Cães acor­ren­ta­dos: Um ca­so de maus-tra­tos

Um ca­so de maus-tra­tos

Caes & Companhia - - NEWS - Cláu­dia Estanislau Trei­na­do­ra da It's All About Dogs (www.it­sal­la­bout­dogs.net) Fo­tos: Shut­ters­tock

Man­ter um cão pre­so a uma cor­ren­te é sem dú­vi­da ne­nhu­ma um ato de maus-tra­tos no seu pi­or e no me­lhor de ne­gli­gên­cia bru­tal. O cão é um ani­mal sen­ci­en­te cu­jo bem-es­tar es­tá de­fi­ni­do co­mo ne­ces­si­da­de de abri­go, co­mi­da, água, tra­ta­men­tos mé­di­cos ade­qua­dos, con­tac­to so­ci­al in­tra e in­ter es­pé­ci­es e ofe­re­ci­men­to de com­por­ta­men­tos na­tu­rais à sua es­pé­cie. Usu­al­men­te ne­nhum ou mui­to pou­cos des­tes as­pe­tos es­tão con­tem­pla­dos quan­do pren­de­mos um cão a uma cor­ren­te.

Usu­al­men­te, cães pre­sos a cor­ren­tes es­tão em lo­cais in­sa­lu­bres, as ta­ças se exis­ti­rem es­tão su­jas e ve­lhas, os abri­gos são lo­cais ar­ran­ja­dos à pres­sa co­mo te­lha­dos de zin­co ou até mes­mo por bai­xo de uma me­ra ár­vo­re. Os cães ata­dos a cor­ren­tes pou­co ou ne­nhum con­tac­to so­ci­al com ou­tros cães e pes­so­as têm e vi­vem em ple­no iso­la­men­to e pri­são do­mi­ci­liá­ria. São pre­sos e

cul­pa­dos sem nun­ca te­rem fei­to nada de er­ra­do. São se­res que exis­tem sem po­de­rem vi­ver a vi­da que lhes foi da­da e ti­ra­da por um ser hu­ma­no que se re­cu­sa a re­co­nhe­cer o va­lor da sua vi­da. É uma si­tu­a­ção mais do que tris­te, é uma si­tu­a­ção que tem de ter­mi­nar, que de­ve ser par­te de um pas­sa­do dis­tan­te. De­ve ser proi­bi­do pe­lo go­ver­no pren­der cães a cor­ren­tes e tra­tá-los co­mo ob­je­tos sem sig­ni­fi­ca­do. Pa­ra além de de­su­ma­no é pe­ri­go­so e, aci­ma de tu­do, um mal­tra­to pú­bli­co.

Cães de gu­ar­da

Mui­tas pes­so­as ig­no­ran­te­men­te, jul­gam que ter um cão pre­so a uma cor­ren­te é uma ex­ce­len­te for­ma de ter um cão de gu­ar­da. Um cão que irá la­drar e de­fen­der a pro­pri­e­da­de ou qual­quer ob­je­to que quei­ram (car­ros, en­tra­das em lo­jas, ar­ma­zéns, etc.). As pes­so­as con­si­de­ram que a aqui­si­ção de um cão de por­te gran­de, pre­fe­ren­ci­al­men­te, e com “ar de mau” vai dis­su­a­dir os “la­drões” e as pes­so­as mal-in­ten­ci­o­na­das e de­pois pren­dem es­ses cães pa­ra que es­te­jam ali ti­po si­nais de trân­si­to a la­drar a tu­do o que pas­sa, bom ou mau e na gran­de mai­o­ria das ve­zes re­pre­sen­tan­do um pe­ri­go pa­ra to­dos aque­les que se apro­xi­mam, in­cluin­do os pró­pri­os guardiões. Cães pre­sos a cor­ren­te, fa­zem pés­si­mos cães de gu­ar­da! Além do con­cei­to ser an­ti­qua­do e não ter re­fe­rên­cia ne­nhu­ma na atu­a­li­da­de é al­go que as pes­so­as de­vem re­pen­sar e com­prar alar­mes ca­so pre­ci­sem de sis­te­mas de de­fe­sa de pro­pri­e­da­de, os cães pre­sos a cor­ren­tes, não guar­dam ab­so­lu­ta­men­te nada. Es­tão pre­sos, não po­dem sair da­li, não se po­dem me­xer, não po­dem fa­zer nada. Mes­mo que as pes­so­as os sol­tem du­ran­te um cer­to pe­río­do de tempo (du­ran­te a noi­te, por exem­plo) se al­guém qui­ser fa­zer mal ao cão é mui­to fá­cil, afi­nal de con­tas, o cão é ape­nas um ani­mal vi­vo, um ser sen­ci­en­te, des­de en­ve­ne­na­men­tos, mor­te por ti­ro, ou por mal­tra­tos, os cães são al­vos fá­ceis e em nada se­rão um dis­su­a­sor pa­ra aque­le que qui­ser re­al­men­te rou­bar ou fa­zer al­go na sua pro­pri­e­da­de. Por is­so, e in­fe­liz­men­te, ca­da vez me­nos se en­ten­de a pre­sen­ça de um cão nu­ma cor­ren­te com o ob­je­ti­vo de guar­dar se­ja o que for.

