Do­ber­mann

Uma no­va ima­gem!

Caes & Companhia - - NEWS -

An­tes de ini­ci­ar­mos es­te ar­ti­go, não po­de­mos dei­xar de re­fe­rir que o Do­ber­mann, mais do que qual­quer ou­tra ra­ça, sem­pre te­ve as­so­ci­a­do à sua ima­gem o cor­te das ore­lhas e a am­pu­ta­ção de cau­da. A sua ver­da­dei­ra ima­gem de mar­ca!

Mas, a par­tir de 1 de agos­to de 2016, o es­ta­lão da ra­ça so­men­te con­tem­pla exem­pla­res in­tei­ros, is­to é, de ore­lhas e cau­da na­tu­rais, dei­xan­do de se po­der apre­sen­tar exem­pla­res am­pu­ta­dos nas ma­ni­fes­ta­ções des­por­ti­vas em Por­tu­gal – de acor­do com as nor­mas apro­va­das pe­lo Clu­be Por­tu­guês de Ca­ni­cul­tu­ra – e em gran­de par­te de paí­ses eu­ro­peus. Den­tro do qu­a­dro da Fe­de­ra­ção Ci­no­ló­gi­ca In­ter­na­ci­o­nal (FCI), a le­gis­la­ção de al­guns paí­ses per­mi­te o cor­te de ore­lhas e a am­pu­ta­ção de cau­da; as­sim, e até 2024, exis­ti­rá um pe­río­do de tran­si­ção, po­den­do exem­pla­res am­pu­ta­dos par­ti­ci­par em Ex­po­si­ções e em ou­tros ti­pos de ma­ni­fes­ta­ções des­por­ti­vas.

No­va ima­gem! O mes­mo cão!

Mas o Do­ber­mann, com a sua ener­gia, tem­pe­ra­men­to e “ale­gria de vi­ver”, con­ti­nu­a­rá a ser o mes­mo cão fan­tás­ti­co, atre­vi­do e que tan­tas ale­gri­as dá aos seus “ami­gos”. Efe­ti­va­men­te, ore­lhas e cau­das na­tu­rais em nada pre­ju­di­cam o tem­pe­ra­men­to da ra­ça, os seus ins­tin­tos na­tu­rais con­ti­nu­am in­tac­tos e as su­as ap­ti­dões, pa­ra os di­ver­sos fins até ho­je uti­li­za­dos, per­ma­ne­cem imu­tá­veis. Com a “no­va ima­gem”, o Do­ber­mann dei­xou de ser tão fa­cil­men­te re­co­nhe­ci­do pe­lo pú­bli­co, sen­do nor­mal pas­sar in­cóg­ni­to jun­to a pes­so­as pou­co iden­ti­fi­ca­das com a al­te­ra­ção ao es­ta­lão.

Prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas

O Do­ber­mann é um cão de ta­ma­nho mé­dio, com­pac­to, poderoso e bem mus­cu­la­do. De ex­pres­são bem viva, tem um por­te ele­gan­te e or­gu­lho­so, que re­fle­te uma gran­de no­bre­za e tem­pe­ra­men­to. É enér­gi­co, de­ci­di­do, valente, le­al e obe­di­en­te. A ní­vel de pro­por­ções, o Do­ber­mann, so­bre­tu­do o ma­cho, es­tá pra­ti­ca­men­te ins­cri­to num qua­dra­do. No ma­cho, o com­pri­men­to do tron­co (me­di­do da par­te an­te­ri­or do pei­to até à pon­ta da ná­de­ga) não de­ve ul­tra­pas­sar mais de 5% (na fê­mea não mais de 10%) da al­tu­ra me­di­da na cruz. A al­tu­ra na cruz nos ma­chos va­ria en­tre 68 a 72 cm, com 40 a 45 kg. A al­tu­ra nas fê­me­as va­ria en­tre 63 a 68 cm, com 32 a 35 kg. Em am­bos os se­xos é de­se­já­vel uma al­tu­ra mé­dia.

