Os cães não são pre­sen­tes

Com a apro­xi­ma­ção das fes­ti­vi­da­des che­ga tam­bém mais uma opor­tu­ni­da­de pa­ra edu­car e aler­tar as pes­so­as pa­ra es­te pro­ble­ma que já se tor­nou in­tem­po­ral e cí­cli­co: vá­ri­as cen­te­nas de ca­chor­ros con­ti­nu­am a ser uti­li­za­dos como pre­sen­tes, sem exis­tir re­al­men­te

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

Eu não sei o que sen­te, mas a mim faz-me al­gu­ma co­mi­chão men­tal quan­do to­dos os anos ve­jo uma imen­si­dão de fo­tos nas re­des so­ci­ais de ca­chor­ros per­to da ár­vo­re de na­tal com os seus enor­mes la­ços a vol­ta do pes­co­ço ou den­tro da sua cai­xi­nha de em­bru­lho. Es­sa é uma ima­gem que ra­pi­da­men­te é acei­te pe­las pes­so­as e que re­ce­be sem­pre imen­sos comentários, li­kes e par­ti­lhas, mas is­to não tor­na a si­tu­a­ção mais cor­re­ta. Um cão é pa­ra a vi­da! Exis­te um slo­gan da Dogs Trust que de­fi­ne re­al­men­te os meus sen­ti­men­tos em re­la­ção a es­te te­ma: “Um cão é pa­ra a vi­da, não ape­nas pa­ra o Na­tal”. E es­ta fra­se não se de­ve re­fe­rir ape­nas ao Na­tal, mas a to­das e quais­quer fes­ti­vi­da­des. Ne­nhum ani­mal no­vo ou ve­lho de­ve­ria ser um pre­sen­te, mas nes­te ar­ti­go vou fo­car-me nos ca­chor­ros, uma vez que são as pe­que­nas bo­las de pe­lo e olhos gi­gan­tes que mais ga­nham aten­ção nes­tas épo­cas fes­ti­vas. To­me uma de­ci­são pon­de­ra­da Es­tá re­al­men­te con­vic­to que en­con­trou o pre­sen­te per­fei­to pa­ra seu fi­lho (a), pa­ra a sua ca­ra-me­ta­de ou pa­ra quem quer que se­ja: um lin­do ca­chor­ro ao qu­al vai co­lo­car um enor­me len­ço ver­me­lho e, tal como nos ha­bi­tuá­mos a ver na te­le­vi­são em de­ze­nas de fil­mes e sé­ri­es, quan­do o seu en­te que­ri­do re­ce­ber o ca­chor­ro, o olhar de fe­li­ci­da­de se­rá igual ao de re­ce­ber o mai­or pré­mio do mun­do. Mas pa­re e pen­se no­va­men­te, em­bo­ra is­to pa­re­ça um so­nho que se tor­na re­a­li­da­de, é re­al­men­te uma ideia mui­to má. Sim, mui­ta gen­te po­de jus­ti­fi­car di­zen­do que é a in­ten­ção que con­ta, mas exis­tem imen­sas ra­zões pa­ra evi­tar ofe­re­cer um ca­chor­ro ou qual­quer ani­mal como pre­sen­te prin­ci­pal­men­te nas épo­cas fes­ti­vas. De se­gui­da dei­xo al­gu­mas ra­zões que de­ve pon­de­rar an­tes de pen­sar ofe­re­cer um cão. So­ci­e­da­de ca­pi­ta­lis­ta To­dos os anos, e ca­da vez mais, me­ta­de dos pre­sen­tes re­ce­bi­dos no Na­tal ou ou­tras fes­ti­vi­da­des são tro­ca­dos, de­vol­vi­dos, ven­di­dos, do­a­dos ou sim­ples­men­te dei­ta­dos fo­ra ou pos­tos de la­do pou­co tem­po de­pois do fim das fes­ti­vi­da­des. In­fe­liz­men­te ou não, de­pen­de do pon­to de vis­ta, vi­ve­mos nu­ma so­ci­e­da­de ex­tre­ma­men­te ca­pi­ta­lis­ta que não tra­ta o fac­to de dar ou re­ce­ber pre­sen­tes como al­go es­pe­ci­al ou como al­go que de­ve­mos cui­dar e es­ti­mar. Sim­ples­men­te dei­xou de ser o ges­to cheio de sig­ni­fi­ca­do que fo­ra ou­tro­ra. En­tão, por­que de­ve­ría­mos es­pe­rar ou as-

