Saú­de Ani­mal Na­tu­ral: De­vo re­va­ci­nar anu­al­men­te o meu cão?

A res­pos­ta é NÃO, e quem o diz são os mais va­ri­a­dos e con­cei­tu­a­dos in­ves­ti­ga­do­res, pro­fes­so­res e es­pe­ci­a­lis­tas em imu­no­lo­gia ani­mal e os inú­me­ros es­tu­dos in­de­pen­den­tes que até ho­je fo­ram re­a­li­za­dos.

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO - Di­no­ra Xa­vi­er Mé­di­ca Ve­te­ri­ná­ria

Não se ilu­da, is­to não é uma con­clu­são re­cen­te, os es­tu­dos exis­tem pe­lo me­nos des­de a dé­ca­da de 60 do sé­cu­lo pas­sa­do. Ho­je va­mos ex­pli­car-lhe por que é que a re­a­li­da­de é as­sim e como po­de con­fir­mar se o seu ani­mal es­tá efe­ti­va­men­te pro­te­gi­do.

O que são va­ci­nas?

Va­ci­nas são me­di­ca­men­tos imu­no­ló­gi­cos. Sen­do um me­di­ca­men­to de­vem de ser in­di­ca­das e ad­mi­nis­tra­das pe­lo mé­di­co ve­te­ri­ná­rio e ape­nas após a re­a­li­za­ção do exa­me mé­di­co-ve­te­ri­ná­rio com­ple­to e ade­qua­do. Como qual­quer me­di­ca­men­to tem in­di­ca­ções te­ra­pêu­ti­cas, con­train­di­ca­ções e po­ten­ci­ais efei­tos ad­ver­sos que de­vem ser ti­dos em con­si­de­ra­ção fa­ce à si­tu­a­ção de saú­de in­di­vi­du­al e ca­da ani­mal. De­ve ter em con­ta que po­dem ocor­rer re­a­ções de hi­per­sen­si­bi­li­da­de em ani­mais que não to­le­rem a sua ad­mi­nis­tra­ção. Os ani­mais a va­ci­nar não po­dem ser mães ges­tan­tes nem em alei­ta­men­to, não po­dem es­tar do­en­tes, não de­vem ser por­ta­do­res de do­en­ça cró­ni­ca, nem de­vem de es­tar sob o efei­to de me­di­ca­ção que in­ter­fi­ra com o me­ca­nis­mo da ação des­tes me­di­ca­men­tos (va­ci­nas), como por exem­plo cor­ti­cos­te­roi­des (cor­ti­so­na), imu­nos­su­pres­so­res, me­di­ca­ção on­co­ló­gi­ca, an­ti­bió­ti­cos, an­ti-his­ta­mí­ni­cos, etc. Tam­bém de­ve ter em con­ta que ani­mais pa­ra­si­ta­dos e sub­nu­tri­dos, com bai­xa con­di­ção nu­tri­ci­o­nal ou de­bi­li­da­de fí­si­ca não de­vem ser va­ci­na­dos.

Como são pro­du­zi­das as va­ci­nas?

Exis­tem di­fe­ren­tes mé­to­dos bi­o­tec­no­ló- gi­cos pa­ra a pro­du­ção de va­ci­nas. Qua­se sem­pre im­pli­cam que os ví­rus, bac­té­ri­as, fun­gos ou ou­tros agen­tes dos quais que­re­mos pro­te­ger os nos­sos ani­mais se­jam pri­mei­ro iden­ti­fi­ca­dos, de­pois iso­la­dos e “cul­ti­va­dos”. Cul­ti­var mi­cro-or­ga­nis­mos im­pli­ca dis­po­ni­bi­li­zar-lhes ma­te­ri­al nu­tri­ti­vo pa­ra cres­ce­rem, por is­so, mui­tos dos mei­os de cul­tu­ra des­ses mi­cro-or­ga­nis­mos são cé­lu­las e te­ci­dos de ani­mais vi­vos. Como exem­plo tem os ovos em­bri­o­na­dos de ga­li­nha. Só pa­ra a pro­du­ção de um lo­te de va­ci­nas po­de ne­ces­si­tar de cer­ca de 250.000 (du­zen­tos e cin­quen­ta mil) ovos em­bri­o­na­dos que são ino­cu­la­dos e in­fe­ta­dos com os mi­cro-or­ga­nis­mos pa­ra que es­tes se mul­ti­pli­quem na mai­or quan­ti­da­de pos­sí­vel. Quan­do es­tão pres­tes a eclo­dir dos ovos, os em­briões são mor­tos e o lí­qui­do é re­co­lhi­do pa­ra ser de­pois la­va­do, fil­tra­do, pu­ri­fi­ca­do e tra­ta­do far­ma­cêu­ti­ca­men­te pa­ra que pos­sa ter o lo­te de va­ci­nas dis­po­ní­vel.

