Be­a­gle

O Be­a­gle é um cão pe­que­no e ale­gre, com uma ener­gia ili­mi­ta­da e um gran­de en­tu­si­as­mo pe­la vi­da. Um com­pa­nhei­ro ex­ce­len­te pa­ra pes­so­as de to­das as ida­des, quer como cão de com­pa­nhia, de Ex­po­si­ção ou de ca­ça. Mui­to ver­sá­til, com a sua ex­pres­são sem­pre fe­liz

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

OBe­a­gle faz par­te da fa­mí­lia dos Hound in­gle­ses, que são cães uti­li­za­dos na ca­ça pa­ra se­guir pis­tas de cor­ço e ras­tos. Es­ta fa­mí­lia é com­pos­ta por cin­co ra­ças, to­das apa­ren­ta­das en­tre si: o Foxhound, o Ot­terhound, o Har­ri­er, o Bas­set Hound e o Be­a­gle. A sua ori­gem Du­ran­te a Ida­de Mé­dia ha­via du­as va­ri­e­da­des mui­to nu­me­ro­sas de cães do ti­po sa­bu­jo em In­gla­ter­ra, os do nor­te e os do sul. Tam­bém ha­via uns sa­bu­jos de mai­or ta­ma­nho pa­ra se­guir o ras­to dos veados (pro­va­vel­men­te o Foxhound) e ou­tros mais pe­que­nos pa­ra a ca­ça às le­bres, que se crê te­rem da­do ori­gem aos Be­a­gle e Har­ri­er. As­sim que ra­ças é que se com­bi­na­ram en­tre si pa­ra ori­gi­nar o Be­a­gle? Al­guns es­tu­di­o­sos acre­di­tam que es­te sur­giu atra­vés do cru­za­men­to en­tre o Har­ri­er e o an­ti­go sa­bu­jo do sul de In­gla­ter­ra. A mai­o­ria pa­re­ce apoi­ar a te­o­ria de que o Be­a­gle atu­al de­ri­va, na sua mai­or par­te, do Har­ri­er, que é uma ver­são em mi­ni­a­tu­ra do Foxhound. A sua seleção, ni­nha­da após ni­nha­da, em bus­ca de um cão me­nor, fi­xou o seu ta­ma­nho. Re­ce­ben­do, por ve­zes, o no­me de “Foxhound pe­que­no” ou “Har­ri­er pe­que­no”. Na Mo­nar­quia O Be­a­gle foi uma das ra­ças pre­fe­ri­das da mo­nar­quia in­gle­sa. O po­lé­mi­co Hen­ri­que VIII ti­nha vá­ri­os exem­pla­res e es­ta­be­le­ceu um or­ça­men­to es­pe­ci­al pa­ra o pa­ga­men­to da ali­men­ta­ção e dos bens ne­ces­sá­ri­os pa­ra man­ter as su­as ma­ti­lhas. Mas quem te­ve uma ver­da­dei­ra pai­xão por es­ta ra­ça foi Isa­bel I, nes­ta épo­ca os Be­a­gles eram mui­to pe­que­nos, o seu ta­ma­nho va­ri­a­va en­tre 20 a 25 cm, sen­do cha­ma­dos de “Be­a­gle de bol­so”. The­be­a­gle­club Du­ran­te o sé­cu­lo XIX a ra­ça so­freu al­gu­ma ne­gli­gên­cia e es­te­ve em ris­co de per­der as su­as ca­rac­te­rís­ti­cas. Nes­ta fa­se, al­guns cri­a­do­res co­me­ça­ram a exi­bir os seus cães e foi en­tão que as va­ri­e­da­des de ta­ma­nho e de ti­po se tor­na­ram mais apa­ren­tes, de­sen­ca­de­an­do a opi­nião de que o Be­a­gle es­ta­va em pe­ri­go de se tor­nar uma mi­ni­a­tu­ra do Foxhound com a con­se­quen­te per­da de ti­po. Pa­ra con­tra­por is­to, fo­ram da­dos al­guns pas­sos no sen­ti­do de ori­en­tar a sua cri­a­ção. O Be­a­gle Club foi for­ma­do em 1890, pa­ra pro­mo­ver a ra­ça com ob­je­ti­vos des­por­ti­vos e de Ex­po­si­ção. Um ano de­pois aAs­so­ci ati onof mas ter­sofh ar ri er­sand Be­a­gles as­su­miu a responsabilidade de co­or­de­nar as ati­vi­da­des li­ga­das à ca­ça. Ob­je­ti­vos do The­be­a­gle­club Os ob­je­ti­vos do Clu­be fo­ram pu­bli­ca­dos ori­gi­nal­men­te em 1899 e per­ma­ne­cem inal­te­ra­dos: “Man­tém as su­as por­tas bem aber­tas e dá as bo­as vin­das de for­ma igual àque­le que de­se­ja man­ter ou for­mar os seus exem­pla­res a par­tir de li­nhas an­ti­gas; ao ca­ça­dor que man­tém al­guns ca­sais pa­ra fa­zer os co­e­lhos sair das su­as to­cas ou le­van­tar um fai­são; ao ca­ça­dor de ras­tro que des­fru­ta uma agra­dá­vel e sau­dá­vel tar­de de exer­cí­cio com o pra­zer de ver os seus cães a tra­ba­lhar e es­cu­ta os seus la­ti­dos; ao ex­po­si­tor que tem pra­zer em cri­ar pe­la per­fei­ção, até on­de vai a be­le­za, e que re­a­li­za um tra­ba­lho mui­to útil por dar a co­nhe­cer a be­le­za da ra­ça; à se­nho­ra que con­si­de­ra o Be­a­gle o mais in­te­li­gen­te e in­te­res­san­te dos ani­mais de es­ti­ma­ção; por úl­ti­mo, mas cer­ta­men­te não me­nos im­por­tan­te, o ca­ça­dor an­cião cu­jos di­as de ca­ça fi­ca­ram pa­ra trás, mas que man­tém as su­as re­cor­da­ções do que foi e que nos une nu­ma con­ver­sa so­bre as su­as ex­pe­ri­ên­ci­as de va­lor ines­ti­má­vel pa­ra as ge­ra­ções mais jo­vens. To­dos es­tão ago­ra uni­dos com um mes­mo ob­je­ti­vo.” Ori­gem do no­me A ori­gem do no­me é obs­cu­ra, exis­tin­do vá­ri­as opi­niões so­bre es­te as­sun­to.

