Gro­o­ming: Vá de fé­ri­as des­can­sa­do

Co­mo pre­pa­rar o seu cão pa­ra o ve­rão

Caes & Companhia - - Nesta Edição -

Pri­mei­ra­men­te, e o mais im­por­tan­te, é pro­gra­mar. Por nor­ma, os do­nos sa­bem com al­guns me­ses de an­te­ce­dên­cia quan­do vão de fé­ri­as e on­de as vão pas­sar. A mai­o­ria dos meus cli­en­tes gos­ta de dei­xar mar­ca­do pa­ra a se­ma­na an­te­ri­or às fé­ri­as e na se­ma­na de re­gres­so. E fá-lo com bas­tan­te an­te­ce­dên­cia.

Is­to por­que gran­de par­te das pes­so­as ti­ra fé­ri­as mais ou me­nos na mes­ma al­tu­ra e sa­be que é uma fa­se em que os Gro­o­mers têm bas­tan­te tra­ba­lho. Es­te ti­po de agen­da­men­to, nor­mal­men­te, é fei­to com pe­lo me­nos um mês de an­te­ce­dên­cia, pe­lo me­nos é o que cos­tu­ma acon­te­cer com a mai­o­ria dos meus cli­en­tes.

Pa­ra on­de vai de fé­ri­as?

Em se­gun­do lu­gar, é im­por­tan­te ter em con­ta pa­ra on­de vai, se le­va o seu animal con­si­go ou se o dei­xa em um ho­tel pa­ra ani­mais.

Ca­so o le­ve con­si­go, nós, en­quan­to pro­fis­si­o­nais, pre­ci­sa­mos de sa­ber se vai pa­ra a praia e o ten­ci­o­na le­var con­si­go, se vai pa­ra o cam­po, pa­ra a ci­da­de, etc. Is­to por­que, o sí­tio pa­ra on­de o le­va ou on­de ele fi­ca in­flu­en­cia o ti­po de cor­te a fa­zer. Não só pa­ra pro­por­ci­o­nar con­for­to ao seu animal, mas tam­bém pa­ra lhe fa­ci­li­tar a vi­da o mais pos­sí­vel.

Não pas­sa pe­la ca­be­ça de nin­guém le­var um Shih Tzu com o pe­lo até ao chão pa­ra o Alen­te­jo, ir pas­se­ar com ele pe­los cam­pos chei­os de pa­lhas e es­pe­rar ter umas fé­ri­as des­can­sa­das, pois não? Por­tan­to, de acor­do com o que ten­ci­o­na fa­zer, den­tro do pos­sí­vel, ten­ta­mos ade­quar o cor­te ao lo­cal on­de irá pas­sar as su­as fé­ri­as e ao ti­po de ati­vi­da­des que ten­ci­o­na fa­zer com o seu cão.

O Gro­o­mer de­ve ade­quar o cor­te ao lo­cal on­de irá pas­sar as su­as fé­ri­as e ao ti­po de ati­vi­da­des que quer fa­zer com o seu cão

Hi­dra­tar o pe­lo

Par­tin­do do prin­cí­pio que fi­ca em Por­tu­gal, ou pe­lo me­nos na pe­nín­su­la Ibé­ri­ca, es­tá ca­lor e o sol es­tá for­te. Hi­dra­tar e pro­te­ger um pe­lo com­pri­do com es­co­va­gens re­gu­la­res e pro­du­tos mais hi­dra­tan­tes é im­por­tan­te, pois nes­ta al­tu­ra do ano o pe­lo tem ten­dên­cia a fi­car se­co, que­bra­di­ço e a quei­mar com o sol. Po­de op­tar por cor­tar as pon­tas pa­ra que o pe­lo fi­que mais sau­dá­vel, mas lem­bre-se que não in­va­li­da o tra­to diá­rio, nem uma ma­nu­ten­ção após as fé­ri­as.

Qu­ei­ma­du­ras so­la­res

Ca­so op­te por cor­tar o pe­lo curto é de ex­tre­ma importância que a pe­le do seu cão não fi­que ex­pos­ta ou ca­so fi­que (por op­ção sua ou por ne­ces­si­da­de) que a pro­te­ja dos rai­os so­la­res, pois a pe­le dos cães é mais fi­na que a nos­sa e me­nos pre­pa­ra­da pa­ra a ex­po­si­ção so­lar. Qu­ei­ma­du­ras so­la­res em cães, es­pe­ci­al­men­te em cães com sub­pe­lo, são um pro­ble­ma sé­rio. Em cães co­mo o Ca­ni­che, o Yorkshi­re Ter­ri­er e o Shih Tzu, sem sub­pe­lo, o pro­ble­ma con­ti­nua a exis­tir, mas não é tão gra­ve, pois es­tão mais ha­bi­tu­a­dos ao sol, por­que o seu pe­lo me­nos den­so per­mi­te que os rai­os so­la­res pe­ne­trem na pe­le. Ain­da as­sim, ca­so a pe­le do seu cão se­ja cor-de-ro­sa, evi­te que o pe­lo se­ja ra­pa­do.