Tem­pe­ra­men­to

O tem­pe­ra­men­to do Do­ber­mann, de acor­do com o es­ta­lão, é afá­vel e pa­cí­fi­co; no am­bi­en­te fa­mi­li­ar, é bas­tan­te de­di­ca­do e gen­til com cri­an­ças. Pro­cu­ra-se um tem­pe­ra­men­to com ins­tin­tos e ní­veis de re­a­ção de in­ten­si­da­de

Com a “no­va ima­gem”, de ore­lhas e cau­da na­tu­rais, o Do­ber­mann pas­sa ago­ra mais des­per­ce­bi­do jun­to ao pú­bli­co

mé­dia. Re­la­ti­va­men­te fá­cil de edu­car e com ap­ti­dões pa­ra o tra­ba­lho ca­ni­no, o Do­ber­mann de­ve ser efi­caz, co­ra­jo­so e de ca­rá­ter bem de­fi­ni­do. Sem­pre aten­to a tu­do o que se pas­sa em seu re­dor, de­ve ser o mais se­gu­ro pos­sí­vel em todas as cir­cuns­tân­ci­as.

Ap­ti­dões do Do­ber­mann

Em ter­mos gerais e, na sua gé­ne­se, o Do­ber­mann era um cão de gu­ar­da e de pro­te­ção pes­so­al. Nos pri­mei­ros tem­pos foi es­sa a sua prin­ci­pal fun­ção, ten­do mais tar­de si­do ado­ta­do tam­bém co­mo cão po­lí­cia pe­las au­to­ri­da­des ale­mãs. Nos anos 30 do sé­cu­lo pas­sa­do, vá­ri­os exem­pla­res da ra­ça dis­pu­ta­vam Pro­vas de Tra­ba­lho (Schh), ten­do a ra­ça evo­luí­do ao lon­go dos anos pa­ra uma com­po­nen­te mais so­ci­al e des­por­ti­va. A tí­pi­ca e úni­ca uti­li­za­ção co­mo cão de gu­ar­da dei­xou de ser a ima­gem de mar­ca da ra­ça, sen­do ho­je um cão per­fei­ta­men­te adap­ta­do à fa­mí­lia, ao des­por­to ca­ni­no e às exi­gên­ci­as de uma so­ci­e­da­de que se pre­ten­de mais mo­de­ra­da e con­ci­li­a­do­ra.

Co­mo cão de com­pa­nhia

O ti­po de ha­bi­ta­ção on­de se vi­ve não se­rá um mo­ti­vo bá­si­co na es­co­lha de um Do­ber­mann, ten­do o co­nhe­ci­men­to que es­ta ra­ça é bas­tan­te enér­gi­ca – o Do­ber-

mann é um atle­ta – e ne­ces­si­ta de exer­cí­cio diá­rio, que de­ve ser co­me­ça­do tão ce­do quan­to pos­sí­vel. Um bom pas­seio diá­rio, de uma a du­as ho­ras, é fun­da­men­tal pa­ra man­ter o seu cão em per­fei­ta con­di­ção fí­si­ca, após os 12 me­ses de ida­de. No en­tan­to, quan­do ca­chor­ro e após os 4 me­ses, de­vem ser efe­tu­a­dos pas­sei­os mais cur­tos, au­men­tan­do a sua du­ra­ção à me­di­da do seu cres­ci­men­to na­tu­ral. Não sen­do a água o seu ele­men­to pre­fe­ri­do, o Do­ber­mann adap­ta-se per­fei­ta­men­te a na­dar, se es­ti­mu­la­do con­ve­ni­en­te­men­te pa­ra o efei­to. O pe­lo do Do­ber­mann não re­quer mui­to tra­ba­lho, uma ou du­as bo­as es­co­va­de­las por se­ma­na com uma es­co­va que re­mo­va os pe­los mor­tos, nor­mal­men­te, é su­fi­ci­en­te pa­ra man­ter um pe­lo bri­lhan­te. É fun­da­men­tal uma cor­re­ta ali­men­ta­ção pa­ra uma boa qua­li­da­de de pe­lo. Um ba­nho de 2 em 2 me­ses, com pro­du­tos ade­qua­dos, é re­co­men­dá­vel pa­ra a ma­nu­ten­ção de um pe­lo de boa qua­li­da­de.

