Cão­ju­ris: Ora di­ga lá, Fre­guês!

No pas­sa­do dia 13 de ou­tu­bro fo­ram apro­va­dos, na ge­ne­ra­li­da­de, três pro­je­tos-lei, to­dos no sen­ti­do da pos­si­bi­li­da­de de per­mis­são de ani­mais em es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais. Mas, em ter­mos prá­ti­cos, em que se tra­duz es­ta apro­va­ção?

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

Em pri­mei­ra res­sal­va, que­re­mos fri­sar que es­ta apro­va­ção no Par­la­men­to não sig­ni­fi­ca que já se en­con­tre em vi­gor qual­quer Lei no sen­ti­do de per­mi­tir que os nos­sos com­pa­nhei­ros se pos­sam jun­tar a nós num jan­tar num res­tau­ran­te ou a des­fru­tar de um ca­fé e um bo­lo nu­ma qual­quer pas­te­la­ria. Sig­ni­fi­ca que exis­tem três pro­je­tos de Lei, apre­sen­ta­dos por três par­ti­dos dis­tin­tos (PAN, BE E PEV) que me­re­ce­ram aco­lhi­men­to da As­sem­bleia e que, ago­ra, te­rão de ser ana­li­sa­dos ao por­me­nor, em to­das as con­di­ções que pro­põem, de mo­do a que de­les nas­ça uma Lei que per­mi­ta, res­pei­tan­do o es­pa­ço de to­dos, a en­tra­da de ani­mais de es­ti­ma­ção em es­ta­be­le­ci­men­tos pú­bli­cos. Mas ain­da há um lon­go per­cur­so a per­cor­rer. Os pro­je­tos à lupa Pa­ra sa­ber o nos­so des­ti­no, é sem­pre im­por­tan­te sa­ber de on­de par­ti­mos. Quer is­to di­zer que é im­por­tan­te per­ce­ber o que ca­da pro­je­to-lei pro­põe e os mol­des que apre­sen­ta, sen­do que, ape­sar de to­dos te­rem si­do apro­va­dos, ca­da um te­ve uma vo­ta­ção dis­tin­ta, com re­sul­ta­dos di­fe­ren­tes, mais ou me­nos abran­gen­tes, ten­do o pro­je­to-lei do PEV si­do o que me­re­ceu mai­or con­so­nân­cia en­tre as ban­ca­das par­la­men­ta­res. Dei­xa­re­mos ao ca­ro lei­tor a mis­são de es­co­lher qu­al dos pro­je­tos-lei con­si­de­ra mais ade­qua­do.

Pro­je­to-lei 172/XIII/1ª – PAN Es­co­lhe­mos co­me­çar a nos­sa aná­li­se pe­lo pro­je­to-lei do PAN, por um sim­ples cri­té­rio cro­no­ló­gi­co. O pro­je­to, de seu no­me “Pos­si­bi­li­da­de de Per­mis­são de Ani­mais em Es­ta­be­le­ci­men­tos Co

