Ani­mais & Cri­an­ças

Es­tá com­pro­va­do ci­en­ti­fi­ca­men­te que o con­tac­to en­tre cri­an­ças e ani­mais traz inú­me­ros be­ne­fí­ci­os, mas tam­bém te­mos de aten­der a mui­tas con­si­de­ra­ções para que es­ta con­vi­vên­cia cor­ra bem.

Caes & Companhia - - Nesta Edição - Van­da San­tos Mé­di­ca Ve­te­ri­ná­ria

Es­tá com­pro­va­do ci­en­ti­fi­ca­men­te que o con­tac­to en­tre cri­an­ças e ani­mais traz inú­me­ros be­ne­fí­ci­os:

Di­mi­nui­ção da pro­ba­bi­li­da­de de aler­gi­as e mai­or re­sis­tên­cia do sis­te­ma imu­ni­tá­rio das cri­an­ças;

Aqui­si­ção de mai­or sen­ti­do de res­pon­sa­bi­li­da­de e sen­si­bi­li­da­de pe­ran­te os ani­mais e a na­tu­re­za;

Me­lhor de­sen­vol­vi­men­to psi­cos­so­ci­al, in­clu­si­ve be­ne­fí­ci­os te­ra­pêu­ti­cos em cri­an­ças hi­pe­ra­ti­vas ou com per­tur­ba­ções do es­pe­tro do au­tis­mo.

No en­tan­to, não bas­ta sim­ples­men­te jun­tar um ani­mal e uma cri­an­ça para que tu­do is­to acon­te­ça na­tu­ral­men­te.

Ca­da ca­so é úni­co. Quan­do se op­ta pe­la con­vi­vên­cia de ani­mais e cri­an­ças de­ve-se aten­der a mui­tas con­si­de­ra­ções, to­das elas de­pen­den­tes de di­fe­ren­tes cri­té­ri­os.

Ida­de da cri­an­ça

Um cri­té­rio é a ida­de em que a cri­an­ça é ex­pos­ta ao ani­mal. Ob­vi­a­men­te, o en­ten­di­men­to de uma cri­an­ça dos 2 aos 8 anos não se­rá o mes­mo do que uma mais ve­lha. Por is­so, de acor­do com a cri­an­ça em cau­sa é pre­ci­so per­ce­ber qual a me­lhor for­ma para a fa­zer en­ten­der e res­pei­tar as ne­ces­si­da­des do ani­mal.

Ida­de e espécie do ani­mal a ado­tar

Ca­da ani­mal tem ne­ces­si­da­des e tem­pe­ra­men­tos es­pe­cí­fi­cos, que tam­bém va­ri­am com as di­fe­ren­tes fa­ses da sua vi­da. Lo­go, exi­gem pos­tu­ras e ma­neio dis­tin­tos por parte da sua fa­mí­lia. Por is­so, pro­cu­re co­nhe­cer qual a me­lhor ati­tu­de a ter pe­ran­te a fa­se de vi­da em cau­sa do seu ani­mal.

Um ani­mal é um ser vi­vo

A in­te­ri­o­ri­za­ção de que um ani­mal é um ser vi­vo com ne­ces­si­da­des e ca­rac­te­rís­ti­cas pró­pri­as. Os ani­mais não são brin­que­dos ou ar­mas de sa­tis­fa­ção para os nos­ci­da sos fi­lhos. Se­jam de que espécie fo­rem, se­rão com­pa­nhei­ros e ele­men­tos da fa­mí­lia, cu­ja es­sên­cia de­ve ser res­pei­ta­da.

Es­co­lha do ani­mal

Se­ja cão, ga­to, co­e­lho, hams­ter ou ou­tro, um ani­mal po­de­rá ser uma mais­va­lia nu­ma ca­sa, tra­zen­do inú­me­ros be­ne­fí­ci­os ao de­sen­vol­vi­men­to dos nos­sos fi­lhos. Para que is­to acon­te­ça é ne­ces­sá­rio es­tar aten­to a uma sé­rie de cri­té­ri­os fun­da­men­tais, para que cri­an­ças e ani­mais pos­sam ser sau­dá­veis e fe­li­zes, e que a tal con­vi­vên­cia pos­sa ser pro­du­ti­va para am­bos.

Se­ja qual for o ani­mal que op­te por con­tac­tar com os seus fi­lhos, cer­ti­fi­que-se que lhes trans­mi­te as pos­tu­ras cor­re­tas a ado­tar. É ne­ces­sá­rio que as nos­sas cri­an­ças per­ce­bam as ex­pres­sões do seu ani­mal evi­tan­do as­sim in­ci­den­tes. A não com­pre­en­são de uma ex­pres­são abor­re- ou zan­ga­da é um pas­so para uma agres­são e des­gos­tos, qua­se sem­pre cul­pa­bi­li­zan­do o ani­mal.

Ca­rá­ter do ani­mal e da cri­an­ça

É ne­ces­sá­rio o en­ten­di­men­to por parte dos pais so­bre o ca­rá­ter e as ne­ces­si­da­des do ani­mal e cons­ci­ên­cia so­bre o ca­rá­ter do fi­lho/a, de for­ma a que a es­co­lha do ani­mal de com­pa­nhia se­ja a mais apro­pri­a­da à fe­li­ci­da­de de to­dos. Pro­cu­re co­nhe­cer o seu ani­mal, con­sul­te um mé­di­co ve­te­ri­ná­rio es­pe­ci­a­lis­ta na espécie para po­der com­pre­en­der as su­as ne­ces­si­da­des e per­ce­ber se a sua fa­mí­lia tem es­tru­tu­ra para su­por­tar tal res­pon­sa­bi­li­da­de.

Sen­si­bi­li­zar as cri­an­ças

É im­pres­cin­dí­vel con­se­guir trans­mi­tir às cri­an­ças quais as ne­ces­si­da­des do ani­mal da fa­mí­lia e fa­zê-las per­ce­ber que o mes­mo é um acres­cen­to ao agre­ga­do fa­mi­li­ar. Além dis­so, o ani­mal po­de, co­mo qual­quer ser vi­vo, ser sau­dá­vel e fi­car do­en­te. Po­de pre­ci­sar de as­sis­tên­cia mé­di­ca e dis­po­ni­bi­li­da­de por parte dos seus tu­to­res.

A ba­se é o res­pei­to!

O res­pei­to pe­la hu­ma­ni­da­de co­me­ça pe­lo re­co­nhe­ci­men­to das di­fe­ren­ças. O cres­ci­men­to sau­dá­vel co­me­ça pe­lo res­pei­to pe­la vi­da, se­ja ela de que for­ma for. Os ani­mais não são brin­que­dos nem pren­das, são se­res vi­vos que sen­tem e amam in­con­di­ci­o­nal­men­te ape­nas pe­din­do uma coi­sa: O res­pei­to pe­la sua es­sên­cia!

Por is­so, to­man­do em con­ta es­te tex­to é fá­cil per­ce­ber o quan­to é im­por­tan­te es­tu­dar e pro­gra­mar a es­tru­tu­ra fa­mi­li­ar ani­mais-cri­an­ças. Sim! As nos­sas cri­an­ças são mais fe­li­zes com ani­mais e os mes­mos po­dem dar-lhes mui­to no dia-a-dia e no fu­tu­ro, mas an­tes de tu­do, ca­be a nós, pais, per­ce­ber­mos e pla­ni­fi­car­mos es­ta in­te­ra­ção vi­san­do a fe­li­ci­da­de e saú­de de to­dos. ■

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.