do exa­mi­na­dos por um mé­di­co ve­te­ri­ná­rio.

Ma­neio ci­rúr­gi­co

São cin­co as op­ções ci­rúr­gi­cas mais uti­li­za­das pe­los or­to­pe­dis­tas atu­al­men­te. São elas a Sin­fi­si­o­de­se Pú­bi­ca Ju­ve­nil (SPJ), a Os­te­o­to­mia Pél­vi­ca Dupla ou Tri­pla (OPD), a Dar­tro­plas­tia, a Pró­te­se da an­ca e a Re­ces­são da ca­be­ça e co­lo fe­mo­rais.

Sin­fi­si­o­de­se Pú­bi­ca Ju­ve­nil

Es­ta téc­ni­ca ci­rúr­gi­ca con­sis­te no en­cer­ra­men­to da pla­ca de cres­ci­men­to na sín­fi­se pú­bi­ca, atra­vés da cau­te­ri­za­ção elé­tri­ca da mes­ma (é quei­ma­da atra­vés de um es­tí­mu­lo elé­tri­co). Des­ta for­ma, o seg­men­to ace­ta­bu­lar cres­ce de ma­nei­ra a “abra­çar” no­va­men­te a ca­be­ça do fé­mur. É uma téc­ni­ca que só de­ve ser re­a­li­za­da até aos 5 me­ses de ida­de e que re­quer um di­ag­nós­ti­co pre­co­ce, nor­mal­men­te quan­do ain­da não há sin­to­mas associados. Uma má se­le­ção do can­di­da­to pa­ra ci­rur­gia con­duz sem­pre a um mau re­sul­ta­do

O prin­ci­pal ob­je­ti­vo do des­pis­te pre­co­ce de dis­pla­si­as é de­te­tar, o mais ce­do pos­sí­vel, os ca­chor­ros com an­cas dis­plá­si­cas

fi­nal, no qual es­ses ani­mais de­sen­vol­vem dis­pla­sia na ida­de adul­ta. To­dos os ani­mais su­jei­tos a es­ta ci­rur­gia de­vem ser es­te­ri­li­za­dos no mes­mo ato ci­rúr­gi­co por for­ma a não se re­pro­du­zi­rem. Na re­a­li­da­de, ne­nhum ani­mal dis­plá­si­co se de­ve re­pro­du­zir, mas sen­do es­ta uma téc­ni­ca mo­di­fi­ca­do­ra da ana­to­mia da an­ca sem dei­xar ves­tí­gi­os vi­sí­veis po­de­ria per­mi­tir que es­tes ani­mais pas­sas­sem num scre­e­ning ofi­ci­al com uma cer­ti­fi­ca­ção li­vre de dis­pla­sia.

Os­te­o­to­mia pél­vi­ca dupla (OPD)

Es­ta téc­ni­ca ci­rúr­gi­ca con­sis­te na li­ber­ta­ção do seg­men­to ace­ta­bu­lar atra­vés de dois cor­tes na ba­cia. De­pois de li­ber­ta­do, es­te seg­men­to é ro­da­do pa­ra re­co­brir me­lhor a ca­be­ça do fé­mur e de­vol­ver a con­gruên­cia à ar­ti­cu­la­ção co­xo­fe­mo­ral.

Es­ta ci­rur­gia não de­ve ser re­a­li­za­da se já es­ti­ver ins­ta­la­do o pro­ces­so de­ge­ne­ra­ti­vo ar­ti­cu­lar. Por es­ta ra­zão tam­bém tem uma ja­ne­la de in­ter­ven­ção pe­que­na, nor­mal­men­te dos 5 me­ses aos 8 me­ses de ida­de. Em al­guns ca­sos até aos 9 me­ses de ida­de. Quan­do bem se­le­ci­o­na­da e bem re­a­li­za­da tra­va a evo­lu­ção da dis­pla­sia e, por­tan­to, per­mi­te o de­sen­vol­vi­men­to de uma an­ca nor­mal e tor­na pos­sí­vel uma vi­da li­vre de dor a um ca­chor­ro que de ou­tra for­ma es­ta­ria con­de­na­do a vi­ver com dis­pla­sia o res­to da sua vi­da. Es­tes cães po­dem ter uma vi­da ati­va, sem do­res e sem pro­ces­sos de­ge­ne­ra­ti­vos ar­ti­cu­la­res. É uma ci­rur­gia tec­ni­ca­men­te exi­gen­te e de­ve ser re­a­li­za­da por um ci­rur­gião ex­pe­ri­en­te e com do­mí­nio ab­so­lu­to da téc­ni­ca. Nas Fi­gu­ras 11 e 12 uma ar­ti­cu­la­ção que se­ria dis­plá­si­ca ca­so não fos­se fei­ta OPD, 12 anos após re­a­li­za­ção da mes­ma e o que acon­te­ce a uma ar­ti­cu­la­ção dis­plá­si­ca sem ci­rur­gia.