A ra­ça em Por­tu­gal

O pri­mei­ro exem­plar da ra­ça re­gis­ta­do no nos­so país foi, em 1933, o ma­cho “Lord v. d. Bilds­tei­nhoh­le” (“Ar­no v. d. Bilds­tei­nhoh­le” x “Ri­sa v. d. Bilds­tei­nhoh­le”), nas­ci­do a 1 de novembro de 1932, com o LOP nº 380, e cu­jo cri­a­dor foi Frau Hu­go Pinz. Nes­tes anos se­ri­am nor­mais im­por­ta­ções da Ale­ma­nha, pois era o país de mai­or den­si­da­de po­pu­la­ci­o­nal da ra­ça. Sa­be­mos que, mais tar­de, em fins dos anos 70, iní­cio dos 80, vá­ri­os exem­pla­res pro­ve­ni­en­tes de In­gla­ter­ra de­ram en­tra­da no país; tam­bém na dé­ca­da de 80 fo­ram fei­tas vá­ri­as im­por­ta­ções de Itá­lia, Fran­ça, Ho­lan­da e Ale­ma­nha, que mui­to con­tri­buí­ram pa­ra o me­lho­ra­men­to da ra­ça em Por­tu­gal. Foi nos anos 80 e 90 que se atin­giu o pi­co da po­pu­la­ri­da­de da ra­ça no nos­so país, com re­gis­tos mé­di­os no Li­vro de Ori­gens (LOP) a ron­dar os 500-600 exem­pla­res por ano. Nos úl­ti­mos 3 a 4 anos a mé­dia de re­gis­tos não tem ul­tra­pas­sa­do os 220 exem­pla­res por ano, mui­to mo­ti­va­do por ra­zões so­be­ja­men­te co­nhe­ci­das por to­dos.

O que é o ZTP?

A in­tro­du­ção, obri­ga­tó­ria na Ale­ma­nha, du­ran­te os anos 70 do tes­te de ZTP (Pro­va de ap­ti­dão pa­ra a Reprodução do Do­ber­mann Ve­rein) pa­ra fins de reprodução, veio es­ta­bi­li­zar um tem­pe­ra­men­to que, no seu iní­cio, era ba­se­a­do em ins­tin­tos re­la­ti­va­men­te al­tos e re­a­gi­am de uma for­ma bas­tan­te rá­pi­da a qual­quer ti­po de es­tí­mu­los. Atu­al­men­te es­te tes­te é re­a­li­za­do na mai­o­ria dos paí­ses eu­ro­peus, ten­do-se

A ADP re­a­li­za anu­al­men­te o Cam­pe­o­na­to de IPO, pois a com­po­nen­te de tra­ba­lho des­por­ti­vo

é mui­to im­por­tan­te na ra­ça Do­ber­mann

tor­na­do, em ter­mos de cri­a­ção, uma re­fe­rên­cia na ra­ça. Tam­bém em Por­tu­gal o ZTP é re­a­li­za­do fre­quen­te­men­te; com efei­to, des­de 1996 or­ga­ni­za­ram-se 18 tes­tes, com a pre­sen­ça de 116 exem­pla­res, dos quais 91 cer­ti­fi­ca­dos pa­ra reprodução, cor­res­pon­den­do a cer­ca de 80% dos exem­pla­res pre­sen­tes.

Re­qui­si­tos pa­ra efe­tu­ar o ZTP

São vá­ri­os os re­qui­si­tos obri­ga­tó­ri­os pa­ra um exem­plar ser sub­me­ti­do ao tes­te: •Re­gis­to num Li­vro de Ori­gens re­co­nhe­ci­do por uma das Fe­de­ra­ções Ca­ni­nas In­ter­na­ci­o­nais; •Cer­ti­fi­ca­do do exa­me de dis­pla­sia co­xo­fe­mu­ral (HD) re­co­nhe­ci­do pe­lo Do­ber­mann Ve­rein (A ou B); •Cer­ti­fi­ca­do de Vw (Von Wil­le­brand-he­mo­fi­lia ca­ni­na) com re­sul­ta­do de li­vre ou por­ta­dor; •Cer­ti­fi­ca­dos de HD dos pro­ge­ni­to­res re­co­nhe­ci­dos pe­lo Do­ber­mann Ve­rein (A ou B); •Cer­ti­fi­ca­do de BH (pro­va de obe­di­ên­cia/ so­ci­a­bi­li­da­de) re­co­nhe­ci­do pe­la FCI.