O que con­têm as va­ci­nas?

As va­ci­nas são cons­ti­tuí­das pe­lo an­ti­gé­nio, ou se­ja, por par­tí­cu­las de mi­cro-or­ga­nis­mos pa­ra os quais que­re­mos in­du­zir a imu­ni­da­de no

cão. Se­jam eles ví­rus, bac­té­ri­as, pa­ra­si­tas ou fun­gos, es­tes mi­cro-or­ga­nis­mos es­tão pre­sen­tes nas va­ci­nas vi­vos e ate­nu­a­dos ou mor­tos. Em ge­ral são frag­men­ta­dos ou es­co­lhi­das ape­nas par­tes es­pe­cí­fi­cas da sua cons­ti­tui­ção. Tam­bém po­dem ser uti­li­za­dos pro­du­tos que os pró­pri­os mi­cro-or­ga­nis-

mos pro­du­zem (por exem­plo, to­xoi­des de bac­té­ri­as como na va­ci­na do té­ta­no). Pa­ra além dos mi­cro-or­ga­nis­mos as

va­ci­nas con­têm ex­ci­pi­en­tes como sol­ven­tes, con­ser­van­tes, an­ti­bió­ti­cos, es­ta­bi­li­za­do­res e ad­ju­van­tes imu­no­ló­gi­cos na sua com­po­si­ção.

Qu­al o pro­pó­si­to dos ex­ci­pi­en­tes nas va­ci­nas?

Os ex­ci­pi­en­tes pre­sen­tes nas va­ci­nas vão ser ino­cu­la­dos no cor­po dos ani­mais jun­to com o an­ti­gé­nio (par­tí­cu­las dos

As va­ci­nas são me­di­ca­men­tos imu­no­ló­gi­cos e têm in­di­ca­ções te­ra­pêu­ti­cas, con­train­di­ca­ções e efei­tos ad­ver­sos

mi­cro-or­ga­nis­mos). Co­nhe­ça ou prin­ci­pais ex­ci­pi­en­tes pre­sen­tes nas va­ci­nas e o seu ob­jec­ti­vo, bem como re­a­ções que po­dem ge­rar.

Pa­ra que ser­vem e como atu­am as va­ci­nas no cor­po dos ani­mais?

As va­ci­nas são com­pos­tas por mi­cro-or­ga­nis­mos vi­vos e ate­nu­a­dos ou mor­tos. Is­to sig­ni­fi­ca que não é a va­ci­na que pro­te­ge o seu ani­mal, ou se­ja, va­ci­nar o seu ani­mal não ga­ran­te que ele fi­que pro­te­gi­do, por vá­ri­os mo­ti­vos.

An­ti­gé­ni­os e ad­ju­van­tes

Pri­mei­ro, os an­ti­gé­ni­os e os ad­ju­van­tes não são an­ti­cor­pos e lo­go não pro­te­gem pas­si­va­men­te nem di­re­ta­men­te

o seu cão. Os an­ti­gé­ni­os e os ad­ju­van­tes vão exer­cer so­bre o sis­te­ma imu­ni­tá­rio do seu cão um stress, ou se­ja, vão si­mu­lar uma do­en­ça e le­var o sis­te­ma imu­ni­tá­rio a acre­di­tar que es­tá pe­ran­te uma ame­a­ça es­pe­cí­fi­ca. Is­to le­va-o a pro­du­zir en­tão os re­fe­ri­dos an­ti­cor­pos, imu­ni­za­ção ati­va e, des­de que is­to acon­te­ça, o seu ani­mal de­ve­rá fi­car pro­te­gi­do pa­ra a re­fe­ri­da do­en­ça, uma vez que, como não exis­tem ví­rus “re­ais” no seu cor­po, os an­ti­cor­pos pro­du­zi­dos não têm do­en­ça pa­ra com­ba­ter e fi­cam de “re­ser­va”, em cir­cu­la­ção e nos gân­gli­os lin­fá­ti­cos, e a sua pre­sen­ça po­de ser tes­ta­da e com­pro­va­da com efi­cá­cia e cre­di­bi­li­da­de.

