Con­vi­ver com um cão: O que de­ve­mos en­si­nar às cri­an­ças?

Co­mo per­ce­ber os si­nais de co­mu­ni­ca­ção do cão? Co­mo re­co­nhe­cer os si­nais de cal­ma co­mo parte da lin­gua­gem uti­li­za­da pe­los cães para evi­tar con­fli­tos? O que fa­zer quan­do um cão des­co­nhe­ci­do se apro­xi­ma? Co­mo cum­pri­men­tar um cão? Es­tas são al­gu­mas das quest

Caes & Companhia - - Nesta Edição -

Ores­pei­to e o amor pe­los ani­mais são va­lo­res que nos aju­dam a cres­cer e a ama­du­re­cer de for­ma mais cons­ci­en­te. A res­pon­sa­bi­li­da­de de cui­dar de ou­tro ser vi­vo é uma ta­re­fa diá­ria que nos ocu­pa, nos faz es­que­cer um pou­co os nos­sos pro­ble­mas e re­com­pen­sa com ju­ros o es­for­ço in­ves­ti­do.

Os me­dos dos pais

En­quan­to há cri­an­ças cu­jos pais lhes per­mi­tem o con­tac­to com ani­mais e trans­mi­tem o res­pei­to pe­los mes­mos, ou­tros evi­tam es­se mes­mo con­tac­to, ra­lham com os fi­lhos e in­ci­tam o me­do, cri­an­do re­cei­os e trau­mas em re­la­ção aos cães ou ou­tros ani­mais. Não é jus­to trans­mi­tir­mos os nos­sos me­dos aos nos­sos fi­lhos. Co­mo pais te­mos a res­pon­sa­bi­li­da­de de lhes dar­mos ar­mas su­fi­ci­en­tes para se sen­ti­rem se­gu­ros. Di­zem que te­me­mos aqui­lo que não co­nhe­ce­mos, por is­so nes­te ar­ti­go pre­ten­de­mos pas­sar al­gu­mas idei­as para aju­dar os mais pe­que­nos a con­vi­ver com os cães da ma­nei­ra mais har­mo­ni­o­sa pos­sí­vel.

Não po­de­mos per­mi­tir que os nos­sos fi­lhos brin­quem pro­vo­can­do mal-es­tar ao cão, pois es­tes são se­res vi­vos e mui­to sen­sí­veis

Res­pei­tar o cão

O pri­mei­ro mi­to que te­mos de afas­tar da nos­sa men­te é que so­mos os lí­de­res ou che­fes da ma­ti­lha. Es­te con­cei­to é de­ma­si­a­do pe­ri­go­so. Ao pen­sar­mos que so­mos o “che­fe” pen­sa­mos que nos po­de­mos im­por à for­ça. Ape­sar de os cães se­rem des­cen­den­tes dos lo­bos, is­so não quer di­zer que se­jam lo­bos. Além de que mes­mo nos lo­bos o che­fe não se “im­põe” pe­la for­ça, mas sim pe­lo res­pei­to.

Os cães com que con­vi­ve­mos na atu­a­li­da­de são ani­mais do­més­ti­cos que adap­ta­ram os seus ins­tin­tos na­tu­rais à vi­da com os hu­ma­nos. Os nos­sos cães vi­vem em fa­mí­lia e de­ve­mos tra­tá-los co­mo mais um mem­bro des­ta, en­si­nan­do-lhes as nor­mas bá­si­cas de con­vi­vên­cia com o mes­mo ca­ri­nho e res­pei­to que en­si­na­mos os nos­sos fi­lhos.

As cri­an­ças de­vem apren­der a tra­tar os cães co­mo seus ami­gos, não têm de ser os seus “lí­de­res”, nem po­de­mos dei­xar que ajam de for­ma ti­râ­ni­ca com os ani­mais.

Fa­lar com o cão

Va­mos co­me­çar pe­lo prin­cí­pio. A co­mu­ni­ca­ção, a lin­gua­gem. Co­mo po­de­mos fa­lar com o nos­so cão para que nos en­ten­da?

