Jack Rus­sell Ter­ri­er

O Jack Rus­sell é um pe­que­no cão de ca­ça, ex­tre­ma­men­te ener­gé­ti­co e que se tem tor­na­do bas­tan­te po­pu­lar pe­lo Mun­do, não só en­tre os ca­ça­do­res, co­mo tam­bém pe­las su­as qua­li­da­des no con­tro­lo de pra­gas (ra­tos e ra­ta­za­nas) e ain­da co­mo cão de des­por­to e de fam

Caes & Companhia - - Nesta Edição - Luís Gor­jão-hen­ri­ques, juiz da ra­ça e cri­a­dor com o afi­xo “Va­le do Criz”

Ara­ça Jack Rus­sell Ter­ri­er te­ve a sua ori­gem na Aus­trá­lia, on­de di­ver­sos cri­a­do­res se de­di­ca­ram a se­le­ci­o­nar um ti­po es­pe­cí­fi­co de Ter­ri­er, a par­tir de im­por­ta­ções de In­gla­ter­ra de exem­pla­res da ra­ça atu­al­men­te co­nhe­ci­da co­mo Par­son Rus­sell Ter­ri­er, na al­tu­ra cha­ma­da de Par­son Jack Rus­sell Ter­ri­er.

His­tó­ria da Ra­ça

Foi no iní­cio do séc. XIX que o Re­ve­ren­do (Par­son, em in­glês) John Rus­sell (cu­jo di­mi­nu­ti­vo é Jack), sen­do um gran­de adep­to da ca­ça, se de­di­cou a se­le­ci­o­nar uma li­nha de cães pre­do­mi­nan­te­men­te bran­cos, ati­vos e com es­pe­ci­ais ap­ti­dões pa­ra a ca­ça, em es­pe­ci­al a ca­ça à ra­po­sa, sa­ca-ra­bos, te­xu­gos e ani­mais se­me­lhan­tes. Ra­pi­da­men­te, ob­te­ve uma li­nha de cães com uma ti­pi­ci­da­de fe­no­tí­pi­ca bas­tan­te con­sis­ten­te que se tor­nou co­nhe­ci­da por to­do o Rei­no Uni­do de­vi­do às su­as ex­ce­ci­o­nais ap­ti­dões pa­ra tra­ba­lhar. De­pres­sa os cães do Par­son Jack Rus­sell se dis­se­mi­na­ram por to­da a Eu­ro­pa e che­ga­ram tam­bém à Aus­trá­lia, on­de foi se­le­ci­o­na­da uma va­ri­e­da­de de pa­ta mais cur­ta e cor­po li­gei­ra­men­te mais com­pri­do.

Fi­xa­ção da ra­ça

Em 1999, a Fe­de­ra­ção Ci­no­ló­gi­ca In­ter­na­ci­o­nal (FCI) propôs a se­pa­ra­ção em du­as ra­ças dis­tin­tas das du­as li­nhas de cri­a­ção, ten­do fi­ca­do a li­nha ori­gi­nal de cães de pa­ta mais al­ta e de es­tru­tu­ra mais qua­dra­da com o no­me Par­son Rus­sell e os exem­pla­res de pa­ta mais cur­ta e de es­tru­tu­ra mais com­pri­da com o no­me de Jack Rus­sell.

Es­ta pro­pos­ta da Co­mis­são de Es­ta­lões da FCI foi apro­va­da na As­sem­bleia Ge­ral des­ta or­ga­ni­za­ção no ano 2000, da­ta a par­tir da qual se pas­sa­ram a emi­tir os pe­di­gre­es co­mo ra­ças di­fe­ren­tes e pas­sa­ram a ser apre­sen­ta­dos se­pa­ra­da­men­te em Ex­po­si­ções. Os exem­pla­res en­tão re­gis­ta­dos co­mo Par­son Jack Rus­sell fo­ram sub­me­ti­dos a jul­ga­men­to, sen­do aque­les iden­ti­fi­ca­dos co­mo Jack Rus­sell trans­fe­ri­dos pa­ra o res­pe­ti­vo re­gis­to.

A ra­ça atu­al

Fo­ram os cri­a­do­res aus­tra­li­a­nos os gran­des res­pon­sá­veis pe­la se­le­ção mais cui­da­da dos exem­pla­res de pa­ta mais cur­ta que nas­ci­am nas di­ver­sas ni­nha­das. En­quan­to na Grã-bre­ta­nha a se­le­ção le­va­da por al­guns “cri­a­do­res” não te­ve o mí­ni­mo cui­da­do na qua­li­da­de dos exem­pla­res e nas ca­rac­te­rís­ti­cas de­fi­ni­das pe­lo pró­prio Jack Rus­sell, na Aus­trá­lia foi efe­tu­a­do um tra­ba­lho sé­rio. E o re­sul­ta­do vê-se nos exem­pla­res de li­nhas aus­tra­li­a­nas, bem apru­ma­dos e de pei­to fle­xí­vel, ca­rac­te­rís­ti­ca mui­to im­por­tan­te e de que fa­la­re­mos mais à fren­te.