Imu­ni­za­ção pas­si­va

Exis­te ou­tro ti­po de imu­ni­za­ção, cha­ma­da de pas­si­va, na qu­al se po­dem in­tro­du­zir so­ros de an­ti­cor­pos di­re­ta

men­te no cor­po dos ani­mais. Não exi­ge a pro­du­ção de an­ti­cor­pos pe­lo pró­prio ani­mal e po­dem ser es­sen­ci­ais du­ran­te um epi­só­dio de do­en­ça ou sur­to. Um clás­si­co exem­plo de imu­ni­za­ção pas­si­va na­tu­ral é a trans­mis­são de an­ti­cor­pos ma­ter­nos pa­ra as cri­as, du­ran­te a ges­ta­ção e o alei­ta­men­to ma­ter­no e, por is­so, es­tes mo­men­tos, são mais im­por­tan­tes na pre­ser­va­ção da vi­da dos ani­mais do que qual­quer cam­pa­nha ou ação de va­ci­na­ção.

Di­fe­ren­ças prin­ci­pais en­tre a imu­ni­za­ção pas­si­va e ati­va no ca­chor­ro e em adul­tos

Os an­ti­cor­pos não são to­dos iguais em to­das as eta­pas da vi­da e de­sen­vol­vi­men­to do cão, des­de ca­chor­ro a sé­ni­or. A prin­ci­pal di­fe­ren­ça de­cor­re des­de o nas­ci­men­to até aos 4-5 me­ses e dos 5-6 me­ses em di­an­te. Até cer­ca dos 4-5 me­ses, os ani­mais que es­ti­ve­ram em alei­ta­men­to com as su­as mães, pe­lo me­nos du­ran­te 4 a 8 se­ma­nas, ob­ti­ve­ram mui­to pro­va­vel­men­te um ní­vel óti­mo da va­ri­e­da­de dos pri­mei­ros an­ti­cor­pos pas­si­vos, mais co­nhe­ci­dos por IGM. Os an­ti­cor­pos são pro­teí­nas com fun­ções es­pe­cí­fi­cas e de­sig­na­ções va­ri­a­das como IGG, IGM, IGE ou ou­tras. Na fa­se in­fan­til pre­do­mi­nam Ige’s (res­pos­ta ime­di­a­ta) e Igm’s (an­ti­cor­pos pas­si­vos ma­ter­nos mui­to efi­ca­zes) pe­lo que, va­ci­nar pre­co­ce­men­te, po­de não ser efe­ti­va­men­te ade­qua­do ao cor­re­to fun­ci­o­na­men­to e ma­tu­ri­da­de ade­qua­da do sis­te­ma imu­ni­tá­rio, ne­ces­sá­rio quan­do o cão for adul­to. Na fa­se adul­ta pre­do­mi­nam Igg’s, an-

ti­cor­pos ad­qui­ri­dos que já fo­ram pro

du­zi­dos pe­lo pró­prio ani­mal e que são ex­clu­si­vos de­le pró­prio e ade­qua­dos à sua in­for­ma­ção ge­né­ti­ca pró­pria. A sua for­ma­ção po­de ser in­du­zi­da a par­tir do con­tac­to na­tu­ral com o meio am­bi­en­te ou atra­vés de uma va­ci­na­ção ade­qua­da. Du­ran­te a fa­se in­fan­til do cão, os an­ti­cor­pos ma­ter­nos (IGM) de­ca­em na­tu­ral­men­te, en­quan­to os an­ti­cor­pos de­fi­ni­ti­vos (IGG) se for­mam pro­gres­si­va­men­te. En­tre os 6 e os 12 me­ses, o sis­te­ma imu­ni­tá­rio de­fi­ni­ti­vo do cão es­tá de­fi­ni­do e já é pos­sí­vel tes­tar a pre­sen­ça de an­ti­cor­pos pro­te­to­res e de­fi­ni­ti­vos,

As va­ci­nas são cons­ti­tuí­das por par­tí­cu­las de mi­cro-or­ga­nis­mos pa­ra os quais que­re­mos in­du­zir a imu­ni­da­de no cão

que são vi­ta­lí­ci­os e não vão de­sa­pa­re­cer ou per­der a va­li­da­de no cor­po do seu ani­mal. O seu cão vai es­tar pro­te­gi­do pa­ra to­da a vi­da!