Al­guns acre­di­tam que de­ri­va do ter­mo “Be­gle”, em in­glês ar­cai­co. Ou­tros de­fen­dem que de­ri­va de “Beigh”, do fran­cês ar­cai­co ou do ter­mo cel­ta “Be­ag”. Em to­dos es­tes ca­sos, o ter­mo sig­ni­fi­ca “pe­que­no”. Ou­tra opi­nião é que o no­me Be­a­gle é uma ver­são in­gle­sa da pa­la­vra fran­ce­sa “Be­gueu­le”, que sig­ni­fi­ca gar­gan­ta, nu­ma re­fe­rên­cia à sua voz úni­ca. Cão de ca­ça... Em pri­mei­ro lu­gar, e so­bre­tu­do, es­te era es­sen­ci­al­men­te um cão de ca­ça, um ver­da­dei­ro sa­bu­jo, com um ins­tin­to na­tu­ral pa­ra a ca­ça. É um es­pe­ci­a­lis­ta na ca­ça à le­bre, sen­do tam­bém uti­li­za­do na ca­ça ao fai­são. A sua ver­sa­ti­li­da­de como cão de ca­ça é no­tá­vel, des­ta­can­do-se como cão de ras­to, com o seu ol­fa­to ex­ce­ci­o­nal. Quan­do o Be­a­gle ca­ça em gru­po, fá­lo por ins­tin­to e por edu­ca­ção. Du­ran­te sé­cu­los, fo­ram se­le­ci­o­na­dos os cães que apre­sen­ta­vam com­por­ta­men­tos idên­ti­cos, sen­do da­da a pri­o­ri­da­de aos que mos­tra­vam ter um bom sen­ti­do de co­e­são do gru­po. Os cães de ta­ma­nho mé­dio e mar­cha equi­li­bra­da eram os pre­fe­ri­dos e as­sim se de­sen­vol­veu uma ma­ti­lha ex­tra­or­di­na­ri­a­men­te ho­mo­gé­nea, que con­tri­buiu pa­ra o gran­de êxi­to da ra­ça. ...e não só Atu­al­men­te são uti­li­za­dos por ofi­ci­ais das al­fân­de­gas pa­ra “chei­rar” dro­gas ile­gais nos ae­ro­por­tos. São tam­bém usa­dos pa­ra de­te­tar ves­tí­gi­os de subs­tân­ci­as in­fla­má­veis, usa­das pa­ra de­fla­grar ou in­ten­si­fi­car in­cên­di­os, no ca­so de ha­ver sus­pei­ta de fo­go pos­to. Tris­te re­cor­de Es­te cão com um ar tão ale­gre e ami­gá­vel de­tém um re­cor­de mui­to tris­te, pois era uma das ra­ças mais uti­li­za­das na ex­pe­ri­men­ta­ção de pro­du­tos. Es­te pa­pel tão in­de­se­já­vel sur­giu no sé­cu­lo XX quan­do as su­as ca­rac­te­rís­ti­cas tão apre­ci­a­das, como o ta­ma­nho, so­ci­a­bi­li­da­de, tem­pe­ra­men­to e ro­bus­tez a ní­vel de saú­de fo­ram usa­dos por in­ves­ti­ga­do­res em ex­pe­ri­ên­ci­as de no­vos pro­du­tos. Tra­gi­ca­men­te, cen­te­nas de Be­a­gles fo­ram cri­a­dos e usa­dos com es­te pro­pó­si­to, até à opi­nião pú­bli­ca se co­me­çar a ma­ni­fes­tar ati­va­men­te con­tra es­te ti­po de ati­vi­da­de Apa­rên­cia ge­ral da ra­ça É um cão de es­tru­tu­ra cor­po­ral com­pac­ta e ro­bus­ta, que dá a im­pres­são de qua­li­da­de sem ser tos­co. A ca­be­ça de­ve ter a lon­gi­tu­de ade­qua­da. É po­ten-