mer­ci­ais”, é o mais an­ti­go dos três em con­si­de­ra­ção, da­tan­do de 15/04/2016, sen­do que a sua ca­mi­nha­da co­me­çou ain­da em 2005, atra­vés de uma pe­ti­ção pú­bli­ca. O mes­mo vi­sa a al­te­ra­ção do DL 10/2015, de 16/01 (como, de res­to, to­dos os três pre­ten­dem), atu­al­men­te em vi­gor, uma vez que es­te ve­da o aces­so de ani­mais em es­pa­ços fe­cha­dos que exer­çam ati­vi­da­de de res­tau­ra­ção ou be­bi­das, ain­da que o pro­pri­e­tá­rio o per­mi­ta. Ex­ce­tu­am­se, na­tu­ral­men­te, os cães de as­sis­tên­cia, que go­zam de le­gis­la­ção pró­pria. Ora, con­si­de­ra es­te pro­je­to-lei (e tam­bém nós) que es­ta le­gis­la­ção se en­con­tra de­sa­de­qua­da fa­ce à re­a­li­da­de do nos­so país, on­de o quo­ti­di­a­no é ca­da vez mais o acom­pa­nha­men­to dos ani­mais de es­ti­ma­ção, em qual­quer si­tu­a­ção de vi­da. Aliás, é exa­ta­men­te por cau­sa des­ta proi­bi­ção que, ca­da vez mais, te­mos assistido a si­tu­a­ções ex­tre­mas e, in­clu­si­ve, fa­tí­di­cas pa­ra os ani­mais, es­pe­ci­al­men­te no ve­rão, on­de, por for­ça de se­rem dei­xa­dos nos car­ros, so­frem de­si­dra­ta­ção se­ve­ra e, in­fe­liz­men­te por ve­zes, a mor­te. In­de­pen­den­te­men­te da opi­nião de ca­da um a res­pei­to de uma pos­sí­vel con­du­ta a ser ado­ta­da, cer­to é que, se o ani­mal fi­cou no car­ro, é por­que não pô­de acom­pa­nhar o hu­ma­no, on­de quer que es­te te­nha en­tra­do. O po­ten­ci­al diploma tam­bém vi­sa apro­xi­mar o nos­so qua­dro le­gis­la­ti­vo nes­te te­ma, com os já exis­ten­tes pe­la Eu­ro­pa fo­ra, on­de, a título de exem­plo, em Fran­ça, Itá­lia e Ale­ma­nha, os ani­mais de com­pa­nhia já são per­mi­ti­dos em lo­jas ou res­tau­ran­tes. Con­tu­do, pa­ra tu­do nes­ta vi­da, é ne­ces­sá­rio en­con­trar um meio-ter­mo, que es­te pro­je­to-lei tam­bém im­põe, dei­xan­do ao cri­té­rio de ca­da pro­pri­e­tá­rio de es­ta­be­le­ci­men­to co­mer­ci­al a de­ci­são de per­mi­tir ou proi­bir a en­tra­da de ani­mais de com­pa­nhia. Pa­re­ce-nos uma me­di­da mui­to mais de en­con­tro com o Es­ta­do de Di­rei­to De-

mo­crá­ti­co, uma vez que o atu­al qua­dro im­pe­de a li­vre es­co­lha, afron­tan­do, de cer­to mo­do, o di­rei­to de pro­pri­e­da­de, na me­di­da em que, mes­mo que ha­ja pro­pri­e­tá­ri­os que já te­nham von­ta­de de dei­xar en­trar ani­mais nos seus es­ta­be­le­ci­men­tos, não o po­dem fa­zer. Em con­cre­to, as alterações pro­pos­tas ao De­cre­to-lei em vi­gor pas­sam por ser sem­pre per­mi­ti­da a en­tra­da de ani­mais de com­pa­nhia em es­pa­ços fe­cha­dos, des­de que se ob­ser­vem as dis­po­si­ções le­gais por par­te dos seus de­ten­to­res, ca­ben­do aos pro­pri­e­tá­ri­os dos es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais a es­co­lha so­bre se per­mi­tem a en­tra­da ou não dos ani­mais. Te­rão de as­si­na­lar a sua de­ci­são com um dís­ti­co na en­tra­da do es­ta­be­le­ci­men­to e, ape­sar de tu­do, mes­mo com aces­so per­mi­ti­do, o mes­mo se­rá sem­pre ve­da­do na área de ser­vi­ço. Es­ta me­di­da, além de per­mi­tir a li­vre es­co­lha de um le­que alar­ga­do de pes­so­as (de­ten­to­res de ani­mais e pro­pri­e­tá­ri­os de es­ta­be­le­ci­men­tos) tam­bém im­põe uma mai­or res­pon­sa­bi­li­za­ção, pois que os de­ten­to­res já não te­rão des­cul­pas pa­ra dei­xar os seus com­pa­nhei­ros nos car­ros e as en­ti­da­des ex­plo­ra­do­ras dos es­ta­be­le­ci­men­tos tam­bém te­rão de ser mais aten­tas à ca­pa­ci­da­de má­xi­ma dos mes­mos, pois não po­de­rão per­mi­tir o aces­so a um nú­me­ro de cli­en­tes su­pe­ri­or ao da res­pe­ti­va ca­pa­ci­da­de. É como se diz: com gran­de li­ber­da­de, vem gran­de responsabilidade. Ou­tra das alterações pro­pos­tas vi­sa o de­ver da in­for­ma­ção ao pú­bli­co, tra­du­zin­do-se a mes­ma na obri­ga­ção do pro­pri­e­tá­rio do es­ta­be­le­ci­men­to co­mer­ci­al afi­xar, em lo­cal bem vi­sí­vel,