An­tes de ofe­re­cer um cão como pre­sen­te no Na­tal é es­sen­ci­al pe­sar bem to­dos os prós e con­tras des­sa de­ci­são

su­mir que o fac­to de com­prar e ofe­re­cer ani­mais como pre­sen­tes se­ria en­ca­ra­do de for­ma di­fe­ren­te? Quan­ti­da­de de ca­chor­ros aban­do­na­dos To­dos os anos, nos di­as e se­ma­nas que se se­guem ao Na­tal e ou­tras fes­ti­vi­da­des, ca­nis, as­so­ci­a­ções e cen­tros de res­ga­te re­ce­bem cen­te­nas, se não mi­lha­res de cães, que são aban­do­na­dos sim­ples­men­te por­que são pre­sen­tes in­de­se­ja­dos e ou­tros tan­tos pas­sa­dos uns me­ses por­que fi­cam gran­des (como se o ca­chor­ro ti­ves­se cul­pa), ro­em, la­dram, che­ga a al­tu­ra das fé­ri­as ou por­que, como já ou­vi, “o meu fi­lho já não o acha­va fo­fi­nho”. Se to­das es­tas pes­so­as es­ti­ves­sem mais in­for­ma­das e se pe­sas­sem bem os prós e con­tras da es­co­lha de um cão pa­ra pre­sen­te pro­va­vel­men­te is­to não acon­te­ce­ria. Se tem uma cri­an­ça, ela vai fa­zer coi­sas de cri­an­ças É ex­ce­len­te a ideia de que­rer en­si­nar a uma cri­an­ça o con­cei­to de responsabilidade, mas não de­via acon­te­cer às cus­tas de o bem-es­tar de um ca­chor­ro. As cri­an­ças ado­ram ani­mais quan­do os co­nhe­cem, é a “fa­se do mel” ou do “brin­que­do no­vo”, como cos­tu­mo cha­mar. O pro­ble­ma é que es­ta fa­se tem uma gran­de ten­dên­cia pa­ra de­sa­pa­re­cer ra­pi­da­men­te. Mais tar­de ou mais ce­do, as cri­an­ças vão de­di­car-se a fa­zer coi­sas de cri­an­ças e a responsabilidade de ter um cão pas­sa pa­ra se­gun­do ou ter­cei­ro pla­no. Se­rá en­tão que aque­le bre­ve mo­men­to de fe­li­ci­da­de nos olhos de uma cri­an­ça va­le mes­mo a pe­na em re­la­ção a to­do o stress que va­mos co­lo­car no ani­mal ou até nas pes­so­as res­pon­sá­veis por am­bos? Ani­mais e cri­an­ças? É qua­se cer­to e sa­bi­do que não.

Ter um cão de­ve ser uma de­ci­são in­for­ma­da, con­si­de­ran­do sem­pre o bem-es­tar men­tal e fí­si­co do cão

E lem­bre-se um cão como pre­sen­te sur­pre­sa não dá tem­po ao seu fi­lho pa­ra pen­sar so­bre a responsabilidade que te­rá de ter. O seu fi­lho quer re­al­men­te um cão? Por nor­ma, to­das as cri­an­ças ado­ram ani­mais, mas nem to­das as cri­an­ças