Dar­tro­plas­tia

Es­ta téc­ni­ca es­tá in­di­ca­da nos ca­sos que per­de­ram in­di­ca­ção pa­ra OPD e ain­da não são can­di­da­tos pa­ra pró­te­se de an­ca. Con­sis­te na co­lo­ca­ção de um en­xer­to ós­seo so­bre o ace­tá­bu­lo. Es­se en­xer­to de­pois de os­si­fi­car fun­ci­o­na co­mo um no­vo te­to ace­ta­bu­lar, mais sa­li­en­te, e que des­ta for­ma sus­ten­ta me­lhor a ca­be­ça do fé­mur. Es­ta téc­ni­ca não tra­va a pro­gres­são do pro­ces­so de­ge­ne­ra­ti­vo ar­ti­cu­lar.

Quan­to mais tar­de for di­ag­nos­ti­ca­da, me­nos op­ções te­mos pa­ra li­dar com a dis­pla­sia e dar qua­li­da­de de vi­da aos cães afe­ta­dos por es­ta pa­to­lo­gia

Pró­te­se to­tal da an­ca

Con­sis­te na subs­ti­tui­ção do ace­tá­bu­lo e da ca­be­ça do fé­mur do­en­tes por uma pró­te­se em que uma ca­be­ça me­tá­li­ca de ti­tâ­nio ar­ti­cu­la com um ace­tá­bu­lo de po­li­e­ti­le­no. É uma téc­ni­ca ci­rúr­gi­ca dis­pen­di­o­sa e mui­to exi­gen­te em ter­mos téc­ni­cos, mas es­tá in­di­ca­da em to­dos os ca­sos de dor e li­mi­ta­ção fí­si­ca pro­vo­ca­dos pe­la dis­pla­sia da an­ca. To­dos os cães de por­te mé­dio e gran­de que per­de­ram in­di­ca­ção pa­ra as téc­ni­cas an­te­ri­o­res são can­di­da­tos po­ten­ci­ais a pró­te­se da an­ca. De­pois da co­lo­ca­ção da pró­te­se os cães fi­cam com uma ar­ti­cu­la­ção 100% fun­ci­o­nal, com ar­co de mo­vi­men­to nor­mal e sem dor as­so­ci­a­da, po­den­do ter uma vi­da com­ple­ta­men­te nor­mal. Nas Fi­gu­ras 15 e 16 ve­mos du­as ra­di­o­gra­fi­as de uma pró­te­se da an­ca apli­ca­da a um cão adul­to.

Re­ces­são da ca­be­ça e co­lo fe­mo­rais

Nes­ta téc­ni­ca é cor­ta­da a ca­be­ça do fé­mur e o co­lo fe­mo­ral, per­mi­tin­do que se for­me uma fal­sa ar­ti­cu­la­ção. Es­ta téc­ni­ca ci­rúr­gi­ca de­ve­ria ser re­ser­va­da uni­ca­men­te pa­ra os ca­sos on­de se per­de­ram as in­di­ca­ções pa­ra as téc­ni­cas an­te­ri­o­res e on­de não se­ja pos­sí­vel fa­zer a pró­te­se to­tal da an­ca. Ape­sar de po­der ser re­a­li­za­da, não tem in­di­ca­ção pa­ra cães aci­ma dos 20 Kg. A dor di­mi­nui por de­sa­pa­re­cer o con­tac­to en­tra as du­as su­per­fí­ci­es ós­se­as, mas a “ar­ti­cu­la­ção” que se for­ma não tem uma fun­ção com­ple­ta­men­te nor­mal. Per­de ar­co de mo­vi­men­to e o re­sul­ta­do clí­ni­co po­de ser um pou­co im­pre­vi­sí­vel, prin­ci­pal­men­te em ani­mais mais pe­sa­dos. Os cães ope­ra­dos por es­ta téc­ni­ca ne­ces­si­tam de pro­gra­mas de fi­si­o­te­ra­pia in­ten­sos pa­ra re­cu­pe­ra­rem al­gu­ma mas­sa mus­cu­lar. Na Fi­gu­ra 17 po­de­mos ver um exem­plo de uma re­ces­são da ca­be­ça e co­lo fe­mo­ral.