Cer­ti­fi­ca­do de Ap­ti­dão à Reprodução

Den­tro do qu­a­dro da As­so­ci­a­ção Do­ber­mann de Por­tu­gal (ADP), re­a­li­za­mos des­de 2014 um tes­te se­me­lhan­te ao ZTP de­no­mi­na­do Cer­ti­fi­ca­do de Ap­ti­dão à Reprodução (CAR). Es­te tes­te já é re­co­nhe­ci­do pe­la en­ti­da­de ca­ni­na na­ci­o­nal, sen­do o re­sul­ta­do pu­bli­ca­do no Li­vro de Ori­gens dos exem­pla­res que su­pe­ram o tes­te. Pa­ra in­for­ma­ções adi­ci­o­nais os in­te­res­sa­dos po­dem con­sul­tar o web­si­te da ADP no ca­pí­tu­lo cri­a­ção.

O pri­mei­ro exem­plar da ra­ça re­gis­ta­do no nos­so país foi em 1933, sen­do nos anos 80 e 90 que se atin­giu o pi­co da po­pu­la­ri­da­de

A es­co­lha de um Do­ber­mann

Tal co­mo acon­te­ce com a mai­o­ria das ra­ças mé­di­as ou gi­gan­tes, de­vem os fu­tu­ros pro­pri­e­tá­ri­os de um Do­ber­mann to­mar atenção às su­as ca­rac­te­rís­ti­cas. Se pre­ten­dem uma ra­ça “pa­chor­ren­ta” e de pou­ca ati­vi­da­de, pois o Do­ber­mann não se­rá a ra­ça a ele­ger. Com efei­to, o Do­ber­mann é uma ra­ça bas­tan­te ati­va, ne­ces­si­ta de mui­to exer­cí­cio e de pro­pri­e­tá­ri­os dis­po­ní­veis pa­ra o acom­pa­nhar. Os exem­pla­res Do­ber­mann são, de uma for­ma ge­ral, de fá­cil con­vi­vên­cia fa­mi­li­ar, ne­ces­si­tan­do de al­gum tempo pa­ra li­da­rem com es­tra­nhos no seu ter­ri­tó­rio. Não nos po­de­mos es­que­cer que na sua gé­ne­se o Do­ber­mann é fun­da­men­tal­men­te uma ra­ça de gu­ar­da e pro­te­ção pes­so­al. De qual­quer for­ma, te­mos a cer­te­za que os cri­a­do­res in­for­ma­rão os fu­tu­ros pro­pri­e­tá­ri­os das par­ti­cu­la­ri­da­des da ra­ça. No seu web­si­te a ADP dis­põe de in­for­ma­ção so­bre os cri­a­do­res só­ci­os da As­so­ci­a­ção.

Ma­cho ou fê­mea?

Che­gan­do à con­clu­são que o Do­ber­mann é a ra­ça elei­ta pe­los fu­tu­ros pro­pri­e­tá­ri­os, de­vem os mes­mos pon­de­rar en­tre ma­cho e fê­mea, ne­gro ou cas­ta­nho. Quan­to ao se­xo, e co­mo acon­te­ce de uma for­ma ge­ral com todas as ra­ças ca­ni­nas, os ma­chos são nor­mal­men­te mais do­mi­nan­tes e ne­ces­si­tam tam­bém de en­ten­der qual o seu lu­gar no fu­tu­ro am­bi­en­te fa­mi­li­ar, bem co­mo as re­gras a seguir. As fê­me­as são nor­mal­men­te mais ma­leá­veis e ma­no­brá­veis, po­den­do ser uma óti(ca­fé

A so­ci­a­li­za­ção dos ca­chor­ros de­ve ter iní­cio lo­go no cri­a­dor e o fu­tu­ro do­no de­ve dar con­ti­nui­da­de a es­te tra­ba­lho

ma op­ção pa­ra pro­pri­e­tá­ri­os com pou­ca ex­pe­ri­ên­cia.

