Des­por­to: Agi­lity

Ve­lo­ci­da­de, téc­ni­ca e di­ver­são!

Caes & Companhia - - Nesta Edição -

Pra­ti­ca­do nos cin­co con­ti­nen­tes e em cres­ci­men­to ex­po­nen­ci­al, o Agi­lity é uma das prin­ci­pais mo­da­li­da­des des­por­ti­vas ca­ni­nas a ní­vel mun­di­al. Em por­tu­guês, o Agi­lity cha­mar-se-ia “Agi­li­da­de”, mas o ter­mo sa­xó­ni­co é uti­li­za­do em to­das as lín­guas do mun­do.

OA­gi­lity nas­ceu em 1978, na Ex­po­si­ção Ca­ni­na Crufts em In­gla­ter­ra, ima­gi­na­do por Pe­ter Me­anwell. A pri­mei­ra de­mons­tra­ção não ti­nha por fi­na­li­da­de a com­pe­ti­ção, mas sim um mo­men­to de en­tre­te­ni­men­to pa­ra ocu­par o tem­po e o es­pa­ço en­tre as pro­vas de Obe­di­ên­cia e de Be­le­za. O su­ces­so des­ta de­mons­tra­ção foi avas­sa­la­dor, quer en­tre com­pe­ti­do­res quer en­tre es­pec­ta­do­res, e um no­vo des­por­to ti­nha aca­ba­do de nas­cer!

Pa­ra os con­cor­ren­tes de en­tão, o Agi­lity era uma for­ma de obe­di­ên­cia di­fe­ren­te e ino­va­do­ra (com al­gu­mas có­pi­as dos obs­tá­cu­los dos cães mi­li­ta­res), en­quan­to que pa­ra o pú­bli­co era um es­pe­tá­cu­lo im­pres­si­o­nan­te e ir­re­sis­tí­vel, pa­re­cen­do um “play­ground” pa­ra cães, on­de eles de­am­bu­la­vam com ve­lo­ci­da­de e des­tre­za en­tre obs­tá­cu­los bri­lhan­tes e co­lo­ri­dos.

Evo­lu­ção do Agi­lity

Des­de a dé­ca­da de 80, o Agi­lity tem evo­luí­do mui­to ra­pi­da­men­te, com im­por­tan­tes mo­di­fi­ca­ções re­gu­la­men­ta­res, al­te­ra­ções in­ten­sas aos mé­to­dos e téc­ni­cas de con­du­ção, es­co­lha cri­te­ri­o­sa das ra­ças e li­nhas com mai­o­res ca­pa­ci­da­des e po­ten­ci­a­li­da­des e, por úl­ti­mo, sem

dú­vi­da, um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo da ve­lo­ci­da­de dos cães.

Em con­sen­so com to­das es­tas mo­di­fi­ca­ções, o prin­cí­pio de se­gu­ran­ça de cão e con­du­tor tem si­do um dos pon­tos em mai­or fo­co nos úl­ti­mos tem­pos.

O Agi­lity em Por­tu­gal

O Agi­lity sur­giu em Por­tu­gal em 1994, ten­do si­do a pri­mei­ra pro­va or­ga­ni­za­da em Pe­ni­che com cer­ca de 10 con­cor­ren­tes. Atu­al­men­te, o Cam­pe­o­na­to Na­ci­o­nal con­ta com 34 pro­vas (on­de se apu­ram os Cam­peões Na­ci­o­nais e a equi­pa que irá re­pre­sen­tar Por­tu­gal no Cam­pe­o­na­to do Mun­do) e 6 pro­vas se­le­ti­vas (on­de se apu­ram os re­pre­sen­tan­tes in­di­vi­du­ais que irão re­pre­sen­tar Por­tu­gal no Cam­pe­o­na­to do Mun­do).

O Cam­pe­o­na­to Na­ci­o­nal 2017/2018 ter­mi­nou a 17 de ju­nho e o ca­len­dá­rio das pro­vas da épo­ca de 2018/2019 po­de ser con­sul­ta­do em: www.cpc.pt/pro­vas/ agi­lity/2019/ agi­lity 20182019_ pro­vas.pdf

Ca­ra­te­rís­ti­cas do per­cur­so

O Agi­lity é uma mo­da­li­da­de um pou­co si­mi­lar às pro­vas de sal­tos eques­tre, pos­suin­do, po­rém, ca­rac­te­rís­ti­cas e obs­tá­cu­los es­pe­cí­fi­cos adap­ta­dos à mor­fo­lo­gia ca­ni­na.