O Jack Rus­sell Ter­ri­er te­ve a sua ori­gem na Aus­trá­lia, on­de cri­a­do­res se de­di­ca­ram a se­le­ci­o­nar um ti­po es­pe­cí­fi­co de Ter­ri­er

As li­nhas in­gle­sas e fran­ce­sas do cão ori­gi­nal só têm o no­me da ra­ça à qual di­zem per­ten­cer. Apre­sen­tan­do, na sua mai­o­ria, maus apru­mos, pei­to de­ma­si­a­do for­te e pou­co fle­xí­vel, ca­be­ças de­ma­si­a­do es­trei­tas e fo­ci­nho de­ma­si­a­do com­pri­do a lem­brar pro­vá­veis cru­za­men­tos com o Bai­xo­te (Tec­kel), co­lo­ra­ção de­ma­si­a­da e até exem­pla­res de ore­lhas ere­tas, qual Po­den­go Por­tu­guês de ra­bo cor­ta­do... A qua­li­da­de e he­te­ro­ge­nei­da­de des­tes exem­pla­res é tal que o Ken­nel Club In­glês tar­dou em os re­co­nhe­cer co­mo ra­ça pu­ra. Hou­ve no fi­nal de 2015 uma pro­pos­ta jun­to do Ken­nel Club In­glês pa­ra fi­nal­men­te re­co­nhe­cer o Jack Rus­sell co­mo ra­ça no Rei­no Uni­do, mas es­ta pro­pos­ta re­ce­bi­da com bas­tan­te con­tes­ta­ção e opo­si­ção por par­te dos cri­a­do­res bri­tâ­ni­cos foi ape­nas apro­va­da em 2017, al­tu­ra a par­tir da qual os Jack Rus­sell Ter­ri­er pas­sa­ram a po­der com­pe­tir nas Ex­po­si­ções or­ga­ni­za­das pe­lo Ken­nel Club e a pos­suir pe­di­gre­es pró­pri­os. Nes­te mo­men­to exis­tem bas­tan­tes im­por­ta­ções pa­ra o Rei­no Uni­do de exem­pla­res de li­nhas aus­tra­li­a­nas vin­dos não só dos Paí­ses Nór­di­cos co­mo tam­bém de Por­tu­gal.

A ra­ça em Por­tu­gal

Ape­sar de exis­ti­rem di­ver­sas pes­so­as que, an­te­ri­or­men­te ao re­co­nhe­ci­men­to da ra­ça, já pos­suíam em Por­tu­gal exem­pla­res de pa­ta cur­ta do ti­po Rus­sell Ter­ri­er, es­tes não pos­suíam pe­di­gre­es ofi­ci­ais não sen­do pos­sí­vel ates­tar a sua pu­re­za. Os pri­mei­ros cri­a­do­res em Por­tu­gal com Jack Rus­sell Ter­ri­er ofi­ci­al­men­te re­gis­ta­dos em Li­vros de Ori­gens re­co­nhe­ci­dos fo­ram Mi­guel Neves, do afi­xo “Al­ter­ri­al”, que im­por­tou du­as fê­me­as e um ma­cho da Aus­trá­lia, do fa­mo­so ca­nil “Myr­mi­don Jack” o mais pro­lí­fi­co e pre­mi­a­do na Aus­trá­lia, e Luís Gor­jão-hen­ri­ques, do afi­xo “Va­le do Criz”, que cri­a­va já des­de 1992 o Par­son Rus­sell Ter­ri­er.

Es­te úl­ti­mo im­por­tou da Aus­trá­lia a fê­mea “Ma­cul­len High­land Ro­se”, que foi um dos exem­pla­res mais pre­mi­a­dos na Eu­ro­pa no seu tem­po, ten­do atin­gi­do os tí­tu­los de Cam­peã da Eu­ro­pa e de Cam­peã INTERRA (In­ter­na­ti­o­nal ter­ri­er As­so­ci­a­ti­on), além de mui­tos ou­tros tí­tu­los a ní­vel na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal.

Fo­ram im­por­ta­dos ou­tros exem­pla­res de bas­tan­te qua­li­da­de, per­mi­tin­do me­lho­rar ain­da mais es­tas li­nhas. Com exem­pla­res cri­a­dos por es­tes cri­a­do­res, sur­gi­ram en­tão em Por­tu­gal al­guns ou­tros cri­a­do­res de Jack Rus­sell que têm pro­du­zi­do exem­pla­res de bas­tan­te qua­li­da­de e com ex­ce­len­tes re­sul­ta­dos em Ex­po­si­ções a ní­vel na­ci­o­nal. nos úl­ti­mos anos sur­gi­ram no­vos cri­a­do­res que têm efe­tu­a­do im­por­ta­ções de exem­pla­res com pe­di­gre­es bas­tan­te in­te­res­san­tes e dos quais se es­pe­ra, num fu­tu­ro pró­xi­mo, o in­cre­men­to de qua­li­da­de nos nos­sos rin­gues. no en­tan­to, a cri­a­ção por­tu­gue­sa es­tá bem vis­ta na Eu­ro­pa, com exem­pla­res cri­a­dos por cá a ob­te­rem vá­ri­as vi­tó­ri­as em rin­gues por to­da a Eu­ro­pa, com des­ta­que pa­ra o ven­ce­dor do tí­tu­lo de ma­chos adul­tos da Eu­ro­peia 2015 re­a­li­za­da em Os­lo (no­ru­e­ga) e Me­lhor da ra­ça na Mun­di­al 2016 re­a­li­za­da em Mos­co­vo, “Pro­ko­fi­ev de Va­le do Criz”, re­si­den­te na Rús­sia e Cam­peão tam­bém de vá­ri­os paí­ses da Eu­ro­pa de Les­te, ou o ven­ce­dor Jú­ni­or da Eu­ro­peia 2016 “Cus­co dos Ma­ku­as” ven­ce­dor de inú­me­ros BIS (Me­lhor Exem­plar Ab­so­lu­to da Ex­po­si­ção) em di­ver­sas ex­po­si­ções na­ci­o­nais e In­ter­na­ci­o­nais.

