Ar­ra­nha­dor ide­al: Co­mo es­co­lher?

Ar­ra­nhar é um com­por­ta­men­to na­tu­ral do ga­to, que po­de ser um pe­sa­de­lo pa­ra o seu tu­tor, se não qu­e­re­mos que ar­ra­nhe o so­fá ou ou­tros mó­veis em ca­sa, te­mos que lhes dar al­ter­na­ti­vas e se­rá sem­pre o ga­to a es­co­lher qual a sua pre­fe­rên­cia.

Caes & Companhia - - NEWS - Inês Guer­ra Mé­di­ca Veterinária, De­par­ta­men­to de Com­por­ta­men­to Fe­li­no

Os ga­tos com aces­so ao ex­te­ri­or têm opor­tu­ni­da­de de ar­ra­nhar e des­gas­tar as su­as unhas nos tron­cos das ár­vo­res, pos­tes ou cer­cas de ma­dei­ra. Mas nas ci­da­des a mai­o­ria dos ga­tos tem uma vi­da in­do­or, ou se­ja, es­tão sem­pre den­tro de ca­sa e vão afi­ar as gar­ras no que exis­te no seu ter­ri­tó­rio: mó­veis, so­fás, cor­ti­na­dos, ta­pe­tes, etc. Mui­tas ve­zes não é o que de­se­ja­mos, mas há so­lu­ções.

Por­que ar­ra­nham?

Os ga­tos ar­ra­nham pa­ra mar­car o ter­ri­tó­rio de for­ma vi­su­al e ol­fa­ti­va, di­zen­do que aque­le es­pa­ço lhes per­ten­ce. A mar­ca­ção é vi­su­al, por­que fi­ca a área ar­ra­nha­da e as­sim ou­tros ga­tos po­dem-na iden­ti­fi­car ao lon­ge, e ol­fa­ti­va da­do dei­xa­rem fe­ro­mo­nas no lo­cal que ar­ra­nham. Além de mar­car o seu ter­ri­tó­rio, os ga­tos tam­bém ar­ra­nham pa­ra man­te­rem as unhas sau­dá­veis, evi­tan­do que o cres­ci­men­to con­tí­nuo da unha fa­ça com que ocor­ram le­sões nas al­mo­fa­das plan­ta­res. O com­por­ta­men­to de ar­ra­nhar tem tam­bém um pa­pel im­por­tan­te na lim­pe­za das unhas. Se ob­ser­var o seu ga­to a ar­ra­nhar irá ve­ri­fi­car que se es­ti­cam e exer­ci­tam, es­ta é ou­tra das fun­ções do ato de ar­ra­nhar, per­mi­te ao ga­to re­la­xar.

Que ar­ra­nha­dor de­ve es­co­lher?

O ar­ra­nha­dor é uma pe­ça cha­ve no bem-es­tar do seu ga­to, pois to­dos os ga­tos ar­ra­nham, é um com­por­ta­men­to na­tu­ral e sau­dá­vel. Po­de­rá ser com­ple­xo sa­ber qual ire­mos es­co­lher pa­ra o nos­so ga­to, fi­que ago­ra a conhecer o que ca­rac­te­ri­za e dis­tin­gue os ar­ra­nha­do­res. Nes­te ar­ti­go vamos aju­dá-lo a to­mar a de­ci­são e a es­co­lher o pró­xi­mo ar­ra­nha­dor do seu ga­to.

Ti­pos de ar­ra­nha­do­res

Exis­te um mun­do de ar­ra­nha­do­res que po­de es­co­lher: de chão, ver­ti­cal, ti­po ár­vo­re ou tor­re, com di­fe­ren­tes tex­tu­ras e al­tu­ras.

Tex­tu­ras

Cos­tu­ma­mos en­con­trar no mer­ca­do dois ti­pos de ma­te­ri­al, o si­sal e o car­tão. Ide­al­men­te de­ve dar ao seu ga­to a ex­pe­ri­men­tar qual pre­fe­re, po­de por exem­plo ad­qui­rir um ar­ra­nha­dor de me­no­res di­men­sões e per­ce­ber qual a sua pre­fe­rên­cia. Se qui­ser ofe­re­cer tex­tu­ras na­tu­rais, co­mo um tron­co de ár­vo­re, tam­bém po­de­rá en­con­trar es­sas op­ções no mer­ca­do ou mes­mo criá-las. Exis­tem tam­bém ar­ra­nha­do­res em te­ci­do, mas es­tes po­dem ter um des­gas­te mais rá­pi­do.

Ori­en­ta­ção

Exis­tem ar­ra­nha­do­res na ver­ti­cal e ou­tros

Na na­tu­re­za os ga­tos ar­ra­nham pa­ra mar­car o ter­ri­tó­rio de for­ma vi­su­al e ol­fa­ti­va, di­zen­do que aque­le es­pa­ço lhes per­ten­ce

na ho­ri­zon­tal, am­bos têm a fun­ci­o­na­li­da­de de per­mi­tir ao ga­to ar­ra­nhar. Os ar­ra­nha­do­res verticais po­dem dar ao ga­to a opor­tu­ni­da­de de ter aces­so a es­pa­ços al­tos, tão im­por­tan­te pa­ra a sua sen­sa­ção de se­gu­ran­ça den­tro das nos­sas ca­sas. A ori­en­ta­ção do ar­ra­nha­dor tam­bém faz com que fa­ça di­fe­ren­tes exer­cí­ci­os e alon­ga­men­tos.