A sua ver­sa­ti­li­da­de como cão de ca­ça é no­tá­vel, des­ta­can­do-se como cão de ras­to, com o seu ol­fa­to ex­ce­ci­o­nal

Como cão de com­pa­nhia o Be­a­gle tem um tem­pe­ra­men­to afá­vel, é ati­vo e ado­ra brin­car, so­bre­tu­do com cri­an­ças

te, sem ser tos­ca, mais fi­na nas fê­me­as, li­vre de ru­gas. Crâ­nio li­gei­ra­men­te ar­re­don­da­do. Stop bem de­fi­ni­do. O fo­ci­nho não é pon­ti­a­gu­do. Na­riz lar­go e pre­to de pre­fe­rên­cia, em­bo­ra se per­mi­ta uma pig­men­ta­ção ate­nu­a­da nos exem­pla­res de co­res cla­ras. Os olhos são cas­ta­nho-es­cu­ro, bas­tan­te gran­des, não pro­e­mi­nen­tes, bem se­pa­ra­dos um do ou­tro, com uma ex­pres­são do­ce e sim­pá­ti­ca. As ore­lhas são lon­gas, com a pon­ta ar­re­don­da­da, a qu­al al­can­ça o ex­tre­mo do na­riz quan­do as ore­lhas são di­ri­gi­das pa­ra a fren­te. De bai­xa in­ser­ção, tex­tu­ra fi­na, ca­em gra­ci­o­sa­men­te jun­to aos ma­xi­la­res. O pes­co­ço é su­fi­ci­en­te­men­te com­pri­do pa­ra per­mi­tir que se in­cli­ne quan­do se­gue um ras­to. Li­gei­ra­men­te ar­que­a­do, com uma pe­que­na pa­pa­da. A li­nha su­pe­ri­or do cor­po é re­ta e ni­ve­la­da. Lom­bo cur­to, mas bem ba­lan­ce­a­do, po­de­ro­so e fle­xí­vel. O pei­to des­ce até de­bai­xo dos co­to­ve­los. Cos­te­las bem ar­que­a­das. Ven­tre não ex­ces­si­va­men­te le­van­ta­do. A cau­da de­ve ser for­te, de in­ser­ção al­ta, le­van­ta­da ale­gre­men­te em for­ma de sa­bre. De com­pri­men­to mé­dio e adel­ga­ça­da na pon­ta man­ten­do-se, quan­do em mo­vi­men­to, ere­ta e não caí­da pa­ra trás nem cur­va­da pa­ra a fren­te. Bem co­ber­ta de pe­lo, so­bre­tu­do na sua par­te in­fe­ri­or. Os mem­bros di­an­tei­ros são re­tos, ver­ti­cais e bem co­lo­ca­dos de­bai­xo do cor­po. Os mem­bros não di­mi­nu­em até aos pés. Om­bros co­lo­ca­dos pa­ra trás, não pe­sa­dos. Co­to­ve­los fir­mes, sem des­vi­os pa­ra fo­ra ou pa­ra den­tro. A al­tu­ra até ao co­to­ve­lo é qua­se a me­ta­de da al­tu­ra à cruz. Me­ta­car­pos cur­tos. Os mem­bros pos­te­ri­o­res pos­su­em mús­cu­los de­sen­vol­vi­dos. Jo­e­lhos an­gu­la­res. Ar­ti­cu­la­ções ti­bi­o­tar­si­a­nas fir­mes, de colocação bai­xa e pa­ra­le­las en­tre si. Os pés são com­pac­tos e fir­mes. Bem ar­ti­cu­la­dos, com al­mo­fa­di­nhas for­tes. Não apre­sen­ta pés de le­bre. Unhas cur­tas.