Po­pu­la­ri­da­de vs qua­li­da­de

Com a cres­cen­te po­pu­la­ri­da­de da ra­ça, e a in­fe­li­ci­da­de pa­ra a Ca­ni­cul­tu­ra na­ci­o­nal que foi a in­tro­du­ção do Re­gis­to Ini­ci­al, têm sur­gi­do, in­fe­liz­men­te, cen­te­nas de exem­pla­res de qua­li­da­de fra­ca, ven­di­dos co­mo Jack Rus­sell, mas que des­tes ape­nas pos­su­em o re­gis­to. Bas­ta ve­ri­fi­car os web­si­tes de anún­ci­os ou as pá­gi­nas de­di­ca­das à ra­ça no Fa­ce­bo­ok, pa­ra ve­ri­fi­car­mos a fal­ta de ti­pi­ci­da­de da mai­o­ria dos exem­pla­res co­mum­men­te apre­sen­ta­dos co­mo sen­do Jack Rus­sell ter­ri­er.

Mui­tas ve­zes são de­ma­si­a­do mar­ca­dos dei­xan­do o bran­co de ser a cor pre­do­mi­nan­te, pos­su­em ore­lhas ere­tas ou o pei­to de­ma­si­a­do de­sen­vol­vi­do e sem fle­xi­bi­li­da­de. A re­la­ção al­tu­ra-com­pri­men­to é tam­bém mui­tas ve­zes in­cor­re­ta. A con­sul­ta aos anún­ci­os clas­si­fi­ca­dos em jor­nais ou em sí­ti­os da In­ter­net es­pe­ci­a­li­za­dos na co­mer­ci­a­li­za­ção de pro­du­tos per­mi­te iden­ti­fi­car de­ze­nas de pro­du­to­res de ani­mais cu­jo in­te­res­se é me­ra­men­te co­mer­ci­al, não se pre­o­cu­pan­do com a con­for­mi­da­de com o es­ta­lão da ra­ça, nem com a qua­li­da­de dos exem­pla­res,

O Jack Rus­sell é um Ter­ri­er de “pa­ta cur­ta”, com a al­tu­ra ao gar­ro­te com­pre­en­di­da en­tre os 25 e os 30 cm

nem com a se­le­ção de re­pro­du­to­res. Exis­tem tam­bém im­por­ta­do­res de ani­mais por gros­so, que com­pram no Les­te da Eu­ro­pa em “pe­cuá­ri­as ca­ni­nas”, de­ze­nas de ca­chor­ros de di­ver­sas ra­ças a bai­xo pre­ço e os re­ven­dem em Por­tu­gal co­mo sen­do “exem­pla­res im­por­ta­dos” de “al­ta qua­li­da­de”, mui­tas ve­zes atí­pi­cos e por­ta­do­res de di­ver­sas do­en­ças. In­fe­liz­men­te, es­tes im­por­ta­do­res de ani­mais não são con­tro­la­dos pe­las En­ti­da­des Es­ta­tais res­pon­sá­veis, exer­cen­do as­sim li­vre­men­te o seu ne­gó­cio, bur­lan­do os com­pra­do­res e pre­ju­di­can­do os ver­da­dei­ros cri­a­do­res que in­ves­tem em re­pro­du­to­res de qua­li­da­de ou en­vi­am as su­as fê­me­as ao es­tran­gei­ro pa­ra re­pro­du­zi­rem com o exem­plar que con­si­de­ram mais in­di­ca­do, o que im­pli­ca gran­des in­ves­ti­men­tos, nun­ca re­com­pen­sá­veis na ven­da de ca­chor­ros, mas ape­nas pe­lo gra­ti­fi­ca­ção de ve­rem os pro­du­tos des­sas ni­nha­das se­rem de ele­va­da qua­li­da­de.