Te­nho mes­mo que re­va­ci­nar anu­al­men­te?

A res­pos­ta é que não tem. Efe­ti­va­men­te, não tem que re­va­ci­nar anu­al­men

te o seu cão uma vez que, as­sim que o mes­mo se en­con­trar imu­ni­za­do, ou se­ja, com um bom ní­vel de an­ti­cor­pos (Igg´s) es­pe­cí­fi­cos pa­ra ca­da uma das do­en­ças po­ten­ci­al­men­te mor­tais, es­tes são vi­ta­lí­ci­os no cor­po do seu ani­mal. Os Igg’s es­pe­cí­fi­cos são uma com­po­nen­te mui­to es­pe­ci­a­li­za­da do sis­te­ma imu­ni­tá­rio que exis­te de for­ma per­ma­nen­te pa­ra ga­ran­tir que qual­quer in­di­ví­duo se en­con­tra per­ma­nen­te­men­te pro­te­gi­do con­tra do­en­ças po­ten­ci­al­men­te mor­tais. Efe­ti­va­men­te, não faz sen­ti­do que um or­ga­nis­mo fun­ci­o­nal­men­te per­fei­to não con­si­ga ga­ran­tir a pro­te­ção ade­qua­da pa­ra es­te ti­po de ame­a­ças. O fac­to é que con­se­gue e é por is­so que exis­tem ain­da ho­je na Ter­ra mi­lha­res de es­pé­ci­es de ani­mais di­fe­ren­tes, ape­sar das cons­tan­tes “ame­a­ças bi­o­ló­gi­cas” de ví­rus, bac­té­ri­as, fun­gos e pa­ra­si­tas a que es­tão ex­pos­tas.

En­tão, por que me é in­di­ca­do que re­va­ci­ne anu­al­men­te?

Is­so já é uma ques­tão que se pren­de com a ges­tão de ca­da prá­ti­ca clí­ni­ca in­di­vi­du­al e das op­ções pessoais de ca­da mé­di­co ve­te­ri­ná­rio, e não com ques­tões de con­tro­vér­sia ci­en­tí­fi­ca. Nes­te te­ma, os tes­tes re­a­li­za­dos ao lon­go já de mui­tas dé­ca­das são unâ­ni­mes em con­fir­mar que a imu­ni­da­de ad­qui­ri­da é vi­ta­lí­cia. Quan­to às re­co­men­da­ções so­bre os in- ter­va­los de va­ci­na­ção, es­tas es­tão en­tre­gues de for­ma le­gal ao que ca­da fa­bri­can­te/la­bo­ra­tó­rio qui­ser de­ter­mi­nar pa­ra a sua mar­ca de va­ci­nas e ao que ca­da mé­di­co ve­te­ri­ná­rio clí­ni­co achar cor­re­to ins­ti­tuir uma vez que exis­te es­sa li­ber­da­de e não exis­te ne­nhu­ma im­po­si­ção le­gal em con­trá­rio. Po­de tam­bém va­ri­ar com o ti­po de va­ci­na pa­ra que se es­tá a va­ci­nar, mas pa­ra me­lhor de­fi­nir es­ta va­ri­a­bi­li­da­de, as no­vas re­co­men­da­ções clas­si­fi­cam pre­vi­a­men­te as va­ci­nas em es­sen­ci­ais, não es­sen­ci­ais e não re­co­men­da­das. No pró­xi­mo nú­me­ro va­mos ex­pli­car tu­do so­bre es­tas dis­tin­ções pa­ra que pos­sa to­mar as me­lho­res de­ci­sões so­bre a saú­de do seu cão e man­tê-lo de­vi­da­men­te pro­te­gi­do.

En­tre os 6 e os 12 me­ses o sis­te­ma imu­ni­tá­rio de­fi­ni­ti­vo do cão es­tá de­fi­ni­do e é pos­sí­vel tes­tar a pre­sen­ça de an­ti­cor­pos

Pa­ra além dos mi­cro-or­ga­nis­mos as va­ci­nas con­têm ex­ci­pi­en­tes na sua com­po­si­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.