A sua al­tu­ra ao gar­ro­te va­ria en­tre os 33 cm (mí­ni­mo de­se­já­vel) e os 40 cm (má­xi­mo de­se­já­vel). As co­res do Be­a­gle As co­res des­ta ra­ça cau­sam gran­de con­tro­vér­sia en­tre cri­a­do­res, ex­po­si­to­res e juí­zes. Oca­si­o­nal­men­te, quan­do jul­ga­dos por juí­zes que não são es­pe­ci­a­lis­tas nes­ta ra­ça e que não es­tão fa­mi­li­a­ri­za­dos com a gran­de va­ri­e­da­de de co­res que se po­dem en­con­trar nos Be­a­gle, es­tes ten­dem a pre­fe­rir o tra­di­ci­o­nal tri­co­lor. No seu es­ta­lão re­fe­re-se que é per­mi­ti­da “qual­quer cor re­co­nhe­ci­da pa­ra os Hound, ex­ce­to a cor de fí­ga­do, com a pon­ta da cau­da bran­ca”. Is­to sig­ni­fi­ca que ne­nhu­ma cor ou com­bi­na­ção de co­res é mais cor­re­ta que ou­tra. Em re­la­ção à sua dis­tri­bui­ção, não in­te­res­sa, des­de que a pon­ta da cau­da se­ja bran­ca. Exis­tem três co­res con­si­de­ra­das bá­si­cas: o bran­co, o pre­to e o cas­ta­nho. Tem­pe­ra­men­to Des­ti­na­do a ser um cão de ca­ça tem ca­da vez mais po­pu­la­ri­da­de como cão de fa­mí­lia, pe­lo seu tem­pe­ra­men­to es­tá­vel, ta­ma­nho e fá­cil ma­nu­ten­ção. O Be­a­gle é um com­pa­nhei­ro enér­gi­co e fi­el, com um ca­rá­ter ale­gre e afi­ci­o­na­do pe­la na­tu­re­za. Aler­ta, in­te­li­gen­te, com um tem­pe­ra­men­to equi­li­bra­do, amá­vel

e vi­gi­lan­te, não mos­tra agres­si­vi­da­de nem ti­mi­dez. É um ani­mal ex­ce­len­te pa­ra vi­ver em fa­mí­lia, por is­so, se se per­mi­tir que es­te par­ti­ci­pe nas ati­vi­da­des fa­mi­li­a­res, se­rá um Be­a­gle fe­liz e bem adap­ta­do. Com as cri­an­ças O Be­a­gle ado­ra fa­zer par­te de tu­do o que se pas­sa à sua vol­ta. Cheio de vi­va­ci­da­de e de ener­gia é uma óti­ma com­pa­nhia pa­ra as cri­an­ças. O seu ta­ma­nho é bom pa­ra a es­ta­tu­ra das cri­an­ças. In­can­sá­vel du­ran­te as brin­ca­dei­ras, su­por­ta mui­to bem as tra­qui­ni­ces dos miú­dos. Sim, já vou... Mas como to­dos os sa­bu­jos, é um cão mui­to tei­mo­so! De­vi­do a es­sas su­as ca­rac­te­rís­ti­cas de ser atre­vi­do e tei­mo­so, ne­ces­si­ta que lhe se­ja de­di­ca­da mui­ta aten­ção des­de ca­chor­ro até à ida­de adul­ta. Mes­mo trei­na­do, um Be­a­gle nun­ca obe­de­ce com tan­ta pre­ci­são como ou­tras ra­ças, pois quan­do se diz “Vai”, a ten­dên­cia se­rá ele olhar pa­ra o do­no e res­pon­der “Sim, já vou...” e con­ti­nu­ar en­tre­ti­do com o que es­ta­va a fa­zer an­te­ri­or­men­te. A sua tei­mo­sia é len­dá­ria, por is­so o

