Ca­sa­co & Bo­tas: O frio e os cães

Há uma ideia ge­ne­ra­li­za­da de que os cães não têm frio, por­que vêm na­tu­ral­men­te equi­pa­dos com uma ca­ma­da de pe­lo e, em ge­ral, a sua tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral é mais al­ta que a dos hu­ma­nos. Mas não é bem as­sim…

Caes & Companhia - - NEWS -

Cães pe­que­nos, cães com pe­lo cur­to e/ou fi­no ou cães tí­pi­cos de cli­mas quen­tes sen­tem o frio mui­to rá­pi­do e quan­do fi­cam ex­pos­tos a tem­pe­ra­tu­ras bai­xas por lon­gos pe­río­dos de tempo de­vem ser pro­te­gi­dos, tal co­mo os hu­ma­nos. O mes­mo se apli­ca a cães que so­frem de cer­tas do­en­ças, co­mo diabetes, problemas car­día­cos ou re­nais, ca­chor­ri­nhos e cães ido­sos que têm mai­or dificuldade em re­gu­lar a tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral. No en­tan­to, cães gran­des, com pe­la­gem den­sa, po­dem fi­car des­con­for­tá­veis ao usar ca­sa­co e até so­bre­a­que­cer. É im­por­tan­te es­tar aten­to aos si­nais do cão pa­ra sa­ber se ele precisa ou não de usar um ca­sa­co. Usar ca­sa­co po­de me­lho­rar bas­tan­te a qua­li­da­de de vi­da e o bem-es­tar do cão tan­to quan­do vai à rua com tem­pe­ra­tu­ras mui­to bai­xas, co­mo quan­do a sua ca­sa es­tá fria no in­ver­no. O ide­al é ves­tir o cão só mes­mo quan­do ele mos­tra si­nais de des­con­for­to com o frio e en­si­ná-lo a acei­tar o ca­sa­co com cal­ma.

Es­co­lher um ca­sa­co

Pa­ra es­co­lher o ca­sa­co pa­ra o seu cão de­ve ter em con­si­de­ra­ção: •Ta­ma­nho: o ca­sa­co de­ve ser jus­to pa­ra que o cão não o con­si­ga ti­rar fa­cil­men­te, mas nun­ca de­ve ser aper­ta­do nem res­trin­gir o mo­vi­men­to. Tenha em atenção que ca­sa­cos de­ma­si­a­do gran­des tam­bém po­dem fa­zer com o cão fi­que pre­so em al­gum sí­tio. •Fei­tio: es­co­lha pe­ças sim­ples e evite ca­sa­cos que têm te­ci­dos pen­du­ra­dos, fe­chos, bo­tões ou ou­tras par­tes que pos­sam ser mas­ti­ga­das ou que pos­sam atra­pa­lhar o mo­vi­men­to. Evite man­gas de­ma­si­a­do com­pri­das – os cães po­dem usar ca­sa­cos, mas não cal­ças. Há ca­sa­cos que têm ti­ras pa­ra pren­der nas pa­tas tra­sei­ras e evi­tar que sai­am do sí­tio. •Ma­te­ri­al: se pas­seia na neve ou chu­va es­co­lha um ma­te­ri­al im­per­meá­vel, que não fi­que en­char­ca­do com a água. Es­co­lha ma­te­ri­ais de fá­cil la­va­gem e que não cau­sem re­a­ções alér­gi­cas ao cão. •Tem­pe­ra­tu­ra: de­ve usar um ca­sa­co de acor­do com a tem­pe­ra­tu­ra, ou se­ja, se a tem­pe­ra­tu­ra é 5ºc de­ve usar um ca­sa­co fi­no, mas se a tem­pe­ra­tu­ra for -5ºc de­ve usar um ca­sa­co mais den­so. •Co­lei­ra ou pei­to­ral: a mai­o­ria dos ca­sa­cos es­tá fei­ta pa­ra usar com co­lei­ras. Há ca­sa­cos que têm uma es­pé­cie de pei­to­ral in­cor­po­ra­do, mas de­ve ter es­pe­ci­al atenção pa­ra ver co­mo es­tes dis­tri­bu­em a for­ça que o cão pos­sa fa­zer pe­lo cor­po. O mais in­di­ca­do é que o cão se­ja en­si­na­do a não pu­xar na tre­la e que use ape­nas uma co­lei­ra quan­do de ca­sa­co.