É re­a­li­za­do num re­cin­to com 20 x 40 m com uma su­per­fí­cie que não se­ja pe­ri­go­sa pa­ra os cães (rel­va na­tu­ral, rel­va sin­té­ti­ca, ter­ra ou areia). Nes­te re­cin­to o juiz irá de­se­nhar um per­cur­so que te­rá en­tre 100 a 220 m de ex­ten­são, uti­li­zan­do en­tre 15 a 22 obs­tá­cu­los. Os obs­tá­cu­los devem es­tar se­pa­ra­dos de 5 a 7 m (po­den­do ser no mí­ni­mo 4 m nas clas­ses pe­que­nas). Ca­be ao juiz de­se­nhar o per­cur­so, se­gun­do nor­mas es­pe­cí­fi­cas es­ti­pu­la­das pe­la Fe­de­ra­ção Ci­no­ló­gi­ca In­ter­na­ci­o­nal (FCI) e ten­do em con­ta o Grau e a Clas­se a que se des­ti­na ca­da per­cur­so.

Ca­da per­cur­so de­ve ter um equi­lí­brio en­tre téc­ni­ca e ve­lo­ci­da­de. Os per­cur­sos são se­cre­tos e ne­nhum con­cor­ren­te po­de­rá ter co­nhe­ci­men­to dos mes­mos. Aquan­do da mon­ta­gem da pis­ta são co­lo­ca­dos nú­me­ros nos obs­tá­cu­los pa­ra o con­du­tor sa­ber a or­dem de abor­da­gem. An­tes de se ini­ci­a­rem as pro­vas, exis­te um pe­río­do de 7 mi­nu­tos em que os con­cor­ren­tes re­co­nhe­cem o per­cur­so, me­mo­ri­zan­do a or­dem dos obs­tá­cu­los e to­man­do as de­ci­sões téc­ni­cas pa­ra fa­zer a me­lhor abor­da­gem a ca­da um.

Qual o ob­je­ti­vo?

O ob­je­ti­vo fi­nal des­ta mo­da­li­da­de é efe­tu­ar o per­cur­so no me­nor tem­po pos­sí­vel (com ri­gor pe­lo me­nos à cen­té­si­ma de se­gun­do) e com o me­nor nú­me­ro de fal­tas. Con­si­de­ram-se fal­tas os der­ru­bes de

va­ras, as fal­tas de con­ta­to e as re­cu­sas. O cão po­de tam­bém ser eli­mi­na­do se ocor­re­rem cer­to ti­po de si­tu­a­ções.

Pa­ra mais de­ta­lhes con­sul­tar: www.fci.be/en/ agi­lity-45.html

Que cães po­dem pra­ti­car?

O Agi­lity é uma mo­da­li­da­de des­por­ti­va on­de to­dos os cães, in­de­pen­den­te do ta­ma­nho, do se­xo, da ida­de e de se­rem ou não de ra­ça, po­dem par­ti­ci­par. Sen­do a úni­ca obri­ga­to­ri­e­da­de, es­ta­rem bem de saú­de e fi­si­ca­men­te.

Es­te prin­cí­pio apli­ca-se aos Cam­pe­o­na­tos Na­ci­o­nais e In­ter­na­ci­o­nais, sen­do a úni­ca ex­ce­ção a par­ti­ci­pa­ção em Cam­pe­o­na­tos do Mun­do (sob a al­ça­da da FCI) on­de só é per­mi­ti­da a par­ti­ci­pa­ção de cães com ra­ça.

As ra­ças com mais ap­ti­dão

Ape­sar de, na ge­ne­ra­li­da­de, to­dos os cães po­de­rem pra­ti­car Agi­lity é in­dis­cu­tí­vel que exis­tem ra­ças mais ap­tas do que ou­tras.