O Es­ta­do Por­tu­guês pre­fe­re co­lo­car obs­tá­cu­los aos cri­a­do­res, cri­an­do-lhes li­mi­ta­ções e re­gras, mas não se pre­o­cu­pa em fis­ca­li­zar as fá­bri­cas de cães, os trans­por­tes de “ga­do ca­ni­no” que cru­zam a Eu­ro­pa pa­ra ven­der em Por­tu­gal ao des­ba­ra­to ou quem ven­de “ga­to por le­bre” nos web­si­tes

de anún­ci­os. Mes­mo a mais re­cen­te le­gis­la­ção, que proí­be anun­ci­ar co­mo sen­do de ra­ça qu­al­quer animal que não te­nha re­gis­to no Li­vro de Ori­gens tem si­do am­plas ve­zes con­tor­na­da pe­los anun­ci­an­tes, não ha­ven­do no­tí­ci­as de fis­ca­li­za­ção e pe­na­li­za­ção dos mes­mos por par­te das En­ti­da­des res­pon­sá­veis do Es­ta­do, no­me­a­da­men­te, a DGAV e a ASAE.

Prin­ci­pais ap­ti­dões da ra­ça

Co­mo a mai­o­ria dos Ter­ri­er, o Jack Rus­sell foi se­le­ci­o­na­do pa­ra a ca­ça à ra­po­sa, te­xu­go e sa­ca-ra­bos, sen­do um com­ba­ten­te aguer­ri­do e des­te­mi­do, não vi­ran­do nun­ca a ca­ra à lu­ta.

Co­mo ca­ça­dor de ra­tos, é tam­bém im­pla­cá­vel, ex­ter­mi­nan­do qu­al­quer pra­ga des­tes ro­e­do­res que pos­sa exis­tir nas ime­di­a­ções do lo­cal on­de vi­ve. Por es­ta ra­zão, o Jack Rus­sell Ter­ri­er é o cão mais po­pu­lar en­tre os cri­a­do­res de ca­va­los, es­pe­ci­al­men­te os de com­pe­ti­ção, em cu­jas bo­xes vi­ve per­ma­nen­te­men­te pe­lo me­nos um Jack Rus­sell, res­pon­sá­vel pe­la ca­ça aos ra­tos, cu­ja uri­na po­de ter con­sequên­ci­as fa­tais se mis­tu­ra­da na co­mi­da, le­van­do à mor­te dos mui­to va­li­o­sos ca­va­los de com­pe­ti­ção.

Sen­do um cão mui­to enér­gi­co e com gran­de fa­ci­li­da­de de apren­di­za­gem, é usa­do com su­ces­so em di­ver­sos des­por­tos ca­ni­nos co­mo o Fris­bee, o Fly­ball ou o Agi­lity, on­de go­za de bas­tan­te po­pu­la­ri­da­de.

Sen­do um cão mui­to enér­gi­co e com gran­de fa­ci­li­da­de de apren­di­za­gem, é usa­do com su­ces­so em di­ver­sos des­por­tos ca­ni­nos

Apa­rên­cia ge­ral

A ní­vel mor­fo­ló­gi­co, a ca­be­ça do Jack Rus­sell não se de­ve con­fun­dir com a do Fox Ter­ri­er ou com a do Ter­ri­er Bra­si­lei­ro, co­mo tan­tas ve­zes acon­te­ce. O crâ­nio é re­la­ti­va­men­te lar­go, com os mús­cu­los dos mas­se­te­res bem de­sen­vol­vi­dos, o fo­ci­nho de­ve ser li­gei­ra­men­te mais curto do que o crâ­nio, não de­ven­do ser afi­la­do.

As ore­lhas devem ser do­bra­das no ter­ço an­te­ri­or e bem jus­tas ao crâ­nio, sen­do bas­tan­te mó­veis. Ore­lhas ere­tas são pe­na­li­zá­veis, pois po­dem re­ve­lar cru­za­men­tos com ou­tras ra­ças.

O Jack Rus­sell é um Ter­ri­er de “pa­ta cur­ta” se­gun­do a de­fi­ni­ção da FCI, e não um “pa­ta al­ta” co­mo o Par­son Rus­sell, e a sua al­tu­ra ao gar­ro­te de­ve ser com­pre­en­di­da en­tre os 25 e os 30 cm. Não de­ve­rá ul­tra­pas­sar es­se li­mi­te pa­ra não se con­fun­dir com o seu ir­mão Par­son Rus­sell, cu­ja al­tu­ra má­xi­ma é de 36 cm.

É um cão mais com­pri­do do que al­to, mas não de­ma­si­a­do com­pri­do. A pro­por­ção da al­tu­ra em re­la­ção à pro­fun­di­da­de do pei­to é de 50/50, o que sig­ni­fi­ca que a al­tu­ra do pei­to ao chão é a mes­ma da par­te de bai­xo do pei­to até ao gar­ro­te. É um de­fei­to tam­bém bas­tan­te co­mum o bra­ço curto, que im­pli­ca que es­ta dis­tân­cia não se­ja res­pei­ta­da.

Pa­ra en­trar nas to­cas...

O pei­to é uma das ca­rac­te­rís­ti­cas mais im­por­tan­tes da ra­ça. De­ve ser pou­co lar­go e fle­xí­vel, com ar­cos cos­tais pla­nos. Cães com ar­cos cos­tais mais ar­que­a­dos po­dem re­ve­lar cru­za­men­tos com ou­tras ra­ças. O pei­to, me­di­do atrás do gar­ro­te, de­ve ca­ber den­tro de du­as mãos “de ta­ma­nho mé­dio”, de­ven­do as cos­te­las ser fle­xí­veis quan­do agar­ra­das.