Exis­tem no mer­ca­do pro­te­to­res so­la­res pa­ra cães, mas pes­so­al­men­te pre­fi­ro tra­tá-los co­mo se fos­sem be­bés, man­ten­do-os no in­te­ri­or nas ho­ras de ca­lor ou ves­tin­do-lhes uma t-shirts de al­go­dão pa­ra cão.

Cui­da­dos com as pa­tas

Ou­tro pon­to ra­ra­men­te fa­la­do são os cui­da­dos com os pe­los plan­ta­res (en­tre as al­mo­fa­das das pa­ti­nhas). Es­tes pe­los ser­vem pa­ra pro­te­ger as pa­tas, mas em ex­ces­so, com o ca­lor e com o su­or (os cães trans­pi­ram por aí), faz com que as

pa­ti­nhas fi­quem in­fla­ma­das. Se re­mo­ver es­tes pe­los por com­ple­to e for pas­se­ar pa­ra um pi­so agres­te ou quen­te po­de fe­rir as al­mo­fa­di­nhas ou quei­má-las. Exis­tem po­ma­das que po­de co­lo­car pa­ra hi­dra­tar a pe­le das al­mo­fa­di­nhas, se es­tá a pen­sar an­dar nes­te ti­po de pi­sos é bom que vá pre­pa­ra­do. Nor­mal­men­te es­te pe­lo gas­ta-se quan­do os cães an­dam bas­tan­te no ex­te­ri­or. No en­tan­to, ho­je em dia é al­go que acon­te­ce com pou­ca frequên­cia e o pe­lo cos­tu­ma cres­cer até ta­par as al­mo­fa­di­nhas com­ple­ta­men­te. Te­nho vis­to bas­tan­tes pa­ti­nhas in­fla­ma­das e até mes­mo fe­ri­das pe­la fal­ta de ma­nu­ten­ção des­tes pe­los.

Se ten­ci­o­na ir pa­ra a praia ou pa­ra qu­al­quer ou­tro lo­cal on­de as pa­ti­nhas an­dem sem­pre den­tro de água, con­vém ra­par es­tes pe­los bem cur­ti­nhos pa­ra que as pa­tas se­quem ra­pi­da­men­te.

Se as pra­ga­nas são um pro­ble­ma no sí­tio pa­ra on­de pla­neia ir, con­vém que es­tes pe­los fi­quem bem cur­ti­nhos pa­ra que pos­sa ve­ri­fi­car a exis­tên­cia de al­gu­ma pra­ga­na e evi­tar pro­ble­mas sé­ri­os ca­so al­gu­ma se es­pe­te.

O úl­ti­mo sí­tio on­de quer pas­sar as su­as fé­ri­as é no mé­di­co ve­te­ri­ná­rio, daí a importância de re­fe­rir sem­pre pa­ra on­de vai de fé­ri­as de mo­do a que o Gro­o­mer fa­ça um cor­te de acor­do com o des­ti­no.

Pro­ble­mas de ou­vi­dos

Par­tin­do do prin­cí­pio que a água e as brin­ca­dei­ras aquá­ti­cas irão fa­zer par­te das su­as fé­ri­as e do seu cão, é ne­ces­sá­ria uma aten­ção re­do­bra­da aos ou­vi­dos com lim­pe­zas re­gu­la­res, es­pe­ci­al­men­te nos di­as em que es­te for à água.

Sou adep­ta de le­var o mí­ni­mo in­dis­pen­sá­vel pa­ra as fé­ri­as, mas um lí­qui­do de lim­pe­za au­ri­cu­lar e com­pres­sas pa­ra lim­pe­za, es­pe­ci­al­men­te em ani­mais de ore­lhas caí­das e mui­to pro­pen­sos a oti­tes, é in­dis­pen­sá­vel.