Uti­li­za­mos um tom de voz ade­qua­do, não te­mos de gri­tar, nem de re­pe­tir as coi­sas. Te­mos de o aju­dar a en­ten­der, pro­cu­ran­do en­si­nar-lhe por as­so­ci­a­ção as pa­la­vras que ne­ces­si­ta­mos que en­ten­da. Por exemplo, se que­re­mos que saia do so­fá e nun­ca lhe en­si­ná­mos is­so, por mui­to que se di­ga, re­pi­ta ou gri­te, ele não en­ten­de, não fa­la por­tu­guês. En­si­ne-o! Vá bus­car um pe­da­ço de co­mi­da e co­lo­que jun­to ao seu fo­ci­nho, gui­an­do-o para fo­ra do so­fá. De­pois re­pi­ta o pro­ces­so vá­ri­as ve­zes e, quan­do ele des­ce do so­fá, se­guin­do a sua mão com co­mi­da, en­si­na­mos a pa­la­vra “bai­xo”. Di­ga “bai­xo” e guie com a co­mi­da para que des­ça do so­fá. Nas re­pe­ti­ções se­guin­tes ex­pe­ri­men­te sem co­mi­da na mão e dê-lhe um pré­mio se ele des­cer do so­fá.

Es­te é mais ou me­nos o pro­ces­so para lhe en­si­nar qual­quer pa­la­vra no­va. Não de­ve­mos as­su­mir que ele a de­ve co­nhe­cer, pois os cães não fa­lam o nos­so idi­o­ma, te­mos de lhes en­si­nar. Com pa­ci­ên­cia e con­sis­tên­cia, con­se­gui­mos bons re­sul­ta­dos.

Es­cu­te o seu cão

En­ten­de­mos o que nos diz o nos­so cão? É cer­to que não fa­la, mas a sua lin­gua­gem es­tá mui­to de­sen­vol­vi­da. Os cães di­zem-nos cla­ra­men­te com o seu cor­po, mo­vi­men­tos e la­ti­dos ou gru­nhi­dos quan­do es­tão in­co­mo­da­dos, quan­do têm me­do, quan­do es­tão far­tos de nós e quan­do não aguen­tam mais e es­tão a pon­to de ata­car. Te­mos de en­si­nar as cri­an­ças a per­ce­ber os si­nais de co­mu­ni­ca­ção do cão.

Pri­mei­ro va­mos ob­ser­var o seu cor­po. Se a sua cau­da es­tá ten­sa, po­de es­tar ner­vo­so com al­go. Quan­do o cão es­tá re­la­xa­do a sua cau­da tam­bém es­tá re­la­xa­da. Is­to, cla­ro, não é o úni­co si­nal que de­ve­mos ob­ser­var.

Te­mos de ver o con­jun­to de si­nais que nos es­tá a dar. Ca­da um de­les é mais uma pis­ta para per­ce­ber­mos que al­go não es­tá bem. As ore­lhas vi­ra­das para a fren­te, o olhar fi­xo, os lá­bi­os le­van­ta­dos e os pe­los da ga­ru­pa le­van­ta­dos são a ima­gem de que o cão es­tá in­co­mo­da­do e é pos­sí­vel que re­cor­ra a agres­si­vi­da­de.

Si­nais de cal­ma

Ago­ra va­mos pres­tar aten­ção aos seus mo­vi­men­tos, os cha­ma­dos si­nais de cal­ma. São parte da lin­gua­gem uti­li­za­da pe­los cães para evi­tar con­fli­tos, são a sua ma­nei­ra de nos di­ze­rem que al­go não es­tá bem, que te­mos de nos acal­mar ou que te­mos de o aju­dar a sair de uma si­tu­a­ção que lhe é in­có­mo­da.

Es­tes são al­guns si­nais de cal­ma, pres­te mui­ta aten­ção quan­do vir o seu cão fa­zer is­to:

•Ca­mi­nhar len­ta­men­te, al­go que cos­tu­mam fa­zer quan­do os cha­ma­mos aos gri­tos ou para se apro­xi­mar de ou­tro cão que não co­nhe­cem;

•Olhar para o ou­tro la­do, bas­tan­te co­mum quan­do gri­ta­mos ou ra­lha­mos;

•Apro­xi­mar-se des­cre­ven­do uma cur­va em vez de ir em li­nha re­ta, para ten­tar acal­mar a pes­soa ou cão de que se apro­xi­mam;