No Cam­pe­o­na­to do Mun­do que de­cor­reu o ano pas­sa­do na Re­pú­bli­ca Che­ca, em Li­be­rec, de 5 a 8 de ou­tu­bro, en­tre 40 ra­ças ins­cri­tas, as 10 ra­ças mais re­pre­sen­ta­das fo­ram: Bor­der Col­lie (184 par­ti­ci­pan­tes), Cão Pas­tor das She­tland (149 par­ti­ci­pan­tes), Ca­ni­che (35 par­ti­ci­pan­tes), Par­son Rus­sell Ter­ri­er (28 par­ti­ci­pan­tes), Py­re­ne­an Shepherd (16 par­ti­ci­pan­tes), Pa­pil­lon (12 par­ti­ci­pan­tes), Mu­di (8 par­ti­ci­pan­tes), Cão de Pas­tor Bel­ga Mal­li­nois (7 par­ti­ci­pan­tes), Aus­tra­li­an Kel­pie (6 par­ti­ci­pan­tes) e Jack Rus­sell Ter­ri­er, Sch­nau­zer Mi­ni­a­tu­ra, Cão de Água Es­pa­nhol e Pu­mi (5 par­ti­ci­pan­tes ca­da). www.agi­li ty2017.cz

E as me­nos ap­tas…

Da mes­ma for­ma que há cães mais ap­tos tam­bém exis­tem cães me­nos ap­tos, prin­ci­pal­men­te por ques­tões ana­tó­mi­cas

Uma ati­vi­da­de em que a ve­lo­ci­da­de, a des­tre­za e a cum­pli­ci­da­de en­tre cão e con­du­tor atin­gem o ex­po­en­te má­xi­mo

(ta­ma­nho, pe­so, di­fi­cul­da­des res­pi­ra­tó­ri­as, pro­ble­mas ar­ti­cu­la­res, pro­ble­mas de co­lu­na e dis­pla­sia).

As­sim, pa­ra ga­ran­tir o bem-es­tar do seu cão, é 100% re­co­men­dá­vel que an­tes de pra­ti­car Agi­lity se acon­se­lhe com o seu mé­di­co ve­te­ri­ná­rio.

Quan­do co­me­çar o trei­no

Um cão, des­de que se­ja sau­dá­vel, po­de pra­ti­car Agi­lity em qu­al­quer al­tu­ra da sua vi­da, nun­ca é tar­de pa­ra apren­der. Mas é cla­ro que quan­to mais ce­do me­lhor, po­rém há que ter mui­to cui­da­do com o trei­no de ca­chor­ros.

Os ca­chor­ros es­tão em cres­ci­men­to e não devem fa­zer de­ter­mi­na­dos exer­cí­ci­os que pos­sam vir a pre­ju­di­car a sua for­ma­ção, prin­ci­pal­men­te ao ní­vel dos os­sos e ar­ti­cu­la­ções. Por es­sa ra­zão, pa­ra pro­te­ção do de­sen­vol­vi­men­to do ca­chor­ro, os cães só po­dem par­ti­ci­par em pro­vas a par­tir dos 18 me­ses de ida­de.

En­tre os 8 e os 12 me­ses, con­so­an­te se­ja um cão de ta­ma­nho pe­que­no ou mé­dio/ gran­de, es­tá acon­se­lha­do um trei­no de “chão”, há de­ze­nas de tru­ques e de exer­cí­ci­os (com os obs­tá­cu­los no chão) que po­dem e devem ser en­si­na­dos aos ca­chor­ros. Es­ses tru­ques e exer­cí­ci­os es­pe­cí­fi­cos irão fa­ci­li­tar to­do o trei­no dos obs­tá­cu­los e de con­du­ção en­tre obs­tá­cu­los. No cão adul­to, ape­sar de não se co­lo­car a ques­tão do de­sen­vol­vi­men­to, tam­bém es­tá al­ta­men­te re­co­men­da­do es­te ti­po de trei­no pa­ra que te­nha bo­as ba­ses de apren­di­za­gem an­tes de ini­ci­ar o trei­no de obs­tá­cu­los pro­pri­a­men­te dito.