Es­ta ca­rac­te­rís­ti­ca, de gran­de importância, per­mi­te que o Jack Rus­sell não fi­que pre­so nas to­cas das su­as pre­sas, quan­do se en­con­tra a ca­çar. Exis­tem de­ma­si­a­dos exem­pla­res cu­jo pei­to, de­ma­si­a­do lar­go e pou­co fle­xí­vel, fa­zem um con­jun­to “mais ape­la­ti­vo”, mas que é ab­so­lu­ta­men­te in­cor­re­to e de­ve ser pe­na­li­za­do. Nu­ma Ex­po­si­ção Ca­ni­na, um juiz es­pe­ci­a­lis­ta de Ter­ri­ers, de­ve sem­pre me­dir o pei­to e a sua fle­xi­bi­li­da­de atra­vés de uma téc­ni­ca cha­ma­da “Span­ning”. In­fe­liz­men­te, os juí­zes ge­ne­ra­lis­tas mui­tas ve­zes es­que­cem es­te im­por­tan­te de­ta­lhe na se­le­ção da ra­ça, co­mum ao Par­son Rus­sell e ao Bor­der Ter­ri­er.

Cau­da in­tei­ra vs cor­ta­da

A cau­da po­de ser cor­ta­da, o que em Por­tu­gal é ain­da per­mi­ti­do, uma vez que na as­si­na­tu­ra da Con­ven­ção Eu­ro­peia dos Di­rei­tos dos Ani­mais, co­lo­cá­mos uma ex­ce­ção à apli­ca­ção do ar­ti­go em cau­sa. O cor­te po­de as­sim ser re­a­li­za­do, de­ven­do o ra­bo fi­car, em adul­to, com o ta­ma­nho de um pu­nho, de mo­do a que o ca­ça­dor o pos­sa pu­xar por aí das to­cas on­de en­tra em per­se­gui­ção das su­as pre­sas. Mas, com a proi­bi­ção em al­guns paí­ses da Eu­ro­pa de ex­por cães com ra­bo cor­ta­do, há ca­da vez mais cri­a­do­res em Por­tu­gal que op­ta­ram por dei­xar as cau­das dos seus cães in­tei­ras.

O cor­te de pre­su­nhos é proi­bi­do em Por­tu­gal, pe­la re­fe­ri­da Con­ven­ção, mas não é co­mum en­con­trar exem­pla­res des­ta ra­ça com es­te pro­ble­ma.

Pe­la­gem

O pe­lo, tal co­mo no Par­son Rus­sell, po­de ser li­so, cer­do­so ou bro­ken (um pe­lo de tex­tu­ra cer­do­sa, mas mais curto). Na mes­ma ni­nha­da po­dem nas­cer exem­pla­res com os três ti­pos de pe­lo, po­den­do ser cru­za­dos os di­ver­sos ti­pos de pe­la­gem in­dis­cri­mi­na­da­men­te. Re­cen­te­men­te, a INTERRA (In­ter­na­ti­o­nal Ter­ri­er As­so­ci­a­ti­on) fez uma Cir­cu­lar in­cen­ti­van­do os paí­ses mem­bros a pos­si­bi­li­ta­rem a apre­sen­ta­ção em rin­gue em Clas­ses di­fe­ren­tes con­for­me o ti­po de pe­la­gem, li­sos de um la­do, bro­ken e cer­do­sos do ou­tro, pois es­tes úl­ti­mos têm nor­mal­men­te a pre­fe­rên­cia dos juí­zes por te­rem me­lhor ti­po. Es­ta me­di­da já foi im­ple­men­ta­da e foi na Mo­no­grá­fi­ca da Hun­gria em 2016 re­a­li­za­da pe­la pri­mei­ra vez es­te ti­po de se­pa­ra­ção.

Por­tu­gal tam­bém ade­riu a es­ta so­li­ci­ta­ção, apro­va­da pe­la Co­mis­são de Es­ta­lões da FCI, e os Rus­sell Ter­ri­er de pe­lo li­so são jul­ga­dos em se­pa­ra­do dos ou­tros, nas Ex­po­si­ções Qu­a­li­fi­ca­ti­vas de Cam­pe­o­na­to, o que per­mi­ti­rá que mai­or nú­me­ro de exem­pla­res de pe­lo li­so pos­sam con­cor­rer em rin­gue, au­men­tan­do a va­ri­a­bi­li­da­de ge­né­ti­ca dos exem­pla­res a se­le­ci­o­nar pa­ra a re­pro­du­ção. No en­tan­to, foi cha­ma­do à aten­ção quer pe­la INTERRA, quer pe­la FCI, de que nun­ca se de­ve­rá evo­luir pa­ra uma se­pa­ra­ção em du­as va­ri­e­da­des, pois o pe­lo li­so é mui­to útil na cri­a­ção pa­ra me­lho­rar a tex­tu­ra de pe­lo em cru­za­men­tos com cer­do­sos.