jun­to à en­tra­da, um dís­ti­co ou si­nal que in­di­que a sua es­co­lha: se per­mi­te ou res­trin­ge a ad­mis­são de ani­mais (ex­ce­ção sem­pre fei­ta aos cães de as

sis­tên­cia). Aqui im­pe­ra tam­bém a ve­lha má­xi­ma quem ca­la, con­sen­te, ou se­ja, ca­so não ha­ja qual­quer si­nal evi­den­ci­a­dor, en­tão pre­su­me-se que os ani­mais são ad­mi­ti­dos. E por aqui se fi­cam as alterações. Pa­re­cen­do pou­cas, são mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vas, pois que, cor­ren­do o ris­co de pa­re­cer po­pu­lis­ta, quan­ti­da­de não sig­ni­fi­ca qua­li­da­de. Ain­da as­sim, sentiu-se a ne­ces­si­da­de de ir um pou­co mais lon­ge e, da­do que a Pe­ti­ção Pú­bli­ca que ori­gi­nou es­te pro­je­to-lei reu­niu ape­nas 5.569 as­si­na­tu­ras, te­ve de se pro­cu­rar ou­tras so­lu­ções, daí apa­re­ce­rem no­vos pro­je­tos-lei. Pro­je­to-lei 622/XIII/ 3ª – Blo­co de Es­quer­da Es­te pro­je­to-lei, bem mais no­vo do que o an­te­ri­or, da­ta­do de 06/10/2017, que “Au­to­ri­za a Cri­a­ção de Áre­as de Per­mis­são a Ani­mais em Es­ta­be­le­ci­men­tos Co­mer­ci­ais” vai mui­to de en­con­tro ao pro­pos­to pe­lo PAN, po­rém ten­ta me­di­ar ain­da mais a pos­si­bi­li­da­de de con­vi­vên­cia en­tre ani­mais e hu­ma­nos em es­pa­ços fe­cha­dos, in­tro­du­zin­do a cri­a­ção de uma área es­pe­cí­fi­ca pa­ra a per­ma­nên­cia de ani­mais de com­pa­nhia (um pou­co à se­me­lhan­ça do que acon­te­ce com es­pa- ços mis­tos de fu­ma­do­res e não fu­ma­do­res), que, tal como na pro­pos­ta an­te­ri­or, de­ve­rá ser si­na­li­za­da à en­tra­da do es­ta­be­le­ci­men­to com um dís­ti­co na en­tra­da e ou­tro a si­na­li­zar a área em con­cre­to. As alterações ao DL 10/2015, de 16/01, em con­cre­to, pas­sa­ri­am en­tão pe­la cri­a­ção de uma área es­pe­cí­fi­ca pa­ra a per­ma­nên­cia de ani­mais de com­pa­nhia

A per­mis­são de aces­so aos ani­mais im­põe uma mai­or res­pon­sa­bi­li­za­ção: com gran­de li­ber­da­de, vem gran­de responsabilidade

den­tro dos es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais, des­de que cum­pri­das as obri­ga­ções le­gais por par­te dos por­ta­do­res dos mes­mos, à se­me­lhan­ça do que já acon­te­ce pa­ra os cães de as­sis­tên­cia. Fi­ca­ria, igual­men­te, res­sal­va­da a área de ser­vi­ço e, mais uma vez, a de­ci­são de per­mi­tir ou proi­bir a en­tra­da dos ani­mais, ca­be­ria uni­ca­men­te ao pro­pri­e­tá­rio do es­pa­ço, de­ven­do es­te si­na­li­zar a sua op­ção com os dís­ti­cos já men­ci­o­na­dos. Es­ta pro­pos­ta res­sal­va igual­men­te que a exis­tên­cia ou não de área es­pe­cí­fi­ca pa­ra a per­ma­nên­cia de ani­mais de com­pa­nhia não in­clui os cães de as­sis­tên­cia, que são sem­pre per­mi­ti­dos. A gran­de di­fe­ren­ça des­ta pro­pos­ta pa­ra a pri­mei­ra é que aqui a regra do si­lên­cio como per­mis­são não im­pe­ra, na­da se re­fe­rin­do a es­te res­pei­to. Uma pro­pos­ta, a nos­so ver, mui­to sa­lo­mó­ni­ca, que en­con­trou mui­ta da sua ins­pi­ra­ção, na nos­sa opi­nião, na le­gis­la­ção ati­nen­te à proi­bi­ção e per­mis­são de fu­mo em es­pa­ços fe­cha­dos. Aco­lheu apro­va­ção par­la­men­tar, em mol­des di­fe­ren­tes dos do pro­je­to-lei do PAN e não foi fi­lha úni­ca nes­se dia. Pro­jec­to-lei 623/XIII/ 3ª – PEV No mes­mo dia 06/10/2017, nas­cia a pro­pos­ta que“Pos­si­bi­li­ta a per­ma­nên­cia de Ani­mais em Es­ta­be­le­ci­men­tos Co­mer­ci­ais, sob Con­di­ções Es­pe­cí­fi­cas, Pro­ce­den­doà se­gun­da al­te­ra­ção ao de­cre­toLeinº 10/2015, de 16 de ja­nei­ro ”. Es­te pro­je­to, na sua apre­sen­ta­ção, te­ce du­ras crí­ti­cas à fal­ta de responsabilidade de al­guns – res­sal­va-se, al­guns – de­ten­to­res de ani­mais, que, ou­tra vez com re-