Co­res da pe­la­gem

Em re­la­ção à cor, o stan­dard da ra­ça apro­va­do pe­lo Do­ber­mann Ve­rein e pe­la FCI, só con­tem­pla as co­res ne­gro e cas­ta­nho; no en­tan­to o Ame­ri­can Ken­nel Club per­mi­te a ins­cri­ção no res­pe­ti­vo Li­vro de Ori­gens de exem­pla­res de cor azul e isa­be­la com lei­te). No nos­so país as co­res ha­bi­tu­ais dis­po­ní­veis são o ne­gro e o cas­ta­nho afo­gue­a­dos, com pre­do­mi­nân­cia dos pri­mei­ros, por ser a cor do­mi­nan­te. Sen­do o cas­ta­nho uma cor bas­tan­te atra­ti­va, tem o se­não de, du­ran­te os me­ses mais quen­tes do ano, po­der tor­nar-se um pou­co mais cla­ro, de­vi­do a de­ma­si­a­da ex­po­si­ção so­lar; por is­so re­co­men­da­mos al­gum cui­da­do aos fu­tu­ros pro­pri­e­tá­ri­os de exem­pla­res cas­ta­nhos, evi­tan­do de­ma­si­a­da ex­po­si­ção so­lar du­ran­te as ho­ras mais quen­tes, de maio a se­tem­bro.

Ge­né­ti­ca das co­res

Na ra­ça Do­ber­mann, o ne­gro (BB) é do­mi­nan­te so­bre o cas­ta­nho re­ces­si­vo (bb), po­den­do os be­ne­fi­ci­a­men­tos se­rem efe­tu­a­dos com exem­pla­res das du­as co­res. O cha­ma­do ne­gro pu­ro-ho­mo­zi­gó­ti­co (BB), quan­do cru­za­do com ne­gro he­te­ro­zi­gó­ti­co (Bb), por­ta­dor do ge­ne re­ces­si­vo pa­ra cas­ta­nho (b), ou com cas­ta­nho (bb), só pro­duz exem­pla­res ne­gros. Dois cas­ta­nhos, am­bos ho­mo­zi­gó­ti­cos re­ces­si­vos (bb), só pro­du­zem exem­pla­res cas­ta­nhos.

Des­pis­tes de saú­de e do­en­ças mais fre­quen­tes

Com a re­a­li­za­ção do pri­mei­ro tes­te de ZTP em 1996, hou­ve ne­ces­si­da­de de efe­tu­ar

os pri­mei­ros des­pis­tes de dis­pla­sia co­xo-fe­mu­ral (HD), pa­ra que os exem­pla­res na­ci­o­nais ins­cri­tos pu­des­sem par­ti­ci­par no tes­te. Des­de en­tão tor­nou-se um há­bi­to, e qua­se uma obri­ga­ção, pa­ra pra­ti­ca­men­te a to­ta­li­da­de de cri­a­do­res e pro­pri­e­tá­ri­os só­ci­os da ADP, efe­tu­ar o des­pis­te aos seus exem­pla­res e pro­ge­ni­to­res, sen­do que so­men­te os graus A ou B são pas­sí­veis de se­rem uti­li­za­dos em reprodução. A ADP pos­sui um pro­to­co­lo com o Hos­pi­tal Ve­te­ri­ná­rio do Por­to e com a Ve­to­ei­ras (na re­gião da gran­de Lis­boa) pa­ra o des­pis­te das prin­ci­pais pa­to­lo­gi­as ine­ren­tes à ra­ça, dis­po­ní­veis pa­ra os associados da ADP com um pre­çá­rio bas­tan­te fa­vo­rá­vel em re­la­ção ao nú­me­ro de exa­mes efe­tu­a­dos. As pa­to­lo­gi­as des­pis­ta­das, a par­tir dos 12 me­ses de ida­de, são as se­guin­tes: dis­pla­sia co­xo-fe­mu­ral, car­di­o­mi­o­pa­tia, ta­ras ocu­la­res, sín­dro­me de Wöb­bler (ins­ta­bi­li­da­de cer­vi­cal ver­te­bral) e sín­dro­me de Von Wil­le­brand. Em 2008 a ADP for­ma­li­zou um pro­to­co­lo com o Cen­tro de Bi­o­di­ver­si­da­de e Re­cur­sos Ge­né­ti­cos da Uni­ver­si­da­de do Por­to (CIBIO-UP) pa­ra o re­gis­to de DNA e ve­ri­fi­ca­ção de pa­ter­ni­da­de. Atu­al­men­te, e de uma for­ma ge­ne­ra­li­za­da em to­da a Eu­ro­pa, as pa­to­lo­gi­as que mais nos pre­o­cu­pam são a car­di­o­mi­o­pa­tia di­la­ta­da e o sín­dro­me de Wöb­bler, prin­ci­pal­men­te por se­rem do­en­ças com ca­rá­ter de pro­gres­si­vi­da­de, is­to é, exem­pla­res que ao efe­tu­a­rem os seus des­pis­tes, após os 12 me­ses, não evi­den­ci­am qual­quer sin­to­ma­to­lo­gia, po­de­rão anos mais tar­de apre­sen­tar si­nais do de­sen­vol­vi­men­to da­que­las pa­to­lo­gi­as. A pre­ven­ção com a re­a­li­za­ção de exa­mes mais fre­quen­tes é a me­lhor so­lu­ção pa­ra a de­ter­mi­na­ção, nu­ma fa­se mais em­bri­o­ná­ria, dos pri­mei­ros sin­to­mas. Pa­ra in­for­ma­ções adi­ci­o­nais os in­te­res­sa­dos po­dem con­tac­tar a ADP pe­lo email: adp.cri­a­cao1@gmail.com