Cães que es­tão pre­sos a cor­ren­tes uma vi­da in­tei­ra, são ani­mais que vi­vem num va­zio so­ci­al e men­tal

Cul­tu­ra ru­ral ou ig­no­rân­cia to­tal?

Sem dú­vi­da que nas áre­as ru­rais é mui­to mais comum ver­mos cães pre­sos a cor­ren­tes. Nes­tes lo­cais, on­de a in­for­ma­ção é mais es­cas­sa e as pes­so­as me­nos cul­tas, os cães são vis­tos ain­da co­mo “me­ra­men­te cães”, ani­mais que per­ten­cem “lá fo­ra”, pre­sos por­que co­mem as ga­li­nhas, de­sa­ca­bam tro­em os campos ou co­mem as al­fa­ces. Os cães nos campos aca­bam pre­sos a cor­ren­tes, por­que são ad­qui­ri­dos e de­pois se tor­nam um pro­ble­ma. Não são ad­qui­ri­dos por­que são aque­les ani­mais in­crí­veis, com­pa­nhei­ros que nos ofe­re­cem tan­to em tro­ca de nada. São ad­qui­ri­dos por­que sim, mui­tas ve­zes por ca­pri­cho do vi­zi­nho que te­ve uma ni­nha­da e dá um, ou al­guém que foi bus­car um por­que era bo­ni­ti­nho, e ra­pi­da­men­te pre­sos nu­ma cor­ren­te, por­que ata­cam as ga­li­nhas, por­que ca­vam bu­ra­cos na ter­ra, por­que co­mem os cul­ti­vos. Cres­cem e tor­nam-se um em­pe­ci­lho, são re­ne­ga­dos a uma vi­da de pri­si­o­nei­ros sen­do que o úni­co cri­me co­me­ti­do foi te­rem ido pa­rar às mãos er­ra­das e te­rem cres­ci­do. As pes­so­as no cam­po não con­tem­plam pas­se­ar os seus cães, dei­xá-

-los brin­car com ou­tros cães, trei­ná-los, so­ci­a­bi­li­zá-los ou se­quer in­te­ra­gir com os mes­mos. Es­tão ali e ali fi­ca­rão até à mor­te. Mui­tas pes­so­as nem sa­bem bem por­que ain­da têm es­tes cães ali, dão-lhes res­tos de 2 em 2 di­as, e ig­no­ram a sua pre­sen­ça co­mo se de um mó­vel ve­lho se tra­tas­se. A cul­tu­ra ru­ral é a que precisa de mais in­for­ma­ção quan­to ao hor­ror que é man­ter cães nes­tas con­di­ções. Aler­tar as pes­so­as pa­ra o fac­to de que, se vão ad­qui­rir um cão e têm ga­li­nhas, por exem­plo, ou ou­tros ani­mais, têm que so­ci­a­bi­li­zá-los pa­ra que no fu­tu­ro pos­sam vi­ver to­dos em con­jun­to. De­vem ser in­for­ma­dos da ne­ces­si­da­de de pas­se­ar os cães, ti­rá-los de ca­sa pa­ra que co­nhe­çam o am­bi­en­te en­vol­ven­te, da ne­ces­si­da­de de os cães vi­ve­rem com as pes­so­as den­tro de ca­sa, de po­de­rem brin­car, pas­se­ar, in­te­ra­gir com o am­bi­en­te. Es­ta in­for­ma­ção ca­re­ce de ser pas­sa­da de uma for­ma im­pe­ra­ti­va e ur­gen­te nos mei­os ru­rais co­mo for­ma de ter­mi­nar com o fla­ge­lo que as­so­ma de se ve­rem tan­tos cães acor­ren­ta­dos a exis­ti­rem em con­di­ções inad­mis­sí­veis.