Be­a­gle ne­ces­si­ta de um do­no que se­ja amá­vel, mas tam­bém fir­me, to­le­ran­te e per­sis­ten­te. Um do­no que não de­ses­pe­re, quan­do o seu cão lhe de­so­be­de­ce ca­pri­cho­sa­men­te. É au­daz e de­sen­vol­ve as su­as ati­vi­da­des com de­ter­mi­na­ção e te­na­ci­da­de. A sua he­ran­ça de cão de ca­ça faz com que se­ja per­sis­ten­te e te­nha a ca­pa­ci­da­de de re­sol­ver as coi­sas por si pró­prio. A “mú­si­ca” do Be­a­gle O la­ti­do do Be­a­gle é uma das ca­rac­te­rís­ti­cas mais mar­can­tes e ele­gan­tes da ra­ça. Um la­dra­dor por ex­ce­lên­cia, mes­mo os exem­pla­res que não ca­çam mos­tram a sua ex­ci­ta­ção atra­vés de la­dri­dos pro­fun­dos e mu­si­cais. A seleção da ra­ça cri­ou um com­por­ta­men­to con­du­tor nos cães de ca­ça. Quan­do o Be­a­gle ob­ser­va al­go vem ter com o do­no a la­drar, cha­man­do a sua aten­ção, re­gres­san­do ao lu­gar on­de es­tá aqui­lo que pre­ten­de que o do­no ve­ja. E as­sim vai gui­an­do os ca­ça­do­res com o seu la­drar con­tí­nuo. Pe­que­no atle­ta O Be­a­gle ape­sar de pe­que­no é um gran­de atle­ta, cheio de ener­gia pa­ra gas­tar. Ado­ra fa­zer mui­to exer­cí­cio e como tem o pe­lo cur­to, é fá­cil de cui­dar, in­de­pen­den­te­men­te do tem­po que es­tá lá fo­ra. Uma sim­ples pas­sa­gem com uma to­a­lha se­ca e es­tá de no­vo lim­po, mes­mo de­pois de ter che­ga­do de um pas­seio cheio de la­ma. De cons­ti­tui­ção for­te e sau­dá­vel o Be­a­gle é a es­co­lha ideal pa­ra quem pro­cu­ra uma ra­ça des­por­ti­va com um ca­rá­ter ex­ce­ci­o­nal. No dia-a-dia O seu pe­lo den­so “à pro­va de água”, per­nas pe­que­nas e ta­ma­nho com­pac­to faz des­te uma óti­ma op­ção quan­do se quer um cão pa­ra vi­ver den­tro de ca­sa. Mas não nos po­de­mos es­que­cer que to­dos os cães ne­ces­si­tam de exer­cí­cio diário pa­ra o seu bem-es­tar e o Be­a­gle não é ex­ce­ção. Es­tes são tão enér­gi­cos que pre­ci­sam de fa­zer exer­cí­cio to­dos os di­as e vão brin­car in­can­sa­vel­men­te se ti­ve­rem uma zo­na ve­da­da à sua dis­po­si­ção.ter um Be­a­gle

O seu la­ti­do é das ca­rac­te­rís­ti­cas mais mar­can­tes e ele­gan­tes da ra­ça, são la­dri­dos pro­fun­dos e mu­si­cais

exi­ge um cer­to com­pro­mis­so, pois a ra­ça tem uma es­pe­ran­ça mé­dia de vi­da de 12 a 15 anos. Ali­men­ta­ção A sua ali­men­ta­ção não re­quer cui­da­dos es­pe­ci­ais, de­ven­do no en­tan­to ter uma di­e­ta cui­da­da pa­ra não en­gor­dar em ex­ces­so. Os Be­a­gles ado­ram co­mer e são “bons gar­fos”, ou se­ja, é nor­mal os do­nos te­rem de con­tro­lar a sua ali­men­ta­ção, res­trin­gin­do os pe­tis­cos en­tre as re­fei­ções, pa­ra que não en­gor­dem em ex­ces­so. O do­no de­ve es­co­lher uma ali­men­ta­ção de qua­li­da­de, apro­pri­a­da ao ta­ma­nho da ra­ça e à ida­de e ati­vi­da­de fí­si­ca do cão.

A ra­ça tem ca­da vez mais po­pu­la­ri­da­de como cão de fa­mí­lia, pe­lo seu tem­pe­ra­men­to es­tá­vel, ta­ma­nho e fá­cil ma­nu­ten­ção.

De cons­ti­tui­ção for­te e sau­dá­vel,

o Be­a­gle é a es­co­lha ideal pa­ra quem pro­cu­ra uma ra­ça des­por­ti­va com um ca­rá­ter ex­ce­ci­o­nal

Em adul­to, um Be­a­gle po­de ser obs­ti­na­do se não for bem so­ci­a­bi­li­za­do e edu­ca­do en­quan­to ca­chor­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.