cur­so à sa­be­do­ria po­pu­lar, fa­zem pa­ga­ro jus­to­pe­lo­pe­ca­dor.

De fac­to, pa­ra es­ta pro­pos­ta, a fal­ta de cui­da­do de al­guns hu­ma­nos pa­ra com a con­du­ta pú­bli­ca e so­ci­al dos seus com­pa­nhei­ros de qua­tro pa­tas é que faz com que a opi­nião ge­ral se­ja de des­con­fi­an­ça em re­la­ção a uma mai­or in­te­ra­ção en­tre to­dos. À se­me­lhan­ça dos ou­tros pro­je­tos, es­te tam­bém re­fe­re a pro­ble­má­ti­ca das con­sequên­ci­as que se têm ve­ri­fi­ca­do da proi­bi­ção da en­tra­da dos ani­mais e in­clui um “tra­ba­lho de ex­plo­ra­ção” que che­ga à con­clu­são que há pro­pri­e­tá­ri­os de es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais pa­ra to­dos os gos­tos, per­mi­tin­do uns e proi­bin­do ou­tros o aces­so dos ani­mais e, no que res­pei­ta aos de­ten­to­res, a es­co­lha não dei­xa mar­gem pa­ra dú­vi­das, to­dos pre­fe­ri­am a pos­si­bi­li­da­de de se fa­zer acom­pa­nhar pe­los seus com­pa­nhei­ros. As­sim, pa­ra agra­dar a gre­gos e troi­a­nos, a pro­pos­ta as­sen­ta na li­vre es­co­lha dos pro­pri­e­tá­ri­os dos es­ta­be­le­ci­men­tos, tal como nas an­te­ri­o­res, sem­pre acom­pa­nha­da da de­vi­da si­na­li­za­ção da sua op­ção. Res­sal­va, po­rém, que o bem-es­tar, co­mo­di­da­de e se­gu­ran­ça de to­dos os uti­li­za­do­res dos es­pa­ços têm de ser pre­ser­va­dos an­tes de im­ple­men­tar es-

