Cão Ju­ris: Os ORBEA e o bem-es­tar ani­mal

Na sequên­cia do ar­ti­go so­bre a ex­pe­ri­men­ta­ção ani­mal em que in­ci­diu a nos­sa ru­bri­ca Cão Ju­ris na edi­ção de ju­lho da re­vis­ta “Cães & Com­pa­nhia” (nº 254), no qual nos de­bru­ça­mos so­bre o De­cre­to-lei 113/2013, de 7 de agos­to, sen­ti­mos a ne­ces­si­da­de de de­sen­vo

Caes & Companhia - - Nesta Edição -

Nos ter­mos do art.º 34/1 des­te De­cre­to-lei: “O cri­a­dor, o for­ne­ce­dor e o uti­li­za­dor de­vem ins­ti­tuir, no seu es­ta­be­le­ci­men­to, um ór­gão res­pon­sá­vel pe­lo bem-es­tar dos ani­mais.”

O que são es­tes ór­gãos, mais co­mu­men­te de­no­mi­na­dos por ORBEA?

“O Ór­gão Res­pon­sá­vel pe­lo Bem-es­tar Ani­mal (ORBEA) é um ór­gão con­sul­ti­vo cri­a­do com a fi­na­li­da­de de pro­mo­ver o bem-es­tar ani­mal, de emi­tir pa­re­ce­res, acom­pa­nhar a uti­li­za­ção de ani­mais na in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e ga­ran­tir a con­for­mi­da­de éti­ca e o cum­pri­men­to das re­gras re­la­ti­vas ao bem-es­tar ani­mal na in­ves­ti­ga­ção e no en­si­no” con­for­me nos en­si­na a Fa­cul­da­de de Far­má­cia da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa.

Que ca­rac­te­rís­ti­cas de­vem ter es­tes ORBEA?

Ora, de acor­do com o Des­pa­cho nº 2880/2015, de 20 de mar­ço de 2015, es­te ór­gão de­ve ser in­de­pen­den­te de ou­tros Co­mi­tés de Éti­ca para a Saú­de ou para a in­ves­ti­ga­ção e/ou De­on­to­lo­gia. De for­ma a que es­tes mem­bros atu­em com in­de­pen­dên­cia para re­a­li­zar as su­as fun­ções, po­den­do de­cla­rar, ca­so con­si­de­rem ne­ces­sá­rio, con­fli­to de in­te­res­ses.

Qual a com­po­si­ção de um ORBEA, no ca­so de um cri­a­dor ou for­ne­ce­dor?

Es­cla­re­ce o Des­pa­cho nº 2880/2015, no seu pon­to 2, que es­te ór­gão de­ve ser cons­ti­tuí­do por:

“i) O res­pon­sá­vel pe­lo es­ta­be­le­ci­men­to; ii) A pes­soa ou pessoas res­pon­sá­veis pe­la su­per­vi­são do bem-es­tar e pe­los cui­da­dos a pres­tar aos ani­mais, ao abri­go da alí­nea a) do n.º 1 do ar­ti­go 32.º do

De­cre­to-lei n.º 113/2013, de 7 de agos­to; iii) O mé­di­co ve­te­ri­ná­rio res­pon­sá­vel, ao abri­go do ar­ti­go 33.º do mes­mo di­plo­ma.”

Is­to de for­ma obri­ga­tó­ria.

Para além des­tes ele­men­tos po­de­rão ain­da ser com­pos­tos por:

“i) Um re­pre­sen­tan­te do pes­so­al que pres­ta cui­da­dos aos ani­mais, ao abri­go da alí­nea c) do n.º 2 do ar­ti­go 31.º do De­cre­to-lei n.º 113/2013, de 7 de agos­to; ii) Um re­pre­sen­tan­te da so­ci­e­da­de ci­vil, que for­ne­ça uma pers­pe­ti­va da co­mu­ni­da­de e aju­de a iden­ti­fi­car as opi­niões e pre­o­cu­pa­ções do pú­bli­co, em ge­ral, so­bre a uti­li­za­ção de ani­mais para fins ci­en­tí­fi­cos.”

E no ca­so de um uti­li­za­dor, qual de­ve­rá ser a com­po­si­ção?

“i) O res­pon­sá­vel pe­lo es­ta­be­le­ci­men­to; ii) A pes­soa ou pessoas res­pon­sá­veis pe­la su­per­vi­são do bem-es­tar e pe­los cui­da­dos a pres­tar aos ani­mais, ao abri­go da alí­nea a) do n.º 1 do ar­ti­go 32.º do De­cre­to-lei n.º 113/2013, de 7 de agos­to; iii) O mé­di­co ve­te­ri­ná­rio res­pon­sá­vel, ao abri­go do ar­ti­go 33.º do mes­mo di­plo­ma; iv) Um res­pon­sá­vel ci­en­tí­fi­co per­ten­cen­te à pró­pria ins­ti­tui­ção, ao abri­go do n.º 3 do ar­ti­go 34.º do mes­mo di­plo­ma.”