•Pa­ra­li­sar, fi­cam imó­veis co­mo se fi­cas­sem pe­tri­fi­ca­dos quan­do não se sen­tem se­gu­ros nu­ma si­tu­a­ção, pe­ran­te ou­tro cão ou pes­soa que se apro­xi­ma;

•Vé­nia, quan­do apoi­am os co­to­ve­los no chão e le­van­tam a parte tra­sei­ra co­mo se es­ti­ves­sem a fa­zer uma vé­nia, nor­mal­men­te es­tão-nos a con­vi­dar para brin­car, mas po­dem tam­bém es­tar a di­zer que que­rem que a ten­são da si­tu­a­ção re­la­xe um pou­co e para le­var­mos as coi­sas com mais cal­ma, pe­ran­te uma re­pri­men­da;

•Chei­rar o so­lo, po­dem co­lo­car-se a chei­rar quan­do al­go lhes é ame­a­ça­dor ou que­rem in­di­car que não es­tão in­te­res­sa­dos na in­te­ra­ção com ou­tros cães ou pessoas; evi­den­te­men­te nem sem­pre chei­ram por es­te mo­ti­vo, te­mos de ler bem o con­tex­to em que o fa­zem;

•Lam­ber os lá­bi­os ou o na­riz, para di­zer que que­rem evi­tar pro­ble­mas;

•Bo­ce­jar, não por­que es­tão abor­re­ci­dos, mas por­que nos ten­tam acal­mar, es­tão a di­zer que não são uma ame­a­ça;

•Fa­zer xi­xi, quan­do o cão uri­na quan­do lhe to­ca­mos, fa­la­mos ou ra­lha­mos es­tá a pe­dir para nos acal­mar­mos, pois es­tá mui­to ner­vo­so e não se sen­te se­gu­ro.

De­sa­fie o seu fi­lho

Con­vi­de o seu fi­lho a ob­ser­var os cães quan­do brin­cam no par­que para ver se é ca­paz de dis­tin­guir al­gum des­tes si­nais, aju­dan­do-o a en­ten­dê-los de ca­da vez que o vos­so cão os mos­tra. Ex­pli­que o que sig­ni­fi­cam e o que tem de fa­zer. Se ig­no­ra­mos os si­nais de cal­ma es­ta­mos a fe­char as vi­as de co­mu­ni­ca­ção do nos­so cão e se­rá ca­da vez mais di­fí­cil en­ten­dê-lo.

Re­gras im­por­tan­tes

É im­por­tan­te ter cer­tas re­gras bem cla­ras para que a con­vi­vên­cia en­tre cri­an­ças e cães se­ja tran­qui­la.

Nun­ca dei­xar uma cri­an­ça a brin­car com um cão sem a su­per­vi­são de um adul­to

Não po­de­mos dei­xar que a cri­an­ça ma­goe o cão du­ran­te as brin­ca­dei­ras. Os cães são se­res vi­vos e mui­to sen­sí­veis ao ma­neio. Quan­do se sen­tem in­co­mo­da­dos

ou ame­a­ça­dos po­dem de­fen­der-se mor­den­do. O jo­go de pu­xar as ore­lhas ou o ra­bo, ou brin­car a per­se­gui-lo... po­de aca­bar em agres­são. Se não gos­ta­va que lhe fi­zes­sem is­so a si ou ao seu fi­lho, o cão tam­bém não irá gos­tar.

Não brin­car a rou­bar-lhe os brin­que­dos, os os­sos ou ou­tros ob­je­tos que lhe per­ten­çam

Nes­te ca­so, o cão po­de ata­car para os pro­te­ger. Se o cão rou­ba um brin­que­do ou ou­tra coi­sa da cri­an­ça, es­ta de­ve es­pe­rar que o sol­te ou tro­cá-lo por al­go sa­bo­ro­so de co­mer. Se a cri­an­ça o ten­tar ti­rar à for­ça po­de aca­bar fe­ri­da.

Res­pei­tar cer­tos mo­men­tos sen­sí­veis

De­ve­mos res­pei­tar cer­tos mo­men­tos sen­sí­veis. Quan­do o cão es­tá a co­mer, a be­ber ou a des­can­sar, de­ve ser dei­xa­do tran­qui­lo.