O pe­ri­go de man­ter cães acor­ren­ta­dos

Co­lo­can­do de par­te todas as con­si­de­ra­ções éti­cas e mo­rais acer­ca do fac­to de man­ter­mos um cão ata­do a uma cor­ren­te, o que tor­na es­te ato não só de­tes­tá­vel co­mo ex­tre­ma­men­te pe­ri­go­so é o fac­to de que a gran­de mai­o­ria dos cães acor­ren­ta­dos de­sen­vol­vem com­por­ta­men­tos agres­si­vos ou re­a­ti­vos. Cães pre­sos a cor­ren­tes sa­bem que es­tão pre­sos, lo­go sa­bem que es­tão em pe­ri­go por­que não po­dem fu­gir! Tu­do o que os cães pre­sos a cor­ren­tes ve­em que os as­sus­ta, é ime­di­a­ta­men­te con­fron­ta­do com de­mons­tra­ções ve­e­men­tes e cla­ras de afas­ta­men­to, ou se­ja, com­por­ta­men­tos agres­si­vos. O sis­te­ma de fu­ga ou lu­ta é aci­o­na­do bi­o­lo­gi­ca­men­te em to­dos os ani­mais, quan­do con­fron­ta­dos por al­go que os as­sus­ta ou lhes me­te me­do. Os cães que se en­con­tram pre­sos não po­dem fu­gir dos es­tí­mu­los que os afas­tam e dos quais se que­rem man­ter lon­ge, lo­go na pos­sí­vel pro­xi­mi­da­de dos mes­mos, os cães que se en­con­tram pre­sos não têm ou­tra hi­pó­te­se se­não re­a­gir de for­ma agres­si­va de for­ma a pro­te­ge­rem-se e man­te­rem es­ses mes­mos es­tí­mu­los lon­ge e afas­ta­dos. Vi­vem uma vi­da de me­do e de ansiedade por não te­rem con­tro­lo ne­nhum sob o que se pas­sa à sua vol­ta e de co­mo po­dem en­fren­tar es­ses es­tí­mu­los.

Frus­tra­ção

Ou­tro ti­po de agres­si­vi­da­de re­cor­ren­te em cães acor­ren­ta­dos pro­vém da frus­tra­ção.

Não se exer­ci­tam fi­si­ca­men­te, nem men­tal­men­te, e não têm con­tac­to so­ci­al com pes­so­as e mem­bros da sua es­pé­cie

A frus­tra­ção de não po­de­rem sair da­li e in­te­ra­gir. À me­di­da que os di­as pas­sam, ve­em cães a pas­sar, ou­vem-nos, chei­ram-nos, mas nun­ca se po­dem apro­xi­mar. O mes­mo com pes­so­as, car­ros, cri­an­ças, etc. Es­ta frus­tra­ção le­va inad­ver­ti­da­men­te ao de­sen­vol­vi­men­to de com­por­ta­men­tos agres­si­vos ge­ra­dos por frus­tra­ção. Es­te ti­po de com­por­ta­men­to es­ca­la a um rit­mo enor­me com o tempo e ge­ne­ra­li­za-se a to­dos os que se ten­tam apro­xi­mar le­van­do a que os úni­cos com­por­ta­men­tos que os cães sa­bem exi­bir a par­tir de de­ter­mi­na­do pon­to são agres­si­vos e re­a­ti­vos.

Uma vi­da va­zia

Cães que es­tão pre­sos a cor­ren­tes uma vi­da in­tei­ra, são ani­mais que vi­vem num va­zio so­ci­al e men­tal. Não se exer­ci­tam fi­si­ca­men­te, nem men­tal­men­te, e não de­têm con­tac­to so­ci­al com pes­so­as e ou mem­bros da pró­pria es­pé­cie. Es­ta ina­ti­vi­da­de men­tal e fí­si­ca e es­te va­zio so­ci­al, le­va a que de­ter­mi­na­dos cães (prin­ci­pal­men­te os mais ati­vos) de­sen­vol­vam ati­vi­da­des pa­ra se dis­traí­rem. Al­guns cães de­sen­vol­vem com­por­ta­men­tos ob­ses­si­vo-com­pul­si­vos de an­dar à ro­da, per­se­guir a cau­da, ca­var bu­ra­cos ou la­drar in­ces­san­te­men­te, co­mo se o pró­prio som da sua voz fos­se uma dis­tra­ção pa­ra o va­zio em que se en­con­tram. Ou­tros pro­ble­ma gra­ve é o de­sen­vol­vi­men­to do que cha­ma­mos es­ta­do de le­ar­ned hel­ples­s­ness, que é um es­ta­do que le­va a que um ani­mal de­sis­ta. Es­tes cães nor­mal­men­te su­cum­bem, mui­tos mor-