Os cães gran­des com pe­la­gem den­sa po­dem fi­car des­con­for­tá­veis ao usar ca­sa­co e até so­bre­a­que­cer

Ha­bi­tuá-lo ao ca­sa­co

A pro­ba­bi­li­da­de de o seu cão to­le­rar ves­tir um ca­sa­co é mai­or quan­do o ha­bi­tua des­de mui­to no­vi­nho. Mes­mo se não pla­neia ves­tir o cão com re­gu­la­ri­da­de, não per­de nada em ha­bi­tuá-lo, por­que um dia po­de ter que usar ca­sa­co de­vi­do a al­gu­ma do­en­ça ou até mes­mo rou­pa pós-ci­rúr­gi­ca. Ca­so não o tenha fei­to, não há pro­ble­ma, es­tá sem­pre a tempo de o en­si­nar.

Co­mo en­si­nar o cão a usar ca­sa­co?

Qu­er es­te­ja a en­si­nar um ca­chor­ro ou um cão adul­to, de­ve co­me­çar com um ca­sa­co que se­ja fá­cil de ves­tir, le­ve, que não cu­bra as pa­tas tra­sei­ras, as pa­tas nem a ca­be­ça e que não tenha de en­trar pe­la ca­be­ça. O pri­mei­ro pas­so é mos­trar o ca­sa­co ao cão, dei­xá-lo chei­rar e re­for­çar dan­do uns pe­da­ci­nhos de co­mi­da. Gen­til­men­te de­ve apro­xi­mar o ca­sa­co do cão e re­for­ce com co­mi­da. O ob­je­ti­vo é con­se­guir to­car com o ca­sa­co no cão sem que ele fu­ja. Pou­se o ca­sa­co nas cos­tas do cão e re­for­ce com co­mi­da. De­ve pou­sar pri­mei­ro por bre­ves ins­tan­tes pa­ra que o cão não fu­ja. Au­men­te gra­du­al­men­te o tempo que dei­xa o ca­sa­co nas cos­tas do cão sem aper­tar. Quan­do o cão es­ti­ver con­for­tá­vel com o pas­so an­te­ri­or, co­me­ce a aper­tar o

ca­sa­co, sem­pre re­for­çan­do com co­mi­da. Fa­ça is­to du­ran­te ape­nas uns se­gun­dos e re­ti­re o ca­sa­co de se­gui­da. Só quan­do o cão es­ti­ver con­for­tá­vel com o pro­ces­so de aper­tar o ca­sa­co é que de­ve au­men­tar o tempo du­ran­te o qual o cão es­tá ves­ti­do. To­dos os pas­sos de­vem ser re­for­ça­dos com co­mi­da pa­ra que o cão as­so­cie o ca­sa­co a al­go po­si­ti­vo. É im­por­tan­te que dê a co­mi­da en­quan­to es­tá com o ca­sa­co ves­ti­do e ces­se ime­di­a­ta­men­te quan­do ti­ra o ca­sa­co pa­ra que ele as­so­cie o ca­sa­co à refeição! Se em al­gum mo­men­to o cão mos­trar si­nais de des­con­for­to, vol­te um pas­so atrás e con­ti­nue com mais cal­ma.

E as bo­tas?