A água tra­ta­da não é prejudicial, mas a água de la­gos, prai­as ou pis­ci­nas é. Con­vém efe­tu­ar a lim­pe­za au­ri­cu­lar ime­di­a­ta­men­te após as brin­ca­dei­ras aquá­ti­cas pa­ra evi­tar oti­tes.

Não cor­tar o pe­lo se…

É im­por­tan­te re­lem­brar que ra­ças co­mo o Gol­den Re­tri­e­ver, o Lu­lu da Po­me­râ­nia, os Spitz, o Chow Chow, o Sa­moi­e­do e o Husky Si­be­ri­a­no, ou se­ja, to­dos os cães com sub­pe­lo den­so, não devem ser tos­qui­a­dos!

No en­tan­to, po­dem per­fei­ta­men­te apa­rar as fran­jas ou acer­tar as pon­tas nes­ta al­tu­ra do ano, até pa­ra não tra­ze­rem tu­do o que é er­vi­nhas se­cas pa­ra ca­sa. Os cães de pe­lo curto, não devem, nem pre­ci­sam de ser tos­qui­a­dos, pon­to.

Du­ran­te as fé­ri­as a mai­o­ria das pes­so­as não se quer pre­o­cu­par com gro­o­ming diá­rio do seu cão, quer des­can­sar e pas­se­ar

Op­te por um cor­te de pe­lo bem mais curto

Se tem um animal de pe­lo com­pri­do, po­de per­fei­ta­men­te cor­tar o pe­lo cur­ti­nho, prin­ci­pal­men­te se for de fé­ri­as e não qui­ser ter tra­ba­lho. Ima­gi­ne que pas­sa os di­as na pis­ci­na com o seu cão? Ou na praia, den­tro de água? To­dos os di­as tem de o pas­sar por água e is­to faz mui­tos nós. Quan­to tem­po acha que a mai­o­ria das pes­so­as de­di­ca ou quer de­di­car ao gro­o­ming diá­rio do seu cão quan­do es­tá de fé­ri­as? Se for co­mo eu, ne­nhum, ze­ro, que­ro é des­can­sar e pas­se­ar! Se­ja mui­to ho­nes­to, di­ga ao Gro­o­mer o que ten­ci­o­na fa­zer e nós, den­tro do que pre­ci­sa e ten­do em con­ta o que é me­lhor pa­ra o seu cão, fa­ze­mos um cor­te gi­ro e prá­ti­co que lhe per­mi­ta “des­lei­xar-se” um pou­co com o pe­lo do seu cão. Se gos­ta de ver o seu cão com o pe­lo com­pri­do e até nem se im­por­ta de o es­co­var to­dos os di­as se ne­ces­sá­rio, po­de­mos cor­tar um pou­co mais o com­pri­men­to, apa­rar um pou­co mais as pa­tas, bar­ri­ga e ore­lhas, que são as zo­nas que cos­tu­mam tra­zer o li­xo to­do pa­ra ca­sa e as­sim fa­ci­li­ta um pou­co mais a vi­da do

do­no, sem per­der a be­le­za do pe­lo. No en­tan­to, lem­bre-se que o pe­lo cres­ce.

Hos­pe­da­gem

Ou­tro pon­to que acho im­por­tan­te men­ci­o­nar é o sí­tio on­de fi­ca hos­pe­da­do. A mai­o­ria dos ho­téis não acei­ta ani­mais, mas os que acei­tam, e pa­ra que con­ti­nu­em sem­pre a acei­tar, con­tam com o ci­vis­mo dos do­nos. Quan­to mai­or for o nos­so ci­vis­mo en­quan­to tu­to­res, mai­or a pro­ba­bi­li­da­de de ha­ver mais alo­ja­men­tos a acei­tar ani­mais no fu­tu­ro.

Um dos pon­tos “con­tra” que ou­ço mais são os pe­los em to­do o la­do. Re­al­ço a importância do gro­o­ming an­tes das fé­ri­as. Um bom ba­nho em cães de pe­lo curto, no qual o Gro­o­mer re­mo­ve o pe­lo mor­to, ou em ani­mais de sub­pe­lo, on­de a que­da tam­bém é intensa, fa­rá com que os pro­pri­e­tá­ri­os do es­pa­ço re­pa­rem que afi­nal não há as­sim tan­to pe­lo no es­pa­ço. Ani­mais lim­pos tam­bém não ema­nam tan­to odor.