Gro­o­ming

O pe­lo do Jack Rus­sell qua­se não dá tra­ba­lho. Na pe­la­gem li­sa e bro­ken ape­nas se tor­na ne­ces­sá­rio pas­sar uma es­co­va e lim­par as pa­tas. A pe­la­gem cer­do­sa exi­ge al­gu­ma tos­quia, que de­ve ser re­a­li­za­da pe­lo mé­to­do de strip­ping, ou se­ja, o pe­lo de­ve ser ar­ran­ca­do, à mão ou com au­xí­lio de fa­cas pró­pri­as, de mo­do a man­ter a sua tex­tu­ra du­ra. Quan­do cor­ta­do à má­qui­na ou à te­sou­ra, per­de tex­tu­ra, tor­nan­do-se mo­le e sem cor, che­gan­do al­gu­mas ve­zes a en­ca­ra­co­lar, pe­lo que es­tes ins­tru­men­tos não devem nun­ca ser uti­li­za­dos no tra­ta­men­to da pe­la­gem do Jack Rus­sell. Uma pe­la­gem cer­do­sa que te-

nha si­do cor­ta­da à má­qui­na te­rá bas­tan­te di­fi­cul­da­de em re­cu­pe­rar a tex­tu­ra ori­gi­nal, e ca­so es­se pro­ce­di­men­to te­nha si­do efe­tu­a­do re­pe­ti­da­men­te po­de­rá nun­ca re­cu­pe­rar.

Tam­bém aqui se no­ta al­gu­ma fal­ta de for­ma­ção en­tre os pro­fis­si­o­nais de tra­ta­men­to de pe­lo, sen­do que mui­tos de­les apli­cam in­dis­cri­mi­na­da­men­te a má­qui­na na pe­la­gem cer­do­sa, tos­qui­an­do os cães co­mo se fos­sem ove­lhas, sem o mí­ni­mo res­pei­to ou aten­ção pe­la ne­ces­si­da­de de pro­te­ção con­tra o cli­ma que lhes é con­fe­ri­da pe­la pe­la­gem. Por ve­zes, nas Ex­po­si­ções, ve­ri­fi­ca-se que al­guns han­dlers pro­fis­si­o­nais, ig­no­ran­do o es­ta­lão da ra­ça, apre­sen­tam os seus exem­pla­res com uma tos­quia em que se es­ti­cam as bar­bas e se dei­xa mais pe­lo de­bai­xo do pei­to. Co­mo re­sul­ta­do, fi­ca um cão mais atra­ti­vo, mas in­cor­re­to, uma vez que o fo­ci­nho fi­ca a pa­re­cer mais com­pri­do (de­ve ser mais curto do que o crâ­nio, co­mo re­fe­ri­do) e o pei­to mais pro­fun­do (co­mo já vi­mos, o con­trá­rio do pre­ten­di­do).

Tem­pe­ra­men­to

O seu tem­pe­ra­men­to ale­gre, a sua gran­de fa­ci­li­da­de de apren­di­za­gem e a sua agi­li­da­de ex­tre­ma le­vam o Jack Rus­sell Ter­ri­er a ser tam­bém mui­to po­pu­lar nos di­ver­sos des­por­tos ca­ni­nos, co­mo o Agi­lity, o Fris­bee e o Fly­ball, e ain­da co­mo ar­tis­ta re­co­nhe­ci­do ao ní­vel ci­ne­ma­to­grá­fi­co. Quem não se lem­bra dos filmes de “A Más­ca­ra” ou da sé­rie de TV dos anos 90 “Fra­si­er”? Em Por­tu­gal, em 2008, uma no­ve­la da TVI ti­nha co­mo uma das per­so­na­gens cen­trais o Jack Rus­sell Ter­ri­er “Eins­tein”, de seu no­me “Sam”, tam­bém bem-su­ce­di­do em Ex­po­si­ções Ca­ni­nas co­mo “Ch. Port. & LW Lord of The Rings de Va­le do Criz”.

Pe­la sua so­ci­a­bi­li­da­de e fa­ci­li­da­de de trans­por­te e tra­ta­men­to é um cão tam­bém mui­to po­pu­lar en­tre as es­tre­las da TV, cu­ja vi­da sem­pre ocu­pa­da os le­va a que­rer um cão de fá­cil tra­ta­men­to e por­ta­bi­li­da­de. É tam­bém um ex­ce­len­te com­pa­nhei­ro das cri­an­ças, brin­can­do in­can­sa­vel­men­te com eles e sem­pre com uma ener­gia ines­go­tá­vel.

Com os ou­tros cães é bas­tan­te so­ciá­vel, mas não se dei­xa do­mi­nar ou sub­me­ter, pe­lo que um cão com tem­pe­ra­men­to do­mi­nan­te, mes­mo que de ta­ma­nho gi­gan­te, vai en­con­trar ne­le um ad­ver­sá­rio des­te­mi­do, o que po­de ge­rar al­gum con­fli­to.