O uso de bo­tas tor­na-se im­por­tan­te quan­do há neve e ge­lo, por­que as tem­pe­ra­tu­ras bai­xas fa­zem com que a água que se acu­mu­la nas pa­tas dos cães for­me bo­las de ge­lo que po­dem re­sul­tar em le­sões. Es­ta bo­las de ge­lo tam­bém se po­dem for­mar quan­do um cão se exer­ci­ta bas­tan­te em tem­pe­ra­tu­ras mui­to bai­xas e a pró­pria trans­pi­ra­ção atra­vés das pa­tas con­ge­la. Na épo­ca fria tam­bém é ne­ces­sá­rio pro­te­ger as pa­tas dos cães do sal e ou­tros pro­du­tos po­ten­ci­al­men­te tó­xi­cos usa­dos pa­ra der­re­ter o ge­lo. Mes­mo os cães ha­bi­tu­a­dos a tem­pe­ra­tu­ras bai­xas be­ne­fi­ci­am de usar bo­tas pa­ra evi­tar le­sões re­la­ci­o­na­das com a acu­mu­la­ção de ge­lo nas pa­tas. As bo­tas tam­bém po­dem ser mui­to úteis quan­do as tem­pe­ra­tu­ras são al­tas e as pa­tas dos cães ten­dem a gre­tar por se­car de­ma­si­a­do ou quan­do cães com as pa­tas fra­gi­li­za­das têm que ca­mi­nhar em su­per­fí­ci­es ás­pe­ras ou ru­go­sas.

Co­mo es­co­lher as bo­tas?

Pa­ra es­co­lher bo­tas de­ve ter em con­si­de­ra­ção al­guns fa­to­res: •O ma­te­ri­al de­ve ser à pro­va de água; •As bo­tas de­vem per­mi­tir a trans­pi­ra­ção atra­vés das pa­tas sem acu­mu­lar hu­mi­da­de no in­te­ri­or; •A so­la de­ve ser ru­go­sa pa­ra não es­cor­re­gar em su­per­fí­ci­es li­sas ou com ge­lo; •A so­la de­ve ser ma­leá­vel e per­mi­tir o

mo­vi­men­to na­tu­ral das pa­tas; •O ta­ma­nho de­ve ser o ade­qua­do pa­ra que o cão se sin­ta o mais con­for­tá­vel pos­sí­vel.

Se­rá que precisa de bo­tas?

Al­guns si­nais de que o seu cão precisa de bo­tas: •O cão le­van­ta as pa­tas de for­ma es­tra­nha quan­do es­tá a an­dar; •O cão lam­be de­ma­si­a­do as al­mo­fa­di­nhas das pa­tas, es­pe­ci­al­men­te du­ran­te o pas­seio; •O cão es­tá a tre­mer e nes­te ca­so tam­bém é ne­ces­sá­rio um ca­sa­co; •As pa­tas do cão es­tão gre­ta­das e se­cas, nes­te ca­so além da uti­li­za­ção de bo­tas as pa­ti­nhas po­dem precisar de uma ce­ra pro­te­to­ra; •O cão es­tá do­en­te, é mui­to no­vi­nho ou ido­so e, con­se­quen­te­men­te, mais vul­ne­rá­vel; •O cão tem as pa­tas le­si­o­na­das e po­de, por is­so, de­sen­vol­ver uma in­fe­ção ou ir­ri­ta­ção.

Co­me­ce o trei­no quan­do o seu cão ain­da não precisa de usar o ca­sa­co e/ou as bo­tas, pois re­quer tempo e pa­ci­ên­cia