A ADP e o seu per­cur­so des­de 1984

A As­so­ci­a­ção Do­ber­mann de Por­tu­gal foi fun­da­da em 1984, sen­do seu só­cio nº 1 e fun­da­dor Fran­cis­co Sal­va­dor Ja­nei­ro, fi­gu­ra bem co­nhe­ci­da den­tro da ra­ça e na Ca­ni­cul­tu­ra Na­ci­o­nal e In­ter­na­ci­o­nal. Em 1985, no âm­bi­to do Con­gres­so do In­ter­na­ti­o­nal Do­ber­mann Club (IDC), a nor­te de Bar­ce­lo­na, foi so­li­ci­ta­da a in­clu­são da ADP co­mo mem­bro per­ma­nen­te, sen­do nes­te mo­men­to um dos mem­bros mais an­ti­gos da­que­la or­ga­ni­za­ção. Des­de a sua fun­da­ção, sem­pre a ADP cum­priu com as obri­ga­ções es­ta­tu­tá­ri­as pe­ran­te os seus associados, bem co­mo

com a en­ti­da­de ca­ni­na na­ci­o­nal, o Clu­be Por­tu­guês de Ca­ni­cul­tu­ra. A ação da ADP sem­pre foi pau­ta­da por um cer­to pi­o­nei­ris­mo em re­la­ção a di­ver­sos as­pe­tos da ati­vi­da­de ca­ni­na a ní­vel de Clu­bes de Ra­ça; ain­da na dé­ca­da de 80 a ADP re­a­li­zou os pri­mei­ros tes­tes de tem­pe­ra­men­to com juí­zes con­fir­ma­do­res in­ter­na­ci­o­nais; a que se se­gui­ram, nos anos 90, os pri­mei­ros des­pis­tes de HD e a re­a­li­za­ção tam­bém dos pri­mei­ros tes­tes de ZTP, de acor­do com o re­gu­la­men­to do Do­ber­mann Ve­rein. Após o ano 2000, co­mo Clu­be de Ra­ça, a ADP re­a­li­zou as pri­mei­ras pro­vas de tra­ba­lho IPO, de acor­do com as nor­mas da FCI, que se man­têm na atu­a­li­da­de de uma for­ma re­gu­lar. Nas su­as ati­vi­da­des anu­ais a ADP or­ga­ni­za a Ex­po­si­ção Mo­no­grá­fi­ca e Es­pe­ci­a­li­za­da de Cam­pe­o­na­to ADP, nor­mal­men­te du­as Es­pe­ci­ais da Ra­ça in­te­gra­das em Ex­po­si­ções In­ter­na­ci­o­nais, tes­tes de ZTP e CAR, o Cam­pe­o­na­to ADP de tra­ba­lho des­por­ti­vo IPO e a atri­bui­ção dos tí­tu­los de Do­ber­mann Jo­vem e Do­ber­mann do Ano, com re­gu­la­men­to pró­prio apro­va­do em As­sem­bleia-ge­ral de associados. A par­tir de 2017, por pro­pos­ta da ADP e com a par­ti­ci­pa­ção tam­bém do Do­ber­mann Clu­be de Es­pa­nha, es­tão em dis­pu­ta os tí­tu­los de Do­ber­mann Jo­vem Ibé­ri­co e Do­ber­mann Ibé­ri­co, na com­po­nen­te de mor­fo­lo­gia e o tí­tu­lo de Cam­peão Do­ber­mann Ibé­ri­co de IPO, na com­po­nen­te de tra­ba­lho