Não tem de com­pe­tir

Ca­so quei­ra pra­ti­car sem com­pe­tir, is­so tam­bém é pos­sí­vel e sa­lu­tar pa­ra cão e do­no. Po­rém, no ca­so do Agi­lity, pa­ra além da com­pe­ti­ção pro­pri­a­men­te di­ta, as pro­vas são um de­sa­fio aos trei­nos. Co­mo já re­fe­ri­do an­te­ri­or­men­te, quan­do par­ti­ci­pa­mos em pro­vas só sa­be­mos o per­cur­so de­se­nha­do pe­lo juiz 7 mi­nu­tos an­tes de ini­ci­ar a pro­va, por es­sa ra­zão, a par­ti­ci­pa­ção em pro­vas tor­na-se ex­tre­ma­men­te ali­ci­an­te.

Os obs­tá­cu­los de Agi­lity

Os obs­tá­cu­los es­tão ca­te­go­ri­za­dos em dois gru­pos: pri­má­ri­os e se­cun­dá­ri­os. Nos obs­tá­cu­los pri­má­ri­os es­tão in­cluí­dos a pa­li­ça­da, a pas­sa­re­la, o ba­lan­cé e o sla­lom (que não devem ser co­lo­ca­dos em pis­ta con­se­cu­ti­va­men­te). Nos obs­tá­cu­los se­cun­dá­ri­os es­tão in­cluí­dos, os sal­tos, o oxer, o mu­ro, o sal­to em com­pri­men­to, o pneu, o tú­nel e a man­ga.

Pa­li­ça­da, pas­sa­re­la e ba­lan­cé

A pa­li­ça­da, a pas­sa­re­la e o ba­lan­cé são cha­ma­dos de obs­tá­cu­los de con­ta­to, ou se­ja, exis­tem nas por­ções ini­ci­ais e ter­mi­nais zo­nas pin­ta­das de cor di­fe­ren­ci­a­da com uma de­ter­mi­na­da di­men­são, em que é obri­ga­tó­rio o cão to­car pe­lo me­nos com uma pa­ta (se­rão pe­na­li­za­dos com uma fal­ta se não o fi­ze­rem).

Sla­lom

O sla­lom é um obs­tá­cu­lo cons­ti­tuí­do por 12 va­ras ver­ti­cais co­lo­ri­das se­pa­ra­das por 60 cm, atra­vés das quais os cães te­rão que pas­sar as di­fe­ren­tes por­tas cons­ti­tuí­das pe­las va­ras. A pri­mei­ra por­ta tem sem­pre que ser abor­da­da com a pri­mei­ra va­ra do la­do es­quer­do das es­cá­pu­las do cão. Qu­al­quer fa­lha na abor­da­gem das por­tas con­se­cu­ti­vas se­rá pe­na­li­za­da.

Sal­tos

Nos sal­tos sim­ples o cão te­rá que sal­tar o obs­tá­cu­lo sem o der­ru­bar nem o re­cu­sar. Se­rá pe­na­li­za­do se tal acon­te­cer. É um obs­tá­cu­lo de po­tên­cia.

No sal­to du­plo, tam­bém cha­ma­do de oxer, o obs­tá­cu­lo é cons­ti­tuí­do por dois sal­tos se­pa­ra­dos por uma dis­tân­cia pe­que­na (30 cm em Mi­ni, 40 cm em Mi­di e 50 cm em Stan­dard) que têm que ser ne­go­ci­a­dos co­mo um só obs­tá­cu­lo. É um obs­tá­cu­lo de po­tên­cia e ex­ten­são.

Mu­ro

O mu­ro é um sal­to que es­tá cons­truí­do co­mo se fos­se um ver­da­dei­ro mu­ro, não per­mi­tin­do o cão ver o que se pas­sa a se­guir ao obs­tá­cu­lo. Pos­sui te­lhas amo­ví­veis que se der­ru­ba­das le­va­rão a pe­na­li­za­ção. É um sal­to de po­tên­cia.

Sal­to em com­pri­men­to

O sal­to em com­pri­men­to é um obs­tá­cu­lo pe­cu­li­ar da­do que é exi­gi­do ao cão um sal­to em gran­de ex­ten­são; é cons­ti­tuí­do por 2 a 4 uni­da­des, con­so­an­te as Clas­ses, que devem ser cons­truí­das por ma­té­ria que não se­ja pe­ri­go­sa pa­ra o cão.