Al­tu­ra do ar­ra­nha­dor

Exis­tem ar­ra­nha­do­res com di­fe­ren­tes al­tu­ras, op­te pe­los mais al­tos, po­de até ul­tra­pas­sar as nor­mas e op­tar por um do chão ao te­to. Os ar­ra­nha­do­res de car­tão, nor­mal­men­te, são ren­tes ao chão e na ho­ri­zon­tal, mas há al­ter­na­ti­vas na ver­ti­cal.

Pla­ta­for­mas & ces­tos

Quan­do com­pa­rar ar­ra­nha­do­res re­pa­re que al­guns têm pla­ta­for­mas pla­nas e ou­tros têm tú­neis e ces­tos. Ora as pla­ta­for­mas são lo­cais de sal­to, que per­mi­tem su­bir e des­cer de for­ma con­for­tá­vel e se­gu­ra, mas não são zo­nas de descanso que per­mi­tam ao ga­to fi­car no ar­ra­nha­dor a dor­mir. Pla­ta­for­mas com en­cos­to, ces­tos e tú­neis, são lo­cais que per­mi­tem ao ga­to per­ma­ne­cer mais tempo e dor­mir. Por­tan­to quan­do es­co­lher de­ve dar pre­fe­rên­cia a ar­ra­nha­do­res que te­nham lo­cais de sal­to e lo­cais pa­ra descanso.

Es­tru­tu­ra do ar­ra­nha­dor

A es­co­lha de ar­ra­nha­do­res com to­cas ou tú­neis é pre­fe­ren­ci­al se o seu ga­to gos­ta de es­tar em zo­nas es­con­di­do, se­não op­te por ces­tos ou pla­ta­for­mas com en­cos­tos. Exis­tem al­guns que tra­zem brin­que­dos in­cluí­dos, tenha atenção à ma­nu­ten­ção dos mes­mos, quan­do es­ti­ve­rem a fi­car es­tra­ga­dos re­ti­re-os. Por ou­tro la­do, quan­do exis­tem fi­os tenha cui­da­do pois, por ve­zes, os ga­tos po­dem roê-los e aca­bar por in­ge­ri-los. É im­por­tan­te que os pos­tes do ar­ra­nha­dor se­jam fir­mes, ca­so se­jam frá­geis ou ce­dam quan­do o ga­to sal­ta é pro­vá­vel

que es­te não vol­te a usar o ar­ra­nha­dor por lhe cau­sar in­se­gu­ran­ça.

On­de co­lo­car o ar­ra­nha­dor?

Um dos problemas que ha­bi­tu­al­men­te sur­ge é que o ga­to não usa o ar­ra­nha­dor e mui­tas das ve­zes is­so acon­te­ce de­vi­do à lo­ca­li­za­ção. Op­te por um lo­cal da ca­sa on­de pas­se mais tempo, se es­se é im­por­tan­te pa­ra si, tam­bém se­rá pa­ra o seu ga­to. Es­co­lha lo­cais com luz e sol di­re­to, os ga­tos gos­tam de es­tar ao sol, por­tan­to tor­na­rá o seu uso mais ten­ta­dor. Co­lo­car o ar­ra­nha­dor num lo­cal on­de o ga­to já ar­ra­nha tam­bém po­de ser uma boa al­ter­na­ti­va, por exem­plo, co­lo­car um ar­ra­nha­dor de car­tão na ho­ri­zon­tal, so­bre uma car­pe­te on­de já ar­ra­nha. Não de­ve ser co­lo­ca­do jun­to aos re­cur­sos do seu ga­to, ou se­ja, jun­to à co­mi­da, água e ao cai­xo­te de areia.

Co­mo es­ti­mu­lar o ga­to a usar o ar­ra­nha­dor?

Dê tempo ao seu ga­to pa­ra des­co­brir o no­vo ele­men­to da ca­sa, os ga­tos são sen­sí­veis a mu­dan­ças no seu ter­ri­tó­rio, por­tan­to nu­ma fa­se ini­ci­al po­de es­tra­nhar o no­vo ele­men­to e che­gar mes­mo a ig­no­rar que es­te exis­te. Uma for­ma de o atrair é es­fre­gar cat­nip no ar­ra­nha­dor. Mui­tos ga­tos res­pon­dem ao cat­nip, por­tan­to po­de fun­ci­o­nar co­mo atra­ti­vo, al­guns ga­tos não sen­tem es­te chei­ro e por­tan­to não vão res­pon­der. Nu­ma fa­se ini­ci­al co­lo­que snacks nas pla­ta­for­mas do ar­ra­nha­dor, pa­ra in­cen­ti­var o ga­to a ex­plo­rar e conhecer. Po­de atrair o seu ga­to usan­do brin­que­dos do ti­po “ca­na de pes­ca” em que pro­cu­re con­du­zir o ga­to atra­vés da brin­ca­dei­ra pa­ra o ar­ra­nha­dor, fa­cil­men­te irá per­ce­ber que se po­de agar­rar e su­bir, se is­so acon­te­cer de­ve pre­mi­ar es­te mo­men­to com mi­mos.