rem pre­co­ce­men­te, en­tram em de­pres­sões graves, fi­cam do­en­tes com fa­ci­li­da­de e por fal­ta de pa­la­vras me­lho­res pa­ra des­cre­ver es­te es­ta­do, sim­ples­men­te dei­xam de lu­tar pe­la vi­da. Al­guns cães so­bre­vi­vem to­da uma vi­da nes­te es­ta­do ca­ta­tó­ni­co. A ex­plo­ra­ção de um ani­mal nes­tes ter­mos não só é eti­ca­men­te re­pro­vá­vel co­mo é pro­du­tor de mui­tos cães que po­dem vir a re­pre­sen­tar pa­ra a nos­sa so­ci­e­da­de um pe­ri­go gra­vís­si­mo. Mui­tos aci­den­tes de mor­di­das re­por­ta­das pe­lo mun­do fo­ra, ad­vêm de cães que vi­vi­am pre­sos e por al­gum mo­ti­vo se sol­ta­ram. O go­ver­no se pre­ten­de pro­te­ger a sua so­ci­e­da­de e a co­mu­ni­da­de do pe­ri­go de mor­di­das de­ve­ria co­me­çar por proi­bir que as pes­so­as man­te­nham cães ata­dos a cor­ren­tes. Atar cães a cor­ren­tes é um ato re­pro­vá­vel a to­dos os ní­veis.

A dor do mal­tra­to nas mi­nhas pa­la­vras

To­dos os di­as pas­so pe­lo “cão”. O “cão” vi­ve acor­ren­ta­do a uma ár­vo­re den­tro de um cam­po de plan­ta­ção de ba­ta­tas. É o tí­pi­co “cão de gu­ar­da”. Por­te gran­de, mus­cu­la­do e to­da a vi­da pre­so pa­ra “me­ter me­do”. A mim me­te-me pe­na. To­dos os di­as pas­so de car­ro ti­ro-lhe uma foto e pe­ço-lhe des­cul­pa “fa­ço o que pos­so”. Ele é usa­do co­mo um ob­je­to, co­mo al­guém que com­pra uma cam­pai­nha, ou um sis­te­ma de alar­me e o co­lo­ca no por­tão. Es­tá ali pa­ra ser­vir o seu do­no au­sen­te. To­dos os di­as lhe ati­ram um pe­da­ço de co­mi­da, ele la­dra de vez em quan­do a quem pas­sa, ou­tras ve­zes nem se dá a es­se tra­ba­lho, “pa­ra quê?”. O que ele co­nhe­ce do mun­do co­me­ça e acaba na­que­la pai­sa­gem. To­dos os di­as, ador­me­ce e acor­da no mes­mo lo­cal. To­dos os di­as, são iguais. Acor­da, fi­ca ali dei­ta­do e dor­me. Não in­te­ra­ge com nin­guém. Nin­guém se apro­xi­ma de­le, faz bem o seu tra­ba­lho. Não tem ami­gos de 4 pa­tas, os ou­tros cães não en­tram na pro­pri­e­da­de e ele tam­bém não sai. Não tem ami­gos da es­pé­cie de­le e tem mui­tos ini­mi­gos da es­pé­cie que o co­lo­cou na­que­la pri­são. Água, uma ár­vo­re e uma ca­so­ta fei­ta de tá­bu­as e um te­lha­do de zin­co é tu­do o que ele tem e é tu­do o que ele vai ter até à sua mor­te. Es­ta é a su­pe­ri­o­ri­da­de do ser hu­ma­no, a de po­der usar ou­tro ser sen­ci­en­te, ig­no­rar as su­as ne­ces­si­da­des, bem-es­tar, sen­ti­men­tos e tra­tá-lo co­mo um ob­je­to. Não sei há quan­to tempo o “cão” es­tá nes­ta exis­tên­cia, se­rá que ele al­gu­ma vez vi­veu pa­ra além dis­to? Quan­do le­vo os meus cães a pas­se­ar na praia, a na­dar no mar, a cor­rer na areia, a brin­car com ou­tros cães, a dor­mir no meu co­lo en­quan­to lhes co­ço as ore­lhas, a chei­rar as ma­tas, a ver o pôr-do-sol, pen­so sem­pre no “cão”, pre­so a uma cor­ren­te, dei­ta­do no pó, com ca­lor, ou frio, ou fo­me, ou so­li­dão. Pen­so no “cão” e re­du­zo-me à mi­nha in­sig­ni­fi­cân­cia de nada po­der fa­zer e ao meu des­gos­to eter­no de fa­zer par­te da es­pé­cie que faz al­go tão cru­el ao “cão”.

Usu­al­men­te, os cães pre­sos a cor­ren­tes es­tão em lo­cais in­sa­lu­bres, com abri­gos sem con­di­ções ou de­bai­xo de uma me­ra ár­vo­re.

Há cães que de­sen­vol­vem um es­ta­do de le­ar­ned hel­ples­s­ness, em que de­sis­tem e nor­mal­men­te su­cum­bem, pois sim­ples­men­te dei­xam de lu­tar pe­la vi­da.

Ou­tro ti­po de agres­si­vi­da­de re­cor­ren­te em cães acor­ren­ta­dos pro­vém da frus­tra­ção de não po­de­rem sair da­li e in­te­ra­gir.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.