Ou se­ja, se to­dos nós ti­ver­mos o cui­da­do de man­ter a pe­la­gem dos nos­sos ani­mais em con­di­ções ide­ais de gro­o­ming e hi­gi­e­ne, com o tem­po, pro­va­vel­men­te, mais es­pa­ços irão per­mi­tir a sua pre­sen­ça. Mes­mo quan­do fi­ca em ca­sa de al­gum fa­mi­li­ar, não é de bom tom dei­xar o es­pa­ço su­jo, pe­lo mes­mo mo­ti­vo. As­sim, a pro­ba­bi­li­da­de de o dei­xa­rem re­gres­sar é mui­to mai­or. Evi­den­te­men­te que a edu­ca­ção e o ci­vis­mo en­quan­to do­nos é a ques­tão mais im­por­tan­te, mas re­gra ge­ral um do­no que se pre­o­cu­pa com o as­pe­to e a hi­gi­e­ne do seu cão é um do­no com um sen­ti­do de res­pon­sa­bi­li­da­de e ci­vis­mo ele­va­do.

Re­sort Ca­ni­no

Ca­so op­te por dei­xar o seu cão em um re­sort ou ho­tel pa­ra cães, fa­ça um cor­te prá­ti­co e de fá­cil ma­nu­ten­ção. Ho­je em dia a mai­o­ria dos ho­téis tem um es­pa­ço de con­ví­vio, on­de os ani­mais in­te­ra­gem com ou­tros e brin­cam. Su­jam-se, brin­cam na água e no fi­nal do dia é ra­ro o ho­tel que tem tem­po ou pes­so­al que se de­di­que à ma­nu­ten­ção da pe­la­gem.

Nes­te ca­so, op­te por um cor­te curto, com pa­tas cur­tas, ore­lhas cur­tas (pois os cães a brin­car mor­dem mui­to as ore­lhas uns

aos ou­tros) e quan­do o fo­rem bus­car, to­mam um ba­nho e as­sun­to re­sol­vi­do.

An­te­ci­par!

Em su­ma, quan­do va­mos de fé­ri­as pre­pa­ra­mo-nos pa­ra to­das as even­tu­a­li­da­des e dei­xa­mos tu­do mais ou me­nos pre­pa­ra­do pa­ra ter o mí­ni­mo de tra­ba­lho pos­sí­vel. É com­pre­en­sí­vel, pois ao fim de um ano de la­bu­ta, me­re­ce­mos. An­tes das fé­ri­as fa­ça uma vi­si­ta ao Gro­o­mer e adap­te o cor­te do seu cão ao ti­po de fé­ri­as que irá ter. Não é boa ideia dei­xar mui­to pe­lo na zo­na das pa­tas e bar­ri­ga. Te­nha aten­ção aos pe­los plan­ta­res. Se­ja vi­gi­lan­te em re­la­ção a pi­cos ou pra­ga­nas que pos­sam ain­da as­sim agar­rar­se ao pe­lo. To­me bas­tan­te aten­ção aos ou­vi­dos.

Bo­as fé­ri­as e dei­xe o Gro­o­ming con­nos­co, que tra­ta­mos do as­sun­to! ■

In­de­pen­den­te­men­te de le­var o seu cão con­si­go ou de o dei­xar com al­guém, há cui­da­dos a ter an­tes das fé­ri­as. Con­vém re­lem­brar que es­te ar­ti­go é di­re­ci­o­na­do pa­ra o gro­o­ming de cães de com­pa­nhia e não de Ex­po­si­ção.

Isa­bel No­bre Gro­o­mer Pro­fis­si­o­nal IN Gro­o­ming & SPA Fo­tos: Shut­ters­tock

Exis­tem po­ma­das que po­de co­lo­car pa­ra hi­dra­tar a pe­le das al­mo­fa­di­nhas, pois um pi­so agres­te ou quen­te po­de fe­rir ou quei­má-las.

De­pois da di­ver­são den­tro de água, ao che­gar a ca­sa de­ve pas­sar o pe­lo do seu cão por água e lim­par os seus ou­vi­dos.

Se tem um animal de pe­lo com­pri­do, po­de per­fei­ta­men­te cor­tar o pe­lo cur­ti­nho, prin­ci­pal­men­te se for de fé­ri­as e não qui­ser ter tra­ba­lho.

Ca­so op­te por dei­xar o seu cão em um re­sort ou ho­tel pa­ra cães, fa­ça um cor­te prá­ti­co e de fá­cil ma­nu­ten­ção.

An­tes das fé­ri­as fa­ça uma vi­si­ta ao Gro­o­mer e adap­te o cor­te do seu cão ao ti­po de fé­ri­as que irá ter.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.