Edu­ca­ção e trei­no

Ne­ces­si­ta de um do­no com “mão fir­me”, que o en­ten­da co­mo seu com­pa­nhei­ro, mas que se­ja o “che­fe” na hi­e­rar­quia fa­mi­li­ar. Co­mo os Ter­ri­er pos­su­em um tem­pe­ra­men­to do­mi­nan­te, os do­nos devem sa­ber co­lo­cá-lo no seu lu­gar, não o dei­xan­do man­dar em ca­sa. Um cão de­ma­si­a­do do­mi­nan­te, sem um do­no for­te, po­de tor­nar-se agres­si­vo, o que é sem­pre in­de­se­já­vel. Co­mo em qu­al­quer ou­tra ra­ça, o trei­no do Jack Rus­sell de­ve co­me­çar o mais ce­do pos­sí­vel, com o trei­no bá­si­co de en­si­no, on­de fa­zer as ne­ces­si­da­des e quais os lu­ga­res da ca­sa a que po­de ace­der e quais os que não po­de ace­der.

O Jack Rus­sell é das ra­ças mais in­te­li­gen­tes, e ra­pi­da­men­te apren­de­rá a fa­zer as su­as “gra­ci­nhas” não de­ven­do o do­no achar gra­ça às as­nei­ras, cor­ren­do o ris­co de es­tas se re­pe­ti­rem. O Jack tem um tem­pe­ra­men­to do­mi­nan­te e não per­ce­be­rá por­que é que em ca­chor­ro lhe per- mi­tem an­dar “por ci­ma das me­sas” e em adul­to não o que­rem per­mi­tir, e ten­ta­rá de­fen­der a sua po­si­ção. Um do­no fir­me é ne­ces­sá­rio pa­ra es­tas si­tu­a­ções.

Os co­men­tá­ri­os

Sen­do um cão tão po­pu­lar pa­ra a mai­o­ria das pes­so­as, há, no en­tan­to, mui­ta con­fu­são en­tre o Jack Rus­sell e ou­tros cães de ta­ma­nho e co­lo­ra­ção se­me­lhan­te, co­mo por exem­plo, o Po­den­go Por­tu­guês Pe­que­no. Se der­mos uma olha­da no po­pu­lar Fa­ce­bo­ok em mui­tos gru­pos de Jack Rus­sell a mai­o­ria dos exem­pla­res apre­sen­ta­dos são bas­tan­te atí­pi­cos ou mes­mo de ou­tras ra­ças. E há mui­ta gen­te a ten­tar ven­der ga­to por le­bre, por não exis­tir qu­al­quer con­tro­lo ape­sar das li­mi­ta­ções le­gais re­cen­te­men­te im­pos­tas.

Mas o Jack Rus­sell de­vi­do ao seu tem­pe­ra­men­to con­quis­ta ra­pi­da­men­te os es­tra­nhos, que ao abor­da­rem o do­no se­rão efu­si­va­men­te sau­da­dos por es­tes cães.

Ma­tu­ri­da­de e re­pro­du­ção

O Jack Rus­sell atin­ge a ma­tu­ri­da­de bas­tan­te ce­do, por vol­ta do ano de ida­de, mas não é acon­se­lhá­vel cru­zar lo­go. Um

Os do­nos têm de ter dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra o pas­se­ar e exer­ci­tar, não bas­ta ir à rua, fa­zer as ne­ces­si­da­des e voltar pa­ra ca­sa

ver­da­dei­ro cri­a­dor aguar­da pe­lo com­ple­to de­sen­vol­vi­men­to do seu exem­plar e só cru­za os seus cães na ida­de adul­ta. Em­bo­ra o pri­mei­ro cio pos­sa sur­gir por vol­ta dos 6-7 me­ses, e o se­gun­do cio 6 me­ses de­pois, con­si­de­ra-se que o animal ain­da não es­tá de­vi­da­men­te de­sen­vol­vi­do. Se­ria co­mo uma jo­vem de 13-14 anos ter fi­lhos ape­nas por­que já lhe é fi­si­ca­men­te pos­sí­vel…

O Clu­be Por­tu­guês de Ca­ni­cul­tu­ra, no seu Re­gu­la­men­to do Li­vro de Ori­gens Por­tu­guês (LOP), de­ter­mi­na a ida­de mí­ni­ma e má­xi­ma pa­ra a re­pro­du­ção, bem co­mo um li­mi­te má­xi­mo de ni­nha­das, mas is­to só se apli­ca a cães com re­gis­to, sen­do que na ra­ça Jack Rus­sell Ter­ri­er es­tes são ain­da uma mi­no­ria em Por­tu­gal.

