Na­tal com ga­to: É um Na­tal es­pe­ci­al!

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO - Inês Guer­ra Mé­di­ca Ve­te­ri­ná­ria, De­par­ta­men­to de Com­por­ta­men­to Fe­li­no

Com a che­ga­da da épo­ca do Na­tal, co­me­ça a azá­fa­ma nas nos­sas ca­sas, ora o ga­to é ani­mal de há­bi­tos, sai­ba como ter um Na­tal com ga­to em ple­ni­tu­de e sem pre­o­cu­pa­ções. Sim, é pos­sí­vel!

Avi­zi­nha-se uma épo­ca de ale­gria, fa­mí­lia reu­ni­da e os nos­sos ani­mais de com­pa­nhia es­ta­rão con­nos­co. Nes­ta épo­ca a nos­sa ca­sa pas­sa por vá­ri­as alterações de decoração, ro­ti­nas, ami­gos e fa­mí­lia que fi­cam por uns di­as, to­das es­tas alterações po­dem re­pre­sen­tar stress pa­ra o seu ga­to, que po­de ou não de­mons­trar es­se stress, mas de­ve­mos ter sem­pre em con­ta que o po­de­rá es­tar a sen­tir. E es­tá, por­tan­to, de­cla­ra­da guer­ra à ár­vo­re de Na­tal.

A ár­vo­re de Na­tal

A ár­vo­re de Na­tal po­de ser na­tu­ral ou sintética, mas te­nha sem­pre em con­si­de­ra­ção que es­ta se­rá o no­vo ar­ra­nha­dor que o seu ga­to irá tre­par com to­do o en­tu­si­as­mo. Vá in­tro­du­zin­do es­te no­vo ele­men­to de for­ma fa­se­a­da. De iní­cio co­lo­que só a ár­vo­re e dei­xe o seu ga­to co­nhe­ce-la, de­pois en­tão po­de in­tro­du­zir bo­las, fi­tas e ou­tros en­fei­tes que quei­ra usar. Op­te por uma decoração mais sim­ples e se­gu­ra, to­dos os en­fei­tes que te­nham mo­vi­men­to re­pre­sen­tam uma atra­ção ir­re­sis­tí­vel. Ter ga­tos e ár­vo­re de Na­tal vai ser de­sa­fi­an­te, mas não pu­na o seu ga­to (com um bor­ri­fa­dor ou fe­chan­do a por­ta da

di­vi­são on­de es­tá a ár­vo­re) quan­do es­te pro­cu­rar tre­par a ár­vo­re, ele só es­tá a fa­zer o que lhe é na­tu­ral. Ve­las em ca­sa A ilu­mi­na­ção por ve­las tem sem­pre um ca­riz es­pe­ci­al, to­dos gos­ta­mos. No en­tan­to, o ga­to, por cu­ri­o­si­da­de, fa­cil­men­te se po­de quei­mar ou der­ru­bar a ve­la e cau­sar um in­cên­dio. Man­te­nha as ve­las ace­sas ape­nas com su­per­vi­são. Além dis­so, mes­mo apa­ga­das são uma óti­ma decoração. Te­nha em aten­ção que as ve­las de chei­ro po­dem cau­sar aler­gi­as em ani­mais já pre­dis­pos­tos a qua­dros alér­gi­cos.

Plan­tas tó­xi­cas

Pa­ra além da ár­vo­re de Na­tal é usu­al en­tra­rem ou­tras plan­tas nas nos­sas ca­sas. É pre­ci­so ter cui­da­do com os lí­ri­os e com as poin­sé­ti­as (es­tre­las de Na­tal) que são tó­xi­cos pa­ra os ga­tos e pro­vo­cam do­en­ça gra­ve. Se tem uma plan­ta e não sa­be se a mes­ma po­de ou não ser tó­xi­ca man­te­nha-a lon­ge do seu ga­to. Como su­ges­tão, como co­lo­car as plan­tas sus­pen­sas.

Cui­da­do com a ali­men­ta­ção

Nes­ta al­tu­ra do ano to­dos gos­ta­mos de uma me­sa far­ta. Pa­ra os tu­to­res tu­do bem, mas o ga­to de­ve man­ter a sua ali­men­ta­ção ha­bi­tu­al e às ho­ras a que cos­tu­ma ser ali­men­ta­do. Como já ex­pli­cá­mos em ar­ti­gos an­te­ri­o­res os pe­ri­gos ali­men­ta­res pas­sam prin­ci­pal­men­te pe­la in­ges­tão de cho­co­la­te, ce­bo­la, alho, ce­bo­li­nho e uvas. To­dos são tó­xi­cos e re­pre­sen­tam ris­cos. Te­nha tam­bém cui­da­do com por­ções de car­ne ou pei­xe que pos­sam con­ter os­sos ou es­pi­nhas.

Vi­si­tas em ca­sa

Se na pre­sen­ça de vi­si­tas o seu ga­to é o pri­mei­ro a es­con­der-se de­ve res­pei­tar es­sa op­ção. Se ele quer es­tar re­ca­ta­do, dei­xe-o es­tar. Não le­ve o seu ga­to ao co­lo pa­ra o meio da con­fu­são, pois po­de não cor­rer bem e o mes­mo as­sus­tar-se. Te­nha em aten­ção que as vi­si­tas po­dem

Pa­ra o ga­to a ár­vo­re de Na­tal é o seu no­vo

ar­ra­nha­dor que irá tre­par com to­do o en­tu­si­as­mo, mas es­te só es­tá a fa­zer o que lhe é na­tu­ral não es­tar ha­bi­tu­a­das a ter cui­da­do com ja­ne­las e por­tas aber­tas. Avi­se-os!