O com­pri­men­to do sal­to se­rá de 120-150 cm (com 4 ele­men­tos) pa­ra Stan­dard, 70-90 cm (com 3 ele­men­tos) pa­ra Mi­di e 40-50 cm (com 2 ele­men­tos) pa­ra Mi­ni. Qu­al­quer der­ru­be de ele­men­tos é pe­na­li­za­do com fal­ta.

Pneu

O pneu, co­mo o pró­prio no­me in­di­ca, tem a for­ma de um aro que es­tá se­gu­ro a uma es­tru­tu­ra de su­por­te. Pa­ra pro­te­ger qu­al­quer aci­den­te com os cães, o pneu te­rá que se abrir em 2 ou 4 par­tes ca­so ha­ja um for­te im­pac­to do cão, sen­do en­tão pe­na­li­za­do.

O di­â­me­tro do pneu é de 45 a 60 cm, e a

al­tu­ra do cen­tro do pneu se­rá de 80 cm pa­ra Stan­dard e 55 cm pa­ra Mi­di e Mi­ni. É con­si­de­ra­do um obs­tá­cu­lo de po­tên­cia.

Tú­nel

O tú­nel, co­mo o pró­prio no­me in­di­ca, é um tú­nel fle­xí­vel com um di­â­me­tro de 60 cm e um com­pri­men­to que po­de va­ri­ar de 3 a 6 m.

Os tú­neis es­tão dis­po­ní­veis nos vá­ri­os com­pri­men­tos, mas têm que es­tar es­ti­ca­dos na sua má­xi­ma ex­ten­são em pis­ta pa­ra pro­te­ger os cães. Po­dem ser co­lo­ca­dos re­tos, cur­va­dos (em for­ma de ba­na­na) ou em for­ma de U, mas nun­ca em for­ma de V. Só po­dem ter um ân­gu­lo de cur­va­tu­ra e es­te não po­de ser de 90º. Es­te obs­tá­cu­lo tem que es­tar pre­so ao so­lo de for­ma a não per­mi­tir a sua des­lo­ca­ção du­ran­te o de­cor­rer da pro­va. É con­si­de­ra­do um obs­tá­cu­lo de ve­lo­ci­da­de.

Man­ga

A man­ga é cons­ti­tuí­da por uma es­tru­tu­ra se­mir­rí­gi­da, de­vi­da­men­te pro­te­gi­da con­tra im­pac­tos dos cães, na qual es­tá in­se­ri­da uma man­ga com 180 a 220 cm de com­pri­men­to e 60 a 65 cm de di­â­me­tro. É um obs­tá­cu­lo uti­li­za­do com mui­to ri­gor pe­los juí­zes de­vi­do aos da­nos que po­de pro­vo­car no cão, e su­jei­to a re­gras de uti­li­za­ção es­pe­cí­fi­cas. É con­si­de­ra­do um obs­tá­cu­lo de ve­lo­ci­da­de.

Fun­ções do Juiz

De­se­nhar e su­per­vi­si­o­nar a mon­ta­gem do per­cur­so. Ins­pe­ci­o­nar as ca­rac­te­rís­ti­cas do pi­so e qua­li­da­de dos obs­tá­cu­los se­gun­do os re­gu­la­men­tos FCI.

Mar­car as fal­tas co­me­ti­das (5 pon­tos). São con­si­de­ra­das fal­tas por exem­plo: o der­ru­be de qu­al­quer ele­men­to de um obs­tá­cu­lo; o to­que no cão ou num obs­tá­cu­lo des­de que es­tas ações de­em van­ta­gem ao bi­nó­mio; o cão não to­car nas zo­nas de con­ta­to, abrir o pneu.

Mar­car as re­cu­sas co­me­ti­das (5 pon­tos). São con­si­de­ra­das re­cu­sas por exem­plo: pas­sar ao la­do de um obs­tá­cu­lo, pas­sar por bai­xo de um obs­tá­cu­lo, pa­rar à fren­te de um obs­tá­cu­lo ou pa­rar em pis­ta. As re­cu­sas têm que ser cor­ri­gi­das, ca­so con­trá­rio da­rão uma eli­mi­na­ção.

