O que exi­gir de um trei­na­dor de cães?

Ser trei­na­dor de cães sig­ni­fi­ca que ad­qui­ri­mos ca­pa­ci­da­des pa­ra en­si­nar cães da for­ma mais hu­ma­na e efi­caz pos­sí­vel a exe­cu­ta­rem com­por­ta­men­tos que lhes per­mi­tam vi­ver em har­mo­nia com a fa­mí­lia hu­ma­na em que es­tão in­se­ri­dos e com o am­bi­en­te em que vi­vem.

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

Otrei­na­dor de­ve ser uma pes­soa que es­tá ci­en­te que o uso de de­ter­mi­na­das téc­ni­cas de trei­no (no­me­a­da­men­te, téc­ni­cas aver­si­vas como uso de es­tran­gu­la­do­ras ou co­lei­ras de bi­co, es­gui­chos de ci­tro­ne­la, la­ti­nhas com pe­dras, etc.) po­dem acar­re­tar con­sequên­ci­as gra­ves no com­por­ta­men­to do cão cri­an­do pro­ble­mas gra­ves. O trei­na­dor atu­a­li­za­do e com­pe­ten­te nun­ca irá usar mé­to­dos an­ti­qua­dos e que es­tão pro­va­dos se­rem a cau­sa do de­sen­vol­vi­men­to de ou­tros pro­ble­mas gra­ves como com­por­ta­men­tos agres­si­vo-de­fen­si­vos, por exem­plo.

Trei­nar Cães é gos­tar de pes­so­as

O trei­na­dor co­nhe­ce os di­ver­sos mé­to­dos de trei­no e a ci­ên­cia por de­trás dos mes­mos, es­tá sem­pre atu­a­li­za­do e ofe­re­ce sem­pre a me­lhor al­ter­na­ti­va pa­ra o cão em ques­tão. Ser trei­na­dor é tam­bém gos­tar de se re­la­ci­o­nar com as pes­so­as, gos­tar de fa­lar com as mes­mas, ex­pli­car-lhes nu­ma lin­gua­gem sim­ples e aces­sí­vel as di­fe­ren­tes for­mas de po­der, efi­caz e ra­pi­da­men­te, edu­car e trei­nar o seu ami­go de qua­tro pa­tas. O trei­na­dor gos­ta de se re­la­ci­o­nar com pes­so­as tan­to quan­to gos­ta de li­dar com os cães. Vai lon­ge o tem­po em que as pes­so­as que­ri­am ser trei­na­do­ras pa­ra não se re­la­ci­o­na­rem com pes­so­as. O re­la­ci­o­na­men­to com pes­so­as e o trei­no das mes­mas é im­pe­ra­ti­vo nes­ta pro­fis­são se que­re­mos ser bem-su­ce­di­dos. Quem não gos­ta de fa­lar, en­si­nar e re­la­ci­o­nar-se com pes­so­as te­rá mui­tas di­fi­cul­da­des em ser bem-su­ce­di­do.

Sa­ber quais as su­as com­pe­tên­ci­as

Ser trei­na­dor de cães tam­bém im­pli­ca sa­ber que áre­as são as su­as e quais as com­pe­tên­ci­as que de­tém den­tro da

sua pro­fis­são. Nem to­dos os trei­na­do­res, po­dem trei­nar Obe­di­ên­cia, nem to­dos co­nhe­cem e sa­bem trei­nar Agi­lity e, cer­ta­men­te, ser trei­na­dor não sig­ni­fi­ca que es­te es­te­ja ha­bi­li­ta­do pa­ra re­sol­ver pro­ble­mas de com­por­ta­men­to. A re­so­lu­ção de pro­ble­mas de com­por­ta­men­to, no­me­a­da­men­te, ca­sos de agres­são, fo­bi­as, an­si­e­da­de ou com­pul­sões, pa­ra no­me­ar al­guns, re­quer um es­tu­do apro­fun­da­do de téc­ni­cas de re­so­lu­ção de com­por­ta­men­to. Re­quer mui­ta ex­pe­ri­ên­cia e co­nhe­ci­men­to na lei­tu­ra de si­nais de co­mu­ni­ca­ção ca­ni­nos e uma atu­a­li­za­ção cons­tan­te dos co­nhe­ci­men­tos. Nem to­dos os trei­na­do­res de­têm o mes­mo co­nhe­ci­men­to ou o mes­mo ní­vel de co­nhe­ci­men­to. É im­por­tan­te sa­ber­mos dis­tin­guir o ti­po de trei­na­dor a que de­ve­mos re­cor­rer em ca­da ca­so. Se o nos­so

Ser trei­na­dor de cães im­pli­ca sa­ber quais as su­as áre­as e as com­pe­tên­ci­as que de­tém den­tro da sua pro­fis­são

cão quer fa­zer des­por­to, ou se apre­sen­ta um com­por­ta­men­to agres­si­vo, ou se ape­nas que­re­mos en­si­nar aqui­lo a que cha­ma­mos obe­di­ên­cia bá­si­ca, tu­do is­to re­quer ex­plo­rar os di­fe­ren­tes trei­na­do­res, co­nhe­cer as su­as com­pe­tên­ci­as e sa­ber fil­trar quem se ade­qua me­lhor ao quê. Por tu­do is­to, ser trei­na­dor é uma gran­de responsabilidade.