Crie um re­fú­gio pa­ra o seu ga­to

An­te­ci­pa­da­men­te, po­de cri­ar um re­fú­gio nu­ma di­vi­são da sua ca­sa, co­lo­can­do no­vas ta­ças de co­mi­da, a água e o cai­xo­te de areia, em lo­cais di­fe­ren­tes des­sa mes­ma di­vi­são. Por for­ma a que com tem­po o seu ga­to se ha­bi­tue a es­tes no­vos re­cur­sos e as­sim, se for ne­ces­sá­rio, po­de dei­xá-lo pro­te­gi­do lon­ge da con­fu­são, ga­ran­tin­do-lhe que es­tá se­gu­ro. Se o ga­to qui­ser sair e vir co­nhe­cer a fa­mí­lia, de­ve ter es­sa opor­tu­ni­da­de, mas sem

ser for­ça­do. Aten­ção: Es­ta zo­na que irá cri­ar como re­fú­gio é um ex­tra aos re­cur­sos que o seu ga­to já tem em ca­sa. Não es­tá re­co­men­da­do tro­car os re­cur­sos do seu ga­to à úl­ti­ma da ho­ra e co­lo­cá-los to­dos nu­ma di­vi­são.

Mi­ni­mi­zar o stress

As pe­ças cha­ve da vi­da do seu ga­to são o ter­ri­tó­rio e as ro­ti­nas, e no Na­tal am­bos vão mu­dar. Pa­ra mi­ni­mi­zar o stress do ga­to fa­ce às alterações que vão ocor­rer po­de usar fe­ro­mo­nas, pre­fe­ren­ci­al­men­te em di­fu­sor. O di­fu­sor de­ve ser co­lo­ca­do no lo­cal on­de o ga­to pas­sa mais tem­po du­ran­te o dia. De­ve ser li­ga­do 3 di­as an­tes do pe­río­do em que vão ocor­rer mu­dan­ças em ca­sa, e man­ter-se li­ga­do 24 ho­ras por dia.

Di­fu­sor de fe­ro­mo­nas

A fe­ro­mo­na fa­ci­al fe­li­na é pro­du­zi­da na­tu­ral­men­te pe­los ga­tos e só ou­tros ga­tos a con­se­guem re­co­nhe­cer pe­lo seu ol­fa­to. Quan­do usa­mos fe­ro­mo­nas em ca­sa es­ta­mos a di­zer ao nos­so ga­to que ele se po­de sen­tir con­fi­an­te na­que­le ter­ri­tó­rio, dan­do-lhe um sen­ti­men­to de con­for­to em re­la­ção ao es­pa­ço on­de vi­ve.

Si­nais de stress

• Um ga­to que cos­tu­ma­va es­tar pre­sen­te e ago­ra es­tá es­con­di­do;

• O ga­to es­tá a co­mer me­nos;

• Mu­dan­ça de com­por­ta­men­to, como agres­si­vi­da­de pa­ra com ou­tros ga­tos da ca­sa ou pes­so­as;

• Fa­zer uri­na fo­ra do cai­xo­te de areia;

• Apa­re­ci­men­to de si­nais de do­en­ça (por exem­plo, vó­mi­to ou di­ar­reia).

Dei­xar o ga­to em ca­sa no Na­tal

Ca­so não vá pas­sar o pe­río­do do Na­tal em sua ca­sa, po­de pro­cu­rar hotéis que re­ce­bam ga­tos ou pro­cu­rar um ser­vi­ço de cat sit­ting, em que o seu ga­to se­rá vi­si­ta­do e tra­ta­do no con­for­to do seu lar. A mai­o­ria dos ga­tos fi­ca mais con­for­tá­vel em ca­sa, do que irem de fé­ri­as com o seu tu­tor, mas cla­ro que es­ta si­tu­a­ção va­ria de ga­to pa­ra ga­to. Se a vi­a­gem for um stress, mais va­le dei­xar o seu ga­to na sua ca­sa e ir lá al­guém es­pe­ci­a­li­za­do ou um ami­go seu, cui­dar de­le. Fe­liz Na­tal É cla­ro que os nos­sos ami­gos ga­tos tam­bém po­dem e de­vem re­ce­ber pren­das, mas aci­ma de tu­do re­ce­ber os mi­mos e cui­da­dos diá­ri­os é que o vão fa­zer fe­liz. Nes­te Na­tal, mes­mo que a ár­vo­re de Na­tal ve­nha ao chão, ou que o ga­to apa­re­ça em ci­ma da me­sa na Con­so­a­da, lem­bre-se que ele só quer co­nhe­cer e apro­vei­tar ca­da mo­men­to ao seu la­do. Te­mos a cer­te­za que es­ta qua­dra é mais fe­liz na com­pa­nhia do seu ami­go fe­li­no!

As pe­ças cha­ve da vi­da do seu ga­to são o ter­ri­tó­rio e as ro­ti­nas diá­ri­as, e no Na­tal am­bas vão mu­dar, o que lhe po­de pro­vo­car stress

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.