Eli­mi­nar o bi­nó­mio. Por exem­plo: três

re­cu­sas no mes­mo per­cur­so, má con­du­ta pa­ra com o juiz, com­por­ta­men­to du­ro com o cão, to­car ou abor­dar um obs­tá­cu­lo na or­dem er­ra­da, o con­du­tor pos­suir al­go na mão, o cão usar co­lei­ra/ pei­to­ral, cão aban­do­nar a pis­ta. Aquan­do de uma eli­mi­na­ção, o cão de­ve­rá terminar o per­cur­so o mais ra­pi­da­men­te pos­sí­vel.

Li­cen­ça anu­al

Pa­ra par­ti­ci­par em pro­vas ofi­ci­ais os cães têm que pe­dir uma li­cen­ça ao Clu­be Por­tu­guês de Ca­ni­cul­tu­ra (CPC). Atu­al­men­te a li­cen­ça anu­al tem o va­lor de 25€ e é gra­tui­ta du­ran­te o pri­mei­ro ano em Grau 1. Pa­ra além da li­cen­ça, os cães sem ra­ça tam­bém têm que so­li­ci­tar ao CPC um re­gis­to pa­ra a prá­ti­ca da mo­da­li­da­de e, ca­so os con­cor­ren­tes não se­jam só­ci­os do CPC, têm obri­ga­to­ri­a­men­te que se ins­cre­ver nas pro­vas atra­vés de um Clu­be de Trei­no que se­ja só­cio.

An­tes de par­ti­ci­par em pro­vas ofi­ci­as é re­co­men­dá­vel o co­nhe­ci­men­to do re­gu­la­men­to na­ci­o­nal e das nor­mas em vi­gor. www.cpc.pt/ cpc /re­gul amen­tos/a gi­lity.pdf www.cpc.pt/pro­vas/agi­lity/ 2018/ agi­lity20172018_ nor­mas.pdf

Grau 1, 2 e 3

Nas pro­vas de Agi­lity exis­tem 3 Graus e 5 Clas­ses.

Os Graus cor­res­pon­dem a di­fe­ren­tes ní­veis de di­fi­cul­da­de, ini­ci­al­men­te os cães en­tram pa­ra o Grau 1 e só quan­do ob­têm a qua­li­fi­ca­ção de 3 ex­ce­len­tes sem fal­tas (com pe­lo me­nos com 2 juí­zes di­fe­ren­tes) é que po­dem tran­si­tar pa­ra Grau 2.

As­sim que tran­si­tam pa­ra Grau 2, ca­so es­te­jam abran­gi­dos pe­la isen­ção de li­cen­ça têm que re­gu­la­ri­zar es­sa si­tu­a­ção. Pa­ra po­de­rem tran­si­tar pa­ra Grau 3, os cães devem ob­ter 3 clas­si­fi­ca­ções de ex­ce­len­te sem fal­tas com pó­dio em mangas de Agi­lity Grau 2. A pas­sa­gem de Grau 1 pa­ra Grau 2 é obri­ga­tó­ria, en­quan­to que a pas­sa­gem de Grau 2 pa­ra Grau 3 é fa­cul­ta­ti­va.

O Grau 3 es­tá pen­sa­do pa­ra cães que gos­ta­ri­am de re­pre­sen­tar Por­tu­gal em com­pe­ti­ções in­ter­na­ci­o­nais, por es­sa ra­zão apre­sen­ta ní­veis de di­fi­cul­da­de mui­to mais ele­va­dos. Ca­so um con­cor­ren­te não

te­nha es­sa am­bi­ção, po­de­rá con­ti­nu­ar a par­ti­ci­par e a di­ver­tir-se com o seu cão em Grau 2.