En­si­nar o cão a usar bo­tas

Quan­do cal­ça­mos bo­tas a um cão pe­la pri­mei­ra vez o mais na­tu­ral é que eles fi­quem des­con­for­tá­veis, que as ti­rem ou se re­cu­sem a ca­mi­nhar. É ne­ces­sá­rio en­si­nar o cão a usar as bo­tas gra­du­al­men­te, mui­to an­tes de ele re­al­men­te precisar de as usar! Aqui fi­cam al­guns pas­sos pa­ra en­si­nar o cão a acei­tar as bo­tas: 1. En­fie uma bo­ta nu­ma pa­ta do cão sem aper­tar, dê um pe­da­ci­nho de co­mi­da e re­ti­re a bo­ta lo­go de se­gui­da. Re­pi­ta vá­ri­as ve­zes pa­ra ca­da pa­ta in­di­vi­du­al­men­te; 2. En­fie uma bo­ta nu­ma pa­ta do cão, aper­te a bo­ta, dê um pe­da­ci­nho de co­mi­da e re­ti­re a bo­ta. Re­pi­ta vá­ri­as ve­zes pa­ra ca­da pa­ta in­di­vi­du­al­men­te; 3. Cal­ce uma bo­ta ao cão e in­cen­ti­ve-o a dar um pas­so. As­sim que ele o fi­zer, dê-lhe um pe­da­ci­nho de co­mi­da e re­ti­re a bo­ta. Re­pi­ta vá­ri­as ve­zes pa­ra ca­da pa­ta; 4. Cal­ce du­as bo­tas e re­pi­ta o pon­to 2 e 3; 5. Cal­ce três bo­tas e re­pi­ta o pon­to 2 e 3; 6. Cal­ce todas e re­pi­ta o pon­to 2 e 3; 7. Ago­ra que con­se­gue que o cão dê um pas­so em fren­te com as qua­tro bo­tas cal­ça­das, co­me­ce a au­men­tar gra­du­al­men­te o tempo que tem as bo­tas cal­ça­das e a dis­tân­cia que o cão ca­mi­nha.

Trei­no e pa­ci­ên­cia

É im­por­tan­te que si­ga o rit­mo do cão e que avan­ce no trei­no sem­pre que es­te es­te­ja con­for­tá­vel. Quan­to mai­or a in­te­ra­ção com o cão en­quan­to tem o ca­sa­co ves­ti­do e/ou as bo­tas cal­ça­das, me­nos tempo o cão tem pa­ra os ten­tar ti­rar e au­men­ta a pro­ba­bi­li­da­de de su­ces­so. É mui­to im­por­tan­te co­me­çar es­te trei­no quan­do o cão ain­da não precisa de usar o ca­sa­co e/ou bo­tas, por­que re­quer tempo e pa­ci­ên­cia. Ca­so não in­vis­ta o tempo ne­ces­sá­rio pa­ra en­si­nar o cão, cor­re o ris­co de o cão re­a­gir mal sem­pre que lhe ten­tar ves­tir o ca­sa­co ou cal­çar as bo­tas e as­sim com­pro­me­te­rá o trei­no fu­tu­ro. Se o seu cão não es­tá ha­bi­tu­a­do e não se sen­te con­for­tá­vel quan­do ma­nu­se­a­do, pri­mei­ro de­ve in­ves­tir al­gum tempo de trei­no ape­nas a ha­bi­tuá-lo a ser ma­nu­se­a­do. Ca­so o cão lhe ros­ne em al­gum mo­men­to do trei­no, de­ve pa­rar ime­di­a­ta­men­te o trei­no. Ten­te per­ce­ber o que le­vou o cão a ros­nar e ca­so não con­si­ga avan­çar mais, pro­cu­re aju­da de um trei­na­dor pro­fis­si­o­nal. Nun­ca, em qual­quer cir­cuns­tân­cia, cas­ti­gue ou ig­no­re o ros­nar do cão. Es­te é um si­nal cla­ro de des­con­for­to e a seguir po­de vir uma mor­di­da.

O ide­al é ves­tir o cão só mes­mo quan­do ele mos­tra si­nais de des­con­for­to com o frio e en­si­ná-lo a acei­tar o ca­sa­co com cal­ma.

Pa­ra en­si­nar o cão a acei­tar as bo­tas co­me­ça­mos por en­fi­ar a bo­ta nu­ma pa­ta, pri­mei­ro sem aper­tar, dan­do um pe­da­ci­nho de co­mi­da e re­pe­tin­do pa­ra ca­da pa­ta in­di­vi­du­al­men­te.

Se pas­seia na neve ou com chu­va es­co­lha ma­te­ri­ais im­per­meá­veis.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.