que­rem re­al­men­te tê-los pe­la ca­sa. Ao con­trá­rio das cren­ças po­pu­la­res, nem to­das as cri­an­ças que­rem ou pre­ci­sam de um cão pa­ra cres­ce­rem sau­dá­veis e fe­li­zes. O fac­to de ado­rar brin­car com o cão que vi­ve em ca­sa da avó não quer di­zer que a cri­an­ça es­tá pron­ta ou até que quer a responsabilidade de to­mar con­ta de um cão a tem­po in­tei­ro. Lem­bre-se que po­de ad­qui­rir um cão pa­ra o seu fi­lho ou fi­lha, mas quem se­rá res­pon­sá­vel por tu­do re­la­ci­o­na­do com ele se­rão os adul­tos da ca­sa, por­que as cri­an­ças per­dem in­te­res­se pe­las coi­sas com fa­ci­li­da­de e a responsabilidade pe­la vi­da de um ser sen­ci­en­te nun­ca po­de­rá ser co­lo­ca­da nu­ma cri­an­ça. Ad­qui­rir um ca­chor­ro ape­nas por­que a cri­an­ça quer é na ver­da­de um er­ro e al­go que a lon­go pra­zo trás pro­ble­mas gra­ves. Nem tu­do é um mar de ro­sas Não va­mos es­que­cer que um cão é um mem­bro da fa­mí­lia, mas não dei­xa de ser um ani­mal. Is­to im­pli­ca lim­par to­dos os aci­den­tes que ele faz, como vó­mi­tos, ne­ces­si­da­des fo­ra de sí­tio, mó­veis roí­dos, coi­sas es­pa­lha­das, pois são coi­sas que vão acon­te­cer. Vão exis­tir bu­ra­cos ao lon­go da es­tra­da, não é tu­do um mar de ro­sas. Es­tá pre­pa­ra­do pa­ra li­dar com eles? Nem to­da a gen­te é ca­paz de al­te­rar a sua ro­ti­na tão subs­tan­ci­al­men­te. Qual­quer ani­mal tem um cus­to ele­va­do Quem tem um cão vai ter de des­pen­der imen­so tem­po a trei­nar, brin­car e a cui­dar do seu cão, bem como te­rá de gas­tar bas­tan­te di­nhei­ro em despesas mé­di­cas e ali­men­ta­ção. E não me es­tou a re­fe­rir às despesas com o trei­no e a do­en­ças ines­pe­ra­das. Pa­ra além de que, ge­ral­men­te, com o avan­çar da ida­de do cão as despesas se vão aden­san­do. Ter um cão é um com­pro­mis­so pa­ra a vi­da Ca­da vez mais um cão é vis­to como o mem­bro da fa­mí­lia e, como já vi­mos, tem um cus­to ele­va­do, tan­to em ter­mos de tem­po como eco­nó­mi­cos. Pa­ra mim, não faz sen­ti­do ver pes­so­as a pon­de­rar mais a com- pra de um car­ro ou de uma te­le­vi­são, do que quan­do vão bus­car um no­vo mem­bro pa­ra o seu lar. Um cão quan­do vem pa­ra nos­sa ca­sa não te­ve a mí­ni­ma es­co­lha, nin­guém lhe per­gun­ta se ele o quer. Por­tan­to, se mais na­da fal­tar te­mos a obri­ga­ção de lhe dar, no mí­ni­mo, as con­di­ções dig­nas de vi­da, du­ran­te to­da a sua vi­da. Já lá vai o tem­po em que era acei­tá­vel ter um cão pre­so à cor­ren­te no fun­do da ca­sa, ou no ca­nil o dia to­do. Quan­do fa­lo de con­di­ções não me re­fi­ro ape­nas às despesas mé­di­cas e ali­men­ta­res, mas tam­bém à es­ti­mu­la­ção men­tal e fí­si­ca, à es­ti­mu­la­ção so­ci­al in­tra e in­ter es­pé­ci­es e ao trei­no ca­ni­no tu­do pa­ra que pos­sa con­vi­ver “cor­re­ta­men­te” em so­ci­e­da­de ten­do uma vi­da fe­liz ao seu la­do. Aler­to mais uma vez: se não es­tá pre­pa­ra­do pa­ra dis­pen­sar o seu tem­po e di­nhei­ro pa­ra que es­tas ne­ces­si­da­des se­jam su­pri­das, pe­ço des­cul­pa pe­la fron­ta­li­da­de, mas en­tão de­ve op­tar por ou­tro pre­sen­te, um cão de loi­ça por exem­plo. Um cão não é uma no­vi­da­de! Ser um su­ces­so na ma­nhã ou noi­te de Na­tal não é o bas­tan­te, como já vi­mos é uma responsabilidade pa­ra a vi­da. Um ca­chor­ro é um com­pro­mis­so pa­ra 10 ou 15 anos, se não tem a cer­te­za de que a pes­soa que o vai re­ce­ber es­tá pre­pa­ra­da pa­ra es­se

com­pro­mis­so, não tem ne­nhu­ma ra­zão pa­ra lhe ofe­re­cer um.

Um cão não é um brin­que­do de pe­lu­che!