Não há tes­tes de saú­de obri­ga­tó­ri­os em Por­tu­gal, mas em al­gu­mas li­nhas de san­gue po­dem ha­ver pro­ble­mas ocu­la­res, de pa­te­la ou ain­da de Atá­xia, cu­jo des­pis­te po­de ser efe­tu­a­do por tes­tes es­pe­cí­fi­cos ou ge­né­ti­cos. Nor­mal­men­te, as fê­me­as não têm pro­ble­mas no par­to. Sen­do uma ra­ça bas­tan­te rús­ti­ca têm par­tos rá­pi­dos, sem ne­ces­si­da­de de aju­da dos do­nos e a ta­xa de so­bre­vi­vên­cia dos ca­chor­ros é bas­tan­te ele­va­da. Co­mo em to­das as

ra­ças po­dem ha­ver ni­nha­das mais pe­que­nas, ape­nas com 1 ou 2 ca­chor­ros, mas a mé­dia por ni­nha­da é, pe­la mi­nha ex­pe­ri­ên­cia, de 5 ca­chor­ros.

Ca­chor­ros

Os ca­chor­ros nas­cem com cer­ca de 100-150 gra­mas e têm um de­sen­vol­vi­men­to nor­mal, sen­do a ta­xa de mor­ta­li­da­de bas­tan­te re­du­zi­da. Por vol­ta dos 7-8 me­ses atin­gem a al­tu­ra de adul­tos, mas, vol­ta­mos a lem­brar, ain­da são fi­si­ca­men­te be­bés, pe­lo que a sua ali­men­ta­ção de­ve ser ade­qua­da à ida­de.

Ape­sar de ser uma ra­ça mui­to ágil e ener­gé­ti­ca, não con­vém exer­ci­tar os ca­chor­ros co­mo se fos­se um cão adul­to. Um Jack Rus­sell adul­to po­de acom­pa­nhar o seu do­no no seu jog­ging diá­rio de 5 km (ou mais), mas não se po­de exi­gir o mes­mo a um be­bé, por mais enér­gi­co ou cres­ci­do que se­ja.

Es­co­lha do ca­chor­ro

To­dos os ca­chor­ros são bo­ni­tos e atra­en­tes, se­jam de que ra­ça fo­rem. Mas se pen­sa ad­qui­rir um Jack Rus­sell te­rá de con­si­de­rar a sua dis­po­ni­bi­li­da­de de tem­po pa­ra o pas­se­ar e exer­ci­tar, e te­rá de se lem­brar que a um Jack Rus­sell não bas­ta vir à rua, fa­zer as ne­ces­si­da­des e voltar pa­ra ca­sa. Pre­ci­sa de um do­no com tem­po e von­ta­de pa­ra cor­rer com ele, fa­zer lon­gos pas­sei­os e ati­rar-lhe coi­sas pa­ra ir bus­car.

Pre­ci­sa de um do­no com tem­po e von­ta­de pa­ra cor­rer com ele, fa­zer lon­gos pas­sei­os e ati­rar-lhe coi­sas pa­ra ir bus­car

Vi­ven­da ou apar­ta­men­to?

Com um do­no com as ca­rac­te­rís­ti­cas an­te­ri­or­men­te re­fe­ri­das, o Jack Rus­sell não tem pro­ble­mas em vi­ver num apar­ta­men­to. Com um do­no se­den­tá­rio, es­te vai ter de ar­ran­jar com que se en­tre­ter, e não se ad­mi­re se as coi­sas em ca­sa co­me­ça­rem a ser des­truí­das. Um jar­dim não é su­fi­ci­en­te pa­ra en­tre­ter um Jack Rus­sell sem exer­cí­cio. Bu­ra­cos nos can­tei­ros e flo­res des­truí­das se­rão uma si­tu­a­ção nor­mal de um cão se­den­tá­rio. Um cão exer­ci­ta­do di­a­ri­a­men­te por­tar-se-á de for­ma exem­plar e apren­de­rá ra­pi­da­men­te que não de­ve es­tra­gar na­da, pois ser-lhe-ão da­dos en­tre­te­ni­men­tos su­fi­ci­en­tes.

Saú­de e dia-a-dia

Não tem gran­des pro­ble­mas de saú­de, pois é uma ra­ça rús­ti­ca, re­sis­ten­te e sem gran­de con­san­gui­ni­da­de. Exis­tem, no en­tan­to, al­gu­mas li­nhas de san­gue on­de po­de ocor­rer a do­en­ça de Cal­vé-legg­perthes, a LOA (La­te On­set Ata­xia) ou pro­ble­mas ocu­la­res, pe­lo que con­vém efe­tu­ar os des­pis­tes aos re­pro­du­to­res. ■

No­ta de agra­de­ci­men­to:

Agra­de­ce­mos a Rui Ro­dri­gues e Fer­nan­do Bri­to do afi­xo “Es­tre­las de Hom­bres” e a Luís Gor­jão Hen­ri­ques do afi­xo “Va­le do Criz” por nos te­rem ce­di­do fo­to­gra­fi­as de exem­pla­res da sua pro­pri­e­da­de pa­ra ilus­trar o ar­ti­go.

Na sua pe­la­gem o bran­co de­ve ser a cor pre­do­mi­nan­te.

As ore­lhas devem ser do­bra­das no ter­ço an­te­ri­or e bem jus­tas ao crâ­nio, sen­do bas­tan­te mó­veis.

O pe­lo do Jack Rus­sell Ter­ri­er po­de ser li­so, cer­do­so ou co­mo ve­mos nes­ta fo­to­gra­fia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.