Fal­ta de le­gis­la­ção e re­gu­la­men­ta­ção

O trei­na­dor que faz um mau tra­ba­lho po­de inad­ver­ti­da­men­te aca­bar por cri­ar pro­ble­mas, al­guns bas­tan­tes sé­ri­os, no com­por­ta­men­to do cão. Usar téc­ni­cas que le­vam a mor­di­das e a aci­den­tes sé­ri­os em ca­sa po­de cau­sar dis­pu­tas en­tre os do­nos e os seus cães, des­truin­do um re­la­ci­o­na­men­to sau­dá­vel e tor­nan­do a vi­vên­cia en­tre o cão e o do­no um in­fer­no. Por tu­do is­to, o trei­na­dor é uma pes­soa que de­ve es­tar ci­en­te da imen­sa responsabilidade que es­ta pro­fis­são acar­re­ta e de­ve es­tar ci­en­te que não po­de fa­zer as coi­sas “mais ou me­nos

Não es­co­lha um trei­na­dor sem o ques­ti­o­nar pri­mei­ro acer­ca das su­as com­pe­tên­ci­as e ca­pa­ci­da­des

bem” nem de âni­mo le­ve. In­fe­liz­men­te, a fal­ta de le­gis­la­ção na pro­fis­são le­va a que qual­quer pes­soa pos­sa acor­dar e au­toin­ti­tu­lar-se trei­na­dor de cães. Sem ne­ces­si­da­de de pro­var pe­ran­te ne­nhu­ma en­ti­da­de le­gal, ou ca­paz, se tem com­pe­tên­ci­as ou não pa­ra exer­cer a pro­fis­são. Es­tes trei­na­do­res que apa­re­cem su­bi­ta­men­te, de um mo­men­to pa­ra o ou­tro, são um pe­ri­go e uma frau­de. Além dis­so, e in­de­pen­den­te­men­te das “bo­as in­ten­ções”, trei­na­do­res sem ex­pe­ri­ên­cia prá­ti­ca ou sem co­nhe­ci­men­to teó­ri­co não se es­tão a res­pon­sa­bi­li­zar pe­las even­tu­ais fa­lhas que po­dem co­me­ter e as con­sequên­ci­as que es­tas po­dem ter. Por exem­plo, dar au­las de ca­chor­ros sem ex­pe­ri­ên­cia pré­via po­de le­var a imen­sos pro­ble­mas no fu­tu­ro do cão.

Com­pe­tên­ci­as e ca­pa­ci­da­des

No en­tan­to, exis­te al­go que to­dos po­de­mos fa­zer e es­te tex­to é pa­ra os tu­to­res de cães e, prin­ci­pal­men­te, pa­ra os mé­di­cos ve­te­ri­ná­ri­os que re­fe­ren­ci­am trei­na­do­res. Se é tu­tor de um no­vo ami­go de qua­tro pa­tas ou se é mé­di­co ve­te­ri­ná­rio e quer re­fe­ren­ci­ar aos seus cli­en­tes um trei­na­dor, não o fa­ça sem ques­ti­o­nar pri­mei­ro es­sa pes­soa acer­ca das su­as com­pe­tên­ci­as e ca­pa­ci­da­des. A mai­o­ria dos trei­na­do­res anun­cia no seu Cur­rí­cu­lo “vá­ri­os cur­sos em Por­tu­gal e no es­tran­gei­ro” e al­go mais va­go que is­to é pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel. É im­pe­ra­ti­vo que os mé­di­cos ve­te­ri­ná­ri­os e tu­to­res de cães se­jam exi­gen­tes com a clas­se dos trei­na­do­res, afi­nal de con­tas, es­tas pes­so­as vão co­brar di­nhei­ro e vão in­flu­en­ci­ar, mui­tas ve­zes de for­ma de­ci­si­va, a vi­da do cão. O mí­ni­mo que po­de­mos fa­zer é exi­gir que a pes­soa sai­ba o que es­tá a fa­zer.

O que que­re­mos sa­ber?

Dei­xo al­gu­mas per­gun­tas que de­vem ser fei­tas aos trei­na­do­res pa­ra de­ci­dir­mos em cons­ci­ên­cia se es­ta­mos a re­fe­ren­ci­ar ou a con­tra­tar um trei­na­dor que vai re­al­men- te aju­dar e não es­ta­mos sim­ples­men­te a cri­ar mais pro­ble­mas.