Al­guns ca­chor­ros até po­dem pa­re­cer um pe­lu­che, mas es­tão mui­to lon­ge de se­rem tão fá­ceis de cui­dar. Sei que is­to pa­re­ce mais do que ló­gi­co, mas en­tão por­que é que al­guns pais ofe­re­cem ca­chor­ros aos fi­lhos sim­ples­men­te por­que eles ado­ram aque­les pe­lu­ches de de­ter­mi­na­da ra­ça ou só por­que o co­le­gui­nha de es­co­la tem um cão e ele tam­bém quer? Ofe­re­çam um pe­lu­che.

Um cão não é uma im­po­si­ção!

Lá por­que acha que um ca­chor­ro se­ria um ex­ce­len­te pre­sen­te não sig­ni­fi­ca que a pes­soa que o vai re­ce­ber acha o mes­mo. Quan­do a sua enor­me “sur­pre­sa” der pa­ra o tor­to, es­tá sin­ce­ra­men­te pre­pa­ra­do pa­ra to­mar con­ta do ca­chor­ro pa­ra o res­to da vi­da de­le? Es­pe­ro que o seu pla­no de re­ser­va não en­vol­va dei­xá-lo no ca­nil mais pró­xi­mo ou de­vol­vê-lo à lo­ja ou as­so­ci­a­ção.

Um cão não é uma com­pra por im­pul­so!

Se a sua fa­mí­lia não es­tá pron­ta pa­ra o com­pro­mis­so que um ca­chor­ro ne­ces­si­ta, não po­de sim­ples­men­te de­vol­vê-lo. Não é na­da in­co­mum ca­chor­ros se­rem de­vol­vi­dos a lo­jas ou a cri­a­do­res, por is­so, e por fa­vor, fa­ça o seu tra­ba­lho de ca­sa an­tes de adi­ci­o­nar um no­vo mem­bro à sua fa­mí­lia. Fa­ça-o em con­jun­to com os ou­tros mem­bros da mes­ma pa­ra que pos­sam to­mar uma de­ci­são in­for­ma­da e, aci­ma de tu­do, cons­ci­en­te.

Uma de­ci­são cons­ci­en­te

Pa­ra ser cla­ro, não me opo­nho à ideia de adi­ci­o­nar um no­vo mem­bro à sua fa­mí­lia du­ran­te a épo­ca fes­ti­va ou à ideia de que­rer en­si­nar es­ta responsabilidade ao seu fi­lho; ape­nas de­fen­do que es­ta se­ja uma de­ci­são in­for­ma­da, con­sis­ten­te e que te­nha sem­pre o bem-es­tar men­tal e fí­si­co do ani­mal em con­si­de­ra­ção. De ma­nei­ra al­gu­ma de­ve ser uma de­ci­são to­ma­da “em ci­ma do jo­e­lho” só por­que é um pre­sen­te, su­pos­ta­men­te, es­pe­ci­al.

Uma ou­tra ideia…

Po­rém, se a pes­soa que vai re­ce­ber o ca­chor­ro es­tá na dis­po­si­ção de o aco­lher e de res­pon­der a to­das as ne­ces­si­da­des do pe­que­no­te, por­que não sur­pre­en­der­la com a ofer­ta de li­vros que a pre­pa­rem me­lhor pa­ra a che­ga­da do ca­chor­ro? Por exem­plo, o li­vro “An­tes de ter o seu ca­chor­ro” do Dr. Ian Dun­bar. Ou ofe­re­cer brin­que­dos in­te­ra­ti­vos, ca­mas, tre­las, pei­to­rais, um pa­co­te de au­las de ca­chor­ros ou ou­tras coi­sas que sa­be que de cer­te­za que vai pre­ci­sar. Po­de ain­da ofe­re­cer a sua aju­da pa­ra pro­cu­rar o cão ideal e jun­tos es­co­lhe­rem um cão que agra­da­rá a to­dos, em vez de ape­nas au­men­tar o far­do do no­vo tu­tor. Se­rá cer­ta­men­te a me­lhor for­ma do cão e do no­vo tu­tor ini­ci­a­rem uma re­la­ção com o pé/pa­ta

di­rei­to(a).

João To­pe­te Trei­na­dor da It's All About Dogs (www.it­sal­la­bout­dogs.net) Fo­tos: IAAD

É ex­ce­len­te a ideia de que­rer en­si­nar a uma cri­an­ça o con­cei­to de responsabilidade, mas não de­via acon­te­cer às cus­tas de o bem-es­tar de um ca­chor­ro.

“Um cão é pa­ra a vi­da, não ape­nas pa­ra o Na­tal”. Des­de ca­chor­ro até se­ni­or.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.