Di­vi­são por Clas­ses

Quan­to às clas­ses, as 3 prin­ci­pais es­tão re­la­ci­o­na­das com o ta­ma­nho do cão ao ní­vel do gar­ro­te: Mi­ni (me­nos de 35 cm), Mi­di (de 35 a 43 cm) e Stan­dard (mais de 43 cm). As ou­tras 2 clas­ses que exis­tem são os in­fan­tis e ve­te­ra­nos. Os in­fan­tis são pa­ra con­cor­ren­tes com me­nos de 12 anos de ida­de (in­de­pen­den- te da ida­de do cão), es­tes con­cor­ren­tes re­a­li­zam as pis­tas de Grau 1 e têm uma classificação à par­te (as cri­an­ças só po­dem par­ti­ci­par ofi­ci­al­men­te em Grau 1 após cum­pri­rem os 12 anos de ida­de). A Clas­se de ve­te­ra­nos es­tá pen­sa­da pa­ra cães com ida­de mais avan­ça­da, nes­ta clas­se po­de par­ti­ci­par qu­al­quer cão com 7 anos ou mais. Nes­te ca­so es­pe­cí­fi­co as pis­tas de Grau 2 são adap­ta­das: os sal­tos es­tão abai­xo da al­tu­ra nor­mal, são re­mo­vi­dos o sla­lom e o ba­lan­ce e a pa­li­ça­da só po­de­rá ser uti­li­za­da a 1 m de al­tu­ra.

Ti­pos de per­cur­sos

Nas pro­vas ofi­ci­ais exis­tem 2 ti­pos de per­cur­sos, o Agi­lity e o Jum­ping. A gran­de di­fe­ren­ça é que no Jum­ping não são uti­li­za­dos obs­tá­cu­los de con­ta­to, sen­do uma pro­va de mai­or ve­lo­ci­da­de.

Em Por­tu­gal, o Grau 1 cos­tu­ma ser com­pos­to 2 mangas de Agi­lity, en­quan­to o Grau 2 e 3 é com­pos­to por uma man­ga de Agi­lity e ou­tra de Jum­ping.

A ní­vel não ofi­ci­al, mui­tas ve­zes os Clu­bes tam­bém or­ga­ni­zam pro­vas de Pré-agi­lity, com o in­tui­to de in­cen­ti­var e mo­ti­var os no­vos par­ti­ci­pan­tes da mo­da­li­da­de que ain­da não es­tão em com­pe­ti­ção. Es­tas pro­vas são sim­ples, com­pos­tas só por sal­tos e tú­neis, e o ob­je­ti­vo prin­ci­pal é co­lo­car os no­vos con­cor­ren­tes (cães e con­du­to­res) em con­ta­to com o am­bi­en­te de pro­va, com obs­tá­cu­los di­fe­ren­tes e com pi­sos di­fe­ren­tes.

Es­tá na al­tu­ra de ex­pe­ri­men­tar!

Des­de que en­si­na­do de for­ma po­si­ti­va, a mai­o­ria dos cães ado­ra pra­ti­car Agi­lity. Não há na­da me­lhor do que ver os cães a cor­re­rem ale­gres e de sen­tir a cum­pli­ci­da­de que exis­te en­tre o cão e o con­du­tor du­ran­te os trei­nos e pro­vas.

Pa­ra co­nhe­cer os Clu­bes que pra­ti­cam Agi­lity po­de con­sul­tar: www.cpc. pt/?pro­vas/agi­lity/clu­bes,en.n

Bor­der Col­lie “Ma­ré” em apren­di­za­gem do sal­to sim­ples.

Luís Nar­ci­so Pra­ti­can­te des­de 1994 e Juiz In­ter­na­ci­o­nal

So­fia Nar­ci­so Pra­ti­can­te des­de 1996

Cão de Pas­tor de She­tland “Spicy” a fa­zer a pa­li­ça­da.

Mu­di “Nyu­gi” a fa­zer a pas­sa­re­la.

Cão de Pas­tor de She­tland “Salty” a fa­zer o ba­lan­cé.

A Be­a­gle “Mia” a fa­zer um sal­to sim­ples.

Bor­der Col­lie “Joe” a fa­zer o sla­lom.

Cão de Pas­tor de She­tland “Salty” a fa­zer um sal­to sim­ples.

Bor­der Col­lie “Elek­tra” a fa­zer um sal­to sim­ples.

Bos­ton Ter­ri­er “Va­ga” a fa­zer o sal­to em com­pri­men­to.

Cão de Pas­tor de She­tland “Smash” a fa­zer o sal­to em com­pri­men­to.

Cão de Pas­tor de She­tland “She­epy” a fa­zer o pneu.

Cão de Pas­tor de She­tland “Salty” a sair do tú­nel.

Cão de Pas­tor de She­tland “Smash” a sair do tú­nel.

Bor­der Col­lie “Ma­ré” a re­cor­tar um sal­to sim­ples.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.