Con­si­de­ra­ções fi­nais

A dis­pla­sia da an­ca é uma do­en­ça he­re­di­tá­ria comum e gra­ve que pro­vo­ca a per­da de qua­li­da­de de vi­da a mui­tos cães. A re­du­ção da sua pre­va­lên­cia atra­vés da se­le­ção ge­né­ti­ca é uma obri­ga­ção mo­ral por par­te de quem re­pro­duz as ra­ças mais pre­dis­pos­tas, es­pe­ci­al­men­te por ser um pro­ces­so len­to e que re­quer a se­le­ção de re­pro­du­to­res li­vres de dis­pla­sia em mui­tas ge­ra­ções su­ces­si­vas. Um dos fa­to­res fun­da­men­tais na re­du­ção da pre­va­lên­cia da do­en­ça é a exi­gên­cia de cer­ti­fi­ca­dos ofi­ci­ais de au­sên­cia de dis­pla­sia da an­ca nos pro­ge­ni­to­res. Es­te fa­tor de­ve­ria ser uma re­gra aquan­do da aqui­si­ção de ani­mais, mas in­fe­liz­men­te pa­re­ce ser uma ex­ce­ção. Fa­zer um ras­treio o mais ce­do pos­sí­vel, atra­vés dos des­pis­tes pre­co­ces, per­mi­te in­ter­ven­ções atem­pa­das e efi­ca­zes na re­ver­são des­te pro­ces­so des­tru­ti­vo pa­ra as ar­ti­cu­la­ções, re­du­zin­do de for­ma dra­má­ti­ca a dor e o so­fri­men­to associados a es­ta do­en­ça.

Os cães nas­cem com an­cas mor­fo­lo­gi­ca­men­te nor­mais, mas os li­ga­men­tos, mús­cu­los e a cápsula, que en­vol­vem es­ta ar­ti­cu­la­ção, de­sen­vol­vem uma la­xi­dão ex­ces­si­va anor­mal.

Fi­gu­ra 1: Per­fil da an­ca num cão nor­mal e num cão dis­plá­si­co.

Fi­gu­ra 3: Ilustrações da ar­ti­cu­la­ção co­xo­fe­mo­ral on­de é mos­tra­da a pro­gres­são da dis­pla­sia da an­ca. De nor­mal (A) pa­ra dis­pla­sia gra­ve (D).

Fi­gu­ra 4: An­ca nor­mal – Grau A.

Fi­gu­ra 5: An­ca dis­plá­si­ca – Grau E.

Fi­gu­ra 2: Per­fil de an­cas dis­plá­si­cas. An­cas lu­xa­das (já não ar­ti­cu­lam com o ace­tá­bu­lo) e an­cas re­du­zi­das. Só ar­ti­cu­lam bem em es­ta­ção afas­ta­da.

Fi­gu­ra 6: Dis­pla­sia gra­ve num ca­chor­ro de 5 me­ses.

O tra­ta­men­to da dis­pla­sia da an­ca de­pen­de do de­sen­vol­vi­men­to da do­en­ça we da gra­vi­da­de dos sin­to­mas, e po­de ser com um ma­neio mé­di­co ou ci­rúr­gi­co.

O di­ag­nós­ti­co de­fi­ni­ti­vo de dis­pla­sia da an­ca só po­de ser fei­to atra­vés de Ra­di­o­gra­fia ou de To­mo­gra­fia Com­pu­to­ri­za­da (TAC).

Fi­gu­ra 15 e 16: Pró­te­se to­tal da an­ca bi­la­te­ral.

Fi­gu­ra 17: Re­ces­são da ca­be­ça e co­lo fe­mo­ral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.