Mem­bros obri­ga­tó­ri­os

Sen­do es­tes mem­bros obri­ga­tó­ri­os, po­den­do ain­da ser com­pos­tos por:

“i) Um re­pre­sen­tan­te do pes­so­al que pres­ta cui­da­dos aos ani­mais, ao abri­go da alí­nea c), do n.º 2 do ar­ti­go 31.º do De­cre­to-lei n.º 113/2013, de 7 de agos­to; ii) Uma pes­soa es­pe­ci­a­li­za­da em es­ta­tís­ti­ca e de­se­nho ex­pe­ri­men­tal; iii) Uma pes­soa que não te­nha qual­quer re­la­ção ju­rí­di­ca, con­tra­tu­al ou ou­tra, de­sig­na­da­men­te téc­ni­co-ci­en­tí­fi­ca, com o es­ta­be­le­ci­men­to, mas que se en­con­tre li­ga­da à ci­ên­cia de ani­mais de la­bo­ra­tó­rio; iv) Um re­pre­sen­tan­te de um Co­mi­té de Éti­ca para a Saú­de ou para a In­ves­ti­ga­ção Clí­ni­ca que te­nha si­do cri­a­do den­tro da mes­ma ins­ti­tui­ção; v) Um re­pre­sen­tan­te da so­ci­e­da­de ci­vil, que for­ne­ça uma pers­pe­ti­va da co­mu­ni­da­de e aju­de a iden­ti­fi­car as opi­niões e pre­o­cu­pa­ções do pú­bli­co, em ge­ral, so­bre a uti­li­za­ção de ani­mais para fins ci­en­tí­fi­cos.”

Fun­ções dos ORBEA

A Fa­cul­da­de de Far­má­cia da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa de­sen­vol­ve ain­da as fun­ções que es­tes ORBEA te­rão, sen­do es­tas, en­tre ou­tras, as de: Acon­se­lhar em ques­tões re­la­ci­o­na­das com o bem-es­tar ani­mal; Acon­se­lhar so­bre a apli­ca­ção os re­qui­si­tos de subs­ti­tui­ção, re­du­ção e re­fi­na­men­to (3 Rs);

Es­ta­be­le­cer e re­ver os pro­ces­sos ope­ra­ci­o­nais in­ter­nos de mo­ni­to­ri­za­ção, de co­mu­ni­ca­ção de informações e de acom­pa­nha­men­to no que res­pei­ta a bem-es­tar dos ani­mais alo­ja­dos ou uti­li­za­dos no es­ta­be­le­ci­men­to; Acom­pa­nhar a evo­lu­ção e os re­sul­ta­dos dos pro­je­tos, ten­do em con­ta os efei­tos so­bre ani­mais uti­li­za­dos; Pres­tar acon­se­lha­men­to so­bre pro­gra­mas de re­a­lo­ja­men­to.

Des­pa­cho da DGAV

Pos­to is­to e após a cri­a­ção do De­cre­to-lei 113/2013 de 7 de agos­to so­bre a pro­te­ção de ani­mais uti­li­za­dos para fins ci­en­tí­fi­cos, viu a Di­re­ção Ge­ral de Ali­men­ta­ção e Ve­te­ri­ná­ria (DGAV), sob a al­ça­da do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra e do Mar, a ne­ces­si­da­de de pro­ce­der à emis­são de um des­pa­cho re­la­ti­vo a es­ta pro­te­ção, ten­do si­do con­si­de­ra­do que o con­tex­to da ma­nu­ten­ção, cri­a­ção e uti­li­za­ção de ani­mais para fins ci­en­tí­fi­cos e o seu bem-es­tar re­ves­ti­am a má­xi­ma pri­o­ri­da­de, de­ven­do para is­so exis­tir um ór­gão res­pon­sá­vel pe­lo bem-es­tar dos ani­mais, in­de­pen­den­te e com com­po­si­ção obri­ga­tó­ria no ca­so de cri­a­do­res ou for­ne­ce­do­res e fa­cul­ta­ti­va se fo­rem uti­li­za­do­res. ■

Os ORBEA têm a fi­na­li­da­de de pro­mo­ver o bem-es­tar ani­mal, emi­tir pa­re­ce­res, acom­pa­nhar a uti­li­za­ção de ani­mais na in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e ga­ran­tir a con­for­mi­da­de éti­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.