Não dei­xar as cri­an­ças dis­cu­ti­rem com o cão

As dis­cus­sões aca­bam sem­pre mal. En­tre dois ir­mãos que dis­cu­tem, nor­mal­men­te, há pal­ma­das e gri­tos, mas com os cães é mais pe­ri­go­so, por­que es­tes não têm mãos para se de­fen­de­rem e po­dem uti­li­zar

os den­tes. Te­mos de ex­pli­car à cri­an­ça que as lu­tas (mes­ma as de brin­car) não são a me­lhor ma­nei­ra de in­te­ra­gir com o cão. Se dis­cu­tem, per­gun­ta­mos o que se pas­sa e co­lo­ca­mos um fim ao con­fli­to.

Não obri­gar o cão a fa­zer al­go que não quer, pu­xan­do-o ou le­van­do-o à for­ça

Se o cão se sen­te ame­a­ça­do ou for­ça­do é pos­sí­vel que res­pon­da de ma­nei­ra agres­si­va. Se lhe que­re­mos co­lo­car a co­lei­ra, por exemplo, usa­mos um pe­da­ço de co­mi­da para que se apro­xi­me e se­ja pre­mi­a­do, não o per­se­gui­mos por to­da a ca­sa. Se lhe que­re­mos dar ba­nho mos­tra­mos-lhes que é al­go se­gu­ro que não tem de te­mer. Uti­li­za­mos mé­to­dos de ha­bi­tu­a­ção para is­so, li­ga­mos o mo­men­to do ba­nho a al­go agra­dá­vel (por exemplo, pe­da­ços de sal­si­cha). No pri­mei­ro dia só o acom­pa­nha­mos até à ca­sa de ba­nho. Quan­do já se sen­te có­mo­do na ca­sa de ba­nho co­lo­ca­mo-lo den­tro da ba­nhei­ra. Quan­do es­tar na ba­nhei­ra já não for um pro­ble­ma, abri­mos a água. Num ou­tro dia mo­lha­mos-lhe as pa­tas, etc. Va­mos ver que se vai sen­tin­do mais se­gu­ro.

Se o pro­ble­ma for cor­tar as unhas, se­gui­mos o mes­mo pro­ces­so de ha­bi­tu­a­ção com co­mi­da. Va­mos pou­co a pou­co, acos­tu­man­do-o a ser me­xi­do nas pa­tas

e a li­gar is­so à co­mi­da, até con­se­guir­mos cor­tar as unhas. O mes­mo con­se­lho ser­ve para o pen­te­ar ou la­var os den­tes. Po­de­mos en­car­re­gar os nos­sos fi­lhos dos seus cui­da­dos de hi­gi­e­ne, mas te­mos de os en­si­nar a fa­zer de ma­nei­ra cui­da­do­sa e de acor­do com a sua ida­de.

Fa­ça uma lis­ta!

De­ve­mos con­vo­car to­da a fa­mí­lia e es­cre­ver uma lis­ta de coi­sas ou com­por­ta­men­tos que não gos­tam no seu cão. Te­mos de ser mui­to con­cre­tos. Não bas­ta di­zer que é mau ou por­ta-se mui­to mal. Te­mos de ex­pli­car. Por exemplo, não gos­to que me mor­da as mãos quan­do brin­ca­mos ou não gos­to que me sal­te para ci­ma. Mas não se li­mi­tem a di­zer “não gos­to de”, pen­se no que gos­ta­ri­am que o cão fi­zes­se nes­sa cir­cuns­tân­cia.

De­pois te­mos de dei­tar mãos à obra e es­tru­tu­rar um pla­no de edu­ca­ção para lhe en­si­nar com­por­ta­men­tos mais acei­tá­veis. Va­mos en­si­ná-lo a jo­gar sem mor­der e a sen­tar-se para cum­pri­men­tar as pessoas, se­guin­do as re­gras da edu­ca­ção ca­ni­na em po­si­ti­vo.

Te­mos de ser pais res­pon­sá­veis e de en­si­nar os nos­sos fi­lhos a res­pei­tar e a des­fru­tar dos ani­mais com que con­vi­ve­mos. ■

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.