1. Qu­al a sua for­ma­ção aca­dé­mi­ca?

Exis­tem mui­tos cur­sos em Por­tu­gal e no es­tran­gei­ro e ape­sar de ne­nhum ter va­li­da­de jun­to do mi­nis­té­rio do tra­ba­lho, a for­ma­ção é da­da e es­tá lá. Per­gun­te que cur­sos a pes­soa tem, on­de os ti­rou e se for pre­ci­so vá ver o pro­gra­ma, quem são os pro­fes­so­res, quais os mol­des do cur­so, etc.

2. Qu­al a sua ex­pe­ri­ên­cia prá­ti­ca?

É im­por­tan­te per­ce­ber se o trei­na­dor tem ex­pe­ri­ên­cia prá­ti­ca e com quem a ad­qui­riu. Lem­bre-se que a de­ter­mi­na­da al­tu­ra o trei­na­dor de­ve­rá ter ti­do um es­tá­gio ou acom­pa­nha­men­to por um ou­tro trei­na­dor ex­pe­ri­en­te que acom­pa­nhou o seu de­sen­vol­vi­men­to.

3. Quais as téc­ni­cas que usa?

Um trei­na­dor atu­a­li­za­do não usa mé­to­dos pu­ni­ti­vos ou mé­to­dos que usam aver­si­vos, por­que es­tes são com­pro­va­da­men­te cau­sa de pro­ble­mas de com­por­ta­men­to gra­ves e são mé­to­dos an­ti­qua­dos. Um trei­na­dor atu­a­li­za­do trei­na sem­pre o cão

mo­ti­van­do-o de for­ma po­si­ti­va e nun­ca usan­do pu­ni­ções.

4. On­de ad­qui­riu com­pe­tên­ci­as pa­ra re­sol­ver pro­ble­mas de com­por­ta­men­to?

A re­so­lu­ção de pro­ble­mas de com­por­ta­men­to exi­ge pro­to­co­los de mo­di­fi­ca­ção com­ple­tos e mui­tas ve­zes até acom­pa­nha­men­to mé­di­co-ve­te­ri­ná­rio. Es­tas com­pe­tên­ci­as têm de ser de­ter­mi­na­das pre­vi­a­men­te pa­ra evi­tar o de­sen­vol­vi­men­to de pro­ble­mas ain­da mais sé­ri­os.

5. Quais as su­as re­fe­rên­ci­as no mun­do do trei­no?

Per­gun­te quem são as re­fe­rên­ci­as que se­guem e porquê. De se­gui­da pes­qui­se quem são es­sas pes­so­as pa­ra sa­ber o ti­po de trei­no e de com­pe­tên­ci­as que es­tes ad­qui­rem dos mes­mos.

6. Ou­tras su­ges­tões

Ou­tras coi­sas que po­de ter em con­ta quan­do con­tra­ta ou re­fe­ren­cia um trei­na­dor in­clu­em: as­sis­tir a au­las prá­ti­cas; ace­der a vídeos de trei­no on­de se po­de ver cla­ra­men­te como é que o trei­na­dor en­si­na de­ter­mi­na­do exer­cí­cio ao cão; tes­te­mu­nhos de ou­tros cli­en­tes; e per­cur­so den­tro da carreira. O re­co­nhe­ci­men­to por ou­tros pa­res den­tro da mes­ma pro­fis­são é um bom in­di­ca­dor das com­pe­tên­ci­as do trei­na­dor.

Se­ja exi­gen­te

Aju­de o seu ami­go de qua­tro pa­tas a ter o me­lhor ser­vi­ço. Não se es­que­ça que vai pa­gar, como tal po­de e de­ve ser exi­gen­te. Quan­to aos mé­di­cos ve­te­ri­ná­ri­os, se­jam tão exi­gen­tes com os trei­na­do­res que re­fe­rem como se­ri­am com ou­tros mé­di­cos ve­te­ri­ná­ri­os que con­tra­ta­ri­am pa­ra tra­ba­lhar ao vos­so la­do. Afi­nal de con­tas não fa­la­mos de ob­je­tos, mas de se­res vi­vos sen­ci­en­tes ex­tre­ma­men­te sen­sí­veis.

O re­co­nhe­ci­men­to por ou­tros pa­res den­tro da mes­ma pro­fis­são é um bom in­di­ca­dor das com­pe­tên­ci­as do trei­na­dor

Nem to­dos os trei­na­do­res, po­dem trei­nar Obe­di­ên­cia, nem to­dos co­nhe­cem e sa­bem trei­nar Agi­lity e, cer­ta­men­te, ser trei­na­dor não sig­ni­fi­ca que es­te es­te­ja ha­bi­li­ta­do pa­ra re­sol­ver pro­ble­mas de com­por­ta­men­to.

Um trei­na­dor atu­a­li­za­do trei­na sem­pre o cão mo­ti­van­do-o de for­ma po­si­ti­va e nun­ca usan­do pu­ni­ções.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.