Um Na­tal sem pe­ri­gos

En­fei­tes, pe­tis­cos e fo­go-de-ar­ti­fí­cio

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

Nes­ta épo­ca do ano as fa­mí­li­as en­fei­tam as su­as ca­sas, mas quan­do te­mos ani­mais há al­guns en­fei­tes na­ta­lí­ci­os que po­dem ser pe­ri­go­sos. O ex­ces­so de pe­tis­cos tam­bém po­de re­pre­sen­tar ou­tro pe­ri­go pa­ra cães e ga­tos.

Os en­fei­tes de Na­tal são uma atra­ção qua­se ir­re­sis­tí­vel pa­ra cães e ga­tos. Pa­ra que to­dos pos­sam des­fru­tar e pas­sar es­ta épo­ca em se­gu­ran­ça da­mos al­guns con­se­lhos. O pri­mei­ro é que dei­xe o seu ani­mal num lu­gar se­gu­ro sem­pre que sai de ca­sa pa­ra evi­tar sur­pre­sas no re­gres­so.

Ár­vo­re de Na­tal

Os cães e os ga­tos (es­pe­ci­al­men­te os mais jo­vens) ve­em a ár­vo­re de Na­tal como um brin­que­do que foi tra­zi­do ex­clu­si­va­men­te pa­ra sua di­ver­são. As ár­vo­res de Na­tal são um con­vi­te a sal­tar, tre­par ou brin­car com os en­fei­tes. O mais se­gu­ro é es­co­lher uma com uma ba­se es­tá­vel e pren­de-la à pa­re­de. Não use de­co­ra­ções que pos­sam par­tir-se se caí­rem ao chão, como bo­las de plás­ti­co ou de vi­dro, pois os pe­da­ços cor­tan­tes po­dem ser in­ge­ri­dos e cau­sar per­fu­ra­ções in­tes­ti­nais gra­ves. Op­te por bo­las de te­ci­do ou cor­da, são me­nos pe­ri­go­sas. Se co­lo­car lu­zes na ár­vo­re, não dei­xe os ca­bos ao al­can­ce do seu ani­mal. Os ca­chor­ros e os ga­ti­nhos po­dem mas­ti­gar os ca­bos de ener­gia, es­tan­do su­jei­tos a um cho­que elé­tri­co. As gri­nal­das de lu­zes tam­bém po­dem pro­vo­car as­fi­xia se os ani­mais se en­ro­la­rem ne­las.

Pre­sen­tes na ár­vo­re de Na­tal

É ne­ces­sá­ria uma par­ti­cu­lar aten­ção com os pre­sen­tes que são co­lo­ca­dos de­bai­xo da ár­vo­re de Na­tal. Ge­ral­men­te têm fi­tas de em­bru­lho que são mui­to atra­ti­vas pa­ra o seu ani­mal e cu­ja in­ges­tão po­de pro­vo­car obs­tru­ções in­tes­ti­nais gra­ves. Te­nha, igual­men­te, um es­pe­ci­al cui­da­do com pre­sen­tes frá­geis, que pos­sam

Se co­lo­car lu­zes na ár­vo­re de Na­tal não dei­xe ca­bos ao al­can­ce do seu ani­mal de es­ti­ma­ção.

Al­gu­mas plan­tas tí­pi­cas des­ta épo­ca fes­ti­va, como o aze­vi­nho e a “Es­tre­lí­cia do Na­tal”, são tó­xi­cas pa­ra o seu ani­mal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.