A es­co­lha de­pen­de da ida­de do ga­to?

O ar­ra­nha­dor de­ve ser apre­sen­ta­do ao ga­to des­de ten­ra ida­de, es­ta é a me­lhor for­ma de ga­ran­tir que o irá usar no fu­tu­ro. Quan­do são mais pe­que­nos po­de­re­mos op­tar por ar­ra­nha­do­res de di­men­sões mais re­du­zi­das e vamos au­men­tan­do o seu ta­ma­nho quan­do já são jo­vens adul­tos.

Quan­tos ar­ra­nha­do­res de­ve­mos ter em ca­sa?

Quem tem ga­to de­ve ter pe­lo me­nos um ar­ra­nha­dor. O nú­me­ro de ar­ra­nha­do­res em ca­sa de­pen­de tam­bém do nú­me­ro de ga­tos que te­mos, de­ve­mos ter mais do que um ar­ra­nha­dor se te­mos mais do que um ga­to. É im­por­tan­te ga­ran­tir que se op­tar por ar­ra­nha­do­res em al­tu­ra o seu ga­to de­ve ter sem­pre pon­tos de fu­ga, ou se­ja, se es­ti­ver num pon­to mais al­to do ar­ra­nha­dor e qui­ser sair sem des­cer pe­lo ar­ra­nha­dor, de­ve con­se­guir sair, sal­tan­do pa­ra as la­te­rais. A exis­tên­cia de pra­te­lei­ras po­de ser uma boa op­ção pa­ra fa­ci­li­tar o sal­to. Es­ta si­tu­a­ção é es­pe­ci­al­men­te im­por­tan­te quan­do há mais do que um ga­to e po­dem ha­ver con­fli­tos en­tre am­bos.

Co­mo evi­tar que ar­ra­nhe a mo­bí­lia?

Pri­mei­ro te­rá que lhe dar al­ter­na­ti­vas, não po­de­mos sim­ples­men­te proi­bir que ar­ra­nhe, lem­bre-se o seu ga­to te­rá sem­pre de ar­ra­nhar. Co­lo­que um ar­ra­nha­dor no lo­cal on­de ar­ra­nha, des­ta for­ma pro­cu­ra­mos que ele ar­ra­nhe on­de qu­e­re­mos e não na mo­bí­lia. Ca­so per­sis­ta em ar­ra­nhar on­de não de­ve po­de co­lo­car fi­ta-co­la de dupla fa­ce. Ao sen­tir-se co­la­do não irá gos­tar da sen­sa­ção e é pro­vá­vel que não vol­te. Tem de ter o cui­da­do de ga­ran­tir que a fi­ta fi­ca mes­mo co­la­da ao mó­vel e não no ga­to quan­do es­te ar­ra­nhar. É pro­vá­vel que a tenha de tro­car di­a­ri­a­men­te, até o ga­to dei­xar de ar­ra­nhar nes­se lo­cal. Po­de tam­bém apli­car um spray com fe­ro­mo­nas fa­ci­ais, nos lo­cais on­de ar­ra­nha, es­ta­rá a di­zer lhe que ali já não precisa de ar­ra­nhar. Se não con­se­guir re­di­re­ci­o­nar o com­por­ta­men­to, o me­lhor é agen­dar uma con­sul­ta de com­por­ta­men­to fe­li­no.

O que não de­ve fa­zer?

Não for­ce o ga­to a usar o ar­ra­nha­dor, co­lo­can­do-o lá ou co­lo­can­do as pa­tas do mes­mo na zo­na on­de qu­er que ar­ra­nhe, is­so po­de pro­du­zir o efei­to opos­to, le­van­do à re­pul­sa pe­lo ar­ra­nha­dor. O com­por­ta­men­to de ar­ra­nhar é na­tu­ral, por is­so não de­ve pu­nir o ga­to quan­do es­te ar­ra­nha em lo­cais não de­se­ja­dos. Te­mos de dar al­ter­na­ti­vas ao nos­so ga­to. Co­mo já foi re­fe­ri­do, ca­so não es­te­ja a che­gar ao re­sul­ta­do de­se­ja­do pro­cu­re aju­da mé­di­co veterinária na área do com­por­ta­men­to fe­li­no.

Es­co­lha um lo­cal com luz e sol di­re­to, os ga­tos gos­tam de es­tar ao sol, por­tan­to tor­na­rá o ar­ra­nha­dor mais ten­ta­dor

Exis­tem mo­de­los de ar­ra­nha­do­res que têm brin­que­dos in­cluí­dos.

Ar­ra­nha­dor ver­ti­cal com pla­ta­for­mas, es­con­de­ri­jos e ces­to.

Há ga­tos que pre­fe­rem ar­ra­nha­do­res de car­tão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.