des­por­ti­vo. Re­la­ti­va­men­te ao apoio a associados, fo­ram cri­a­das as Co­mis­sões de Mor­fo­lo­gia, Tra­ba­lho des­por­ti­vo e Cri­a­ção, com res­pon­sá­veis pró­pri­os, que ten­tam da me­lhor for­ma pos­sí­vel es­cla­re­cer e aju­dar os associados nas ne­ces­si­da­des mais pre­men­tes em re­la­ção aos seus exem­pla­res. O êxi­to da ra­ça Do­ber­mann e da ADP de­pen­dem, e mui­to, da ati­vi­da­de dos cri­a­do­res e pro­pri­e­tá­ri­os associados, bem co­mo dos mui­tos ami­gos que a ra­ça tem em Por­tu­gal. To­dos so­mos importantes no con­tí­nuo res­pei­to pe­lo le­ga­do que nos foi dei­xa­do, no fim do sé­cu­lo XIX, pe­lo Sr. Louis Fri­e­dri­ch Do­ber­mann.

No­ta de agra­de­ci­men­to: A ADP agra­de­ce aos cri­a­do­res e pro­pri­e­tá­ri­os que ce­de­ram fo­to­gra­fi­as de exem­pla­res da sua pro­pri­e­da­de pa­ra ilus­trar es­te ar­ti­go.

Exem­plar de cor cas­ta­nho afo­gue­a­do.

Exem­plar de cor ne­gro afo­gue­a­do.

Pro­va de Pis­ta­gem. Iní­cio da pis­ta Grau 3 de IPO pre­vi­a­men­te tra­ça­da por um es­tra­nho.

A Cam­peã ADP/IPO 2015/16 e ven­ce­do­ra da Ta­ça de Por­tu­gal IPO/CPC 2017.

Pro­va de CAR, du­ran­te o exer­cí­cio de pres­são de gru­po de pes­so­as, no qual o exem­plar de­ve mos­trar uma ati­tu­de es­tá­vel.

Do­ber­mann do Ano 2016. Exem­plar com uma ca­be­ça tí­pi­ca, chan­fro e man­dí­bu­las for­tes, pro­por­ção cor­re­ta en­tre crâ­nio e chan­fro (1:1), ei­xos crâ­nio-fa­ci­ais pa­ra­le­los, boa pig­men­ta­ção bo­cal, com ex­ce­len­te cor de olhos e in­ser­ção de ore­lhas.

Pro­va de BH no exer­cí­cio de con­du­ção sem tre­la.

Mo­vi­men­to tí­pi­co do Do­ber­mann.

Me­di­ção da al­tu­ra do exem­plar du­ran­te a pro­va da ZTP.

Con­tro­lo da den­ti­ção de exem­plar du­ran­te a pro­va de ZTP. A den­ti­ção tem de ser cor­re­ta e com­ple­ta (42 den­tes).

Me­lhor Be­bé (4-6 me­ses) do Cam­pe­o­na­to ADP 2017.

Es­pe­ran­ça (9-18 me­ses) do Cam­pe­o­na­to ADP 2017.

1ª Clas­se de Cam­peões do Cam­pe­o­na­to ADP 2017.

Pro­mes­sa (6-9 me­ses) do Cam­pe­o­na­to ADP 2017.

CAC Ma­chos ne­gros do Cam­pe­o­na­to ADP 2017.

Me­lhor da Ra­ça e Re­ser­va do Cam­pe­o­na­to ADP 2017.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.