tas me­di­das, no­me­a­da­men­te, ob­ser­van­do-se cer­tas con­di­ções, como se­jam a proi­bi­ção de li­vre cir­cu­la­ção dos ani­mais no in­te­ri­or dos re­cin­tos ou que per­ma­ne­çam on­de es­tão ex­pos­tos os ali­men­tos, bem como de­ve­rá ser re­le­va­do o com­por­ta­men­to e por­te do ani­mal. In­do um pou­co além das an­te­ri­o­res pro­pos­tas, es­ta de­bru­ça-se tam­bém so­bre a de­fi­ni­ção de ani­mais de com­pa­nhia, pois que, se, pa­ra o gros­so da po­pu­la­ção em ge­ral, se­rão con­si­de­ra­dos como tal os cães e os ga­tos, cer­to é que nem to­dos pen­sam as­sim e, por­tan­to, ca­so não se acau­te­le es­ta si­tu­a­ção, po­de­rão ocor­rer al­gu­mas sur­pre­sas ou si­tu­a­ções ca­ri­ca­tas em al­guns es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais. Des­te mo­do, es­te pro­je­to-lei apre­sen­ta como prin­ci­pais alterações ao diploma em vi­gor o fac­to de po­der ser per­mi­ti­da ou proi­bi­da a per­ma­nên­cia de ani­mais de es­ti­ma­ção em es­pa­ços fe­cha­dos, des­de que o pro­pri­e­tá­rio as­si­na­le a sua op­ção atra­vés de dís­ti­co co­lo­ca­do em lo­cal vi­sí­vel à en­tra­da do es­ta­be­le­ci­men­to, ex­ce­tu­an­do-se, cla­ro es­tá, os cães de as­sis­tên­cia. Da mes­ma for­ma, pas­sa a ser uma in­for­ma­ção obri­ga­tó­ria do es­pa­ço co­mer­ci­al a in­for­ma­ção so­bre a op­ção en­tre per­mis­são ou proi­bi­ção do aces­so de ani­mais (com a mes­ma ex­ce­ção pa­ra os cães de as­sis­tên­cia). Quan­to à for­ma como a per­mis­são é con­ce­di­da, es­te pro­je­to tam­bém vai além dos res­tan­tes, pois que dei­xa igual­men­te ao cri­té­rio dos pro­pri­e­tá­ri­os dos es­pa­ços a de­ci­são de per­mi­tir o aces­so

dos ani­mais à to­ta­li­da­de da área des­ti­na­da a cli­en­tes ou ape­nas nu­ma zo­na de­li­mi­ta­da, que te­rá de ser si­na­li­za­da. Em qual­quer das si­tu­a­ções, os ani­mais não po­de­rão cir­cu­lar li­vre­men­te nos es­ta­be­le­ci­men­tos e não po­de­rão per­ma­ne­cer jun­to aos lo­cais on­de os ali­men­tos es­tão ex­pos­tos, de­ven­do sem­pre cir­cu­lar com tre­la cur­ta ou de

vi­da­men­te acon­di­ci­o­na­dos, con­for­me as su­as pró­pri­as ca­rac­te­rís­ti­cas ou ne­ces­si­da­des e, ain­da que o aces­so se­ja per­mi­ti­do, o mes­mo po­de­rá ser ne­ga­do ca­so o ani­mal, pe­lo seu com­por­ta­men­to ou por­te, per­tur­be o nor­mal fun­ci­o­na­men­to do es­ta­be­le­ci­men­to, à se­me­lhan­ça do que acon­te­ce já com cer­tos hu­ma­nos. E o fu­tu­ro? De to­das as três pro­pos­tas, es­ta úl­ti­ma foi a que aco­lheu mai­or apro­va­ção de en­tre os de­pu­ta­dos, tal­vez por de­mons­trar uma aná­li­se mais cui­da­da da re­a­li­da­de e por se de­bru­çar por ques­tões prá­ti­cas que, cer­ta­men­te, te­rão lu­gar. De to­do o mo­do, os três pro­je­tos des­ce­ram à es­pe­ci­a­li­da­de e irão ser ago­ra dis­se­ca­dos e re­vis­tos, pe­lo que que­re­mos acre­di­tar que a al­te­ra­ção le­gis­la­ti­va que daí sair te­rá o me­lhor dos três. Da nos­sa par­te, dei­xan­do a aná­li­se con­cre­ta do que por aí vi­rá, cer­to é que irão exis­tir alterações e, de uma for­ma ou ou­tra, mais um pas­so se­rá da­do na in­clu­são ani­mal e, mes­mo, na in­clu­são fa­mi­li­ar de quem tem com­pa­nhei­ros de vi­da.

Em Fran­ça, Itá­lia e Ale­ma­nha, os ani­mais de com­pa­nhia já são per­mi­ti­dos em lo­jas ou res­tau­ran­tes.

O DL 10/2015, de 16/01, atu­al­men­te em vi­gor, ve­da o aces­so de ani­mais em es­pa­ços fe­cha­dos que exer­çam ati­vi­da­de de res­tau­ra­ção ou be­bi­das, ain­da que o pro­pri­e­tá­rio o per­mi­ta.

Nas 3 pro­pos­tas

apre­sen­ta­das os pro­pri­e­tá­ri­os po­dem per­mi­tir ou proi­bir a en­tra­da de ani­mais de es­ti­ma­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.